sábado, 30 de novembro de 2019

Livro de Jorge Arroteia: "Migrações Bíblicas"


O LIVRO

“Migrações bíblicas” (Ed. Tempo Novo; 400 páginas; PVP: 15 euros) é um estudo sobre os movimentos de pessoas e povos nas terras bíblicas (Médio Oriente).

“Através de uma narrativa dinâmica que nos coloca em contacto com o mistério insondável da natureza humana, escutando o ruído do homem nas rotas descritas na Bíblia, o autor analisa esses diversos percursos, levando-nos ao encontro de protagonistas individuais e coletivos, triunfantes e oprimidos; somos confrontados, através deste contributo analítico, com momentos dramáticos da história do povo hebreu, de uma história tecida de sofrimento e glória” (do Prefácio, assinado por Cassiano Reimão).

Ler mais aqui 

Costa Nova - Pôr do Sol e Casas Típicas


Fonte - Porto de Aveiro

Sociedade fraterna a caminho


A partir de amanhã, 1 de dezembro, este meu blogue franqueia portas para acolher a colaboração de quem estiver aberto à partilha de temas de Advento e Natal. Prosa, poesia, fotografias, provérbios ou mensagens terão espaço livre. Textos curtos que traduzam otimismo e certezas de uma sociedade fraterna já a caminho. Tudo Pela Positiva. 

Fernando Martins

sexta-feira, 29 de novembro de 2019

Que Igreja (não) tem futuro?


Dia de Não Comprar Nada



Estava longe de pensar que também havia o Dia de Não Comprar Nada, mas há. Segundo se pode ler no Google, foi criado pelo artista Ted Friday, no Canadá, em 1992, com o intuito de chamar a atenção para os problemas relacionados com o consumo desenfreado. Hoje, é celebrado em 60 países, mas cá em Portugal acho que poucos falarão dele e todos atiram para o lado a ideia de não comprar nada. 
Realmente é muito difícil levar à prática a abstenção completa ao nível de compras… e vendas. 
Ricos e pobres precisam de comer, ricos e pobres precisam de sair para trabalhar, ricos e pobres têm de comprar medicação, ricos e pobres compram os jornais, ricos e pobres tomam café, ricos e pobres precisam de beber um refresco ou um copo de vinho, ricos e pobres precisam de sair para arejar o espírito. Digam lá como é que podemos passar um dia sem comprar seja o que for. E já viram o que seria se o comércio todo fechasse… e se a indústria parasse por um dia? 

F. M.

Georgino Rocha - Acolher com amor o Senhor que vem

Advento - Domingo I

«O amor ao Senhor Jesus impele-nos para o serviço gratuito dos nossos irmãos em humanidade e na fé. E será a realização do Advento do Senhor que vem!»

Chega o Advento que nos vai levar à celebração do Natal de Jesus. Nos seus quatro domingos, faz-nos contemplar as promessas de Deus ao seu povo narradas pelo Evangelho de Mateus. Estas promessas estão centradas na vinda do Messias que é anunciado por profetas, sábios e reis e realizam-se em Jesus de Nazaré. O Ano litúrgico faz-nos celebrar a maravilha do acontecimento da salvação e aguardar a vinda gloriosa de Cristo Senhor com alegria e esperança.
Jesus, segundo a leitura de hoje, dirige uma exortação veemente aos discípulos e, por eles, a todos os cristãos, ao longo da história: Estai preparados. Vigiai. “Não sabeis em que dia virá o vosso Senhor”. Trata-se de uma vigilância activa para acolher Quem vai chegar, de estar desperto e preparado, de ver os sinais que indiciam a sua proximidade, de entender o que acontece e de não se deixar enganar pelas aparências. De contrário, a sonolência, o ram-ram das rotinas, a obsessão das preocupações e tantos outros estados de espírito provocam a inadvertência ou semeiam a confusão e o distanciamento. De contrário, os prazeres da vida, de que fala a 2ª leitura, a correria do trabalho e do lazer, a desatenção e a indiferença isolam e amortecem os sentidos face ao que está prestes a acontecer. Assim, as pessoas serão apanhadas pela surpresa que pode ser fatal. Mt 24, 37-44.

quinta-feira, 28 de novembro de 2019

PORTUGAL - O melhor destino turístico do mundo

«Portugal foi distinguido como melhor destino turístico do mundo pelo terceiro ano consecutivo pelos World Travel Awards, numa cerimónia que se realizou hoje em Mascate, Omã.
Esta distinção foi atribuída pela primeira vez a Portugal em 2017, renovada em 2018 e, novamente, em 2019, sendo que já em junho, o país tinha sido reeleito o melhor Destino Turístico da Europa também pelo terceiro ano consecutivo, na ocasião numa cerimónia que decorreu na Madeira.»

Li aqui 

Distinções como esta sabem bem ao nosso ego. Um reconhecimento com este nível tem de trazer algo de bom, à partida,  para o nosso turismo e para os milhares de empresários e empregados ligados ao setor. O contrário seria mau, obviamente. Contudo, já tenho ouvido dizer que há autarcas, mas não só, que não aplaudem o excesso de turistas. No meio estará a virtude.
Nas viagens que vou fazendo pelo nosso país, agora com menos assiduidade, dou-me conta das belezas naturais que nos envolvem. Um dia destes, talvez publique algumas fotos que me remetem para agradáveis momentos de prazer. 

