quinta-feira, 31 de outubro de 2019

Liga contra o cancro espera generosidade

O Peditório Nacional da Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC) já está a decorrer, prosseguindo até 3 de novembro. A Liga conta com a colaboração de voluntários que sairão à rua, de norte a sul do país e ilhas, devidamente identificados com o colete da instituição e com os cofres lacrados com o logótipo da LPCC. 
Se há causas justas, esta é uma delas, por razões que se compreendem: Há doentes e seus familiares a necessitarem de ajudas de âmbito social e económico, para além do apoio anímico. 
Os colaboradores credenciados esperam e agradecem a nossa cooperação e os nossos contributos. O que pudermos dar não cai em saco roto nem se perde nos meandros das burocracias. 

Os meus santos

Amanhã,  todo o mundo católico celebra o Dia de Todos os Santos. Não só os que a Igreja Católica considerou dignos das honras dos altares, mas também os oriundos das demais religiões de todas as épocas e civilizações. Quiçá sem qualquer confissão religiosa. São os que, pelos seus méritos, são exemplos a seguir. 
É por isso que no dia a dia me lembro com frequência dos meus santos, aqueles que conviveram comigo e eu com eles, os que me deram exemplos de bondade e me testemunharam a ternura de Deus. 
Não me inclino muito para alguns santos que estão nos altares, porque nunca os senti, concretamente, nos meus caminhos da vida. Mas os meus santos, os que andaram comigo ao colo, que me levaram a descobrir o bem e o belo, me ensinaram a rezar, me apoiaram nos primeiros passos que dei, me ajudaram a levantar quando caí, me ensinaram a ler e a compreender o mundo, me estimularam a partilha da compaixão, me falaram de fraternidade e de justiça, me orientaram para viver o amor, esses é que são para mim os que hoje e sempre recordo com muito carinho. 

F. M.

Cerâmica Artística de Aveiro



«A 14.ª edição da Bienal Internacional de Cerâmica Artística de Aveiro é inaugurada este sábado, dia 2 de novembro, pelas 17h00, no Museu de Aveiro/Santa Joana e conta com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Aveiro, José Ribau Esteves. 
A inauguração integra o momento da entrega dos prémios aos vencedores do concurso internacional, seguindo-se a visita à exposição principal e aos diferentes locais onde se realizam as outras exposições. 
Recorde-se que esta 14.ª edição da Bienal assinala o seu 30.º aniversário e conta a partir deste ano com o apoio institucional da Academia Internacional de Cerâmica, um reconhecimento que confirma o estatuto de uma das bienais de cerâmica de referência mundial e que decorrerá até 30 de novembro nos Museus de Aveiro.»


Fonte: CMA

quarta-feira, 30 de outubro de 2019

Festa de Todos os Santos

Reflexão de Georgino Rocha - Alegrai-vos e Exultai




«A riqueza do homem é a sua pessoa e não o seu dinheiro. Optar por tudo o que ajude a pessoa a ser livre, a sentir-se sem quaisquer amarras, a estar disponível para partilhar o que tem, a não acumular e reter bens apenas para si, torna-se indispensável à saúde da nossa comum humanidade, ao equilíbrio sustentado da ecologia integral e à qualidade da nossa fé cristã. Quem o faz ou se esforça com seriedade, por o ir fazendo, está em sintonia com Deus, é feliz e beneficia da sua bênção. Choca, inevitavelmente, com uma sociedade baseada na ambição da riqueza, na ânsia do poder e da glória. E vê recaírem sobre si as mais diversas formas de descrédito, de humilhação, de espoliação, de acusação infame, de morte silenciada.»


Chove


Chove copiosamente, como diz a nossa gente. Os pingos, a esta hora, 10h45, assinalam o seu peso na cobertura do meu sótão. Pela janela contemplo um cinzento-escuro nesta manhã sem sol. A chuva é precisa para tudo. Sem ela não há vida. É o bê à bá da lógica. Mas quando chove, aqui d’el rei que nem podemos sair de casa. 
Os campos estão ressequidos, as barragens perdem nível, os rios gritam por falta de água que varra o que nele cai vindo das serras, as pastagens não medram, às árvores falta a seiva que alimenta os frutos. A falta de chuva é sinal de pobreza… e vamos esquecer a chuva torrencial que tudo destrói. O que importa é que ela venha com peso e medida. 

F. M.

Visita Guiada

Casa Mateus - Vila Real

Paula Moura Pinheiro
Gosto de ver o programa televisivo “Visita Guiada”. A autora e cicerone é a jornalista Paula Moura Pinheiro, que se apresenta acompanhada por  um especialista da matéria a versar. São lições vivas sobre o nosso património histórico e/ou artístico que se espalha um pouco por todo o território nacional. Património que nos foi legado por comunidades, instituições e o próprio Estado, algum dele edificado antes da fundação de Portugal. E se é certo que o peso dos séculos regista marcas impostas pela ação do tempo e pela incúria de ignorantes, também é verdade que os telespectadores saem muito enriquecidos com o que podem ver e ouvir. São lições dinâmicas e esclarecedoras.
O programa é produzido pela RTP2 para a televisão e pela Antena1 para a rádio.

Um livro de vez em quando

"AVEIRO2009 – Recordando Efemérides" 

Quando procuro um livro, por vezes encontro outros. Foi o caso, um dia destes. E o livro que me caiu nas mãos é da autoria de João Gonçalves Gaspar e tem por título “AVEIRO2009 – Recordando Efemérides”. 
O conceituado  historiador aveirense selecionou um conjunto de efemérides marcantes da vida da cidade e região, com o pormenor de se debruçar apenas sobre as ligadas a números redondos. Um ano depois, seriam outras. E o que evocou o autor referente a 30 de Outubro de 1959? 

“A Câmara Municipal de Aveiro agraciou com a Medalha de Prata da Cidade os DRS. José Pereira Tavares, Francisco Ferreira Neves e António Gomes da Rocha Madail, pelos seus trabalhos sobre a história de Aveiro.” 

Em 2009, esta homenagem completou 50 anos. Hoje, completaria 60 anos. 
E o que fizeram os premiados? Em 1935 fundaram o prestimoso “Arquivo do Distrito de Aveiro”, que perdurou até 1972, sublinha-se no livro.

Nota: “O Arquivo do Distrito de Aveiro” continua a ser uma fonte preciosa de informação para os que gostam de pesquisar o nosso passado. O que faço de vez em quando, diga-se de passagem.. 

F. M. 

terça-feira, 29 de outubro de 2019

Filarmónica comemora aniversário



Ainda falta quase um mês, mas é bom lembrar que a Filarmónica Gafanhense vai celebrar o 183.º aniversário no próximo dia 24 de Novembro com romagem ao cemitério, missa de ação de graças na igreja matriz, concerto na Fábrica das Ideias e jantar comemorativo num restaurante. 
Sobre esta efeméride, direi mais numa próxima ocasião. Para já, aqui vão os meus votos de que tudo seja celebrado e aplaudido pelo muito que a Filarmónica tem feito em prol da cultura musical, levando longe, também,  a nossa terra e as nossas gentes.

