quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

Prémio Rei de Espanha para o fotógrafo Nuno Ferreira


«O fotógrafo Nuno André Ferreira, da agência Lusa, venceu por unanimidade o Prémio Rei de Espanha de Jornalismo, com a fotografia "O Nosso Presidente Marcelo", foi divulgado esta quarta-feira.
A fotografia, publicada pela agência Lusa em 19 de outubro de 2017, foi captada em Santa Comba Dão, no distrito de Viseu, e mostra Marcelo Rebelo de Sousa solidário com um agricultor, inconsolável, uma das vítimas dos incêndios.
Segundo o comunicado o júri "valorizou o fator emocional e a componente humana que permite adivinhar uma tragédia sem necessidade de se ver a zona devastada".»

Li e vi na Renascença

Festa da Barra de Aveiro

Procissão pela Ria em honra da Senhora dos Navegantes, com  nova versão da  Festa da Barra de Aveiro
A Festa da Barra de Aveiro tem a sua história e continua a fazer história. Ainda bem, porque o que é bom tem de ser preservado e melhorado. Laudelino de Miranda Melo também contou a sua versão, com algumas estórias pelo meio. É legitimo e sabe bem, que a literatura é arte. Aqui a partilho, copiada, com a devida vénia, do "Arquivo do Distrito de Aveiro"

terça-feira, 29 de janeiro de 2019

Não devolva à natureza o que não é natural


Ora aqui está uma recomendação que merece ser divulgada e partilhada nas redes sociais, bem como por outras formas de comunicação, por tão urgente ser ela. Não é fácil convencer o povo, das mais variadas idades e condições sociais, do perigo que todos corremos pelas ofensas que infligimos à mãe Terra, mas é sempre tempo de dar os primeiros passos.
A iniciativa partiu dos Portos de Aveiro e Figueira da Foz.

Vi  aqui 

segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

Património: Búzios da Terra Nova


A amizade entre Américo Teles e Pierre Delpeut – exímio malacologista – permitiu que, na década de setenta do século XX, a coleção do especialista fosse integralmente doada ao Museu Marítimo e Regional de Ílhavo. 
Os espécimes reunidos ao longo de vinte anos são representativos de quase todos os mares e oceanos mundiais, dos quais destacamos os exemplares provenientes dos mares da Terra Nova e Gronelândia capturados pelos pescadores do bacalhau. 
A “receita” para a captura destes espécimes provenientes da América do Norte está vertida numa troca de correspondência entre Pierre Delpeut e Américo Teles, na qual se refere que “[…] um simples aro metálico, com um metro de diâmetro, pouco mais ou menos, com um bocado de serapilheira um pouco maior, não esticada, e de forma a fazer bolsa, com alguns restos de peixe como isca, ficando no fundo por algumas horas, por baixo do navio ancorado ou de preferência com uma pequena boia servindo de fluctuador, constitui uma ratoeira para buzios muito empregada na América do Norte, que pode ser produtiva nos sítios em que os buzios são abundantes, e que pouco ou nenhum trabalho dá.[...]”. 
Estas informações eram transmitidas a determinados elementos das tripulações dos navios bacalhoeiros incumbidos de capturar os espécimes vivos e de os manter em perfeito estado. Quando entregues a Américo Teles, eram expedidos para Pierre Delpeut encarregue de os avaliar e trocá-los com os “[…] colegas de conchiologia.[...]”. 

Excertos retirados de uma carta enviada por Pierre Delpeut a Américo Teles, datada de 9 de janeiro de 1961. 

NOTAS: 
1. O texto foi publicado na Agenda "Viver em... Fevereiro" da CMI;
2. A foto que ilustra este texto no meu blogue, de minha autoria, não sei se faz parte da coleção referida.

