domingo, 25 de fevereiro de 2018

EM HORA DE SILÊNCIOS


Tenho andado, há uns tempos para cá, a cultivar o silêncio. Direi mesmo silêncios, porque os há na minha vida. E a Quaresma é uma ocasião propícia para isso. 
De alguma euforia no falar quando encontro amigos, passei a comedido no que tenho para dizer. Sei que me vai ser difícil levar a cabo esta experiência, mas considero importante dizer aos meus amigos que o treino me ajudará. E porquê esta decisão? Simplesmente porque atingi uma idade que me sugere reflexão e a opção pelo que é fundamental, em detrimento de banalidades que nos sufocam. 
Isto não significa que me isole, que fuja do mundo, que me afaste do que gosto e de quem gosto, que me transforme num eremita ou num frade de clausura. Nada disso. Quero simplesmente aproveitar o tempo olhando para o que fiz de bom e de menos bom, de passos que dei e que devia ter evitado, de amigos que criei e depois esqueci, de decisões que tomei e que não resultaram, do que não fiz e devia ter feito, do que fiz e não devia fazer. 
Por outro lado, tenho tanto que ler e reler, tanta atenção que devo aos que me cercam, tanta natureza para apreciar, tanto bem para espalhar pela palavra e pela escrita, tanto sonho para alcançar, tanta necessidade do transcendente e tanto para bendizer o tempo que tenho vivido. É isso. Vou ficar por aqui até Deus querer. Até um dia destes...

Fernando Martins

TOLENTINO MENDONÇA - Um intelectual a ter em conta

Tolentino Mendonça com o Papa 

Li, com gosto e sem pressas, o texto "Tolentino Mendonça. A vida do padre-poeta que orientou o retiro do Papa” de João Francisco Gomes, publicado no Observador. E resolvi editá-lo no meu blogue para o não perder de vista, já que o nosso dia a dia, cheio de desafios e de solicitações, leva-nos, imensas vezes, a trocar o essencial pelo banal. Assim, aqui guardado, terei mais facilmente acesso ao texto do jornalista daquele jornal online. José Tolentino Mendonça, um escritor e homem da cultura que bastante aprecio e leio, estará bem mais perto de mim, estando no meu blogue.

Porque será que a Alegria do Amor dá tanta tristeza

Frei Bento Domingues no PÚBLICO

Frei  Bento Domingues

1. A violenta controvérsia sobre os divorciados recasados e o seu acesso à comunhão eucarística continua a agitar as comunidades católicas de todo o mundo. Porque será? Não tenho resposta pronta a servir. O teólogo dominicano, Ignace Berten, escreveu um livro admirável para que ninguém caia nessa tentação[1]. Segue o método de transcrever os textos das posições mais típicas e só no final imite a sua bem informada perspectiva. Não lhe interessa, unicamente, discutir as três realidades acerca da família que foram objecto de questionamento e de controvérsia, sobretudo, as que dizem respeito à contracepção, que põem em causa a doutrina da Humanae Vitae, o acolhimento dos divorciados recasados pela igreja, o acesso à comunhão, os homossexuais e a relação homossexual.
Os debates mais vivos dizem respeito aos divorciados recasados. Têm sido os mais apaixonados e, por vezes, violentos.
João Paulo II, na sua exortação apostólica Familiaris consortio de 1981, no seguimento do primeiro Sínodo sobre a família (1980), excluía qualquer possibilidade de acesso à comunhão dos divorciados recasados, a não ser que se comprometessem a viver como irmão e irmã. Em certas dioceses existia uma pastoral desse estilo. No entanto, em meados dos anos 70, na Bélgica, já tinha nascido uma outra perspectiva pastoral. Em 1993, na Alemanha, alguns bispos promoveram de forma pública, uma pastoral de abertura. Em 1994, a Congregação para a Doutrina da Fé (GDF) interveio condenando essa prática e não podendo, nesses casos, fazer apelo à consciência.

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

NATUREZA NA MINHA TEBAIDA


Gosto da natureza… Quem não gosta?! Gosto tanto, que nem prescindo dela. E se possível, ou quando possível, instalo-a ao pé de mim, para que a beleza me envolva, dando-me energia para a vida diversas vezes monótona. Aqui fica como inspiração para os meus amigos. É uma pena de pavão que alguém, apaixonado por aves, nos ofereceu. E se é verdade que o verdadeiro dono dela já partiu para o céu dos passarinhos, terei muito gosto em o perpetuar junto de nós.

COSTA NOVA E VAGUEIRA COM MAIS AREIA NO VERÃO

Um investimento de quase
12 milhões de euros



O Conselho de Ministros autorizou, ontem, quinta-feira, a APA – Agência Portuguesa do Ambiente, IP e a APA – Administração do Porto de Aveiro, S.A. a realizarem a despesa inerente à empreitada de alimentação artificial do troço costeiro da Costa Nova-Vagueira com Inertes Provenientes do Porto de Aveiro. Isto significa que no próximo verão já teremos melhores condições para usufruir os prazeres dos areais daquela zona balnear. Do mesmo modo, ficará, supomos, garantida a proteção dos espaços  habitáveis durante as marés vivas no inverno. ~

Fonte: Porto  de Aveiro 

Ler mais aqui 

DEUS JÁ ACOLHEU O PADRE DÂMASO

Padre Dâmaso

"Não admira que os seus melhores amigos fossem os que ainda estavam ou já tinham saído da prisão: “gente fantástica”, “gente como tu e como eu”, como ele acrescentava sempre: “gente fantástica” pelo simples facto de ser gente, fosse o que fosse que tivessem feito. Se houve prova encarnada do Amor infinito e misericordioso de Deus foi o nosso padre Dâmaso. Nosso, aqui na Renascença desde 76. Primeiro numa série semanal de três programas (dirigidos aos doentes, aos reclusos e ao cidadão comum) depois nos mais diversos programas incluindo madrugada dentro numa conversa de tu a tu com os ouvintes. A Rádio era o segundo amor da sua vida."

Ler mais na RR 

NOTA: O Padre Dâmaso, que vezes sem conta ouvi na Renascença com o seu sotaque que denotava as suas origens (Era Holandês), entrava-nos no coração pela oportunidade das suas mensagens. Se há pessoas que deixam marcas indeléveis no nosso espírito, o Padre Dâmaso foi uma delas. Deus já o acolheu decerto no seu aconchego maternal. 

LEGISLAÇÃO CAPCIOSA

Anselmo Borges 


Por formação e princípio, gosto do que é claro e transparente, detesto a mentira, a astúcia do engano, a manha... E aí está a razão deste texto. De facto, não consigo entender muito bem a pressa com que a actual Assembleia da República se apressa em legislar sobre as chamadas questões fracturantes.