A Igreja move-se


"Para muitos, quiçá para uma maioria, a Igreja Católica, com os seus 1,2 milhões de fiéis, não se move ou quando o faz é com imensa lentidão. Mas a história já demonstrou por várias vezes que tal não é inteiramente verdade, e o Papa Francisco tem feito um esforço de atualização e adequação da Igreja aos tempos que vivemos. O Sínodo da Amazónia, que, entre 6 de outubro e este domingo, reuniu no Vaticano quase três centenas de participantes, é um acontecimento de grande relevância. Convocado por Francisco para debater a ecologia e a depredação que assola a Amazónia, e as dificuldades de evangelização numa das mais vastas áreas do planeta, os olhares da discussão acabaram por se centrar na questão da ordenação de casados. O tema causa divisões dentro da Igreja e a todos os níveis, entre os sectores mais conservadores e os mais progressistas, mas é hoje incontornável e é bom que haja capacidade de o colocar em cima da mesa, mesmo que as conclusões finais possam não vir a agradar aos mais reformistas."

Li no  EXPRESSO

Gafanha da Nazaré - Vila há 50 anos

Para memória futura
Forte da Barra 
Sendo presidente da Junta da Freguesia o comerciante da nossa terra Albino Miranda, a autarquia iniciou o processo do pedido ao Governo da elevação a vila da Gafanha da Nazaré, título a que aspirava há muito. Os documentos a apresentar incluíam a indicação das infraestruturas sociais, culturais, desportivas, religiosas e recreativas, bem como tudo o que dissesse respeito ao desenvolvimento e ao progresso demográfico, económico, social, comercial e industrial. 
Paralelamente a essa vertente oficial, em que colaboraram alguns amigos, nomeadamente o Prior Domingos e eu próprio, fiquei responsável pela divulgação do projecto através da comunicação social. Era também uma forma de difundir o sonho dos habitantes da Gafanha da Nazaré. 
O vespertino “Diário Popular” foi o primeiro jornal, que se saiba, a fazer uma reportagem sobre a pretensão das nossas gentes, feita pelo jornalista Ângelo Granja e publicada em 21-12-1966. No antetítulo sublinhava «Do deserto nasceu um oásis…» e no título «A Gafanha da Nazaré luta pela sua elevação à categoria de vila». Numa caixa, destacava «Aspirações de uma aldeia conquistada às dunas e transformada numa das mais importantes do País». Acompanhei a equipa de reportagens e recebi-a em minha casa. 
Seguiu-se o Comércio do Porto, graças à excelente colaboração do jornalista Daniel Rodrigues, correspondente, em Aveiro, daquele matutino portuense, que aproveitou as suas reportagens, inclusivamente, para se lançar na Gafanha da Nazaré aquele diário, onde apenas tinha um leitor, que a loja de jornais e revistas do ilhavense José Quinteles Pereira, antecessora do actual Quiosque Terramar, lhe vendia diariamente, perto da igreja, em espaço arrendado, que foi dos pais de Dona Maria da Luz Rocha. 
O decreto da elevação a Vila, assinado pelo Presidente da República, Américo Thomaz, em 29 de Outubro de 1969 e publicado no Diário do Governo n.º 254 (1.ª série), na mesma data, especificava, precisamente, as razões que justificavam a categoria de Vila, a saber:

«O crescente incremento industrial da referida freguesia, factor que, aliado à sua situação geográfica, lhe granjeou posição de excepcional relevo no conjunto portuário de Aveiro»; e «O progresso social registado na povoação da Gafanha da Nazaré, o qual se traduz na existência de diversas instituições de interesse público, entre as quais Casa dos Pescadores, Posto Médico da Previdência, Grupo Desportivo, Cinema e Mercado.» 
Na altura, como sempre, não faltaram os “Velhos do Restelo”, que Camões tão bem retratou. Que ganharia a Gafanha da Nazaré com tal promoção? Que condições tinha para ostentar esse título? — questionavam eles. 
A resposta que mais ouviam sublinhava que o título de Vila serviria para, com mais veemência e razão, se reclamar, junto dos poderes constituídos, o que faltava a uma terra que acabara de ser promovida. 
A Gafanha da Nazaré, com tal categoria, encheu de brio os gafanhões, que outros sonhos começaram a alimentar. Depois de Vila há-de vir a Cidade. Como veio. 
Também outros começaram a alimentar o sonho da criação do concelho da Gafanha da Nazaré, havendo os que contestavam tal propósito, a par dos que lutavam sem medir consequências. Falava-se menos da transferência para o concelho de Aveiro e mais da criação de um concelho próprio que, previsivelmente, seria o concelho da Gafanha, numa óptica de incluir todas as Gafanhas ou parte delas. 

Decreto n.º 49332

«Considerando o acentuado desenvolvimento demográfico da freguesia da Gafanha da Nazaré do concelho de Ílhavo, designadamente da povoação sede da mesma freguesia;
Considerando o crescente incremento industrial da referida freguesia, factor que, aliado à sua situação geográfica, lhe granjeou posição de excepcional relevo no conjunto portuário de Aveiro;
Considerando o progresso social registado na povoação da Gafanha da Nazaré, o qual se traduz na existência de diversas instituições de interesse público, entre as quais Casa dos Pescadores, Posto Médico da Previdência, Grupo Desportivo, Cinema e Mercado;
Tendo em vista os pareceres concordantes da Junta Distrital e do Governador Civil do Distrito de Aveiro;
Nos termos do Art.º 12.º do Código Administrativo;
Usando da faculdade conferida pelo n.º3 do Art.º 109.º da Constituição, o Governo decreta e eu promulgo o seguinte:
Artigo Único – É elevada à categoria de Vila a povoação da Gafanha da Nazaré, sede da freguesia do mesmo nome, do concelho de Ílhavo.

Marcelo Caetano e António Manuel Gonçalves Rapazote
Promulgado em 15 de Outubro de 1969

Presidência da República, 29 de Outubro de 1969
Américo de Deus Rodrigues Thomaz»

segunda-feira, 28 de outubro de 2019

Silêncio fora do mundo mas no mundo



O Mosteiro de Santa Maria Scala Coeli, mais conhecido por Convento da Cartuxa, já fechou portas em Évora. Foi o único mosteiro contemplativo masculino de Portugal e não tem vocações, num país cuja origem foi marcada pelo cristianismo. Afinal, a razão é fácil de compreender: Os residentes eram dois octogenários e dois nonagenários. Foram transferidos para a Cartuxa espanhola, perto de Barcelona. Imagino quanto seria difícil viver na prática o silêncio contemplativo uma vida inteira, por opção. Fora do mundo mas no mundo. 
Contaram-me que não faltaram pedidos de orações pelas mais variadas causas ou situações, na busca da ajuda divina, mas no fundo essa opção de vida assinalada no dia a dia pela oração tem raízes na alma de muitos crentes e na sensibilidade de muitos não crentes ou ligados a outras espiritualidades próximas das mais diversas culturas. 
O silêncio faz parte da essência do ser humano, sobretudo quando procura vias para outras vidas abertas a novas descobertas de realização pessoal. Quantas vezes desejamos estar sós na agitação quotidiana que não conduz a parte nenhuma. 
Admiro profundamente os que são capazes de cultivar o silêncio apostando na contemplação que nos eleva ao divino.

