quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

Seniores cuidam da Natureza na Praia da Barra


A preservação e defesa do ambiente não olha a idades e a sociedade, no seu todo, deve assumir as suas responsabilidades. Com base neste princípio, a Câmara de Ílhavo promoveu uma tarefa importante, envolvendo a população sénior na plantação de estorno nas dunas da Praia da Barra. O estorno é uma planta apropriada à estabilização do cordão dunar, sendo esta iniciativa uma resposta fundamental à defesa do Ambiente e da Natureza.

A paixão de Jazzinta em novo disco e novo livro

Jazzinta:  momento de uma interpretação

Jazzinta  e Maria Joana Pereira

Maria Manuel e Rui Grácio
No dia 23 de fevereiro, no Hotel Moliceiro, em Aveiro, Jacinta Bola, docente universitária e cantora de Jazz, apresentou o seu mais recente disco e um livro, “Práticas Performativas no Jazz Vocal” – Uma auto etnografia crítico-analítica”. O disco, que afinal não é o tradicional disco, mas uma pen, bem ao gosto dos apreciadores das novas tecnologias, foi produzido por Maria Joana Pereira, manager da artista, e nele se refletem as artes de Jacinta e do músico Paulo Dantas. E o livro, da responsabilidade editorial da Grácio Editor, oferece aos seus leitores a tese de doutoramento da Jacinta, defendida na Universidade do Minho. 
Maria Manuel Baptista, Catedrática da Universidade de Aveiro, no âmbito de Estudos Culturais, apresenta, na Introdução, “reflexões, interrogações e perplexidades de um percurso artístico”, a propósito da paixão de Jazzinta, sua identificação no mundo do jazz. 
No lançamento do disco e do livro, Maria Manuel afirma que assumiu, perante a artista, apenas a tarefa de a ajudar a descobrir a sua paixão, já que, de música, não percebe “rigorosamente nada”. Nessa linha, levou a Jacinta a refletir, no sentido de encontrar o fio condutor de sua motivação, que começou a ganhar corpo e força. 
Depois de se interrogar sobre se o improvisar, fundamental no jazz, “será coisa que se aprende”, Maria Manuel frisou que o trabalho da artista “não é uma tese seca; tem vida”. O livro, adiantou, “é muito interessante”, porque reflete “muita paixão”. “A Jacinta enfrentou um júri muito exigente, que fez muitas perguntas”, às quais “respondeu brilhantemente”. 
Na referida Introdução, Maria Manuel Baptista afirma que a Jazzinta nos conta “uma história de paixão pela arte e pela música em particular”, mas também nos revela “a luta em busca do seu ser artista” e, ainda, “a desilusão e o confronto com a realidade do mercado cultural”. 
No lançamento do livro e do disco, a artista brindou os convidados com algumas interpretações do seu rico reportório, sobressaindo a técnica vocal poderosa que domina com expressão e paixão, enquanto Maria Joana deu conta de projetos e desafios, da seleção das músicas e dos concertos. 
Jacinta Bola confessou no livro que, quando retomou, em 2013, o ensino a tempo integral, a sua técnica vocal “melhorou exponencialmente”, para seu “grande espanto”, concluindo que, “dar aulas, ainda por cima, de canto”, fazia-lhe “bem à voz”. 
Presentemente, Jacinta Bola é professora no curso de música da Universidade Federal do Piauí, Brasil, e faz pesquisas na área de performance e improvisação do jazz vocal. Os seus alunos são, maioritariamente, cantores profissionais. 
O disco contém 12 interpretações de outras tantas composições, de que destacamos Nascente, de Flávio Venturini; Sinhá, de Buarque & Bosco; Bahia, de Ary Barroso; Sonho Mau (Ask me Now), de Tiago Torres da Silva / Monk; Chega de Saudade, de Moraes / Jobim; Chant / Think of One, de Jacinta; Roger Hall / Monk, e Aquele Abraço de Gilberto Gil, entre outras. A produção é de Maria Joana Pereira. Este álbum, denominado Semhora, é dedicado a todas as mulheres que são senhoras, sem hora. 

