quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Processo de canonização de Santa Joana em curso

Beata Joana
Túmulo de Santa Joana


Está em curso o processo de canonização de Santa Joana, padroeira da cidade e diocese de Aveiro. Na sequência disso, o Correio do Vouga iniciou esta semana a publicação de uma separata que deve ser recortada, lida e guardada, para poder ser consultada quando necessário. A publicação será semanal, sempre no semanário diocesano. Contém informação variada e outros textos para todos acompanharem de perto o progresso do processo, que não sabemos quando terminará. 
Neste primeiro número da separata pode ser lido um apontamento biográfico, a cronologia da Princesa Santa Joana, um testemunho, a relação dos mais diretamente responsáveis pela organização do processo, sendo postulador da causa Mons. João Gonçalves Gaspar. Na primeira página, o P.e Fausto Oliveira, pároco da Glória (Sé de Aveiro), lembra que o culto de Santa Joana, «confinado há muitos anos à Celebração Eucarística e Procissão solene no dia 12 de maio, verifica, desde junho de 2017, novo fôlego». E acrescenta: «a 12 de cada mês, os cristãos enchem a igreja de Jesus, às 9 horas, bem perto do túmulo de Santa Joana, para celebrar a eucaristia e agradecer o dom que foi e é para a Igreja, e, sobretudo, para Aveiro, a vida da Padroeira da nossa cidade e diocese.»

FM

Humor inteligente


 «Um humorista levou a sério a tarefa de falar como escritor a quatro dezenas de adolescentes e a conversa serviu para quebrar um mito. Afinal, fazer rir dá muito trabalho, exige muito estudo, muita leitura, “muita consistência”. Ricardo Araújo Pereira não o disse assim, mas se os alunos da Murtosa que o foram ouvir ao Palácio de Belém esta terça-feira iam com as gargalhadas prontas a disparar, o humorista deu-lhes um banho de água fria. Pô-los a pensar ao contrário, como fazem os humoristas.»

Ler mais aqui 

NOTA: Alunos da Murtosa tiveram o privilégio de ouvir  e ver um humorista culto e inteligente que, em vez de os fazer rir, apenas, os pôs a pensar, segundo  li  no PÚBLICO.
Eu gosto, sempre gostei, dos humoristas inteligentes e cultos que nos ajudem a pensar. Dos outros não rezará a história. Ricardo Araújo Pereira faz parte dos meus favoritos. Tal como Raul Solnado continua na minha memória. E pelo que li, o seu encontro com os jovens da Murtosa, podia muito bem ser apreciado pelos adultos, que de humoristas sem graça inteligente estamos fartos.

A sentença antes do julgamento



«Os arguidos não são acusados e os acusados não são culpados. Num dia como o de ontem em que ao final da manhã as redações foram inundadas com notícias de buscas, detenções e acusações existe o risco facilitista de julgar tudo pela mesma bitola.»

Ler mais aqui 

NOTA: Penso que muitos caem facilmente no facilitismo de condenar seja quem for na praça pública, antes de qualquer julgamento. É um erro crasso. Direi mesmo que é um crime. Importa que a Justiça siga o seu caminho e no fim, quando a condenação ou absolvição surgirem, poderemos tecer os nossos comentários. Eu sigo esse caminho. Sobre Sócrates, por exemplo, estou à espera que os tribunais se pronunciem. Até lá, ele está inocente. 

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

PORTUGAL NÃO É UM PAÍS DE CORRUPTOS



Confesso que tenho andado espantado com as notícias que todos os dias nos chegam com denúncias de corrupções ou de eventuais corrupções. Não escapa ninguém, como se Portugal fosse um país sem norte, sem dignidade, sem gente honesta. Os agentes de investigação andam numa roda viva à cata de provas. Ministros, juízes, agentes desportivos, jogadores, advogados, padres, políticos, empresários, etc., etc., etc. E o mais estranho está no facto de os investigadores levarem à ilharga a comunicação social, que tudo relata ao pormenor, desde os passos dados até às gavetas, computadores, documentos, arquivos pessoais e nem sei que mais. Tudo à franca, aos olhos de todos. E daí as especulações, à medida de quem conta um conto acrescenta um ponto. 
De um dia para o outro, aqueles que vestiam a pele de gente séria passam a suspeitos de eventuais criminosos, de desonestos sem remissão, de corruptos descarados, de usurpadores de bens alheios, de pessoas repugnantes, de vigaristas irrecuperáveis. E não será assim; eu não quero crer que Portugal esteja cheio de homens e mulheres sem princípios, sem moral, sem regras de honestidade a toda a prova, sem vergonha. Não pode ser!
E tudo isto porquê? Porque os investigadores não agem discretamente, permitindo, por desleixo ou por inconfessadas razões, que a comunicação social os “acompanhe”, por artes mágicas ou outras artes, no negócio das notícias que podem manchar para o resto da vida gente séria. E se tudo for falso, se não for como se noticia? Quem lava a mancha execrável que caiu sobre os investigados?

Fernando Martins

EUGÉNIO DE ANDRADE - O SAL DA LÍNGUA


O SAL DA LÍNGUA

Escuta, escuta: tenho ainda
uma coisa a dizer.
Não é importante, eu sei, não vai
salvar o mundo, não mudará
a vida de ninguém – mas quem
é hoje capaz de salvar o mundo
ou apenas mudar o sentido
da vida de alguém?
Escuta-me, não te demoro.
É coisa pouca, como chuvinha
que vem vindo devagar.
São três, quatro palavras, pouco
mais. Palavras que te quero confiar.
Para que não se extinga o seu lume,
o seu lume breve.
Palavras que muito amei,
que talvez ame ainda.
Elas são a casa, o sal da língua.

Eugénio de Andrade
In "O Sal da Língua"

O HOMEM È COLOSSAL E... MINÚSCULO


Diz Abbé Pierre,
para quem o quiser ouvir,
ainda hoje,
em o TESTAMENTO:

“O homem de hoje é colossal pela enormidade das responsabilidades que pesam sobre ele e minúsculo perante a imensidão das tarefas que em toda a parte o chamam. Mas não podemos, a pretexto de que nos é impossível fazer tudo num dia, não fazer coisa nenhuma! Conservemos no coração a impaciência de fazer. E a indignação na acção.”

domingo, 28 de janeiro de 2018

Andróides, professores de Teologia?

