segunda-feira, 31 de março de 2014

Grandes Aveirenses


Aveiro, Canal Central (Foto FM)


Inspirado pelo programa televisivo dos “Grandes Portugueses”, o Correio do Vouga pediu a 10 figuras de relevo da atualidade que escolhessem cinco grandes aveirenses. Como critérios, o nosso jornal sugeriu que considerassem aveirenses, além dos naturais de Aveiro (mesmo que não tivessem desenvolvido a sua ação na cidade), os que nasceram noutro local, mas que viveram na cidade da Ria a parte mais significativa das suas vidas, ou seja, os que Aveiro fez seus. Aqui ficam os eleitos. Na próxima semana, o Correio do Vouga apresentará dados biográficos de algumas personalidades que neste número são apenas nomeadas.

Fernando Martins

Anterior diretor do Correio do Vouga, escolheu: D. João Evangelista de Lima Vidal; José Estêvão; Homem Cristo; Jaime de Magalhães Lima e Antónia Rodrigues

D. João Evangelista de Lima Vidal. Primeiro bispo da restaurada Diocese de Aveiro, depois de muitos anos ao serviço da Igreja e do País. Foi, para mim e para muitos, de uma importância crucial na restauração da Igreja Aveirense. Como Bispo da Diocese de Aveiro, soube abrir caminhos para uma sociedade mais cristã e, por isso mesmo, mais fraterna. Mostrando grande amor à Igreja e aos aveirenses, soube intervir na sociedade, com oportunidade e poesia, falando e escrevendo com rara sensibilidade sobre as nossas gentes e coisas.

José Estêvão. Grande orador parlamentar, foi, sem dúvida, pela sua intervenção cívica e política, um arauto dos interesses de Aveiro e sua região. Pelo dinamismo que sempre pôs em tudo o que fez, pela visão com que levou o Estado a abrir caminhos de progresso entre nós, pelo exemplo de envolvimento na coisa pública, ainda hoje a sua coragem e a sua acção são recordadas em Aveiro.

Homem Cristo. Jornalista e pedagogo, político e cidadão, representou, pela sua tenacidade e espírito aguerrido, coragem e exemplo, todo o Povo de Aveiro. Lutando incansavelmente pela liberdade, pela justiça, pela educação e pela verdade, deixou-nos um ótimo testemunho de vida. Defensor de causas, batia-se com coragem em sua defesa, quando sentia que eram importantes para as pessoas e instituições, mesmo que diretamente não lhe dissessem respeito.

Jaime de Magalhães Lima. Escritor e pensador, político e conferencista, agricultor e ecologista, contemplativo e homem bom, foi e é, tanto quanto posso perceber, uma das figuras mais veneráveis de Aveiro. Amante da natureza, crente fervoroso e cultor do espírito franciscano, foi amigo e confidente de figuras gradas do seu tempo. Homem de cultura universal, multifacetado na vida e na arte de escrever, defendeu as suas ideias em inúmeros livros, revistas, jornais e conferências.

Antónia Rodrigues. Heroína de Mazagão, foi uma mulher aventureira, encarnando, de maneira original, o espírito determinado da alma aveirense. Disfarçando-se de grumete, combateu com tal tenacidade, em Mazagão, ao ponto de ser considerada(o) o “terror dos mouros”. A sua coragem foi reconhecida por Filipe II e o seu exemplo foi cantado por escritores e artistas.

Ver outras propostas:  CV - Fevereiro 1, 2007 

Ações dos homens

«Sempre considerei as ações dos homens 
como as melhores intérpretes dos seus pensamentos»

 John Lock (1632-1704), 
filósofo inglês

domingo, 30 de março de 2014

Cuidar da Mãe Terra e amar todos os seres

Um texto de Leonardo Boff


«O amor é a força maior existente no universo, nos seres vivos e nos humanos. Porque o amor é uma força de atração, de união e de transformação. Já o antigo mito grego o formulava com elegância: “Eros, o deus do amor, ergueu-se para criar a Terra. Antes, tudo era silêncio, desprovido e imóvel. Agora tudo é vida, alegria, movimento”. O amor é a expressão mais alta da vida que sempre irradia e pede cuidado, porque sem cuidado ela definha, adoece e morre.»

Ler mais aqui 

Afinal Jesus também tinha discípulas

CRÓNICA DE FREI BENTO DOMINGUES NO PÚBLICO


1. João Paulo II, ao marcar os limites inultrapassáveis do papel das mulheres na Igreja, deixou uma herança pesada ao Papa Francisco. Não se atreveu a enunciar qualquer dogma, mas tentou barrar definitivamente o acesso das mulheres aos ministérios ordenados, ao sacramento da Ordem.
Nenhum católico está obrigado a receber os sacramentos todos. Mas as mulheres, mesmo que o desejem, mesmo que manifestem as maiores capacidades para serem chamadas a liderar uma comunidade cristã, o facto de serem mulheres constitui um impedimento radical. Pelo contrário, os homens, por serem homens, podem ser chamados à ordenação presbiteral ou episcopal mesmo sem grande talento. Não se trata de um direito, mas da possibilidade de vir a prestar um serviço estruturante, se para tanto forem convidados pelo respectivo Bispo.

sábado, 29 de março de 2014

S. Jacinto: Construção do cais começa em abril


«A construção do cais dos pescadores, em S. Jacinto, tem início marcado para a próximo mês de Abril, conforme anunciou ontem à tarde o presidente da Câmara de Aveiro, Ribau Esteves, na reunião pública do Executivo.
A Câmara já conseguiu o “Visto Tácito” do Tribunal de Contas à “Obra de Fornecimento e Montagem do Núcleo de Apoio à Pesca de S. Jacinto” e poderá ser iniciada “imediatamente” a empreitada que ficará pronta em Setembro.
A obra será desenvolvida em simultâneo com que se encontra em curso na frente ribeirinha de S. Jacinto, esta da responsabilidade do Polis Ria.
A obra terá um custo de 703.483,80 euros, com um cofinanciamento, do PROMAR a 75 por cento, um investimento para a construção de um cais de estacionamento, de descarga e alagem (manipulação de apres­tos), diversos passadiços de distribuição para estacionamento de embarcações e um quebra-mar flutuante, com acesso garantido por uma ponte de acesso, para protecção da referida infra-estrutura da acção das tempestades e das influências dos ventos de Sudoeste.
Terá a capacidade de 40 luga­res para embarcações com um comprimento inferior a 6 metros, quatro lugares para embarcações com comprimento entre 6 a 8 metros e quatro lugares para embarcações com di mensão entre 8 e 10 metros.
Esta infra-estrutura será ainda dotada de 25 armazéns de aprestos para albergar os materiais de actividade.»