F. M.

NOTA- Morre, no dia 15 de Fevereiro de 2007, Frei Gabriel Manuel Rei de Oliveira, padre que fora do clero de Aveiro, natural de Vagos (1925), e que desde 1970 era monge cartuxo. Conheci-o  pessoalmente no Seminário de Aveiro. Era uma pessoa dinâmica, falava com desenvoltura e nunca imaginei que fosse capaz de viver no silêncio. Mas foi. FM

Maria do Céu

Maria do Céu, sem qualquer apelido, fez parte dos primeiros passos da Rádio Terra Nova da Gafanha da Nazaré. A sua voz e desenvoltura eram inconfundíveis. A sua gargalhada, fruto da boa disposição, era contagiante. As suas conversas com outros profissionais ou convidados eram símbolo de uma rádio próxima dos ouvintes. 
Depois, aspirou a outros voos e foi passando por outros órgãos da comunicação social, mas jamais senti a vivacidade da Maria do Céu que conheci na Terra Nova. 
Quando nos cruzávamos na vida do jornalismo ou noutras circunstâncias nunca esmoreceu o seu sorriso, a sua palavra amiga e a sua saudação solidária, quantas vezes ilustrada por marcas de um passado que dia a dia se foi perdendo no tempo, como tanta coisa da vida.
Esta noite, soube do falecimento da Maria do Céu. Fiquei muito triste. Sei que Deus já a acolheu no seu colo maternal. Ela bem merece. Até um dia, Maria do Céu. 

Fernando Martins

domingo, 27 de outubro de 2019

As sestas

Estou a criar o hábito da sesta. Se o corpo ma pede é porque dela necessito — dita-me a alma. E sinto-me muito bem com este hábito já com algumas raízes. Sei que muitos passam pelas brasas num qualquer recanto, que a sesta é curta. 
Já lá vai o tempo sem tempo para sestas. A vida impunha leis de acordo com as obrigações profissionais, sociais, familiares. Era um corre-corre constante, sem poder olhar para o lado, esquerdo ou direito. Para trás não dava jeito e era perda de tempo. A frente era sempre a meta a alcançar, porque só na frente estava o futuro a atingir, antes que ficasse preso ao presente e a cair no passado. 
Agora que tenho o tempo que a vida me dá sei quanto vale uma sestinha depois do almoço. E quando acordo sinto-me outro e até  acho graça a certos sonhos. Quando puderem, façam a experiência. E verão que tenho razão.

F. M. 

Bento Domingues - Sínodo Pan-Amazónico: o debate continua


Aconteça o que acontecer, 
o tabu em torno dos ministérios ordenados 
perdeu o seu prestígio, o prestígio da ignorância.

1. O Sínodo Pan-Amazónico começou no passado dia 6 e termina hoje. Já é possível o acesso ao resultado dos debates dos diferentes grupos que nele participaram. Também já foi comunicada a proposta do documento final. No momento em que escrevo, ainda não a conheço. A sua discussão foi o trabalho da passada semana.
Lendo os textos dos diversos grupos, fica-se com a sensação de que o sínodo não foi mais do mesmo. Houve livre, verdadeira e corajosa discussão, como tinha pedido o Papa. Por sua natureza, o Instrumentum laboris era um documento “mártir”, destinado a ser destruído nos debates sinodais. Poder-se-á dizer que as propostas mais novas já vinham sendo debatidas em vários grupos e movimentos, sobretudo depois do espaço aberto por João XXIII e pelo Concílio Vaticano II. O que agora parece óbvio e urgente, do ponto de vista teológico e pastoral, foi a cruz de alguns teólogos e, em especial, de Edward Schillebeeckx, O.P., desde os anos 80 até à sua morte. Considerava-se um teólogo feliz. Nunca o conseguiram condenar, mas o cardeal Ratzinger perseguiu-o até ao fim.
Os três temas mais salientes nos grupos de trabalho, para além da questão básica e incontornável da ecologia, são: a autorização de um rito católico amazónico para viver e celebrar a fé em Cristo; mais responsabilidades para as mulheres na comunidade eclesial; e a possibilidade de ordenar homens casados [1]. Quanto ao primeiro ponto, faz parte de um longo trabalho de inculturação da liturgia ensaiado, com mais ou menos êxito, em vários países, embora a pluralidade de ritos não seja uma novidade na história da Igreja. No entanto, a proposta é mais abrangente. Sublinha o aspecto espiritual, teológico, litúrgico e disciplinar para exprimir a riqueza singular da Igreja Católica na Amazónia. Quanto ao segundo, as propostas não são muito ousadas. Infelizmente, ficam pela possibilidade da ordenação de mulheres diaconisas, uma ocasião perdida para não se discutir, em sínodo, uma outra possibilidade: a da ordenação presbiteral de mulheres. Ainda nos dias 16 e 17 deste mês se reuniu, em Lisboa, um movimento mundial a exigir este reconhecimento [2]. No terceiro, discutiu-se a possibilidade de ordenar homens casados, o que não aconteceu para as mulheres, sejam solteiras ou casadas. Na Igreja dos primeiros tempos, a condição mais frequente já era a de homens casados. O que mais se teima em desconhecer é o que está mais claro nos textos no Novo Testamento: foram elas, as Mulheres, as encarregadas por Jesus ressuscitado de evangelizar os próprios apóstolos, desanimados com a morte horrorosa do Mestre.

Instalação da Comissão Paroquial Administrativa

Para memória futura 

Instalação e 1.ª sessão da Comissão
Paroquial Administrativa da Freguesia da Gafanha da Nazaré

«Aos vinte e sete dias do mês de Outubro de mil novecentos e dez, na casa provisoriamente destinada às sessões da Comissão Paroquial da freguesia da Gafanha, concelho de Ílhavo, compareceram os cidadãos abaixo assinados nomeados membros daquela comissão por alvará do Governo Civil de Aveiro com data de vinte e quatro do corrente, e o cidadão Dr. Samuel Tavares Maia, administrador interino do concelho de Ílhavo que lhes conferiu a respectiva posse. Todos por sua honra juraram cumprir com os seus deveres de cidadãos da República Portuguesa e com zelo e patriotismo pugnarem pelo bem desta freguesia seguindo as normas da mais imparcial justiça e procurando por todos os meios ao seu alcance fomentar o desenvolvimento social, intelectual e material dos seus paroquianos. 
Tendo tomado posse os membros efectivos da comissão constituíram-se imediatamente em sessão, nomeando secretário da mesma Manuel Nunes Ribau, e elegendo por escrutínio secreto o seu presidente e tesoureiro, recaindo a eleição respectivamente nos cidadãos José Ferreira de Oliveira e António Teixeira, e deliberando que as suas sessões se efectuarão no primeiro e terceiro domingo de cada mês pelas duas horas da tarde, provisoriamente em casa do vogal António Teixeira. 
E mais nada havendo a tratar foi encerrada a sessão da qual se lavrou a presente acta que vai ser assinada por todos e por mim, Manuel Nunes Ribau, secretário, que a escrevi e assino.» 

O Presidente – José Ferreira de Oliveira 
O Tesoureiro – (em branco) 
O Secretário – Manuel Nunes Ribau 
Jacinto Teixeira Novo 
José Maria Fidalgo 
Manuel Ribau Novo» 

Notas: 

1. O Tesoureiro António Teixeira não assinou esta acta por ter faltado à sessão n.º 2 de 6/11/1910. Veio a falecer algum tempo depois; 
2. Esta Comissão Paroquial dirigiu os destinos da nossa terra desde 27/10/1910 até 31/12/1913; 
3. Em 2 de Janeiro de 1914 tomou posse a primeira Junta da Paróquia da Gafanha da Nazaré.

