segunda-feira, 30 de novembro de 2020

FERNANDO PESSOA CONTINUA VIVO


Fernando António Nogueira Pessoa (n. 13 de Junho de 1888; + 30 de Novembro de 1935), mais conhecido por Fernando Pessoa, morreu há 85 anos. É por muitos considerado o maior poeta da Língua Portuguesa. Eu gosto de o ler, limitando-me a ouvir quem o aprecia e quem o menospreza. Que foi um grande poeta, não haverá quem duvide. A minha homenagem aqui fica com um poema, o mesmo que todos os dias leio no meu recanto de trabalho.



Para ser grande, sê inteiro

Para ser grande, sê inteiro: nada
Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe quanto és
No mínimo que fazes.
Assim em cada lago a lua toda
Brilha, porque alta vive

Fernando Pessoa (Ricardo Reis)

domingo, 29 de novembro de 2020

NATUREZA PURA DENTRO DE CASA


 Em dia de confinamento, sabe muito bem sentir e ver a natureza com toda a sua pureza em nossa companhia. Os chuchus que a Lita nos ofereceu são bálsamo para as nossas inquietações. Bom domingo para todos.

EM TEMPO DE PANDEMIA; ADVENTO DA ESPERANÇA

Crónica de Bento Domingues 
no PÚBLICO


1. Muita gente sente que este longo tempo de pandemia lança uma incerteza corrosiva sobre o nosso quotidiano e sobre o futuro. Os alertas diários contra o desleixo e o pânico são indispensáveis, mas sem alimentar as fontes e as razões humanas e divinas da esperança, não conseguiremos renovar as nossas resistências físicas e psicológicas.
Os meios de comunicação social insistem, a toda a hora, em nos dizerem quantos já morreram, quantos são os infectados, quantos os internados em UCI e quantos os recuperados. Receio que esse contínuo exercício de tabuada acabe por saturar e anestesiar a sensibilidade para a gravidade da covid-19 e para os comportamentos exigidos em todas as situações de risco. 
Como vencer, em casa e na rua, no trabalho e no lazer, a ansiedade e o medo de ser infectados? Não sei. Mas, para além das questões de saúde e das dificuldades psicológicas de cada um, o caminho mais adequado e menos heróico parece ser o da prática das medidas mais recomentadas, como a distância física, o uso da máscara e a lavagem das mãos.
Com essas recomendações talvez seja um dos responsáveis pela expansão incontrolável da covid-19. Depois, exige-se à DGS, ao SNS e aos diversos órgãos do poder que sejam infalíveis nas suas decisões e actuações!
Em nome do direito e do dever de cada cidadão praticar o livre e indispensável exercício da crítica, resvala-se com facilidade para a politiquice que mata o sentido da responsabilidade social, cultural e política.
Repete-se que estamos a passar o pior ano das nossas vidas. Investigadores, virologistas, infecciologistas foram todos surpreendidos pelo modo de aparecimento e pela força da covid-19. Ainda hoje, o comportamento do vírus está longe de gerar unanimidade por parte da comunidade científica, o que torna a situação particularmente complicada.
Além disso, o impacto da covid-19 na economia é incalculável. Não se trata, apenas, de mais uma crise. Dizem os entendidos que é a pior crise económica e social desde a Segunda Guerra Mundial. O caos ameaça muitos países e dá a ideia de que ninguém sabe como encontrar um equilíbrio entre o controlo da pandemia e o resgate da economia.
Os cínicos e os tolos, ao dizerem que esta pandemia não passa de uma gripezita, acautelam-se a si próprios com os seus negócios e abandonam as populações à sua selecção artificial.

sábado, 28 de novembro de 2020

AS ROSAS DE SOPHIA


As rosas 

Quando à noite desfolho e trinco as rosas
É como se prendesse entre os meus dentes
Todo o luar das noites transparentes,
Todo o fulgor das tardes luminosas,
O vento bailador das Primaveras,
A doçura amarga dos poentes,
E a exaltação de todas as esperas.

Sophia

Publiquei em Dezembro de 2004 no meu blogue 

O SENTIDO DA VIDA. 1. QUEM SOU?

Crónica de Anselmo Borges 
no Diário de Notícias 



A presente crise, gigantesca, deveria ser uma oportunidade para pôr de modo mais profundo a questão decisiva do sentido da vida. 
Sentido tem a ver com viagem, direcção, meta. Nas estradas, encontramos placas em seta a indicar o caminho para alcançar um destino. Agora, até programamos o GPS que nos levará lá. 
Qual é o sentido da vida e a sua meta? Num primeiro momento, a resposta parece clara: a vida é um milagre e o seu sentido é ela mesma. O sentido está nela, no viver plenamente, na criatividade do dar e receber, em plena e total inter-relação. 
Mas em nós a vida torna-se consciente. O ser humano é autoconsciente, consciente de si mesmo e, por causa da neotenia — ao contrário dos outros animais, não vimos já feitos ao mundo, mas por fazer, sendo a nossa missão fazermo-nos a nós mesmos, uns com os outros —, a questão do sentido da vida torna-se uma questão pessoal, essencial e inevitável. Não é uma questão adjacente, que possa colocar-se ou não. Ela é constitutiva: ser ser humano é levar consigo esta questão: quem somos?, donde vimos?, para onde vamos?, que devemos fazer?, que sentido dar à existência? 
Somos uns com os outros e frente aos outros, mas cada um de nós vive-se a si mesmo como presença de si a si mesmo como um eu único: eu sou eu e não outro. Coincidimos, portanto, connosco, mas, por outro lado, experienciamo-nos como ainda não plenamente idênticos: somos nós mesmos e somos chamados a ser nós mesmos; num apelo constante a fazermo-nos, estamos ainda a caminho de nos tornarmos nós mesmos. Lá está a tarefa paradoxal que nos pertence, segundo Píndaro:

sexta-feira, 27 de novembro de 2020

CONFINAMENTO CONVIDA SAUDADES

O confinamento, qualquer que ele seja, convida sempre saudade de tempos idos. Pensa-se no presente, conjugado no passado. Hoje, a minha saudosa mãe, Rosita Facica, saltou para a minha memória. Coisa normal, dirão os meus amigos. É certo. Contudo, há dias em que as recordações transportam mais expressão, mais cor, mais vida. Vêm com outra carga, inspiram desafios e até nos comovem. 
E daí este poema da Aida Viegas para tornar a minha mãe mais real na minha alma. Se eu fosse poeta!...


MÃE

É aquela que tem:
Esperança ilimitada
Fé que move montanhas
Luz que rompe as trevas
Força para virar o mundo
Energia sempre renovada
Enorme capacidade de sofrimento
Coragem de nunca desistir.
 
Firmeza na palavra.
Lucidez no pensamento
Discernimento na decisão
Amor sem limites.
 
Bravura à flor da pele
O sonho na palma da mão
A alma vestida de esperança
O sol guardado no bolso.
 
Na voz, melodia inexcedível
Doçura e perfume nos gestos
Ternura infinita no olhar.
 
O bálsamo num beijo
Calor revigorante no colo
A magia num afago
No abraço o perdão desmedido
Na palavra o estímulo
Ao seu redor, a paz.

 

Aida Viegas

ACAUTELAI-VOS E VIGIAI, DIZ-NOS JESUS

Reflexão de Georgino Rocha 
para o Domingo I do Advento do Natal


Era costume dos judeus abastados e ricos, quando tinham de se ausentar, confiar os seus bens aos cuidados dos servos, atribuindo-lhes responsabilidades concretas. Deviam desempenhá-las bem, até que os patrões regressassem, não deixando ou enviando qualquer pré-aviso. O proceder dos servos manifestava a qualidade da relação com os seus senhores. 
Jesus conhece bem os usos e costumes dos seus conterrâneos. Recorre frequentemente a eles, dando-lhes novas dimensões, enriquecendo-os com elementos que abrem horizontes mais vastos e interpelantes. Com estes recursos pedagógicos, os discípulos podem captar mais facilmente a mensagem que lhes quer transmitir. Hoje, lança mão da parábola do dono da casa que a confia aos seus empregados e parte de viagem. Deixa duas recomendações: cumprir responsavelmente a tarefa atribuída e estar vigilantes. Ê adianta uma breve explicação: O regresso pode acontecer a qualquer hora. “O que vos digo a vós, digo--o a todos”. Mc 13,33-37. 
“A vigilância, adianta Manicardi, é a fidelidade à terra na plena consciência de estar na presença de Deus. A vigilância nasce de uma unificação da pessoa diante do Senhor, o que a leva a ser lúcida, atenta a si própria e aos outros.” 
A vinda do senhor da casa polariza a atenção comum, dá sentido ao comportamento de cada um, desperta energias que tendem a adormecer, mantém em todos a espera vigilante e activa. É o futuro que introduz, no presente, dinamismos de intervenção, fruto da análise crítica das situações e das atitudes que condicionam a conservação da casa e a realização das tarefas. 

quinta-feira, 26 de novembro de 2020

LER A REVISTA LER

 


A revista LER, que assino desde o número um desta segunda fase, chegou-me há dias com uma carrada de informação sobre o que há para ler para todos os gostos. A capa brinda-nos com vários títulos, qual deles o mais desafiante, desde a entrevista feita a José Ferreira Fernandes, colunista do PÚBLICO e ex-diretor do DN, até ao texto de de José Tolentino Mendonça, Em defesa do livro, figura ilustre da Igreja e escritor multifacetado. 
A revista LER vive à sombra das estações do ano, quatro números anuais, e o seu conteúdo diz tudo. Sugere, propõe, defende e divulga o que há para ler, em sintonia com o mercado livreiro e com as propostas dos mais variados colaboradores, complementares entre si. Lendo-a, ficamos informados do que há nas livrarias, enquanto somos desafiados e estimulados a procurar o que mais nos interessa. Em tempo de confinamento, a leitura é sempre um desafio a ter em consideração. Eu falo por mim.

Na badana da capa pode ler-se: 

POESIA PARA O TRIMESTRE 


O ÚLTIMO GRÃO DA NOITE 

O que escapa à mão de Deus 
é o desmoronado horizonte 
a vacilação das coordenadas 

Como pode a aranha de areia 
erguer a torre do extremo 
com o último grão da noite 
mais obscuro do que exílio 

Será preciso inventar 
a paciência infinita do nada 
para que o enigma desperte 
com a graça de uma boca dupla 

António Ramos Rosa [1924-2013] 

Obra Poética II 

Assírio & Alvim, 2020

quarta-feira, 25 de novembro de 2020

E CÁ ESTOU DE VOLTA...