A alegria espontânea e convincente do povo


“Aprender com o Povo a Alegria Sã do Evangelho”, o mais recente livro do Pe. Georgino Rocha, é uma confissão vivida e meditada do autor, conhecido sacerdote do presbitério de Aveiro. Apresentá-la assim, publicamente e em livro, para que não haja dúvidas, traduz uma coragem e um desafio singulares, que partilha com os seus amigos, leitores e mesmo desconhecidos. É que o povo, a matriz que o inspirou, é muito genuíno nas vivências quotidianas do Evangelho.
O autor recolheu ao longo da vida, não apenas na diocese aveirense mas um pouco por diversos horizontes, mesmo em terras de missão, exemplos que atestam aquela verdade, enriquecidos por reflexões, testemunhos e relatos de experiências que merecem ser lidos e meditados, à luz da alegria espontânea e convincente do povo. Alegria essa também retratada na capa, com um rancho folclórico de uma qualquer região a marcar o ritmo, que o autor soube captar com feliz intuição. 
Ao debruçar-me sobre os 12 capítulos do livro — “Aprender com o Povo a Alegria Sã do Evangelho”—, dei-me conta da caminhada serena do autor alimentada pelo sentido da descoberta do muito que a gente simples tem para oferecer ao nível da busca de Deus em Jesus Cristo, para O refletir na vida. «A piedade popular manifesta uma riqueza complexa de emoções e uma abundância exuberante de expressões, engloba a vida toda dos que a assumem e praticam», dando «sentido à procura de Algo que se pressente envolvido no dia-a-dia e transcende cada realização humana, abrindo-lhe horizontes de maior plenitude», disse.
Reconhecendo que a religiosidade natural é própria da relação com a criação, as criaturas e o universo, Georgino Rocha sublinha que «o ser humano vive uma interação cosmo-vital com as forças emergentes da natureza, vivenciando «uma sabedoria qualificada» com o hinduísmo, budismo, confucionismo, religião tradicional africana e outras, com as quais o Vaticano II prescreveu «um diálogo cultural», que fosse «fonte de mútuo enriquecimento».

domingo, 27 de janeiro de 2019

Bento Domingues: Contra os muros

Bento Domingues

"Não há alternativa feliz à união na diferença. Fora desta só podem existir dominadores e dominados"


1. A fraternidade de horizonte universalista é de origem cristã. Basta abrir o Novo Testamento. O Evangelho de S. Marcos atribui a loucura de fazer família com quem não era da família ao próprio Jesus de Nazaré. S. Lucas vê no Espírito do Pentecostes o começo da autêntica união na diferença. Para S. Paulo, os que foram banhados no Espírito de Cristo devem testemunhar que o mundo de separações e privilégios acabou: não há nem judeu nem grego, escravo ou livre, homem ou mulher. Mais ainda, a humanidade inteira é um só corpo de muitos membros, uma comunidade de muitos carismas. Foi o tema paulino de domingo passado e é, também, o deste domingo. As metáforas usadas convergem num ponto: as pessoas precisam todas umas das outras para afirmarem a própria identidade, pois esta é uma identidade de relação e não de isolamento. 
Cristo, o Homem Novo, derrubou os muros de separação, estabelecendo a paz e a amizade. Judeus e gentios são concidadãos na família de Deus. Esta afirmação da carta aos Efésios é de alcance universal, para todos os tempos e para todos os povos. 
Dir-se-á: são metáforas, artes de falar e não de realizar. De facto, não são receitas, mas não são inócuas. São caminhos, são pontes e devem constituir testemunhos de que outro mundo é possível. 
O Papa Francisco, ao insistir, com ênfase, na reabilitação da política, toca numa urgência. Quando alguém diz não quero nada com a política, está a tornar-se sua vítima. O melhor talvez seja trabalhar na sua modificação. 

Francisco de Assis e o Sultão Al-Kamil

Anselmo Borges
«A religião tem de ter lugar no espaço público, pois é uma dimensão do humano e faz parte da cultura.»


1. Não há dúvida nenhuma de que o cristianismo é actualmente a religião mais perseguida no mundo. Há bastante tempo que se vai concretizando o que parece ser um plano para acabar com a presença dos cristãos no Médio Oriente. Quase desapareceram da Palestina e vão-se extinguindo na Síria e no Iraque e mais lentamente no Egipto e no Líbano. Se em 1950 os cristãos na Palestina representavam à volta de 15 por cento da população, actualmente serão uns 2 por cento. 
O relatório da Open Doors (Portas Abertas), com a Lista Mundial da Perseguição referente ao ano de 2018, é dramático, pois a perseguição aos cristãos no mundo continua a crescer. Só na lista dos primeiros 50 países onde os cristãos vêem os seus direitos mais limitados pelo facto de serem cristãos, o seu número eleva-se a 245 milhões, cifra que deve ser muito maior, já que pelo menos em 73 países do mundo os níveis de perseguição são “altos”, “muito altos” ou “extremos”: entre Novembro de 2017 e Outubro de 2018, 3731 cristãos foram mortos por causa de seguirem Jesus e 1847 igrejas foram atacadas. 
A Ásia e a África são os continentes mais hostis aos cristãos. Um em cada nove cristãos sofre perseguição em todo o mundo; na Ásia, um em cada três e na África, um em cada seis. Na Lista da Perseguição Mundial, os três primeiros lugares são ocupados pela Coreia do Norte (há 17 anos que ocupa o primeiro lugar), pelo Afeganistão e pela Somália, respectivamente. A Nigéria, onde houve cerca de 2000 cristãos mortos por causa da sua fé, ocupa o décimo quarto lugar da lista dos 50 países com maior perseguição. O Paquistão é considerado o país onde a violência anticristã atinge o seu nível máximo. Causa preocupação o que se passa na Índia por causa do radicalismo hindu e na China sobretudo por causa da posição do Partido Comunista em relação à religião. As novidades na Lista dos 50 países são o Nepal e o Azerbaijão. A situação na Líbia, que ocupa a sétima posição na escala, causa particular preocupação. Com a retirada do autoproclamado Estado Islâmico, os níveis de perseguição no Iraque e na Síria desceram, embora continuem a ocupar lugares muitos altos na Lista: oitavo e décimo quinto lugares, respectivamente. 