NOTA: Gostaria de publicar fotos de alguns intervenientes na instalação da Comissão... Se alguém puder ajudar, seria muito bom. 

Anselmo Borges - Três grandes feridas do nosso tempo


1. Todas as épocas têm as suas características, as suas vantagens e os seus perigos e ameaças. O nosso tempo sofre de três grandes feridas que nos levam à inquietação e à incerteza, contribuindo para a solidão, não a solidão habitada, necessária para estar consigo e com os outros na profundidade, mas a solidão do abandono.

2. Essas feridas são, como explica José María Rodríguez Olaizola num belo livro, Bailar com la Soledad, a que já aqui me referi e no qual me inspiro: a do amor, a da morte, a da fé.

2. 1. A ferida do amor.

Hoje, vivemos num mundo no qual o amor na sua permanência se tornou efémero e inseguro. Quem diz hoje, de modo seguro, amor "para sempre"? Quando se olha para as estatísticas, não é antes o "enquanto durar" que está em vigor? Aconselhava-me há dias alguém, por ocasião da celebração dos 50 anos de casamento de uns amigos meus, a que presidi: por este andar, comece a celebrar os 10 anos, os 20 anos de casados das pessoas, porque isto das bodas de prata e de ouro, aos 25 e 50 anos, é cada vez mais raro e a acabar... Como é sabido, Portugal está na frente quanto à percentagem de divórcios (há um divórcio por hora em Portugal) e em Espanha os casamentos duram em média 16 anos...
Razões? Certamente, o aumento da esperança de vida é uma delas: o que antes eram 20 ou 30 anos de casamento agora poderão ser 50. Assim, porque não desfrutar de dois ou três casamentos mais? Por outro lado, numa cultura do descartável, da fuga ao sacrifico e à renúncia e do culto da superficialidade, o que fica é também a incapacidade do compromisso definitivo. Como escrevia uma jovem: "Queremos comprometer-nos um pouco, mas não 100%." E o sociólogo Zygmunt Bauman, referindo-se ao "amor líquido": se estamos continuamente a deitar fora automóveis, computadores, telemóveis ainda em perfeito estado, para os trocarmos por novas versões melhoradas, "haverá porventura uma razão para que as relações de casal sejam uma exceção à regra?" Está aí o paradoxo, ouvi eu pessoalmente Bauman dizer: Por um lado, na presente instabilidade, deseja-se profundamente um amor estável para toda a vida, mas isso é incompatível com a disponibilidade para a abertura a novas oportunidades que apareçam...

sábado, 26 de outubro de 2019

Vivemos num deserto no meio da cidade

Mulher morre há 15 anos 
e só agora foi descoberta

Bairro onde tudo aconteceu

«Isabel Rivera Molina, uma cidadã espanhola, morreu quanto tinha 78 anos, em 2004, mas só esta semana, mais de 15 anos depois, é que o seu corpo foi encontrado no prédio onde residia. O corpo da mulher foi descoberto na tarde desta terça-feira num prédio do distrito de Ciudad Lineal, em Madrid, pelos bombeiros e pela Polícia Nacional, revela o El País.» 

Li no PÚBLICO

NOTA – É impossível ficarmos indiferentes a uma notícia destas. Uma mulher morre e fica 15 anos, segundo os peritos, sem ser descoberta. Vivia num prédio que não passava de um deserto. Vivia num bairro onde ninguém conhecia ninguém. Teria vizinhos que porventura nem se saudavam quando se cruzavam. Se calhar, acontece com muita gente das nossas relações. Meses e meses sem qualquer forma de convívio. Anos e anos sem uma palavra, apesar partilharmos a mesma rua, a mesma igreja, o mesmo clube, o mesmo café. Vivemos num deserto no meio da cidade. Que presente e futuro estaremos a construir?

Mudança de Hora


Apesar de muitos, como eu, preferirem a chamada hora de verão, logo mais ainda voltaremos à dança das horas: Quando forem duas horas teremos de atrasar uma. E ganhamos uma hora. Pode ser que, mais tarde ou mais cedo, se acabe com esta dança.

Atavios e honrarias com cheiro a profano


"Roupagens da história, coladas ao corpo eclesial, nada consonantes com uma Igreja Serva e Pobre, Mãe e Mestra, cuja missão é testemunhar Jesus Cristo. Uma Igreja de irmãos, luz para todas as gentes, aberta ao diálogo salvador hoje e sempre. Os atavios profanos e as honrarias com cheiro profano só complicam, dificultam e dividem, dando da Igreja de Cristo uma imagem do que ela não é, nem pode querer ser."

António Marcelino

Publicado no "Correio do Vouga" e transcrito no meu blogue em outubro de 2009

NOTA: Fala-se muito, presentemente, de luxos, vaidades, residências e carros de luxo, ao lado de honrarias na Igreja que são uma ofensa à mensagem evangélica. Hoje, numa passagem pelo meu blogue, descobri esta denúncia de D. António Marcelino, com data de há 10 anos.  Afinal, pouco ou nada mudou. 

sexta-feira, 25 de outubro de 2019

Nobres Virtudes


NOTA: Imagem esquecida nos meus arquivos. Desconheço o autor.

Volto ao meu irmão de saudosa memória


O meu irmão, Armando da Rocha Martins, mais conhecido por Armando Grilo, se fosse vivo completaria hoje 78 ano. Feitas as contas, nasceu em 25 de Outubro de 1941 e faleceu em 27 de Março de 2007. 
Sobre ele já escrevi diversas vezes e tenho sempre razões para trazer até ao presente recordações dos tempos em que viveu fisicamente entre nós. Mas se nessa vertente já não vive connosco, espiritualmente permanece firme no meio de nós. 
Nesta data o meu Irmão celebrava o seu aniversário, realmente, mas é oportuno lembrar que ele tinha motivos para fazer mais festa. É que, se é verdade que o seu dia de aniversário tinha no registo familiar o dia 25 de Outubro, também é certo que ele celebrava os seus anos no dia 29. Como assim? — perguntarão. É que o  registo do seu nascimento, no cadastro do Estado, foi feito no dia 29. Coisa simples: Naquele tempo, os registos eram feiro, em Ílhavo, por declaração oral. Daí os erros. 
Curiosamente, ele até brincava com isso: — Celebro com a família no dia 25 e com os amigos no dia 29. Tudo certo. Até um dia, Menino.

Trilho Ambiental e Cultural no Jardim Oudinot


Os que visitam a Gafanha da Nazaré e mesmo os que nela vivem talvez nem se apercebam do que de importante podem apreciar na nossa terra. Hoje apresento, sem mais delongas, uma página do site da Junta de Freguesia, como desafio a uma visita sem pressas. Outras propostas virão a seu tempo.