Depois de um dia cheio, tão cheio que ainda nem estou refeito, cá estou de volta. Dia de aniversário é dia que mexe comigo. São lembranças de tantas celebrações, por mais modestas que elas tenham sido, sejam passeios que me deram gozo, sejam os encontros de família que é o melhor a que podemos aspirar, sejam gestos fraternos de tantos amigos. Tive um pouco de tudo este ano, menos as saídas que o confinamento não permite. 
A família, de máscara armada, passou por cá, às pinguinhas, não vá o diabo tecê-las, mas foi bom mesmo assim. Para o ano, se Deus quiser, tudo entrará nos eixos e no respeito pela tradição, que família unida é mais protegida, como diria o meu sobro, um homem que viveu para a boa disposição. 
Os amigos não se esqueceram, atitude esta que vem das redes sociais, mas não só. Tantos que excluí logo à partida a hipótese de responder a cada um com um simples gesto fraterno. Fiquem sabendo todos que jamais esquecerei a ternura e o carinho com que todos me distinguiram neste meu 82.º aniversário. E fico à espera de outros. Até para o ano, se por cá andarmos. 

Fernando Martins

segunda-feira, 23 de novembro de 2020

HOJE ESTÁ UM DIA LINDO


Hoje está um dia lindo. Analisei-o pela janela, logo ao amanhecer, e confirmei o que os primeiros raios de sol prenunciavam. Dia luminoso, mas amanhã voltará a chuva, segundo a informação periódica que regularmente entra no meu e-mail. A natureza está bem calibrada para sobreviver, oferecendo-nos, em cada época do ano, tudo o que cada estação tem no seu programa. E assim correm os dias entre sol e sombra, dia e noite, alegrias e alguns incómodos, que a força e coragem de cada um sabem gerir. Votos de uma semana serena para todos.

domingo, 22 de novembro de 2020

TAREFAS DO CONFINAMENTO - PEDRA BOLIDEIRA

 


É óbvio que o confinamento, nas suas mais diversas variantes que às vezes até nos confundem, é fruto da pandemia a que todos, no mundo, não podemos escapar. Uns respeitam e outros fazem ouvidos de mercador. Vai daí, os que respeitam, cumprindo a lei, ficam em casa mas precisam de ser criativos para equilibrar a cabeça e a paciência. Os outros, que se consideram espertos, contribuem para o alastramento do contágio. Eu pertenço ao primeiro grupo, mas não quero cruzar os braços à espera que o drama acabe depressa. Então, para não ser ferido pela pasmaceira, procuro conviver com saudáveis recordações, como esta que aqui partilho.
Partindo de Chaves, eu a Lita e a Aidinha, seguimos a rota de Bragança, cuja meta distava 100 Km. A dada altura deparámos com a Pedra Bolideira, a tal que estava em posição instável. A Lita e a Aidinha aproximaram-se, corajosas, para pôr a rocha a dançar. Eu, de máquina em punho,  registaria o facto. Os telemóveis não eram sonhados.  Mas o pedregulho, ou metade dele, mais ou menos, não reagia. Aproxima-se um vizinho, solícito,  e exemplifica  como seria fácil pôr a Pedra a bulir. E depois, seguindo a explicação, a Lita e a Aidinha cantaram vitória. O segredo estava, realmente, na descoberta do ponto ideal. 

NOTA: Dedico esta foto aos meus amigos que, durante anos, nos acolheram em sua casa: António Fernandes (já falecido mas presente na nossa memória) e Nazaré Chaves, mas também aos seus filhos, netos e noras. Um filho, o José Carlos, também falecido, ocupa um recanto especial no coração da nossa família. 

IREMOS A TRIBUNAL

Crónica de Bento Domingues no PÚBLICO



Quem procura desqualificar as ousadias do Papa Francisco diz que ele não é apenas um ingénuo, mas um atrevido ignorante: fala do que não sabe e faz o que não deve. Mas que irão dizer, agora, com o que aconteceu na semana passada?

1. Para o pensador alemão Peter Sloterdijk, os factos da vida científica e da criação artística nos tempos modernos provam, sem a menor ambiguidade, o fim da era das revelações puramente passivas. Os devotos à antiga têm como missão compreender até que ponto sobrestimaram a revelação religiosa, fazendo dela a chave da essência de todas as coisas e subestimando a iluminação do mundo pela vida desperta, a ciência e as artes. Esse dado coloca a teologia sob a obrigação da aprendizagem, pois ela não tem o direito de deixar romper a ligação com o mundo do saber do outro campo.
Termina o seu livro sobre A loucura de Deus [1] com um credo: “A globalização significa que as culturas se civilizam umas às outras. O Juízo final desemboca num trabalho quotidiano. A revelação torna-se a relação com o ambiente e o relatório sobre a situação dos direitos do homem. Volto assim ao leitmotiv desta reflexão, que se funda na ética da ciência universal da civilização. Repito-o, como um credo, e desejo que tenha suficiente energia para se propagar mediante línguas de fogo: o caminho da civilização é o único que ainda está aberto.”
Escreveu isto em 2007. Não perdeu actualidade, embora a alternativa à velha arrogância teológica não pode ter agora uma simétrica arrogância na ciência que seria, por natureza, pouco científica. Mas o seu desejo está a cumprir-se onde, talvez, menos o esperasse. O alegado obscurantismo dos três monoteísmos já não se apresenta como um bloco impenetrável com medo das dúvidas. Algumas manifestações de diálogo entre religiões começam a focar-se na condenação da violência e da guerra em nome de Deus.