Grandes veleiros...

Só para recordar - Foto de 2015


Um projeto interessante - "Se esta rua fosse minha…"

Portas d'Água
No CDI (Centro de Documentação de Ílhavo), está em curso um projeto interessante, para o qual todos podemos contribuir. Trata-se de recolher informação sobre a história de cada rua, beco, praça, ponte e outros, como se lê na página da CMI. 
“Se esta rua fosse minha…” é um desafio posto a cada um de nós, munícipes, no sentido de partilharmos saberes referentes à nosso toponímia, uma preciosa ajuda para nos alicerçarmos nas raízes de cada canto das freguesias do concelho de Ílhavo. Raízes que alimentam o presente e projetam o futuro. 
Tudo será mais fácil se soubermos estimular a recolha de informação alusiva  à nossa rua, destacando  pormenores, nomeadamente monumentos, pessoas e acontecimentos, que os há em cada canto. Importa, com tudo isto, envolver a comunidade e integrando-a, potenciando o reconhecimento do território e estimulando o apego às raízes. 
O desafio, que nos chegou da Câmara de Ílhavo, aqui fica, na certeza de que estaremos dispostos a dar o que pudermos e soubermos. 

F. M. 

Ler mais aqui 

quarta-feira, 27 de novembro de 2019

D. Manuel II em Aveiro


Efeméride: 27 de novembro de 1908 

D. Manuel II, o ultimo rei de Portugal, visitou Aveiro no dia 27 de novembro de 1908, para gáudio dos monárquicos e descontentamento dos republicanos. Pondo de lado os aplausos dos seus adeptos e as críticas dos defensores de outra forma de governo, recordo apenas que D. Manuel foi, que eu saiba, o único rei que passou pela nossa terra, numa visita às obras da Barra. Tudo isto nos tem sido contado pela História e, neste caso, por um trabalho de Armando Tavares da Silva — D. Manuel II e Aveiro – Uma Visita Histórica (27 de Novembro de 1908). O autor, Prof. Catedrático da Universidade de Coimbra, aposentado, também escreveu “A presença portuguesa na Guiné – História Política e Militar” e “Camões e a Química – A Química em Camões”. 

Hoje, porém, venho com uma curiosidade. 

«Quem, nos dias de hoje, entrar na Sala das Sessões da Câmara Municipal de Aveiro e lançar um olhar atento sobre o conjunto das cadeiras de alto espaldar que a ornamentam, tenderá a reter no seu cérebro uma certa impressão de assimetria. Para além das dez que, em posição frontal, se encontram alinhadas ao longo da vasta mesa, uma outra se encontra encostada à parede do seu lado direito, mas faltando no lado oposto a que formaria o seu par.» 

A tal cadeira que falta foi ofertada a el-rei D. Manuel II que, durante a sua visita a Aveiro, manifestou desejo de a possuir. Presentemente, encontra-se no Paço Ducal e Vila Viçosa. 

Nota: Informações colhidas no referido livro, editado em 2007. 

terça-feira, 26 de novembro de 2019

OIÃ - Uma terra com história







Uma passagem por Oiã, freguesia do concelho de Oliveira do Bairro, deu para perceber que se trata de uma povoação com raízes na história local, mas não só. No Largo do Cruzeiro (séc XVII), lembrei-me de um bom amigo, Armor Pires Mota, que conheci no meio jornalístico, poeta, cronista, romancista e historiador local, com obra muito expressiva e fundamental para o conhecimento da região. Em casa, saboreei umas páginas do seu livro "Oiã - Terras e Gentes", com data de 1991, que recomendo, agora, decerto, em outra edição. 
Como desafio a uma visita, aqui ficam referências ao Cruzeiro (construído em 1690, restaurado em 1940 e reconstruído em 2002) e à homenagem a um médico que à terra e ao povo se deu sem regatear esforços.

Jorge de Jesus - De bestial a besta?

Tenho acompanhado as vitórias de Jorge de Jesus no Brasil, ao serviço do Flamengo, conseguidas em cerca de meio ano. Alvo de algumas críticas no início do seu contrato com o “maior clube do mundo” a nível de torcedores, venceu com mérito o que toda a gente já sabe. Um crítico, logo criticado, já pediu desculpas pelo que disse. Contra vitórias destas, logo duas de expressão futebolística ao mais alto nível, não há argumentos para rebater. 
No dealbar dos festejos, vieram logo as perguntas da praxe: — Vai continuar no Flamengo? E Jorge de Jesus, que terá muito traquejo neste mundo do futebol, adiantou que há vários fatores a ponderar. E um deles será, sem dúvida, fugir ao velho ditado, que tem demonstrado, à evidência, que de um jogo para outro, qualquer treinador, por mais condecorado que seja, pode passar de bestial a besta. 

F. M.

segunda-feira, 25 de novembro de 2019

O que escrevi há 10 anos

Há muitos anos que paro um dia inteiro. Fico entregue a mim mesmo e aos meus. Como que retirado no mundo, mas a olhar quem passa. Presente, contudo, bem presente nas minhas recordações, um incontável número de familiares e amigos. Uns que conheci e me acompanharam na vida, outros que me chegaram pela tradição oral. E muitos daqueles, ontem, se lembraram de mim. E todos eles vieram com palavras muito amigas e com recordações de algum momentos gratificantes recolhidos do que lhes disse e da forma como o fiz.
É claro que já perceberam que foi o dia do meu aniversário, repetido setenta e uma vezes [agora 81]. Pois é verdade. Venci mais uma barreira, a dos 70 [80] com o ânimo robustecido por tantos e tantos amigos. Todos ao lado de uma família que me deu tudo. Mesmo tudo o que sempre desejei.
As recordações de ontem hão-de vir para este meu espaço, ao sabor da maré que me enche a alma. Sem pressas.