1. Entre as primeiras medidas, acabou-se com a taxa moderadora no aborto, o que é incompreensível e injusto, pensando nas mulheres doentes que pagam. E estou à vontade, pois, na altura, escrevi um texto, usado e abusado, favorável à descriminalização, tendo o governo de então garantido que se seguiriam as "boas práticas" de outras legislações, concretamente da alemã. Depois, foi o que se vê...

2. Foi aprovada a lei que permite a gestação de substituição, vulgarmente conhecida por barrigas de aluguer. Em casos excepcionais (irmãs, por exemplo), até poderia dar o meu acordo, mas há perguntas inevitáveis: pensou-se a sério nas questões graves que podem surgir, por exemplo, no que se refere ao "turismo" estrangeiro, incluindo interesses financeiros neste domínio? Seja como for, há um contrato, e isso é humanizante? Quem deve ocupar o centro: a mulher ou a criança? E se, por doença, ninguém quer a criança? Está garantida o direito à identidade genética? Tanto se lutou para pôr fim aos filhos de pai incógnito, mas agora até a mãe o é....

3. Aquele projecto de lei sobre a canábis para fins terapêuticos (já há quem queira também para outros fins), com a possibilidade de "auto-cultivo"!

ESCUTAR JESUS, O FILHO AMADO DE DEUS

Reflexão de Georgino Rocha


Georgino Rocha

O grupo de Jesus vive uma crise profunda, depois do encontro de Cesareia de Filipe. Nem era para menos. Estava em jogo, após a avaliação da primeira fase da vida pública, o sonho de grandeza dos discípulos e o contraste que representa a resposta dada a Pedro, resposta contundente. “Fica longe de mim, satanás! Não pensas nas coisas de Deus, mas nas coisas dos homens”. E Pedro havia acertado em cheio: “Tu és o Messias”, exclama num misto de ousadia e assombro. Tinha razões para ficar satisfeito. A pergunta do Mestre: “E vós, quem dizeis que Eu sou?” era bem respondida. Mas ouve o que não esperava: O anúncio surpreendente que deixa desconcertados os discípulos acompanhantes. A realização da missão vai passar por sofrer muito, ser rejeitado, morto em Jerusalém e ressuscitar. Pedro, porta-voz do grupo, é apanhado “em contra-mão” e reage de imediato. Chama Jesus à-parte e repreende-O. E este, atira-lhe a doer.

A crise estava instalada. O desencontro de perspectivas era notório, apesar de conviverem há tempos. Não estava em causa ser Messias, o Salvador, mas o modo de realizar a missão. Modo que ainda hoje se mantém. Em cada um de nós, na família, na Igreja, na sociedade. Como realizar a missão que Deus nos confia? Com que critérios?

quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

OS NAVIOS DA PESCA À LINHA


"Os navios da Pesca à Linha" é um livro que vai ser apresentado no dia 3 de março, pelas 16 horas, no Hotel Moliceiro, segundo me informou o capitão Valdemar Aveiro. Trata-se de um livro recheado de fotografias raras, muitas desconhecidas da nossa frota pesqueira do bacalhau, e foi publicado pela Fundação Gil Eannes. A obra vai ser apresentada pelo seu Presidente, Eng.º José Maria Costa. 
Sublinha Valdemar Aveiro que o autor, canadiano e seu amigo, é um homem de raríssima qualidade humana, o que fez dele um símbolo de amizade entre os portugueses.

GUERRA JUNQUEIRO — REGRESSO AO LAR

Guerra Junqueiro

Regresso ao Lar

Ai, há quantos anos que eu parti chorando
deste meu saudoso, carinhoso lar!...
Foi há vinte?... Há trinta?... Nem eu sei já quando!...
Minha velha ama, que me estás fitando,
canta-me cantigas para me eu lembrar!...

Dei a volta ao mundo, dei a volta à vida...
Só achei enganos, decepções, pesar...
Oh, a ingénua alma tão desiludida!...
Minha velha ama, com a voz dorida.
canta-me cantigas de me adormentar!...

Trago de amargura o coração desfeito...
Vê que fundas mágoas no embaciado olhar!
Nunca eu saíra do meu ninho estreito!...
Minha velha ama, que me deste o peito,
canta-me cantigas para me embalar!...

Pôs-me Deus outrora no frouxel do ninho
pedrarias de astros, gemas de luar...
Tudo me roubaram, vê, pelo caminho!...
Minha velha ama, sou um pobrezinho...
Canta-me cantigas de fazer chorar!...

Como antigamente, no regaço amado
(Venho morto, morto!...), deixa-me deitar!
Ai o teu menino como está mudado!
Minha velha ama, como está mudado!
Canta-lhe cantigas de dormir, sonhar!...

Canta-me cantigas manso, muito manso...
tristes, muito tristes, como à noite o mar...
Canta-me cantigas para ver se alcanço
que a minha alma durma, tenha paz, descanso,
quando a morte, em breve, ma vier buscar!


Guerra Junqueiro, in 'Os Simples'

NOTA: Ontem à noite prossegui a leitura de as  Memórias de Raul Brandão (três volumes num só), livro que Pedro Mexias, crítico literário, destaca como a edição de 2017. Raul Brandão descreve a vida do seu tempo com arte, saber e graça. Ao evocar a vida e obra de Guerra Junqueiro, trouxe-me  a singeleza de alguns poemas e textos do grande escritor, poeta, diplomata, pensador, visionário e precursor da República. Um homem do seu tempo, com paixões variadas. A agricultura, em especial a vinha, o colecionador com paixão pelas obras de arte, o incréu da Velhice do Padre Eterno até ao crente franciscano, com a sua  filosofia e a poesia de Os Simples.  E de repente, regressei a um poema que cheguei a dizer de cor, há  décadas. Aqui o partilho com os meus amigos. 