Texto de João Peixinho no Diário de Aveiro

Mudança de paradigma

Crónica de Anselmo Borges 



Nos inícios de Maio e considerando as respostas dos católicos de todo o mundo ao inquérito do Papa, haverá o documento de preparação para o Sínodo dos Bispos, em Outubro, sobre a família, os seus desafios e dificuldades, a moral sexual. Os resultados do inquérito, com uma percentagem de respostas "altíssima", foram "unanimemente apreciados", segundo a declaração, há um mês, do Conselho ordinário do Sínodo.

Os resultados não foram ainda publicados. Ficam aí sínteses significativas de algumas dioceses alemãs. Assim - Aachen: "A moral eclesiástica sobre o casamento e a sexualidade representa para muitos fiéis um obstáculo para a fé." Augsburgo: "As pessoas sentem-se muitas vezes tratadas como falhadas e pecadoras." Colónia: "Em síntese, a doutrina da Igreja é vista como estranha ao mundo e à relação." Dresden-Meissen: "Muitos desejam que as proibições não estejam em primeiro plano." Essen: "Os inquiridos declaram-se favoráveis à possibilidade de uma bênção para os casais do mesmo sexo." Friburgo: "A vida em comum antes do casamento pela Igreja não é nenhum caso extraordinário, mas normal." Fulda: "Os jovens não se sentem correctamente percebidos pela Igreja." Limburgo: "Muitas pessoas que voltaram a casar sentem-se excluídas e feridas pela Igreja." Magdburgo: "No que se refere ao domínio do casamento e da família, a Igreja perdeu consideravelmente o seu alto significado." Mogúncia: "A condenação dos métodos artificiais do controlo da natalidade é rejeitada por quase todos e tratada como completamente irrelevante". Münster: "Entre os ideais católicos e a prática católica cavou-se um abismo." Osnabrück: "Cada vez mais pessoas abandonam a Igreja." Passau: "Não se compreende que não haja perdão para o fracasso de um casamento." Rottenburgo-Estugarda: "A proibição do preservativo é considerada condenável." Speyer: "Muitos fiéis não vêem acordo entre a sua compreensão da misericórdia e as afirmações jurídicas sobre o divórcio e um segundo casamento civil." Trier: "Os que responderam esperam misericórdia vivida nas questões do casamento, do fracasso, de um novo começo e da sexualidade."

JESUS QUER ABRIR-ME OS OLHOS

Uma reflexão de Georgino Rocha 
para este tempo



O cego de nascença encontra-se nos caminhos da missão de Jesus. Constitui um símbolo de todos nós que, de um modo ou de outro, sofremos da falta de visão, não “enxergamos” o sentido humano da vida, não reconhecemos nos outros o próximo semelhante, não consideramos os bens da terra como pertença de toda a humanidade, não apreciamos a nossa relação filial com Deus e, a partir d’Ele, a dignidade própria de cada pessoa.
Jesus quer libertar-nos da cegueira que fecha todos estes círculos em que nos movemos e agimos, em que crescemos como seres individuais solidários, em que interagimos e humanizamos a convivência em família, sociedade e Igreja. Em que construímos a nossa própria identidade. Que proposta admirável nos faz Jesus. Vale a pena acolhê-la com serena confiança e colaboração responsável.

sexta-feira, 28 de março de 2014

A ESCOLHA DE UM BISPO

Editorial de Querubim Silva,
Diretor do Correio do Vouga




A Diocese de Aveiro vive um momento de justificável espectativa. Privada do Pastor que a lançou numa primavera de esperança, está ansiosa por saber quem sucederá a D. António Francisco, desejando alguém que possa continuar, a seu modo, bem entendido, esta rota da barca em que nos encontramos.
Ao longo da história, a escolha dos bispos passou por diversas formas e sofreu, em algumas épocas, turbulências e mesmo desvios indesejáveis. O que Deus quer nem sempre foi permitido pelos homens. E o Espírito Santo teve, não raro, de colmatar as lacunas graves criadas pela fragilidade humana.
Os Apóstolos, pelo que se depreende dos textos bíblicos, designaram diretamente aqueles a quem confiavam o encargo das Comunidades. Durante alguns séculos, duas coordenadas fundamentais pautavam a “eleição” dos bispos: a garantia de comunhão com a Sé de Roma e a expressão do “sentir dos fiéis”, que algumas vezes expressava a sua escolha por aclamação.


“Olhos sobre o Mar”

Concurso de Fotografia em Ílhavo
Data limite de receção das fotografias: 
 20 de junho de 2014 



O Executivo Municipal deliberou aprovar as Normas de Participação no XI Concurso de Fotografia de Temática Marítima “Olhos sobre o Mar”, dando assim seguimento aos investimentos verificados nos últimos anos com o objetivo de dar contributo para posicionar o Município de Ílhavo como uma referência incontornável na temática do Mar, também na área da fotografia.
O Concurso é aberto a todos os fotógrafos profissionais ou amadores. O tema do Concurso é “O Mar”, em todas as suas vertentes, e tem caráter territorial exclusivamente nacional (terrestre ou zona marítima exclusiva). Dividido em duas secções (cor e preto e branco), cada participante pode apresentar até um máximo de três fotografias por secção.
Atendendo ao facto de se assinalar este ano os 500 Anos da Outorga do Foral Manuelino de Ílhavo, foi excepcionalmente criada uma secção denominada “Ílhavo – 500 Anos do Foral Novo”. Cada fotógrafo terá obrigatoriamente de concorrer a esta secção especial com um conjunto de três imagens, ao qual terá de atribuir um título, que ilustre o tema. O conjunto de imagens poderá conter imagens a cor, preto e branco ou as duas.
A data limite de receção das fotografias a concurso é 20 de junho de 2014 (data do correio).
Mais informações pelo e-mail geralcmi@cm-ilhavo.pt ou pelo secretariado do Concurso 234 329 600.