Fernando Martins 

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

Retrato de uma época — Proscrita



Proscrita

Dezasseis anos, quase, — inda os não tem.
Espera por bebé, é o seu problema.
Ao dar-se conta, fica embaraçada
E, cheia de coragem, diz à mãe.

A mãe segreda ao pai; mas, qual segredo!
Nervoso, despeitado no seu brio,
Reage com violência: insulta a filha,
Dá-lhe encontrões e vai-lhe mesmo à cara.

Indesejada em casa, a moça foge, —
Como a lebre dos montes, perseguida.
Sem nada: apenas o que tem vestido.

No colégio das freiras, não a acolhem.
O namorado fora para a tropa.
Riem-se dela, e mofam, as amigas.

Reinaldo Matos


“Sinfonia de poemas de Reinaldo Matos — 25 anos de poesia — 1959-1984”, 
Antologia organizada por Amílcar Amaral, Braga — 1984


Nota de rodapé, na página deste poema: «O poeta condena certos pais que desprezam e rejeitam a filha que caiu na tentação… e ficou grávida. Quanto mais cristão será perdoar… acolher… ajudar…»

José Reinaldo de Sousa Matos, nascido em 21-III-1925, ordenado em 29-VI-1950 e falecido, nos EUA, em 11-X-1993

NOTA: Do livro "Obra da Providência — subsídios para a sua história", com lançamento marcado para sexta-feira, 1 de março, na Junta de Freguesia da Gafanha da Nazaré, pelas 21 horas.

Tolstoi e o bosque


"Há quem passe pelo  bosque 
e apenas veja lenha para a fogueira"

Lev Tolstoi (1828-1919), escritor russo

Nota: Sugestão do "Correio do Vouga"

terça-feira, 26 de fevereiro de 2019

O país dos filhinhos do papá existe mesmo

João Miguel Tavares é um jornalista do PÚBLICO que leio quando posso. Nas suas crónicas não perdoa compadrios nem carreirismos com base em apelidos de família. Denunciar isto é importante, sobretudo quando tal situação atinge cargos governamentais. 

Exercício de combate à poluição no Porto de Aveiro



Gostei de saber que se realizou, no Porto de Aveiro, no passado dia 22 deste mês, um exercício de combate à poluição, promovido pela Autoridade Marítima Nacional. O exercício ocorreu nas instalações do Departamento Marítimo do Norte, depois da realização de uma ação de formação e treino que se estendeu durante três dias. 
Segundo a nota que nos foi enviada, o exercício respondeu a uma simulação de derrame de fuelóleo provocado pela colisão de um navio tanque na ponte cais n.º 26 do Terminal de Granéis Líquidos. 
Esta ação mostra à evidência que na área portuária os responsáveis estão atentos a eventuais ocorrências no âmbito da poluição do ambiente, com prejuízos para as populações, em geral.

Li aqui 

Rota das Padeiras regressa a 28 de março

Pão doce 


Padas 
«Mistura-se a farinha, o sal, o fermento e a água. Amassa-se muito bem e deixa-se a levedar. Depois é preciso dar abas e tender. Por fim, leva-se ao forno a lenha, bem quente e, pouco depois, estão prontas a...devorar. 
A receita das afamadas Padas de Vale de Ílhavo não se aprende em duas ou três linhas, mas as “especialistas” dão uma ajuda: de 28 a 31 de março, a Rota das Padeiras regressa a Vale de Ílhavo. 
Na base da confeção deste pão há um contexto muito particular, que o torna tão único e tão precioso. A farinha de trigo não refinada, proveniente das moagens tradicionais de Vale de Ílhavo, a lenha de pinho, a temperatura do forno a lenha e, claro, as carismáticas Padeiras deste lugar que continuam a cozer o pão conforme lhes ensinaram as mães e as avós. 
Durante quatro dias, a Câmara Municipal de Ílhavo e a Associação Cultural e Recreativa “Os Baldas” arregaçam as mangas e reforçam o empenho em fazer perdurar a tradição. Os primeiros dois dias são dedicados ao público escolar e sénior; sábado e domingo, o pão “é para todos”.» 

Nota: Informação cedida pela CMI

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2019

Notas do meu diário: Pedofilia na Igreja e fora dela

O Papa está triste, mas é corajoso 
Os lobos espreitam famintos!