 FM 

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

JUSTIÇA SOCIAL - UMA LUTA DE TODOS OS DIAS



Celebra-se hoje, 20 de fevereiro, o Dia Mundial da Justiça Social, criado precisamente há 11 anos pela Assembleia Geral das Nações Unidas. Foi celebrada pela primeira vez em 2009 e precisa de todos nós, no sentido de despertar a consciência de toda a gente para as realidades concretas de injustiças ofensivas da dignidade humana.
Desde jovem, sempre me senti acordado para esta premência de lutar, no dia a dia, pela justiça social, graças ao meu envolvimento concreto na Ação Católica, nomeadamente na JOC (Juventude Operária Católica). Foi aí que tomei consciência das injustiças no mundo do trabalho e na sociedade em geral, ao ouvir, semana a semana, os relatos dos jovens trabalhadores, apesar de eu ser estudante. O método criado por Joseph Cardjin, um padre belga, filho de operários, apoia-se no Ver, Julgar e Agir, e ainda se mantém atual. 
Os jovens trabalhadores relatavam, com riqueza de pormenores, as injustiças de que eram alvos nas oficinas, fábricas, empresas de construção civil e outras, o que nos levava a refletir e a delinear estratégias de atuação, no sentido de repor a justiça de quem ganhava o pão com o suor do seu rosto. E se havia patrões compreensivos e justos, não faltavam os exploradores dos operários, quantos deles ainda na adolescência. Conheci humilhações que me marcaram para a vida. 
Presentemente, o Dia Mundial da Justiça Social, que deve ser vivido todos os dias do ano e de todos os anos, leva-nos a olhar para a pobreza que nos cerca, para o desemprego e exclusão, para os aposentados com reformas de miséria, para trabalhadores com o salário mínimo para sustentar a família, para a discriminação com base no sexo e na idade, para a xenofobia e marginalização dos migrantes e refugiados, no espírito de contribuirmos para que o mundo se torne verdadeiramente mais fraterno. 
Se é verdade que muitos já fazem muito pelos mais desprotegidos, importa continuar a lutar sem descanso pelos Direitos Humanos em todas as frentes. 

Fernando Martins

HOJE ACORDEI COM ESPÍRITO DE PRIMAVERA


A Ria

Hoje acordei com olhos e espírito de primavera. Dia sereno, sem frio e com sol a brilhar, resolvemos sair de casa para respirar o ambiente que garantia paz, harmonia e abertura ao mundo que nos envolve. Alheios às guerrilhas futebolísticas e políticas que dominam os quotidianos de tantos, que  deles nem sempre conseguimos fugir, lá saímos tranquilos. Partimos para Aveiro e a ria encheu-nos a alma. Mesmo dentro do carro, registei o panorama tantas vezes visto a correr. A água, os canais, as gaivotas e outras aves, os arbustos salgados pela maresia e ao longe o burgo com os seus apelos e recordações. 
Estou a escrever em direto, que as novas tecnologias permitem isso. Numa grande superfície, os rostos de quem vive a correr, de quem está a aproveitar uma temperatura amena, de quem passeia sem pressas e de quem se abastece para normalizar a despensa completam o quadro real. E o dia corre assim. 
Uma excelente tarde para todos.

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

PRAIA DA BARRA POR FRANCISCOLTB



Com a devida vénia, copiei daqui

A propósito desta fotografia que publiquei no meu blogue, resolvi procurar o autor e conhecer os seus trabalhos. Li que as suas paixões são os barcos, navios e equiparados, sendo as paisagens um complemento que enriquece a sua arte. 
Do que vi, gostei imenso, razão por que se compreende a escolha do Porto de Aveiro, onde há, sem dúvida, colaboradores de muito bom gosto.
A foto da Praia da Barra, um ex-libris do nosso concelho, ao lado da Costa Nova e da nossa laguna, é lindíssima. Um colorido inebriante que casa bem com as nuvens e o mar, deixa-nos “invejosos” por não possuirmos saber e arte capazes de o imitar. Uma saudação especial para o autor.

domingo, 18 de fevereiro de 2018

A FAMÍLIA NASCE DE UMA BÊNÇÃO DIVINA

Bento Domingues 


«O humor não faz mal ao amor à família. Em Granada, encontrei um pequeno azulejo com estes dizeres: família só a Sagrada e, mesmo esta, na parede pendurada.»

1. Da religião da tristeza resvalou-se para a tristeza da religião. Os primeiros gestos, palavras e atitudes do Papa Francisco mostraram que era possível virar essa página: a da Igreja e a da sociedade. Não queria fazer nada sem Deus e sem os irmãos. Mas o Deus de que fala e vive não é o da tristeza e da ameaça. Os irmãos convocados não são, apenas, os praticantes dos rituais católicos.
É bem conhecido que, em muito pouco tempo, enviou ao episcopado, ao clero, às pessoas consagradas e a todos os fiéis leigos uma convocatória para levarem o Evangelho da Alegria ao mundo actual. Inscreveu-se, deste modo, no caminho aberto por Jesus de Nazaré, assumido por João XXIII e esboçado no Vaticano II. Entretanto, o mundo mudou e está a mudar com uma velocidade estonteante.
Para Klaus Schwab, entre os muitos e diversificados desafios fascinantes que enfrentamos, o mais intenso e importante é como compreender e definir a nova revolução tecnológica, que implica nada menos do que a transformação de toda a humanidade. Estamos no início de uma revolução que alterará radicalmente a maneira como vivemos, trabalhamos e nos relacionamos. Na sua escala, amplitude e complexidade, o que considera ser a Quarta Revolução Industrial é diferente de tudo o que a humanidade viveu antes [1].

sábado, 17 de fevereiro de 2018

“ENTRE O MAR E A RIA” - Para conhecer a nossa terra

Dois dias de aulas diferentes 
na Gafanha da Encarnação


«A EB 2,3 da Gafanha da Encarnação promoveu as suas jornadas que, este ano, foram subordinadas ao tema “Entre o Mar e a Ria”. Nestes dois dias, não houve aulas, estando os alunos totalmente focados nestas actividades. A iniciativa contou com cerca de 30 oradores convidados, entre professores da Universidade de Aveiro (do ramo do Ambiente e Biologia), entidades como a Capitania do Porto de Aveiro e várias empresas que laboram nas áreas do turismo, pesca, cultura e gastronomia.
Sérgio Costa, professor dinamizador deste evento, explica que estas actividades formativas pretendem “facilitar a aprendizagem num contexto menos formal, ainda que procuremos que não seja menos eficaz”. A cultura de ostras foi um dos temas apresentados, tendo a empresa Ostraveiro explicado aos alunos a composição das ostras e os seus benefícios, em termos de serem ricas em vitaminas, cálcio e ferro. Outra das temáticas abordadas foi o mergulho, tendo a apresentação estado a cargo da Aveirosub. Alunos ficaram a saber mais sobre as várias vertentes do mergulho e a componente da formação. Os estudantes tiveram, também, oportunidade de ver algumas imagens antigas do concelho de Ílhavo, no âmbito do projecto “Imagens com Memória”.»


sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

A LEI DO CELIBATO DOS PADRES

Anselmo Borges 

Anselmo Borges

1 Escreveu-se imenso sobre um padre da Madeira que assumiu a paternidade de uma menina. Também me perguntaram o que é que eu penso.
Desconheço a situação concreta, mas, em princípio, ter assumido a paternidade é um acto que honra o padre. Está, aliás, na linha do recente documento da Conferência Episcopal Irlandesa, que Francisco quer estender a toda a Igreja, estabelecendo que os padres devem, como qualquer outro pai, assumir as suas responsabilidades, colocando os interesses da criança em primeiro lugar, com todas as consequências: afectivas, legais, morais, financeiras. É inaceitável que os filhos dos padres continuem a ser "sobrinhos" ou "afilhados". As crianças têm direito à sua identidade e a mãe não pode ficar sozinha e excluída. Se a Igreja prega os direitos humanos aos outros, tem de praticá-los em primeiro lugar no seu próprio seio.
Ter sido pai não deve implicar automaticamente o abandono do sacerdócio. A questão deve ser dialogada entre o padre, o bispo, a mãe e a comunidade a que o padre preside. Se quiser casar-se, deverá seguir o seu caminho, abandonando.

