terça-feira, 26 de janeiro de 2021

Recanto da Colónia Agrícola da Gafanha

 
Escola Municipal de Educação Rodoviária para recreio e formação. Um espaço limpo e arejado. 

Aproveitar o confinamento saudavelmente

Eu e a Lita na zona da muralha 
Três filhos com a Lita junto à Estátua de D. Afonso, 
Conde de Barcelos e Duque de Bragança 
Nas termas, a Lita prova a água com a Aidinha e o Paulinho

O desânimo não leva a parte nenhuma de sentido positivo. Em maré de confinamento necessitamos veementemente de optar pela via positiva. E como é preciso variar, hoje voltei-me para as  fotografias antigas de muitas que tenho por aqui, algumas em caixas e muito poucas em álbuns. O tempo para as arrumar tem escasseado ao longo dos anos. Mas hoje consegui rever umas tantas, que me trouxeram bastantes e agradáveis recordações. 
Começo por Chaves onde passei férias em casa de amigos e no parque de campismo, banhado pelo Tâmega com cidade à vista. Foram tempos de descoberta não apenas da cidade de Chaves, com montras vocacionadas para turistas espanhóis, mas com restaurantes a apostar no que é regional. Pastéis de Chaves e presunto eram reis para os flavienses, para os aquistas e para os veraneantes. Eu engrossava a lista dos dois últimos grupos. 
Com alguma frequência dávamos um salto a Espanha, clandestinamente, que a União Europeia ainda nem sequer sonhada estava. Não ousávamos passar a fronteira, mas seguíamos tranquilamente por carreiros entre terras agrícolas. Chegámos, contudo, a ir de carro com a concordância dos guardas fronteiriços. E na cidade de Chaves, com a sua ponte romana entre outros sinais que atestavam a sua antiguidade, sempre soubemos apreciar o passado no meio do presente que nos envolvia.

Fernando Martins

Rua Eng. Luís Gomes de Carvalho





O Eng.º Luís Gomes de Carvalho nasceu na Atalaia (Vila Nova da Barquinha), a 15 de abril de 1771. Frequentou a Real Academia de Fortificação, onde foi um aluno laureado. Este Engenheiro militar ingressou depois no Real Corpo de Engenheiros, figurando na toponímia ilhavense devido ao seu papel na abertura da Barra de Aveiro, a 3 de abril de 1808, e pelas obras do Porto. 
A abertura da Barra foi uma obra de extrema importância, uma vez que o seu assoreamento estava a causar elevadíssimos prejuízos às salinas da ria e à agricultura da região. Assim, e após diversos apelos das autoridades locais, em 1802, o Ministro do Reino, D. Rodrigo de Sousa Coutinho, encarregou os Engenheiros Coronel Reinaldo Oudinot e o Capitão Luís Gomes de Carvalho de procederem a estudos para abertura da nova Barra. Estes revelaram-se muito semelhantes entre si, tendo sido aprovados pelo Príncipe Regente D. João VI. 
Em dezembro de 1803, o Eng.º Oudinot foi destacado para a Madeira, ficando a obra a cargo do seu genro, o Eng.º Luís Gomes de Carvalho, mantendo-se este até 1823, devido a divergências políticas. 
Luís Gomes de Carvalho foi membro da Real Sociedade Marítima, Militar e Geográfica. Além das obras que possibilitaram a abertura da Barra, foi também responsável por diversos estudos e obras de elevada importância. Destas destacam-se os levantamentos topográficos de Trás-os-Montes, que deram origem à Carta Topographica da parte da provinicia de Trás os Montes compreendida entre o Douro e o Sabor até Bragança, e o plano de melhoramento das condições de acesso à Barra do Douro, chegando mesmo a dirigir as obras do dique na extremidade norte do Cabedelo. 
Faleceu a 17 de junho de 1826, em Leiria. 

NOTAS:

1. Este trabalho foi elabora pelo CDI, no âmbito do projeto "Se esta rua fosse minha";
2. A Rua Eng.º Luís Gomes de Carvalho situa-se mesmo à entrada da Praia da Barra. Foi uma proposta da Junta de Freguesia da Gafanha da Nazaré, a 20 de junho de 2013, na Comissão Municipal de Toponímia (Ata nº. 12/2013); 
3. Em 1947 foi editado pelo Arquivo do Distrito de Aveiro a Memória Descritiva ou notícia circunstanciada do plano e processo dos efectivos trabalhos hidráulicos empregados na abertura da barra de Aveiro segundo as ordens de S. A. R. o príncipe regente nosso senhor: ou notícia circunstanciada do plano e processo dos efectivos trabalhos hidráulicos empregados na abertura da barra de Aveiro.  Esta obra é prefaciada por Francisco Ferreira Neves. Nela podemos encontrar não só o estudo para a abertura da Barra de Aveiro, como diversa correspondência do Engenheiro. Destacamos o Mapa da Ria de Aveiro que acompanha a obra;
4. Se alguém possuir ou souber da existência de alguma busto em monumento ou registo fisionómico de Luís Gomes de Carvalho, agradeço informação. 

segunda-feira, 25 de janeiro de 2021

ATO ELEITORAL: Servidores da democracia

O ato eleitoral decorreu neste edifício escolar, na Alameda Prior Sardo 

Ontem, domingo, foi dia de eleições para a Presidência da República. Apesar do confinamento, não faltei ao cumprimento de um dever cívico, atitude que assumi desde a instauração da democracia em Portugal. Receoso de qualquer contacto físico com pessoas infetadas ou em situação de assintomáticas, cuidei-me mentalmente. 
À chegada percebi que havia um movimento normal, bom sinal, em resposta às perspetivas de grandes abstenções. À entrada, com os devidos distanciamentos, foi-me indicado o caminho para a minha mesa de votação. Caminhos bem definidos e com setas bem visíveis, mas nunca faltaram colaboradores da organização, com predominância de jovens, na ajuda a quem ia chegando. Exercido o cumprimento do meu dever, enquanto cidadão, regressei a casa. 
Este meu escrito tem por finalidade agradecer aos responsáveis pela organização, nomeadamente à Junta de Freguesia da Gafanha da Nazaré, mas ainda a todos os que colaboraram neste ato democrático, e muitos foram, pela forma gentil, eficiente e disponível como serviram a nossa comunidade. 
Um bem-haja a todos. 

