quinta-feira, 21 de junho de 2018

Chegou tímido o verão

A cadeira já está à minha espera
Eram 11h07 quando o astro-rei atingiu o ponto exato do solstício de verão. Chegou tímido, com abertas, mas chegou. O Sol furou a barreira das nuvens carregadas, prenunciadoras de que a chuva continuaria connosco, até se instalar com alma entre nós, dando-nos oportunidades de gozar umas saborosas férias ou períodos de descanso nos areias à beira-mar ou nas sombras refrescantes das nossas florestas ou arvoredos particulares. Cá por casa, já temos a relva cortada e limpa para receber quem vier por bem. 
Bom verão para todos.

Fernando Marins

quarta-feira, 20 de junho de 2018

Para os tempos de férias

Antiga Capela de Nossa Senhora da Saúde - Costa Nova
Tanto quanto possível, vou tentar publicar algumas sugestões que nos permitam descansar sem grandes despesas. A vida está difícil, mas sempre poderemos descontrair um pouco. 
As rotinas de trabalho e outras cansam-nos bastante e por vezes nem nos damos conta de que precisamos de desanuviar o espírito e poupar o corpo das lutas e inquietações do dia a dia. 
Porque não sou  muito viajado, não poderei avançar com propostas onerosas, mas admito que, mesmo por perto, será possível vislumbrar recantos que nos tranquilizem ou atividades que nos enriqueçam. 
Aceito, naturalmente, colaborações, desde que mantenham os propósitos do meu blogue Pela Positiva. Textos pequenos com foto a condizer. 
Vamos tentar. 

F. M.

O seu nome é João, por graça de Deus


Georgino Rocha

João, o primo de Jesus, tem um nome que significa “o Senhor faz graça”. É filho de Isabel, a idosa estéril, e de Zacarias, sacerdote em idade avançada. O seu nascimento é motivo de alegria para os familiares e vizinhos por o Senhor lhes ter feito tão grande benefício e usado de misericórdia para com eles. Lucas, no seu relato (Lc 1, 57- 66 e 80) narra com pormenores elucidativos a escolha do nome, aquando da apresentação no Templo e da circuncisão do menino e destaca a atitude expectante de quantos ouviam contar o sucedido. “Quem virá ser este menino? Na verdade, a mão do Senhor estava com ele”. Interrogação que, para nós, ressalta com redobrado sentido. Como vivemos as surpresas que a vida nos traz? E com quem as partilhamos? Sinto a alegria do que acontece à minha volta? Depois de responder, posso preparar uma lista e rezar pelas pessoas envolvidas, fazendo circular a solidariedade que nos une.
As circunstâncias da natividade de João denotam uma mensagem singular. Deus não abandona quem n’Ele confia e faz, do que parece impossível, uma oportunidade de sucesso. O nome de João significa isto mesmo: O Senhor manifesta a sua graça, usa de misericórdia, faz maravilhas pelo seu povo, resgata a dignidade humana ofuscada pelos dramas do pensar comum: A esterilidade como maldição, pois não havia filhos, sinal de bênção, como inferiorização na escala da consideração pública e religiosa, como risco de exclusão, de abandono, sem nome nem herança. A libertação deste ferrete social dependia de Deus que age pelas mediações sagradas. As ciências da vida eram ainda muito incipientes nesta área da vida e a morte por parto era algo frequente.

terça-feira, 19 de junho de 2018

DN sugere: 18 praias fluviais de norte a sul do país

Praia Fluvial Foz D'Égua, Piodão

Com o verão que está quase a chegar, se tivermos em conta o velho calendário, não hão de faltar sugestões de férias para quem as puder gozar. O Diário de Notícias sugere 18 praias fluviais, de Norte a Sul do país. A que aqui apresento, de Piódão, retirada de Evasões, indicada pelo DN, é prova do muito de bom e belo que podemos usufruir. O curioso é que um dia, há anos, andei por lá e ninguém me falou dela. O Turismo, cá para nós, ainda tem muito que aprender, em algumas regiões, naturalmente.