Fonte: CMI

II Aniversário do CIEMar-Ílhavo



O CIEMar-Ílhavo, subunidade de investigação, documentação e empreendedorismo do Museu Marítimo de Ílhavo inaugurado em 2012, celebra o seu segundo aniversário no próximo sábado, dia 29 de março. A sua missão foi planeada com a ambição de inovar, não sendo comum, na maioria dos museus, haver um centro de investigação aberto ao exterior e orientado para o empreendedorismo.

Ler mais e programa  aqui

Jornalismo oculto no Telejornal da RTP

Crónica de David Marçal
no PÚBLICO


Segundo o relatório Ciência no Ecrã, da autoria da Entidade Reguladora da Comunicação e do Instituto Gulbenkian de Ciência, apenas 0,8% do tempo dos telejornais em horário nobre é dedicado à ciência, a duração média das peças de ciência no Telejornal da RTP é de três minutos e vinte e quatro segundos e 92% destas têm menos de cinco minutos. No entanto, a televisão pública achou por bem criar um espaço cativo para a pseudociência em horário nobre, a que chamou Acreditar.

quinta-feira, 27 de março de 2014

OBAMA E O PAPA FRANCISCO




«A liberdade religiosa, as leis dos EUA que chocam com as convicções da Igreja e a imigração foram alguns dos temas discutidos pelo Papa e por Obama, esta quinta-feira, no Vaticano»

Li na  RR


NOTA: Dois homens de projeção universal com sentido de humor e de responsabilidade podem fazer muito pela humanidade se souberem unir esforços em prol da paz e da erradicação da pobreza. Esta imagem da Rádio Renascença, para mim, vale por mil palavras.


- Posted using BlogPress from my iPad

quarta-feira, 26 de março de 2014

RÁDIO TERRA NOVA CELEBRA ANIVERSÁRIO

25 anos aos serviço 
das nossas terras e das nossas gentes

Vasco Lagarto:
o grande timoneiro da RTN desde a primeira hora


 Subsídios para a sua história 


A RTN nasceu na década de 80 do século passado, num período de baixa de preços dos equipamentos de emissão. Um pouco por todo o mundo, e em Portugal também, surgiram rádios locais, muitas vezes direcionadas para simples bairros. Pretendia-se divulgar iniciativas de instituições dos mais variados ramos, que nunca tinham vez nem voz nas rádios nacionais. O boom das “rádios piratas” foi de tal ordem elevado, que as entidades oficiais não tiveram qualquer hipótese de impedir o seu funcionamento.
Em 12 de Julho de 1986, a RTN, mesmo sem batismo, foi para o ar, na sede da Cooperativa Cultual. Diz a sua história que eram 11.30 horas de um sábado. «Ligámos apenas um amplificador e passámos música gravada», recorda Vasco Lagarto.
Em 31 de Dezembro de 1988 “calou-se”, por imposição do processo de legalização entretanto iniciado. Mas em 26 de Março de 1989, num domingo de Páscoa, agora com alvará e com as exigências de legislação entretanto aprovada, reiniciou as suas emissões, assumindo um projeto voltado para as realidades culturais, sociais, desportivas e outras das comunidades envolventes, num raio de ação que hoje chega aos 50 quilómetros.

A VISITA

Uma crónica de Maria Donzília Almeida

Maria Donzília Almeida


Estava eu grudada ao PC, num trabalho de alta concentração em dedicação exclusiva, a burilar um longo texto, quando fui interrompida pelo som estridente da campainha. Quem tocava, revelava nervosismo pois insistia de forma incessante, dando a sensação de estar em aflição.
Dirigi-me, à porta e inquiri a razão daquela brusca interrupção.
— Há um patinho à sua porta... parece ter-se escapado de junto das galinhas!
Foi com estupefação que apurei o sucedido, avistando a espécie rara de palmípede, postado ali mesmo, na entrada da pérgola! Era um patinho vistoso, com uma plumagem colorida e que me cativou! Eu que outrora havia adquirido, no comércio local, patinhos bebés para me povoarem o bosque, mas que se evadiram pela rede, tinha agora, ali a minha compensação. Caíra, literalmente, do céu, ali mesmo, junto à casa e estava com vergonha de entrar!
Abençoada por aquela inesperada aparição, sem pretender apropriar-me do que não me pertencia, franqueei-lhe a porta, antevendo uns momentos de pura contemplação estética, de um lindo patinho, no meio das galinhas castanhas e pretas. Já me deliciava, por antecipação e pedi ao senhor que me batera à porta, o favor de me ajudar a conduzir o patinho para o quintal.
A ideia de juntar à Deolinda, Dori(n)da, (já recuperada!) Dores, etc, etc… um sedutor Donald Duck... borbulhava na minha mente!


terça-feira, 25 de março de 2014

“365 DIAS COM O FIEL AMIGO”

Um livro de Manuel Olívio Rocha





Manuel Olívio Rocha


“365 DIAS COM O FIEL AMIGO” é um livro de Manuel Olívio da Rocha, que vem na senda de outros que costuma publicar pelo Natal, para oferecer à família e a alguns amigos. Trata-se de uma coleção de trabalhos a que ele chama cadernos, sendo este o n.º 25. São edições familiares que não estão à venda, mas podiam estar. 
Este caderno, chamemos-lhe assim no respeito pela opção do autor, foi dedicado ao Fiel Amigo, nome popular de batismo dado ao bacalhau, por há anos se adequar à bolsa das famílias mais pobres. Hoje, com as alterações que a vida levou, o Fiel Amigo está predominantemente, na mesa dos mais abastados, sobretudo os tipos graúdo e especial. Mas voltemos ao livro do meu conterrâneo, familiar e amigo Olívio.
A cada dia do ano, o autor brindou-nos com nacos saborosos da história do bacalhau. Sublinha ele a abrir que «o bacalhau é fundamental da cozinha na noite de Consoada». E adianta: «Sentados comodamente, busquemos algumas raízes do nosso viver e do nosso ser — e lá encontraremos o bacalhau, como fiel amigo que ao longo dos séculos pautou o ritmo das pessoas, da região e até do País. Desde há muito, muito tempo!»
O livro, o tal caderno, tem várias leituras, lembrando o autor que, «Cada um de nós, tem maneira própria de pegar e abordar o livro», este como qualquer outro. Pode ser lido de uma ponta à outra, tudo seguido; pode ser lido por temas; pode ser lido de forma errática. E conclui, aconselhando cada leitor a seguir o seu instinto. 
Cada dia do ano tem o seu quê de interessante e importante:

+ História da pesca do bacalhau: datas, factos, figuras;
+ O peixe bacalhau, desde que nasce até chegar ao nosso prato;
+ A pesca do bacalhau, passando pelos mares até à salga no convés;
+ O barco, desde as origens aos modernos arrastões;
+ As secas e tudo aquilo que em “terra” contribuía para se ter bacalhau;
+ Figuras que marcaram o universo do bacalhau;
+ Gastronomia, onde o bacalhau é rei.

Em nota, Manuel Olívio refere que, «ao longo do ano, abrindo cada uma das semanas, sempre no mesmo espaço encontrar-se-á o mesmo assunto».

Na semana em que estamos, entre 23 e 29 de março, no livro “365 DIAS COM O FIEL AMIGO”, podemos ler “Os predadores do bacalhau”, “O dóri e a sua palamenta”, “Palhabote”, “Acessos ao Porto de Aveiro”, “Ria de Aveiro”, “Bacalhau de cebolada” e, ainda, retalhos de 1588 (Os ingleses e o mau tempo derrotam a “Invencível armada” filipina; 1600 (Aveiro era uma das povoações marítimas de Portugal, proporcionalmente mais rica em gente, comércio e indústria…); Século XVI (Os pescadores de Aveiro “não curavam o peixe nas praias vizinhas ao lugar da pesca, como outros, conservavam-no a bordo e depois vinham curá-lo e secá-lo aqui”).
Como facilmente se pode deduzir, este trabalho do Olívio bem merecia ser conhecido das nossas gentes. É pena, portanto, que fique limitado a um reduzido número de pessoas.

Fernando Martins

segunda-feira, 24 de março de 2014

FEIRA DE MARÇO EM AVEIRO

Farturas nunca faltam (foto FM)

Amanhã, 25, abre portas, no Parque de Feiras e Exposições, a 580.ª edição da Feira de Março, um evento tradicional e de referência do Município de Aveiro e da sua Região. Trata-se da maior montra económica da Região de Aveiro e um dos maiores parques de diversão do país, prolongando-se até 27 de abril. 
A cerimónia de abertura ocorrerá pelas 18.30 horas. Registe-se que o certame conta com mais de 250 empresas, apresentando-se com os tradicionais setores de exposição, comercial e de diversão. No setor de exposição, participam 160 empresas, divididas pelas áreas da indústria, automóvel, cosmética, mobiliário, imobiliário, eventos, construção civil, fotografia, produtos ortopédicos, energias renováveis, climatização, decoração, automatismo, entre outras.

Fonte: CMA



O rei Juan Carlos com Adolfo Suárez



O rei Juan Carlos  com Adolfo Suárez, que já não identificava quem o visitava. As verdadeiras amizades são assim. Foto de 2008. Faleceu ontem, 23 de março, e desempenhou o difícil papel de fazer a transição, como primeiro-ministro de Espanha, da ditadura franquista para a democracia. 

domingo, 23 de março de 2014

Noivos preparam os seus matrimónios

Numa época do descartável... 

Noivos à porta da  matriz da Gafanha da Nazaré (Foto FM)

Hoje tive a dita de participar na eucaristia das 11.15 horas na matriz da Gafanha da Nazaré. Dita, porque tive a sorte de testemunhar a participação de 25 pares de noivo, depois de terem vivenciado um encontro/retiro preparatório da celebração dos seus matrimónios, que hão de ser testemunhados pelas suas comunidades paroquiais, familiares e amigos, com a bênção mística de Deus, nosso Salvador.
Numa época do descartável, como é a que vivemos, não poderia ficar indiferente a esta opção de 25 pares de noivos, certos de que, com Deus, tudo será mais fácil. Os problemas que em todos os casamentos surgem, porque homem e mulher não são anjos, hão de ser vencidos com a graça do Criador e os ensinamentos assentes na Boa Nova de Jesus Cristo, que estimulam de forma sensível a compreensão e a paciência mútuas, a capacidade de diálogo e de perdão sem limites, e o amor e a caridade que tudo vencem.
Para os noivos, um abraço amigo e votos de um futuro risonho.


Dia Mundial da Meteorologia

Uma história




Conta-se que uns engenheiros andavam numas aldeias serranas, que bem podia acontecer no nosso país, a proceder ao levantamento de alguns dados geográficos para estudos científicos. Manhã cedo, lá iam eles serra acima, cruzando-se, normalmente, com um velho pastor que guiava o seu rebanho. Para meter conversa, perguntavam-lhe pelo tempo e o pastor respondia de pronto o que os esperava: Chuva, vento brando ou forte, chuviscos, trovoada, sol radioso e por aí fora, que as nuvens diziam tudo, sublinhava, antevendo ainda o tempo que faria nos dias seguintes. E o engenheiro-chefe comentava: 
— Estes velhos sabem muito; com um simples olhar e com a experiência da vida sabem mais que os meteorologistas. 
Ora acontece que um certo dia, depois de tantas certezas ditadas sobre o tempo, certezas que tranquilizavam os nossos engenheiros, a eterna pergunta dirigida ao pastor lá veio: 
— Então que tempo teremos hoje, meu amigo? 
— Hoje nada posso dizer, senhor engenheiro, acabaram as pilhas do meu rádio.


A samaritana não se disfarçou de santa

Crónica de Frei Bento Domingues
no PÚBLICO

Porque teria Jesus confiado a evangelização 
da própria Igreja às mulheres?