Pode ver e ler aqui

Georgino Rocha - Sou Pecador, Perdoa-me, Senhor


"Levanta-te e vai, ergue o teu coração 
e a tua mente para o alto"

Esta declaração e petição surgem na parábola de Jesus, narrada no fim da sua viagem para Jerusalém. Lc 18, 9-14. É feita por um publicano, homem mal visto pelo povo, devido à sua profissão de cobrador de impostos. Brota de um coração humilde e confiante em Deus compassivo e misericordioso. Fica na memória dos discípulos de Jesus, como referência fundamental para quem quer reconhecer-se no seu ser mais autêntico e profundo. Entra na liturgia e é rezada, com frequência, no início da celebração eucarística/missa. E, com verdade, pode ser repetida muitas vezes por quem for honesto e leal consigo mesmo.
Jesus propõe a parábola para confrontar dois modos de nos relacionarmos com Deus, retratados nas atitudes do fariseu e do publicano, as duas “classes” mais expressivas para os ouvintes. O fariseu representa a ortodoxia legal, fiel cumpridor (até com requinte) dos seus deveres, auto-satisfeito na sua “burguesia espiritual”, displicente em relação aos demais porque não eram como ele. Apresenta-se cheio de méritos (pensa no íntimo do seu coração), relata tudo o que faz e espera ser reconhecido por Deus. Vive, confiante, no êxito da cobrança que a sua oração evidencia e o seu comportamento atesta. Por isso, mantém-se de pé, rosto erguido, em lugar destacado. Bom retrato, também, para o nosso tempo, ufano de si mesmo e dos seus êxitos, em que uma minoria se exibe face à crescente multidão dos empobrecidos e desconsiderados.

quinta-feira, 24 de outubro de 2019

Chorar nem sempre será bom...



"Se choras porque não consegues ver o Sol, 
as tuas lágrimas impedir-te-ão de ver as estrelas."

Rabindranath Tagore (1891-1941)

Nunca senti tanto frio na minha vida


Nunca senti tanto frio na minha vida. Esta frase não passa de uma força de expressão para dizer que tenho muito frio. E tenho mesmo, embora o inverno só venha lá para os fins de Dezembro. O Miguel Esteves Cardoso usa expressões semelhantes quando diz, por exemplo: “Comi ontem o melhor peixe da minha vida!” 
Realmente, sinto muito frio, mas sei que já passei por invernos bastante rigorosos, com temperaturas de bater o dente e de criar frieiras. Mas isso fica lá para trás nas memórias de geadas e de gelo nas valas que se cruzavam nas Gafanhas. 
Há muito que se fala das alterações climáticas provocadas pela ação desregrada das pessoas, indústrias, comércios, com poluições e tantas outras intervenções maléficas ao ambiente. É justo e necessário refletir sobre isto tudo, porque não tenho dúvidas de que a natureza não perdoa os nossos desleixos. 
Para já, vou ficar por casa, bem agasalhado e à espera  que o sol me  aqueça um pouco mais para poder sorrir.  

F. M.

quarta-feira, 23 de outubro de 2019

Trasladação dos restos mortais da Princesa Joana

Efeméride - 23 de outubro de 1771


“Realizou-se muito solenemente a trasladação dos restos mortais da Princesa Santa Joana para o sumptuoso túmulo construído a expensas de El-Rei D. Pedro II e segundo o magnífico desenho do arquitecto da Casa Real, João Antunes. A procissão que então se efectuou, ao longo das ruas da vila de Aveiro, presidida pelo bispo de Coimbra D. António Vasconcelos e Sousa, foi imponentíssima (Crónica, pgs. 274 e ss.: Campeão das Províncias, n.º 72, 30-10-1901) – A”

"Calendário Histórico de Aveiro" 
de António Christo e João Gonçalves Gaspar 

NOTA: Imagem de um livro de leitura, 3.ª classe, do Ensino Primário

segunda-feira, 21 de outubro de 2019

O Búzio

«Tão pobrezinha [a primeira capela] que estava desprovida de torre, ou simples campanário, e de sinos.
Sem campanário, sem sinos… Como remediar a falta? Como convocar os fiéis para a santa Missa, para o exercício do culto divino?
Tem o seu quê de regional e de poético a maneira como remediaram a falta e como convocavam os fiéis ao templo. No dealbar do dia, ou à tarde ao mergulhar suave e majestoso do sol nas águas do Oceano, conforme a convocação se fizesse para o Santo Sacrifício ou para as orações da manhã ou da noite, um repolhudo gafanhão, improvisado de sacrista, dirigia-se para o templozinho cheio de misticismo, descalço, de cuecas a cair sobre a rótula, cingidas pelo cós com um só botão às ancas espadaúdas. De barrete pendente sobre as orelhas, contas ao pescoço sobre a baeta da camisola, e de gabão velho, esburacado, deixava fustigar pelo vento da madrugada as canelas magras e nuas.
Este bom e anafado gafanhão, ia eu dizendo, assim descrito, tal qual era na primitiva Gafanha, soprava desesperadamente num enorme búzio, cujos sons cavos, profundos e compassados, iam quebrar-se de encontro às cordilheiras solitárias e silenciosas das dunas, ou espraiar-se pela argentínea superfície do oceano infindo.
E daquele rosto, congestionado e entumecido pelo esforço pulmonar, emergiam uns olhos a saltar das órbitas, a completar um quadro que bem lembrava Neptuno, na solidão das águas, a tirar da enroscada concha vozes cavernosas, a fazer sair dos abismos e das ondas toda a caterva de malignos tritões, a chamar os deuses marinhos para o diabólico conciliábulo de algumas desgraças, ou de alguma tragédia marítima.»

João Vieira Rezende,
In MG

NOTA: Sentado na minha tebaida, contemplo uma estante com um búzio a decorá-la  na parte superior. Um búzio que me levou até este texto escrito pelo Pe. João Vieira Rezende para a "Monografia da Gafanha", editada na década de 40 do século passado. Trata-se de um texto com a carga história de um realismo impressionante e de uma beleza literária digna de registo. 

Dia Internacional da Maçã

Quem diria que também existe o Dia Internacional da Maçã? Pois é verdade.  Alguém se lembrou de o criar e de estabelecer o dia 21 de Outubro de cada ano para o celebrar. Pretende-se frisar que o objetivo fundamental se baseia nos benefícios que a maçã oferece a quem a inclui numa dieta saudável. 
Recorde-se que a maçã não contém gorduras e é constituída por compostos que combatem o colesterol, razão pela qual é uma fruta muito recomendada. 
A maçã beneficia ainda as células nervosas e estimula os mecanismos cerebrais ligados à memória. É uma fruta aliada do cérebro que deve ser ingerida nas pausas do trabalho ou do estudo.
Até se diz que "Uma maçã por dia mantém o médico longe", ou "Uma maçã por dia dá uma vida sadia".