Um poema de Senos da Fonseca para este domingo


sexta-feira, 25 de janeiro de 2019

Cantar dos Reis apesar do frio




No respeito pela tradição, que ainda não conseguimos localizar na história da região, recebemos hoje o Grupo Etnográfico da Gafanha da Nazaré, que nos honra anualmente com o Cantar dos Reis. 
Ao ouvir os cânticos que nos trouxeram, com vozes e instrumentos afinados, que bem sabemos trautear desde há muito, ficou-nos o consolo de recordar outros formas de alegria. E com eles, saltaram para o presente as mesmas melodias que grupos informais nos ofereciam em troca de umas moedas para uma festança entre os seus membros.
Quando o GEGN oficializou o Cantar dos Reis, ou Janeiras, como memória a preservar, nos seus reportórios, senti um certo alívio, pois esse gesto traduz uma garantia muito meritória, que beneficiará futuras gerações. Oxalá que o Etnográfico por cá venha muitos anos, que sempre o receberemos com gosto.

Eu tenho dias...



Não sei se os meus amigos, no ativo ou na reforma, têm sempre vontade de fazer coisas nas horas que se espalham entre o levantar e o deitar. Eu tenho dias… Ora me apetece cirandar à volta dos tachos, na cozinha, está bem de ver, ora me apetece fugir dela a sete pés. Ora me apetece ler, e tenho imensas coisas mesmo à minha frente à espera, ora fico pasmado numa modorra terrível. Ora me apetece escrever, e há tanto para dizer, ora fujo do PC como o diabo da cruz. Ando assim. À mão, mesmo com canetas e esferográficas de alguma ou boa qualidade, nem pensar. 
Tenho dias de olhar para as janelas, de me aventurar numa curta saída, de trocar impressões com quem chega, mas logo sonho com a comodidade da minha tebaida, com o silêncio, com certa solidão tantas vezes apetecida. Julgo que será do frio, da chuva irritante, da humidade, das pessoas enchouriçadas com os agasalhos, dos olhares tristes, sei lá! 
Ou então serei eu o culpado de não ter imaginação para aceitar o tempo que nos é dado viver. Amanhã será outro dia. 
Bom fim de semana.

Fernando Martins

Reflexão de Georgino Rocha: Olhos fixos em Jesus

"O Evangelho é a proclamação do amor 
com que somos amados"


Jesus regressa a casa, após a sua primeira viagem missionária na Galileia. Fora uma experiência rica, de que se destaca a visita a aldeias e o encontro sanador com pessoas, o baptismo no rio Jordão e a permanência no deserto, onde se debate com tentações diabólicas que “atingem” as suas opções para realizar a missão de que se sentia portador. A reacção popular fora muito positiva. O seu nome torna-se conhecido e a fama apreciada. “Era elogiado por todos”. Jesus volta da Galileia, com a força do Espírito, que se havia manifestado no seu baptismo.

Lucas, o autor do relato, não nos deixa referências à partilha de episódios e de vivências com a família. Quer centrar a narração na ida à sinagoga de Nazaré, evitando essas curiosidades. Por isso refere a abrir a cena: “Segundo o seu costume, entrou na sinagoga a um sábado e levantou-se para fazer a leitura”. Vamos seguir o desenrolar da celebração protagonizada por Jesus, detendo-nos em pontos-chave para a nossa participação litúrgica.