F. M. 

O Presidente Marcelo foi reeleito



Marcelo Rebelo de Sousa venceu as eleições presidenciais. Era o esperado e desejado pela maioria dos portugueses. Sem se preocupar muito com a campanha eleitoral, sem despesas de maior, sem cartazes nem preocupações e muito tranquilo deixou a léguas os outros candidatos. Ganhou muito mais poder para a sua intervenção política e mais simpatias para voltar ao seu mundo de afetos. Há quem não goste, mas eu gosto bastante de um Presidente que sabe, como poucos, viver a proximidade. 
O Presidente Marcelo é um homem bom, culto, solidário, inteligente, humanista, sensível ao sofrimento, capaz do diálogo a toda a hora, espontâneo nos afetos, natural nos relacionamentos institucionais  e em representação de Portugal, no estrangeiro, dignifica o país e a nossa gente. 
Deste meu recanto, desejo ao Presidente Marcelo as maiores venturas com muita saúde. 

Fernando Martins 

domingo, 24 de janeiro de 2021

A força de um boletim de voto

"Um boletim de voto tem mais força que um tiro de espingarda."

Abraham Lincoln (1809-1865), 
16.º Presidente dos Estados Unidos

Publicado em Escrito na Pedra no PÚBLICO de hoje

Nota: Por esta razão, mas não só, hoje saí de casa para votar, apesar de levar à risca a norma do confinamento. A ideia de alguns candidatos vencerem as eleições para ocuparem o mais alto cargo da hierarquia do Estado justificou o meu esforço.

Vivemos no tempo, não na eternidade

Crónica de Bento Domingues 
no PÚBLICO


«É na Igreja, a comunidade dos baptizados, que tanto homens como mulheres podem ser convocados para determinados serviços e encargos. Não são nem as mulheres nem os homens que podem atribuir-se, a si próprios, essas funções como se fosse um direito.»

1. Algumas pessoas telefonaram-me para dizer que o 3.º ponto da minha crónica do Domingo passado não respeitava nem o Papa Francisco nem João Paulo II. Chamava bilhetinho desnecessário e, por isso, irónico à Carta Apostólica, Spiritus Domini, do Papa Francisco. Insinuava que Bergoglio recorria a esse estilo por causa da Carta Apostólica de João Paulo II, Ordinatio Sacerdotalis (22.05.1994), da qual deixei apenas a conclusão: “A ordenação sacerdotal, mediante a qual se transmite a função confiada por Cristo aos apóstolos, de ensinar, santificar e reger os fiéis, foi reservada sempre, na Igreja Católica, exclusivamente aos homens.”
Poderia ter sido útil avisar que esta referência se inscreve nas declarações de Paulo VI, de João Paulo II e nos comentários dos Prefeitos da Congregação para a Doutrina da Fé, J. Ratzinger e L. Ladaria. No entanto, o sentido eclesial das minhas intervenções exige o exercício responsável da liberdade, sem o qual o debate teológico não tem qualquer sentido.
Exprimi uma preocupação que é também um desafio. As mulheres lutam, na sua diferença, por um estatuto igual ao dos homens na vida familiar, profissional, cívica, cultural e política. Muitas queixam-se de que, no interior da Igreja católica, a sua diferença é afirmada pela exclusão. Por serem mulheres não são chamadas para exercer os ministérios ordenados que, na organização actual, resultam do sacramento da Ordem e do qual dependem os diáconos, os presbíteros e os bispos.

sábado, 23 de janeiro de 2021

Um sábado para esquecer


Este sábado é um dia para esquecer. O tempo até parece que me bloqueia o cérebro, deixando-me obviamente apático, mas não indiferente à vida. Tenho os pés assentes na terra e estou compenetrado sobre as minhas obrigações cívicas, mas não só. Amanhã, apesar de confinado, quero contribuir para a eleição do Presidente da República (PR). E face à campanha eleitoral que já acabou, felizmente, não terei dúvidas sobre a importância do meu voto. 
Confesso que fiquei muito incomodado com o baixo nível do comportamento de alguns candidatos. Não quero perder tempo com o que alguns exibiram de falta de educação, de ódios pessoais, de desconhecimento das funções do PR, de promessas utópicas, de irrealismo quanto ao país que somos e que desejamos mais desenvolvido a todos os níveis, sem descurar o apoio urgente aos mais desfavorecidos. 
A abstenção elevada pode ser um trampolim para os menos capazes, a serem eleitos,  nos representarem com dignidade e saber. Eu, por isso, quero mesmo votar. 

