sexta-feira, 30 de novembro de 2018

“Aprender com o Povo a Alegria Sã do Evangelho”


O mais recente livro de Georgino Rocha



“Aprender com o Povo a Alegria Sã do Evangelho” é o mais recente livro de Georgino Rocha, presbítero da Igreja Aveirense e “pastoralista conceituado”, no dizer oportuno, no Prefácio, de D. José Alves, bispo emérito de Évora. Vem este trabalho na senda de muitos outros, publicados em livros, revistas, jornais e por outras formas, no espírito da formação do Povo de Deus, a quem prioritariamente se dirige, sem excluir, contudo, quem ousar ser esclarecido sobre o pensar da Igreja para os tempos de hoje.
Ler o Padre Georgino é, indubitavelmente, tirar um curso sobre a pertinente leitura dos sinais dos tempos, fórmula indispensável para traçar caminhos abertos à nova evangelização, indissociável do encontro com Cristo sofredor que está à nossa espera nas periferias das nossas indiferenças, tantas vezes denunciadas pelo Papa Francisco e por outros que o antecederam.
Voltando ao Prefácio, D. José Alves sublinha que o autor é “profundo conhecedor das virtualidades e dos limites da religiosidade popular cristã”, razão por que, aprender com o povo, se torna “o fio condutor” desta obra que merece ser lida e meditada por todos os que apostam na reflexão, fundamental antes da ação.

O AVISO DE JESUS: Tende cuidado e vigiai

Georgino Rocha

Jesus quer ajudar os discípulos a cultivarem uma atitude responsável na vida. Nem fugas para a frente ou para trás, nem insensibilidade e indiferença alienante no presente. Atitude responsável que se manifesta em advertir no que acontece e dar conta do seu sentido, do rumo dos dinamismos que contêm, da sua repercussão no bem de todos/as, na dignidade de cada um/a, na harmonia e no equilíbrio da biodiversidade. Atitude responsável porque o gérmen do futuro definitivo já está plantado na humanidade e vai crescendo em critérios de vida e atitudes de bondade de tantas pessoas que mostram que outro mundo é possível e necessário. Este gérmen a desenvolver-se no tempo atingirá a plenitude na eternidade, graças à intervenção transformadora de Deus na pessoa do seu Filho, o Senhor Jesus.

Lucas, o evangelista narrador que nos vai acompanhar ao longo do ano litúrgico que se inicia, coloca o episódio de hoje na parte final do discurso público de Jesus, antes de se retirar para o Jardim das Oliveiras, local onde tem lugar a sua prisão. (Lc 21, 25-28, 34-36). Discurso cheio de densidade humana, de avisos premonitórios de um futuro iminente e sua repercussão no presente. Discurso que faz uma leitura da história e do final feliz do mundo, apesar dos acontecimentos brutais que semeiam tribulações sem conta nem medida. E Jesus anuncia com certeza firme: “A vossa libertação está próxima”. E diz porquê: “Hão-de ver o Filho do homem vir numa nuvem com grande poder e glória”. O Filho do homem é Ele, Deus humanado, a Quem o Pai confia a abertura do livro da vida e a leitura das intenções das pessoas e o alcance dos acontecimentos.

segunda-feira, 26 de novembro de 2018

24 de novembro. E foi assim…



O último fim de semana foi assim: de um dia para o outro, vi-me envolvido por uma onda mansa e terna, porém forte de simpatia e muita amizade, da minha família e da paróquia que me viu nascer e me acompanhou durante 80 anos. 
Quando sonhava que essa data fosse assinalada pelos parabéns, cantados e desafinados, porventura, que a minha garganta já não é o que era, à volta da mesa familiar, entre sorrisos, gargalhadas e brindes, senti-me, a convite do meu prior, Padre César Fernandes, aconchegado à mesa do altar, numa eucaristia presidida pelo Vigário-geral de Diocese de Aveiro, Padre Manuel Joaquim Rocha, em nome do nosso bispo, que os meus 80 anos justificariam… 
Nunca tal tinha imaginado nem sequer desejado. Humildemente, contudo, obedeci, agradecendo com emoção as provas de ternura, de carinho e de fraterna alegria, com flores, livros, mimos, abraços, beijos e palmas de tantos amigos  e companheiros de caminhadas de fé, esperança e amor. 
Um bem-haja a todos os meus familiares, amigos e paroquianos. 

Fernando Martins

Aprender com o Povo a Alegria sã do Evangelho

Georgino Rocha apresenta 
o seu mais recente livro. 
Registe na sua agenda



Ler mais aqui

Natal para um mundo novo



A expectativa de quem sonha um mundo novo, assente n’Aquele que é Caminho, Verdade e Vida, pode gerar a alegria que nos enriquece. O saber que Jesus Cristo vem sempre a caminho e ao nosso encontro, para secar lágrimas, acalentar sonhos de paz e ensinar fraternidade, mais valorizará a esperança que nos envolve e nos entusiasma neste Advento. Tanto mais, quanto é certo que o mundo perdeu o Norte da justiça e teima em não encontrar caminhos de paz e de amor solidário, onde todos se comportem em conformidade, não havendo lugar para mentiras, hipocrisias e indiferenças em relação a quem nunca experimentou a ternura do natal da fraternidade.
A expectativa que nos anima, que é certeza da alegria que vem com hinos de glória ao Deus-Menino, dá-nos vitalidade e coragem para lutar, com as armas da bondade e da compaixão, pelo Reino de Deus que pode estar, se quisermos, ao alcance de toda a gente que labuta na terra que nasceu com ânsias de paraíso.
Bom Natal para todos, são os meus votos muito sinceros.

