sexta-feira, 18 de setembro de 2020

Postais Ilustrados (V)

Associação Náutica da Gafanha da Encarnação 
com Costa Nova à vista

Patrão Bondoso, Trabalhadores Ciumentos

Reflexão de Georgino Rocha 
para o Domingo XXV



Pedro continua com as suas dúvidas interiores. E quer dissipá-las. Tinha aderido ao grupo do Mestre sem condições. Havia assinado um contrato em branco. Depois de tudo o que viu e ouviu, acha que chegou a hora de o preencher: E desabafa: Deixámos tudo. Qual vai ser a nossa recompensa? Que nos espera no futuro? Com que podemos contar? 
Jesus, que conhece bem os corações, dá-lhe uma resposta clarificadora. Aproveita a oportunidade do encontro com os discípulos e lança mão de um costume usual no campo que serve de base à sua parábola: a dos trabalhadores da vinha contratados pelo proprietário. Mt 20, 1-16. 
Este dono da vinha sai de madrugada, às nove da manhã, ao meio-dia, às três da tarde e, ainda, às cinco (uma hora antes de terminar a jornada laboral). Que o levaria a tantas saídas? Que segredo animaria a sua e preocupação? 
De facto, uma grande paixão se esconde nesta azáfama. É o amor que tem à sua vinha, em tempo de colheita, é a consideração que lhe merecem os sem emprego e os tarefeiros, vindos para a praça com alguma expectativa, é a vontade clara de que haja trabalho para todos e a justa remuneração, é desvendar uma nova dimensão do ser humano na qual se espelha a bondade e gratuidade – reflexos qualificados do rosto de Deus. 

quinta-feira, 17 de setembro de 2020

Gafanha do Carmo celebra 60 anos de freguesia




A Gafanha do Carmo está hoje de parabéns por celebrar o 60.º aniversário como freguesia, que foi criada por Decreto-Lei n.º 43 165, com data de 17 de setembro de 1960. A criação de freguesia teve em consideração a petição da maioria dos chefes de família daquele lugar que tinha 297 fogos e 1155 habitantes. A Junta de Freguesia foi constituída em 26 de dezembro do mesmo ano, presidida por António Maria Louro Domingues, que, no ato de posse, proclamou: «A Junta foi legalmente constituída e é com verdadeiro júbilo, e emocionado, que tenho a honra de presidir à sua primeira reunião.» 
A Gafanha do Carmo tem sido, fundamentalmente, uma povoação agrícola, mas houve sempre outras atividade. Muitos homens foram marnotos e moços de salinas, pescadores do bacalhau e da ria, trabalhadores nas companhas de pesca e na construção civil, mas ainda no comércio e indústrias locais e regionais. No entanto, a emigração também foi uma opção constante para o Brasil e Estados Unidos, Venezuela e Canadá, França e Alemanha. As mulheres, contudo, as que não emigraram, laboraram na lavoura, nas secas do bacalhau da Gafanha da Nazaré, enquanto outras vendiam, há décadas,  produtos agrícolas na Costa Nova, na época balnear, e nas feiras próximas, em especial na da Vista Alegre. 
Para comemorar o evento, a Câmara de Ílhavo vai reunir-se hoje,  na Gafanha do Carmo, a partir das 18 horas, e na agenda estará o Covid-19, o relatório do Auditor Externo sobre a informação económica, financeira e orçamental do Município e, ainda, o primeiro relatório de execução no âmbito do Protocolo de Concessão de Apoio Financeiro às Juntas de Freguesia. 
Li na Rádio Terra Nova que, na reunião, serão debatidos o Estudo Prévio de Águas Residuais e Pluviais da Gafanha do Carmo e a abertura de concurso para reabilitação do Pavilhão Desportivo da mesma freguesia,  entre outros assuntos. 
Felicito a mais nova freguesia do Concelho de Ílhavo e suas gentes por esta celebração, com votos de progresso a todos os níveis. 

F. M. 

quarta-feira, 16 de setembro de 2020

ANDANÇAS - Mira

Há três anos andei por aqui com a Lita. 
No centro de Mira, terra de alguns dos nossos ancestrais,
encontrámos história, poesia e flores com espelho de água  






Gafanha: Exame do 1.º grau - 1911



 Com a qualidade possível, partilho uma prova do exame do 1.º grau (3.ª classe) do aluno Beijamim Bolaes Monica, realizado em 25 de Julho de 1911. Em cima, à esquerda, a prova foi rubricada por Domingos Cerqueira, que veio a ser ou já era um inspetor escolar e autor da Cartilha Escolar, cuja primeira edição data de 1912. Na prova, à direita, em cima, há ainda a rubrica do prof. Oliveira.

Nota: Se conseguir melhor foto, procederei à substituição. 

terça-feira, 15 de setembro de 2020

ÁGORA para esquecer momentos de inquietude



(Clicar)

Sobre esta obra, Lídia Jorge diz, na revista LER, que, “num tempo de destruição, este livro ajuda a acalmar, no coração de quem o lê, a noção da ameaça que nos cerca”. E acrescenta que, para ler Ana Luísa Amaral, “é necessário sair da esfera do conforto gramatical herdado, entrar no domínio da sua cultura e erudição, e, sobretudo, na intimidade de um sentimento capaz de passar do microcosmo da domesticidade para o domínio das esferas celestes, uma harpa de mil cordas coordenadas segundo um código que lhe é muito próprio”. 
Acrescento apenas que gostei muito de o ler e que o recomendo a quem gosta mesmo de poesia. Hão de sentir, como eu, que, neste tempo de pandemia, a boa poesia nos ajuda a esquecer momentos de alguma inquietude.