Fernando Martins

Prior João Ferreira Sardo

Ruas e alamedas da Gafanha da Nazaré


Homenagem do Povo ao seu  primeiro Prior,  
no Jardim 31 de Agosto



João Ferreira Sardo nasceu na Gafanha da Nazaré, filho de João Ferreira Sardo e Clara de Jesus, a 1 de setembro de 1873. 
Frequentou o Seminário Maior de Coimbra, onde, segundo o Padre José Fidalgo, seu sobrinho-neto, foi um aluno notável. Ordenado, a 30 de julho de 1898, foi logo nomeado Capelão da comunidade da Gafanha da Nazaré, funções que exerce até 10 de setembro de 1910, data em que é nomeado Pároco Encomendado da nova freguesia da Gafanha da Nazaré. Esta comunidade pertencia a S. Salvador, tendo a ação e o grande empenho do Prior Sardo sido fundamentais no processo de criação da nova freguesia. 
A sua ação evangelizadora não se ficava pelo plano meramente espiritual, desempenhando um papel fundamental no progresso da vida quotidiana da sua comunidade. São inúmeros os testemunhos que encontramos nos sermões religiosos, onde incitava a hábitos de vida mais saudáveis por parte da população, fundamentando que uma casa limpa significava uma alma purificada. 
Para auxiliar nesta missão de construção de uma Gafanha próspera fundou, em 1902, a Irmandade de Nossa Senhora da Nazaré e, em 1904, o Apostolado da Oração. 
A sua ação ao serviço da Gafanha e da sua população não se restringiu unicamente ao serviço religioso, sabemos que era proprietário e gerente de uma empresa de bacalhau e que foi autarca. 
Politicamente, exerceu o cargo de Vice-presidente da Câmara Municipal de Ílhavo, tendo mesmo assumido a Presidência interinamente nos períodos de 27 de março de 1909 a 2 de janeiro de 1910 e depois de 4 de julho de 1910 a 4 de setembro de 1910. Neste seu período, enquanto autarca, é de notar a construção da antiga estrada que ligava o Matadouro Municipal da Gafanha de Aquém à Cale da Vila, tendo assumido o pagamento desta obra quando esteve à frente da edilidade. 
Em 1910, inicia a dinamização da construção da Igreja Matriz da Gafanha da Nazaré, que, segundo a sua opinião, deveria ocupar o centro geográfico do lugar. Esta será inaugurada a 14 de janeiro de 1912. 
Antes do seu falecimento, a 25 de julho de 1921, benzeu o Cemitério, onde veio a ser sepultado, após a sua morte a 20 de dezembro de 1925.

Informação Memorial sobre o Topónimo

O Prof.º Fernando Martins, refere num artigo que assina no blog da Paróquia da Gafanha da Nazaré, que a «A Alameda Prior Sardo é uma justa homenagem ao primeiro gafanhão que concluiu um curso superior e que desempenhou, nesta sua e nossa terra, um papel relevante a nível religioso, social, cultural, administrativo e até político».


Informação Histórica do Topónimo


1. Trabalho elaborado pelo CDI (Centro de Documentação de Ílhavo), integrado no projeto "Se esta rua fosse minha";

2. Na Gafanha da Nazaré, uma das muitas homenagens que encontramos ao primeiro pároco da freguesia, é a Alameda Prior Sardo. Encontra-se referida no Plano Geral de Urbanização das Gafanhas (1984).

O Papa Francisco e o desporto. 3

Crónica de Anselmo Borges 
no Diário de Notícias

'Mais vale uma derrota limpa do que uma vitória suja.' Desejo isto para toda a gente, não só para o mundo do desporto. É a forma mais bela de jogar a vida com a cabeça erguida. Que Deus nos conceda dias santos. Por favor rezem por mim, para que não desista de treinar com Deus."


Os jornalistas da Gazzeta dello Sport perguntaram-lhe se tinha pensado em escrever uma encíclica sobre o desporto. Francisco: "Explicitamente não, mas há muitos elementos dispersos nas minhas intervenções, sugerindo, por exemplo, como o desporto pode ajudar ou pelo menos dar um contributo para a globalização dos direitos. A cada quatro anos há os Jogos Olímpicos, que podem servir de farol para os navegantes: a pessoa no centro, a pessoa orientada para o seu desenvolvimento, a defesa da dignidade de todas as pessoas. Contribuir para a construção de um mundo melhor, sem guerras nem tensões, educando os jovens através do desporto praticado sem discriminações de nenhuma espécie, num espírito de amizade e de lealdade."
Jogos Olímpicos. "O lema olímpico Citius, Altius, Fortius (Mais veloz, Mais alto, Mais forte) é belíssimo. Com os cinco círculos e a chama olímpica é um dos símbolos dos Jogos. Não é um convite à supremacia de uma equipa sobre a outra, ainda menos a uma espécie de incitamento ao nacionalismo.
É uma exortação aos atletas, para que tendam a trabalhar sobre si mesmos, superando de modo honesto os seus limites, em ordem a construir algo de grande, sem se deixar bloquear por eles. Tornou-se uma filosofia de vida: o convite a não aceitar que alguém assine a vida por nós."

sexta-feira, 22 de janeiro de 2021

Diáconos Permanentes de Aveiro evocam São Vicente

Em ambiente de confinamento

Celebra-se hoje, 22 de janeiro, o dia de São Vicente, padroeiro de Lisboa e, decerto, de muitas outras terras ou comunidades. Em Aveiro é patrono dos Diáconos Permanentes, cujo primeiro grupo foi ordenado em 22 de maio de 1988, na Sé de Aveiro, em cerimónia presidida por D. António Baltasar Marcelino. A propósito desta data, que nunca esquecerei por pertencer àquele grupo, recebi hoje algumas notas e palavras de quem está atento à vida da Diocese de Aveiro, em que evocam o Dia do Diácono na Igreja Aveirense vivido num domingo próximo do padroeiro da capital portuguesa. 
Contando com a participação dos diáconos disponíveis e suas esposas, bem como do presbítero assistente, o encontro é sempre um dia de reflexão, de celebração eucarística e de convívio, preciosos contributos para alimentar o espírito fraterno indispensável na vida e na missão evangelizadora da Igreja. 

Resposta imediata ao convite de Jesus

Reflexão de Georgino Rocha 
para o Domingo III do Tempo Comum

 “As grandes perguntas que acabam por julgar a qualidade da atividade política pública são ‘Quanto amor coloquei no meu trabalho? Em que fiz progredir o povo? Que marcas deixei na vida da sociedade? Que laços reais construí? Que forças positivas desencadeei? Quanta paz social semeei? Que produzi no lugar que me foi confiado?’”.