segunda-feira, 18 de junho de 2018

O Desertas encalhou na Costa Nova em 1916




«No ano em que se comemora o Centenário do fim da I Grande Guerra, a Câmara Municipal de Ílhavo propõe uma tertúlia dedicada ao Canal do Desertas, um local que conta um episódio da epopeia dos Ílhavos.  O Desertas, um navio apreendido aos alemães, veio encalhar ao largo da Praia da Costa Nova, em 1916. 
Para salvar a embarcação, que se tornou o símbolo da resistência contra o Império Alemão, foi levada a cabo uma obra gigantesca que uniu o mar e a ria através de um canal: o Canal do Desertas. 
O “Ílhavo acontece à sexta” vai debruçar-se sobre o Canal do Desertas já esta sexta-feira, 22 de junho, às 19.00 horas, junto ao Posto de Turismo da Costa Nova, a que se seguirá uma visita ao local. 
Este encontro tem como convidados Senos da Fonseca, engenheiro mecânico e naval e estudioso da história e etnografia local, Amaro Neves, historiador que doou ao Arquivo Municipal parte do espólio fotográfico que documenta o resgate do navio, Carlos Coelho, especialista em área do transporte sedimentar, geomorfologia e proteção costeira, e Pedro Silva, investigador da Câmara Municipal de Ílhavo. 
Ainda sobre esta temática, está patente, no Centro de Documentação de Ílhavo, a Mostra Fotográfica "O centenário do salvamento do Desertas" que pode ser visitada até janeiro de 2019.»

NOTA: Texto da CMI e Foto da Rede Global

Para ficar a conhecer mais pormenores, leia no meu blogue Galafanha 

domingo, 17 de junho de 2018

Cristo não desempregou os santos (1)

Frei Bento Domingues

1. Não tenho muito apego às definições de religião. Uso essa palavra para significar, na tradição latina, a redobrada atenção às diversas dimensões do devir misterioso do ser humano que escapam à linguagem unívoca da ciência e da técnica. Exprime-se melhor na linguagem metafórica. Como escreveu Ésquilo, em Agamémnon, "Sufocando no galinheiro da razão, dediquei-me a defender a causa dos sonhos".
Na história das religiões existe de tudo, do melhor e do pior. A religião dos místicos, mesmo quando louca, é a suprema sabedoria. O místico não é capaz de parar, de fixar um limite, de se tornar idolátrico, pois, como diz o muçulmano, E. Hallaj, do século X: "Vi o meu Senhor com o olhar do coração,/ e disse-lhe: 'Quem és tu?' Ele disse-me: 'Tu!'/ Mas para Ti, o 'onde' já não tem lugar,/ o 'onde' não existe quando se trata de Ti!." A religião de Jesus não cabe em nenhuma classificação conhecida.
No domingo passado, S. Marcos apresentava Jesus como o doido da família e possesso de Belzebu. Neste, Jesus surge, na versão do mesmo evangelista [1], como um pregador surrealista. Jesus queria ser entendido ou não? A sua palavra era só para agitar o vento? Pela referência que faz ao profeta Isaías [2], até parece que só queria baralhar os seus ouvintes: vendo, vejam e não percebam; ouvindo, ouçam e não entendam para que não se convertam e não sejam perdoados.

