terça-feira, 26 de março de 2019

Júlio Cirino apresenta “Gafanha da Nazaré — aventuras, desportos, jogos e brincadeiras”

Júlio Cirino com Dinis Ramos e Manuel Serafim, dois amigos da infância
Grupo Coral da Universidade Sénior
“Gafanha da Nazaré — aventuras, desportos, jogos e brincadeiras” é o mais recente livro de Júlio Cirino. Vem na sequência de “Gafanha da Nazaré — Memória Histórico-Antropológica”, carregado com recordações que, para além do mais, contribuirá para a unidade de um povo com origens diversas. E se no primeiro abordou temas mais voltados para a problemática da formação e ocupação do espaço que habitamos, com riqueza de pormenores relacionados com gentes e costumes, neste segundo trabalho o autor foi à cata de assuntos que dão substrato ao dia a dia dos nossos antepassados até hoje, como está claro no subtítulo do livro. 
Sentimos, com gosto, quanto o Júlio Cirino soube estruturar este trabalho, apoiado na sua intervenção social, cultural e desportiva, denotando tarefas de um sem-número de contactos, pesquisas e achados quase inacessíveis, para mostrar à saciedade aventuras, desportos, jogos e brincadeiras, com uma sensibilidade que chega a comover. E a visão do que viveu, ouviu, leu, aprendeu e ensinou, com as credenciais que advêm do seu envolvimento na área desportiva, como praticante, mas sobretudo como treinador de atletas de expressão regional, nacional e internacional, refletem-se nesta obra. 
O currículo do Júlio Cirino está bem patente na badana da capa, onde se diz que trabalhou com as seleções de Cuba e Alemanha, enquanto treinou atletas nacionais de lançamentos, tendo participado, nessa qualidade, em quatro Jogos Olímpicos. Teresa Machado foi, em nosso entender, a atleta que mais alto subiu, sendo considerada pelas maiores autoridades do atletismo mundial como «das melhores executantes do lançamento do disco de todos os tempos», lembra o autor, no espaço que lhe dedicou. 
Quem se debruçar sobre “Gafanha da Nazaré — aventuras, desportos, jogos e brincadeiras”, não deixará de reconhecer a interminável lista de entrevistados e citados, mas também notará a sua excelente memória. O que viveu e sentiu, o que experienciou em jogos e brincadeiras, o que ouviu e observou, o que questionou e refletiu, o que buscou de porta em porta, o que surribou à procura das nossas raízes, de tudo se serviu para adubar as nossas recordações, quantas delas fechadas a sete chaves, por razões que o tempo diluiu. E tudo transplantou para deixar aos vindouros como registo precioso da nossa memória coletiva.

domingo, 24 de março de 2019

Leonor Xavier: Abusos sexuais e violência doméstica


«Abusos sexuais na Igreja? Pedofilia? Já sabemos. A Comunicação Social anuncia, disserta, desenvolve. A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) já se pronunciou. Alguns bispos evocaram, nos seus documentos quaresmais. O assunto não morreu, o tema ressuscita a cada dia. É mais que universal. Monstruoso. 
Tomando outro enfoque, centro-me na nossa concreta sociedade, em que, sem distinção de classes, a tradição, o costume, a prática de violência doméstica são hoje notícia constante. Os números cortam-me: doze mulheres assassinadas nas primeiras dez semanas do ano. Nas primeiras doze semanas, 131 suspeitos de crimes de violência doméstica por violação, lenocínio, agressão grave. Por dia, duas pessoas, homens e mulheres, detidas por violência doméstica, neste primeiro trimestre do ano. Falam os magistrados em “números negros”, a procuradora-geral da República classifica “este cenário desolador”.»

Ler mais aqui 

Dia Nacional do Estudante - Estarei sempre com eles


O Dia Nacional do Estudante comemora-se anualmente no dia 24 de março, para relembrar as dificuldades que os jovens enfrentaram nas décadas de 60, aquando da crise académica que aconteceu no nosso país. Em princípio, importa preservar a história das lutas travadas em nome de prioridades por cumprir em tempos idos. Contudo, sinto que nos nossos dias e sempre há e haverá justas reivindicações em prol de uma Escola livre, libertadora e capaz de se orientar por princípios de justiça e de integração de todos os estudantes, independentemente das suas origens e condições sociais. 
Sou do tempo em que a Escola era só para alguns, porque a pobreza exigia de todos a luta pelo pão de cada dia. O trabalho infantil, que agora condenamos, ao tempo era o pão nosso de cada dia. Completada a 3.ª ou 4.ª classe, era normal a procura de emprego em trabalhos nada condizentes com as capacidades físicas dos adolescentes. E para alguns, como aconteceu na minha meninice e adolescência, os estudos somente teriam lugar à noite ou muito mais tarde. Felizmente, com o passar das décadas, tudo foi melhorando, paulatinamente, embora subsistam lacunas em pleno séc. XXI. 
Presentemente, os estudantes têm outra visão do mundo e do seu futuro. Sabem o que querem, teimam em lutar contra o status sem horizontes e reivindicam o que consideram justo e lhes é negado por uma sociedade muitas vezes egoísta e castradora. Estou eles neste dia e sempre. 