Cardeal José Tolentino Mendonça 


O evangelho deste domingo, na versão de São Marcos, narra dois episódios diferentes, mas que se interrelacionam profundamente. Dir-se-ia que se trata da “passagem do testemunho”: João Baptista é silenciado e metido na prisão onde será morto; Jesus entra em cena proclamando a Boa Notícia de Deus, dizendo: «O tempo já se cumpriu e o Reino de Deus está próximo. Convertei-vos e acreditai na Boa Notícia». E na sequência deste anúncio, parte para a zona do mar da Galileia, onde encontra homens na faina da pesca: Simão e André, seu irmão, e Tiago e João, filhos de Zebedeu. Viu-os com olhar de benevolência e convida-os a seguirem-no com a garantia: «Farei que vos torneis pescadores de homens». Sem mais explicações. Imediatamente eles deixam tudo e vão com Jesus. 
É impressionante a prontidão dos convidados. A sua resposta fica como referência exemplar da atitude de quem é chamado. A sua disponibilidade indicia uma liberdade interior capaz das maiores ousadias. A sua confiança tem apenas como alicerce a força persuasora de quem lhes faz o convite. E, deixando tudo, imediatamente O seguiram. Mc 1, 14-20. 

quinta-feira, 21 de janeiro de 2021

Leituras para o confinamento

“MIGUEL ESTEVES CARDOSO – as 100 melhores crónicas” 

Decretado o confinamento, que devemos aceitar como fundamental no combate à pandemia, importa agora ocupar o tempo o melhor possível, rejeitando o pessimismo. Uns terão tempo para ver televisão e ouvir rádio, ler jornais, revistas e livros, e outros optarão por  dormir, conversar, escrever e até descobrir apetências artísticas. 
Pessoalmente, para além de alguns serviços caseiros, faço um pouco de tudo. Mas há sempre na minha vida um certo gosto pela leitura e escrita. E por isso, tentarei sugerir alguns livros durante estes dias. 



Confesso que gosto de ler Miguel Esteves Cardoso (MEC). Diariamente, leio a sua crónica no PÚBLICO e ao fim de semana, no suplemento Fugas do mesmo diário, também aprecio a página que lhe está destinada. Acrescento que a leitura de MEC me deixa bem disposto, uma mais-valia para mim, portanto, que sou um pouco taciturno. Com o Covid-19, que nos dá algumas tristezas e até angústias, umas boas leituras devem ajudar-nos bastante na superação da crise. 
Este livro não cansa ninguém. Umas três ou quatro páginas a qualquer hora do dia são o suficiente para nos animar. No meu caso, passo logo a outras crónicas, mas ainda tenho muitas à espera de vez. Há outras leituras de permeio, felizmente. 
Na contracapa, diz-se que o MEC publicou mais de 13 mil crónicas, sendo estas 100 agora editadas “as mais fotocopiadas e coladas em cadernos ou roupeiros, mas também as que motivaram mais telefonemas, discussões, namoros e até casamentos”. Lembra-se também que o MEC escreve há quatro décadas “sobre ele e sobre todos nós, sobre o que Portugal é ou poderia ser, pondo no papel tanto o que nunca nos passaria pela cabeça, como aquilo que sentimos mas seríamos incapazes de expressar tão bem como ele”. 
Trata-se de uma edição da Bertrand, com 360 páginas. 

Fernando Martins 

DEMOCRACIA: Preciosa e Frágil

Joe Biden
“Voltámos a aprender que a democracia é preciosa. Que a democracia é frágil. E nesta hora, meus amigos, a democracia prevaleceu.”


Joe Biden 
(Presidente dos EUA)

"Escrito na Pedra" 
do PÚBLICO 

Todo o mundo ouviu isto. E todo o mundo com o mínimo de inteligência reconhece que se trata de uma verdade insofismável. Cito, a propósito, uma ideia conhecida: Todos os sistemas políticos são imperfeitos, mas a democracia é de todos o menos imperfeito.
Posto isto, está nas mãos dos democratas a defesa intransigente da democracia. Não falta por aí quem  a ofenda. 

F. M.

Ílhavo homenageou “bonecreiro” Armando Ferraz


O bonecreiro Armando Ferraz (1923 – 1997), patrono do projeto cultural “Palheta - Robertos e Marionetas”, do 23 Milhas, foi homenageado na sessão comemorativa do 123º aniversário da restauração do concelho de Ílhavo, promovida pela Câmara Municipal de Ílhavo, no passado dia 13 de janeiro, dia em que o seu nome foi dado a uma rua da cidade da Gafanha da Nazaré, terra de onde era natural e onde viveu. 
Nessa mesma sessão foi também apresentada mais uma edição da revista “Nossa Gente”, exclusivamente dedicada à biografia de Armando Ferraz. 
Desde a última edição do “Palheta”, ocorrida em março de 2020, a Fábrica das Ideias da Gafanha da Nazaré acolhe uma exposição permanente centrada no espólio do bonecreiro Armando Ferraz, gentilmente cedido por Elisa Vilaça. Esse núcleo expositivo tem como foco principal a “relação dos robertos, das marionetas e da Gafanha da Nazaré, desde que o bonecreiro Armando Ferraz se tornou uma referência nesse tipo de teatro na Gafanha da Nazaré, passando pelo festival de Robertos e Marionetas, até ao Palheta”. 

O último fantocheiro 

“O último fantocheiro”, foi assim que o seu conterrâneo e investigador da história da Gafanha da Nazaré, Fernando Martins, designou Armando Ferraz, no texto que publicou na página eletrónica galafanha no dia 27 de outubro de 2010, dizendo então que a Gafanha da Nazaré se podia orgulhar “de ter entre as suas gentes um artista popular que, mesmo iletrado, se tornou famoso. Foi, decerto, um dos últimos fantocheiros, ao jeito daqueles que andavam de feira em feira a exibir a sua arte. Era ele Armando Ferraz…” 
Funcionário da antiga JAPA (Junta Autónoma do Porto de Aveiro), Armando Ferraz distinguiu-se, no dizer de Fernando Martins, “como artista um pouco de tudo. Foi ensaiador de ranchos e marchas, sendo exímio na preparação de encadeados ou entrançados. Mas a sua arte preferida, aquela que levou até ao fim da vida, foi a dos fantoches, também chamados robertos”. 
Armando Ferraz “calcorreou arredores da nossa região, ensinou na Universidade de Aveiro as suas habilidades na confeção do necessário para apresentar os fantoches, embrulhados em estórias que ele muito bem sabia urdir e exibir como ninguém”, para além de ter trabalhado “em escolas e jardins-de-infância, a pedido dos professores e educadoras, nas praias e nas feiras”. 
Armando Ferraz faleceu em 19 de março de 1997. 