F. M. 

segunda-feira, 14 de setembro de 2020

Figuras da nossa terra - Padre Lé


Manuel Ribau Lopes Lé nasceu a 4 de agosto de 1922 na Gafanha da Nazaré. Filho de José Lopes Lé e Teresa de Jesus Ribau. 
Os seus progenitores dedicavam-se à agricultura e o seu pai também era marnoto, assim acompanhou-os nestas lides até aos 14 anos, altura em que concluiu a instrução primária, na Escola do Prof. Oliveira, na Gafanha da Nazaré, e ingressou no Seminário da Imaculada Conceição, na Figueira da Foz (1936-1937). No ano seguinte, frequentou o Seminário Maior de Coimbra (1937-1939), de 1939 a 1943 o Seminário de Aveiro e o Seminário de Cristo Rei dos Olivais de 1943 a 1947. 
Foi ordenado presbítero a 20 de setembro de 1947 na Igreja matriz de S. Mateus no Bunheiro, por D. João Evangelista de Lima Vidal, celebrando Missa Nova na Igreja matriz da Gafanha da Nazaré, quando era pároco o Padre Guerra. 
Até novembro de 1952 foi coadjutor do Bunheiro, tendo sido depois nomeado pároco das freguesias de Préstimo e Macieira de Alcoba onde permaneceu até 1957. 
A 28 de outubro de 1957 foi nomeado pároco da Gafanha da Encarnação, onde exerceu sempre o sacerdócio numa relação muito próxima com comunidade, durante 52 anos. 
Deste período temos a destacar, em 1983, o início das obras da nova igreja da paróquia, que foi inaugurada a 22 de agosto de 1993; em 1987 o Centro Paroquial foi reconhecido como Instituição de Solidariedade Social; e, em 1993 entrou em funcionamento o Corpo Nacional de Escuteiros, Agrupamento 1024 por sua responsabilidade. 
Retirou-se do serviço paroquial em setembro de 2009, tendo vindo a falecer a 2 de maio de 2010, com 87 anos de idade. 

Notas: 

1. Trabalho do Centro de Documentação de Ílhavo, integrado no projeto "Se esta rua fosse minha", com a colaboração de Francisco Carapelho, aluno do Agrupamento de Escolas da Gafanha da Encarnação, que fez uma pesquisa junto da comunidade sobre o Padre Lé, tendo falado com José C. Carapelho e José R. Carapelho, que conheceram este sacerdote, natural da Gafanha da Nazaré, e confirmam a proximidade que ele tinha com a comunidade.
2. Referem que o topónimo foi atribuído em vida ao Padre Lé, tendo este confidenciado que apesar de aquela não ser a rua da Gafanha da Encarnação com mais movimento, era a mais importante, pois era onde se localizava o pavilhão e a escola.
3.Homem dos sete ofícios, a população recorria a ele para pequenos arranjos mecânicos, elétricos, relojoaria, entre outros. Além disso, era uma espécie de enfermeiro que tinha um curso para poder administrar injeções, algo muito importante numa época em que o pessoal de enfermagem não abundava.
4.A Rua Padre Lé localiza-se na Gafanha da Encarnação é uma homenagem ao Padre Lé, prior da paróquia de Nossa Senhora da Encarnação. O topónimo foi uma proposta da Assembleia da Freguesia da Gafanha  da Encarnação (Ata n.º 12/1995, de 30 de Junho). Esta era a antiga Rua dos Pinhais.

Arte da Xávega

Para não cair no esquecimento


A Arte da Xávega, que muitos conhecem pela utilização de juntas de bois que puxam a rede para a praia, não começou assim. O padre João Rezende diz, na sua Monografia da Gafanha, que “Até cerca de 1887 estava ainda em uso o processo de pesca no mar pelo arrasto ao cinto, que consistia em cada um dos pescadores prender, por uma laçada especial, a corda do cinto às duas cordas especiais da rede (o rossoeiro e a corda barca) e assim ligados, ou atrelados se quiserem, arrastarem a rede para fora da pancada do mar". Diz o mesmo autor que foi Manuel Firmino, proprietário de companhas e político de Aveiro, quem primeiro substituiu, naquele ano, o arrasto ao cinto pela tracção do gado bovino.

Publicado no meu blogue Galafanha. 

domingo, 13 de setembro de 2020

Haverá uma experiência religiosa certa?

Uma reflexão de  Miguel Panão


Fará sentido usar as outras religiões para fazer valer as razões por nos mantermos ligados à nossa, ou desligados de qualquer uma? Não desconfio das religiões, mas das pessoas que consideram a sua como A “certa.” Não existem religiões certas ou erradas. Existem pessoas que têm a mente aberta para umas coisas, e fechada para outras. Existem pessoas com uma experiência forte numa religião, outras com experiências superficiais, e outras sem desejo ou intenção de ter qualquer experiência religiosa. Existem pessoas, simplesmente, e a humanidade faz-se mais de caminhos do que destinos. Penso serem mais importantes os desconfortos pelas diferenças nas experiências espirituais, do que os confortos provenientes de falsas certezas.

Hoje é domingo

 

Como diria o saudoso Raul Solnado, um artista como poucos a fazer graça sem baixezas, "hoje é domingo em todo o país" e para além dele, conforme o globo terrestre que rola sem darmos por isso. A semana de trabalho a sério começa/termina sempre com o domingo, para descanso, lazer e outros derivados a gosto de cada um. Conforme a idade, a estrutura mental, a educação, a necessidade física, mental e outras. Eu incluo-me nisto tudo. O domingo dá até para variar e hoje nem me apetece dormir a sesta para o aproveitar bem. Veremos se consigo. 
Para já, estou só com a Lita e no meu sótão reina um silêncio que dá conforto e paz de espírito. Suspendo por momentos a escrita para o ouvir melhor. Nem vento assobiando, nem passarada a chilrear, nem gatos a miar, nem cães a ladrar, nem galos a cantar, nem música! É meio-dia e nada. E é nesta calmaria que reflito sobre os discursos de que dei nota neste meu blogue do Papa Francisco e de António Guterres sobre a realidade da Mãe Natureza que tão vilipendiada tem sido pelos humanos, que somos nós, que nos dizemos nós, através dos milénios. Ganâncias desmedidas têm dado cabo do planeta Terra e da Humanidade em geral. Depois brotam calamidades de toda a ordem. Os arautos das verdades do bem e do belo são ridicularizados ou ignorados. Todos proclamamos a necessidade de cuidar da Natureza, mas todos, também, embarcamos nas marés do consumismo desenfreado. 
Apesar de tudo, bom domingo. 