sábado, 21 de novembro de 2020

DIA MUNDIAL DA TELEVISÃO


O Dia Mundial da Televisão foi proclamado pelas Nações Unidas em 21 de Dezembro, após o Fórum Mundial da Televisão realizado em 21 de novembro de 1996. Em Portugal, a televisão começou a emitir em 1957. E a partir daí, começou a dar passos significativos no sentido dominar o mundo da comunicação no nosso país, tal como aconteceu a nível global.
Não vou tecer quaisquer considerações sobre o poder da televisão, por tão conhecido ele ser, mas gostaria de aconselhar que não nos sentíssemos escravos dos programas que se espraiam pelas 24 horas do dia, com imensos canais dos mais variados quadrantes. 
Todos sabemos que é muito difícil vivermos alheios à força atrativa que as TV exercem sobre nós. Há programas imperdíveis a par de outros medíocres, conforme os gostos, mas nem só de desafios televisivos vivem as pessoas.  Há outras fontes informativas, formativas e de diversão que urge explorar. Os nossos horizontes podem ser mais variados e há momentos para tudo. Todavia, aproveitemos os bons programas, que os há, sem dúvida.

F. M. 

PARA EVITAR O STRESSE DO CONFINAMENTO


O confinamento não pode ser motivo para pessimismos. Olha quem fala, dirão alguns. E com razão. Contudo, não posso deixar de garantir que faço um esforço para fugir deles. E aqui está um trabalhinho demonstrativo de que ocupei algum tempo a navegar por outras eras à procura de momentos agradáveis. Aqui ficam para a posteridade as tias e o tio que educaram a Lita, em dia de visita. 
Na primeira fila, da esquerda para a direita: Tia Aidinha, Lita e Tia e madrinha Zulmira; Na segunda fila: Tia Lurdes e Tio Fonseca. 
Frente da nossa casa com arbustos, um gosto  da Lita que persiste. 

A VIDA COM TODO O SEU ENCANTO VOLTARÁ


Procuro seguir as normas estabelecidas pelo bom senso, pela educação recebida e pelas leis que nos regem, mormente as que se pautam pela manutenção da saúde pessoal e comunitária. Assim terá de ser, sobretudo agora, por causa da pandemia que nos massacra.
Ouvi o que disse o nosso Presidente Marcelo e tanto bastou para perceber a premência de redobrar os cuidados. O contágio pode estar onde menos se espera e as consequências poderão ser fatais ou deixar marcas indeléveis para o resto da vida. Penso assim e ajo em conformidade com a minha situação, ou não estivesse eu no grupo dos que mais engrossam o obituário. 
Hoje, reconhecendo que os músculos estão a ficar presos e preguiçosos, resolvi caminhar por aqui à volta da casa onde vivo, evitando a rua onde haverá mais possibilidades de contágio. À nossa volta, na nossa casa, não tem havido contactos com pessoal desmascarado, mas também não recebemos visitas. Fala-se com quem passa pela rua, conversa-se ao telefone e sentimos o palpitar do dia a dia na comunicação social multifacetada, enquanto esperamos pelas vacinas ou por um qualquer medicamento salvador e, naturalmente, tranquilizador. E então, a vida com todo o seu encanto, trará a todos a alegria tão desejada. 
Bom fim de semana.

Fernando Martins

A intuição cosmoteândrica: a religião do futuro

Crónica de Anselmo Borges 
no Diário de Notícias

Raimon Panikkar


1. Foi há dez anos que Raimon Panikkar nos deixou, no dia 26 de Agosto de 2010, com 91 anos, em Tavertet, perto de Barcelona. Foi um dos espíritos mais clarividentes do século XX, com um pensamento original, que a presente situação pandémica e a urgência de um novo paradigma de desenvolvimento e uma nova política no contexto de uma terrível crise global, económica e social, que inclui a necessidade de um pacto ecológico para preservar a casa comum, tornam ainda mais actual. É por isso que não podia deixar de voltar a ele, "um mestre do nosso tempo".

2. Estive com Panikkar só numa ocasião, em Barcelona, em 2004. Tinha uma presença cálida, com um sorriso luminoso, e era simples. Uma vez, uma aluna minha, de Barcelona, disse-me que queria muito fazer um trabalho académico sobre o pensamento dele. Achei bem e disse-lhe: "Agora, nas férias, vá falar com ele..." Panikkar deu-lhe 40 minutos e ela, uma jovem, veio fascinada e fascinou os colegas com a descrição do encontro e a exposição do trabalho.

CAMINHO DO FORTE - MACHICO


Forte de Nossa Senhora do Amparo - Machico 


No caminho onde aprendi o outono
sob o azul magoado
os pescadores cruzam ainda linhas
províncias clareiras
e esse gesto masculino de apagar a dor

chegava pelos percalços da terra
o carro do gelo
e os miúdos tiravam bocados para comer às dentadas
em retrato selvagem mas, juro-vos, havia encanto
havia qualquer coisa, outra coisa
nesse instante em perda

as mulheres sentavam-se à porta com os bordados
quando passavam estrangeiros
ficavam sempre a sorrir nas suas fotografias