JESUS, TENTADO, ANUNCIA O EVANGELHO DE DEUS

 Reflexão de Georgino Rocha 

Georgino Rocha

Jesus recebe no baptismo do Jordão a declaração da sua identidade. João realiza o rito. Jesus sai da água e acontece uma série de sinais reveladores: Vê os céus abertos e o Espírito descer sobre Ele na forma de pomba; escuta uma voz vinda do céu que diz: “Tu és o Meu Filho amado; em Ti encontro o Meu agrado”. (Mc 1, 12-15).
Credenciado como Filho, o encanto do Pai, é impelido para o deserto pelo Espírito Santo. Esta afirmação do autor do relato, simples e densa, realça que Jesus, no seu agir histórico, está envolvido na comunhão de Deus, das pessoas divinas. E esta é a primeira boa notícia do Evangelho. Jesus não se move por outros interesses ou intenções: de benefício pessoal ou familiar, de projecção pública ou religiosa. É o Espírito Santo que o anima e ilumina nas suas opções. E leva ao deserto.
O deserto geográfico é uma região da Judeia que tem como referências principais Jerusalém e Belém, terras com estilo de vida organizada, citadino, e memória histórica de feitos inesquecíveis. Ao atravessá-lo, o povo de Deus faz experiências marcantes, onde ocorrem as tentações, aquando da fuga do Egipto, do acampamento junto ao Sinai, da travessia de outros locais até chegar ao destino. Durante a sua atribulada viagem, recebe as bênçãos de Deus, as Tábuas da Lei com os mandamentos, e faz a experiência salutar de confiar nas promessas, de aprender com as crises, de se deixar encontrar por Deus em festiva aliança de amor.

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Oficinas Criativas para potenciar novos talentos

Foto do arquivo da CMI

Oficinas Criativas 2018 é um projeto das Câmara de Ílhavo aberto aos jovens, mas também a outros interessados. Destina-se «a fomentar o gosto pelo saber», no sentido de «promover a imaginação», aprofundando e consolidando ainda «conhecimentos já adquiridos» e potenciando «novos talentos».
As Oficinas Criativas vão funcionar em horário pós-laboral, e aos participantes serão atribuídos certificados. Os assuntos a tratar abordam temas como Fotografia, Teatro e Representação, Língua Gestual, e Modelação e Confeção. Tudo decorrerá à sombra dos Fóruns Municipais da Juventude (FMJ) e os projetos serão trimestrais.
Para mais informações, recorrer aos FMJ da área concelhia.
Comunidade de Leitores 
na Biblioteca Municipal de Ílhavo
 
Ana Maria Lopes autografando um dos seus livros


«A Câmara Municipal de Ílhavo volta a promover a Comunidade de Leitores com novas leituras e um moderador diferente em cada sessão, desafiando à leitura de um livro. A primeira sessão desta segunda temporada da Comunidade de Leitores tem lugar já no dia 22 de fevereiro (quinta-feira), pelas 21h00, na Biblioteca Municipal de Ílhavo, e será dedicada ao livro "Os pescadores", de Raul Brandão.
O prazer e as experiências de leitura serão partilhados por todos os que aceitarem o desafio de se reunir para uma conversa sobre o livro, moderada por Ana Maria Lopes.
A participação é gratuita. Inscreva-se e participe!»
Nota da Biblioteca Municipal de Ílhavo 

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

O PORTO COM A LIVRARIA LELLO





Fui hoje ao Porto com a minha neta Filipa. Aceitei o seu convite ao jeito de quem deseja celebrar, de forma diferente, o seu aniversário. E a ida ao Porto, cidade da qual guardo gratas recordações dos tempos em que por lá andei, foi a cereja no topo do bolo. 
O tempo chuvoso e frio, à partida, não seria motivo de um dia bem passado, mas a cidade, que me envolveu logo à chegada, protegeu-me da invernia. E facilmente voltei décadas atrás, calcorreando velhas ruas com velhas casas, e de vários ângulos apreciei comércio antigo e moderno, edifícios com história, praças dedicadas a gente que deixou marcas no coração burgo. 
Foi bastante agradável conversar… conversar… conversar, enquanto passávamos por entre os pingos da chuva miudinha sem vento que incomodasse. A azáfama dos portuenses é notória e os estacionamentos repletos sugeriram-nos os parques subterrâneos sem olhar a preços, que o tempo urgia. E uma visita à famosa livraria Lello impunha-se. Entrada paga, com desconto garantido na compre de um livro. A livraria, considerada das mais bonitas do mundo, merecia a espera, a compra dos bilhetes em loja separava com bicha a impor a ordem. 
Turistas e mais turistas, funcionários atenciosos, fotógrafos e fotografias sem conta e  o esplendor do interior a apelarem à nossa atenção justificam a visita E os livros, sempre os livros, e a normalidade de uma qualquer livraria a declarar-se ali. Mas a chama e a fama do antigo e do belo bem casados atraem-nos. E os turistas não faltam e agradecem. 

FM

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

UMA COISA COMOVEDORA E INTERESSANTE

A Igreja dos caminhos 
que se bifurcam

«Uma das coisas mais comovedoras em Portugal é o zelo dos indiferentes e dos ateus pela Igreja Católica. Não vão à missa, “não acreditam em nada daquilo”, mas ei-los sempre cheios de opiniões sobre o que devia ser o catolicismo. Cento e dezassete anos depois da separação, a Igreja continua a ser discutida como se fosse o equivalente religioso do Serviço Nacional de Saúde.»

Rui Ramos, no OBSERVADOR 

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

Procissão "real" de Santa Joana

1807 — 12 de fevereiro 

(Foto da revista "Aveiro e o seu Distrito")

«Por uma provisão desta data, a Príncipe Regente D. João ordenou que se considerasse «real» a procissão de Santa Joana Princesa, patrona dos aveirenses, e que nela participasse o Senado da Câmara (Torre do Tombo, Chancelaria de D. João VI, livro 11, fl. 9v; Livro dos Registos da Câmara Municipal de Aveiro, n.º 3, fl. 164; Campeão das Províncias, 11-5-1901) – A.»