Fernando Martins

A marca cristã da Escola Católica

Crónica de Bento Domingues no PÚBLICO


1. Devido à pandemia, o começo do novo ano escolar não pode deixar de provocar ansiedade em todas as pessoas que estão envolvidas no processo educativo. As imensas dificuldades, o medo, as dúvidas e incertezas não são exclusivas das famílias, das escolas, dos governos. Já verificamos que o choque da covid-19, de modos muito diversos, afecta toda a sociedade, em todas as suas expressões.
É uma banalidade dizer que a educação é um dos factos mais gerais e mais constantes da história do ser humano, que não é apenas natura, biologia, instinto, mas história cultural. Sem uma comunidade educativa, que o possa ajudar a desenvolver as suas capacidades criativas, o ser humano manter-se-ia perante os desafios da vida, apenas como o ser menos equipado do reino animal.
É pelos diversos processos educativos, das diferentes culturas, que ele acolheu e desenvolveu a capacidade de pensar, comunicar, sonhar, experimentar, realizar e fazer acontecer o novo, o futuro, seja no registo da esperança ou da utopia. Como escreveu Gaston Berger, tudo começa pela poesia, nada se faz sem a técnica.
Nas sociedades modernas, sem as ciências e as técnicas, sem os cuidados da saúde, sem novas formas de trabalho e sem a escola de realidades e ilusões, a vida humana parece inconcebível, embora seja a situação da maior parte da humanidade. Hoje, começamos a saber que, sem uma profunda conversão ecológica, o futuro está ameaçado.
A covid-19 alastrou por todos os continentes. Quando poderemos dispor de vacina acessível a toda a gente de todos os países? Até lá, o sentido da cidadania deve começar – sempre que possível – pelos cuidados e pelas práticas recomendadas pelas autoridades sanitárias. Importa destacar: quem, podendo, não as segue, é louco. Nem o pânico nem o desleixo são boas companhias para este tempo [1].

Postais Ilustrados (IV)

 Ria de Aveiro


sábado, 12 de setembro de 2020

António Guterres - O mundo estará perdido...

Depois de ouvir esta tarde o discurso do Papa Francisco sobre a urgência de cuidarmos da casa comum, dizendo que “as mudanças climáticas não apenas alteram o equilíbrio da natureza, mas causam pobreza e fome”, lembrei-me de repescar afirmações de António Guterres, Secretário Geral da Nações Unidas, proferidas há dias sobre o mesmo assunto. Diz ele:

«O mundo estará “perdido” caso não exista uma união de forças entre os Estados para combater as alterações climáticas. Afirmou ainda que a actual pandemia ilustra os danos provocados pela desunião. “Acredito que o fracasso em conter a propagação do vírus, porque não houve coordenação internacional suficiente, (...) deve fazer com que os países compreendam que devem mudar de rumo”, disse António Guterres em declarações à agência France Presse (AFP), a uma semana da abertura da 75.ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em 15 de Setembro. 
À agência noticiosa francesa, Guterres defendeu que os Estados “devem agir juntos face à ameaça climática”, que é “muito mais grave do que a pandemia em si”. “É uma ameaça existencial para o planeta e para as nossas próprias vidas”, insistiu. “Ou estamos unidos ou estamos perdidos”, avisou o secretário-geral da ONU, apelando, em particular, à adopção de “verdadeiras medidas de transformação nos domínios da energia, transportes, agricultura, indústria, no nosso modo de vida, sem as quais estamos perdidos”»

Li aqui

PAPA ESTIMULA COMUNIDADES “LAUDATO SI”


Carlo Patrini e Papa Francisco 

O Papa Francisco disse hoje aos participantes no encontro das comunidades “Laudato Si'” que “a saúde do homem não pode prescindir da saúde do meio em que vive”, salientando que “as mudanças climáticas não apenas alteram o equilíbrio da natureza, mas causam pobreza e fome”, atingindo “os mais vulneráveis”e obrigando-os, às vezes, “a abandonar suas terras”. Torna-se notório que “o desprezo pela criação e as injustiças sociais influenciam-se mutuamente”, acrescentou o Papa. 
Agradecendo aos membros das comunidades “Laudato Si” que seguem os passos de São Francisco, “com mansidão e diligência”, renovou o seu apelo no sentido de se empenharem “na salvaguarda da nossa casa comum”, que é tarefa de todos, “especialmente dos responsáveis pelas nações e atividades produtivas. “É necessária uma vontade verdadeira para enfrentar as causas profundas dos distúrbios climáticos em curso. Compromissos, palavras, palavras genéricas ... não bastam ...”, frisou o Papa. E citando o teólogo mártir Dietrich Bonhoeffer, adiantou: “nosso desafio, hoje, não é “como vamos fazer”, como vamos sair disso; nosso verdadeiro desafio é “como pode ser a vida para a próxima geração”. 
O papa Francisco apresentou como palavras-chave da ecologia integral a contemplação e a compaixão. Sobre a primeira, disse que nos tornamos vorazes e dependentes de lucros, com resultados imediatos a qualquer custo. “O olhar sobre a realidade está-se tornando mais rápido, distraído e superficial, enquanto em pouco tempo as notícias e as florestas queimam”. E sobre a segunda, sublinhou que compaixão é "sofrer com", é ir  “além das desculpas e das teorias”. E frisou: “Tenho a certeza de que as vossas Comunidades não se contentarão em viver como espetadoras, mas serão sempre humildes e determinadas protagonistas na construção do futuro de todos. E tudo isso faz a fraternidade. Trabalhem como irmãos. Construam fraternidade universal. E esse é o momento, esse é o desafio de hoje.” 