As leituras de hoje trazem-nos à memória com grande vigor e clareza a realidade admirável da assembleia do povo reunido para celebrar a fé e viver a missão. A primeira relata a que se realizou no tempo de Esdras e Neemias, em Jerusalém, no largo em frente da Porta das Águas, cinco séculos antes da nossa era; a segunda é de uma beleza rara e descreve o que é a Igreja, visualizando a função de cada de nós e recorrendo à composição do corpo humano. “Assim como o corpo é um só e tem muitos membros e todos os membros do corpo, apesar de numerosos, constituem um só corpo, assim também sucede em Cristo”. E São Paulo exorta os cristãos a que reconheçam os dons recebidos e os coloquem ao serviço de Deus na comunidade e nos espaços onde vivem.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

Dia Mundial da Liberdade: 23 de janeiro




Quando se fala de liberdade, logo a associamos ao 25 de Abril de 1974. Realmente, até aí, não tínhamos a ideia exata do que era isso. As pessoas mais politizadas, isto é, com o conhecimento do que era um país democrático, onde cada cidadão tinha o direito e a obrigação de escolher os que haveriam de governar o país, com partidos políticos a apresentarem diversos conceitos de governação, podendo o povo, também, exprimir-se livremente, essas lutaram com coragem para que a ditadura fosse erradicada de uma vez por todas. E surgiu o 25 de Abril. Mas hoje, queremos tão-só abordar o assunto da Liberdade, um dos conceitos em que se apoia a Declaração Universal dos Direitos Humanos, proclamada em 10 de dezembro de 1948. 
O Dia Mundial da Liberdade foi criado em 23 de janeiro pela ONU e proclamado pela UNESCO, com o objetivo de promover o direito de cada pessoa poder fazer as suas escolhas, planear o seu futuro e determinar as suas opções de vida, sem constrangimentos de qualquer ordem. Importante se torna, contudo, não confundir liberdade com libertinagem, porque a liberdade pressupõe, inevitavelmente, a obrigação de se respeitar a escolha, o projeto e a opção de cada ser humano. 

Fernando Martins

terça-feira, 22 de janeiro de 2019

Só hoje o balanço do ano no Pela Positiva

Não é muito fácil fazer o balanço do ano relativo ao meu blogue Pela Positiva. Foram 646 textos que publiquei, meus e dos meus amigos e colaboradores, a quem agradeço tanta generosidade. Mas também editei notas de organizações e serviços, de instituições e de pessoas que admiro, sobretudo ligadas ao mundo das artes, da espiritualidade e da cultura em geral. E aqui ficaram testemunhos de gente simples, de quem pouco se fala, mas que tanto me ensinaram no dia a dia.
Uns dias mais cheios que outros, mas sempre com o pensamento em manter viva esta forma extraordinária de partilha com muitos visitantes dos mais diversos cantos do mundo, conhecido e desconhecido.
Durante 2018 fiz amizades, cultivei o gosto pelo desafio de uma intervenção dinâmica na sociedade, alimentei o prazer de apostar em atitudes pela positiva, de forma a afugentar pessimismos, desgostos de alguns, tristezas de tantos, mas também quis, e julgo que o consegui, dentro das minhas possibilidades, motivar alegrias, aplaudir vitórias, valorizar conquistas, mostrando à evidência que a vida, afinal, vale a pena ser vivida. E terei alimentado inimizades? Não tenho consciência disso. Se tal aconteceu peço desculpa.
Poesia, crónicas, postais ilustrados,  reportagens, política, livros, religião, espiritualidade, fotografia, vídeos, saberes, sabores, gostos, desgostos, gente da nossa terra, pessoas notáveis e simples, música, tradições, artistas, pintura, solidariedade, denúncia de injustiças, caridade, gestos de paz, protestos necessários, defesa dos marginalizados e dos feridos da vida, elogios a quem mereceu, viagens, sonhos, ilusões, anseios e projetos… De tudo um pouco aqui ficou, na esperança de que sirva a alguém, a começar por mim próprio.
Como não podia deixar de ser, vou continuar no Pela Positiva, enquanto tiver saúde e a amizade de tantos amigos e colaboradores. E a minha Lita, a quem por vezes falho na ajuda que lhe devo, saberá compreender.