"Calendário Histórico de Aveiro" 
de António Christo e João Gonçalves Gaspar

NOTA: Uma efeméride interessante que ilustra bem o culto a Santa Joana, na cidade e diocese de Aveiro. 

domingo, 11 de fevereiro de 2018

O CARNAVAL



Hoje, viveu-se o Carnaval um pouco por todo o lado. Na próxima terça-feira, repete-se o esquema, porventura um pouco mais moderadamente. E não falta quem viva intensamente estas folias, apoiadas, com alguma lógica, pelas máscaras, que ajudam na coragem (ou falta dela) para lançar críticas aos poderes instituídos. É uma forma de dizer verdades a brincar, no espírito de “no Carnaval ninguém leva a mal”.
Não sendo uma festa popular que me motive para nela participar, nem sequer para a apreciar, não deixo de admitir que haverá muito gente que espera o Entrudo durante todo o ano, para nos dias próprios — o domingo e a terça-feira que antecedem o início da Quaresma — darem largas à sua alegria sem baias de qualquer espécie. 
Depois do Carnaval, que a vida continue com alegria e otimismo, mas também com humor sadio, são os meus votos.

VICIADO EM BOAS NOTÍCIAS

Crónica de Frei Bento Domingues 

Frei Bento Domingues


1. Leio, todos os dias, textos dos Evangelhos. A palavra evangelho é a tradução do grego evangelion. Significa boa notícia. Não é o culto daquela atitude preguiçosa que espera que tudo há-de acabar por dar certo, sem mexer uma palha. Jesus interpretou a sua missão como resposta aos desafios que ia encontrando na sua intervenção pública: eram pedidos de socorro de pessoas afectadas por todo o género de doenças físicas, psíquicas, de exclusão religiosa e social. As mais insólitas e as mais correntes
Quando se proclama o Evangelho na Celebração da Eucaristia, não é para lembrar o que Jesus fez há mais de dois mil anos. É para dizer à comunidade cristã o que é preciso fazer hoje. Quando usamos as palavras de Jesus na chamada Última Ceia: fazei isto em memória de Mim, não é para cumprir um ritual, mas para intimar os cristãos a continuarem hoje o Evangelho. Uma missa que não dá notícias das transformações que a comunidade realizou na semana anterior e das que se compromete a realizar na semana seguinte, não celebra o Evangelho. As notícias cristãs de há dois mil anos, se não provocarem hoje transformações nas Igrejas ao serviço das alterações que a sociedade precisa, comem e bebem a sua própria condenação, segundo a expressão de S. Paulo [1].
A repetição dos textos, só por si, mata a novidade do movimento cristão. Quando não se entra no espírito que animava a vida de Cristo, a repetição não é caminho. Sem a ciência da interpretação estamos sempre a resvalar para o fundamentalismo ou para a banalidade. A letra mata, o espírito vivifica.

EUCARISTIA, O AMOR FAZ-SE SERVIÇO

Reflexão de Georgino Rocha


A Eucaristia é a celebração da ceia do Senhor, ceia que Jesus realiza com os discípulos a quem deixa este mandato: “Fazei isto em memória de mim”. É a ceia do lava-pés, da entrega livre por amor que vem a ser consumado no sacrifício da cruz. É a ceia do avental de serviço mantido como distintivo do Mestre que quer ver perpetuado em gestos de humanização progressiva e qualificada: “Felizes sereis se o puserdes em prática”.
A Igreja assume esta missão e vê na eucaristia o centro e o vértice da sua acção pastoral. Como centro, supõe um percurso que une os lados, as “periferias”, e encaminha para esse núcleo. Em linguagem consagrada é a iniciação cristã. O centro ergue-se até ao cimo, em figura de pirâmide ou poliedro. São as subidas à perfeição da vida ética e moral pela construção do “homem interior” e as descidas para o quotidiano do viver cristão marcado pelas bem-aventuranças e pelos sacramentos de serviço.
Esta síntese pode ajudar a configurar a pastoral em torno à eucaristia, e que o programa diocesano se propõe assumir este ano. Sem as virtudes teologais e morais, quer dizer, sem fé-esperança-caridade; sem prudência-justiça-fortaleza-temperança, o humano cristão não tem alicerces seguros nem o exercício da cidadania tem qualquer marca diferenciadora da novidade que brilha nas bem-aventuranças. Sem os dons do Espírito Santo desabrocharem em frutos visíveis de comportamentos éticos adequados, a maturidade espiritual fica longe, muito longe.

sábado, 10 de fevereiro de 2018

Senos da Fonseca defende pólo museológico na Gafanha da Nazaré



POSSO?

Venho insistir: o espólio de Manuel Bola merece um espaço condigno para ser mostrado ao público.Não pode, de modo algum, perder-se no tempo.
Hoje ao passar junto de um edifício (frigorífico?), sito no porto de pesca longínqua, edifício inaugurado com pompa e circunstância, mas em que não entrou, nem um bacalhau (!), totalmente abandonado, lembrei-me do seguinte:
Porque não aproveitar o edifício soberanamente colocado, no local certo, e nele construir um pólo museológico para memória futura que, integrasse:

1- Uma antiga seca de bacalhau (em escala apropriada).
2- Um sala (ou cais) onde se mostrasse a construção naval em madeira (recordando os "Mónicas" e muitos outros)
3- Uma sala em que o espólio do gafanhão Manuel Bola (e quem sabe outros..) pudesse ser mostrado e preservado .

A localização do edifício, impossível é, encontrar outro mais apropriado.Na mouche...
O edifício,parece-me, poder ser facilmente adaptável.E diga-se bonito...
A Gafanha da Nazaré ficava, assim, com um apelativo e atrativo local,de grande interesse na preservação de memória da indústria da pesca do bacalhau: a montante e jusante . De um ineditismo flagrante.
A fazer jus a homens geniais na arte de construir navios; e a mulheres que labutaram na feitura dos "sóis" necessários, para nos darem o bom fiel amigo.E porque não ali depositar os arquivos das Empresas que deram corpo à história.
Porque a Faina Maior não foi feita apenas por capitães,nem é privilégio,único, de Ílhavo.
Deixo mais este recado.Haja vontade e espírito de inovação e criatividade.

SF

Sobre Manuel Mário Bola ler mais   aqui 

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Mudança da hora tem os dias contados?


Li no Diário de Notícias que o "Parlamento Europeu questionou a necessidade de adiantar e atrasar relógios e convidou a Comissão Europeia a estudar os efeitos da mudança". Acho bem que se questione a obrigação de todos os anos sermos obrigados a alterar, atrasando ou adiantando, a caminhada dos nossos relógios. Nunca achei graça a esta lei que exige a nossa adaptação às circunstâncias. Cá para mim, preferia que voltássemos, definitivamente, ao chamado horário de verão. 

ONDE A TERRA SE ABRE AO MAR

FOTO DE RICARDO VILAVERDE


Vi no Porto de Aveiro e copiei para o meu blogue, com a devida vénia, porque divulgar o que é bonito é muito importante. 