Fonte: Google

Miguel Esteves Cardoso - Ó, castanhinhas

Ó, castanhinhas 


"A ganância faz-nos comprar castanhas imaturas, caríssimas, com as peles coladas à pouca mas inacessível chicha."

audades enlouquecem. Não se pode ouvir falar em Outono sem se ficar voraz. São as castanhas. 
As castanhas dominam tudo. Já há? Já há? Já viste? Já viste? Conheces alguém em Trás-os-Montes? E se telefonarmos ao calhas para Vila Pouca do Aguiar? Pode ser que tenham pena de nós e nos digam se ela ainda tarda muito... 
Em Outubro começa a caça à castanha. Dizem-nos que há uma assadora exímia à saída do Hospital Amadora-Sintra. E há. Confirmamos que há. É domesticamente desencorajador comer castanhas tão boas e tão bem assadas. Não se pode ter pressa - é preciso esperar o tempo que for preciso para que fiquem perfeitamente prontas. 
Sempre houve castanhas em Portugal. Os nossos antepassados não comiam outra coisa. A castanha – crua ainda, antes da invenção do fogo – está-nos no tutano do nosso ser. 
Que são modernices arrivistas como cebolas, laranjas, amêndoas, limões, milhos, batatas, pimentos e tomates que os árabes e os americanos tiveram de nos ensinar a comer? 
A ganância faz-nos comprar castanhas imaturas, caríssimas, com as peles coladas à pouca mas inacessível chicha. Para mais ficam horríveis assadas em casa. 
Compramos mais. Também não prestam. Cozemo-las. Não serve de nada. Até a mais moribunda das saudades sobrevive. 
Custa aprender que só se apanham e vendem estas castanhas infantis porque há idiotas como eu que teimam em comprá-las, por muito más que sejam. 
Gastei quase cem euros. À porta do Amadora-Sintra custam 2,5 euros a dúzia: o preço do ano passado. 
E são todas boas.

Miguel Esteves Cardoso no PÚBLICO

NOTA: Esta é a minha homenagem de hoje a um cronista que muito aprecio. O Miguel Esteves Cardoso possui a arte de nos alertar para as coisas boas da vida. Neste caso, as castanhas assadas na rua por quem sabe são, realmente, uma delícia. E ele tem razão no que diz e escreve. 

domingo, 20 de outubro de 2019

Bento Domingues - O poder da arte



"De matérias banais podem ser feitas obras geniais 
e de matérias nobres podem sair produtos 
que só o mau gosto pode consumir"

1. Escrevi este texto para introduzir uma conversa com este título, na Livraria Arquivo de Leiria. É, por isso, anterior à conversa e não o seu reflexo. É um atrevimento que só me compromete a mim.
A palavra poder evoca realidades muito contrastadas. Tanto pode designar uma pessoa cheia de saúde, capaz de enfrentar os múltiplos desafios da vida quotidiana, como exprimir a debilidade extrema: não poder falar, não poder andar, não poder ver, não poder ouvir, não poder respirar, não poder trabalhar e sentir essas dolorosas ausências. Um hospital mostra esse contraste entre as pessoas que cuidam e os doentes que a elas recorrem porque reconhecem nelas o poder de conseguir remédio para superar o mal que as atingiu.
Fala-se, noutro sentido, da conquista do poder, seja ele económico, político ou religioso, por vias democráticas, legítimas ou, então, do acesso a esses mundos através da violência física e psicológica ou da astúcia fraudulenta. Quando é competente e é conseguido por caminhos eticamente legítimos, acaba por se traduzir em formas de serviço público. Quando segue as vias da fraude e da violência, não se destina a servir e a libertar, mas a dominar. A dominação pode ser económica, política, militar ou religiosa ou agregar todas essas formas, como acontece com o poder totalitário.

Anselmo Borges - Procurar longe o que está perto

Deus não está longe de nós
Três estórias.

1.1. O grande filósofo Martin Buber, no seu livro Der Weg des Menschen (O Caminho do Homem), retomou a estória de Eisik filho de Yékel, de Cracóvia.
Apesar da sua miséria, nunca deixou de confiar em Deus. Num sonho, foi-lhe ordenado que fosse a Praga "para procurar um tesouro debaixo da ponte que leva ao palácio real". Quando o sonho se repetiu pela terceira vez, Eisik pôs-se a caminho de Praga, a pé. Mas não podia escavar no lugar indicado, porque a ponte era vigiada dia e noite pelas sentinelas. Voltava todas as manhãs, andando para trás e para a frente durante o dia todo. Por fim, o capitão da guarda, intrigado, aproximou-se amavelmente para se informar do que se passava, o que quereria Eisik: "Tinha perdido alguma coisa ou estava à espera de alguém?" Aí, Eisik, dada a cordialidade do capitão, contou-lhe o seu sonho, e o capitão estoirou às gargalhadas: "E é para satisfazer um sonho que vieste de tão longe, gastando as solas no caminho? Ah! Ah! Meu velho, se fôssemos em sonhos, também eu deveria pôr-me a caminho por causa de um sonho que tive e ir a Cracóvia a casa de um judeu, um tal Eisik filho de Yékel, para procurar um tesouro debaixo do forno! Já viste? Nessa cidade, na qual metade dos judeus se chama Eisik e a outra Yékel, estou mesmo a ver-me a entrar, umas atrás das outras, nas casas todas!"
O capitão continuava a rir. Eisik inclinou-se numa saudação, voltou à sua casa em Cracóvia e desenterrou o tesouro que há tanto tempo o aguardava!

Nos 40 anos do Santuário de Schoenstatt




Dona Margarida Lencastre
Ao contrário do que muitos possam pensar, a primeira referência a Schoenstatt na Gafanha da Nazaré partiu de uma irmã do Pe. Miguel Lencastre, Dona Margarida. Sendo ela assistente social no setor das pescas, responsável pelo litoral norte e centro de Portugal, tinha como sua colaboradora a irmã do Pe. Domingos, Dona Maria Luísa, a quem propôs que sugerisse ao irmão, o nosso prior, a participação num retiro, em Fátima, sobre uma nova espiritualidade. E assim aconteceu. Desse retiro brotou a espiritualidade schoenstattiana entre nós que se alargou a outras paróquias da Diocese de Aveiro e depois a outras dioceses do nosso país. 
Sobre o Santuário e sua inauguração já muito se escreveu e viveu, graças a iniciativas marcantes, que hão de servir de mote para conversas, evocações e projetos de espiritualidade numa sociedade cada vez mais secularizada.  Mas hoje e aqui desejo, tão-só, evocar algumas figuras que permanecem na minha alma como fontes de inspiração.

Padre Domingos
O Pe. Domingos era uma sacerdote com um carisma mariano muito acentuado. Foi nosso pároco entre dezembro de 1955 e abril de 1973, saindo em jeito de quem abre portas ao seu então coadjutor, Pe. Miguel. Lembro-o, com saudade, pela sua amizade franca, desde a minha juventude. Estava eu acamado quando ele veio para a paróquia como prior. Da janela do meu quarto, voltado para a atual Av. José Estêvão, vi-o passar no seu modo de caminhar, apressado, e tempos depois veio visitar-me, não sei por influência de quem. Muitas conversas tive com ele sobre dúvidas que me assaltavam na juventude. E com que entusiasmo me explicava e me sugeria leituras. Quando eu adoecia, a sua visita nunca faltava. Faleceu no dia 21 de outubro de 2007, completando, amanhã, 12 anos.