Frei Bento Domingues 


1. Hiroshi Ishiguro é um académico japonês, de 54 anos, professor da Universidade de Osaka, que desenvolve robôs inteligentes com aparência humana. Veio a Lisboa fazer uma conferência na Universidade Católica. João Pedro Pereira, do PÚBLICO, conversou com este criativo [1].
Hiroshi desejou ser pintor para entender a humanidade. Mudou-se para a área da robótica e da inteligência artificial. Ao verificar que a inteligência artificial precisava de um corpo apropriado, criou, nos últimos anos, vários andróides. Trabalha com diversas empresas no Japão para desenvolver múltiplas aplicações práticas. Toda a gente consegue interagir com robôs semelhantes a seres humanos. No ambiente de laboratório, a aparência e os movimentos dos andróides têm vindo a ser aperfeiçoados. A inteligência artificial torna-se cada vez mais sofisticada e permite que as máquinas possam ter conversas razoáveis com pessoas. Contudo, na construção de robôs que funcionam como humanos a consciência será, provavelmente, a última barreira.
Ishiguro acredita que um dia, não hoje, esta dificuldade será ultrapassada. Talvez demore duas ou três décadas. Julga que o que já pode dizer, com clareza, é que os investigadores, os neurocientistas e os cientistas de robótica estão muito interessados na consciência. Depois da inteligência artificial, a próxima meta é a consciência artificial.

sábado, 27 de janeiro de 2018

Pedro Mexia: "Inflexibilidade" impede evangelização

Pedro Mexia afirma que «inflexibilidade» 
de alguns cristãos impede evangelização


«O escritor e crítico líterário Pedro Mexia disse hoje que dialogar com o mundo não significa ceder a modas ou a novidades e que a “inflexibilidade” apenas gera “auto-satisfação” e não evangeliza.
“É um péssimo ponto de partida. Não é um concurso de popularidade, nem (se trata de) embarcar em modas ou novidades. Trata-se de viver no mundo, tal como ele existe, com os comportamentos e ideias das pessoas e dialogar com isso”, afirmou o assessor cultural da presidência da República durante o encontro de referentes do Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, que decorre hoje em Fátima.»


Ler mais aqui

CARNAVAL PARA ANIMAR A MALTA




Como manda a tradição, o Carnaval vai ser celebrado por todo o país, como, um pouco, por todo o mundo. No município de Ílhavo, não se foge à regra e não faltará quem ouse substituir a máscara de todos os dias, muito camuflada, por uma mais adequada à quadra. Digo “máscara” de todos os dias a brincar, não só por sempre ouvir dizer que tal é mesmo assim, quando muitos escondem as suas personalidades, em obediência ao politicamente correto, mas também por reconhecer que a vida precisa de ser vivida com alegria a transbordar. E nesses dias, é certo e sabida que não faltarão as críticas diretas e oportunas dirigidas, normalmente, às pessoas que, às vezes, brincam com coisas sérias na arte da governação, mas não só.
Pessoalmente, não me atraem esses festejos, por razões que nunca percebi, mas admiro quem tem a coragem de sair à rua mascarado e com ditos, em princípio educados, mas com muita graça. Oxalá o Carnaval nos ajude a pensar na vida, atirando para trás das costas o que tanto incomodou tanta gente.
Boas festas carnavalescas para todos, para os que gostam e para os que não gostam.  

Janeiras – E a tradição cumpriu-se...

Grupo Etnográfico (foto do meu arquivo)
Ontem,  cumpriu-se a tradição. O Grupo Etnográfico da Gafanha da Nazaré, apesar do frio, deu sinal, com um cantar próprio desta quadra. Entrou em  nossa casa com gargantas e instrumentos musicais afinados. Uma saudação amiga, sorrisos alegres, espírito aberto, simpatia franca. E os cânticos, que ocupam um lugar especial nas minhas memórias, décadas e décadas ensaiados e repetidos e  no Cortejo dos Reis apresentados, na Gafanha da Nazaré e noutras bandas, ao ritmo de partilhas etnográficas enriquecedoras, encheram o nosso ambiente familiar. 
A importância dos Grupos Etnográficos está na manutenção destas tradições, revividas para os mais idosos e ensinadas aos mais novos, se é que têm coragem de pôr de lado o teclado do telemóvel por simples momento que seja. Contudo, no grupo havia jovens, tocando e cantando, um sinal claro de que há no grupo etnográfico quem tenha sensibilidade para cativar e ensinar. E assim se passa o testemunho.

F.M.

Um dos cânticos

Deus nos dê Festas Alegres
Com Seu divino amor
A Virgem Nossa Senhora
Deu à luz o Redentor

Cantemos nossas canções
Para visitar Jesus
Vamos ver Sua lapinha
Cheia da divina luz

A Gafanha da Nazaré
É esta sedutora
Damos graças ao Menino
E à Virgem Nossa Senhora

O presépio enfeitado
Nos espera e nos seduz
Para prestar homenagem
Ao que a Virgem deu à luz

Vamos indo pastorinhos
Com toda a nossa alegria
Visitar o Deus Menino
Filho da Virgem Maria

Vamos indo piedosos
Cada qual com sua oferta
Oferecer ao Menino
Que é dia da Sua festa

É o nosso Deus Menino
O Rei dos pobrezinhos
Oferecer-lhe ofertas
Dos humildes pastorinhos

sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

A VIDA


A VIDA

A vida é o dia de hoje,
A vida é ai que mal soa,
A vida é sombra que foge,
A vida é nuvem que voa;

A vida é sonho tão leve
Que se desfaz como a neve
E como o fumo se esvai:
A vida dura num momento,
Mais leve que o pensamento,
A vida leva-a o vento,
A vida é folha que cai!

A vida é flor na corrente,
A vida é sopro suave,
A vida é estrela cadente,
Voa mais leve que a ave:

Nuvem que o vento nos ares,
Onda que o vento nos mares,
Uma após outra lançou,
A vida – pena caída
Da asa da ave ferida
De vale em vale impelida
A vida o vento levou!