José Tolentino Mendonça,

Cardeal, poeta, teólogo, cronista e homem de uma cultura multifacetada 

No livro "A NOITE ABRE MEUS OLHOS" 

sexta-feira, 20 de novembro de 2020

TEMOS DE VENCER

Um cato do meu quintal 

A nossa capacidade de resistência não pode esmorecer. Os confinamentos e suas variantes têm de ser enfrentados com determinação, numa perspetiva de vitória. Desanimar, desistir ou atirar para trás das costas os perigos ameaçadores são atitudes irresponsáveis. Temos de vencer. 
Está tudo dito, mas às vezes fico espantado com comportamentos infantis de muita gente jovem e menos jovem, que olha para o lado como se estivesse tudo bem. E não está. 
Por aqui vou andando, vivendo com a normalidade possível, mas sonhando com dias melhores. O meu contributo terá pouca expressão, mas ao meu redor vou dando as minhas sugestões, cumprindo as regras estabelecidas. Nem outra coisa poderia fazer porque estou num grupo de risco. 
Hoje andei a cirandar pelo quintal olhando a natureza que teima em me acarinhar com a sua beleza e amor à vida. E uma natural alegria bailou no meu cérebro.
Bom fim de semana para todos.

Fernando Martins

CELEIRO ABANDONADO?

 


À beira do caminho de zona agrícola, na estrada entre a Costa Nova e a Vagueira, outrora de agricultura próspera bastante badalada na região, encontrei este celeiro a caminho do fim. A velhice não perdoa e as coisas são como as pessoas.

SEREMOS JULGADOS PELO AMOR

Reflexão de Georgino Rocha 
para o Domingo XXXIV do Tempo Comum



Cenário majestoso realça a importância da figura central e contrasta com a simplicidade dos convocados, a sobriedade das alegações, a contundência da sentença. A solenidade da grande assembleia é patente: anjos rodeiam o homem que está sentado num trono de glória, nações inteiras aparecem dos cantos da terra, o universo converge no mesmo espaço e testemunha o acontecimento. A acção a realizar é extraordinariamente simples, semelhante à de um pastor que, ao cair da tarde, ou ao chegar o tempo invernoso, recolhe o rebanho, separando as ovelhas dos cabritos. Mt 25, 31-46. Mas simboliza o nosso futuro definitivo. 
A imagem pastoril ilustra, de forma acessível e eloquente, a mensagem que Jesus pretende “passar” aos discípulos de todos os tempos: a opção pelo futuro constrói-se no presente, a semente contém, em gérmen, a árvore, a relação solidária vive-se em atitudes concretas, a glória do Pai brilha nos gestos de fraternidade, a atenção aos “pequeninos”, a quem a vida não sorriu por malvadez humana, manifesta o reconhecimento de quem se identifica com eles e por eles vela com a máxima consideração. 

quinta-feira, 19 de novembro de 2020

AVEIRO - PIRÂMIDES

Imagem para não se perder



Sempre me soube bem mexer e remexer nas gavetas. É que, de vez em quando, lá vêm, com esse mexer e remexer, recordações de tempos que já lá vão, há muito! Escrevi este texto em Agosto de 2008. Misteriosamente, ou talvez não, a foto que agora republico fugiu do meu blogue. Aqui fica para a história. 

BERNARDO SANTARENO - MEDITAÇÃO



«Se para lá do leito que limita este mar profundo, houvesse um outro mar ainda mais fundo e depois deste um terceiro e outro e outro… se através de todos estes mares, eu fosse descendo em vertigem… se assim descendo, me fosse esquecendo de ideias, imagens, desejos e afectos… se depois do último mar, de mim restasse somente um simples ponto luminoso, brilhante num túnel de treva densa… se eu vencesse a angústia, o terror, o desértico vazio deste túnel negro… se eu suportasse o silêncio terrível desta noite cerrada e sem estrelas…: Então, talvez eu pressentisse a madrugada que se evola do sorriso de Deus… talvez eu ouvisse a Música inefável, oculta para lá do humano silêncio… talvez eu fosse penetrado pela alegria de Deus, pela simples claridade de Deus: tão pura e tão simples, que nenhuma das palavras que os homens sabem a pode conter!... Só então, ultrapassados abismos de mares sucessivos, perdido das minhas mãos e do fruto que as chama, cortadas as raízes da minha voz de sangue, separados os meus gestos das aves que os voam… só então, aniquilado, perdido de mim, um simples ponto luminoso na treva mais absoluta… só então, verei a luz virgem, oculta no riso de Deus!» 

In “Nos mares do fim do mundo”, 
de Bernardo Santareno

quarta-feira, 18 de novembro de 2020

BERNARDO SANTARENO - Médico e Dramaturgo



«A propósito do centenário do nascimento de Bernardo Santareno, celebrado a 19 de novembro de 2020, o Museu Marítimo de Ílhavo e a Biblioteca Municipal de Ílhavo vão lançar, entre os dias 19 e 22 de novembro, um conjunto de vídeos nas respetivas páginas de Facebook, que evocam a obra do dramaturgo e médico da frota bacalhoeira.
Durante quatro dias serão lançados dois vídeos por dia (um de manhã e outro à tarde), com leituras de excertos da obra de Bernardo Santareno, alguns dos quais encenados: “Nos Mares do Fim do Mundo”, encenado por alguns participantes em projetos de teatro de comunidade do Município de Ílhavo; “Heróis do Mar”, encenado por jovens do grupo de teatro Mar Alegre; e poesia, recitada por colaboradores da Câmara Municipal de Ílhavo.»