Aqui ficam os meus agradecimentos pelos muitos gestos de amizade que ontem me chegaram.

Fernando Martins

Gafanha da Nazaré, 25 de novembro de 2009 [2019]

domingo, 24 de novembro de 2019

Bento Domingues - Hoje estarás comigo no paraíso


«Jesus já tinha rezado por todos os que o condenaram e maltrataram. Não tinha inferno para ninguém e deixou-nos uma missão: tirai as pessoas do inferno em que vivem.»

1. Anselmo Borges publicou, recentemente, dois artigos sobre A pena de morte e o inferno [1]. São duas peças notáveis de filosofia e teologia que é preciso meditar para perceber as razões que o levaram a dizer: Não há inferno. E, para explicitar mais o sentido dessa afirmação, remete para o livro editado pela Gradiva, Conversas com Anselmo Borges.
Antes de manifestar o prazer e o proveito que essa obra me ofereceu, gostaria de contar uma história que se passou comigo, numa aula de teologia, em Fátima, no âmbito dos Cursos de Verão do Instituto de S. Tomás de Aquino (ISTA).
Numa dessas aulas perguntaram-me se há ou não há inferno. Respondi que a minha esperança era nunca chegar a saber. Comentei, a brincar, que um amigo dizia que talvez existisse, pois sem ele os padres não tinham um instrumento forte para meter medo aos seus fregueses com a repetição cadenciada do estribilho dos sermões de Quaresma e de preparação para uma confissão assustada: sempre, nunca! Quem é condenado ao inferno, nunca de lá pode sair.
A resposta não caiu bem. Uma aluna indignada gritou-me: com coisas sérias não se brinca. O inferno existe. Nossa Senhora mostrou-o aos pastorinhos, junto da actual Capelinha das Aparições.
Tentei mostrar que acreditar em Fátima não fazia parte do credo da Igreja. É possível ser católico e não acreditar em Fátima. As impressões das criancinhas estavam condicionadas pelas figurações que aprendiam na catequese, nos sermões, nas conversas e orações das respectivas famílias. Nossa Senhora teria de lhes falar no imaginário e na linguagem que elas pudessem entender. As crianças também têm direito à imaginação e cada um à sua opinião.

BÍBLIA - Tradução de Frederico Lourenço

Adquiri hoje o Tomo 2 do IV Volume da BÍBLIA, numa tradução do grego de Frederico Lourenço. Para mim, é um prazer enorme reler a BÍBLIA nesta edição da Quetzal, enriquecida pelos comentários do tradutor, oportunos e esclarecedores. Frederico Lourenço não é um tradutor qualquer, pelo que sei. E também é um escritor de mérito. É mesmo especialista e docente universitário  de Literatura Grega. 
A Bíblia faz parte da minha biblioteca desde que os livros começaram a despertar-me interesse. Direi mesmo uma certa e salutar paixão que se tem mantido viva e atuante. 
Gosto de ler o Livro Sagrado ao ritmo da maré. Serenamente, sem provocar cansaço e na perspetiva de saborear a presença de Deus no mundo... Ele anda por aí. 

«O importante é esta Bíblia, um grande livro que decerto perdurará muitos, muitos anos na reduzida prateleira da Grande Arte da nossa Literatura, pelo seu rigor, pela sua beleza, pela sua absoluta e luminosa fidelidade. Como português agradeço do coração a Frederico Lourenço. Como escritor agradeço-lhe do fundo da alma. A Arte não é um desporto de competição e a Casa do Pai tem muitas moradas.» 

[António Lobo Antunes] 

Na cinta do livro 

Para onde irei, longe do Teu espírito? 
E longe do Teu rosto para onde fugirei? 
Se eu subir ao céu, Tu estás lá; 
se eu descer ao Hades, estás presente. 
Se eu tomar as minhas asas de madrugada 
E habitar nas extremidades do mar, 
Também aí a Tua mão me conduzirá; 
E a Tua dextra me segurará. 
E eu disse: «Então escuridão me espezinhará; 
E a noite será iluminação no meu prazer.» 
Porque escuridão não será escurecida devido a Ti; 
E noite como dia será iluminada. 