João de Deus


NOTA: Hoje, a pensar na vida, tão cheia de surpresas, umas agradáveis e outras nem tanto, lembrei-me deste poema de João de Deus, um mestre na arte de poetar de forma tão simples.


GIL EANES EM VIANA DO CASTELO





NOTA: Todos os naturais e residentes na nossa região, ligados direta ou indiretamente ao mar, e sobretudo à pesca do bacalhau, se identificam com o Gil Eanes, navio-hospital que prestava apoio aos pescadores e tripulantes dos navios bacalhoeiros. Hoje, terminada a safra dos bacalhaus, é um navio-museu que desenvolve variadíssimas ações culturais que importa sublinhar. Sei que há conterrâneos nossos, ílhavos e gafanhões, que estão ligados a algumas iniciativas, o que é muito meritório. Louvo-os por isso, porque, no fundo, prestam um serviço que simboliza gratidão. 

Jerusalém: com um "estatuto especial"?

Anselmo Borges 

Anselmo Borges

1 Jerusalém é uma cidade mítica no imaginário de milhões e milhões de pessoas, concretamente crentes das três religiões monoteístas.
O significado da cidade para os judeus está bem expresso no Salmo 137, versículos 5-6: "Se me esquecer de ti, Jerusalém, fique ressequida a minha mão direita! Pegue-se-me a língua ao céu da boca, se eu não me lembrar de ti, se não fizer de Jerusalém a minha suprema alegria!" Os cristãos sabem que foi em Jerusalém que Jesus enfrentou a religião oficial, exploradora do povo, ali foi condenado à morte e crucificado, ali fizeram os primeiros discípulos a experiência avassaladora de que a morte não teve nem tem a última palavra, pois Jesus está vivo para sempre em Deus. Para os muçulmanos, Jerusalém, onde se encontra a mesquita Al-Aqsa, é o terceiro lugar sagrado, depois de Meca e Medina.
Mas Jerusalém foi e é também lugar de confrontos constantes, de invasões permanentes ao longo da história, de contínua conflitualidade e, actualmente, um dos focos mais explosivos, com perigos e ameaças para a paz. A recente decisão do presidente Trump de passar para lá a Embaixada dos Estados Unidos, reconhecendo Jerusalém como capital de Israel, só contribuiu para incendiar os ânimos e agudizar as tensões.

2 Neste contexto, no passado dia 17, teve lugar no Cairo, por iniciativa das autoridades da universidade e mesquita Al-Azhar, uma conferência internacional sobre a Cidade Santa, Jerusalém, também com a presença, entre outras personalidades, do patriarca copta ortodoxo Teodoro II, o patriarca maronita Béchara Boutros Raï e o catholicos arménio Aram.

Maravilhados com o ensino de Jesus. E nós?

Reflexão de Georgino Rocha

Georgino Rocha


Jesus vai calcorreando os caminhos da Galileia e localiza em Cafarnaum, nesta quase desconhecida aldeia, a sede da sua missão em público. É uma opção pelas “periferias” pobres e sem poder, distantes de Jerusalém e dos funcionários sagrados que oficiavam no seu Templo. Também dos políticos de turno controlados por Roma. É uma opção clara que se desenvolve e confirma em mensagens e acções, em ditos e parábolas. E por vezes chega a expressões verbais veementes.
Cafarnaum fica situado perto do mar de Tiberíades, viveiro fértil de peixes vários, onde labutam pescadores que necessitam do sustento familiar e de pagarem as taxas que lhes são impostas. Nos socalcos das montanhas cultivam-se cereais, árvores e legumes que constituem a base alimentar da população. “Quem visitar esta região nos primeiros meses da primavera ficará maravilhado ao comprovar a força com que cresce a vegetação, afirma Flávio Josefo, historiador judeu do séc I, e menciona, entre achados arqueológicos, restos de moinhos de grão e de prensa de azeitona. Terra atravessada por duas vias ao serviço de interesses superiores.
Chegado ao sábado, Jesus vai à sinagoga. Marcos, o narrador do episódio, centra a visita num único ponto: A autoridade de Jesus que decorre do modo como Ele fala e a reacção entusiasta que desperta nos presentes. E, por contraste, vem a dos escribas, os homens letrados nos textos sagrados. Evita pormenores que podem desviar. Usa um estilo sóbrio. Faz-nos ver Jesus em acção, como se fosse “um directo”. (Mc, 1, 21-28).

quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

A pregação feita em muitos templos gera ateus

"Rostos de Misericórdia 
– Estilos de vida a irradiar"
– Um livro de Georgino Rocha

Carlos Borrego e D. António Moiteiro

Zé Tó e Liliana

P.e Georgino 

«A leitura deste livro foi um mergulho neste oceano imenso do amor que Deus devota a cada um dos habitantes do universo», referiu o Prof. Carlos Borrego, na apresentação do mais recente livro do P.e Georgino Rocha, que ocorreu no passado dia 17 de janeiro, à noite, no CUFC (Centro Universitário Fé e Cultura). «Neste livro aprendi muitas lições e desafio-vos a fazerem a mesma coisa», afirmou, acrescentando que a apresentação de uma obra deverá «constituir um encontro de corações e de partilha, estimulante e estimuladora», para levar os leitores a debruçarem-se sobre o livro. Mais do que dar a conhecer o livro do P.e Georgino, «vou pretender motivar, aliciar e provocar os presentes, se é que disso precisarão, a ler esta obra, de uma riqueza notável», frisou o Prof. da Universidade de Aveiro, especialista em assuntos do ambiente e antigo ministro.
Adiantou, ainda, entre muitíssimas considerações pertinentes e desafiantes para quem teve o privilégio de o ouvir, que “Rostos de Misericórdia - Estilos de vida a irradiar” é um livro de reflexões e relatos de pessoas «com o nome registado no livro da vida».
Carlos Borrego evocou, como rostos de misericórdia que o marcaram, D. António Marcelino, um bispo preocupado com a «presença dos cristãos no meio universitário», e D. António Francisco, um bispo «transparente e amistoso».

quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

Crise de valores

Crónica de MaDonA



Não busque ser um homem de sucesso, 
busque ser um homem de valor.” 