Tenho para mim que a erradicação da pedofilia na Igreja Católica e fora dela não será tarefa fácil. Eu sei que o clero está animado das melhores intenções para que aqueles crimes abomináveis não mais venham a acontecer na Igreja, em especial, e em todo o mundo, em geral. Mas quem ousará acusar os pedófilos, se não tiver provas concludentes de que, realmente, houve crime ou pressões sobre as crianças? As dificuldades de prova e o perigo de denúncias infundadas limitam a procura da verdade e, consequentemente, a condenação. 
Os pedófilos são tarados e criminosos convencidos de que são autores do crime perfeito. De modo que estou muito cético em relação à descoberta dos pedófilos com rostos de anjos… Enganam meio mundo para atingirem os seus hediondos fins. Penso que urge educar as crianças, desde tenra idade, com pais e professores atentos, no sentido de se evitar o pior. Os lobos espreitam famintos!
Fiquei muito chocado quando ouvi a declaração de que a Igreja Católica fez desaparecer processos relacionados com a pedofilia. O mal feito a crianças indefesas não teria importância? Os interesses da Igreja abafam os interesses das pessoas? E quem foram os responsáveis por isso? 
Foi anunciado que do Vaticano hão de surgir indicações concretas que ajudem os educadores no trabalho de casa que tem de ser feito, mas também que levem os bispos a prestar mais atenção aos comportamentos dos clérigos das suas dioceses. Porém,  também é verdade que toda a gente tem obrigações nesta como noutras matérias. 
Será altura de a Igreja repensar o celibato dos presbíteros e bispos? 

F. M.

domingo, 24 de fevereiro de 2019

Anselmo Borges: Cimeira global histórica anti-abusos

Anselmo Borges

"Enfrentar o monstro da pedofilia 
na Igreja e em toda a parte"

1. Não conheço condenação mais dura e funda da pedofilia do que estas palavras de Jesus no Evangelho: “Deixai vir a mim as criancinhas”, e é preciso tornar-se como uma criança, “para entrar no Reino dos Céus”, porque elas são simples, inocentes, não discriminam. Imediatamente a seguir Jesus diz: “Ai de quem escandalizar uma criança. Era melhor atar-lhe a mó de um moinho ao pescoço e lançá-lo ao fundo do mar.” Não se pode fazer mal às crianças: elas são inocentes, elas não fazem mal (é esse o sentido de inocente, a partir do verbo nocere: causar dano, fazer mal, com o prefixo negativo in). 
É assim para todos e sempre. Mas isso vale de modo especial para a Igreja. E o que é que se passou, desgraçadamente? Foram milhares de menores e pessoas vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação “abusos sexuais, de poder e de consciência”. Também diz, com razão, que a base é o “clericalismo”, julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar? 

Frei Bento Domingues: Os outros estão a mais? (2)

Bento Domingues
"A declaração de Abu Dhabi é o gesto religioso, cultural e político 
mais importante desde há muitos séculos"

1. A fonte da realidade, una e múltipla, é sempre oculta para quem olha de fora. É da experiência mais imediata que há outros e outros. Uns são acolhidos, outros são rejeitados e outros ainda são vistos com indiferença pelos nossos afectos e comportamentos. Por pouco que se aprofunde, cada ser humano é um abismo misterioso. 
Quando falamos dos direitos e deveres humanos, enunciamos um reconhecimento e uma vontade que mais parecem uma veleidade do que uma energia de acção. Quando invocamos a fraternidade humana designamos apenas um horizonte e um desejo. Se desistíssemos desse horizonte, teríamos de responder a uma pergunta inquietante: quem tem direito a excluir os outros da condição comum? A pena de morte, por exemplo, significa um poder absoluto sobre o outro, em nome de quê? 
Que fazer para alterar aquilo que ofende a condição humana? É uma pergunta imensa, mas não nos impede de recordar coisas muito básicas. Parece evidente que existe, na consciência, a noção de bem e de mal. O bem deve-se praticar e o mal deve-se evitar. Diz-se que no concreto das tradições culturais e éticas, muitas vezes, aquilo a que uns chamam bem outros chamam mal. Mas não exageremos. Não pode ser uma apologia do relativismo: se vale tudo, nada vale! 
As sabedorias antigas da reciprocidade pediam: não faças aos outros o que não desejas que os outros te façam a ti; ou, de forma positiva, faz aos outros o que desejas que os outros te façam a ti. 
Essas generalidades não servem para construir uma articulação concreta de direitos e deveres que tornem possível a vida em sociedade. Pertence às normas fundamentadas do Direito e aos diferentes órgãos legítimos do poder a busca da sabedoria e da arte de governar para evitar a tirania e a desordem. 