NOTA: Imagem e texto do MMI. Ver programa aqui 

MULHERES NA BIBLIOTECA DOS PAPAS



Cardeal José Tolentino Mendonça assinala que «não é possível fazer a história da Biblioteca dos Papas sem iluminar o contributo das mulheres: mulheres escritoras, mulheres artistas, mulheres teólogas, mulheres protagonistas da vida da Igreja, mulheres mecenas, mulheres criadoras, mulheres de ciência e de cultura. E tudo é hoje assim. Basta pensar que mais da metade da comunidade de trabalho que faz funcionar a Biblioteca Apostólica do Vaticano é constituída por mulheres».

segunda-feira, 16 de novembro de 2020

BREVES: António Aleixo, IMI, Prisões, Covid-19

António Aleixo, poeta popular, 
morreu no dia 16 de novembro de 1949,  em Loulé.  Tinha 50 anos

A arte é força imanente,
Não se ensina, não se aprende,
Não se compra, não se vende,
Nasce e morre com a gente...

Ler mais quadras de António Aleixo 



ooo

Covid-19 em Ílhavo

A Câmara Municipal de Ílhavo tem informação detalhada sobre o Covid-19 na área do município, nomeadamente, sobre as medidas aplicadas pela edilidade, no âmbito das ações de mitigação do surto pandémico que tanto nos condiciona e preocupa. Há outras informações úteis. Pode ver aqui. 

ooo

CMI aprova redução do IMI

A Câmara Municipal de Ílhavo aprovou os valores que integram o Pacote Fiscal Municipal para o ano de 2021, com a redução do IMI (que passará de 0,35% para 0,33%), e da participação variável no IRS (que descerá de 0,5% para 0,4%), mantendo as atuais reduções do IMI Familiar e o valor da Derrama.

ooo

Fim das prisões?

Manuel Hipólito Almeida dos Santos, presidente da Obra Vicentina de Auxílio aos Reclusos, defendeu hoje no PÚBLICO o fim das prisões. E sublinhou: “A luta pelo fim da escravatura foi grande. Temos de fazer igual para as prisões”. 

domingo, 15 de novembro de 2020

A INTERNACIONAL DO ÓDIO

Crónica de Bento Domingues no PÚBLICO



Nesta era de extremismos, à esquerda e à direita, 
reafirma-se a tentação de responder ao ódio com mais ódio. 
São outros os caminhos da política da justiça e da paz.


1. Nós existimos, nós perseveramos no que somos a partir da palavra e do desejo do outro. Tornar-se humano é tornar-se solidário, não apenas com o seu grupo identitário – isso também fazem as formigas – mas exactamente com o estranho, aquele que caiu em desgraça e sobrevive abandonado [1]. É esta observação que guiará esta crónica.
A UNESCO declarou 10 de Novembro Dia Mundial da Ciência para a Paz e o Desenvolvimento. O Conselho Português para a Paz e Cooperação divulgou um texto, de Federico Carvalho, para marcar esta data importante: “Às mulheres e homens que trabalham em Ciência, os trabalhadores científicos, cabe a particular responsabilidade de agir no seio da sociedade em que se integram, mas também como cidadãos do mundo, para que as aplicações do conhecimento científico sejam postas ao serviço do progresso social, que compreende o desenvolvimento económico e cultural, no quadro de uma utilização sustentável dos recursos naturais do planeta. São objectivos que exigem a abolição da guerra nas relações entre estados e nações e o fim de conflitos internos, com o estabelecimento de uma Paz duradoura. Não se trata de uma escolha entre alternativas, trata-se da sobrevivência da humanidade. (...) Nos nossos dias, graças à evolução dos meios técnicos de transporte e de comunicação, as ligações entre países, regiões, continentes, estabeleceram-se a um nível sem precedentes, facilitando a mobilidade de pessoas e bens. Esta realidade é responsável pela rápida propagação da pandemia que, ao contrário do que aconteceu no passado com outras situações pandémicas, hoje estende-se a todo o planeta, atingindo, em maior ou menor grau, o conjunto da população.” [2]

sábado, 14 de novembro de 2020

DIA MUNDIAL DA DIABETES

 



Celebra-se hoje, 14 de novembro, o Dia Mundial da Diabetes para esclarecer as pessoas sobre a doença e para divulgar as melhores maneiras de a evitar. Por enquanto, não há cura para esta doença que afeta milhões de pessoas em todo o mundo. Contudo, os médicos têm processos que permitem orientar os pacientes diabéticos para levarem uma vida normal. Importa que os doentes sigam rigorosamente os conselhos médicos para evitarem complicações causadas pela diabetes. Como diabético, procuro cumprir as recomendações do meu médico, tomando, rigorosamente, a medicação prescrita. 
O Dia Mundial da Diabetes nasceu em 2007, depois da aprovação da ONU em 2006. O dia 14 de Novembro coincide com o aniversário de Frederick Banting, o qual, com Charles Best, avançou com a primeira ideia que levou à descoberta da insulina em 1922. 
Cerca de 400 milhões de pessoas no mundo sofrem de diabetes e 5 milhões morrem por ano devido a esta doença. 
O símbolo apoia-se no significado do círculo e da cor azul. Ambos representam a união de todo o mundo com um objetivo: encontrar a melhor forma de lidar com a diabetes.