Fernando Martins

domingo, 25 de novembro de 2018

Não há soluções prontas a servir

Frei Bento Domingues

«É verdade que ninguém dispõe de soluções prontas a servir a dignidade humana de todos. Mas ninguém devia dispensar a pergunta: eu não posso mesmo fazer nada? 
O Papa Francisco faz o que pode, mas não nos pode substituir.»

1. Vamo-nos enganando e já não é pouco! Foi o comentário de um amigo à minha homilia de apresentação da Mensagem do Papa para o II Dia Mundial dos Pobres, no passado Domingo. Procurou fazer-me uma breve catequese de bom senso, pois ninguém tem uma receita eficaz para curar a história da nossa desumanidade. Mergulhados no mistério do tempo, cada um de nós vive, apenas, o pequeno intervalo entre o nascimento e a morte. Tanto vale acreditar que o mundo vai mudar para melhor como repetir que irá sempre de mal a pior. Os anúncios do avanço das ciências e das técnicas deixaram, há muito, de o entusiasmar. A quem vão eles servir? Oferecem, aos donos dos grandes negócios, novos instrumentos e condições para desenvolverem a concentração da riqueza e do poder económico, bélico e político. O mundo de todos em mãos de poucos. 
Insistiu comigo: aquilo que o Papa diz e tenta fazer não resolve nada. O próprio Cristo, num momento de grande lucidez, arrumou com todas essas veleidades: pobres sempre os tereis entre vós! Estava escrito na Bíblia o que ele bem conhecia: não “haja pobres entre vós” e, no entanto, Jerusalém, a cidade santa, tinha-se tornado um grande centro de mendicidade. 
Sei que as atitudes, os gestos e as palavras de Bergoglio não resolvem nada, mas também sei que ajudam muitas pessoas a resolverem-se a abandonar o cepticismo estéril e a interrogar-se: que posso eu fazer? Impede-nos de tapar os olhos e os ouvidos e de dizermos que não sabemos bem o que se passa. Recusando ou aceitando somos cúmplices, aliados ou indiferentes. O Papa não consente que forjemos um Deus que nos substitua e, por isso, há crianças, adolescentes, jovens e adultos que para serem felizes optam por hierarquizar as suas necessidades e desenvolver os seus talentos para vencerem a solidão e as situações difíceis de outras pessoas. Descobriram que havia estilos de vida mais divertidos e entusiasmantes do que o culto da estupidez consumista. Um estilo sóbrio de vida pode e deve ser mais divertido do que a peregrinação obrigatória a todos os restaurantes do Guia Michelin. 

Um soneto de David Mourão-Ferreira para este domingo


E POR VEZES... 

E por vezes as noites duram meses
E por vezes os meses oceanos
E por vezes os braços que apertamos
nunca mais são os mesmos E por vezes

encontramos de nós em poucos meses
o que a noite nos fez em muitos anos
E por vezes fingimos que lembramos
E por vezes lembramos que por vezes

ao tomarmos o gosto aos oceanos
só o sarro das noites não dos meses
lá no fundo dos copos encontramos

E por vezes sorrimos ou choramos
E por vezes por vezes ah por vezes
num segundo se evolam tantos anos

sábado, 24 de novembro de 2018

Sobre Saramago e Deus

Anselmo Borges

O Centro de Literatura Portuguesa da Universidade de Coimbra e a Câmara Municipal de Coimbra organizaram nos passados dias 8, 9 e 10 de Outubro, no Convento de São Francisco de Coimbra, um Congresso Internacional: "José Saramago: 20 anos com o Prémio Nobel". Carlos Reis e Ana Peixinho pediram-me uma intervenção sobre Saramago e Deus. O que aí fica é uma breve síntese da minha fala nesse Congresso. 

1. Numa entrevista dada a João Céu e Silva, uma das últimas, se não a última, Saramago referiu-se-me com admiração por ter lido e gostado do seu livro Caim. "Até fiquei surpreendido quando ouvi um teólogo - uma coisa é um teólogo e outra um padre -, Anselmo Borges, dizer que tinha gostado do livro." Mas na net também se diz, e é verdade, que fui crítico por causa de alguma unilateralidade com que Saramago leu a Bíblia. Assim, a minha intervenção quer ser essencialmente um esclarecimento sobre essa minha dupla visão. 

2. Saramago foi à Academia Sueca dizer, no dia 7 de Dezembro de 1998, logo na primeira frase: "O homem mais sábio que conheci em toda a minha vida não sabia ler nem escrever." 
Quando me expresso sobre o diálogo inter-religioso, digo sempre, com escândalo de alguns, que desse diálogo também fazem parte os ateus, os ateus que sabem o que isso quer dizer - os crentes também só o são verdadeiramente se souberem o que isso quer dizer. Fazem parte, porque são eles que, estando de fora, mais facilmente vêem as superstições, as inumanidades e até as barbaridades que tantas vezes infectam as religiões. Assim, à maneira de Saramago, também digo: foi com dois ateus que aprendi do melhor da Teologia: Ernst Bloch e o nosso homenageado, José Saramago. Mais com Bloch, porque, dada a situação da Teologia na universidade alemã - em todas as universidades, há duas faculdades de Teologia, uma católica e outra protestante -, ele tinha profundos conhecimentos bíblicos. Neste enquadramento, refiro três pontos. 

sexta-feira, 23 de novembro de 2018

"Meridiano 28" — Um livro de Joel Neto

Pedro Martins e Joel Neto



Caro Joel Neto:

Terminei a leitura do “Meridiano 28” no passado dia 15/11/2018.
Comecei a lê-lo assim que pude e fi-lo com gosto, mais, até com entusiasmo, porque a obra empolga, o enredo prossegue num crescendo e à medida que nos aproximamos do fim começamos a perguntar-nos, com expectativa, que volta o autor vai dar, parecendo que irão faltar páginas para desvendar a história de Hansi, pesquisada por Filemon. Mas não, a inesperada reviravolta lá está (ou melhor, as reviravoltas…) e todos os contornos e mistérios das personagens mais reservadas ou mais sombrias se revelam, numa congruência que o Joel Neto domina perfeitamente e, aliás, já o demonstrara em “Arquipélago”.
É sempre a pergunta que faço a mim próprio, quando deparo com enredos tão criativos, sem deixarem de ser verosímeis: como diabo nasce a história na cabeça do autor? Como é que ela se desenvolve com tanta mestria para oferecer ao leitor uma experiência tão lúdica e prazerosa, quanto rica em conhecimento histórico? É de facto essa mestria que o Joel Neto adquiriu e conserva e espero que se repita por muitos e bons anos.
Acho, até por conversas que tive com quem já leu o livro, que contrariamente ao que se passa em “Arquipélago”, o “elemento geográfico” não assume um papel tão preponderante neste “Meridiano 28”, apesar de o título nos remeter para uma coordenada espacial.

Festa de Cristo Rei: Seguir Jesus, o Senhor da Verdade

Georgino Rocha


"A Igreja quer estar liberta para servir a verdade. Em todas as situações. É missão que diz respeito a cada um/a. Conforme o espaço onde habita e o ambiente onde trabalha. A começar pela proximidade na família e alargando-se a outras lonjuras, pois o mundo é a nossa casa e a natureza nossa mãe."


Jesus, preso e amarrado, é levado a Pilatos por uma delegação das autoridades judaicas. Era de manhã e estava próxima a páscoa. O episódio abre a narração que São João faz do desfecho do processo de condenação à morte. Jesus é entregue como malfeitor e vai passar a ser um criminoso político. A sequência da acusação torna-se esclarecedora de tantas situações em que a verdade é sacrificada porque o interesse, a conveniência e o preconceito falam mais alto. Vamos deter-nos nos diálogos de Pilatos com Jesus e procurar penetrar nos sentimentos de cada um. Vamos ver pontos concretos que, à maneira de projectores, iluminam a consciência de quem quer agir livremente e tem regras para cumprir. Vamos acolher a novidade que Jesus nos transmite com a sua atitude, seu silêncio e sua palavra. (Jo 18, 33b-37).

quinta-feira, 22 de novembro de 2018

“O meu país é o que o mar não quer” de Paulo Palma

MMI -  Patente até 24 de março de 2019


«A exposição “O meu país é o que o mar não quer” exibe cerca de 2000 postais ilustrados da costa Portuguesa editados ao longo do Século XX. Envolvido num panorama de imagens difundidas ao longo do século XX, o visitante encontra um dispositivo ótico que revela uma totalidade espacial e temporal, construída para a possibilidade de múltiplas leituras. Embora os postais ilustrados sejam o espelho de uma determinada circunstância, o seu conjunto permite perceber o processo de transformação da paisagem pelos agentes
naturais de erosão como a água e o vento, a importância da pesca na afirmação identitária nacional e a pressão da ocupação urbanística que acelerou o processo de erosão.»

Li aqui 

quarta-feira, 21 de novembro de 2018

Sem a televisão, a vida seria muito mais triste

Dia Mundial da Televisão 




O Dia Mundial da Televisão celebra-se hoje, 21 de novembro. Foi proclamado pelas Nações Unidas em dezembro de 1996, com o objetivo de nos levar a apreciar o que de bom este meio de comunicação tem desde o seu início. É claro que a programação das diversas TV do mundo, com relevo para as nossas, que nos acompanham desde o despontar do dia até o sono nos levar para a cama, nem sempre nos agrada, mas nem por isso as banimos das nossas vidas, de forma radical. 
Olhando pela positiva, a TV faz-nos falta, havendo sempre algo de importante para cada um de nós. 
Em Portugal, a televisão começou a ser transmitida em 1957, na Rádio e Televisão de Portugal (RTP), a preto e branco. O primeiro programa a cores a ser transmitido foi o festival da canção de 1980. 
No início dos anos 80, começaram as emissões da RTP a cores. Nos anos 90 chegaram dois novos canais privados de televisão. A SIC em 1992 e a TVI em 1993. 
Apesar das críticas que frequentemente lhes lanço, hoje quero saudar de forma especial quantos dirigem e trabalham nas televisões, augurando-lhes as maiores venturas. As televisões são, desde sempre, as companheiras fiéis de tantos que vivem sós, em solidão desejada ou forçada, nas horas boas e menos boas. Sem elas, a vida seria muito mais triste. 

F. M.

terça-feira, 20 de novembro de 2018

A problemática dos migrantes

Museu de Ílhavo 
24 de novembro 
14h30



Ver programa aqui 

Direitos da Criança - Para que conste

Declaração Universal dos Direitos da Criança
Novembro
Dia 20





Princípios fundamentais


1. À igualdade, sem distinção de raça, religião ou nacionalidade.
2. Direito a especial proteção para o seu desenvolvimento físico, mental e social.
3. Direito a um nome e a uma nacionalidade.
4. Direito a alimentação, moradia e assistência médica adequadas para a criança e a mãe.
5. Direito a educação e a cuidados especiais para a criança física ou mentalmente deficiente.
6. Direito ao amor e à compreensão por parte dos pais e da sociedade.
7. Direito a educação gratuita e ao lazer infantil.
8. Direito a ser socorrido em primeiro lugar, em caso de catástrofes.
9. Direito a ser protegido contra o abandono e a exploração no trabalho.
10. Direito a crescer dentro de um espírito de solidariedade, compreensão, amizade e justiça entre os povos.