Fernando Martins

Ler o discurso do Papa aqui 

Nota: Carlo Patrini é o fundador das comunidades “Laudato Si”

Conversa com Hans Küng. 1

 Crónica de Anselmo Borges no DN

Hans Küng

Na sequência das crónicas sobre J. Ratzinger/Bento XVI, revisitei a conversa que tive em 1979, em Estugarda, com o célebre teólogo Hans Küng sobre o Deus de Jesus. Foi assim: 
Continua fascinado por Cristo. Quero perguntar-lhe: o que pode, na sua opinião, significar hoje o cristianismo? 
Dou-lhe uma resposta simples. Para mim, ser cristão tem ainda hoje sentido, pois, com o cristianismo, pode-se ser Homem num sentido mais profundo e radical. 
Esta afirmação já não é suspeita, pois foi feita também — é com alegria que o digo — pelo novo Papa (João Paulo II). Escrevi um livro com o título Ser cristão. Ora, alguns criticaram-no, porque diziam que nele se falava demasiado do Homem. Mas hoje vê-se cada vez melhor que o cristianismo não é uma pura ideologia para si mesmo. A Igreja não tem a sua finalidade em si mesma. O cristianismo deve ajudar o Homem a ser Homem melhor e mais radicalmente. 
Mais radicalmente em que sentido? 

sexta-feira, 11 de setembro de 2020

Em memória da Tita



Cá por casa houve sempre animais domésticos, concretamente,  desde que os filhos foram nascendo e crescendo. E ainda hoje, não faltam por aqui animais vadios, sobretudo gatos, atraídos pela simpatia da Lita, que trata deles como se fossem domésticos. Alguns, porém, por mais que ela os acarinhe, mantêm o seu ADN intacto. Mas ela não desiste...
Hoje, dia de mexer e remexer nos meus arquivos, encontrei esta colagem feita em homenagem à nossa Tita, a cadela que mais saudades nos deixou com a sua partida para o céu das nossas memórias. Sim, ela nunca passaria pelo purgatório! 

F. M. 

Nota: Flores do nosso jardim.

NOSSO QUERIDO MÊS DE AGOSTO



Há muito tempo que Agosto se tornou o mês do lazer por excelência para o grosso da população. Para férias de alunos de todos os graus de ensino, para profissionais de vários quadrantes, para aposentados que aproveitam a ocasião para fugir ao ramerrão da vida sem compromissos, mas ainda para os que conhecem a importância de se libertarem de hábitos rotineiros.
Agosto, com as temperaturas mais convidativas a sair, proporcionam a frequência das praias, os tratamentos termais, os passeios ao ar livre para se apreciar a natureza, a visita a monumentos, a peregrinação a santuários e o encontro com familiares e amigos, respeitando as regras do distancionamento.
Agosto é, também, para os mais caseiros, um mês propício à reflexão sobre a vida e as suas circunstâncias, à leitura de livros que já conhecemos há bastante tempo, mas que merecem uma releitura, sem descurar um olhar atento e interessado ao que se vai editando, de autores antigos e modernos, tendo sempre em consideração que a leitura é uma extraordinária fonte de saber, de conhecimento e de diversão, enquanto nos permitem viajar por todo o mundo, exibindo novas paisagens, culturas e povos.
Por força dos condicionamentos impostos pelo Covid-19, que limitou radicalmente os nossos hábitos, Agosto foi e é para muita gente um mês de poucas saídas, circunscrevendo a vida aos arredores das suas casas, o que pode proporcionar a possibilidade de olhar com mais atenção o que temos quase à nossa porta.
Um jardim que atravessamos frequentemente a correr pode enriquecer o nosso espírito quando paramos, com serenidade e atenção, tentando descobrir o que os nossos autarcas e demais entidades, estatais ou outras, através dos tempos, criaram para os nossos tempos de lazer.
Os tempos que correm têm sido propícios, apesar de certas críticas pessimistas de alguns, ao desenvolvimento pessoal, dentro do possível e desejável. Não falta quem escreva e fotografe autênticos postais ilustrados da nossa região, quem desenhe e pinte, quem crie artesanato e cultive outras artes decorativas, quem investigue o nosso passado e divulgue as suas descobertas nas redes sociais, quem escreva poesia e prosa, quem participe em jornadas de formação e informação, mas também nas atividades programadas expressamente para este mês, quem reze em grupo ou pessoalmente, e quem viva, afinal, com a intensidade própria da sua idade. Importa, contudo, que os mais idosos e mais livres projetem o espírito do mês de Agosto o mais longe possível. Sempre no cultivo da alegria, do otimismo, da partilha, da sobriedade e da solidariedade.

Fernando Martins

Nota: Fotos: Boca da Barra, Cais dos Botirões e Jardim Oudinot

11 DE SETEMBRO


 11 de Setembro de 2001. Faz hoje 19 anos. O mundo passou a ser diferente. 