AS MULHERES NA IGREJA E NA SOCIEDADE

Crónica de Anselmo Borges 

Anselmo Borges 


1- Devemos a vida a uma mulher, à mãe. Claro que também ao pai, mas a nossa mãe poderia ter-nos rejeitado e não nasceríamos. Se alguém se sacrificou e nos amou e ama é a mãe. Dá, pois, que pensar o modo como as mulheres são tratadas ao longo da história e, nessa história, também as religiões são acusadas, pois, com excepção do taoísmo, tendem para a misoginia. Ficam aí alguns textos universais significativos. "A mulher deve adorar o homem como a um deus" (Zaratustra). Um texto antigo budista diz que "a filha deve obedecer ao pai; a esposa, ao marido; por morte deste, a mãe deve obedecer ao filho". "A natureza só faz mulheres quando não pode fazer homens. A mulher é, portanto, um homem falhado" (Aristóteles). "Toda a malícia é leve, comparada com a malícia da mulher" (Bíblia, Ben Sira). "Dou-te graças, Senhor, por não ter nascido mulher" (oração dos judeus ortodoxos). "As mulheres estão essencialmente feitas para satisfazer a luxúria dos homens. Não permito à mulher ensinar nem ter autoridade frente ao homem, mas estar em silêncio" (São João Crisóstomo). "A ordem justa só se dá quando o homem manda e a mulher obedece" (Santo Agostinho). "Nada mais impuro do que uma mulher com a menstruação. Tudo o que toca fica impuro" (São Jerónimo). "No que se refere à natureza do indivíduo, a mulher é defeituosa e mal nascida, porque o poder activo da semente masculina tende a produzir um ser perfeito parecido, do sexo masculino, enquanto que a produção de uma mulher provém de uma falta do poder activo " (Santo Tomás de Aquino). "Os homens têm autoridade sobre as mulheres em virtude da preferência que Deus deu a uns sobre outros" (Alcorão, que permite desposar duas, três ou quatro mulheres e também bater nas que se rebelem).

JESUS COMPADECIDO CURA O LEPROSO. APRECIA

Reflexão de Georgino Rocha

Georgino Rocha

Um leproso vem ter com Jesus. Ousa transgredir regras muito rigorosas de higiene pública. Expõe-se e corre riscos de morte. O contágio era fácil e perigoso. A sociedade protegia-se. Além disso, a lepra como outras doenças, tinha conotação religiosa. Fazia a pessoa impura, com uma relação negativa com Deus, culpada por algo que tivesse feito, amaldiçoada. Devia ser evitada a todo o custo.
Que experiência dolorosa e humilhante! Apesar disso, expõe-se e transgride, avança no desejo de recuperar a dignidade perdida e a liberdade cerceada. Ousa o inacreditável e, cheio de coragem e confiança, aproxima-se, ajoelha e suplica: “Se quiseres, podes curar-me”. Que força interior move as suas energias e alenta a sua esperança. Que firmeza de convicções manifesta e transmite. Que expectativas alimenta nos passos que dá para realizar o seu sonho: Ser alguém com nome próprio, ir ao culto religioso na sinagoga, ser membro da sociedade e poder andar em público sem restrições.
O leproso é também um símbolo de grandes maiorias humanas que se arrastam na vida por carências sem conta: desnutrição por fome, migrações forçadas por guerras impostas e alterações climáticas, falta de água e de outros bens indispensáveis à saúde, conflitos e violências, perseguições étnicas e religiosas. Ou ainda nas sociedades de “bem-estar” o isolamento e a solidão, as desigualdades irritantes, o individualismo egoísta, a exclusão e marginalização das minorias, a “ditadura” das ideologias e, por vezes, da opinião publicada. Tudo isto, e muito mais, apesar dos avanços admiráveis em tantas áreas da nossa humanidade.
Marcos, o autor do relato (Mc 1, 40-45), adopta um estilo diferente do habitual na narrativa. Deixa em aberto a identidade do leproso. Não se sabe quem é, nem donde vem, nem o local do encontro. Para ele, o importante é a atitude de Jesus, a força sanadora que possui, a compaixão que sente e o gesto que faz. Para ele, o importante é que os discípulos saibam que a lacuna não é esquecimento, mas oportunidade, para cada um fazer o encontro pessoal com Jesus, nas situações mais sofridas da vida, sem medo prudente a “sujar as mãos”, nem a perigos de contágio.

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

P.e TOLENTINO VAI PREGAR AO PAPA

P.e  Tolentino (Foto do meu arquivo)

“Todo o ser humano tem sede. Sede de amor, sede de reconhecimento, sede de relação, sede de dignidade, sede de diálogo, sede de encontro, sede de Humanidade, e muita sede de Deus” 

O P.e José Tolentino Mendonça, poeta, biblista, escritor, cronista e vice-reitor da Universidade Católica Portuguesa, vai pregar exercícios espirituais, nesta quaresma, ao Papa Francisco e seus colaboradores. Congratulo-me com o convite feito ao P.e Tolentino, porque tive já, várias vezes, o privilégio de o ouvir, sendo leitor assíduo dos seus livros e das crónicas que publica semanalmente no EXPRESSO.
Do que conheço do P.e Tolentino, sei, dentro das minhas capacidades de análise, que se trata de um padre de uma cultura multifacetada e profunda, capaz de se pronunciar sobre os temas mais diversos, com saber e arte. Mas também sei que se trata de uma pessoa capaz de enfrentar desafios, por mais exigentes que se apresentem. 
O tema das suas reflexões, segundo admito, está sintetizado no texto, entre aspas, que abre esta minha mensagem.

Ler entrevista aqui 

FM

NOTAS DO MEU DIÁRIO: Hoje acordei assim...

Do meu quintal

Hoje acordei tarde. Incómodos de saúde próprios da idade. O sol coado pela vidraça e pelas cortinas inundou o meu quarto, voltado para o astro rei, desde o despontar da aurora até ao seu mergulho no oceano. 
Uma volta pelo quintal, galinhas à cata de tudo, árvores de folha caduca ainda adormecidas, um sol acalentador, nada de ventanias, enfim, tudo dentro da normalidade esperada, mostrando que a vida, bonita quanto baste, me enche a alma, animando-me para a luta quotidiana. 
É muito agradável cirandar por aqui, sem preocupações de maior, ouvindo cães a ladrar como que a avisar que gostariam da liberdade plena, que isto de morar numa varanda fechada não dá alegria a ninguém, nem mesmo aos animais. 
A liberdade é uma sensação muito bonita, que os homens souberam conquistar ao longo de séculos, mas ainda há quem lute por ela sem êxito. Os tiranos, sádicos por natureza, ainda hoje bloqueiam os sonhos de quem quer voar para lá das fronteiras, físicas ou ideológicas, criadas com muros intransponíveis. 