Frei Bento Domingues

1. Ao longo dos anos, foi-se desenvolvendo nestas crónicas a convicção do nosso atraso, como Igreja e como sociedade secular, em relação ao questionamento social e místico de Jesus Cristo: não vos conformeis com a situação actual do mundo! Ao ler o texto do Evangelho na Missa, em vez do ritual, “naquele tempo”, parece-me preferível um convite: escutemos o que diz, hoje, Jesus aos seus discípulos…

Pensava nisto, ao entrar numa casa de artigos religiosos sem qualquer beleza, acompanhados de livrinhos de piedade rançosa, quando deparei com um título inesperado naquele cenário: As 23 Mulheres do Concílio. A presença feminina no Vaticano II.

O papa Paulo VI anunciou oficialmente a presença de vinte e três mulheres, como auditoras, no Concílio Vaticano II. De Setembro de 1964 a Agosto de 65, foram chamadas, uma por uma: dez religiosas e treze leigas, escolhidas segundo critérios de competência e de internacionalidade”.

sábado, 22 de março de 2014

Uma vida a tentar dar novas oportunidades

Isabel Monteiro (foto FM)


Isabel Monteiro já foi magistrada, religiosa durante 25 anos e hoje está ao serviço da Cáritas Diocesana de Setúbal

Isabel Monteiro está na Cáritas de Setúbal há nove anos e sente como uma missão e serviço à Igreja, onde tenta dar novas oportunidades às pessoas, como disse à Agência Ecclesia.“Estou ao serviço da Igreja, faço o que posso e o que não posso” foi assim que Isabel Monteiro definiu a sua maneira de estar na Cáritas de Setúbal.
Depois de uma vida de magistrada do Ministério Público e 25 anos de vida consagrada, a trabalha na área social e na promoção das pessoas, a sua vida mudou.“Além de trabalhar na promoção de pessoas também eu me sentia promovida porque, trabalhar com os mais pobres, dá-nos uma visão diferente da vida”, confessou.

Ler mais aqui

NOTA: Sublinho esta notícia da Ecclesia porque conheci e entrevistei, há anos, para o Jornal Solidariedade, Isabel Monteiro, ao tempo diretora da Casa Nossa Senhora do Rosário, da Figueira da Foz, e cujo dinamismo fiquei a conhecer. Isto em 8 de janeiro de 2006. Mais tarde soube que passou a trabalhar na Cáritas de Setúbal. Folgo em saber, agora, que continua muito ativa e muito envolvida na problemática social, em favor dos mais desfavorecidos. Vai amanhã, domingo, pelas 6 horas, na Antena 1, no Programa da Igreja Católica,  dizer o que pensa sobre  matérias tão atuais. 

Dia Mundial da Água

Na hora de matar a sede no Luso

"Enquanto o poço não seca, não sabemos dar valor à água."

Ouvir o silêncio que fala

Crónica de Anselmo Borges 





1. E pus-me a caminho de Lisboa. Com a única finalidade de prestar uma última homenagem ao colega e amigo José Policarpo, cardeal-patriarca emérito. Fomos colegas na Universidade Gregoriana, em Roma, e ficámos amigos e, quando um amigo se nos vai embora, precisamos de uma despedida.
Jazia dentro da urna fechada, no chão da sé catedral. Desde a sua morte que as palavras nunca mais pararam. E falou-se, falou-se, falou-se. E imagens e mais imagens sobre outras imagens. E talvez poucos se tenham ocupado com estar calados. Talvez precisemos tanto de falar porque temos medo do silêncio da morte. Os mortos não falam. Está ali, imenso, o silêncio que fala, a dizer o essencial. Mas quantos estão preparados para, num tempo de rebuliço, ouvir o silêncio?

SACIA-TE NA FONTE DE ÁGUA VIVA

Reflexão de Georgino Rocha



A samaritana acorre ao poço de Jacob para buscar água fresca. Leva consigo o cântaro vazio, símbolo do seu coração ansioso que procura saciar as sedes que manifestamente o inquietam e perturbam. Habita-a o sonho de felicidade, sempre adiada, apesar das tentativas fugazes de prazeres efémeros. Acolhe o pedido ousado do judeu desconhecido e questiona-o sobre o seu atrevimento. Abre-se ao diálogo num “taco-a-taco” impressionante pelo realismo personalizado e pela caminhada espiritual de abertura e comunicação.
Jesus, paciente e confiante, situa-se ao nível da samaritana. Aproveita a oportunidade de estar cansado e de ser pleno dia para manifestar a necessidade de saciar a sua sede. “Dá-me de beber” – diz-lhe. “Como?” – pergunta ela. “Se conhecesses quem te pede” – acrescenta Jesus, abrindo horizontes novos às sedes humanas que só podem ser satisfeitas por águas vivas oferecidas por quem as possui e está pronto a reparti-las.

sexta-feira, 21 de março de 2014

Inverno, Primavera, Adversidade e Prosperidade

"Se não tivéssemos inverno, a primavera não seria tão agradável: se não experimentássemos algumas vezes o sabor da adversidade, a prosperidade não seria tão bem-vinda." 

Anne Bradstreet 
(1612 – 1672)

Irmã Cristina canta e encanta

POESIA




Conversa amena...
Meu caro Doutor!

Poesia
Não é só rimar...
É ver as coisas
Com outro olhar...
Uma andorinha
A fazer o ninho
Num beiral,
É Poesia!

Quando observa
A árvore em frente...
A vestir-se de Outono
E não fica indiferente,
Isto é Poesia!

Quando desce
A Circunvalação
E os plátanos
Atapetam o chão...
E o sussurro das folhas
Emerge da confusão
Do tráfego e da poluição!..
Não lhe cheira a Poesia?

Quando vê uma flor
A desabrochar
Na primavera...
E uma borboleta policroma
A ‘dejar sobre ela.
E contempla
Esta aguarela!.
Não lhe toca a Poesia?
........................................
Quando na sua profissão,
No meio da dor
E tanto sofrimento,
Leva a dádiva dum sorriso
E o afago da sua mão,
Já sentiu a Poesia!

