quarta-feira, 28 de julho de 2021

Igreja do Senhor das Barrocas reabre amanhã


Depois de obras de beneficiação que importaram em cerca de 85 mil euros, a Igreja do Senhor das Barrocas, em Aveiro, reabre amanhã, 29 de Julho. Pelas 21h00, atuará o Coral da Vera Cruz e será apresentada uma nova edição do livro “Igreja do Senhor das Barrocas”, da autoria de Monsenhor João Gaspar.
As obras foram o resultado de uma parceria entre  Câmara Municipal de Aveiro, a Direção Regional de Cultura do Centro e a Paróquia da Vera Cruz.

terça-feira, 27 de julho de 2021

O mar é mais horizonte que fronteira

Mar de São Miguel - Açores

“O mar é mais horizonte que fronteira e é onde sinto a palavra ‘infinito’ sem a saber definir, explicar, mas inunda-me, perpassa todo o corpo, mesmo quando vejo menos, quando desço, com a maresia mais atrevida. Há qualquer coisa que transcende quem mergulha. Quando mergulhamos com a máscara, vê-se a água numa determinada forma; quando atravessamos, já é outra perspetiva; quando sobe e vê a luz, e nós aceleramos o andar por causa da respiração, há uma alegria enorme por virmos respirar naturalmente e encontrar o planeta que tínhamos abandonado por momentos e que nos dá esta alegria de vivermos com estes dons de Deus”

E se transformássemos os nossos dias?

Uma reflexão para os tempos de hoje

Vera Menezes
«E se transformássemos os nossos dias? A nossa vida é tão passageira. É tão frágil. É tão imprevisível.
Não há garantias para ninguém. Pode terminar num piscar de olhos. Quantas vezes dizemos: “Amanhã faço”, “Amanhã digo”, “Depois vou lá”. Temos a tendência de deixar tudo esquecendo que o amanhã é incerto. 
Como cristãos, temos por missão combater o mal, a injustiça, a intolerância, o egoísmo, a miséria, a combater tudo o que impede as pessoas da nossa vida de viverem com dignidade e de serem FELIZES. Então, antes que seja tarde de mais, antes que fique sem tempo, antes que se esqueça, antes que deixe para amanhã, antes de qualquer desculpa, experimente pequenas coisas, gestos simples que enchem o coração e transformam os dias. 
As pequenas atitudes revelam o interesse, o sentimento, a preocupação, mostram que a outra pessoa tirou um pouco do seu tempo, da sua disponibilidade para lembrar-nos que somos importantes. Nada aquece mais a alma do que saber que somos queridos, que alguém se importa connosco. Há mil e uma maneiras de demonstrarmos afeto, de surpreender as pessoas que não conhecemos. 
Preste atenção às pessoas (aos avós, às pessoas mais velhas), olhe-as nos olhos, aprenda a escutar, deseje “Bom dia” a alguém e sorria (mesmo que não o conheça), ofereça a sua companhia com um «Eu estou contigo todos os dias», dê um abraço de coração… o coração agradece “estas coisas pequenas” que se tornam grandes!» Papa Francisco.

Vera Menezes

Nota: Texto apresentado, como reflexão, no final da Eucaristia das 10h30, 
na Igreja Matriz da Gafanha da Nazaré

Nos Mares da Memória - "Estórias" de uma Faina Maior

RTP2 
Quarta-Feira
28 de Julho
23h30


Se Portugal tivesse que enumerar alguns dos seus feitos mais gloriosos, a descoberta dos mares gelados da Terra Nova e da Gronelândia bem como a pesca do bacalhau no século XV, seriam seguramente dois deles. Ao longo de cinco séculos de história os portugueses levaram mais longe o conhecimento nas artes da navegação e da pesca. Foram os primeiros colonizadores dessas terras tão longínquas e, ainda hoje, apesar de praticamente terem abandonado esses lugares, deixaram marcas profundas na cultura local.
Notáveis na inovação e na construção naval, considerada a melhor por exímios navegadores, detiveram uma das maiores frotas de pesca do mundo e o que resta, são unicamente cinco embarcações: o "Creoula", o "Santa Maria Manuela", o "Argus", o "Santo André" e o "Gil Eannes". Perdem-se no tempo as memórias dos poucos que fizeram da pesca do bacalhau a sua senda de vida. Escasseiam as vivências dos que as experienciaram com tanto sacrifício e dedicação.

NOTA: Texto da RTP.

Realização - Rui Bela
Pesquisa e Guião: Senos da Fonseca

segunda-feira, 26 de julho de 2021

Rapazes e velhos

Publicado neste dia de há seis anos

"Enquanto houver rapazes de quarenta anos, é justo que se desculpem as leviandades dos velhos de dezassete"

Camilo Castelo Branco 
(1825-1890),
escritor português

Papa defende um mundo com alimentos para todos

O Papa enviou hoje uma mensagem ao secretário-geral da ONU, António Guterres, 
defendendo um mundo com alimento para todos, 
que dê prioridade às populações mais excluídas.