AVEIRO: "Tempos de Pesca em Tempos de Guerra"


Nota: Sobre este livro, ler aqui

segunda-feira, 19 de novembro de 2018

O tempo é o nosso maior património



«Quanto mais precisas para viver, mais tens de trabalhar e menos tempo tens para ti. O maior dos luxos é o tempo. O tempo é o meu maior património.»

Miguel Esteves Cardoso

Sábado (2008)

Soneto de Florbela para começar a semana


Perdi Meus Fantásticos Castelos

Perdi meus fantásticos castelos
Como névoa distante que se esfuma...
Quis vencer, quis lutar, quis defendê-los:
Quebrei as minhas lanças uma a  uma!

Perdi minhas galeras entre os gelos
Que se afundaram sobre um mar de bruma...
— Tantos escolhos! Quem podia vê-los? —
Deitei-me ao mar e não salvei nenhuma!

Perdi a minha taça, o meu anel,
A minha cota de aço, o meu corcel,
Perdi meu elmo de ouro e pedrarias...

Sobem-me aos lábios súplicas estranhas...
Sobre o meu coração pesam montanhas...
Olho assombrada as minhas mãos vazias...

Florbela Espanca

domingo, 18 de novembro de 2018

Painel “eterniza” o valor dos mordomos

Li no Diário de Aveiro

Jeremias Bandarra  e Rui Ramos
«Com desenho de Jeremias Bandarra e execução do pintor e ceramista Rui Ramos, foi ontem inaugurado o painel de azulejos que presta homenagem a todos os mordomos que passaram pelas mordomias de São Gonçalinho. A obra de arte está bem visível junto à Capela (na parede da Casa de Apoio) e foi revelada no âmbito do primeiro Dia do Mordomo, criado pela actual mordomia e cujo Juiz reconhece ter um “valor sentimental muito especial”. De acordo com Ricardo Lopes Paulo, este dia foi pensado para reunir todos os mordomos que “serviram” São Gonçalinho e, de alguma forma, “reconhecer-lhes o seu valor”, porque “em todas as mordomias há conhecimento que não se deve perder”. Foi a pensar nessa “au­ra histórica que quisemos juntar todos eles e contribuir para a história do Bairro da Beira Mar e da festa”, testemunhou ao Diário de Aveiro. E nada melhor do que uma obra de arte para eternizar um momento importante, neste caso, um painel de azulejos que conta muitas histórias sobre os mordomos, mas também a Capela e o bairro.»

A estupidez das guerras

Frei Bento Domingues

1. Para O Livro do Desassossego, “as guerras e as revoluções – há sempre uma ou outra em curso – chegam, na leitura dos seus efeitos, a causar não horror mas tédio. Não é a crueldade de todos aqueles mortos e feridos, o sacrifício de todos os que morrem batendo-se, ou são mortos sem que se batam, que pesa duramente na alma: é a estupidez que sacrifica vidas a qualquer coisa inevitavelmente inútil. Todos os ideais e todas as ambições são um desvario de comadres homens. Não há império que valha que por ele se parta uma boneca de criança. Não há ideal que mereça o sacrifício de um comboio de lata” [1] 
Ainda antes deste texto, Fernando Pessoa já tinha escrito: “Dói-me na inteligência que alguém julgue que altera alguma coisa agitando-se. A violência, seja qual for, foi sempre para mim uma forma esbugalhada de estupidez humana. Depois, todos os revolucionários são estúpidos, como, em grau menor, porque menos incómodo, o são todos os reformadores.” 
Não diz só porque lhe dói a inteligência, dá um bom conselho, embora, como sempre, o julgue inútil: “Revolucionário ou reformador – o erro é o mesmo. Impotente para dominar e reformar a sua própria atitude para com a vida, que é tudo, ou o seu próprio ser, que é quase tudo, o homem foge para querer modificar os outros e o mundo externo. Todo o revolucionário, todo o reformador é um evadido. Combater é não ser capaz de combater-se. Reformar é não ter emenda possível.” 
Não falta nada para se concluir que Fernando Pessoa não passava de um reles reaccionário conformado com o mundo como ele está: um conservador, um decadente.

Um poema de Licínio Amador para este domingo



Licínio Amador
O moliceiro, o amante da ria

O moliceiro, o amante da ria,
Flutua leve, silencioso,
Rompendo a madrugada,
Rasgando o manto misterioso
Da neblina que o veste;
E com a ajuda do sol nascente
Aparece imponente à luz do dia.

Com a sua proa pintada,
A sua vela içada
Prenhe de vento, de maresia
Vai lavrando
As salsas águas da ria.

O moliceiro, o amante da ria,
Carrega no seu ventre
O húmus, a semente,
Que fecunda a terra
Terra que abraça a ria,
Rotunda de seiva, de alegria.

Corta as águas, ora calmo, gracioso,

Porque Eolo, no Olimpo, está alegre
Ora quase naufraga
Porque o deus está zangado, furioso.

E ria acima, ria abaixo
Ao som da concertina,
Espalha a cor, a alegria,
Ao levar os mancebos e as moçoilas,
A S. Paio em dia de romaria.

O moliceiro, o amante da ria,

Abraça-a nos seus braços esverdeados,
Trocando ósculos entusiasmados,
Que são as marolas da ria
Marulhando no casco do moliceiro.