Padre Miguel
O Pe. Miguel veio para a nossa paróquia por sugestão do Pe. Domingos. Recordo o dia em que o Pe. Miguel me foi apresentado no café frontal à igreja matriz, conhecido por Café Briol. Era a hora do café depois do almoço. E o Pe. Domingos, nessa conversa informal, adiantou-me que estava a ser equacionada a ideia do Pe. Miguel ingressar na nossa paróquia para exercer as funções de coadjutor. O Pe. Miguel falou-me vezes sem conta de Schoenstatt, enquanto sublinhava, para meu espanto, o seu percurso de conversão radical e entusiasta que guardo religiosamente. O Pe. Miguel ajudou-me a descobrir a universalidade da Igreja. E senti, pela primeira vez,  enquanto católico, que a democracia era possível no dia a dia da paróquia. Por exemplo, houve eleições para a então Comissão Fabriqueira. 
O Pe. Miguel foi ordenado sacerdote com 37 anos e foi coadjutor entre 1970 e 1972. Depois passou a prior, deixando marcas indeléveis relacionadas com o Movimento de Schoenstatt, e não só, em muita gente que jamais o esquecerá, pela sua capacidade de diálogo e entusiasmo.
Padre António

Seguiu-se o Pe. António Maria Borges que cativou os gafanhões com a sua juventude, alegria e arte musical entre outras artes, e o Pe. Rubens Severino com a sua simplicidade, desprendimento e visão prática. A simplicidade é um dom que cativa e inspira confiança. Assim aconteceu com muitos que o admiravam e respeitavam por isso. Mas ainda o Pe. Gilberto, fervoroso na oração e rigoroso no cumprimento das leis e normas da Igreja.
Outros padres de Schoenstatt por esta terra passaram e nela estagiaram e trabalharam, todos eles entusiastas pelo Movimento que assenta em três grandes pilares que nos conduzem a Deus, por Jesus Cristo e com o dinamismo do Espírito Santo. São eles Nossa Senhora, Mãe Admirável, Pe. José Kentenich, o Fundador, e o Santuário, cópia fiel do original na Alemanha, continua a apresentar-se como uma lugar "onde é bom estar".

Padre Rubens 

O Santuário de Schoenstatt celebra 40 anos da sua inauguração, que aconteceu no dia 21 de outubro de 1979, presidida por D. Manuel de Almeida Trindade. Estiveram presentes o Arcebispo de Mitilene, D. Maurílio de Gouveia, muitos sacerdotes, as Irmãs de Maria, os que mais trabalharam na construção e os que acompanharam tecnicamente projetos e demais serviços, convidados, autoridades e duas mil pessoas. 
Aberto a todas as faixas etárias, o Santuário continua a congregar pessoas para a missão urgente de contribuir para a construção de “um homem novo para uma nova sociedade”.

Fernando Martins

sexta-feira, 18 de outubro de 2019

Rui Pinto cometeu crimes… E agora

É público que Rui Pinto cometeu crimes punidos por leis de todos os países democráticos, admito eu. Terá, naturalmente, de cumprir penas em Portugal, esperando-se que nos tribunais ele confirme e justifique tudo o que fez. Porém, estou com dúvidas, não sobre a criminalidade do jovem, que é, ao que parece, especialista de grau elevado em matérias desta natureza, mas sim no seguimento das suas denúncias. Rui Pinto é, segundo li na comunicação social, um fora de série nestas matérias da Internet. De tal forma que nem os técnicos das polícias conseguem penetrar nos seus segredos. 
A minha dúvida, para a qual não consigo resposta, está na legitimidade de os investigadores que o mantêm preso poderem usar os registos e acusações do jovem sobre o mundo do futebol, para se averiguar a verdade, doa a quem doer. 

F. M. 

Ler mais aqui 

Georgino Rocha - Fazei-me Justiça, Senhor

Dia Mundial das Missões


«Hoje a Igreja celebra o Dia Mundial das Missões,
 horizonte que nos convida a ir mais longe 
e ajudar quem mais precisa»

Jesus prossegue a missão de dar a conhecer o rosto de Deus e o seu Reino. Recorre a imagens fortes para interpelar os discípulos e abrir-lhes o coração às novas dimensões do seu proceder. Hoje, a liturgia apresenta-nos a parábola do juiz que não teme a Deus nem ama o próximo e a viúva pobre espoliada dos seus bens que pede justiça. Lc 18, 1-8. Juiz e viúva, figuras que comportam a mensagem que vamos meditar. Deus brilha na viúva pobre que não é escutada, apesar da insistência. O juiz representa aqueles que podendo não cumprem o seu dever, não deixam a sua acomodação. 
Jesus mostra-nos um Deus suplicante ao homem/mulher que cuidem bem da casa comum, da família humana e dos bens que a natureza comporta e produz. Jesus dá o exemplo do amor apaixonado com que Deus quer o respeito pela dignidade humana, as relações sociais cordatas, a paz alicerçada na justiça. Mas, infelizmente, a situação actual demonstra o contrário em tantas circunstâncias. Vamos mencionar algumas.
O referido contraste é radical, embora não pareça. Surge na parábola “da pobre viúva e do juiz iníquo” narrada por Jesus, a propósito da necessidade de fazer oração sem desanimar. Faz parte da sua pedagogia narrativa e visa provocar os discípulos. Manifesta a diferença abissal entre o proceder de Deus e o do juiz sem escrúpulos. Realça a figura da viúva incansável na procura da justiça que lhe é devida. “Retrata”, de algum modo, a situação lastimosa que vivemos ou nos salta à vista trazida pelos meios técnicos de comunicação.

quinta-feira, 17 de outubro de 2019

Gafanha da Nazaré - "Mobilidade em Bicicleta"

Bicicletas na Escola Secundária (foto do meu arquivo)
António Rodrigues do projeto Gafe Bike Lab

A Escola Secundária da Gafanha da Nazaré, com o seu Gaf Bike Lab, foi galardoada na XIV Edição do Prémio Nacional “Mobilidade em Bicicleta” na sessão que decorreu no Auditório da Biblioteca Municipal Orlando Ribeiro, em Telheiras - Lisboa. 
Este prémio Nacional Mobilidade em Bicicleta é o culminar de um percurso de sucesso e de reforço e valorização da bicicleta, tão intrinsecamente ligada à identidade da Gafanha da Nazaré. 
Não pedalamos sozinhos para aqui chegar. Com orgulho e prazer destaco o empenho, dedicação e dinamismo dos docentes António Rodrigues e Teresa Pacheco, dos alunos, do Presidente da Junta de Freguesia da Gafanha da Nazaré, Carlos Rocha, parceiro incansável e amigo dedicado, do Município de Ílhavo e Universidade de Aveiro e de elementos da comunidade. 
Parabéns Gafe Bike Lab por mais esta distinção e por terem elevado o nome da nossa Escola Secundária e da nossa freguesia. 

A Diretora, Maria Eugénia Pinheiro 

NOTA: Texto publicado no jornal TIMONEIRO de Outubro

quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Costa escolheu 19 ministros... É muita gente!


Não tenho por costume meter-me na política partidária nos meus blogues. Deixo isso para os entendidos, que os há, com entusiasmo, entre nós, e não só. Contudo, não deixo de fazer “política” quando abordo outros temas. A política, afinal, está em tudo. Adiante… 
Hoje, porém, dou comigo a pensar sobre a constituição do Governo que o nosso indigitado primeiro-ministro anunciou. São 19 ministros para uma população de uns 10 milhões de habitantes. E se juntarmos aos ministros os secretários de estado e os secretários dos secretários, mais os subsecretários dos ministros e dos secretários, mais os burocratas que completam os gabinetes desses governantes todos, temos de convir que é muito pessoal a viver à custa do depauperado erário público. Estou convencido que no painel da governação, desta vez, não entram familiares, próximos ou afastados. Estarei enganado? 

F. M. 

Ler mais aqui 

segunda-feira, 14 de outubro de 2019

Bento Domingues - Em mudança acelerada



“Se tudo continua igual, se os nossos dias são pautados pelo ‘sempre se fez assim’, então o dom desaparece, sufocado pelas cinzas dos medos e pela preocupação de defender o status quo.”