Mª Donzília Almeida
Novembro 2002


Morreu Fernando Ribeiro e Castro

Fundador da Associação Portuguesa 
de Famílias Numerosas




O fundador da Associação Portuguesa de Famílias Numerosas [APFN], Fernando Ribeiro e Castro morreu quinta-feira. Pode-se ser sócio da associação a partir dos três filhos, quem tiver mais de dez descendentes não tem que pagar quotas. O seu presidente tinha 13 filhos e 26 netos. O velório será esta sexta-feira na igreja de São Domingos de Rana, com uma missa às 21h , o funeral será na mesma localidade sábado, de manhã.

A secretária-geral da associação, Ana Cid, explica que Fernando Ribeiro e Castro, de 61 anos, foi um dos fundadores de uma associação criada em 1999, numa altura em que já se sentia que “o país ia atravessar uma situação dramática em termos de natalidade”. Ao mesmo tempo, era já notório o que estudos posteriores vieram demonstrar, diz, que as pessoas têm menos filhos do que o que desejariam, porque “há um ambiente cultural e político avesso às famílias com filhos, que as penaliza”.

Engenheiro naval de formação, Fernando Ribeiro e Castro, que morreu de cancro, bateu-se por “tentar alterar esta visão”. O sucesso “mais emblemático” da associação, continua Ana Cid, foi a criação da “tarifa familiar da água”, em 2002. Até essa altura, a cobrança do consumo de água apenas tinha em linha de conta escalões de consumo, independentemente dos membros do agregado familiar e do consumo per capita, lembra a responsável. A associação tem cerca de seis mil famílias como sócias, cerca de duas dezenas têm mais de dez filhos.

Catarina Gomes

Li no PÚBLICO

NOTA: Tive o grato prazer de com ele falar quando há anos veio a Aveiro para promover a APFN, que ele havia fundado. Defendia, na altura e penso que sempre o fez até à morte, benefícios para famílias numerosas [com mais de três filhos], nomeadamente, tarifas especiais de água, energia elétrica, transportes, espetáculos e propinas, apontando certos apoios então alcançados de algumas câmaras municipais. Levava, com firmeza mas também com graça, os presentes a reconhecerem as dificuldades que as famílias numerosas tinham de enfrentar, na hora dos banhos, da compra de material escolar, das idas (raras) ao cinema, ao teatro, ao futebol, etc. Ficou-me na memória como pessoa determinada, corajosa, com sentido apurado das realidades da vida e do ser cristão no dia a dia. Paz à sua alma.


quinta-feira, 20 de março de 2014

Não à desigualdade social que gera violência

Papa Francisco



«Hoje, em muitas partes, reclama-se maior segurança. Mas, enquanto não se eliminar a exclusão e a desigualdade dentro da sociedade e entre os vários povos será impossível desarreigar a violência. Acusam-se da violência os pobres e as populações mais pobres, mas, sem igualdade de oportunidades, as várias formas de agressão e de guerra encontrarão um terreno fértil que, mais cedo ou mais tarde, há-de provocar a explosão. Quando a sociedade – local, nacional ou mundial – abandona na periferia uma parte de si mesma, não há programas políticos, nem forças da ordem ou serviços secretos que possam garantir indefinidamente a tranquilidade. Isto não acontece apenas porque a desigualdade social provoca a reacção violenta de quantos são excluídos do sistema, mas porque o sistema social e económico é injusto na sua raiz. Assim como o bem tende a difundir-se, assim também o mal consentido, que é a injustiça, tende a expandir a sua força nociva e a minar, silenciosamente, as bases de qualquer sistema político e social, por mais sólido que pareça. Se cada acção tem consequências, um mal embrenhado nas estruturas duma sociedade sempre contém um potencial de dissolução e de morte. É o mal cristalizado nas estruturas sociais injustas, a partir do qual não podemos esperar um futuro melhor. Estamos longe do chamado «fim da história», já que as condições dum desenvolvimento sustentável e pacífico ainda não estão adequadamente implantadas e realizadas.»

Papa Francisco 
em A Alegria do Evangelho
n.º 59

PRIMAVERA

Flores do nosso jardim. (Registo de Lita)
"Uma andorinha não faz a primavera"

Nota: Pois não, mas quando as andorinhas chegam renasce a esperança e o desejo de que o bom  tempo, luminoso e florido, está mesmo de volta ao nosso quotidiano.

Equinócio da primavera - 20 de março




A primavera florida
Aguarela multicor
É uma tela colorida
Pintada pelo Criador.

A natureza hibernou
Escondeu-se, retraiu.
Agora a seiva brotou
Em nova vida explodiu!

Apoteose no jardim
Com miríades de flores
Pozinhos de perlimpimpim
Despertam novos odores.

A vida ganha sentido
Ostenta uma nova cor
Presente no colorido
Das pétalas de uma flor!

Mª Donzília Almeida
20.03.2014


Nota: A chegada oficial da primavera tem hora certa: 16.57 horas!


PRIMAVERA

O GOOGLE sugere leituras e imagens 
sobre a PRIMAVERA, 
porventura a mais bonita estação do ano 



Primavera a 21 de Março? 
Não, esta quinta-feira, 20, às 16h57

Até 2050, o início da estação das flores e das alergias 
será quase sempre no dia 20 e duas vezes no dia 19


Na cultura popular, a Primavera começa no dia 21 de Março. Mas não: o tempo do verde, das flores e das alergias chega nesta quinta-feira, dia 20, às 16h57 em Portugal.
É esta a data e a hora exacta em que este ano se assinala o equinócio da Primavera no país. Neste preciso momento, o Sol estará a cruzar o chamado equador celeste, isto é, a projecção do plano equatorial da Terra no espaço. O equinócio da Primavera está associado a outra característica mais fácil de se compreender: marca a data em que o dia e a noite têm a mesma duração, ou seja, 12 horas.


Ler mais aqui 

quarta-feira, 19 de março de 2014

DIA DO PAI - 19 de março



Neste dia, em que pelo, segundo ano, evoco a figura saudosa do meu pai, sem lhe poder dar uma prenda viva, aqui fica o primeiro poema que lhe dediquei. Tinha eu 33 anos e ele 63, quase a idade que tenho hoje. A sua imagem, sempre presente na minha vida, é a garantia do seu prolongamento, numa outra dimensão. Que esteja naquele ”bom lugar”, a que se referia, neste mundo e que muito desejava alcançar. Que Deus, sumamente bom e misericordioso, lhe tenha concedido esta última vontade!