Fernando Martins

Anselmo Borges - Uma Quaresma para o mundo


«Hoje, sabemos que o jejum e a abstinência contribuem em grande medida para a saúde e até para a beleza. Quanto à espiritualidade, não há dúvida. Significativamente, a sabedoria de todas as religiões esteve sempre aberta ao jejum sadio.»

1. Uma ilustre Catedrática da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto entrou em contacto comigo, porque queria saber algo sobre a relação entre o jejum e a espiritualidade. 
Lembrei-me então de que estamos na Quaresma. Ela é mais para os católicos, que durante 40 dias se preparam, pelo menos, deveriam fazê-lo, para a festa que constitui o centro do cristianismo, a Páscoa. De qualquer forma, animam-na ou devem animá-la valores que são universais, de tal modo que poderíamos fazer a pergunta: Como seria o mundo, se tivesse anualmente a sua Quaresma, tendo na sua base esses valores: jejum, abstinência, oração, silêncio, esmola, sacrifício, conversão? 

2. O que se segue é uma breve reflexão que tenta responder a esta pergunta. Começando pela urgência de um retiro. De facto, a Quaresma refere-se aos 40 anos que os judeus passaram no deserto a caminho da Terra Prometida e aos 40 dias que Jesus esteve no deserto, em retiro, preparando-se para a sua vida pública, na qual o centro seria a proclamação, por palavras e obras, do Evangelho, a mensagem da salvação de Deus para todos os homens e mulheres. 
Aí está: retirar-se para meditar e reflectir. O que mais falta faz hoje. Quem se retira para fora do barulho e da confusão do mundo, para meditar e reflectir, ir mais fundo e mais longe, ao essencial? O sentido dos 40 anos e dos 40 dias: a libertação da opressão e da escravidão, a caminho da liberdade e, consequentemente, da dignidade. Para a felicidade, evidentemente. 
Neste contexto, os valores da Quaresma. 

Bento Domingues: Deus não sabia o seu nome?

"O que importa é libertar a catequese,
as homilias, a teologia de rotinas
que impedem a alegria do Evangelho
para os dias de hoje."

1. Se Deus fala, é porque tem boca e diz coisas com sentido. Se tem boca, tem de ter um rosto. Se tem um rosto, tem uma cabeça. Quem já viu essa boca a pronunciar palavras? Numa reunião de catequese, a catequista viu-se surpreendida com essa pergunta de uma criança, já não tão criança. Ela própria ficou tão embaraçada que lhe disse: ó menina, isso não é pergunta que se faça, é uma maneira de dizer. A criança insistiu: mas Deus fala ou não fala?
No ambiente litúrgico e catequético, e até na linguagem corrente, os líderes das comunidades cristãs não se dão conta, pelo hábito de falar sem se explicarem, dando por sabido o que nem eles sabem, de que estão a preparar pessoas para confessar um credo e praticar rituais, mas sem a mínima inteligência do que dizem e fazem. Com o tempo, estão a preparar descrentes.
Já na Idade Média, Tomás de Aquino afirmava que, quando se pretende levar alguém à inteligência da raiz da verdade que confessa, tem muito que investigar para responder à pergunta: como é que é verdade aquilo que confessas ser verdade? Não basta recorrer a argumentos de autoridade. Nesse caso, o ouvinte fica sem ciência nenhuma e vai-se embora de cabeça vazia [1]. Não é boa recomendação a fé ignorante.
No âmbito religioso, estamos tão habituados a um certo uso da linguagem que julgamos estar sempre perante comunidades que merecem o elogio de S. Paulo: “Tendo recebido a palavra de Deus, que nós vos anunciámos, vós a acolhestes não como palavra de seres humanos, mas como ela é verdadeiramente: palavra de Deus, a qual também actua em vós que acreditais.” [2]
A criança a que nos referimos diria ao apóstolo: e como é que sabes que é palavra de Deus, se todas essas palavras são humanas, criadas por seres humanos?

sábado, 23 de março de 2019

Santuário de Schoenstatt - O silêncio está à nossa porta



Uma passagem pelo Santuário de Schoenstatt, hoje, sábado, deu para sentir quanto vale o silêncio que ali se respira. Envolvido pelo arvoredo com recantos ajardinados, cuidados e com bom gosto, sem ruídos perturbadores, somos levados à contemplação e à procura do encontro com o divino. 
Entrámos no Santuário e fomos contagiados pelo recolhimento de quem estava em oração, perante o Santíssimo Exposto. Há situações que nos despertam para a procura do transcendente, sem ser necessário procurar longe das nossas portas o que temos de mão beijada ao atravessar da rua. Passem por lá para poderem confirmar.

FM

sexta-feira, 22 de março de 2019