sábado, 16 de junho de 2018

Aveiro: Rossio com ares de festa






Passei hoje pelo Rossio, de que se tem falado bastante, ultimamente. Há planos, tanto quanto é público, para reconverter aquele espaço, decerto para o transformar numa sala de visitas da cidade. Penso que o objetivo fundamental passa, necessariamente, por isso. Ora, ao ver a animação que há por ali, mesmo nas costas de João Afonso de Aveiro — Um dos homens de D. João II que desvendaram os segredos da terra e do mar no caminho das Índias —, julgo que os projetos de reformulação do Rossio precisam  de ser muito bem equacionados para o escolhido permitir convívios destes. 
O Rossio estava cheio de gente, com caravanas de comes e bebes, com prevalência para os petiscos regionais, muitos com sabor a maresia. Mas os ovos moles também eram saboreados com explicações de uma aveirense. Os destinatários (casal espanhol) das suas palavras ficaram a saber que os ovos moles naquela hora da prova eram feitos num “forno a lenha”. Nunca ouvi tal, mas estamos continuamente a aprender! 
Lá estavam os palcos para os festejos musicais e outros, ecrãs para se ver, com certeza, o futebol do mundial, áreas reservadas com mesas e cadeiras convidativas às conversas amenas ou mais acaloradas, ao jeito do que se vê nas TV, porque há sempre quem concorde com a grande penalidade e, naturalmente, quem discorde. O ar livre convida aos gritos de vitória, mesmo que seja um empate, como foi o caso de ontem, no jogo com a Espanha. Eu sei que todas as conversas, faladas e escritas, envolveram o melhor do mundo. 
Ao lado, os moliceiros, alguns mascarados por haver sinais de cultura chinesa, com imensa gente a dar as ininterruptas voltinhas pelos canais. “Segurem a menina” — recomendava um marinheiro a propósito da miúda que saltitava de contente por entrar no moliceiro. 
E junto aos Arcos, na praça Joaquim Melo Freitas, lá estava uma artista chinesa, sorridente enquanto cantava e depois quando agradecia as palmas. A música era, obviamente, gravada. 
Eu prometi à Lita que um dia destes também teríamos de ir à festa do Rossio. Apareçam para uma curta cavaqueira, enquanto se saboreiam uns petisquinhos. Não devem colidir com as dietas das pessoas mais maduras, admito eu. 

Fernando Martins

sexta-feira, 15 de junho de 2018

Novos cardeais para um novo papa

Anselmo Borges

«Impõe-se uma educação em todos os domínios para a autonomia e a responsabilidade, pois frequentemente o que se deu foi a infantilização das pessoas»


Francisco sabe que não é eterno e precisa de preparar a sucessão de tal modo que não haja volta atrás nas reformas que iniciou, pelo contrário, que continuem e se aprofundem, para que o Evangelho seja o que é e deve ser, por palavras e obras: notícia boa e felicitante para todos.
Tudo indica que este é o intuito da criação de novos cardeais no próximo dia 29. Então, os cardeais eleitores passarão a ser 125, dos quais 59 criados por Francisco, 46 por Bento XVI e 18 por João Paulo II. Como observa Jesús Bastante, os cardeais "franciscanos" serão quase metade dos participantes num futuro conclave, mas, dentro de um ano, uma vez que mais dez deixarão de ser eleitores, por causa da idade, a maioria será absoluta. Por outro lado, o Colégio Cardinalício é cada vez mais universal.
Entre os novos cardeais, está o amigo e antigo colega de Universidade, António Marto, bispo de Leiria-Fátima, claramente "franciscano" e favorável à reforma da Igreja: "A reforma é necessária e é para levar para a frente", diz. Uma profunda e gigantesca reforma, digo eu. Em duas vertentes, que se interpenetram: a da conversão pessoal e a institucional.

Sementes, Aves e Ninhos

Georgino Rocha

«O Reino de Deus vai germinando em nós no silêncio do coração e no santuário da consciência sempre que estamos atentos ao que acontece, sabemos em quem confiamos e dormimos em paz, como o semeador»


Jesus vive a preocupação de tornar acessível a mensagem que anuncia. Marcos, o evangelista narrador, referindo-se aos ouvintes, aduz o recurso a muitas parábolas “conforme eram capazes de entender”. E acrescenta que aos discípulos tudo era explicado, em particular. É neste contexto que surgem as sementes do campo, as aves e os ninhos em grandes ramos. Sementes que germinam, crescem e se convertem em arbustos de jardim e em árvores de bosques frondosos.

Jesus “utiliza uma linguagem narrativa decalcada do real. Jesus fala de Deus contando histórias de reis e de pescadores, de semeadores e camponeses. Uma linguagem profundamente humana, simples, compreensível, que efectua uma comunicação aberta, englobante e não excludente. Será assim que nós falamos das «coisas do Pai»?” (Manicardi, Comentário á Liturgia…, p. 109).