08-II-2018

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Gestão de resíduos do Porto de Aveiro

Plano de Receção e Gestão 
de Resíduos do Porto de Aveiro 
2017-2019 



No respeito pelo artigo 5.º do Decreto-Lei n.º 165/2003, de 24 de julho, a APA (Administração do Porto de Aveiro) efetuou mais uma revisão do Plano de Receção e Gestão de Resíduos do Porto de Aveiro. que tornou público. 
Quem gosta de viver num ambiente sadio, obviamente sem poluição, tem de ficar satisfeito com a decisão da APA. Ficamos na certeza de que os responsáveis pelas estruturas portuárias saberão estar atentos, porque as pessoas e a natureza precisam mesmo de viver tranquilas.

Ler planos aqui 

A ALMA DE SEBASTIÃO DA GAMA



Minha alma abriu-se...
Que linda janela
que é a minha alma!
Não!, linda não é ela:
lindas são as vistas
que se avistam dela.

Que ouvidos tão finos
que tem a minha alma!
Não!, finos não:
finos são os cantos
que os pássaros cantam,
meus ouvidos ouvem.

Como são tão belas
as coisas lá por fora!
Minha alma em tudo,
em tudo se demora.

Que ouvidos tão finos!
Que linda janela!
Quem me compra a alma?
Quanto dá por ela?

Sebastião da Gama,
in"Cabo da Boa Esperança"

Sebastião da Gama faleceu a 7 de fevereiro de 1952, com 27 anos de idade. Recordo-o com este poema tão simples e tão belo.

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Ditos populares e estufa de chicória

Chaminé da antiga estufa

Do espaço ajardinado da ANGE (Associação Náutica da Gafanha da Encarnação), registei há bons meses esta imagem, que hoje encontrei, quando buscava motivo para me animar neste dia de frio de cortar à faca, como se dizia na minha meninice. Penso que hoje pouca gente haverá que utilize ditos populares. Novos tempos, novas influências, novas formas de dizer, que não condeno, mas até aprecio.
Houve tempo em que se falava do linguajar dos gafanhões, um linguajar sadio que curiosos e estudiosos vão debitando nas redes sociais, porventura com vontade de o preservar, ouso sugerir agora que se inicie a compilação de palavras e termos caídos em desuso. Os vindouros agradecerão.
Ora, a fotografia que reproduzo mostra a chaminé da antiga estufa de chicória da Gafanha da Encarnação de que sabemos pouco. Seria interessante que alguém desse passos no sentido de mostrar à saciedade como nasceu aquele edifício, quem foram os proprietários e por que fases passou até chegar a restaurante. 
Aqui ficam, portanto, duas propostas de trabalho. 

FM

domingo, 4 de fevereiro de 2018

JUSTIÇA E JORNALISMO NO ESGOTO

Vicente Jorge Silva 


«Sim, é saudável que deixe de haver espaço para a impunidade e que rigorosamente ninguém se considere acima da lei. Mas é triste que, simultaneamente, sejam casos desses que fazem prosperar o jornalismo de sarjeta — até ao dia, porventura ainda longínquo, em que o verdadeiro jornalismo de investigação, autónomo de todos os poderes, se imponha à opinião pública como única fonte credível de informação. Por enquanto, infelizmente, o culto nauseabundo da porcaria que faz salivar a avidez populista, fora e dentro das redes sociais, terá ambiente para medrar.»

BABEL, BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO?

Frei Bento Domingues 

Frei Bento Domingues

1. Para os meios de comunicação, a moda mais recente é a preocupação com as divisões na Igreja católica que me parecem coisa de pouca monta. Vencer a separação entre as igrejas do Oriente e do Ocidente e entre católicos e protestantes tem sido a beleza do horizonte do movimento ecuménico, nas suas diversas expressões. Quem conhecer o movimento cristão sabe que, desde o começo, esteve sempre exposto a divisões. Os apelos a que todos sejam um significam a dificuldade em conseguir uma unidade plural. O cristianismo continua a ser uma Sinfonia Adiada [1].
O que custa não é a comunhão, não é a diversidade, nem a liberdade. O que custa é manter estas três atitudes em simultâneo. Quem insiste apenas na comunhão tem problemas com a diversidade e com a liberdade. Quem, pelo contrário, exalta a diversidade e a liberdade é porque, em nome da comunhão, sente a ameaça da unicidade.
O mito da Torre de Babel [2] não é de fácil interpretação. Supõe-se que Deus se sentiu ameaçado por uma Torre que chegava aos céus, obra da unicidade linguística: “Em toda a Terra, havia somente uma língua e empregavam-se as mesmas palavras [...]. Vamos, pois descer e confundir de tal modo a linguagem deles que não consigam compreender-se uns aos outros. E o Senhor dispersou-os dali por toda a Terra.”

sábado, 3 de fevereiro de 2018

IDE VER QUANTOS PÃES TENDES

Reflexão de Georgino Rocha



A exortação de Jesus aos discípulos é dirigida à Igreja de todos os tempos. Também às paróquias, espaços locais mais próximos às pessoas onde se tece o viver quotidiano cristão. É fruto da compaixão que sente pelas multidões famintas e cansadas. Que contraste tão interpelante com a atitude dos que o acompanham e pretendem ser seus seguidores. Estes querem desfazer-se do problema, evitar complicações, silenciar a consciência, “lavar” as mãos. Longe da vista longe do coração. A sorte das pessoas pouco lhes importa. Mesmo que morram de fome. É a sensibilidade desviada, a indiferença ostensiva, o conselho da fuga às situações difíceis. Como se torna urgente educar a compaixão, reorientar o olhar, reganhar a confiança, promover a empatia! Como ficará enriquecido o nosso agir pastoral com esta “seiva” que brota da missão pública de Jesus!
“Manda-os embora, para irem aos campos e aldeias comprar de comer” (Mc 6, 34-36). Abandonadas e sem forças, entregues a si mesmas, com a noite a chegar, que esperança pode dar alento aos seus esforços. Jesus ignora o conselho e sintoniza com o ritmo do coração faminto prestes a perder o ânimo. Enche-se de compaixão e provoca a “reviravolta” indispensável e sensata. Envolve os discípulos na procura da solução. Nem fuga à realidade por facilidade, nem recurso ao seu poder singular; nem partir do zero como se nada existisse ou as pessoas fossem destituídas, nem esperar que resolvam o problema com recurso apenas às capacidades próprias. Todos, em acção concertada, assumem a situação e dão-lhe resposta convincente.

A ARTE DO RIDÍCULO

Crónica de Joana Petiz no DN


«Há não muito tempo assistíamos ao derrube de estátuas alusivas à Confederação norte-americana e por cá chegou a discutir-se a sério - o que é incrível - a possibilidade de mandar retirar a estátua do padre António Vieira, a quem já se chamava criminoso, racista, vil promotor da escravatura. É uma pena que só tentemos copiar os exemplos mais estúpidos do mundo - mas admirável como ninguém se lembrou de que a ponte sobre o Tejo, mandada construir e inaugurada por Salazar, de quem chegou a ter o nome durante muitos anos, também devia ir abaixo...»