Einstein 

Todos os dias nos entram, pela casa adentro, as misérias que grassam no país e que os mass media nos apresentam, sem dó nem piedade. A sociedade assiste, hoje, ao que tem vindo a aumentar de dia para dia, uma crise de valores institucionalizada. 
Os portugueses, considerados, um "povo de brandos costumes", estão a acordar para esta realidade, que os leva a pôr em causa instituições e figuras nacionais, habitualmente consideradas acima de qualquer suspeita. 
Casos de corrupção nas forças de segurança, em figuras políticas, o escândalo da Casa Pia, e tantos outros são notícias que fazem as parangonas de grandes jornais. Há um desrespeito, pelos padrões éticos: hoje tudo é admissível e confunde-se liberdade com permissividade. Há uma grande falta de qualidade das elites nacionais: os portugueses não têm referências, o que é confirmado pela detenção de figuras públicas. 
Hoje domina o materialismo. Uma pessoa é identificada, pelos bens materiais que possui: uma mansão com piscina, uma casa de férias, um iate, um bom automóvel, roupas de marca, não por aquilo que é: um homem honesto, um bom amigo, uma pessoa íntegra. 
Vivemos numa sociedade que privilegia o ter em detrimento do ser. O dinheiro não deverá ser um objetivo, mas sim um meio de vida. Com isto, não pretendo fazer a apologia do despojamento total, da vida de eremita. O dinheiro deve proporcionar-nos conforto e bem-estar, não opulência e fausto. “O dinheiro é a raiz de todos os males, mas quão bela é a sua folhagem!”_ Dizia um amigo meu. 
Ainda hoje, veio a notícia da morte do homem mais rico de Portugal. Uma vida curta para a esperança média de vida, quase noventa anos. Terá Américo Amorim sido tão feliz, quanto foi rico? Foi justo no ordenado que pagou aos seus trabalhadores, distribuiu algum do seu património pelos mais desfavorecidos, enfim, foi benemérito? 
O meu pai, que foi feliz sem ser rico, sendo que rico não é o que mais tem, mas o que menos precisa, viveu até aos 93 anos de idade. E, mais viveria se eu tivesse sido dona de casa, e pudesse ter-lhe dado o apoio necessário, no final de vida. Antigamente, isto acontecia numa sociedade rural, em que os seniores eram acolhidos e acarinhados no seio familiar. Os valores da família, do trabalho, da honestidade existiam. Hoje estão démodé. 
Um exemplo de despojamento, a seguir pelos nossos políticos, foi o presidente do Uruguai, Pepe Mujica, que afirmou "O que chama a atenção mundial? Que vivo com pouco, numa casa simples, que ando num carrinho velho, essas são as notícias? Então este mundo está louco, porque o normal surpreende." 
Isso tudo nos mostra que, nos dias de hoje, as pessoas já não tem o ser humano como fundamental, mas, sim, o dinheiro, o lucro. A pergunta básica que se faz ao planear uma ação é “O que eu vou ganhar com isso?” Podemos compreender: acidentes que ocorrem em edifícios e matam pessoas porque houve algum tipo de “economia” na construção; pessoas que morrem em hospitais porque a verba atribuída pelo governo já não é suficiente, etc 
Como exigir que as crianças interiorizem os verdadeiros valores, se nós mesmos não damos o exemplo? 
E os meios de comunicação que visam o lucro e satisfação imediatos tiram partido disso. As novelas fazem apologia do sexo sem responsabilidade, glorificando o egoísmo, a vingança, a mentira e a truculência, nas relações humanas. 
O facto de alguns, pela prática de atos ilegais, demonstrarem uma ausência de padrões éticos, não significa que toda a sociedade padeça do mesmo mal. Eu ainda acredito no HOMEM. Apesar da onda de marginalidade, e outras doenças sociais, ainda há as boas exceções à regra. 
Quando, há dias, estacionava o carro, junto à Loja do Cidadão, dois senhores, em simultâneo, ofereceram os tickets de estacionamento, que não tinham esgotado o tempo, a quem se dirigia às máquinas. O meu tinha a duração de mais duas horas. “Eles já ganham muito!” — Disse-me o senhor de forma jocosa. 
Tal como Martin Luther king, eu tenho um sonho! De ver a harmonia entre as pessoas, sem haver exploradores e explorados, prepotentes e submissos, ricos e pobres. Utopia? O ativista americano também acreditava nela. 

MaDonA 

28.07.2017

Falar+ vai abordar o tema “Estudar é bom!”


No próximo dia 31 de janeiro, quarta-feira, pelas 15h, no Fórum Municipal da Juventude da Gafanha do Carmo, vai decorrer uma sessão aberta aos jovens, destinada a dar dicas capazes de aumentar a capacidade de aprendizagem, melhorando, através da concentração e da memorização, os resultados dos estudos, diz um comunicado da CMI.
No mundo frenético em que todos vivemos, com os jovens a serem bombardeados por inúmeras solicitações, é justo reconhecer que iniciativas deste teor são sumamente importantes. Portanto, aconselho os jovens a participarem nesta ação de FALAR +.
Um aviso pertinente: Desliguem os telemóveis para não serem incomodados.

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

E que tal não ver má televisão?

Manuel Cardoso, no Sapo, 
atirou-me hoje com uma questão pertinente: 
E que tal não ver má televisão?



Há muito que tento descobrir o motivo por que perdemos tanto tempo com maus programas de televisão. Para além das notícias, que gosto de ver e ler, porque estou no mundo e sei que é importante estar informado, tenho de reconhecer que há outras formas de passar os serões: ler, escrever, conversar, trocar opiniões, discutir (no bom sentido) pontos de vista, ver filmes ou séries com substância, etc. 
O jornalista continua no seu escrito com mais perguntas, insistindo: "E aquele programa extremamente polémico com crianças que não se portam lá muito bem que é emitido no canal que se encontra na posição raiz quadrada de nove da grelha? Não vi. Podemos manter isto assim? Ou vão continuar a oferecer ao formato tanta publicidade gratuita que vou ser obrigado a ceder?"