Assim desliza o moliceiro
Pelas águas esverdeadas da ria
Ora lisas, ora ondeantes
Trocando juras de amor eterno
O moliceiro e a sua amante,
A ria!

Licínio Ferreira Amador

1.º Prémio de Poesia livre dos VII Jogos Florais da Câmara Municipal da Murtosa em 25/03/2006. Tema: O Moliceiro 

sábado, 17 de novembro de 2018

Dia Mundial da Criatividade - Fugir do Trivial


Celebra-se hoje o Dia Mundial da Criatividade, celebração esta que não é muito falada, mas devia ser. Neste mesmo dia, ainda se comemora o Dia Mundial do Não Fumador, o Dia Mundial da Prematuridade e o Dia Internacional dos Estudantes. Na impossibilidade de escrever umas notas sobre cada dia, fico-me pela indicada em epígrafe. Contudo, mantenho-me  disponível para aceitar os escritos de quem o desejar fazer. 

O Dia Mundial da Criatividade visa enaltecer a importância do capacidade criativa para a vida humana, sendo fundamental “libertar a imaginação e inventar”, na certeza de que “o potencial criativo está em todas as pessoas, mas não flui com facilidade”, lê-se em notas referentes a este dia. 
Nesses pressupostos, urge estimular, a começar por cada um de nós, as pessoas a avançarem para a resolução de problemas, descobrindo novas soluções, tendo em conta que a mente humana tem imensas capacidades à espera de boas oportunidades para se manifestarem. Nessa linha, estão todas as tentativas, nossas ou de outros, que nos levem a fugir do trivial, assumindo tarefas originais nas mais diversas áreas. Escrever, pintar, desenhar, colecionar, filmar, fotografar, recriar artesanato e apostar, nas mais diferentes funções, em tarefas que nos libertam do ramerrão dos nossos quotidianos. 

Fernando Martins

As maravilhas de Portugal

Anselmo Borges

1. Evidentemente, fico contente e aplaudo o equilíbrio do défice, a descida do desemprego, alguma subida concretamente dos salários e das pensões mais debilitados, o elogio estrangeiro ao desempenho do país em domínios económico-financeiros... Significa isto a minha completa sintonia com a aparente euforia nacional? Infelizmente, não. 

2. E não sintonizo porquê? As razões são múltiplas e não posso elencá-las todas. Ficam aí algumas, um pouco desajeitadamente e correndo o risco de transgredir o preceito do ne sutor ultra crepidam (o sapateiro não deve ir além da sandália). 

2. 1. Mesmo do ponto de vista económico-financeiro, desconfio da afirmação de que chegou o fim da austeridade. Porquê? Vejo, por exemplo, o preço dos combustíveis, a carga de impostos e taxas e mais taxas, não sem sublinhar que os impostos indirectos são os mais injustos, porque cegos, atingindo tanto os ricos como os remediados ou os pura e simplesmente pobres... E, quanto ao futuro, receio o abalo que acontecerá com a subida dos juros e se alguma crise internacional chegar (já se sabe do abrandamento do crescimento económico da União Europeia no próximo ano)... Há uma almofada suficientemente sólida de suporte? De qualquer forma, a dívida toda (pública, das empresas, das famílias...) está em 700 mil milhões de euros (será que li bem?). E os portugueses não poupam, porque se criou a percepção de que tudo está sob controlo, e desculpam-se também com o facto de não valer a pena ou até ser prejudicial, ao pensar no que os bancos cobram e, depois, as pessoas ainda se lembram de que vários bancos faliram e, até agora, não aconteceu nada, excepto que os contribuintes vão ter de continuar a pagar... O turismo permanecerá com a força do presente? Que investimentos se tem feito? Que planos para tempos de crise? O crescimento da economia tem derivado sobretudo da procura interna, e os portugueses até se endividam para consumos dispensáveis e viagens. E não sofrem de eleitoralismo algumas medidas, cedendo às exigências das várias funções do Estado, dentro do fascínio causado pela tal percepção de que a situação económico-financeira está como nunca? E as famosas cativações?... E quem pensa no tsunami demográfico? 

sexta-feira, 16 de novembro de 2018

Dia Internacional da Tolerância - Pensar e Agir



O Dia Internacional da Tolerância é celebrado hoje, 16 de novembro. A data foi aprovada pelos estados membros da UNESCO, em 1995, e visa promover o bem estar, progresso e liberdade de todos os cidadãos, assim como fomentar a tolerância, respeito, diálogo e cooperação entre diferentes culturas, povos e civilizações. É um dia destinado não só aos governos e organizações mas também às comunidades e aos cidadãos, cabendo a todos promover a tolerância no seu espaço e no mundo. Assim se pode ler em notas sobre a efeméride.
A tolerância, aparentemente um princípio fundamental nos relacionamentos humanos, nem sempre é seguida no dia a dia. Ciosos das nossas verdades, ou daquilo que consideramos como verdadeiro e indiscutível, temos, por vezes, dificuldade em ouvir os outros. No meu dia a dia, constato isso mesmo na forma como reagimos face aos acontecimentos, criticando por criticar, esquecendo que não somos detentores exclusivos da verdade. Há nos outros também uma parte da verdade, quiçá maior do que a nossa. 
Conheço quem defenda que cada um deve ficar no seu canto, aconchegado pelos seus princípios políticos, sociais, religiosos, estéticos e outros, evitando a troca de impressões e de opiniões, em suma, acantonando-se, como egoístas fanáticos, medrosos ou doentiamente incapazes do diálogo, no sofá da sua intolerância. 
O mundo de hoje, na minha ótica, tem necessidade de pessoas que falem naturalmente  umas com as outras, que discutam sadiamente, que conversem sem temores nem reticências, que debatam os temas do presente com abertura e que assumam, consciente e deliberadamente, a tolerância em todas as circunstâncias. 
A troca de ideias não pressupõe nem pode admitir subserviências, muito menos  desprezo pelos adversários, que nunca podem ser olhados  como inimigos a abater.  É claro que  tolerância não significa aceitar cegamente o pensar e o agir dos que se toleram. 