MEXERICOS

 Para refletir neste fim de semana




"Por favor, irmãos e irmãs, vamos tentar não criar mexericos. 
Os mexericos são uma  praga pior que a Covid-19"

Papa Francisco 

Senhor Generoso, Servo Mesquinho

Reflexão de Georgino Rocha 
para o Domingo XXIV


Pedro anda preocupado com os ensinamentos de Jesus, tão diferentes das tradições judaicas e das aspirações que alimenta. Sobretudo no desenlace humilhante da vida em Jerusalém, nas atitudes a cultivar no relacionamento humano, na proposta insistente do perdão como caminho de recuperação de quem faz ofensas. A preocupação leva-o a pedir-lhe mais explicações e a pergunta surge directa: “Quantas vezes hei-de perdoar ao meu irmão?” E adianta a medida que pensava ser mais generosa: “Até sete vezes?” E já era muito para um judeu, pois o número sete significa plenitude e faz evocar a sentença do filho de Caim, Lamec, que pretendia vingar a ofensa, não sete vezes, mas setenta vezes sete. Mt 18, 21-35. 
João Paulo II, na sua encíclica «Rico em misericórdia», afirma que “um mundo do qual se eliminasse o perdão seria apenas um mundo de justiça fria e irrespeitosa, em nome da qual cada um reivindicaria os próprio direitos em relação aos demais. Deste modo, as várias espécies de egoísmo, latentes no homem, poderiam transformar a vida e a convivência humana num sistema de opressão dos mais fracos pelos mais fortes, ou até numa arena de luta permanente de uns contra os outros”. 

quinta-feira, 10 de setembro de 2020

Figuras da nossa terra - Egas Salgueiro

Egas Salgueiro nasceu a 16 de março de 1894, abandonou o liceu com apenas 14 anos e emigrou primeiro para o Brasil e depois para Angola. 
Em 1915 regressou a Aveiro onde se tornou sócio, juntamente com o pai e os irmãos, da empresa Salgueiro & Filhos, Lda. Entre 1922 e 1927 foi sócio da Empresa de Navegação e Exploração de Pesca. 
Porém, esta empresa foi encerrada e Egas Salgueiro, em 1928, fundou a Empresa de Pesca de Aveiro (E.P.A.). Será aqui que este industrial implementará a sua visão estratégica e levará a cabo uma gestão verdadeiramente empreendedora, ao conduzir os seus navios a pescar nos mares da Gronelândia, algo que nunca tinha sido tentado a nível nacional, ou ao equipar os veleiros com motores propulsores, permitindo viagens mais rápidas ou então quando dedica pela primeira vez um navio arrastão à pesca do bacalhau. 
Nos anos 50, a E.P.A., antecipando as dificuldades que o mercado do bacalhau atravessará, aposta na diversificação das suas atividades, passando a dedicar-se também à pesca do longínqua do atum e iniciando a pesca do arrasto costeiro desta espécie. Investiu também na indústria conserveira, fundando, em Agadir, uma fábrica de conservas e farinha de peixe. Na Gafanha da Nazaré, a E.P.A. será uma das primeiras empresas a instalar túneis de secagem artificial e grandes armazéns frigoríficos. 

quarta-feira, 9 de setembro de 2020

Tempo novo carece de renovação

Carta Pastoral do Bispo de Aveiro

“Tempo Novo carece de renovação” é o título de uma carta pastoral do Bispo de Aveiro, D. António Moiteiro, que pode ser lida na página da Diocese online ou no jornal diocesano Correio do Vouga. Como o título indicia, a proposta de reflexão do nosso bispo debruça-se sobre a pertinente questão da pandemia que “atingiu o mundo de forma intensa”, deixando-nos “fragilizados naquilo que é mais precioso: a vida humana”. Contudo, lembrou que a fé “não esmoreceu os cristãos” porque “o pânico e o medo não vêm de Deus”. 
Na certeza de que o sofrimento é, muitas vezes, “um método que Deus utiliza para amadurecer a nossa fé”, o Bispo de Aveiro lembra que a Igreja tem de ser “o último reduto de esperança para o povo”. Na convicção de que a pandemia abre “caminhos para revigorar as comunidades, D. António recorda as inúmeras iniciativas promovidas por dioceses, paróquias e outras instituições, no sentido de apoiar “as pessoas atingidas direta ou indiretamente pela pandemia”, sendo necessário “continuar a garantir este esforço e dinamismo da fraternidade para com o próximo”. 
“Todos estamos a sofrer com esta pandemia, mas as camadas sociais vulneráveis são as que mais sofrem: idosos nos lares mais fragilizados, aumento do número de pessoas em situação de miséria, perda de emprego, falência de empresas, ausência de condições para se precaver contra o contágio”, frisou o Bispo de Aveiro. E acrescentou: “Urge, sem pretensiosismos, prestar assistência aos mais necessitados das nossas comunidades: idosos, viúvas, isolados, desempregados, trabalhadores precários, vendedores cuja atividade foi seriamente prejudicada, aqueles cujos recursos não são suficientes para a sua subsistência… Os momentos de sofrimento e de luto são os que mais abalam a esperança e que, portanto, mais acompanhamento e proximidade exigem”. 

Ler mais aqui

terça-feira, 8 de setembro de 2020

Seis meses com o Covid-19


Se não me engano (não tenho tempo para confirmar), seis meses passaram com a batuta do Covid-19 a dirigir as nossas vidas. Restrições, preocupações, leis e medos ditaram comportamentos para todos, com as habituais ideias de alguns que se comportam como se isto fosse uma brincadeira, mas não é. 
Pelo que tenho visto, lido e ouvido, os mais jovens têm resistido aos ataques do vírus, o que não acontece com os mais idosos, que continuam a engrossar as estatísticas que hão de ficar para a história como as vítimas maiores da pandemia. Para que conste, eu estou na lista da chamada terceira idade. 
Certo do perigo que corro, uso máscara quando saio e em casa quando recebo alguém. Lavo as mãos e desinfeto-as frequentemente.  Quem chega, tem de a usar. E quando lembro a razão do uso da máscara, que até me incomoda quando encaixo os óculos para ler, informo sempre que o faço porque não sei se estou infetado ou se quem chega é portador do coronavírus. Que não, retruca um ou outro, afiançando que não andou por zonas de risco... que posso ficar descansado! Pois é... mas ninguém exibe o atestado médico comprovativo da sua saúde. E mesmo que o tivesse, de nada serviria, pois o visitante poderia ser contaminado pelo caminho.
Apesar de me sentir com coragem para resistir aos efeitos do isolamento, reconheço que preciso de sair para arejar, ver pessoas, conviver dentro do possível e receber da natureza, com toda a sua beleza, o ar livre e refrescante e o calor purificador. Contudo, o medo vem sempre sorrateiro... 
Pessoalmente, afirmo que tenho feito um natural esforço para me adaptar às circunstâncias, ocupando o tempo em atividades agradáveis, porém, reconheço que muitos da minha idade talvez não tenham possibilidades físicas e mentais para enfrentarem a situação calamitosa conhecida. Será  urgente, por isso,  que famílias e instituições se debrucem sobre as necessidades dos mais velhos, que não podem nem devem ficar esquecidos ou deixados a um canto. 