Ler mais aqui 

Morreu Germana Tânger

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Igreja “importa” padres para chegar a todas as paróquias

Reportagem de Natália Faria 
publicada no PÚBLICO de ontem

«Vêm da Ucrânia, Brasil, Angola, Itália, mas também Polónia, Espanha. À míngua de padres, a Igreja Católica entregou paróquias a dezenas de estrangeiros. Alguns, casados e com filhos. Trata-se — acusam os mais críticos — de mero remendo para um problema que reclama a ordenação de mulheres e homens casados.»

Vigário-geral da diocese de Aveiro


“Fujo à ideia do sermão”

«Na diocese de Aveiro, dividida em 101 paróquias, contam-se cinco padres estrangeiros, nas contas do vigário-geral, o padre Manuel Joaquim da Rocha. “Chegámos a ter uma irmã religiosa que fazia a celebração da palavra numa paróquia, mas agora não. O que temos agora são diáconos responsáveis pela celebração da palavra nalgumas paróquias.” Em tudo iguais a uma missa, as celebrações da palavra distinguem-se pelo facto de não serem evocadas as palavras de Jesus na última ceia nem serem consagrados o pão e o vinho (são-no previamente por um sacerdote). Os diáconos permanentes podem ser casados e ter filhos e podem baptizar, presidir a casamentos, baptizados ou funerais. Não podem é dar a santa unção, ouvir os fiéis em confissão nem chamar missa à missa que efectivamente celebram. Para serem reconhecidos enquanto tal pela Igreja, têm de ter mais de 35 anos, uma vida estável na comunidade em que se inserem e passar por uma formação que os habilita a exercer aquelas funções.»

NOTA: Texto transcrito do jornal Público. Foto do meu arquivo. 

Ler mais aqui

Mais de cem crianças na Corrida das Ecolinhas


As crianças são a garantia do futuro. E se elas forem acarinhadas, apoiadas e ajudadas a crescer, serão a garantia de um futuro risonho. Daí, esta iniciativa que dá pelo nome de Corrida das Escolinhas, inserida no 35.º Grande Prémio de Atletismo da ADC "Os Ílhavos" e promovida por esta associação, em parceria com a Câmara de Ílhavo.
Participaram 123 crianças das escolas do 1.º Ciclo do Ensino Básico do Município. E quem ganhou? — hão de perguntar os meus amigos. Garanto-vos que ganharam todos. Os meus parabéns aos que organizaram a corrida e a apoiaram, mas também às escolas e aos alunos participaram. 

Vigário-Geral — Os projetos da Igreja são de todos nós

Dia do Diácono celebrado em Soza 
com a participação de algumas esposas

Diácono Permanente Carlos Nunes coordenou a reunião
Aspeto da assembleia

P. Rocha, Vigário-Geral da Diocese

P.e José Manuel, novo delegado 

Diácono Castelhano e esposa 

Os diáconos permanentes da diocese de Aveiro celebraram ontem, domingo, em Soza, arciprestado de Vagos, o Dia do Diácono, sob a proteção de S. Vicente. Nem todos puderam marcar presença por razões diversas, mas os que aderiram, alguns acompanhados pelas suas esposas, souberam conviver e partilhar preocupações, evocar alguns ausentes e confraternizar, como já vai sendo hábito.
Este encontro estava programado para prestar uma simples homenagem de gratidão ao P.e Georgino Rocha, que deixou as funções de delegado do nosso bispo para o Diaconado Permanente, cargo que desempenhou cerca de 30 anos, já que os primeiros diáconos permanentes da Igreja Aveirense foram ordenados em 22 de maio de 1988.

P.e Georgino Rocha

A receção ocorreu na Junta de Freguesia de Soza com um lanche, seguido de uma rápida sessão, na qual foi possível refletir sobre o apoio que o P.e Georgino Rocha nos prestou durante todos estes anos. Na altura, tive a oportunidade de sublinhar o que mais me sensibilizou no contacto próximo que mantive com ele, salientando quanto o apreciava, como homem e como presbítero. Disse que o P.e Georgino mostrou, ao longo destes anos, uma rara capacidade de ouvir e de dizer: Simples, objetivo, direto… O suficiente para as reflexões que importava fazer. 
Frisei que dificilmente se discorda do seu pensar assente nos livros sagrados, permanentemente atento aos alertas, desafios e apelos dos Papas e dos nossos bispos, mas também de outros bispos, teólogos e mesmo de humildes santos das nossas comunidades, que nos dão exuberantes lições de vida alicerçadas nos Evangelhos e demais textos bíblicos. Lições, exemplos e testemunhos que não chegam às parangonas da comunicação social, mas que ficam no coração de quem tem tempo e sentimento para as apreciar no dia a dia. E disso nos tem dado nota testemunhal o P.e Georgino, no muito que escreve, nas reflexões semanais que publica e nos livros com que nos brinda a um ritmo frequente. No dia 17 de janeiro, lançou mais uma obra — “Rostos de Misericórdia – Estilos de vida a irradiar” — que merece ser lida com urgência, tal é a sua oportunidade, o seu estilo e a riqueza do seu conteúdo.
Uma romagem à campa do diácono permanente José Luís Macedo, no cemitério de Salgueiro, foi motivo de reflexão e de homenagem aos colegas e esposas já falecidos, na esperança de que foram acolhidos no regaço maternal de Deus. 
No almoço, em ambiente de amizade franca, o P.e José Manel Marques Pereira, que assumiu a tarefa de delegado do nosso Bispo para o Diaconado Permanente, lembrou que «todos temos consciência do serviço a que somos chamados», naturalmente direcionado para «a Igreja e para os outros». E recordou: «O Senhor chama-nos para uma missão; e como corpo diaconal, também é bom celebrarmos o Dia do Diácono». É nestas celebrações que nos tornamos mais próximos, com a partilha de experiências, vivências, alegrias e algumas dificuldades.
O Vigário-Geral da Diocese de Aveiro, P.e Manuel Joaquim Rocha, em representação do nosso Bispo, ausente pelo falecimento de seu pai, falou da premência de cultivarmos o «sentido de comunhão, que ultrapassa todos as fronteiras». Referia-se à presença no convívio de um diácono permanente da diocese de Coimbra, Manuel Castelhano, de Seixo de Mira, acompanhado por sua esposa. E adiantou que importa reconhecer a necessidade do trabalho dos diáconos permanente [casados e com as suas vidas profissionais e familiares], na comunidade diocesana. 
O P.e Rocha referiu que «temos de estar atentos às respostas que em cada tempo e momento são necessárias, para que a Igreja responda aos desafios que vão surgindo». «Os projetos da Igreja são de todos nós», disse. 