Forte Novo ou Castelo da Gafanha vai ter vida nova

Um investimento de 5,6 milhões de euros


O Forte Novo ou Castelo da Gafanha, também conhecido por Forte da Barra de Aveiro, vai ter vida nova. Uma sociedade imobiliária, AM+PM, sediada em Coimbra, com atividade no setor hoteleiro, foi escolhida para a concessão do Forte, na Gafanha da Nazaré, com vista a uma reconversão no âmbito hoteleiro, com 50 quartos, alojamento local e outros projetos de vocação turística, estando previsto um investimento de 5,6 milhões de euros. O concurso foi enquadrado no âmbito do programa REVIVE, pelo prazo de 50 anos, mediante a renda mínimo anual de 6444 euros.
A cerimónia da assinatura do contrato aconteceu nas instalações do Porto de Aveiro, no passado dia 28 e outubro, e contou com a presença da Secretária de Estado do Turismo, da Secretária de Estado do Património Cultural, da Presidente do Conselho de Administração do Porto de Aveiro (APA), Fátima Alves, e do Presidente da Câmara Municipal de Ílhavo, Fernando Caçoilo. 
O autarca ilhavense destacou a importância do investimento naquele espaço, tendo sublinhado que este projeto concretiza um «um sonho e uma ambição bem antigos», num espaço nobre na cidade da Gafanha da Nazaré, «carregado de memórias e vivências e que diz muito às gentes da freguesia, do Município de Ílhavo e da própria região». 

O Papa Francisco confessa-se. 2

Crónica de Anselmo Borges 
no Diário de Notícias



1. Penso muitas vezes na solidão do Papa. Chega ao Vaticano, que não conhece por dentro, concretamente, a sua secular e gigantesca burocracia. Não tem mulher nem família com ele. E os amigos?! Sabe que os seus gestos, atitudes, discursos, homilias, tudo será escrutinado até ao mínimo pormenor. Vive e trabalha num palácio, guardas fazem-lhe continência ao passar. Aquele palácio é testemunha de muitas histórias, ao longo do tempo, tantas vezes nada, mesmo nada, edificantes, pelo contrário, revelando o pior da natureza humana e do poder, sobretudo quando absoluto. Dali também se transmitiu imensa esperança a milhões de pessoas em todo o mundo, e isso constitui mais uma preocupação: o que fizer vai influenciar um número incalculável de vidas. O Papa é um dos homens mais poderosos do mundo. No entanto, deve sentir-se tantas vezes só... Até sabe que, resignando, não é livre de escolher o lugar onde quer viver os últimos dias em tranquilidade. De facto, como ex-chefe de Estado, quem assume a responsabilidade da sua segurança? Pensei nisso quando recentemente o ex-Papa Bento XVI esteve na Alemanha para despedir-se do irmão em finais de vida e de como ruas ficaram encerradas, com soldados a guardar os telhados. É sabido que Paulo VI pensou em resignar e não ficaria no Vaticano, mandou preparar quartos num convento... Francisco, quando resignar, não quereria ficar no Vaticano, complicando a vida do sucessor, mas... 

sexta-feira, 13 de novembro de 2020

ARES DO OUTONO: JARDIM OUDINOT

O outono no Jardim Oudinot na Gafanha da Nazaré - Foto de Carlos Duarte

O casamento do castanho outonal com o verde da esperança é um desafio à nossa imaginação, sobretudo se ela anda toldada pela dor pandémica sem fim à vista. A beleza de qualquer estação ameniza as nossas inquietações. Bom fim de semana, apesar dos confinamentos. 

PICASSO NO MEU SÓTÃO


Tenho um Picasso em casa. Aí está uma fotografia com as suas cores claramente definidas. Eu gosto muito dele, mas não está à venda. Foi oferta da minha filha, há bons anos. Não é uma litografia nem coisa parecida. Muito menos uma serigrafia. É simplesmente um azulejo. Mas que é bonito, lá isso é.

DIA MUNDIAL DA BONDADE



Para começar o dia, sexta-feira, 13, nada melhor do que celebrar a BONDADE. Sim! Hoje é o Dia Mundial da Bondade. Foi em 1998 que teve lugar em Tóquio a primeira conferência do Movimento Mundial pela Bondade, mas, curiosamente, fala-se mais disso, entre nós, na época do Natal. E afinal o que é que se pretende? Coisa simples: que todos contribuam para reavivar no mundo o sentido de bondade das pessoas, nesta sociedade tão carente de afetos, de ternura, de paz.
Diz a minha fonte que importa cultivar este sentimento por tantos de nós esquecido para sentirmos uma felicidade tranquila e sedutora. Uma palavra amiga, um obrigado a cada instante das nossas relações, um sorriso, um gesto carinhoso e a oferta de uma flor, por exemplo, são sinais concretos de que sabemos ser bons. Por esta forma,  estaremos a plantar raízes da cultura da BONDADE.