Que preocupação admirável e apelativa! Dir-se-ia que é melhor ficar calado e em silêncio do que falar abundantemente e ninguém compreender nada. É melhor colocar-se ao nível cultural de quem escuta do que exibir erudição doutrinal sonante. A solidariedade e a clareza prevalecem sobre qualquer outra atitude de comunicação. É a lei do Evangelho que brilha no comportamento de Jesus. É apelo que fica para sempre a todos os educadores e mestres, a todos nós.

quinta-feira, 14 de junho de 2018

Notas do meu Diário – O rádio da minha doença



Na minha infância e juventude estive doente diversas vezes. Doenças que me obrigavam a tratamentos constantes, onde pontificavam as injeções. Durante alguns períodos, as injeções eram diárias. Mas o mais grave veio depois, em plena juventude, com os pulmões a obrigarem-me a ficar acamado, alternativa a seguir para o Caramulo. «Se fizer o que lhe mando, não será preciso ir para um sanatório, no Caramulo», disse o Dr. Ribau à minha mãe. E ela comprometeu-se. 
Mais de dois anos na cama, sem TV, que nem era sonhada, e sem rádio. Vingava-me na leitura, ajudado pelos meus amigos Ribaus, que me emprestavam os livros dos seus tios, já então falecidos, Dr. Josué Ribau e Padre Diamantino Ribau. Mas também do avô materno, Manuel Ribau Novo, lavrador e grande impulsionador e responsável pela construção da nossa igreja matriz. 
Quando o meu pai chegou da viagem,  passou pela porta do meu quarto. Não entrou e estranhei. A minha mãe apressou-se a informar-me que o meu pai estava a chorar por eu estar acamado. Dizia-se, assegurou-me ela mais tarde, que eu estaria condenado ao destino de tantos outros doentes pulmonares, que morreram na altura. 
Quando o meu pai chegou junto de mim já vinha a sorrir com os olhos vermelhos. E dias depois comprou este rádio para eu passar o tempo. Ficou instalado na mesa de cabeceira e só mais tarde é que ocupou o seu lugar definitivo na sala, ligado a uma antena amarrada no telhado de uns vizinhos amigos. Mas do rádio  falarei mais um pouco, um dia destes. 

Fernando Martins

Mundial de Futebol deve ser oportunidade de encontro e diálogo


«Começa hoje o Campeonato Mundial de Futebol, na Rússia. Até 15 de julho, 32 equipas disputam o título de campeão. O Papa Francisco espera que este grande evento desportivo seja oportunidade de “encontro” e “diálogo” entre nações, culturas e religiões.
"Que esta importante manifestação desportiva se possa tornar uma ocasião de encontro, de diálogo e de fraternidade entre culturas e religiões diferentes, favorecendo a solidariedade e a paz entre as nações", afirmou o Santo Padre, no final da audiência pública semanal que decorreu na Praça de São Pedro, em Roma.
“Desejo enviar a minha cordial saudação aos jogadores e aos organizadores, bem como aos que vão seguir através dos meios de comunicação social este evento, que supera todas as fronteiras”, declarou Francisco.»

Ler mais aqui 

quarta-feira, 13 de junho de 2018

Festival de Folclore na Gafanha da Nazaré


XXXV Festival Nacional de Folclore
Gafanha da Nazaré
Jardim 31 de Agosto
7 de julho
21 horas

(Foto do meu arquivo)

No próximo dia 7 de julho, pelas 21 horas, vai realizar-se, no Jardim 31 de Agosto,  o XXXV Festival Nacional de Folclore da Gafanha da Nazaré, com organização do Grupo Etnográfico da nossa terra. Como reza a tradição, os amantes do folclore e da etnografia marcarão presença para saborearem as danças e cantares, mas também os trajes regionais, dos grupos convidados para esta festa anual. 
Participam, para além do grupo anfitrião, o Grupo Folclórico de Coimbra, o Rancho Folclórico da Associação Desportiva do Mindelo — Vila do Conte, o Rancho Folclórico de Silvares — Guimarães e o Grupo Etnográfico da Casa do Povo de Lanheses — Viana do Castelo. 