Fernando Martins

domingo, 21 de janeiro de 2018

Soza com festa a São Sebastião

Igreja Matriz

Altar-mor 

Painel de azulejo 

Confraria 

Andor

Banda de música

O Dia do Diácono Permanente foi celebrado neste domingo, 21 de janeiro, na paróquia e freguesia de Soza,  concelho de Vagos. Era dia de festa, com Eucaristia presidida pelo Vigário Geral da Diocese de Aveiro, P.e Manuel Joaquim Rocha, pelas 15 horas, seguida de procissão em honra de São Sebastião. Os diáconos permanentes presentes associaram-se à festa. Igreja repleta com banda de música a abrilhantar a missa e a procissão, não faltando a Confraria Gastronómica Sabores da Abóbora, com as suas vestes identitárias. Como curiosidade, sublinhe-se que a confraria é limitada ao sexo feminino de todas as idades e que  trajes não são representativos de qualquer épocas ancestral mas foram concebidos pelas fundadoras. Enquanto a procissão decorreu, apreciei o templo e os arranjos circundantes, incluindo o cemitério, sendo notório o asseio de tudo o que vi. 
Vezes sem conta ouvimos falar de terras vizinhas, como é o caso, mas o tempo de que dispomos não é aproveitado para apreciarmos o que há de relevante em cada canto. Passamos pelas povoações e nem olhamos para o que elas nos oferecem, Hoje tive tempo para isso.
Enquanto decorreu a procissão, logo a seguir à missa, verifiquei que há pessoas que entram no templo expressamente para rezar, hábito, ao que julgo, que se mantém, como cheguei a conhecer na Gafanha da Nazaré, minha terra,  há bons anos. Serão os mais idosos, o que compreendo perfeitamente, já que a juventude de hoje tem outras motivações para as suas horas de lazer. 
Não curei de conhecer a história da povoação, mas sei que já foi vila e sede do concelho, prerrogativas que perdeu, mas que posteriormente recuperou, estando atualmente com cerca de três mil habitantes. O título de vila voltou em 12 de junho de 2009.

FM

Nota: Sobre o Dia do Diácono Permanente, tenciono escrever um dia destes. 

As trapalhadas com as mulheres na Igreja (II)

Frei Bento Domingues 
no PÚBLICO



1. No passado domingo, o PÚBLICO apresentou uma deliciosa reportagem [1] sobre as celebrações dominicais promovidas e orientadas por leigos, mulheres e homens e um oportuno editorial de Lurdes Ferreira, sobre O tempo dos leigos.
As trapalhadas com os ministérios na Igreja afectam, sobretudo, a celebração da Eucaristia e são uma dificuldade para a hospitalidade eucarística entre as Igrejas cristãs [2]. 
Na reportagem sobre as pessoas que tomam a iniciativa de reunir e formar uma comunidade que não tem ministros ordenados para presidir à Eucaristia, por que razão não poderá o bispo ordenar alguém que é reconhecido como competente e zeloso na formação e no crescimento dessa mesma comunidade?
Edward Schillebeeckx [3] tentou, em 1980, uma solução para o serviço de presidência da Eucaristia, nas comunidades eclesiais. Aparentemente não correu bem, mas ele não desistiu. Esse caminho é, neste momento, aquele que nos pode abrir um presente e um futuro para a vida eucarística das comunidades católicas. Em nome de uma disciplina canónica inadequada, estamos a deixar as paróquias, os grupos e os movimentos católicos à deriva. Insiste-se na celebração da Eucaristia como o sacramento dos sacramentos. Com toda a razão. As comunidades de baptizados têm direito a participar na sua celebração. De facto, arranjam-se cenários para as impedirem. O pretexto é sempre o mesmo: não há padres. Se não há, façam-nos. Não faltam candidatos e candidatas preparados, ou que podem ser preparados, com desejo de receberem esse ministério. Mas não nos moldes actuais. O modelo presente já não pode ser o único. Sem imaginação, sem vontade de alimentar e dinamizar as comunidades católicas, as lideranças da Igreja só se podem queixar de si mesmas.
Importa entender o percurso e as razões deste dominicano holandês para perceber duas coisas: nunca se conformou com os obstáculos criados às reformas propostas pelo Vaticano II, nem se contentou com repetir os seus documentos. Procurou inovar e não se resignou perante os repetidos processos que Roma lhe moveu, sem nunca o conseguir condenar.

sábado, 20 de janeiro de 2018

Povos indígenas - «grito lançado à consciência» do mundo»



«O Papa Francisco elogiou  no Peru a riqueza “biológica, cultural e espiritual” das comunidades amazónicas, que apresentou como um desafio à sociedade atual.
“Se, para alguns, vós sois considerados um obstáculo ou um ‘estorvo’, a verdade é que, com a vossa vida, sois um grito lançado à consciência dum estilo de vida que não consegue medir os custos do mesmo. Vós sois memória viva da missão que Deus nos confiou a todos: cuidar da Casa Comum”, disse, num encontro com milhares de representantes de povos indígenas, em Puerto Maldonado, na região amazónica do Peru, sudeste do país.
No primeiro encontro público da viagem ao território peruano, o Papa aplaudiu danças tradicionais e ouviu testemunhos de membros dos povos da Amazónia, que denunciaram abusos e exploração dos recursos naturais.»