RESPONSÁVEIS E ACTIVOS

Reflexão de Georgino Rocha 
para o Domingo XXXIII do Tempo Comum


 
Juízo severo, sentença drástica. Quem o poderia imaginar? (Mt 25, 14-30) O desfecho da parábola dos talentos é surpreendente, desconcertante. O “chamado” servo mau não faz mais do que proceder de acordo com as regras do tempo e do modo de ser do seu patrão: aceita o encargo, guarda com cuidado o talento e apresenta-o, sem desfalque, no regresso do senhor, acompanhando a entrega com uma justificação plausível. O seu comportamento está motivado pelo modo de ser do patrão: ter medo de quem é severo, saber de antemão que não pode falhar, pois ele quer colher onde nada semeou. Por isso manteve a rotina e fez como era hábito: escolher um local seguro, enterrar cuidadosamente o objecto recebido, gravar na memória esse local e, tranquilo, descansar aguardando o momento da reposição. 
A sentença aponta a novidade da mensagem a viver e transmitir: importa mais a atitude do que o resultado, o risco do que a segurança, o investimento do que a poupança, a abertura aos outros do que o encerrar-se sobre si mesmo, o uso responsável da liberdade do que a obediência servil e tacanha. Como se verifica nos servos bons e há-de verificar em nós, se formos fiéis.. 
“A identidade cristã, afirma Tomás Halik, teólogo Checo, não está enraizada no imobilismo, mas sim no movimento do Espírito que atua na história para conduzir os discípulos de Jesus cada vez mais fundo na plenitude da verdade… O que eu peço é uma cultura do discernimento espiritual e a promoção daqueles valores que levam ao coração do Evangelho e a uma resposta corajosa e criativa aos “sinais dos tempos. 

quinta-feira, 12 de novembro de 2020

OUDINOT - A PINTURA QUE NÃO FIZ


De uma passagem breve pelo Jardim Oudinot. Não é tempo de multidões, mas de silêncios sentidos. 

GONÇALO RIBEIRO TELLES CONTINUARÁ ENTRE NÓS


Gonçalo Ribeiro Telles morreu ontem. Tinha 98 anos. Morreu, mas o seu exemplo continuará vivo entre nós. A comunicação social não deixará de traçar o seu percurso cívico, profissional e humano. Assinalo aqui o facto porque tinha por ele uma grande admiração desde que passei a conhecê-lo, concretamente depois do 25 de Abril. Cativavam-me a sua serenidade e o seu testemunho enquanto cidadão interventivo em várias frentes. Mas ainda a sua teimosia na defesa daquilo que mais o preocupava ao nível do ambiente e do planeamento do território, que não podia deixar de ser projetado com perspetivas de longo prazo. Monárquico convicto, sabia conviver e respeitar os cidadãos dos mais diversos quadrantes. 
As marcas do seu testemunho cívico deixaram raízes que hão de perdurar entre os portugueses de bom senso. São estes os meus votos.  

quarta-feira, 11 de novembro de 2020

CHAFARIZ SÓ PARA VISTA

 

Este chafariz, bem perto do Farol da Barra, Gafanha da Nazaré, está por ali desde que tenho memória. Tinha uma bica de água que o pessoal saboreava para se refrescar, sobretudo em tempo de canícula. Como a placa indica, é Património do Estado, o que significa que não tem "dono" por perto. A sair pela ameia do "castelo" há uns arbustos que, decerto, foram semeados pelo vento e regados pela chuva. Só falta a água a sair da torneira, mas até talvez nem se justifique, porque a água está cara. E quem tiver sede pode passar pelos cafés e bares que os há em abundância. 

DIA DE SÃO MARTINHO




Apesar de não estarmos em maré de festas, por razões sobejamente conhecidas, resolvemos celebrar ontem, por antecipação, o Dia de São Martinho de Tours, que foi militar, monge e santo católico, tendo vivido entre 316 e 397. Foi simples: Nós e dois filhos jantámos com toda a simplicidade e comemos castanhas assadas, regadas com jeropiga. Respeitámos as regras da pandemia: máscaras que tirámos apenas na hora da refeição, distanciamento à mesa, e não só, e nada de abraços, beijos e outros afetos ou mimos... Com os outros filhos faremos o mesmo num outro momento. Está combinado. 
São Martinho ficou famoso por ter partilhado a capa que o agasalhava do frio de há séculos, que seria sensivelmente igual ao de hoje, com um mendigo. E diz a estória que, de repente, o frio desapareceu. Então, continua a estória, ficou registado que neste dia teríamos sempre o Verão de São Martinho, em jeito de homenagem a quem olhou com amor para o pobre. Enquanto estou a escrever esta nota está por aqui uma temperatura amena. 
Bom dia de São Martinho  para todos, com ou sem castanhas assadas e jeropiga.

terça-feira, 10 de novembro de 2020

PONTOS E PONTES DE ACESSO


NOTA: Não faltam oportunidades para ficarmos a conhecer marcas identitárias das nossas terras e suas gentes. Há sempre algo a descobrir e a divulgar, sendo certo que a aprendizagem nunca terá um termo. E quando se vive num ambiente de partilha, tudo será mais fácil. 

UM POEMA DE MIGUEL TORGA



A LARGADA

Foram então as ânsias e os pinhais
Transformados em frágeis caravelas
Que partiam guiadas por sinais
Duma agulha inquieta como elas...

Foram então abraços repetidos
À Pátria-Mãe-Viúva que ficava
Na areia fria aos gritos e aos gemidos
Pela morte dos filhos que beijava.

Foram então as velas enfunadas
Por um sopro viril de reacção
Às palavras cansadas
Que se ouviam no cais dessa ilusão.

Foram então as horas no convés
Do grande sonho que mandava ser
Cada homem tão firme nos seus pés
Que a nau tremesse sem ninguém tremer.

Miguel Torga

NOTA: Poema publicado no meu blogue há dez anos

PAISAGEM EXÓTICA

Pintura a óleo sobre placa de madeira. Oferta de uma amiga cuja memória hoje evoco. Vejo-a todos os dias quando entro no meu sótão.