Diz o Papa Francisco que temos de "garantir o direito fundamental a um padrão de vida adequado e cumprir os nossos compromissos para atingir a meta da Fome Zero". Acrescenta que "é necessária uma nova mentalidade", criando "sistemas alimentares que protejam a Terra e mantenham a dignidade da pessoa humana no centro; que garantam alimentos suficientes globalmente e promovam trabalho decente localmente; e que alimentam o mundo hoje, sem comprometer o futuro".
Refere o Papa que é "imprescindível recuperar a centralidade do setor rural, do qual depende a satisfação de numerosas necessidades humanas básicas", sendo urgente "que o setor agropecuário reconquiste um papel prioritário no processo decisório político e económico, visando delinear o quadro. do processo de 'reinicialização' pós-pandémica em construção". 
"Nesse processo, os pequenos agricultores e famílias agrícolas devem ser considerados atores privilegiados. Seu conhecimento tradicional não deve ser esquecido ou ignorado, enquanto seu envolvimento direto permite que eles entendam melhor as suas reais necessidades e prioridades", lembra o Santo Padre. E ainda frisa que é fundamental "facilitar o acesso dos pequenos agricultores e da agricultura familiar aos serviços necessários à produção, comercialização e utilização dos recursos agrícolas", salienta o Papa na sua Mensagem dirigida à pré-cimeira dos Sistemas Alimentares da ONU.

Ler toda a mensagem aqui 

domingo, 25 de julho de 2021

Frei Bento Domingues regressa em Setembro

Frei Bento Domingues está de férias no PÚBLICO. Voltará em Setembro. Assim esperam os seus leitores habituais de domingo. Como eu.
Realmente, costumo publicar a sua crónica no meu blogue, com todo o prazer, ou não seja Frei Bento Domingues um despertador extraordinário que nos indica, semana após semana, caminhos inspirados nos ensinamentos de Jesus Cristo. 
Eu sei que há outros cronistas que também nos iluminam trajetos de vida que nos conduzam para além dos quotidianos triviais, mas sinto que Frei Bento tem um dom especial para nos acordar. 
Por aqui ficaremos à sua espera em Setembro, com votos de reconfortantes férias.

sábado, 24 de julho de 2021

O sétimo mandamento: contra os ladrões

Crónica de Anselmo Borges 
no Diário de Notícias



«O roubo começa e está presente das maneiras mais diversas, até na vida quotidiana: viajar nos transportes públicos sem bilhete, não chegar a horas ao trabalho, evasões fiscais, estragar a natureza, construções sem garantia, declarações falsas de doença, fogo posto, má condução nas estradas, incompetência no desempenho das diferentes tarefas e funções, tráfico de drogas, branqueamento de capitais, danificar a propriedade pública e privada, irresponsabilidade no uso e aplicação dos dinheiros públicos, corrupção activa e passiva, falsificações alimentares, tirar aos outros o seu tempo precioso...»

1- Há um mandamento da lei de Deus (quem é que ainda se lembra que os mandamentos são dez?) - o sétimo - que diz: "Não roubarás."
Antes de mais, é preciso esclarecer que os mandamentos da lei de Deus - o Decálogo - são dados em nome do Deus libertador do povo escravizado no Egipto. Todo o Antigo Testamento tem como eixo essa experiência essencial da libertação da escravidão. Assim, por paradoxal que pareça, os mandamentos, em última análise, resumem-se nesta ordem: sois livres, não escravizeis ninguém, não vos deixeis escravizar por nada nem por ninguém, não sejais escravos de vós próprios.

Férias só para alguns?

António Marcelino, 
antigo  Bispo de Aveiro 

«Muitas instituições particulares de solidariedade social têm proporcionado uns dias de praia às crianças. Algumas destas instituições, pelas restrições a que têm sido sujeitas, vão deixando de o poder fazer. Outras, com dificuldade embora, têm continuado a proporcionar este bem.
Recordo que uma diocese de Portugal, a de Coimbra, promoveu, há tempos, férias para filhos de pais desempregados. Não poderão outras entidades fazer o mesmo? Não poderão também algumas famílias assumir nas suas férias uma ou mais crianças que precisem de sol e mar e que os pais não lhos podem dar

Ler mais aqui 

NOTA: Boa questão é esta que o antigo Bispo de Aveiro levantou, há 10 anos, com verdadeiro sentido de oportunidade. 

sexta-feira, 23 de julho de 2021

A Terra não nos pertence


“A Terra não nos pertence. Esta noção fundamental é-nos lembrada pelos ecologistas. Deixando de lado todos os fenómenos espúrios, considero que esta nova atenção consagrada ao ambiente é um acontecimento capital para a história da Humanidade.”

Abbé Pierre

Nota: Se vai de férias, reconheça a riqueza que é para nós podermos usufruir da natureza linda, limpa e asseada. E deixe-a melhor do que a encontrou.