segunda-feira, 11 de junho de 2018

Solidão em plena Ria de Aveiro



À volta desta imagem, captada pela minha sensibilidade, podemos tecer as mais variadas considerações, porventura até contraditórias. Para mim, esta é a solidão em plena Ria de Aveiro, a laguna que nos envolve e encanta. 
O barquinho de cirandar pelas águas mansas para olhar a paisagem circundante, com casario a garantir a presença de populações laboriosas, não servirá para grandes aventuras, mas pode levar-nos a sonhar com umas voltinhas tranquilas ao ritmo das marés e dos nossos desejos. 
Boa semana para todos, agora que se anunciam, finalmente, temperaturas mais amenas e mais animadoras. 

Fernando Martins

Porto de Aveiro com ligação ferroviária a França

Porto de Aveiro
«A Comissão Europeia aprovou a inclusão da linha ferroviária galega entre A Corunha e Palencia no Corredor Atlântico que liga o Porto de Aveiro a Fran­ça, medida que aumentará a competitividade daquela região espanhola, anunciou o Eixo Atlântico. “A importância desta decisão reside não só na competitivida­de dos portos galegos, que podem fazer chegar as suas mercadorias a toda a Europa em tempos competitivos, mas tam­bém no impulso económi­co que levará ao interior da Galiza, região com grandes problemas demográficos pela falta de investimentos e do movimento económico”, refere em comunicado o organismo que congrega 38 municípios portugueses e galegos.»


domingo, 10 de junho de 2018

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades portuguesas

Portugal é  um dos 10 países mais antigos do mundo



Sabia que Portugal fez em maio 839 anos? Pelo menos aos olhos da Igreja, pois não nos referimos ao Tratado de Zamora – existe outro documento que foi igualmente importante para a História do nosso país.
O manifestis probatum foi uma bula emitida pelo Papa Alexandre III a 23 de maio de 1179. Esta declarava o Condado Portucalense independente do Reino de Leão e D. Afonso Henriques o seu soberano.
Este documento veio assim reconhecer a validade do Tratado de Zamora, assinado a 5 de outubro de 1143, através do qual o rei de Leão reconheceu a independência do Condado, que passou a denominar-se Portugal.
No entanto, só 35 anos depois é que a Igreja Católica, através do Papa Alexandre III, reconheceu o reino de Portugal como território independente e D. Afonso Henriques como monarca. 
Hoje, Dia de Portugal, celebramos um dos países mais antigos do mundo - sim, Portugal é um dos 10 países que conquistaram a independência mais cedo. Veja abaixo a lista:


Japão - Unificação dá-se em 660 a.C.

China - Unificação dá-se em 221 a.C.