sábado, 23 de fevereiro de 2019

Georgino Rocha: Amai os vossos inimigos

Georgino Rocha
"Amar o inimigo, não é antes de mais uma disposição afectiva, mas gestos e actos de amor que respondam a gestos de ódio, perseguições, calúnia, pretensões."


Jesus quer que os discípulos entendam o alcance das bem-aventuranças apresentadas na planície, após a descida da montanha. Por isso, continua o discurso, dando exemplos acessíveis da vida quotidiana e recorrendo a contraste. Por isso, usa uma linguagem simples e acessível, interpelante e radical. Linguagem em que sobressai, por um lado, o realismo das relações humanas, sobretudo nos seus dramas de violência e ódio, e por outro, o proceder misericordioso de Deus, generoso e pronto para o perdão. E Jesus adianta uma sentença com sabor a promessa a quem seguir o caminho das bem-aventuranças: “Será grande a vossa recompensa e sereis filhos do Altíssimo“. Os discípulos acolhem a novidade proclamada, exultam pelo futuro anunciado e sentem, com certeza, a exigência humana do que lhes é encomendado.

Lucas, no relato que faz, junta uma série de sentenças de grande alcance libertador. (Lc 6, 27-38). Manicardi, no seu comentário, p 106, afirma que “no nosso quotidiano, o inimigo pode ser o nosso grande mestre, porque pode tornarmos conscientes dos sentimentos tenebrosos que habitam o nosso coração e que não viriam ao de cima se tivéssemos sempre relações boas e serenas com todos. O inimigo revela a qualidade do nosso coração”. De facto, há ainda zonas da nossa mente imersas no inconsciente desconhecido, na escuridão, sujeitas a reacções primárias e descontroladas, dotadas de enorme potencial destrutivo. Com energias prontas a “disparar” sempre que são provocadas. E o discípulo está chamado a amar com todo o coração, com toda a alma, com todas as forças, e com toda a mente (cf Lc 10, 27).

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

Rua Padre José Lourenço


Padre José Lourenço
No limite entre a Gafanha do Carmo e a Gafanha da Encarnação, situa-se a rua que homenageia o Padre José Soares Lourenço que, durante anos, paroquiou a Gafanha do Carmo, tendo deixado o seu nome ligado à construção da nova igreja matriz. 
Nasceu no dia 14 de julho de 1923, em Valongo do Vouga. Foi ordenado sacerdote, em Vagos, no dia 13 de julho de 1947, pelo bispo D. João Evangelista de Lima Vidal. Faleceu no dia 27 de agosto de 2016, ficando sepultado na Gafanha do Carmo. 

Cardoso Ferreira, no "Correio do Vouga" 

NOTA: Há pequenas notícias que se tornam grandes pelas recordações que suscitam. É o caso da nota subscrita por Cardoso Ferreira no "Correio do Vouga", semelhante a outras do mesmo jornalista, pelas quais nos vai recordando figuras que na vida foram exemplares pelos mais variados motivos. 
O Padre José Lourenço foi para mim e para muitos outros um sacerdote que soube testemunhar a capacidade de serviço, revestida de uma humildade cativante. 
Para além de paroquiar a Gafanha do Carmo, exerceu o seu ministério por outras terras, mas quis que os seus restos mortais repousassem na sua Gafanha do Carmo.