Fernando Martins

As bodas de Caná oferecem pistas para a missão diaconal


Celebração do Dia do Diácono 
na Gafanha da Nazaré

Presidência da Eucaristia
Navio-museu Santo André
Jorge Rocha e filhos junto à campa do diácono Carlos Merendeiro

Diácono Simões e esposa na campa de Emanuel Caçoilo
Os diáconos permanentes da Diocese de Aveiro celebraram no domingo, 20 de janeiro, o Dia do Diácono, na Gafanha da Nazaré, num ambiente de convívio e reflexão, com um toque cultural, sob os auspícios de São Vicente, que adotaram como seu padroeiro e cuja festa ocorre a 22 do mesmo mês. Participaram os que puderam, com suas esposas. Ainda participou Jorge Rocha, filho do falecido diácono permanente Carlos Merendeiro, com sua esposa e filhos.
O prior da Gafanha da Nazaré, padre César Fernandes, que presidiu à Eucaristia, concelebrada também pelos padres José Manuel Pereira e João Sarrico, sublinhou o contributo dos diáconos permanente em favor das comunidades cristãs, reforçando a ideia de que “não podem regatear esforços, cada um com os seus dons e carismas”, para bem da Igreja de Jesus Cristo.
No cemitério da Gafanha da Nazaré, foram recordados os diáconos permanentes já falecidos, Carlos Merendeiro e Emanuel Caçoilo, com uma curta mas significativa cerimónia, proporcionada pelo padre José Manuel Pereira, responsável pelo diaconado permanente na Diocese de Aveiro, em representação do nosso Bispo, seguindo-se a deposição de ramos de flores nas campas dos restos mortais dos saudosos diáconos, que de forma tão expressiva se deram às comunidades que serviram
Partindo do episódio das Bodas de Caná, com “Maria, a Mãe de Jesus, atenta a tudo o que ocorre”, o padre Georgino Rocha, que acompanhou a formação dos diáconos permanentes da Diocese de Aveiro durante cerca de 30 anos, destacou, em mensagem que enviou para esta celebração,  a atitude dos “servos da mesa”, cujo serviço coincide com a missão dos diáconos nos tempos que vivemos. Assim: Aceitam a intervenção de uma mulher [Maria], “que não era usual entre os judeus”; acreditam no que ela diz, “pois Jesus era ainda um desconhecido”; ouvem e acolhem a nova orientação que lhes é dada; obedecem fielmente, ”apesar de terem de fazer trabalho suplementar”; são testemunhas da ação de Jesus, “perante o chefe responsável geral do protocolo”; e colaboram de forma discreta na resolução do problema, ”pois sem água não havia vinho novo, o da alegria da festa nupcial”.
Da parte cultural, destacamos a apresentação de alguns dados históricos referentes à Gafanha da Nazaré, nomeadamente, as origens do povoamento, a criação da freguesia e paróquia, em 1910, e, posteriormente, a elevação a vila e cidade. Mas também a inauguração da igreja matriz, em 14 de janeiro de 1912, e as obras de remodelação por que passou, bem como a fé dos gafanhões, profundamente mariana. Ainda foram indicados locais a visitar, como o Farol, o Forte da Barra e o Jardim Oudinot, entre outros monumentos. E o encontro dos diáconos encerrou com uma visita guiada ao Navio-museu Santo André, símbolo muito expressivo da pesca do fiel amigo, construído em 1948, na Holanda, por encomenda da EPA (Empresa de Pesca de Aveiro), tendo sido um campeão da pesca do bacalhau, sob o comando do capitão São Marcos, recentemente falecido.
O almoço foi servido na Casa José Engling, que nesta mesma data celebrou o 34.º ano da sua inauguração. O ambiente acolhedor mostrou que aquele recanto da nossa diocese é, realmente, um lugar onde é bom estar.

Fernando Martins

Daniel Faria: Um poema para este dia


Procuro o lento cimo da transformação
Um som intenso. O vento na árvore fechada
A árvore parada que não vem ao meu encontro.
Chamo-a com assobios, convoco os pássaros
E amo a lenta floração dos bandos.
Procuro o cimo de um voo, um planalto
Muito extenso. E amo tanto
A árvore que abre a flor em silêncio.

Daniel Faria

In DOS LÍQUIDOS

O Homem é colossal e minúsculo

Adicionar legenda

“O homem de hoje é colossal pela enormidade das responsabilidades que pesam sobre ele e minúsculo perante a imensidão das tarefas que em toda a parte o chamam. Mas não podemos, a pretexto de que nos é impossível fazer tudo num dia, não fazer coisa nenhuma! Conservemos no coração a impaciência de fazer. E a indignação na acção.”