Salmo 138 (= 139 BH), 7-12 

Capa da contracapa

Anselmo Borges - Profundíssima e reverendíssima reforma


«Frei Bartolomeu dos Mártires seria um apoiante firme de Francisco e das suas reformas, de que foi aliás precursor. Se vivesse hoje, aplaudiria, com todo o coração e inteligência, Francisco, pois foi com um Papa como ele que terá sonhado»

1. Participaram dois cardeais, duas dezenas de bispos, muitos fiéis, entre os quais o Presidente da República, na Sé de Braga completamente cheia. Foi no passado dia 10 deste mês de novembro, na canonização de frei Bartolomeu dos Mártires, antigo arcebispo de Braga. Marcelo Rebelo de Sousa disse o essencial: "Foi um bispo reformador, pobre e amigo dos pobres, pastor, intelectual e, do ponto de vista teológico e sociológico, um homem muito à frente do seu tempo."
Nesse mesmo dia, o Papa Francisco, na recitação do Angelus, disse dele que foi "um grande evangelizador e pastor do seu povo". Pessoalmente, não duvido de que, se vivesse hoje, frei Bartolomeu dos Mártires seria um apoiante firme de Francisco e das suas reformas, de que foi aliás precursor. Se vivesse hoje, aplaudiria, com todo o coração e inteligência, Francisco, pois foi com um Papa como ele que terá sonhado. Não se pode esquecer que, no encerramento do Concílio Vaticano II, o Papa Paulo VI ofereceu a cada um dos bispos uma das suas obras, o célebre Estímulo de Pastores. Na sua essência, uma canonização só pode ter por finalidade apresentar um modelo de vida a seguir, e não há dúvida de que frei Bartolomeu dos Mártires é um exemplo vivo de pastor para todos os pastores. Ele foi, pela sua vida e pela sua palavra, com desassombro e frontalidade, uma das figuras mais eminentes para a reforma de uma Igreja que, no século XVI, atravessava uma profundíssima crise. Não pregou só pela palavra, pregava pelo exemplo. Quando confrades dominicanos e outros o tentavam demover dos rigores que a si próprio se impunha, respondia: "Permanecerei contumaz numa única coisa: conservar-me-ei afastadíssimo de todo o fausto e esplendor da casa e da família. Hei de manter como bispo a mesma humildade e cuidado do meu corpo, na mesa e coisas semelhantes, que observei como frade. Nenhuma força me desviará deste propósito."

sábado, 23 de novembro de 2019

Há mais sem-abrigo em Aveiro


Cresceu o número de pessoas sem-abrigo em Aveiro. No primeiro semestre deste ano, foram contabilizadas 37 pessoas “Sem tecto”, ou seja, que vivem na rua ou num edifício abandonado, e 22 “Sem casa”, que pernoitam em pensões e casas de acolhimento.O segundo semestre ainda não terminou, mas há a percepção de que quando os últimos seis meses do ano forem contabilizados serão mais as pessoas a viver nas ruas ou em edifícios abandonados do que há seis meses. A instituição Florinhas do Vouga, com o projecto “Ceia com Calor”, que distribui diariamente um suplemento alimentar aos sem-abri­go de Aveiro, integra o Gru­po de Intervenção e Monotorização e Avaliação da Estratégia Nacional para a Integração de Pessoas em Situação de Sem Abrigo, e tem mantido o contacto com as acções desenvolvidas nesta área pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. 

Leia a notícia completa na edição em papel. 

Fonte: João Peixinho no Diário de Aveiro  de hoje.

NOTA: Se cada cidade resolvesse o  problema dos seus sem-abrigo, tudo seria muito mais fácil.

Gaivota desconfiada


Que quer o fotógrafo? É já a terceira vez que ouço um clique. Deixa-me em paz, que preciso de descansar e de sonhar novos desafios...

sexta-feira, 22 de novembro de 2019

Os livros são quase pessoas

Crónica de António Rego no "Correio da Manhã" - Folhas secas 



Os livros são quase pessoas. Não ouvem, nem veem, nem falam. Mas têm alma quase mais forte que a vida que em nós palpita. Melhor que nós compõem a eternidade. Fio onde subtilmente corre o nosso pensamento, tornam-se mais velozes que nós próprios. Empilhados em estantes parecem fúnebres, sequência de campas em fila de cemitério. Atravessamos as suas ruas sem dizer nem escutar palavras, levantam uma poeira que nos faz arder os olhos e perturba as aparências do nada que compõem os enigmas que se escondem nas suas páginas. Mas são uma cátedra, um púlpito, uma vida, um recheio interminável de saber, um amontoado de gerações, um ventre sereno da arte e do saber. Uma estrada aberta, plantada de mil plantas. 

É nos serenos silêncios 
que se escrevem 
os nossos melhores discursos 

Se entro pela estrada do digital, não vejo cruzes, tropeço na ramagem quase mais ruidosa que as folhas de Novembro, que se enrolam nos pés à passagem nos corredores da floresta ressequida. E todavia sinto que também nesse percurso há um diálogo, parecido com o discurso, que tanto mais se sente quanto maior é o silêncio. Até por vezes me parece ouvir a folhagem a dizer nomes vivos e até expressar ideias que nunca me haviam ocorrido.

Festa de Cristo Rei

Georgino Rocha - Hoje estarás comigo no paraíso




Jesus responde, com esta certeza/promessa, à súplica do condenado à morte que está crucificado à sua direita. A súplica brota do reconhecimento da inocência de Jesus, injustamente sentenciado. Não assim, ele e o seu parceiro de aventuras malfeitoras. “Lembra-te de mim quando vieres com a tua realeza”, pede confiante, após ter censurado o colega pelos insultos e imprecações que vociferava. Apesar de ambos quererem salvar-se, que contraste de atitudes e sentimentos, de perspectivas e desejos! Um queria voltar à fase anterior à condenação, outro abre-se confiadamente à nova situação que intui de Jesus e humildemente faz-lhe um pedido comovedor. Lc 23, 35-43.
“Lembra-te de mim” é prece que tem sentido profético e ecoará por todo o tempo, fruto dos corações silenciados pela violência torturante, pela fome e pelas doenças esgotantes. Escutar e dar resposta a estes dramas é respeitar a humanidade, viver a solidariedade, potenciar a fraternidade. E está ao alcance de todos, sobretudo de quem, autorizado pelo povo, detém o poder. Sejamos humanos, escutemos os gemidos dos nossos irmãos!