Pedofilia em debate no Vaticano


No Vaticano, os mais altos representantes da Igreja Católica de todo o mundo vão debater o problema da pedofilia praticada por padres e bispos. A Igreja Portuguesa está representada pelo Bispo de Lisboa, Cardeal Manuel Clemente, presidente da CEP (Comissão Episcopal Portuguesa). Espera-se que, de uma vez por todas, tal “cancro” seja erradicado, com a denúncia dos membros do clero que têm abusado de crianças indefesas. Contudo, todos sabemos que, infelizmente, esses criminosos hão de mudar de estratégias para alimentar vícios hediondos. Na minha ótica, o celibato nada terá a ver com a pedofilia do clero. Não há pedófilos casados e com filhos?
Li o artigo que Laurinda Alves publicou no Observador, no qual analisa a situação dos pedófilos e das vítimas. O problema é bem mais complicado do que parece. Mas se é verdade que a pedofilia é real na Igreja e fora dela, então todos teremos de estar vigilantes para a denunciar, com prudência mas também com firmeza, não vá dar-se o caso de ferir seriamente inocentes. 

F. M. 

Laurinda Alves
«Não consigo imaginar pior tragédia do que viver situações dramáticas, traumáticas, na mais completa solidão, temendo a insuportável repetição dos asquerosos acontecimentos, pois grande parte das vítimas sofre abusos continuados dos violadores. Sinceramente nunca serei capaz de saber o que é ser criança ou muito jovem e estar à mercê de terríveis lobos disfarçados de cordeiros. De padres perversos que antes de abusarem sexualmente, abusam da confiança e traem em toda a linha. Usam o seu estatuto, o seu poder, as suas falas mansas, supostamente bondosas e porventura encantatórias, para atrair vítimas e as massacrar.» 

domingo, 17 de fevereiro de 2019

Olegário Fernandes apresenta almanaque de luxo


Capa

Último texto

Tenho em meu poder um Almanaque especial que me foi oferecido por pessoa amiga. É uma obra de arte gráfica, que ano a ano me chega às mãos para delícia do meu olhar. Cada página é uma história que me recorda épocas de antanho, com um colorido ímpar, enriquecido por textos poéticos de encher a alma. Um bem-haja a quem se lembra de mo oferecer. 
O Almanaque, para 2019, é de Olegário Fernandes – Artes Gráficas, S.A., e na abertura é lembrado: “Em 2018, Setembro mais precisamente, cumpriram-se cinquenta anos da nossa administração, na Olegário Fernandes – Artes Gráficas.” E promete que “a Olegário Fernandes reitera a vontade e firmeza de continuar, acreditando que o que nos espera será sem dúvida melhor”.

Frei Bento Domingues - Os outros estão a mais? (1)

"Depois da morte de Deus viria, não a emancipação, mas a morte do ser humano. Já há muito tempo que desconfio de tanta promessa e de tanta ameaça."


1. Nietzsche (1844-1900), um dos primeiros filósofos que estudei, é uma figura de contrastes desmedidos. Tem tanto de visionário fascinante como de classificador irritante. Disse o pior do Sermão da Montanha, uma das peças mais belas e revolucionárias do Novo Testamento [1], proposto, hoje, como desafio às comunidades eucarísticas. Classificou-o como um atentado contra a natureza: a vida acaba quando começa o Reino de Deus e a prática da Igreja aí está para o confirmar [2]. 
Deixemos, para já, o sermão de Nietzsche, sermão da morte de Deus em nome da exaltação da vida e do Super-Homem, aproveitado pelos nazis para a glorificação do crime nacionalista, anti-semita e racista. 
No entanto, as religiões estão em maus lençóis por razões mais óbvias e imediatas. A embriaguez criada pelas revoluções agrícola, científica, industrial e cultural ainda não serenou. Tornou-se mais aguda. Entrou em delírio. O império da tecnociência em todos os domínios e, agora, as promessas do reino prometido da inteligência artificial, nas suas infindáveis aplicações, estariam a deixar Deus cada vez mais desempregado. Por outro lado, diz-se que a extensão da robótica se encarregará de dispensar aqueles que a criaram. Depois da morte de Deus viria, não a emancipação, mas a morte do ser humano. Já há muito tempo que desconfio de tanta promessa e de tanta ameaça.