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

FRANCISCO - Um Papa sem papas na língua

«Que não nos aconteça olhar mais para o ecrã do telemóvel do que para os olhos do irmão»

Li aqui 

NOTA: A afirmação em epígrafe foi proferida pelo Papa Francisco, quando se dirigiu aos consagrados, mas, no fundo, os destinatários somos nós todos. Todos os que, nas mais diversas situações, temos sempre à mão, ou na mão, o telemóvel, uma das mais revolucionárias invenções das últimas décadas. Esta tecnologia, que nos permite contactar com toda a gente, de perto ou de muito longe, conhecidos ou desconhecidos, torna-nos próximos, ao jeito dos vizinhos do lado, a quem pedíamos lume para acender a nossa fogueira. Contudo, quando o utilizamos por tudo ou por nada, para telefonar ou ler notícias, para apreciar paisagens ou assistir a batalhas campais, para brincar ou para nos afastarmos de quem a nosso lado está, o telemóvel gela a proximidade e destrói a convivência. O telemóvel impede-nos, realmente, de olhar para os irmãos. 

Francisco no Chile e no Peru

Anselmo Borges 
Anselmo Borges

1 Por ocasião da visita do Papa Francisco ao Chile e ao Peru, fui confrontado, lendo José Manuel Vidal, que cita um estudo de Latinobarómetro, com estatísticas temíveis quanto à situação da Igreja na América Latina. Os números mostram uma forte queda da Igreja Católica latino-americana devido à saída para as igrejas protestantes, no contexto da religião evangélica, e, num processo acelerado de secularização, para o agnosticismo e o ateísmo, como afirmou Marta Lagos, que dirigiu o estudo.
Os países com maior número de pessoas que se declaram católicas são Paraguai (89%), México (80%), Equador (77%), Peru (74%), Colômbia (73%) e Bolívia (73%). 65% dos inquiridos nos 18 países da América Latina dizem confiar na Igreja, sendo as nações onde tem mais crédito Honduras (78%), Paraguai (77%) e Guatemala (76%). No Chile, o número baixa para 36% e, segundo Marta Lagos, a quebra deve-se sobretudo aos abusos sexuais perpetrados pelo influente padre Fernando Karadima: antes desse escândalo, a confiança dos chilenos rondava os 69%, descendo abruptamente em 2011 para 38%.
O número de latino-americanos que se declaram católicos caiu paulatinamente nas duas últimas décadas: se em 1995 os católicos representavam 80%, esta percentagem baixou para 59% em 2017. Há sete países onde a população católica já representa menos de metade da população: República Dominicana (48%), Chile (45%), Guatemala (43%), Nicarágua (40%), El Salvador (39%), Uruguai (38%) e Honduras (37%). "A esta velocidade, daqui a dez anos os países da América Latina que terão a religião católica como religião dominante serão uma minoria." A eleição de Francisco em 2013 teve um "efeito positivo" e uma prova é que 60% dos chilenos reconheceram como "positiva" a visita que acaba de fazer ao país.

JESUS QUER CURAR-TE. ACEITA E COLABORA

Reflexão de Georgino Rocha 

Georgino Rocha

Jesus está no início da sua vida pública. Como bom judeu, vai à sinagoga onde fala abertamente da novidade que traz em nome de Deus e “limpa” os espíritos de pessoas que manifestavam sinais de forças estranhas e maléficas. Participa na oração oficial, assume o direito à palavra e prega com autoridade. Da sinagoga, espaço religioso, desloca-se para a casa de Simão e André. Deslocação indicativa das suas preferências pela vida quotidiana: encontros no lago, em casas de família, nos caminhos públicos, em refeições, em diálogos pessoais e locais silenciosos. Deslocação que se mantém como referência para os discípulos: conjugar a oração como relação com Deus Pai e a acção de bem-fazer como rosto do querer deste bom Deus. Jesus, desde o início, deixa-nos este belo exemplo.
A casa de Simão Pedro é “uma vivenda de tipo clã, onde habitavam várias famílias com parentesco próximo, distribuídas por quartos/salas em torno a dois pátios interiores com comunicação entre si… Neles, decorria a vida do clã… Quantas imagens bebeu Jesus dessa vida cheia de colorido para ilustrar as suas catequeses sobre o Reino de Deus!”. Sirva de referência o fermento que leveda a massa e a moeda perdida que é encontrada e provoca grande alegria. (Guia de Tierra Santa, História-arqueologia-bíblia, Verbo Divino, p. 325).
Ao regressar a casa, Jesus ouve falar da doença da sogra de Pedro. Vai ao seu encontro, aproxima-se da doente, toma-a pela mão e levanta-a. Não diz palavra. O gesto fala por si e constitui um modelo de relação sanadora. Parece um ritual de curas, sem magias nem exorcismos. O guia de acção está bem delineado por Marcos (1, 29-39): Ir aonde a se encontra a pessoa doente, colocar-se ao seu nível, sobretudo da disposição com que vive o sofrimento e a dor, tocar-lhe como quem comunica a saúde integral de que é portador, agarrar a mão para a erguer na vida, ajudando-a recuperar a dignidade de poder desempenhar as suas funções normais. O que faz à sogra de Pedro, faz Jesus a tantos outros, como bem registam os Evangelhos.

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

NOTAS DO MEU DIÁRIO – O MEU PAI


No silêncio natural da minha tebaida, ouve-se o zumbido do vento a confirmar o inverno que persiste. Já choveu com frio à mistura, e as notícias afiançam que é imperioso aquecimento para o corpo e para a alma. À minha frente crepita a lenha que arde na salamandra. As chamas aquecem o ambiente enquanto alinhavo esta nota, mas também iluminam sonhos e recordações da minha meninice. Parece-me que é sina da velhice que se instala no meu ser. E imaginei o meu pai sentado à conversa comigo, cigarro entre os dedos amarelecidos pela nicotina, sorriso sóbrio permanente, olhar perdido por vezes, decerto a reviver interiormente momentos  de mar bravo que tantas vezes enfrentou. 
O meu pai não era pessoa de grandes falas, gostava mais de ouvir, mas quando encontrava uma nesga ditava sentenças. Sinto a falta dele, sim senhor, porque a sua serenidade me impressionava, deixando marcas indeléveis na minha personalidade. Se aqui estivesse, como eu gostaria!, era ele que ateava a fogueira, que aconchegava a lenha, que alimentava a conversa, mesmo falando pouco. E até gostava que ele tivesse a minha idade. Seria o parceiro ideal para estas noites à lareira. 

FM