quinta-feira, 21 de novembro de 2019

Dia Mundial da Televisão

Celebra-se hoje, 21 de novembro, o Dia Mundial da Televisão. Esta data foi proclamada pelas Nações Unidas em dezembro de 1996. 
Em Portugal, a TV iniciou a sua atividade em 1957, a preto e branco, e a cores somente em 1980, com o Festival da Canção. Depois, aconteceu o que toda a gente sabe. 
A TV é um polo  de atração generalizado, por muito que a contestemos. Realmente, serão poucos os que a recusam... E até acontece a bastantes pessoas, onde estou incluído, que têm  a TV ligada, enquanto conversam, leem ou dormem. Eu, nesta altura, até estou a escrever esta nota, enquanto a TV trabalha para ninguém.
Terá muita coisa má e até péssima, mas também dela beneficiamos imenso. Só o saber que a TV é a companhia única de muitos, merece os nossos aplausos.

Fui ao quintal para apalpar o tempo


Fui ao quintal para apalpar o tempo. Aragem fresca e húmida bateu-me no rosto descoberto. Tudo o mais estava resguardado. Pisei a relva molhada e vi as galinhas que passam o dia todo a comer e a bebericar. Sem vento, sol tímido ou envergonhado, pouca vontade de sair. Dou uma volta a pensar num dia primaveril de manhã e outonal à noitinha. Pensamento frustrado. E regresso para umas páginas de leitura de um livro da Cris Lopes (Millennials – cidadãos do mundo) sobre as suas venturas e desventuras. Suas e de mais quatro amigos. Forte em aventuras, que só a capacidade de sonhar e o gosto de conhecer mundo, com gentes e hábitos diversos, dão certo substrato à vida. Uma pausa para rever papelada e pensar num amanhã diferente. Sempre para melhor… é o ideal. E abro o computador no sótão para ver como param as modas nos jornais online. Dramas nas primeiras filas. A alegria e o bem também lá moram, em gavetas,  mas só as abro de vez em quando. Vou  ficar mais atento por acreditar que o mundo vale mesmo a pena ser vivido e sonhado. Ou não? 

F. M.

Os jovens e a ausência dos debates nacionais

E o que podemos fazer?



«“Os jovens portugueses não lêem jornais”; “os estudantes estão desligados dos grandes debates que mobilizam a sociedade portuguesa”; “os mais novos têm pouca participação política, habituaram-se a centrar as suas atenções em causas particulares e afastaram-se dos problemas que tradicionalmente são veiculados pelos jornais ou pelas televisões – sejam a pobreza, a educação ou a relação de Portugal com a Europa"»

Ler mais no PÚBLICO

Foto da rede global 

NOTA: É notório o desinteresse dos jovens, e não só, pela informação que nos chega pelos mais variados meios. Mesmo os adultos começam a sentir essa dificuldade e não há capacidade económica para suportar as assinaturas digitais. Ler jornais em papel já não é para todos.
Seremos um povo desinformado? Começo a convencer-me de que já estamos nessa linha. E como estar informado para podermos tomar decisões? Questão muito séria.

quarta-feira, 20 de novembro de 2019

Nova Agrovouga em Aveiro


A Nova Agrovouga já abriu portas para quem gosta de estar a par do que se passa a nível da nossa agricultura propriamente dita, mas também do comércio e indústria que lhe estão associados. Depois, haverá outras áreas que aproveitam a feira para exibirem os seus produtos. E divertimentos a condizer para animar os visitantes também nos esperam.  Passem por lá.

"Bem-Nascidos... Mal-Nascidos..." - Um livro de Luís Silva

Professor de EMRC apresenta livro 
sobre a condição humana e a ética 
a partir da deficiência



Breve biografia do autor 

Licenciado em Teologia (UCP), Mestre em Bioética (UCP), Professor de EMRC. Preside à comissão diocesana da cultura de Aveiro. Participa em conferências, debates e outras iniciativas, dedicadas a matérias de educação, teologia e bioética. Publica, regularmente, artigos de opinião em revistas e jornais, debruçando-se sobre as matérias em que se especializou. Publicou, em 2004, «Teologia, ciência e verdade – condições para a definição do estatuto epistemológico da Teologia, segundo o pensamento de Wolfhart Pannenberg». É um dos autores convidados para a obra coletiva, Portugal Católico, com artigo sobre A Educação Moral e Religiosa Católica nas escolas. Livro coordenado por José Eduardo Franco e José Carlos Seabra Pereira, com edição do Círculo de Leitores/Temas e Debates.

Coordenou, entre 2007 e 2011, a equipa que elaborou os manuais (de que é coautor) do ensino secundário de EMRC, editados pela Fundação SNEC.