Fernando Martins

Postais Ilustrados (III)

Gafanha da Nazaré - Santuário de Schoenstatt


 

segunda-feira, 7 de setembro de 2020

Pela Positiva - Há dez anos


«Se passa, desacanhadamente, da "Escolha de peixe" no sul da Costa Nova para o "Mercado de Cabinda"; se transfere as tintas do glauco da Ria para os amarelos gritantes da seara madura; se da peixeira esbelta resvala para a ceifeira maciça e do pescador ágil e bailarino para o pastor imóvel na paisagem pasmada, isso não lhe obnubila a fidelidade à ambiência onde, pela primeira vez, experimentou os pincéis e a que está ligado por uma afectividade toda tocada de ternura.»

Frederico de Moura

In "Homenagem do Município de Ílhavo – C. Teles – Desenhos"

APA aposta em melhores acessibilidades


No dia 1 de setembro, a APA – Administração do Porto de Aveiro, S. A. iniciou o “Estudo da Melhoria das Acessibilidades Marítimas do Porto de Aveiro”, que tem como objetivo geral “avaliar medidas e obras que possibilitem a melhoria das acessibilidades marítimas, de forma a permitir o acesso a navios com maiores dimensões, em melhores condições de segurança e em qualquer condição de maré”. Este estudo, que foi adjudicado ao Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), conta com a colaboração da Universidade de Aveiro. O estudo deverá ficar concluído no prazo de nove meses.

Homenagem às mulheres das secas


Deolinda - bons anos depois

A Deolinda veio de Fafe para a nossa terra em 1955. Tinha 11 anos e como habilitações possuía a 4.ª classe. Também já tinha feito a Profissão de Fé. Quando chegou, foi trabalhar com as irmãs, Maria da Luz e Ilda, para a seca do Milena. Na Cale da Vila. Como ela, assim menina, havia outras. Na altura não se reparava no trabalho infantil.
A Deolinda não teria verdadeiramente a noção do trabalho, mas sentia que tinha de ajudar a família. A primeira tarefa que lhe deram resumia-se a guardar o bacalhau que secava pendurado nas redes da vedação da seca, não fosse algum transeunte tentar-se e sacar algum peixe ainda não completamente seco. Outro era estendido nas mesas de arame.
O tempo ali especada a olhar custava a passar. Vai daí, começou, para se entreter, a jogar “à macaca”, um jogo muito habitual naqueles tempos entre a criançada. E assim ganhava a vida. «Os patrões eram amigos e boas pessoas», confidenciou-me.
Depois, estendeu bacalhau pelas mesas e ao fim do dia de sol recolhia-o até à manhã seguinte, se a temperatura fosse adequada e se houvesse vento. Saltou a seguir para as tinas, onde se lavava o peixe mais consumido pelos portugueses naquela época. Era miúda e mal conseguia esfregar o fiel amigo. Não ganhava tanto como as mulheres, mas já nem recorda o preço da jorna. Era de facto pequena, a Deolinda. Mas uma irmã, mais crescida e mais sabida, apressa-se a sugerir-lhe, para se assemelhar às adultas, ganhando como tal:
— Estica-te, Deolinda, para pareceres uma mulher!

Fernando Martins

Nota: Reedição para mostrar  aos mais jovens

O Papa e a pandemia

«De algum modo a pandemia atual levou-nos a redescobrir estilos de vida mais simples e sustentáveis. A crise deu-nos, em certo sentido, a possibilidade de desenvolver novas maneiras de viver. Foi possível constatar como a Terra consegue recuperar, se a deixarmos descansar: o ar tornou-se mais puro, as águas mais transparentes, as espécies animais voltaram para muitos lugares donde tinham desaparecido. A pandemia levou-nos a uma encruzilhada. Devemos aproveitar este momento decisivo para acabar com atividades e objetivos supérfluos e destrutivos, e cultivar valores, vínculos e projetos criadores. Devemos examinar os nossos hábitos no uso da energia, no consumo, nos transportes e na alimentação. Devemos retirar, das nossas economias, aspetos não essenciais e nocivos, e criar modalidades vantajosas de comércio, produção e transporte dos bens.»

domingo, 6 de setembro de 2020

Rua Direita e o turismo



Andámos pela Rua Direita um dia destes, por vontade expressa da Lita. Dizia-me que a rua estaria mais voltada para os turistas que demandam Aveiro, não só pelos canais de Ria, mas também pelos moliceiros que já não andam ao moliço e pelos ovos-moles de sabor único, decerto pelo seu  fabrico secreto... Diz-se que foi assim batizada, apesar de ser às curvas, por nos conduzir mais depressa ao olho da cidade. Pode ser... Se não for, que alguém nos esclareça. E o que vimos? 
Não havia por ali nenhuma multidão, mas notava-se quem era turista: Olhos bem abertos nas montras das lojas, com destaque para os ovos-moles, artesanato e bares. Nesse vaivém, que não foi tão demorado quanto desejado, reparámos que havia lojas renovadas e algumas à espera disso. Fixei os meus olhares numa dessa e recordei então que ostentava um símbolo digno de ser protegido e salientado. Trata-se do velho prédio que ilustra esta mensagem onde se vê, claramente, a vieira ou concha que denuncia a hospedagem de peregrinos de Santiago. Segundo a tradição, os peregrinos que estacionavam em Albergaria, procediam a um desvio para venerarem a Padroeira de Aveiro, Santa Joana, que afinal ainda é a Beata Joana, à espera que o Papa se decida por declará-la digna dos altares a nível universal. Os aveirenses, contudo, já a "canonizaram". 