Nota: Já estamos habituados a ouvir e a  ler, dia após dia, os alertas do Papa Francisco, que são outros tantos desafios às nossa consciências  de cristãos e de cidadãos do mundo. Por estes dias, no Chile e no Peru, não se cansou de denunciar o erro e o mal, os dramas e as perseguições, ao mesmo tempo que indica caminhos de mudança, rumo a uma sociedade mais justa e mais libertadora. O Papa Francisco é, sem dúvida, o maior profeta do nosso tempo. 


sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

As tentações e o Diabo

Anselmo Borges 

1 - Também por influência do Papa Francisco, está-se a rever, em várias línguas, a tradução do "Pai Nosso". A tradução portuguesa, pedindo a Deus: "Não nos deixeis cair em tentação", está de acordo com a mudança que o Papa quer fazer. Noutras línguas - alemão: "führe uns nicht in Versuchung", inglês: "lead us not into temptation", francês: "ne nous soumets pas à la tentation" -, está o pressuposto erróneo de que Deus é responsável pelas tentações que levam ao pecado, pois seria ele que nos conduz ou submete à tentação. Ora, se Deus é amor, não tenta as pessoas. Na Carta de São Tiago lê-se: "Ninguém diga, quando for tentado para o mal: "É Deus que me tenta." Porque Deus não é tentado pelo mal, nem tenta ninguém. Cada um é tentado pela sua própria concupiscência, que o atrai e seduz." Deus nada tem que ver com o mal, pois é o Bem e o Anti-Mal.

2 - Fica a pergunta: é o diabo que nos tenta? O Papa Francisco disse recentemente que "Satã é uma pessoa, e muito manhosa, que entra com os seus modos sedutores". Ele tenta, pois é o seu ofício. Penso que, aqui, é I. Kant que tem razão, ao colocar na boca de um catequizando iroquês a pergunta: Porque é que Deus não acabou com o diabo? E: Se os diabos nos tentam, quem tentou os anjos, para, de anjos bons, se tornarem maus e demónios? Colocar o diabo ao lado de Deus, no quadro de um dualismo maniqueu, é uma contradição. O diabo não faz parte do Credo. O diabo não explica nada. O mal é inevitável por causa da finitude. Não é preciso o diabo para explicar as tentações. O ser humano, dada a sua natureza finita, carente, tensional, será sempre tentado, isto é, seduzido pelas "vantagens" aparentes do mal e pode cair na tentação e praticar o mal e o pecado. E o que é o pecado? Aquilo que, pelo mau uso da liberdade, nos faz mal, a nós e aos outros.

Resposta pronta a Jesus que nos chama

Reflexão  de Georgino Rocha


Jesus inicia na Galileia a sua missão em público. Escolhe esta região intencionalmente. É uma escolha emblemática do seu propósito de anunciar a novidade que traz consigo, o reino de Deus que está próximo. É uma escolha pelas “periferias”, onde se cruzam judeus e romanos, crentes fervorosos e indiferentes, comerciantes e soldados, gente simples, amiga da convivência em paz. É uma escolha pelos socialmente desconsiderados e silenciados, pelo “povo maldito que não conhece a Lei”. A Nicodemos que pede sensatez aos sumos-sacerdotes e aos fariseus (que estavam a ponto de condenar Jesus) estes respondem: “Estuda e verás que da Galileia não sai nenhum profeta”. É uma escolha que se distancia de Jerusalém, a cidade oficial de referência da religião judaica, o centro da vida social e política.
Marcos, que faz o relato deste início missionário, condensa a mensagem de Jesus dizendo: “Cumpriu-se o tempo e o está próximo reino de Deus. Arrependei-vos e acreditai no Evangelho” (Mc 1, 14-20); mensagem que será desenvolvida nos capítulos seguintes; mensagem que visualiza as duas faces da novidade anunciada: A proximidade do reino que Deus nos oferece e somos convidados a aceitar, assumindo livremente as suas exigências. E a confirmação de que o tempo está a esgotar-se. Não há mais delongas. Adiar é opção arriscada. Também para nós. Não percamos a oportunidade de beneficiar da Boa Nova posta ao nosso alcance.

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

APA e Capitania vão ser confrades de honra



A Administração do Porto de Aveiro e a Capitania vão ser entronizados como novos Confrades de Honra da Confraria Gastronómica do Bacalhau, a par de Paulo de Carvalho e Ivan Lins. Tito Cerqueira é o novo Confrade Efectivo a entronizar na cerimónia de sábado no Grande Capítulo, que coincide com o XIX Aniversário.

Fonte: Porto de Aveiro

Nota: Congratulo-me com  estas entronizações por se tratar de duas entidades profundamente ligadas ao mar e à ria e a tudo o que diz respeito às nossas gentes. Congratulo-me, do mesmo modo, com os outros confrades. Os meus parabéns. 

Fotografias da "National Geographic" na antiga Capitania



«No próximo dia 20 de janeiro, pelas 17h00, na galeria da antiga Capitania será inaugurada a exposição “Discover the world through image” que reúne trabalhos de alguns dos mais consagrados fotógrafos de viagens a nível mundial.
Esta exposição surge como consequência do Festival Internacional de Fotografia eVídeo de Viagem e Aventura – National Geographic Exodus Aveiro Fest – cuja primeira edição decorreu no passado mês de dezembro, em Aveiro com enorme êxito nacional e internacional.
O organizador é o aveirense Bernardo Conde, um fotógrafo apaixonado por viagens, fotografia e pessoas. Atualmente dedica-se às viagens de descoberta cultural e aventura de forma profissional.»

Fonte CMA

NOTA: Esta será, admito eu, uma excelente oportunidade para apreciar o que há de melhor ao nível da fotografia de viagens, graças ao carimbo da "National  Geographic". A não perder. 


Dia Internacional do Riso



Às vezes ando distraído. Nem pela cabeça me passou que hoje, 18 de janeiro, é o Dia Internacional do riso. Foi preciso abrir uma página de um jornal online para deparar com a informação. Não confundir com o Dia Mundial do Riso, que se celebra noutra data. No fundo,  será a mesma coisa, mas há sempre vantagens, quando se trata de iniciativas úteis. É que, meus caros amigos, a vida de muita gente, ao que sei, não está para muitas sorrisos, mas não faltarão ocasiões para descontrairmos com uma boa risada.
Contudo, lembro-me mais ou menos bem de numa peça de Molière se provar que o riso até cura doenças. Quem o demonstrou foi o Esganarelo, a personagem do "Médico à força",  do famoso dramaturgo. Então, vamos lá treinar umas boas risadas, que o dia está quase a chegar ao fim.

CUFC — O mesmo ambiente acolhedor

"Criamos pontes, 
estreitamos laços. 
Procuramos novos desafios, 
concretizamos ideias contigo neste campus." 