França - Independente desde 843

Inglaterra - Independente desde 927

Dinamarca - Independente desde 958

Áustria - Independente desde 976

Hungria - Independente desde 1000

Portugal - Independente desde 1139

Mongólia - Independente desde 1206

Tailândia - Independente desde 1238

:::
Sugestão do Google

Notas do meu Diário: A chuva na Primavera



Antes da aurora, a Lita disse-me que choveu toda a noite. Acreditei. Não ouvi nada porque sou meio surdo, um bem para dormir descansado. Um mal porque tenho de usar próteses auditivas. Aberta a janela, pouco depois, confirma-se a triste Primavera que nos coube na roda da vida. Como diz um conhecido cronista, nunca vi uma Primavera assim, mas decerto já passámos por outras semelhantes. Confiadamente, esperamos que o Verão corresponda ao que desejamos. Muito sol, quentinho quanto baste, mas não tão forte que possa estimular os incêndios. 
Por casa, joelhos quentes por manta que afugenta o frio, salamandra apagada porque a lenha se foi com o fumo pela chaminé, a leitura e a escrita são o meu refúgio. Sentado, com o portátil sobre os joelhos, dou uma volta ao imaginário em busca de futuros destinos. Mar à vista, mas a serra como experiência para novos olhares. 
Por perto, o Totti, o velho cão já centenário e agora muito dorminhoco, mal que se tem intensificado desde que a sua companheira, a Tita, deixou este mundo. De vez em quando, levanta a cabeça para saber quem está e volta a passar-se para o mar da tranquilidade que o sono oferece. 
“A vida no Campo”, de Joel Neto, é um livro tranquilizante. Um diário que se lê com muito gosto sem cansar. Joel Neto, que foi jornalista em Lisboa (ainda é cronista no DN), deixou tudo para voltar às suas origens: Ilha Terceira, lugar dos Dois Caminhos, freguesia da Terra Chã. Vive com a mulher e dois cães, em casa com jardim e horta. Na contracapa lê-se: «Rodeado de uma paisagem estonteante, das memórias da infância e de uma panóplia de vizinhos de modos simples e vocação filosófica, descobriu que, afinal, a vida pode mesmo ser mais serena, mais barata e mais livre. E, se calhar, mais inteligente.» 

Fernando Martins 

Nota: Joel Neto é autor de ARQUIPÉLAGO e MERIDIANO 28, duas obras que aguardam vez de leitura. 

Futebol, o espelho do mundo que temos construído




Adriano Miranda 

O doido da família

Frei Bento Domingues

«Em nome do cristianismo, em nome da sua exclusiva posse da verdade, foram muitas vezes condenadas as outras religiões, pois a verdade e o erro não merecem o mesmo respeito.
Do anátema passou-se à tolerância. Não eram igualmente verdadeiras mas, para superar as guerras de religião, o melhor era suportá-las. Mal menor.
O pluralismo humano e cultural apontava para algo mais positivo. Nasceu a teologia sobre as outras religiões, baseada na pergunta: qual a significação que a diversidade religiosa pode ter no plano de Deus?»


1. A Catalunha continua a ser notícia por vários motivos, sobretudo por razões de ordem política. Os meios de comunicação portugueses não foram excepção, mas esqueceram a grande homenagem à figura marcante da cultura catalã actual e de significação universal.
A Generalitat de Catalunya i l'Ajuntament de Barcelona estão a celebrar, em 2018, o Ano de Raimon Panikkar (1918-2010), centenário de um sábio do nosso tempo [1]. Filho de pai indiano e hindu e de mãe catalã católica romana, nasceu em Barcelona, viveu na Índia e morreu rodeado da beleza em Tavertet.
Era padre, cientista, filósofo, teólogo e místico. Sem deixar de ser católico integrou, na sua identidade, vários elementos de outras crenças religiosas. Como diz Ignasi Moreta, editor das suas Obras Completas, das quais já saíram dez volumes, "era uma ponte entre o Oriente e o Ocidente, entre as Letras e as Ciências, entre as expressões do Cristianismo, do Induísmo, do Budismo e do Pensamento Secular".

sábado, 9 de junho de 2018

Aveiro: Ponte Laços de Amizade




No canal,  junto ao Forum,  há uma ponte com nome curioso, no mínimo. Chama-se "Ponte Laços de  Amizade - Poema a Aveiro" e liga aquele espaço comercial ao outro lado. As proteções laterais da ponte estão cheias de fitas assinadas, que traduzem, decerto, a ideia de que as grandes amizades tanto são espontâneas como resultam de pontes que estabelecem ligações de proximidade, que  perduram pela vida fora. Gostei de ver, sim senhor. Mas não pude conhecer as motivações que levaram ao batismo desta ponte, com data de 10-12-2016.