Abbé Pierre 
em o TESTAMENTO


Abbé Pierre nasceu a 5 de agosto de 1912 
e faleceu a 22 de janeiro de 2007

segunda-feira, 21 de janeiro de 2019

Augusto Lopes da UA: Lutem pelos vossos sonhos...

“Lutem pelos vossos sonhos 
investindo continuamente na vossa formação”


«O impacto que o professor tem na vida de tantos jovens e o desafio contínuo de encontrar formas interessantes e simples de transmitir conceitos mais ou menos complexos, são dois dos motivos que o fazem mover na atividade docente. Augusto Lopes, diretor do Mestrado Integrado em Engenharia de Materiais, considera que um bom professor é aquele que “consegue, de uma forma cativante, ajudar no processo de aquisição de competências”.»

Ler entrevista em Universidade de Aveiro

O Dia Mundial da Religião é para agir em nome do bem


Celebra-se hoje, 21 de janeiro, o Dia Mundial da Religião, decerto para se refletir sobre a importância das religiões nas vidas dos crentes e não só. Sei que muitos atribuem, com verdade, às religiões, quaisquer que elas sejam, os mais brutais malefícios que poluem o mundo. De facto, através dos séculos foram inúmeras as guerras, as perseguições, os massacres e ódios propalados por chefes em nome de Deus. Contudo, temos de reconhecer que também houve o contrário, isto é, o bem, o amor, a disponibilidade para servir os mais frágeis, a paz e a concórdia, a harmonia e a luta pela justiça social e pela dignificação do homem e da mulher, tendo por meta uma sociedade mais fraterna.
Estou convicto de que todas as religiões visam o bem de todos e o fim das violências pregadas por gente sem escrúpulos e com uma visão errada de Deus, que é, ou deve ser, fonte inesgotável da ternura e da misericórdia.
O Dia Mundial da Religião nasceu em 1949 para promover a união das religiões existentes na Terra, o que somente será possível se os chefes viverem e apelarem ao diálogo inter-religioso, no sentido de traçarem objetivos de respeito comum entre todos os povos, em nome das religiões que professam.

domingo, 20 de janeiro de 2019

Efeméride: Inauguração da Casa José Engling

20 de janeiro de 1985

Música na festa
Aspeto da assistência

Aspeto da assistência
Convidados de honra
Depois de vários anos de espera, a Casa da Juventude Masculina de Schoenstatt (como foi conhecida) teve a sua inauguração na tarde do dia 20 de janeiro de 1985.
A inauguração decorreu num domingo sombrio, sem chuva, mas muito húmido (como pode verificar-se nas fotos da assistência). O salão de quase 100 metros quadrados ficou apinhado de familiares, amigos e de outros convidados, já que, e a pedido do próprio Pe. Rúbens, embora a casa fosse mais pensada para acolher os retiros espirituais dos jovens, também estava aberta a toda a comunidade, vocação que os tempos posteriores vieram confirmar.

Local de encontros regulares dos rapazes da família schoenstattiana, a casa foi construída ao longo de praticamente dois anos e meio, com os esforços pessoais do então Prior Rúbens António Severino, de muitos particulares, empresas e instituições concelhias e distritais, que responderam positivamente à iniciativa germinada num retiro na Casa Sião, cerca de quatro anos antes, face ao crescimento do número de elementos. O nome a dar à estrutura nasceu exatamente num retiro semanal (faziam-se, por regra, três retiros anuais, com o fim de semana orientado para atividades de reflexão e partilha, perto e «longe» das respetivas famílias, para possibilitar o encontro com cada um de nós. Depois de estudadas as várias possibilidades de atribuição do nome, a designação «José Engling» foi sugerida pelo João Alberto Roque e consensualmente aceite, porquanto evocativa do modelo de jovem, que, em situação de guerra, foi «tudo para todos», conforme o ideal de vida que o norteou.

Para a festa foram convidadas diversas entidades civis e religiosas (na foto «Convidados de honra» vemos, entre outros, o Bispo de Aveiro, D. António Marcelino, o Presidente do Núcleo Regional da Segurança Social, o Capitão Monteiro e o Jornalista Daniel Rodrigues. Mais atrás, o Engº Galante, o Engº Vasco Lagarto, e à direita, Fernanda Matias e José Ferreira).
As fotos são do saudoso fotógrafo Artur Delgado Lopes.

Helder Ramos

NOTA: Com a preciosa ajuda do Helder Ramos foi possível evocar, hoje, uma efeméride marcante para a juventude de há 24 anos. Obrigado, meu caro.