Fernando Martins 

José Saramago nasceu neste dia


16 de novembro de 1922 

Eu luminoso não sou


Eu luminoso não sou. Nem sei que haja
Um poço mais remoto, e habitado
De cegas criaturas, de histórias e assombros.
Se, no fundo do poço, que é o mundo
Secreto e intratável das águas interiores,
Uma roda de céu ondulando se alarga,
Digamos que é o mar: como o rápido canto
Ou apenas o eco, desenha no vazio irrespirável
O movimento de asas. O musgo é um silêncio,
E as cobras-d'água dobram rugas no céu,
Enquanto, devagar, as aves se recolhem.

José Saramago

In “Provavelmente Alegria”

No fim dos tempos, Jesus reúne os eleitos de Deus

Georgino Rocha

Jesus está no monte das Oliveiras. Sentado (posição normal do mestre que ensina), conversa com Pedro, Tiago, João e André sobre o Templo que se ergue em sua frente. Estão maravilhados com a sua beleza e grandiosidade. Era de facto esplendoroso. Constituía o orgulho dos judeus. Que alegria e confiança deviam sentir!

Jesus aproveita a ocasião e desvenda o que está para acontecer. Faz-lhes uma admoestação séria e grave. Exorta-os a manterem um cuidado vigilante, a saberem ver além das aparências, já de si tremendas, a estarem preparados porque a hora do desfecho se aproxima. Do Templo, não ficará pedra sobre pedra. O tempo encaminha-se para fim. As convulsões estão em curso. A esperança renasce, após a tormenta. Como na natureza, a primavera vem depois do inverno e antecipa o verão radiante de cor e beleza. Será este o desenlace do conflito decisivo. “Tomai muito cuidado”! É tempo de dar testemunho com coragem. Que impacto, devem ter sentido ao ouvir esta declaração surpreendente de Jesus! E em jeito de pedido/interrogação, exclamam: “Diz-nos: quando é que tudo isto vai acontecer e qual será o sinal de que todas estas coisas estão para acabar”?

Marcos faz-nos um bom relato deste discurso de Jesus. A liturgia de hoje ajuda-nos a reviver a parte final da sua rica mensagem. Vamos deter-nos e reflectir sobre alguns aspectos importantes para a nossa atitude cristã. Vamos saborear a alegria serena que brota da confiança na palavra de Jesus. Vamos decifrar o que se esconde na linguagem figurada, típica de certas épocas bíblicas e de filmes “tremendistas”, nas metáforas transparentes impregnadas de novidade e de esperança.

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Gafanha da Nazaré: Inauguração da escultura "O Dóri"


Gafanha da Nazaré
Rotunda da Av. dos Bacalhoeiros
Sábado
16 horas

"O Dóri"

No próximo sábado, 17 de novembro, pelas 16 horas, na rotunda da Av. dos Bacalhoeiros, vai ser inaugurada uma estátua, denominada "O Dóri", cerimónia integrada no âmbito do Dia Nacional do Mar. Em comunicado da Câmara Municipal de Ílhavo, pode ler-se que se trata de um trabalho de Miguel Neves Oliveira, que aceitou o desafio de "levar a bom porto"a recriação artística do Dóri, também chamado, entre nós, Bote, utilizado na pesca do bacalhau à linha, nos mares gelados da Terra Nova e da Gronelândia.
Lê-se ainda que o Município de Ílhavo homenageia, assim, o Dóri, «visando nesta embarcação revisitada preservar valores, memórias e tradições da ligação dos “Ílhavos” ao Mar num passado recente».

Nota: Sobre este evento, tenciono falar depois da inauguração.

terça-feira, 13 de novembro de 2018

Para abrir o apetite: Castanhas assadas


Para abrir o apetite, que outra coisa me não cabe a mim, aqui ofereço uma foto do meu arquivo. Perto dos Arcos, na Praça Melo Freitas, já lá estão as castanhas assadas, quentes e boas. Pelos olhares dos curiosos, em jeito de quem tenta perceber o segredo, a fornada a seguir é deles. Bom apetite.

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Massacre no cemitério de Santa Cruz

12 de novembro de 1991



É sempre importante lembrar que neste dia, 12 de novembro,  de 1991, aconteceu o terrível massacre no cemitério de Santa Cruz, em Timor Leste. Foi um acontecimento brutal que correu mundo, acordando-o para os direitos do povo timorense, desejoso da sua independência. 
O massacre de Santa Cruz, em Timor, mostrou ao mundo o que estava a passar-se naquela ex-colónia portuguesa, ocupada, à força, pela Indonésia. Os governantes do nosso país e outras instituições bem clamavam pela libertação do povo timorense, mas todos faziam ouvidos de mercador, ignorando ou fingindo ignorar o sofrimento de uma nação, que os portugueses ajudaram a nascer. 
Os grandes do mundo, os que põem muitas vezes os interesses pessoais acima dos interesses dos mais frágeis, nunca quiseram ouvir quem pedia justiça e o direito de viver livre. Faz precisamente nesta data 27 anos que o massacre aconteceu e até parece que todos já esquecemos o sofrimento dos timorenses, como se eles não precisassem de nós, dos nossos apoios e da nossa solidariedade fraterna. 
Evoco esta triste efeméride para que não caia no saco sem fundo do esquecimento coletivo, na certeza de que as gerações atuais precisam de conhecer os dramas por que muitos passaram em defesa da liberdade. 