Já houve grandes poetas
Outros a eles iguais
Sei que existiram profetas
É deles que há sinais.

dedico-lhe este poema
este é pois, o meu lema.

Alguns ficaram famosos
Liberdade proclamaram,
Melhores dias desejaram.
Em tudo o que deles ficou
Ideais de humanidade
De tudo o que mais marcou
Ah! Foi a solidariedade!
            
Maria Donzília Jesus Almeida

                    19 de Março de 1983

terça-feira, 18 de março de 2014

Estar próximo das pessoas é cada vez mais importante

Carlos Rocha, 
presidente da Junta de Freguesia, 
em entrevista que me concedeu 

Presidente da Junta no seu gabinete

«Estar próximo das pessoas é cada vez mais importante.» Foi com estas palavras, cheias de sentido, que o presidente da Junta de Freguesia da Gafanha da Nazaré (JFGN), Carlos Rocha, nos recebeu na sede da autarquia, reformulada interiormente e preparada para acolher de forma personalizada e com espírito de proximidade quem chega para ser atendido. O gabinete do presidente fica no rés-do-chão, para facilitar a vida aos mais idosos, que nem sempre conseguem subir as escadas. O salão nobre, no piso superior, mostra a mesa da presidência no lado oposto à porta da entrada, ficando o público e os deputados da Assembleia de Freguesia em semicírculo, com um corredor central. 
Carlos Rocha, sublinha, na abertura da entrevista que nos concedeu, que o cariz social não pode ignorar o sentido solidário, porque a Junta de Freguesia «vai ter em conta, fundamentalmente, os pequenos problemas das pessoas, dentro do que é possível, no âmbito das competências da autarquia», mas não deixará de as encaminhar, sendo caso disso, para as entidades competentes, «em sintonia com a Câmara Municipal de Ílhavo (CMI) e com os seus serviços, que operam em rede com as instituições da área do município».

segunda-feira, 17 de março de 2014

Mais um livro de João Gaspar

"Diocese de Aveiro 
– Subsídios para a sua história"

João Gaspar

Na próxima quarta-feira, 19 de março, pelas 21 horas, no auditório da Reitoria da Universidade de Aveiro, vai realizar-se a sessão pública de agradecimento a D. António Francisco, de partida para a Diocese do Porto, para a qual foi nomeado pelo Papa Francisco. Na mesma sessão, vai ter lugar o lançamento de mais um trabalho de Mons. João Gaspar, desta feita a 2.ª edição do livro a Diocese de Aveiro – Subsídios para a sua história, cuja primeira edição remonta ao ano de 1964, integrando a celebração dos vinte e cinco anos da restauração da Diocese. A nova edição, revista e atualizada, coroa, de algum modo, as comemorações jubilares dos setenta e cinco anos da nossa restaurada Diocese de Aveiro.
Esta obra de Mons. João Gaspar, da Academia Portuguesa de História, é, sem sombra de dúvidas, um precioso trabalho de referência, quer para os diocesanos quer para os estudiosos da nossa história contemporânea, mas também para quantos, pelas suas investigações de mestrado ou doutoramento, necessitam de elementos relacionados, direta ou indiretamente, com a vida das organizações católicas radicadas na área diocesana.


domingo, 16 de março de 2014

Conversão da Igreja ao serviço da transfiguração do mundo

Crónica dominical 
de Frei Bento Domingues 

Estamos no Domingo das Transfigurações. 
Celebramos o 1º aniversário da eleição do Papa Francisco, 
que já começou a transfigurar o Vaticano.




1. Há quem diga que a melhor atitude perante as tentações é não lhes resistir. Como piada, não está mal.
Tanto no sentido moral como religioso, tentar é induzir ao mal ou pôr alguém à prova. É neste último sentido que se fala das tentações diabólicas que assaltaram Jesus, durante o seu retiro no Deserto. Foi solicitado a assumir, de forma milagrosa e espectacular, o poder económico, político e religioso de um país ocupado pelo império romano, provando assim, a sua divindade messiânica. Essas propostas já foram evocadas na Eucaristia do passado domingo. As suas versões são diferentes em cada um dos Evangelhos sinópticos, mas coincidentes no essencial (Mc 1, 12-13; Lc 4,1-13;Mt 4,1-11). Para alguns autores do Novo Testamento (NT), as tentativas para fazer de Jesus o líder de uma insurreição nacionalista nunca o abandonaram, tendo encontrado cúmplices activos entre os apóstolos mais chegados. Jesus chegou a considerar Pedro como um diabo.

sábado, 15 de março de 2014

O MAIOR AFRODISÍACO

Crónica de Anselmo Borges 




1 Soube que era chamado por Deus a uma missão essencial para o mundo. Para decidir, foi, como fazem todos os que na história são grandes, meditar. E então Jesus foi tentado. Três tentações, todas à volta do mesmo: o poder. O que ele tinha de decidir era entre um Messias do poder enquanto dominação e um Messias do serviço e da criação.
O diabo colocou-o sobre o pináculo do templo em Jerusalém e disse-lhe: "Se és Filho de Deus, deita-te abaixo, pois os anjos tomar-te-ão nas mãos." Esta é a tentação do domínio pelo espectáculo do poder.
Pela sua própria dinâmica, o poder quer ser total. Por isso, o demónio levou-o a um monte muito alto, mostrando-lhe todos os reinos do mundo e a sua magnificência e disse-lhe: "Tudo isto te darei, se, prostrado, me adorares." O que a gente faz, quantas prostrações, para poder dominar! Dominar todos os reinos do mundo.
Se há fascínio, é o do poder. A volúpia do poder! Porque subjugar a vontade de outros ao domínio próprio surge como redenção e bênção. Disse quem sabe, Henry Kissinger: o poder é "o maior afrodisíaco." E, no limite, o poder total. Porque, no fundo, há a ilusão de que, com o poder total, se teria o poder de todos os poderes: matar o poder da morte. Ser imortal.
Daí, por princípio, Deus ser concebido e apresentado como todo--poderoso, omnipotente. Como se a omnipotência fosse a característica mais própria de Deus. A tentação primeira, logo no início, foi a da serpente: "Sereis como Deus." A omnipotência seria agora nossa.