Ler mais aqui

terça-feira, 19 de novembro de 2019

Criança feliz à distância de um gesto



O Natal é uma época especial de partilha e afeto, onde todos podemos dar um pouco de nós. Por isso , a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Ílhavo (CPCJ), no âmbito do seu Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança, lançou a Campanha de Natal Solidária “Fazer uma criança feliz está à distância de um gesto”, convidando toda a comunidade a participar em espírito solidário.
Esta campanha decorre de 15 de novembro a 18 de dezembro e visa a recolha de alimentos, roupa e brinquedos para crianças, que podem ser entregues nas instalações da CPCJ de Ílhavo, no Edifício da Câmara Municipal de Ílhavo.

segunda-feira, 18 de novembro de 2019

Para recordar - A encomenda era o temporal

 


Uma versão da história da estrada Aveiro-Barra 

«O visconde da Luz veio certificar-se por seus próprios olhos das razões que militariam a favor da construção ou da sua desnecessidade, apregoada em alta grita pelos foliculários locais que se opunham a José Estêvão. 
Joaquim de Melo Freitas relata o episódio que convincentemente determinaria as conclusões do ilustre visitante, com o bom humor e a elegância que lhe eram habituais: 
«Embarcaram no cais, e fizeram-se ao largo. Neste instante o vento desencadeia-se, as marés agitam-se em balanços desesperados; o barco dançava sobre a espuma da ria, e o mastro, curvado pelo vendaval, gemia e estalava com o impulso cego das lufadas. A chuva desatou-se por fim em torrentes, e não tardou uma trovoada medonha. 
O visconde da Luz ordenou imediatamente aos barqueiros que voltassem para traz porque não gostava da chuva nem do temporal. José Estêvão, a cada relâmpago que alumiava o céu, brusco e temeroso, esfregava as mãos de contente e dizia com esplêndida alegria: 
– Encomendei-o de propósito; eu desejava que você se convencesse de que a estrada era precisa e até urgente... Desminta-me agora se é capaz! 
A encomenda era o temporal» 
«Dentro em pouco – prosseguia – procedia-se à construção da estrada», da estrada que chegou a registar, há meses, em vinte e quatro horas, num domingo de verão de 1965, um movimento de cerca de seis mil veículos automóveis. 

Eduardo Cerqueira, 
in Aveiro e o seu Distrito, n.º 2 - 1966

domingo, 17 de novembro de 2019

Um mundo novo tem de nascer

Crónica de Bento Domingues no PÚBLICO

(Foto da rede global)

«No século II, a Carta a Diogneto mostra que os cristãos não se distinguindo dos outros – nem pela pátria, nem pela língua ou costumes – são, de facto, a alma do mundo!
Perante a violência e as catástrofes da queda do Império Romano, perguntavam a Sto Agostinho se não estaria a chegar o fim do mundo. Eis a resposta: não é o mundo que está a acabar, mas um mundo novo que quer nascer.
Saltemos para a actualidade. A primeira condição dos católicos, para realizarem a sua missão na linha do Papa Francisco, é a reforma da Igreja, do topo até à base. A segunda, é a união com todas as pessoas e organizações de boa vontade para salvar o Planeta, a Casa Comum [6]. Os católicos devem estar na primeira linha desta militância.»

Dia Mundial dos Pobres



«Por vezes, basta pouco para restabelecer a esperança: basta parar, sorrir, escutar. Durante um dia, deixemos de parte as estatísticas; os pobres não são números, que invocamos para nos vangloriar de obras e projetos. Os pobres são pessoas a quem devemos encontrar: são jovens e idosos sozinhos que se hão de convidar a entrar em casa para partilhar a refeição; homens, mulheres e crianças que esperam uma palavra amiga. Os pobres salvam-nos, porque nos permitem encontrar o rosto de Jesus Cristo.» — Papa Francisco, na sua mensagem para o Dia Mundial dos Pobres. Será preciso dizer mais? Penso que esta simples proposta do Papa será suficiente para todos refletirmos sobre a pobreza que nos rodeia. Pobreza a todos os níveis, desde a falta de pão até à falta de atenção, de amor, de solidariedade. Hoje comece com um sorriso e amanhã aprenda a escutar quem sofre.
Bom domingo.

Fernando Martins

A todos deve ser restituída a esperança

Crónica de Anselmo Borges - A pena de morte e o inferno. 2


«Deus não condena ninguém, porque Deus é só Amor. Pode a pessoa autocondenar-se ao inferno? Significativamente, a Igreja nunca declarou que alguém em concreto esteja no inferno, nem mesmo Judas ou Hitler. No caso-limite de haver realmente alguém que se feche radical e obstinadamente ao amor, excluindo definitivamente Deus, então, não podendo, na morte, ser encontrado por Deus, porque o não aceita, anula-se definitivamente.»

sábado, 16 de novembro de 2019

Dia Nacional do Mar

Navio-escola Sagres
Meia-laranja com pescadores

O nosso mar
O Dia Nacional do Mar celebra-se a 16 de novembro. Teve origem na "Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar" e entrou em vigor a 16 de novembro de 1994. Portugal só o ratificou em 1997, embora o oceano seja o seu limite poente e sul. Contudo, a sua influência não se fica pela fronteira, pois estende-se muito para além dela. 
Da sua importância para o mundo em geral e para nós em particular não vale a pena falar, tão certos estamos dela, a nível comercial e industrial. Neste dia, porém, não podemos ficar indiferentes à riqueza e beleza do  mar na vida do nosso povo e de quantos nos visitam. Os turistas, nacionais e internacionais não fogem ao sortilégio que o mar suscita. Passar pela nossa terra e região e não apreciar as ondas do Atlântico é como ir a Roma e não ver o Papa. 
Praias, vagas mansas ou tumultuosas, banhos de sol e de água salgada, petiscos que o mar fez e faz nascer, gente descontraída que passeia ao sabor da maré, pesca desportiva e profissional, horas de lazer e de descontração, corpos iodados ou à procura disso, meio mundo a fugir ao dia a dia tantas vezes monótono... Festas e romarias, sonhos e tradições marinhos, encontros e desencontros, convívios e conversas sem fim, férias continuamente apetecidas. Tudo o mar reativa a cada momento.