Fernando Martins

domingo, 11 de novembro de 2018

Deus, livra-me de deus

Bento Domingues

«Ver crescer movimentos religiosos, com nome cristão, a proporem “como evangelistas” um anti-Evangelho, e o absoluto contrário das Bem-Aventuranças, exige que rezemos como Mestre Eckhart: Deus, livra-me desse deus.»

1. Seja em que campo for, ninguém tem boas razões para ser arrogante ou resignado. Não vimos de nós mesmos e precisaremos sempre dos outros para existir como humanos. A religião saudável nasce do acolhimento e da ousadia de imaginar e pensar. O dominicano José Augusto Mourão, professor de semiótica, dizia que a fórmula Eu encontrei Deus era obscena. Mas não é menos obscena a declaração do cientista ao decretar que Deus não existe por nunca se ter cruzado com ele na sua investigação. 
O texto religioso nasce no seio da interpretação da realidade do mundo em que vivemos e da convicção de que a sua dimensão empírica não esgota a complexidade do real. Há linguagens que sempre teimaram em sugerir o que é indizível e invisível nas práticas científicas. 
Como diz E. Schillebeeckx, a auto-revelação de Deus é dada em experiências humanas interpretadas. Nunca temos acesso à Palavra de Deus de modo imediato. Estritamente falando, a Bíblia não é a Palavra de Deus, mas um conjunto de testemunhos de fé de crentes que se situam numa tradição particular da experiência religiosa. 
Para S. Tomás de Aquino, é muito razoável afirmar que Deus existe, mas saber como Deus é excede a capacidade humana. A preocupação da boa prática teológica consiste, sobretudo, em mostrar como Deus não é e como é ridículo transpor para Ele os nossos vícios e aberrações. 
A liturgia é uma celebração e a homilia não é uma aula de teologia. Mas deve haver muito cuidado na leitura e interpretação dos seus textos bíblicos. O Livro do Apocalipse é a obra poética mais subversiva que conheço e, como observa Frederico Lourenço, uma das verdadeiras obras-primas literárias da Bíblia. No fim da missa de Todos os Santos, veio ter comigo uma pessoa a lamentar o destaque que eu tinha dado a uma passagem desse grande poema. Ela já o tinha tentado ler e desistiu porque daquele delírio não se podia tirar nada de prático para o quotidiano da vida cristã.

Um poema de Eugénio Beirão para este domingo


“FINJO QUE SOU POETA”

Finjo que sou poeta
e construo flores de palavras
que uso na lapela.
Mas poeta eu não sou.
Assomo apenas à janela
a contemplar os astros;
e com luminosos traços
ensaio dizer o deslumbramento.

Eugénio Beirão

In Os Dias Férteis

Marcelo



«É pena que o país não revele mais orgulho pela excelente imagem que o nosso presidente da República deu ao mundo, na sua intervenção na Websummit. Interrogo-me sobre os Estados em que o respetivo titular seria capaz de ter uma prestação idêntica.

E eu não votei nele, note-se!»


Nota: Faço minhas as palavras acertadas do ex-embaixador e excelente cronista,  na minha ótica. 

Dia de São Martinho


A tradição manda que a 11 de novembro de cada ano se celebre o Dia de São Martinho, o santo que partilhou a sua capa com um mendigo. Seria, como sempre nesta época, cá pelo ocidente, a altura das temperaturas baixas, vento e chuva. No fundo, pretende-se homenagear a nossa disponibilidade para olhar os que, a nosso lado, sofrem as agruras do tempo. 
A tradição também nos manda comer castanhas assadas, o que se fará entre nós, com gosto. Sabem bem e quanto mais quentinhas, melhor. Regadas, naturalmente, com jeropiga ou bebida semelhante. 
Cá para nós, que ninguém nos ouve, as melhores castanhas são as assadas pelos assadores ambulante, que em Aveiro têm lugar cativo nas pontes ou por ali à volta. 
Bom apetite, que não deve faltar, e bom proveito. São os meus votos.

F. M.

Notas:

1. São Martinho nasceu na Panónia cerca do ano 316, de pais pagãos. Depois de receber o Baptismo e de renunciar à carreira militar, fundou um mosteiro em Ligugé (França), onde levou vida monástica sob a direcção de S. Hilário. Foi depois ordenado sacerdote e, mais tarde, eleito bispo de Tours. Foi modelo insigne de bom pastor; fundou outros mosteiros, dedicou-se à formação do clero e à evangelização dos pobres. Morreu no ano 397.

Da Liturgia das Horas

 2. Provérbios

Dia de S. Martinho, lume, castanhas e vinho
No dia de S. Martinho, castanhas, pão e vinho.
No dia de S. Martinho, vai à adega e prova o vinho.
Dia de S. Martinho, fura o teu pipinho.
Pelo S. Martinho, todo o mosto é bom vinho
Veräo de São Martinho säo três dias e mais um bocadinho.
Vindima em outubro que o São Martinho to dirá
Pelo São Martinho mata o teu porquinho e semeia o teu cebolinho.