F. M.

RETALHOS: Mário Cláudio

Assim começou um romance 

“Um velho no Inverno é a morte soprada, o tempo dorido, os fantasmas que a paciência esfarrapou. Põem-lhe aos pés a braseira, remexe as cinzas à procura de um rosto mais claro, aquieta-se nos reposteiros da sombra que o habita. Agasalha-se o velho no capote de castorina, puído nos lugares do atrito dos gestos, salpicado pelos oceanos que imaginar. Está calado, e sente frio, não lhe perguntem da justiça dos homens que conheceu, nem da obra completa, nem do paraíso que pelo mundo andou buscando.” 


Do livro “Peregrinação de Barnabé das Índias”, 
1.ª edição, Maio de 1998

sábado, 5 de setembro de 2020

O Laguna está na Laguna


Tanto quanto posso deduzir, o Laguna, que está na Laguna, é um café-restaurante ou bar que desafia os que circulam nos acessos à cidade de quem vai para as praias da Barra e da Costa Nova ou delas regressa a Aveiro. É óbvio que, para confirmar a natureza daquela oferta turística, terei de a visitar, nem que seja, apenas, para saborear um café. E não acrescento mais nada para não errar. De qualquer forma, a ideia da sua presença ali é muito feliz e convidativa.

Dia Internacional da Caridade


“A Cáritas pede que, neste dia, ninguém deixe de ter um gesto de auxílio em favor de quem esteja em necessidade. Uma visita, um donativo, um abraço, uma diligência, …são algumas das formas de viver, de verdade, este dia. Neste dia que ninguém em sofrimento seja esquecido”  

 Eugénio Fonseca
Presidente da Cáritas Portuguesa

Nota: Foto da rede social 

Bento XVI. Uma vida. 5

Crónica de Anselmo Borges
no Diário de Notícias



1. Em 1981, Ratzinger partiu para Roma, nomeado pelo Papa João Paulo II Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, a antiga Inquisição. “Ninguém o advertiu desta missão impopular?” Resposta: “Eu não precisava de advertência nenhuma. Era para mim claro que me lançava às urtigas. Mas tinha de assumi-la”. Foi como “colaborador da verdade”. 
1.1. Em Abril de 2005, faleceu João Paulo II, que, com 5 milhões de participantes, teve o maior cortejo fúnebre da História. Com tristeza, Ratzinger presidiu às exéquias. 3500 jornalistas marcaram presença, mais de mil milhões de pessoas seguiram o acontecimento ao vivo nas televisões, havendo quem fale em dois mil milhões, com as televisões de todos os países, exceptuando a China, a transmitir imagens do acontecimento. 
Mas, paradoxalmente, “a influência da Igreja na era Wojtyla retrocedeu”. O pontificado de João Paulo II deixava uma Igreja com muitas feridas. Por exemplo, no seu pontificado, com o apoio de Ratzinger, foram condenados mais de 100 teólogos. Houve ambiguidade quanto aos abusos sexuais do clero; o próprio Ratzinger enviou em 2001 uma carta a todos os bispos sobre estes delitos, dizendo que todos os casos ficavam sob “segredo pontifício”. Com as imensas viagens papais, a vigilância sobre a Cúria afrouxou... 

GABRIEL GARCÍA MÁRQUEZ - Carta aos amigos

Para este fim de semana 
com votos de saúde



"Se por um instante Deus se esquecesse de que sou
uma marionete de trapo e me presenteasse um fragmento
de vida, possivelmente não diria tudo o que penso
mas em definitivo pensaria tudo o que digo.
Daria valor as coisas, não pelo que valem, senão
pelo que significam. Dormiria pouco, sonharia mais,
entendo que por cada minuto que fechamos os
olhos, perdemos sessenta segundos de luz.
Andaria quando os demais se detêm, despertaria
quando os demais dormem.
Escutaria quando os demais falam, e como
desfrutaria um bom sorvete de chocolate! Se
Deus me obsequiasse um fragmento de vida, vestiria
simples, me atiraria de bruços ao sol, deixando des-
coberto, não somente meu corpo senão minha alma.
Deus meu, se eu tivesse um coração, escreveria meu
ódio sobre o gelo, esperaria que saísse o sol.
Pintaria com um sonho de Van Gogh sobre as
estrelas um poema de Benedetti, e uma canção
de Serrat seria a serenata que lhes ofereceria à
lua. Regaria com minhas lágrimas as rosas, para
sentir a dor de seus espinhos, e o encarnado beijo
de suas pétalas...
Deus meu, se eu tivesse um fragmento de vida... Não
deixaria passar um só dia sem dizer as pessoas que
quero, que as quero. Convenceria a cada mulher ou
homem de que são meus favoritos e viveria enamorado
do amor. Aos homens lhes provaria quão equivocados
estão ao pensar que deixam de enamorar-se quando
envelhecem, sem saber que envelhecem quando
deixam de enamorar-se! A criança lhe daria asas,
porém lhe deixaria que sozinho aprendesse a voar.
Aos velhos lhes ensinaria que a morte não chega com a
velhice senão com o esquecimento.
Tantas coisas tenho aprendido de vocês, os
homens... Tenho aprendido que todo o mundo quer
viver no topo da montanha, sem saber que a
verdadeira felicidade está na forma de subir a
escarpa. Tenho aprendido que quando um recém
nascido aperta com seu pequeno punho, pela primeira
vez, o dedo do pai, o tem apanhado para
sempre. Tenho aprendido que um homem só tem
o direito de olhar a outro com o olhar baixo quando
há de ajudar-lhe a levantar-se. São tantas coisas as
que tenho podido aprender de vocês, porém real-
mente de muito não haverão de servir, porque quando
me guardarem dentro dessa mala, infelizmente
estarei morrendo"

Li aqui

sexta-feira, 4 de setembro de 2020

MOLICEIRO NA RIA



Andei hoje por Aveiro sem hora marcada para nada e disso darei conta por aqui. Voguei com a tranquilidade que o moliceiro nos transmite em hora de mostrar aos turistas, nacionais e estrangeiros, os encantos da laguna. Começou Setembro mas ainda há gente que passeia. 