Já não ia ao CUFC (Centro Universitário Fé e Cultura) há muito. Houve tempo em que por ali andava a colaborar com quem dirigia aquele espaço de apoio espiritual, mas não só, aos estudantes da Universidade de Aveiro, mesmo em frente, com diversos blocos para as mais variadas opções académicas. E o CUFC promovia habitualmente, em especial durante o tempo letivo, atividades muito importantes para quem, para além da formação curricular universitária, precisa de se enriquecer sob o ponto de espiritual, humanista e mesmo religioso, que o ser humano, consciente da sua realização pessoal, não pode prescindir de todas as competências que o ajudem a ser mais útil à sociedade. 
Ontem fui para participar no lançamento do mais recente livro do P.e Georgino Rocha — Rostos de Misericórdia – Estilos de vida a irradiar —, sobre o qual me debruçarei um dia deste, e no CUFC tive a oportunidade de ver e de conversas com pessoas que não via há bastante tempo. Foi muito bom, quer a apresentação do livro quer o encontro com as pessoas. 
Antes do motivo que lá me levou, procurei recordar tempos ali vividos e vi o mesmo ambiente acolhedor com sorrisos cativantes, os cartazes e demais informações bem visíveis e desafiantes, o café servido com simpatia, as mesas decoradas com frases apelativa e as pessoas, sempre as pessoas, vocacionadas para servir. 
Num folheto, afixado num expositor, pude ler o que se faz no CUFC: "Criamos pontes, estreitamos laços. Procuramos novos desafios, concretizamos ideias contigo neste campus." 
Passe por lá. As portas estão normalmente abertas.

Fernando Marins

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

EUGÉNIO BEIRÃO — “FINJO QUE SOU POETA”



“FINJO QUE SOU POETA”

Finjo que sou poeta
e construo flores de palavras
que uso na lapela.
Mas poeta eu não sou.
Assomo apenas à janela
a contemplar os astros;
e com luminosos traços
ensaio dizer o deslumbramento.

Eugénio Beirão
In Os Dias Férteis

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

ROBIN DOS BOSQUES ATÓNITO



“Se o Robin dos Bosques levantasse a cabeça ficaria atónito (…). Em Portugal vai-se usar dinheiro da caridade para salvar um banco”

Martín del Barrio, jornalista do Diário Espanhol “El País”

Comentando o projetado investimento (€200 milhões) da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa no Banco Montepio Geral

Li na revista E do EXPRESSO


Nota: Neste preciso momento, ainda não sei em que param as modas, isto é, se o investimento vai mesmo por diante ou se tudo cairá em saco roto. Mas só de pensar que a hipótese foi sugerida fico mesmo incomodado. Num país com tanta pobreza, todo o projeto foi uma indesculpável ofensa à realidade concreta dos portugueses sofredores. Mas se se concretizar a ideia e se os milhões forem por água abaixo ninguém vai preso?

MORREU MADALENA IGLÉSIAS





Nota: Recordo-a neste meu espaço por ser um ídolo da minha juventude, a par de Simone de Oliveira e de António Calvário. Dizia-se então que eram rivais e até se contavam muitas estórias de amores e desamores, mas no fundo, pelo que se sabia, até eram muito amigos. A Madalena abandonou a carreira quando se casou com um cidadão espanhol. Contudo, na minha memória ficaram sempre as suas canções e o sorriso bonito com que emoldurava a sua postura em palco. 
Paz à sua alma. 

VIVE MAIS QUEM SE APAIXONA, VIAJA, LÊ, OUVE MÚSICA






Nota: Afinal, a receita para uma boa longevidade é coisa tão simples. Olhando-me ao espelho, reúno quase todas as condições apontadas. Apenas me falta viajar um pouco mais, embora a idade me pese bastante. Mas vou tentar. Não é tão agradável viver? 

domingo, 14 de janeiro de 2018

AS TRAPALHADAS COM AS MULHERES NA IGREJA (I)

Frei Bento Domingues 

1. O Cardeal norte-americano Joseph William Tobin, arcebispo de Newark, nasceu em 1952. É o mais velho de 13 irmãos, entre os quais, oito são mulheres. Numa entrevista, revela a sensação generalizada de frustração e retrocesso produzida pela continuada proibição das mulheres receberem as ordens sagradas na Igreja Católica. Vive num país e numa cultura em que todas as áreas da vida se vão abrindo às mulheres, menos na Igreja. Este género de obstáculos acaba por as afastar. Está, no entanto, optimista. É desejo do Papa Francisco reconhecer-lhes um papel mais activo. Esse desejo não se pode realizar, apenas, com algumas nomeações isoladas para certas funções na Cúria Romana. Lembra, de forma astuta, que para alguém ser nomeado cardeal, isto é, para o próprio governo da Igreja, não é preciso ter o sacramento da Ordem, pois, no século XIX, houve cardeais leigos. Conclusão: não há nenhum obstáculo, de ordem teológica, que impeça a nomeação de mulheres para o cardinalato, para ajudar o Papa no governo da Igreja.
Parece-me uma posição habilidosa. Se as mulheres passarem a ter influência na orientação e no governo da Igreja, poderão ajudar a que os argumentos pseudo-teológicos, que as impedem de receber o sacramento da Ordem, sejam revistos e acabem com a ideia da chamada impossibilidade definitiva [1]. Este arcebispo propõe: já que não as deixam entrar pela porta, sugiro que entrem pelo telhado!

sábado, 13 de janeiro de 2018

LIVRARIA LELLO COM 400 CARAS




A livraria Lello do Porto é considerada uma das mais bonitas do mundo e orgulha-se disso, com os seus 112 anos de existência. Hoje,13 de janeiro, esteve em festa, como li no Público, e não terão faltado visitantes amantes da arte e da cultura. Se morasse por perto, também gostaria de lá estar para apreciar o Rosto do Porto - 400 caras moldadas pela escultora Ester Monteiro. Diz o Público que a artista homenageou personalidades diversas, entre as quais figuram Fernanda Ribeiro, Alexandre Quintanilha, João Botelho, Souto Moura e Siza Vieira.

O que escrevi sobre a última visita pode ler aqui

PARTILHA ENQUANTO ESTOU VIVO