Cardoso Ferreira

NOTA: Texto publicado no "Correio do Vouga" desta semana

quarta-feira, 20 de janeiro de 2021

Os próximos dias vão ser duríssimos

“Os próximos dias vão ser duríssimos. Por favor ajudem-nos todos” 

Marta Temido, 
 Ministra da Saúde

Este foi o apelo dramático de Marta Temido, Ministra da Saúde, a propósito da catástrofe que estamos a viver, por força da pandemia que nos afeta no corpo e na alma.  Uns diretamente porque foram contaminados e outros com receio de o serem. O maior perigo está no desconhecimento da forma do contágio. Onde é que mora o vírus? Quem o transporta? 
Todos, sem exceção, estamos na linha da frente dos que morrem de Covid-19. Será que em nossas próprias casas, confinados, estaremos seguros? Como evitar pessoas contaminadas que passam por nós, e os bens adquiridos que temos de utilizar, comestíveis ou outros, estarão limpos de vírus? E se formos à rua, teremos de fugir de gente sem máscara como se fossem o Covid-19 em pessoa, apesar de serem amigos e familiares?
Quero seguir os seus conselhos dentro das minhas possibilidades. Já a vi chorar e não foi por pieguice, garantidamente. É nossa obrigação seguir os seus conselhos e os de todos os que estão na linha da frente nesta luta titânica para a erradicação do Covid-19. Todos temos de estar unidos sem guerras que a nada levam. 

Fernando Martins

terça-feira, 19 de janeiro de 2021

FORUM-AVEIRO - Geometria e cores

 


Geometria e cores de um recanto do Forum-Aveiro que foi decorado com gosto,  desafiante para quem passa sem pressas. No meu arquivo tem o ano do registo - 2016. Quando lá voltar, provavelmente depois de vacinado, sem data marcada no calendário do SNS, quero confirmar se esta zona se mantém ou se passou à história.

Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos

HOJE
Quarta-Feira
21h
Igreja do Carmo
Aveiro



D. António Moiteiro e o Pastor Eduardo Conde, da Igreja Metodista de Aveiro, celebram juntos esta quarta-feira pelas 21h00 na Igreja do Carmo, na Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos deste ano.
“Permanecei no meu amor e produzireis muitos frutos” (cf. João 15, 5-9) é o tema desta semana [18 a 25 de janeiro], onde as Igrejas e as confissões cristãs são chamadas a refletir, invocando mais intensamente o espírito de comunhão.
Os subsídios deste ano foram preparados pelas monjas de Grandchamp, na Suíça, que participarão através do seu site e da página Facebook

Ler mais aqui

MMI - Aquário dos bacalhaus


Com a pandemia, tenho a convicção de que toda a natureza sofre as agruras da solidão. E os bacalhaus, no seu aquário, no Museu Marítimo de Ílhavo, não fugirão à regra.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2021

COVID-19 - O mundo em que vivemos


As notícias referentes ao Covid-19, infetados, cuidados intensivos e óbitos, mostram Portugal debilitado e sem soluções visíveis, isto é, sem norte! Como é que se chegou a esta situação? Não sabemos. O que sabemos é que as pessoas, sobretudo as que se encontram em situação de risco, não podem deixar de estar preocupadíssimas. Não é para menos. 
Todos sabemos que nas sociedades, quaisquer que elas sejam, há os que respeitam as normas estabelecidas e os baldas, aqueles que vivem como se nada houvesse de grave. E então pagam os justos pelos pecadores. As leis, penso que todas as leis, têm multas para os que as não respeitam, mas num país de brandos costumes os transgressores muitas vezes ficam impunes. É lamentável. 
Ouvi na televisão que o Covid-19 já matou mais portugueses do que a Guerra Colonial de 1962-1975, mas isto não convence os tais que não respeitam os confinamentos, os distanciamentos, o uso da máscara, a desinfeção das mãos, etc. E os números de infetados e de mortos continuam  a subir. 
Com hospitais sem capacidade para receber mais doentes e profissionais de saúde exaustos já ditam a prioridade dos pacientes a tratar. Alguns ficarão de lado à espera da morte? Este é o Portugal que temos. Este é o mundo em que vivemos.

F. M. 

domingo, 17 de janeiro de 2021

Vem Espírito Santo Criador!

Crónida de Bento Domingues no PÚBLICO


Bergoglio tem-se esforçado por realçar que o lugar das mulheres na Igreja está muito desfasado em relação ao papel que desempenham na vida social, cultural, económica e política em muitos países. Homens e mulheres gozam cada vez mais, ainda com muitas distorções, dos mesmos direitos e deveres cívicos.

1. Quando se pretende desqualificar as intervenções e os escritos do Papa Francisco, diz-se que lhe falta um pensamento estruturado por grandes princípios de alcance universal. Deixa-se levar pelas urgências da pastoral marcada pelo tempo, pelo lugar, pelas circunstâncias e pela vida e aflições das comunidades.
Parece-me uma observação bastante ridícula. Bergoglio não foi eleito para reitor de uma universidade pontifícia, mas para cuidar, segundo o Espírito e o método do irmão Jesus de Nazaré, das fraternidades cristãs, de modo que estas sejam o fermento de um mundo de irmãos [1].
Para caracterizar a sua tarefa, Jesus usou a palavra pastor porque, na sua cultura, era a que melhor designava aquele que vai à frente e cuida de todos. João XXIII, na Mensagem inaugural ao Vaticano II, observou que importa ter em conta, “medindo tudo nas formas e proporções do magistério de carácter prevalentemente pastoral”. Não opunha Teologia e Pastoral. Ele próprio nomeou alguns dos teólogos mais famosos pela sua abertura ao devir do mundo concreto. Ele não desprezava o contributo dos teólogos, antes pelo contrário. O que não lhe interessava era teólogos descolados do mundo em mudança.