Caminhos de perdão, a correcção fraterna

Reflexão de Georgino Rocha 
para o Domingo XXIII


O Evangelho deste domingo faz parte do capítulo que Mateus, o autor do relato, dedica à vida da Igreja enquanto comunidade realizada num espaço e no tempo. Centra-se no relacionamento entre os seus membros e estabelece uma espécie de escala para o caso de haver desavenças ou pecados entre eles. Mt 18, 15-20. 
Como restabelecer a relação fraterna se foi quebrada e se o pecador persiste na obstinação? Vamos deter-nos nalguns passos a dar (a correcção ou promoção fraterna), procurando abrir horizontes de reconciliação e perdão. 
Há sentimentos e atitudes indignas: ser tolerante passivo, agravar a emoção sentida e alimentada, pagar na mesma “moeda”, retaliar com vingança, excluir o indesejado do círculo de relações, deixar “cair os braços” e esperar que uma crosta se imponha e gere a indiferença. Ou pura e simplesmente, recorrer ao tribunal civil que, apesar da sua nobre função, não resolve questões de consciência. 
A tolerância activa é uma atitude de profundo respeito que revela lucidez e coragem, ponderação e sentido de oportunidade. Não é sinónimo de imposição incriminatória, nem de reacção moralista e uniformizadora. Pelo contrário, traduz o reconhecimento da dignidade ferida, da convivência desfeita, da relação cortada naqueles que estão chamados, por natureza e pela bênção de Deus, à harmonia das diferenças legítimas no todo da humanidade. Quando degenera, dá origem ao tolerantismo que, indiferente ao bem comum, deixa andar as “coisas” ao sabor da corrente, tenha ela o colorido que tiver. 

quinta-feira, 3 de setembro de 2020

CÂNDIDO TELES - Transparências da Ria e do Mar

Museu Marítimo de Ílhavo
Até 8 de Novembro
121 obras 


 

Estabilização do nosso cordão dunar



A Câmara Municipal de Ílhavo e a Agência Portuguesa do Ambiente assinaram, hoje, o contrato e auto de consignação da Empreitada de Recuperação e Estabilização do Cordão Dunar entre as Praias da Barra e da Costa Nova. Trata-se de um investimento de cerca de 400 mil euros, com o prazo de execução de 4 meses. A intervenção é assegurada pelo Município de Ílhavo e pela Agência Portuguesa do Ambiente.

Ler mais aqui

Nota: As dunas são assim. Vão e vêm como as marés. Por mais que os cientistas e técnicos estudem e ponham em prática o que consideram fundamental para nos defender das ondas e das marés vivas do oceano, sobretudo no inverno, é certo e sabido que haverá sempre problemas nas costas dunares. Por isso, as cíclicas reposições de areia nas nossas praias. 

TARDINHA


TARDINHA foi o nome que dei a esta foto que encontrei hoje num dos meus arquivos. Presumo que se trata de um registo feito há anos na Figueira da Foz. Seja como for, aqui a partilho pela serenidade que ela me transmitiu. Votos de bom fim de semana que está a chegar.

Postais Ilustrados (II)

Forte da Barra - Marina 


 

Aveiro sem Feira do Livro?


Feira do Livro em Aveiro (foto de arquivo)

Consta-me que não teremos este ano a Feira do Livro em Aveiro, talvez com medo dos contágios que persistem no mundo. Todos os dias, os meios de comunicação social vêm com números assustadores. O Covid-19 ainda não desistiu. Mas a feira podia realizar-se, tal como aconteceu noutras regiões. É que eu aprecio sobremaneira as feiras dedicadas exclusivamente aos livros, mas não gosto nada das outras. 
As feiras de livros são realmente do  meu interesse pela variedade de obras à venda, sobretudo algumas que caíram no rol do esquecimento. As que vão sendo publicadas e publicitadas são de fácil aquisição, em especial nas livrarias bem organizadas e atentas aos interesses dos clientes. Contudo as obras editadas há muito tempo e de autores menos badalados passam depressa dos nossos olhares e intenções. O que é pena. Pode ser que o próximo ano seja mais propício à organização da Feira do Livro em Aveiro.

quarta-feira, 2 de setembro de 2020

Em defesa das liberdades de educação

Os pais e encarregados de educação 
devem agir em conformidade com 
o que consideram melhor 
para as crianças e jovens



— Considerando que a Declaração Universal dos Direitos Humanos reconhece expressamente que «Aos pais pertence a prioridade do direito de escolher o género de educação a dar aos filhos» (art. 26.º);

— Considerando que o Pacto Internacional dos Direitos Económicos, Sociais e Culturais especifica que «Os Estados […] comprometem-se a respeitar a liberdade dos pais» […] e a «assegurar a educação religiosa e moral dos seus filhos em conformidade com as suas próprias convicções» (art. 13.º);

— Considerando que, no Protocolo Adicional n.º 1 à Convenção de Protecção dos Direitos do Homem e das Liberdades Fundamentais, os membros do Conselho da Europa convieram em que «O Estado, no exercício das suas funções, que tem de assumir no campo da educação e do ensino, respeitará o direito dos pais a assegurarem aquela educação e ensino consoante as suas convicções religiosas e filosóficas (art. 2.º);

— Considerando que a Convenção Internacional sobre os direitos da criança estabelece que «a criança tem o direito de conhecer os seus pais e de ser educada por eles» (art. 7.º);