sábado, 10 de novembro de 2018

Boa vindima e bom vinho

Anselmo Borges

1. Há um texto famoso do Papa Pio X (foi canonizado) que exprime bem o que a Igreja não é nem pode ser. Mas foi esse o modelo que tantos, contra a vontade de Jesus e até contra a consciência democrática, quiseram impor, incluindo Pio X: "A Igreja é, por natureza, uma sociedade desigual. É uma sociedade composta por uma dupla ordem de pessoas: os pastores e o rebanho, os que têm um posto nos diferentes graus da hierarquia e a multidão (plebs) dos fiéis. As categorias são de tal modo diferentes umas das outras que só na hierarquia residem a autoridade e o direito necessário para mover e dirigir os membros para o fim da sociedade, enquanto a multidão não tem outro dever senão o de aceitar ser governada e cumprir com submissão as ordens dos seus pastores." (na Encíclica Vehementer Nos).
Este é o modelo de uma Igreja desigual e hierárquica, desembocando numa hierarcocracia, "o domínio absoluto de uma casta de celibatários - reais ou em muitos casos fictícios - sobre toda a Igreja", como escreveu Victorino Pérez Prieto.
Jesus, ao contrário, tinha dito: "Sabeis como aqueles que são considerados governantes das nações fazem sentir a sua autoridade sobre elas, e como os grandes exercem o seu poder. Não deve ser assim entre vós. Quem quiser ser grande entre vós faça-se vosso servo e quem quiser ser o primeiro entre vós faça-se o servo de todos. Pois também eu não vim para ser servido, mas para servir e dar a vida em resgate por todos."

2. Durante o passado mês de Outubro, de 3 a 28, esteve reunido em Roma o Sínodo dos Bispos sobre os jovens e, durante os debates e agora no documento final, mostra-se uma vontade real de mudança. Nesse documento, lê-se expressamente que o Sínodo quer que se avance para uma "Igreja participativa e co-responsável". Participaram 267 padres sinodais de todo o mundo, 49 auditores, 23 peritos e 30 jovens, também de todo o mundo. Estes jovens não votaram, mas puderam exprimir-se e até apoiaram ruidosamente algumas afirmações - um deles até terá perguntado ao Papa se podiam dar uma assobiadela no caso de total discordância, ao que Francisco respondeu: a mim podeis fazê-lo, a eles é melhor não. Escreveram uma carta ao Papa, declarando: "As novas ideias precisam de espaço e tu deste-no-lo."

Bispo de Aveiro: Todos somos Seminário de Aveiro

Semana dos Seminários, 
11 a 18 de novembro

Interior do Seminário de Aveiro

«O nosso Seminário não é apenas o belo edifício construído no coração da cidade de Aveiro, mas são os seminaristas que nele vivem, os adolescentes que participam nos encontros do pré-seminário, as famílias que sonham com um filho sacerdote, os jovens que colocam a pergunta sobre o seu projeto de vida e as comunidades cristãs que desejam pastores segundo o coração de Cristo.»

Ler toda a mensagem aqui

sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Viúva pobre elogiada por Jesus

Georgino Rocha

Jesus encontra-se em Jerusalém e vive o conflito decisivo que Marcos narra em episódios sucessivos. Recorre a vários meios para ensinar as pessoas que o acompanham, alertar os discípulos e interpelar fortemente os opositores. Por vezes, na sua pedagogia de mestre, chega ao contraste de atitudes para deixar com maior clareza a novidade da sua mensagem. Hoje, os contrastantes são os escribas doutores da Lei e os ricos face a uma viúva pobre. Hoje, os episódios ocorrem na esplanada e no interior do Templo. Hoje, o olhar de Jesus mostra que sabe ler a vida, ver a verdade das situações, ir além das aparências e identificar as intenções. São episódios recheados de ensinamentos que vale a pena saborear. (Mc 12, 38-44).
A leitura que Jesus faz das atitudes dos encarregados oficialmente de explicar a palavra de Deus contida na Lei causa-nos calafrios. É perentória e requer cautela. Denota gostos de quem aprecia o exterior e esquece o interior, a simplicidade do coração. Tem como sinais: As vestes compridas reluzentes, as saudações na praça pública, os lugares de honra em locais de culto, nos banquetes e nas festas. Tudo para “encher o olho”. Tudo a pôr a claro o sentido de um proceder desviado, de uma vazio existencial. Jesus vai mais longe e diz: “Exploram as viúvas e roubam as suas casas, e, para disfarçar, fazem longas orações”. Que leitura tão interpelante! Por isso, exorta os ouvintes a terem cuidado e sentencia a condenação de quem cultiva tais sentimentos e pratica tais acções.
E surge com naturalidade a pergunta: Terá alguma actualidade a leitura da vida feita por Jesus? Não haverá, ainda hoje, quem preze mais as aparências do que a verdade da realidade “nua e crua”? Mesmo em nós, “a aragem condiz com a carruagem”, dito popular de grande alcance sapiencial? Vale a pena fazermos uma visita à nossa consciência e passarmos em revista as nossas atitudes.

quinta-feira, 8 de novembro de 2018

AVEIRO em poucos minutos

Palmeira com vida

Restos mortais de uma palmeira

Do outro lado do canal

Para crianças e não só

Hoje, em tempo de frio e chuva, fomos até ao Rossio, presentemente tão badalado a propósito da sua eventual ou apregoada reformulação, assunto que deixo à consideração dos aveirenses. Saí do carro e fui registar algumas fotos, tendo na memória uma rápida reportagem que fiz, há anos, para o jornal Solidariedade, órgão da atual CNIS (Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade). Na altura, as palmeiras do Rossio tinham sido “vestidas” por idosos de instituições de Aveiro.
Olhei desolado para os restos mortais de algumas palmeiras; as que sobreviveram, as que resistiram à peste mortal, são umas heroínas. Deus queira que sobrevivam para podermos, por elas, recordar a harmonia com que todas nos brindavam. 

Fernando Martins