Requalificação da Av. Lourenço Peixinho é uma urgência



«Para além do Rossio, outra zona central da cidade que esteve em discussão na reunião de Câmara de ontem foi a Avenida Dr. Lourenço Peixinho, onde a coligação PSD/CDS que governa a edilidade também pretende intervir. A sétima versão do estudo prévio foi apresentada em traços gerais por Ribau Esteves. De acordo com a descrição do autarca, a nova versão do documento mantém os dois passeios laterais mas com o dobro da largura (cinco metros cada) e com uma linha de árvores em cada um, à custa do separador central, que ficará apenas com um metro. Haverá duas faixas de rodagem em cada sentido, uma das quais será reservada a transportes públicos e bicicletas. Cada uma das margens da principal artéria da cidade terá ainda estacionamento longitudinal.»


Nota: Com o tempo, tudo passa. O que ontem era moda, vai hoje para o caixote do lixo. Sou do tempo em que a Av. Lourenço Peixinho era a sala de visitas de Aveiro, Tudo para ali confluía e tudo ali se celebrava. O comércio da moda concentrava-se naquela avenida e era por ela que passeávamos. Também tomávamos café a apreciar o trânsito de veículos e pessoas. E ao domingo era certo e sabido que lanchávamos num dos cafés ou pastelarias da avenida com a família. 
Depois vieram as grandes superfícies com o Forum à cabeça e tudo se alterou. A sala de visitas mudou-se de armas e bagagens para ambientes mais atrativos e a velha avenida envelheceu. Cá para nós, contudo, ainda será possível rejuvenescê-la. Não voltará aos tempos de ouro, mas poderá ser uma alternativa válida às grandes superfícies. 

Bourdain ficará na memória de muitos



«Um outro dia, anos mais tarde, num zapping televisivo, reapareceu-me Anthony Bourdin. A agilidade fílmica da CNN dava outro enquadramento e ritmo a esta sua nova experiência televisiva. O modelo era diferente: menos intimista, mais cosmopolita, no limiar da antropologia cultural. Era muito interessante ver uma figura saída da cozinha convencional a passear-se por cenários quase “radicais”, das tascas de rua aos locais mais simples e estranhos. Devo confessar, para que não sobrevivam dúvidas, que raramente aquela exploração de culinárias raras me excitou os sentidos, particularmente ao ver Bourdain testar alguns produtos cuja bizarria fazia presumir sabores estranhos.»

Ler mais aqui 

Nota: Confesso que apreciei imenso  Anthony Bourdin nos seus programas televisivos, pela naturalidade na apresentação, pelo apetite que ele nos  suscitava, pela cultura  gastronómica que irradiava, mas não só, e por tudo o que nos ofereceu um pouco de todo o mundo. Não quis continuar a viver e foi pena, porque teria ainda muito mais para nos ensinar. E tenho para mim que o seu estilo dificilmente será  ultrapassado. 

sexta-feira, 8 de junho de 2018

S.O.S. cristãos

Anselmo Borges

1 "A perseguição é um pouco "o ar" do qual o cristão vive ainda hoje, porque também hoje há muitos, muitos mártires, muitos perseguidos por amor a Cristo. Em muitos países os cristãos não têm direitos. Usar uma simples cruz (crucifixo) leva à cadeia. E há pessoas na cadeia; há hoje pessoas condenadas à morte por serem cristãs. Houve pessoas assassinadas e o número hoje é maior do que o dos mártires dos primeiros tempos. São mais. Mas isto não é notícia. Isto não tem lugar nos noticiários, nos jornais, eles não publicam estas coisas. Mas os cristãos são perseguidos."
Quem, mergulhado em tristeza, fez estas declarações foi o Papa Francisco no dia primeiro deste mês de Junho.