Fernando Martins

Largos e límpidos horizontes


Deixemos a monotonia do dia a dia de cansaços múltiplos, profissionais ou outros, e saltemos para a beira-ria de horizontes largos e límpidos para contemplar o retrato puro do céu. E fiquemos tranquilos... um barquinho há de passar. 

Bom fim de semana

sexta-feira, 15 de novembro de 2019

Quando eu nasci...


Quando eu nasci, novembro de 1938, estava o inverno a caminho. O frio já se fazia anunciar e eu fiquei sempre com ele por companhia. Sou um friorento encartado, o que assumo como parte integrante do meu ser. No corpo, está bem de ver, que na alma procuro ser caloroso. 
Um dos meus prazeres é alimentado pela salamandra acesa. Um livro, um certo silêncio, boa companhia na hora de acender a cavaqueira, logo depois com intervalos para deitar uma acha, alimento da chama, e não preciso de mais nada para passar a noite. 
Irritam-me os noticiários quando vejo guerras, injustiças ou contendas sem nexo entre pessoas. De belicismos ouço falar desde que nasci, mas de permeio há coisas boas, muito boas. Ainda bem. 
Olho a fogueira acesa e ouço o crepitar da lenha a gritar pela dor de morrer para nós ficarmos quentinhos. E assim passo as noites e os dias a pensar nas noitadas. 
Bom fim de semana. 

Fernando Martins

Não vos deixeis enganar

Reflexão de Georgino Rocha 
- Tende cuidado. Não vos deixeis enganar 


“Colocando no centro os pobres ao inaugurar o seu Reino, Jesus quer-nos dizer precisamente isto: Ele inaugurou, mas confiou-nos, a nós seus discípulos, a tarefa de lhe dar seguimento, com a responsabilidade de dar esperança aos pobres. Sobretudo num período como o nosso, é preciso reanimar a esperança e restabelecer a confiança. É um programa que a comunidade cristã não pode subestimar. Disso depende a credibilidade do nosso anúncio e do testemunho dos cristãos”

Papa Francisco 

quinta-feira, 14 de novembro de 2019

Postal Ilustrado - O Farol

Fernando Caçoilo 
defende acesso regular ao Farol 
com gestão da autarquia



Em entrevista ao programa “Conversas” da Rádio Terra Nova, Fernando Caçoilo, presidente da Câmara Municipal de Ílhavo, afirma estar a preparar um dossiê para entregar à Marinha, com o objetivo de tornar o Farol da Barra uma «atração turística com roteiros regulares».
Considerando que o Farol é, desde a primeira hora, um equipamento importante para a navegação, o autarca sublinha o interesse turístico daquele símbolo da nossa terra e do país, o qual «nem sempre se coaduna com a disponibilidade dos operacionais no local».
Fernando Caçoilo pretende garantir o acesso regular ao Farol da Barra, sob gestão municipal, «por entender que o farol «é hoje um símbolo da região no mundo». A sua proposta, que vai ser submetida à tutela militar, prevê a «gestão dos acessos e a disponibilização de meios humanos para gerir o fluxo no local».
Naquela entrevista à Terra Nova, o presidente da autarquia também manifestou o seu interesse em negociar a transferência dos achados arqueológicos da Ria, «depositados em Lisboa», para o concelho de Ílhavo, concretamente para o Forte da Barra, criando uma estrutura museológica. Aliás, o presidente lembrou que o programa Revive contempla, naquele local — edifício de interesse público — uma unidade turística do ramo hoteleiro ou outro. Neste caso, o autarca admite interesse em negociar a criação de «uma unidade dedicada à Ria e ao património marítimo, que hoje está espalhado por casas particulares».

F. M.

Dia Mundial da Diabetes - não deixe para amanhã o que pode fazer hoje

O Dia Mundial da Diabetes é celebrado neste dia, 14 de novembro, com o objetivo de alertar para o perigo que representa esta doença, tida como silenciosa. Tão silenciosa que está no grupo das que aumentam de forma alarmante no mundo, sem que muitos se apercebam que a carregam no dia a dia. 
Não sou médico e não me atrevo, por isso, a dar lições a ninguém sobre a forma de a evitar, muito menos de a combater. Mas ouso lembrar que importa falar com o médico de família ou outro para deles receber orientações fundamentais no sentido de evitar a doença ou de a combater a tempo. 
Eu sei que o dia a dia de cada um de nós nem tempo nos dá para pensar e para agir em conformidade, mas como a saúde está em primeiro lugar, não deixe para amanhã o que pode fazer hoje. No meu caso, a diabetes foi identificada numas análises de rotina. Há muitos anos. E felizmente, com as prescrições médicas, continuo a levar uma vida direi que normal. 

A Língua Portuguesa tem um problema - Será melhor chamar o médico?