sábado, 16 de janeiro de 2021

O Papa Francisco e o desporto. 2

Crónica de Anselmo Borges 
no Diário de Notícias

O Papa Francisco é popular, também porque se assume como vindo do povo. Ele sabe da vida. Os pais eram imigrantes italianos na Argentina. Para pagar os estudos, trabalhou como guarda-nocturno de bares. Exerceu como técnico químico, pois os primeiros estudos foram de Química. Desde miúdo jogou à bola e afeiçoou-se ao desporto. E aí está agora com a "encíclica laica" - "Lo sport secondo Papa Francisco", in: La Gazzetta dello Sport, 2 de Janeiro, 2021 - sobre o desporto e o seu significado na e para a vida. Não é visível que o desporto arrasta multidões e que a dimensão lúdica é constitutiva do ser humano?
O desporto pode e deve ser uma grande escola de virtudes. Mais: a vida é um grande jogo, é mesmo o jogo decisivo, pois nele decide-se a própria vida. O jogo da vida está presente em todos os jogos, pois o que em todos os jogos se joga, também nos jogos económicos e políticos, é a vida. Quem perde e quem ganha? Quais são as regras e os critérios para este jogo? Quem é o árbitro definitivo que vai julgar a vida de cada um, julgar as histórias e a História?

sexta-feira, 15 de janeiro de 2021

Porto de Aveiro mais verde e mais eficiente

Um progresso mais eficiente 
e mais atento ao ambiente é sempre de louvar



"O futuro do Porto de Aveiro passará, seguramente, por uma aposta na diferenciação dos serviços prestados a uma vasta comunidade portuária, bem como, da capacidade de investimento para se adaptar aos desafios que atualmente se colocam ao setor portuário."

Aplaudimos sempre o progresso a vários níveis, sobretudo quando aposta na eficiência e no respeito pelo ambiente, tendo em conta, fundamentalmente, as pessoas.

Ler mais  aqui

Os convidados por Jesus aceitam e ficam com Ele. E Tu?

Reflexão de Georgino Rocha 
para este fim de semana 


"Move-nos o exemplo de tantos sacerdotes, religiosas, religiosos e leigos que se dedicam a anunciar e servir com grande fidelidade, muitas vezes arriscando a vida e, sem dúvida, à custa da sua comodidade. O seu testemunho lembra-nos que a Igreja não precisa de muitos burocratas e funcionários, mas de missionários apaixonados, devorados pelo entusiasmo de comunicar a verdadeira vida. Os santos surpreendem, desinstalam, porque a sua vida nos chama a sair da mediocridade tranquila e anestesiadora”

Papa Francisco

Após o seu baptismo, Jesus como Filho bem-amado do Pai começa a missão que a liturgia nos faz contemplar domingo após domingo, missão que revela o processo humano de Jesus na vida adulta. Marcos no seu evangelho narra cenas vivas do itinerário concreto que Jesus percorre e dá a conhecer como “caminho, verdade e vida”. Da nossa própria vida quando afirmamos: “sou cristão”. Este itinerário começa com o encontro dos primeiros discípulos com Ele, encontro que lhes muda o rumo da vida. Jo 1, 35-42.
João, o evangelista, narra este encontro feito de palavras e de movimentos, de perguntas e convites, de olhares: olhar de João Baptista sobre Jesus; de Jesus sobre os discípulos e sobre Pedro. E sobre cada um de nós. “Seria bom fazer memória dos olhares que nos têm ajudado a crescer como irmãos e irmãs. Peçamos ao Senhor que venha converter o nosso olhar e as nossas palavras, a fim de termos por nossa vez palavras e olhares, portadores de vida para os outros”. Vers dimanche, Rede mundial de oração em união com o Papa. 
“Vinde ver”, responde Jesus à pergunta dos discípulos: “Mestre, onde moras?” Esta resposta é, no mínimo, surpreendente e profundamente apelativa. Os discípulos, pescadores de profissão e habituados a arriscar, vão, vêem e ficam. E em consequência, desencadeiam um notável dinamismo vocacional. 
A resposta de Jesus, embora situada no tempo, é dirigida a todos os que buscam sinceramente alguém que a sua consciência pede, ainda que de formas diversificadas. De facto, que procuramos na vida? Tem sentido o que fazemos? Se reservássemos uns instantes para “balanço”, que saldo positivo verificaríamos? Estamos a atender o que é prioritário e se enriquece à medida que a vida desliza ao longo dos anos? 

quinta-feira, 14 de janeiro de 2021

Boas noitadas ao calor da fogueira


Não é só o colorido do fogo que me aquece o corpo e afugenta o frio que a roupa invernosa não impede. É mesmo o calor que salta dali para nos aconchegar a vida, apesar da trabalheira de abastecer a salamandra com bons cavacos ressequidos durante bons meses. Sem isto, eu seria uma estátua gelada. À volta, não faltam excelentes hipóteses de leitura e o computador. Boas noitadas ao calor da fogueira.

Vila Real evoca o seu primeiro bispo

Clichés fotográficos de Miguel Monteiro 
Ilustração Moderna, número 11, Março de 1927 

D. João Evangelista de Lima Vidal descendo do comboio na estação de Vila Real

 A caminho da Câmara Municipal, a multidão aclama ruidosamente o ilustre prelado Vila-realense 

Depois da recepção na Câmara , a multidão acompanha o venerando antístite à Sé-Catedral 

D. João Evangelista discursando na Sé após o Te-Deum 





O primeiro bispo de Aveiro (após a restauração, em 1938) 
tinha sido o primeiro bispo da diocese transmontana, de 1923 a 1933


A diocese de Vila Real, no horizonte da celebração do seu centenário, realiza uma conferência "D. João Evangelista de Lima Vidal, primeiro bispo da Diocese de Vila Real", dia 15 de Janeiro, às 21h00, no auditório do Seminário daquela cidade.
Nesta primeira conferência do ciclo «Aprofundar as raízes» será oradora a investigadora Cláudia Pires, a partir de um estudo realizado e com testemunhos de monsenhor João Gonçalves Gaspar, da Diocese de Aveiro, e "biógrafo" de D. João Evangelista, refere uma nota enviada à Agência Ecclesia.
A iniciativa tem transmissão pelas plataformas da Diocese de Vila Real (Youtube e Facebook) e pode-se aceder pelo zoom: https://us02web.zoom.us/j/82461085043.
A Diocese de Vila Real foi criada a 20 de abril de 1922 e no ano seguinte, vindo de comboio, D. João Evangelista de Lima Vidal, seu primeiro bispo, foi recebido em "apoteose no largo da Estação e ladeado, entre vivas, por numerosa multidão até à Sé". Na homilia, falou das preferências de Jesus: os pobres, as crianças e os pecadores e por sua influência surgiria, em Vila Real a "sopa dos pobres", as "florinhas da neve".