LEVANTAI-VOS E VAMOS EM FRENTE

Uma reflexão de Georgino Rocha 
para esta semana



Jesus proporciona aos seus amigos mais íntimos uma experiência surpreendente e gratificante. “Que bom estarmos aqui” – diz Pedro em nome do grupo. A experiência inicia-se quando Jesus os toma consigo e, na sua companhia, sobe à montanha. Que terão pensado no percurso, eles que não se haviam refeito do susto do anúncio da paixão e permaneciam abatidos perante o desabar das suas encantadas ilusões! Confiam mais uma vez no Mestre, acolhem o convite/apelo e lançam-se na aventura. Acontece algo de extraordinário que lhes provoca tal satisfação que Pedro se propõe “armar” tendas para assim continuarem indefinidamente. Da desilusão ao encantamento!

Era o coração humano a falar, a expressar o desejo intenso de felicidade, a antecipar o sonho de estar sempre com o Senhor. Era a voz da consciência a libertar as aspirações mais profundas que, tantas vezes, permanecem caladas ou são mesmo silenciadas. Santo Agostinho salienta esta marca indelével do ser humano que vive inquieto e peregrino enquanto não encontra Deus e se senta no seu colo de Pai.


sexta-feira, 14 de março de 2014

Sessão de agradecimento a D. António Francisco

Na Universidade de Aveiro, 
19 de março, 21 horas


POSTAL ILUSTRADO - JARDIM OUDINOT

SALA DE VISITAS
DO NOSSO CONCELHO


Quem visita a Gafanha da Nazaré não pode deixar de passar pelo Jardim Oudinot, um ex-libris da nossa terra e região e o mais completo, aprazível, arejado e luminoso espaço de lazer da Ria de Aveiro, que usufrui, por direito próprio, o proveito de ser uma expressiva sala de visitas do município ilhavense. É também, presentemente, o mais amplo acesso livre que o povo da Gafanha da Nazaré e visitantes têm para saborear a laguna, em caminhadas de manutenção, em parques de treino físico e desportivo, na pequena praia com vista para os restos das famosas portas-d’água, degustando, se assim o desejarem, um café ou um refresco à medida do tempo.
No dia 10 de Agosto de 2008, o Jardim Oudinot, renovado e ampliado, foi restituído ao povo da região, substituindo, com novo figurino, o velho jardim das merendas de domingo ou dias assinalados das gentes das Gafanhas e redondezas. Enriquecido pelo navio-museu Santo André, velha glória da pesca do bacalhau por arrasto, de que foi campeão nacional do seu tempo e com lugar de destaque nos registos internacionais, o Jardim Oudinot merece, indubitavelmente, uma visita de quem por aqui vive ou de turistas à procura de belezas naturais e de ares puros, mas ainda de sinais da nossa história marítima.

Fernando Martins




- Posted using BlogPress from my iPad

AVEIRO: Exposição de pintura e fotografia

"Máscaras, Rituais e Ficção Oculta"
Museu da Cidade de Aveiro
15 de março a 7 de maio




"Máscaras, Rituais e Ficção Oculta” é o nome da exposição de pintura e fotografia de Balbina Mendes e Mariana Delgado que estará patente no Museu da Cidade de Aveiro, de 15 de março a 7 de maio.
Promovida pelo Município de Aveiro, a mostra será inaugurada no próximo sábado, dia 15.00 horas, com a presença das autoras. Haverá um momento musical com guitarra clássica de Dinis Meirinhos.
Balbina Mendes é natural do norte do país e através da pintura quer apresentar a milenar forma de arte popular que são as máscaras executadas pelos antepassados ou pelos próprios rapazes. Estes artefactos são utilizados nas Festas dos Rapazes e no Carnaval vivido no Douro e Trás-os-montes.
Natural de Aveiro, Mariana Delgado expõe diversas fotografias que representam momentos da sociedade e espaços comuns, numa perspectiva quotidiana que nem sempre é vista por todos.
A exposição poderá ser visitada de terça a sexta-feira, das 9.00 às 12.30 horas e das 14.00 às 18.00 horas e aos sábados e domingos das 14.00 às 18.00 horas, no Museu da Cidade de Aveiro.

Fonte: Site da CMA

- Posted using BlogPress from my iPad

quinta-feira, 13 de março de 2014

D. José Policarpo marcou a sociedade portuguesa

Um pouco mais sós




«Sendo um homem de fé, sou por natureza e feitio anticlerical. Mas habituei-me a ouvir e a respeitar D. José Policarpo. Um homem que soube projectar uma outra dimensão da Igreja portuguesa, pontuando o seu discurso pela lucidez. Sinal da sua atenção aos problemas do seu tempo e que, ao contrário do que alguns teimam em rejeitar, são também os do seu templo. Marcou a sociedade portuguesa com a oportunidade da sua intervenção cívica, com a autoridade do conhecimento e da razão, e tentou renová-la à medida das suas possibilidades. Muitas vezes discordei do clérigo, poucas do homem, porque respeitar é também compreender o outro na discordância. Talvez que o facto de ser um fumador contribuísse para marcar a diferença num mundo que aceita sem resistência o cada vez maior número de espartilhos à liberdade individual em nome de uma sociedade asséptica e amorfa.»

Sérgio de Almeida Correia


Li no blogue Delito de Opinião 

A PRIMAVERA




Está hoje um lindo dia de sol que, a repetir-se com alguma frequência, nos garante estarmos com a primavera tão colorida e amena. Anseio por ela como quem anseia pelo céu, que deve ser assim...Ou melhor, está bem de ver.
Com este ambiente, depois de um inverno rigoroso e castrador, capaz até de nos incomodar o corpo e a alma, dá gozo saber que tudo será diferente nos próximos meses: andaremos mais felizes, podemos sair para passear com mais frequência, olharemos com outro espírito o que nos cerca e os sonhos voltarão à tona. Estava cansado do frio, da chuva, do vento, das imagens horríveis de tempestades... do sofrimento. Eu sei que tudo isto, por aqui e por ali, vai continuar, mas ao menos que o sol benfazejo nos dê ânimo para suportar as inclemências do tempo e da vida. 

- Posted using BlogPress from my iPad