A propósito do  Acordo Ortográfico, li, no PÚBLICO, um artigo interessante cuja leitura aconselho. Na altura da aprovação do referido acordo, considerei que era obrigatório segui-lo, até porque foi implementado nas escolas... Contudo, aceitei-o, na convicção de que poderia haver alterações para o melhorar. Afinal, não aconteceu e o nosso primeiro-ministro, António Costa, até chegou  a dizer que o Governo nada faria, esperando que fosse o povo a decidir. Agora, muita gente o contesta, mas tenho para mim que mais tarde ou mais cedo alguém terá de resolver o assunto. A Língua Portuguesa não pode continuar em banho-maria. 

«Este brilhante raciocínio, que torna a regra ainda mais “simples”, aplica-o ela, por exemplo a um país que se viu amputado de uma consoante, passando de Egipto a Egito: “Em relação ao nome do país Egito [na fala, ela omite o P], o novo acordo ortográfico previa a queda da consoante P. Mas uma vez que há falantes que articulam essa consoante, em princípio o nome desse país será incluído na lista da dupla grafia. Egito sem P e Egipto com P.” Afinal, o problema está nas articulações. Fulano articula, escreve; sicrano não articula, não escreve. Pois. Se ouvirmos todos os dias o que se diz na televisão, em palestras, discursos, intervenções avulsas, ouviremos “runiões” por reuniões (assim falou por estes dias, na TV, um porta-voz do PS), “tamos” por estamos, “óvio” por óbvio, “pogresso” por progresso, “competividade” por competitividade (e o programa eleitoral – ou será “pograma”? – da Aliança de Santana Lopes lá tinha, bem claro, no seu ponto 5: “Crescimento e Competividade” [sic]). Segundo a brilhante explicação de Sandra, podemos concluir que é um problema de articulações. Se alguém não articula o primeiro “r” de programa dirá “pograma”; e se assim o diz, porque não há-de escrever? Não é verdade que, se “há falantes que não articulam as consoantes, então é possível escrever sem as consoantes”?»

quarta-feira, 13 de novembro de 2019

O Dia Mundial da Bondade


Hoje, 13 de novembro, é o Dia Mundial da Bondade. Quem havia de dizer que se celebra a bondade, quando é suposto sermos bons no mundo em que vivemos. Eu sei que há gente capaz de tudo: de odiar, maldizer, provocar, bater, castigar, mentir, trair, maltratar, difamar... que sei eu! Mas também sei que há imensa gente capaz de amar, acarinhar, perdoar, ajudar, bendizer, louvar. Para estes últimos, não será preciso nada. Eles sabem comportar-se com dignidade, altruísmo, solidariedade, e muito amor. 
Sendo assim, o Dia Mundial da Bondade é um convite a cada um nós, para que saibamos afugentar o que há em nós de negativo, valorizando o muito que temos de bom, partilhando: simpatia, sorrisos, alegria, afetos, desejando bom dia, boa tarde ou boa noite... 

Bombeiros de Ílhavo precisam de nós

Novo quartel dos Bombeiros de Ílhavo
A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Ílhavo vai reunir-se em Assembleia Geral Ordinária no próximo dia 16 de novembro, pelas 20h30, no Salão Nobre do Quartel da Associação, para apreciar, discutir e votar o Orçamento e Plano de Atividades para o ano de 2020. Para além de outros assuntos, haverá a discussão e votação da proposta da Direção para o aumento da quota anual de 12€ para 18€, sendo oportuno sublinhar que não havia alteração desde 2003.
Se há instituições que merecem a nossa atenção e carinho, as associações de Bombeiros Voluntários devem estar na primeira linha das nossas preocupações e dos nossos contributos. Todos já necessitámos, decerto, direta ou indiretamente, da ajuda dos bombeiros, tanto em situações de acidentes como de doença. Por isso, sinto que não podia ficar indiferente à ação dos Bombeiros Voluntários de Ílhavo no nosso município ou em qualquer zona do país. 
Os voluntários não são curiosos a prestar socorro a quem precisa; eles são treinados e disciplinados para agir em situações dramáticas, nomeadamente em palcos de fogos devastadores, em desastre ambientais, em calamidades diversas, etc. 
Com as minhas homenagens, aqui fica o meu apelo para que o povo do nosso concelho, mas não só, se torne sócio dos Bombeiros Voluntários de Ílhavo. 

F. M.

300 milhões de deslocados



Marcos Ré, vereador da CMI, garante que a autarquia está atenta às anunciadas mudanças climáticas, procurando adaptar-se às circunstâncias, tanto mais que a nossa região está em zona de risco. Os mais recentes estudos anunciam que nas regiões costeiras poderá acontecer a deslocalização de 300 milhões de habitantes até 2050, em todo o mundo.
Confesso que perante notícias destas ficamos admirados, mas talvez não preocupados. Acreditamos que daqui a umas décadas talvez haja formas de controlar a situação. E até alguns, como eu, podem admitir que já não será para o seu tempo. Pelo sim pelo não, acho que seria pertinente fazermos o que está ao nosso alcance o mais depressa possível para os nossos netos não nos acusarem de desleixo, falta de visão ou despreocupação exagerada perante o futuro, que será o deles. 
Eu sei que o povo já está motivado para cuidar da natureza, na qual se inclui o ar que respiramos. Mas se calhar teremos de fazer muito mais para bem do universo.

Ver mais aqui  e aqui