Ecclesia / CV


NOTA: Fotos e legendas da revista

quarta-feira, 13 de janeiro de 2021

Tranquilidade

Jardim Oudinot

No tempo que corre, com ameaças reais e avassaladoras, provocadas por um inimigo gigantesco e invisível, senti por aqui uma tranquilidade inefável.

Santo André regressou ao cais do Oudinot


Cerca de sete meses duraram as intervenções de manutenção e reabilitação do Navio-museu Santo André nos Estaleiros da Naval Ria, tendo já voltado ao cais do Jardim Oudinot, na Gafanha da Nazaré, como polo do Museu Marítimo de Ílhavo.
O Santo André vai agora ser dotado de nova proposta para uma narrativa museológica mais dinâmica, anunciou Fernando Caçoilo, presidente da Câmara de Ílhavo. O autarca ilhavense sublinhou que novos equipamentos vão permitir inovadoras experiências aos visitantes, garantindo que vai ser dinamizado e potenciado o «valor patrimonial e histórico» daquele Navio-museu, que ficará, também, com «maior autonomia e diferenciação».
Fernando Caçoilo disse que vão ser criadas «novas e melhores condições para a preservação das memórias da Faina Maior, no período da pesca de arrasto do Bacalhau, a partir do final da década de 60 e início da década de 70 do século passado, referindo que o Navio-museu dignifica um dos importantes símbolos que o Município de Ílhavo possui, sendo ainda uma expressiva referência da sua identidade e das suas gentes.
Para a concretização de todo o processo, será aberto, após aprovação em reunião de Câmara Municipal, o concurso público para a construção da nova área de receção ao Navio-museu, com um espaço envolvente requalificado.
O autarca frisou que tudo será feito para que o Navio-museu abra portas aos visitantes no próximo Verão.

terça-feira, 12 de janeiro de 2021

O nosso Cristo Negro


Não tenho por hábito comprar ou selecionar ícones, mas não deixo de admirar alguns que temos em casa, por mais simples e baratos que eles sejam. Este Cristo Negro, que nos acompanha há muito, está bem perto de mim. Quando me sento à secretária, não posso deixar de antes o contemplar. Não tem qualquer registo nem sinal do autor. Mas basta a sua expressão para me tocar profundamente.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2021

O Sol brilha para nos animar

 Neve no Alentejo este ano

Apesar das temperaturas baixas próprias da época, o Sol brilha para nos animar. Toda a semana vai ser assim, nem outra coisa seria de esperar. O Inverno também tem a sua beleza como bem o provam as belíssimas imagens de neve em regiões não muito habituadas a isso. Na Gafanha também já a vi há muitos anos e até gostei. 
Com ou sem neve, a vida continua com o tempo que a época determina e o importante é sabermos viver com otimismo e gosto por aquilo que fazemos, por aquilo que sonhamos e projetamos, e também pela aceitação de alguns dissabores que nos obriguem a pensar e a agir em conformidade. Boa semana para todos.

Fernando Martins

domingo, 10 de janeiro de 2021

Já sei o destino do meu voto


No dia 24 de janeiro, vamos votar para escolher o Presidente da República de Portugal, que não é o mesmo que República das Bananas. República de Portugal que já tem mais de um século, com muitos anos, é certo, a dever muito à democracia. Aqui afirmo que vou votar, a não ser que a saúde não mo permita. É que nunca sabemos como estaremos amanhã, tão sorrateiramente costuma atacar o Covid-19 ou um dos seus parentes mais próximos,  que terá nascido não se sabe como nem porquê. 
Vou votar por dever de consciência e para tentar assumir o meu papel de cidadão responsável pelo futuro do nosso país que nasceu pela vontade indomável dos fundadores e de  quantos, ao longo de tantos séculos, souberam preservar com galhardia a nossa independência. É natural, pois, o que tenciono fazer. 
Ainda estamos no período da chamada campanha eleitoral, com os candidatos a correrem riscos de contágios, pela proximidade a que se veem obrigados. E como manda a lógica do bom senso tenho tentado ouvir o que dizem os diversos candidatos. A partir daí e daquilo que deles conheço e vou descobrindo, já sei o destino do meu voto. Jamais cairá no saco de vendedores de banha da cobra. 

Fernando Martins

Um mergulho no mar de Deus

Crónica de Bento Domingues
no PÚBLICO

O Cristianismo está confrontado com imensos desafios. Onde encontrar inspiração e energia para lhes fazer face?

1. É um prazer ler um texto político com a qualidade da Carta aberta, editada com o título: Convite aos cidadãos e líderes para um novo poder democrático europeu [1]. Espero que suscite um movimento de experiências, estudos e debates fecundos “para enfrentar os imensos desafios ecológicos, económicos, sociais, de saúde e de segurança que incumbem às nossas sociedades”. Desejo que este convite encontre um grande eco entre os cristãos, para que a Europa não ceda à tentação de levantar muralhas, mas de tecer pontes entre continentes. Sem a lucidez da ética da compaixão, a Europa perder-se-á na vontade de dominar e de excluir, tanto no interior de cada país, como na relação entre os membros da União e no acolhimento aos que fogem de guerras, da miséria e dos que procuram um futuro melhor para as suas famílias.
O grande teólogo protestante, W. Pannenberg, tocou, em 1994, num ponto que conserva, ainda hoje, toda a sua pertinência: a Europa não pode, sem mais nem menos, desembaraçar-se das suas origens cristãs, se pretende conservar o que é especificamente europeu na sua tradição cultural. Mas isso pressupõe que o Cristianismo não se apresente sectário, embora também não se possa dissolver na acomodação ao secularismo. Deve, antes, prosseguir no caminho de preservar, em si próprio, o melhor da herança da Antiguidade clássica – e assim a abertura à Razão –, mas também as verdadeiras conquistas da cultura moderna e contemporânea [2].