2 Como é o Papa, poderia não dar-se muita atenção. "Afinal, está a defender os seus", dirão muitos. Mas há uma jornalista catalã, Pilar Rahola, bem credenciada, que acaba de escrever uma obra de grande investigação, com o título desta crónica - S.O.S. Cristians - e o subtítulo: "A perseguição dos cristãos no mundo de hoje, uma realidade silenciada." Tanto mais credenciada quanto escreve: "O meu racionalismo militante impede-me de acreditar em Deus, mas a minha ética não me impede de respeitar os crentes", "o livro não aborda a moral de um grupo religioso, mas a ética de toda a humanidade. Precisamente por isso, não fala dos cristãos pela sua condição religiosa, mas pela sua condição de vítimas. E é neste ponto que o livro assume um compromisso solidário, uma vontade de arrancar o véu que oculta o sofrimento de centenas de milhares de pessoas perseguidas, maltratadas e assassinadas em pleno século XXI só pelo facto de seguirem a Cristo". Tratando-se de uma perseguição com objectivos de extermínio em vários países, é uma questão de decência ética acabar com o muro do silêncio que se abateu sobre esta tragédia. Como disse o prémio Nobel da Paz, Elie Wiesel, judeu sobrevivente dos campos de extermínio nazis, "O contrário do amor não é o ódio, é a indiferença. O contrário da fé não é a heresia, é a indiferença. E o contrário da vida não é a morte, mas a indiferença entre a vida e a morte".

A nova família de Jesus

Georgino Rocha

"E vem a pergunta crucial: Para mim, quem conta realmente na vida? De quem me sinto mais próximo? Seria muito útil elaborar uma lista de nomes e, por cada um, louvar o Senhor que nos une e aproxima."

Jesus está em Cafarnaúm. Vem da sua terra natal, percorre a Galileia e faz-se hóspede em casa de Simão. Entretanto, chama discípulos, cura doentes, entusiasma tantas pessoas que deixam tudo, o acompanham e acorrem a Ele. Está a ponto de nem sequer poder comer. (Mc 3, 20-35). É impressionante este início da missão em público. A novidade surpreendente mobiliza e interpela. A Nazaré, chegam ecos desta actividade e os familiares põem-se a caminho para O deter, “pois diziam: está fora de Si”. Mais tarde, Jesus volta à sua terra natal e nela é recebido de forma tão hostil que querem lançá-lo por um precipício. Estranha reacção esta, a de O considerarem sem juízo, em vez de se abrirem à novidade, à interrogação, à busca de sentido oculto nas aparências. E eu como me sinto? Qual a minha reacção face à novidade de Jesus? Não podemos nós correr um risco semelhante? Convém estar atentos, lúcidos e abertos.
“A hostilidade e o duro juízo dos familiares de Jesus, anota Manicardi, p. 107, iluminam um dos aspectos das suas escolhas: a sua vida itinerante e celibatária com uma pequena comunidade de discípulos, prejudica economicamente a família, que se vê privada não só de um dos seus membros, mas também das vantagens económicas e do prestígio social que a aliança com outro grupo familiar, garantida por um casamento, teria trazido”

quinta-feira, 7 de junho de 2018

Festival Rádio Faneca abre portas dia 8 de junho

Festival Rádio Faneca regressa de 8 a 10 de junho 
com lançamento de disco e livro da Orquestra da Bida Airada


E se um festival fosse uma rádio, uma odisseia, 
uma orquestra e também um disco?

«“Mais que um festival de música, o Rádio Faneca é um festival de projetos muito especiais que têm um grande legado de Ílhavo e uma história para contar”, quem o diz é Luís Ferreira, diretor do projeto cultural da Câmara Municipal de Ílhavo, 23 Milhas, que organiza a sexta edição do festival, que decorrerá de 8 a 10 de junho, em Ílhavo. É pela importância de organizar o arquivo, que um dos projetos comunitários âncora do festival, a Orquestra da Bida Airada, sob a coordenação artística da ondamarela, lança um CD com os seus maiores sucessos musicais e um livro que, além de reunir sete músicas do repertório original da Orquestra, reflete e partilha o processo de trabalho em comunidade de cinco anos em território ilhavense.
Durante as várias edições da Orquestra, mais de 300 músicos, com ou sem formação musical, juntaram-se à ondamarela e a artistas como Peixe, António Serginho ou os Crassh para criar um cancioneiro pleno de referências, expressões e tradições ilhavenses.»

Texto e foto da CMI.»
Ler mais e ver programa aqui 

Museu Vista Alegre celebra aniversário



Uma boa razão para visitar o Museu Vista Alegre nos dias 16 e 18 de junho.