Papa Francisco


1. Poderá a hierarquia da Igreja Católica mudar não apenas de orientação, mas sobretudo a velha prática de adiar soluções urgentes para um futuro indefinido?
A pergunta é antiga e percorre toda a história de reformas dentro da Igreja. Eu próprio conheço esse lamento desde a minha juventude. Quando agora se diz que o Papa Francisco está a alterar perigosamente o rumo da Igreja, provocando muitas resistências e ameaças de cisma, há sempre quem acrescente, com algum cepticismo: são maiores as mudanças no discurso do que na realidade dos factos. Mais uma vez, está a perder-se um momento de graça divina e de inadiável necessidade eclesial.
Isto sabe a conversa de velhos: velhos conservadores e velhos progressistas. Não esqueço, no entanto, que foi de um velho, minado por doença incurável, que saíram as palavras e os gestos mais audaciosos no século XX. Foram os do papa João XXIII. Os seus sucessores não perceberam que a autêntica virtude da prudência abre luz verde à audácia das decisões ponderadas, superando a linguagem do oportuno e inoportuno. Para trás não há paz e não é do império da mesmice que se podem esperar soluções inéditas.
Se olharmos para a fotografia do Sínodo dos Bispos dedicado ao tema os jovens, a fé e o discernimento vocacional, 2018, temos a evidência de que não foi um sínodo de jovens. Foram bispos com idade de pais e avós a tentar entender os jovens sem, talvez, se darem conta que já não se trata dos jovens que eles tinham conhecido quando trabalharam – os que trabalharam – com essas idades. A cultura, que só pretende garantir o futuro repetindo o passado, não entende o espírito cristão: Eis que eu faço novas todas as coisas [1].​

domingo, 13 de outubro de 2019

As leis serão iguais para todos?




"Para os pobres, é dura lex, sed lex. A lei é dura, mas é a lei. Para os ricos, é dura lex, sed latex. A lei é dura, mas estica"



Fernando Sabino (1923-2004), 
escritor brasileiro

Li no PÚBLICO

NOTA: Transcrevo, com a devida vénia, porque é verdade. Vê-se a olho nu e não vislumbro forma de as nossas leis serem MESMO iguais para todos. A um pobre a lei aplica-se e o condenado, porque não tem dinheiro para enveredar pela justiça, pagando a bons advogados, está sujeito a ficar na cadeia. Um rico, com dinheiro a rodos e influências por todos os cantos, faz protelar as decisões dos tribunais  até o comum dos mortais se esquecer. E a vida continua. Ultimamente, não será tanto assim? Talvez, mas o avanços, no sentido de as leis serem iguais para todos,  são muito lentos...  Ou andarei enganado? 

Anselmo Borges - Sínodo para a Amazónia: um mini-Concílio Vaticano II


1. Começou em Roma no passado dia 6 e estará activo até ao próximo dia 27 o Sínodo para a Amazónia. Estão presentes 185 Padres sinodais, mas participam também membros da Cúria, religiosos e religiosas, auditores e auditoras, peritos, membros de outras confissões religiosas, convidados..., o que perfaz, em números redondos, 300 pessoas. 
Embora de modo expresso se dirija directamente só a uma zona determinada do planeta, ainda que extensíssima e tocando nove países (Brasil, Bolívia, Peru, Equador, Colômbia, Venezuela, Guiana, Suriname e Guiana Francesa), a sua temática -"Amazónia: novos caminhos para a Igreja e para uma ecologia integral" - é universal e vai marcar este pontificado com um antes do Sínodo e um depois. Penso que estaremos num processo de recuperação da dinâmica do Concílio Vaticano II, um dos acontecimentos mais importantes, se não o mais importante, do século XX, para a Igreja e para o mundo. O Papa Francisco acentua que a sua missão fundamental é criar "processos" no tempo, irreversíveis, sem possibilidade de voltar atrás, a caminho de objectivos essenciais, que já vêm do Vaticano II. 

2. Destaco quatro desses pontos fundamentais, a debater no Sínodo e que influenciarão a Igreja universal. 

2. 1. Logo na terminologia. O Papa quer uma Igreja sinodal, isto é, na qual, como diz o étimo da palavra sínodo, se faça o caminho juntos. Repete constantemente: "a Igreja somos nós todos". Se é assim, o que é de todos deve ser partilhado por todos. Na véspera da abertura do Sínodo, aquando da imposição do barrete cardinalício aos novos cardeais, lembrou-lhes que não são príncipes, e pediu-lhes "lealdade" e "compaixão", também no sentido etimológico da palavra: partilhar as alegrias, as tristezas e as angústias de todos, a começar pelos "descartados", com os quais devem ser samaritanos, e que evitem ser "funcionários". Um desses novos cardeais, Cristóbal López, arcebispo de Rabat, sabe que assim deve ser, ao afirmar: "Os cristãos são todos iguais, o ser bispo ou cardeal não nos torna superiores a ninguém". Na Igreja, não pode haver duas classes: os clérigos e os leigos, pois toda a Igreja é uma Igreja de iguais, ministerial. 

É sempre bom sair de casa... mas às vezes


É sempre bom sair de casa, mas às vezes encontramos amigos que andam tristes. Antigamente, não era tanto assim. Mais novos, respirávamos ainda o ar de muita felicidade. Hoje, porém, encontrei um amigo de longa data numa situação dolorosa. Sua esposa faleceu há pouco tempo com 75 anos. Ainda há meses os vi numa celebração religiosa sem aparências de fragilidades. 
Os filhos, com as suas vidas, vivem longe, mas quando pode, aos fins de semana, vai visitá-los, alternadamente. Durante a semana vive sozinho com as memórias da esposa e os afazeres do dia a dia. Conheço outros casos e sinto que há bastante gente, homens e mulheres, na mesma situação. Eu sei que a roda da vida continua, mas é bom que nos habituemos a mudanças bruscas que podem  surgir, nas camadas mais idosas. 
Para o animar, lá fui adiantando que se envolvesse em tarefas que o ocupassem física e emocionalmente. O espírito precisa de ser dinamizado para alimentar a alma e animar o corpo. Felizmente, já  aconteceu, disse o meu amigo: uma instituição já o conquistou para trabalho voluntário. Ainda bem. 

F. M. 

sábado, 12 de outubro de 2019

TURISMO – Se a moda pega...

Turistas em Aveiro 
Veneza já agendou a cobrança de uma taxa para entrar na cidade. Pretende-se estancar o afluxo  de turistas, segundo se diz e lê. Em 2020, quem gostar de visitar a cidade dos canais, em Itália,  tem de pagar...  Na cidade dos canais, em Aveiro, estaremos longe disso, penso eu
Habituei-me a olhar para os turistas como gente que gosta de apreciar terras e culturas, pessoas e monumentos, mas também de saborear gastronomias próprias de cada região. Pelos vistos, o que é demasiado cansa e...  será que prejudica? Não é o turismo uma indústria que movimenta muitos milhões? E não dá emprego a muita gente? E não saem do turismo benefícios sociais, económicos e culturais para tantos? 
Se a moda pega, não será um certo descalabro a tantos níveis para os países? 

Ler no PÚBLICO 

Fernando Martins