Cortejo dos Reis - Evocação da minha meninice

Quando eu e o meu irmão participámos no Cortejo






No domingo, 11 de Janeiro [2009], vivi o Cortejo dos Reis experimentando a proximidade com as pessoas, muitas delas envolvidas na vivência desta antiga e sempre renovada tradição. Para quem gosta da sua terra, o encontro com alguns conterrâneos proporcionou-me a oportunidade de voltar aos tempos em que eu, menino, com meu irmão, mais novo três anos, participámos no Cortejo dos Reis, de uma ponta à outra, cada um com a sua cana às costas. Na ponta da cana lá ia a prenda para o Menino Jesus. Não consigo recordar toda a pequena carga, mas dela fazia parte um chouriço, um pequeno bacalhau e umas laranjas. Tudo o mais se varreu. Mas também é verdade que os nossos frágeis ombros não suportariam muito mais. 
O meu pai levou-nos até Remelha, de bicicleta, como era hábito na altura, entregando-nos ao cuidado de pessoa sua conhecida. Ainda me lembro de ouvir a minha mãe dizer que estaríamos assim a pagar uma sua promessa, coisa que na altura não compreendi. Mas se ela dizia que tínhamos de ir no Cortejo, não haveria razões para discordar.
Recordo-me, com que saudade, de que, mal o cortejo chegou à igreja, eu e o meu irmão corremos para casa com os presentes ao ombro. Estava terminada a promessa. Quando entrámos na cozinha, os meus pais ficaram admirados e logo nos questionaram:
- Então não deixaram os presentes para o Menino Jesus, como vos recomendei?
Respondemos com o silêncio.
A minha mãe, mulher prática, resolveu a situação.
- Vai lá, Armando, e paga os presentes.
E assim foi.
Afinal, as tradições são sempre excelentes motivos para reconstruirmos as nossas histórias de vida.

Fernando Martins

NOTA: Cortejo de 2009 

sábado, 9 de janeiro de 2021

Para preservar a memória - Salina



Marinha de Sal ou Salina para turista ver. Ainda bem. Numa visita, há sempre quem possa explicar as diferentes fases da produção do sal.
 

Receita de Ano Novo


RECEITA DE ANO NOVO

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;
novo
até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?)

Não precisa
fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto de esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.


Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

Carlos Drummond de Andrade

"Receita de Ano Novo". 
Editora Record. 2008.


O Papa Francisco e o desporto, 1

Crónica de Anselmo Borges 
no Diário de Notícias

Não há dúvida de que o Papa Francisco é hoje uma das figuras mais destacadas e influentes no mundo, também das mais amadas, e em quem se deposita esperança para o futuro de um mundo melhor.

Penso que isso advém também do facto de ele não ser, na vida e na actuação, clerical ou eclesiástico. É um cristão que segue o Evangelho, notícia boa e felicitante, que está com todos, tanto nas suas tristezas e sofrimentos como nas suas alegrias e esperanças, dando cumprimento ao preceito do Concílio Vaticano II. A demonstrá-lo de modo concreto e inesperado está aí uma longa entrevista ao director, Stefano Barigelli, e ao vice-director, Pier Bergonzi, da Gazzeta dello Sport, que aparecerá também em livro, sobre o desporto. Uma espécie de "encíclica laica" sobre o universo desportivo enquanto metáfora da existência humana, individual e colectiva.
Logo de entrada, avança com os valores que ama no desporto, à volta de sete palavras-chave.

1. Lealdade. O desporto é lealdade e respeito pelas regras, mas também luta contra os atalhos, luta contra o doping. "Tomar atalhos é uma das tentações com que frequentemente temos de lidar: pensamos ser a solução imediata e conveniente, mas quase sempre leva a consequências negativas. Penso, por exemplo, em quem vai à montanha: a tentação de procurar atalhos para chegar primeiro, em vez de seguir os caminhos indicados, esconde muitas vezes e inevitavelmente um lado trágico. O jogo e o desporto em geral são belos, quando se respeita as regras: sem regras, seria a anarquia, a confusão total. Respeitar as regras é aceitar o desafio de bater-se contra o adversário de modo leal. Portanto, a prática do doping no desporto não é só um engano, é um atalho que anula a dignidade."

sexta-feira, 8 de janeiro de 2021

Gafanha da Nazaré - Rua Viana da Mota

José Viana da Mota nasceu em São Tomé e Príncipe, a 22 de abril de 1868. Era filho de José António Viana da Mota, farmacêutico e músico amador, e de Inês de Almeida e Mota. Reconhecendo o grande talento que o filho demonstrava, em 1874, o seu pai levou-o a uma audição na Corte. Com apenas 6 anos impressionou de tal forma os monarcas portugueses que logo o colocaram sob a sua proteção. 
Concluído o curso no Conservatório de Lisboa em 1882, prosseguiu os estudos em Berlim, onde teve como professores Xaver Scharwenka e Carl Schaeffer. Em 1885 passou uma temporada em Weimar, tendo sido um dos últimos alunos de Frank Liszt. Em 1887 frequentou o curso de interpretação de Hans von Büllow. 
A partir de 1900 dedicou-se ao ensino, sobretudo em Berlim, onde fixou residência, porém, o eclodir da I Guerra Mundial levou-o a mudar-se para Genebra onde lecionou na Escola de Superior de Música. 
Em 1917 regressou definitivamente a Portugal, tendo assumido a direção do Conservatório de Música de Lisboa, cargo que ocupou até 1938. Nesta instituição foi um dos autores das reformas de 1919 e de 1930, sendo, em 1936, nomeado presidente da comissão encarregue das novas secções de música e de teatro. Entre 1918 e 1920 assumiu também a Direção Musical da Orquestra Sinfónica de Lisboa e fundou, em 1917, a Sociedade de Concertos de Lisboa.