Anselmo Borges — Islamofobia e Cristianofobia


«Sendo a religião uma dimensão constitutiva do ser humano e estruturante da cultura, é evidente que tem de ter lugar também no espaço público»


1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emiratos Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a História, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como “uma nova página no diálogo entre Cristianismo e Islão”. É preciso ler e estudar o “Documento sobre a Fraternidade Humana”, então assinado por ele e pelo Grande Imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou Missa para 150.000 cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público. 
Já de regresso ao Vaticano, na habitual conferência de imprensa no avião, um jornalista perguntou-lhe que “consequências terá também entre os católicos o Documento, considerando que há uma parte dos católicos que o acusam de deixar-se instrumentalizar pelos muçulmanos...” E Francisco: “E não só pelos muçulmanos... (riu-se). Acusam-me de me deixar instrumentalizar por todos, incluindo os jornalistas. É parte do trabalho, mas gostaria de dizer uma coisa. Do ponto de vista católico, o Documento não se separou nem um milímetro do Vaticano II, que até é citado várias vezes. Se alguém se sentir mal, eu compreendo-o, pois não é algo de todos os dias..., mas não é um passo atrás, é um passo para diante... É um processo e os processos amadurecem.”

sábado, 16 de fevereiro de 2019

Domingos Cardoso no FUGAS do PÚBLICO



Maria José Santana, jornalista, publica hoje no PÚBLICO, no suplemento FUGAS, uma reportagem sobre o ilhavense Domingos Freire Cardoso, conhecido professor, poeta e estudioso da sua terra natal e suas gentes. 
O trabalho da jornalista incide, fundamentalmente, sobre o mais recente livro daquele autor, “Palabras co bento no leba”, dedicado ao linguajar típico das gentes ilhavenses. Trata-se de uma obra que deixa aos vindouros sinais indeléveis da identidade dos ílhavos. 
Sugiro, pois, aos meus leitores, que leiam e apreciem a reportagem da Maria José Santana.

Ler reportagem aqui 

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

A Matemática está mesmo em todo o lado

Rogério Martins 
na Escola Secundária da Gafanha da Nazaré 



O matemático, autor e apresentador do programa “Isto é matemática”, Rogério Martins, vai estar na Escola Secundária da Gafanha da Nazaré, no próximo dia 21 de fevereiro, para um encontro com os alunos. 
Também autor do livro com o mesmo título, numa redação conjunta com Tiago DaCunha Caetano, tem dado continuidade ao projeto iniciado na TV. Uma oportunidade para contactar com a matemática de uma forma acessível, rigorosa e divertida e, ao mesmo tempo, uma motivação para o desenvolvimento do gosto pela matemática. 
Afinal de contas a matemática está mesmo em todo o lado.

Gafanha da Nazaré: aventuras, desportos, jogos e brincadeiras


No próximo dia 15 de março, pelas 21 horas, na Escola Secundária da Gafanha da Nazaré, vai ser apresentado o mais recente livro de Júlio Cirino,“Gafanha da Nazaré: aventuras, desportos, jogos e brincadeiras”. O evento está aberto a toda a comunidade, em especial aos que gostam de revisitar o passado, tendo por guia o próprio autor.

Georgino Rocha — Alegrai-vos e Exultai

Georgino Rocha
"O ensinamento de Jesus atinge o coração do homem, quer dotá-lo de novas energias, e configurar o seu estilo de vida"

Jesus está num lugar plano. Havia descido da montanha, onde passara a noite em oração. Aqui, segundo a versão de Lucas, “ao amanhecer, chamou os Seus discípulos e escolheu doze entre eles, aos quais deu o nome de Apóstolos”. Espera-o muita gente do povo, vinda de várias partes, pois queria ouvir a sua palavra e ser curado das doenças que a atormentava. Espera-o numerosa multidão de discípulos que o vinha a seguir e a testemunhar a sua relação próxima e compassiva com as pessoas, o seu amor à verdade, a sua paixão pela libertação de todas as escravidões. Espera-o a hora histórica de fazer a proclamação do código de felicidade do Reino que reflecte o projecto de Deus e começa a ser vivido já, de forma germinal, por aqueles que o aceitam sem restrições.
Lucas apresenta este código contrapondo os que acolhem e praticam as suas sentenças e os que as menosprezam e rejeitam no modo de viver, em atitudes e gestos do dia-a-dia. (Lc 6, 17- 26). Apresenta-o, sem complementos explicativos, como faz Mateus. Deixa a verdade nua a falar por si. Deixa o leitor sofrer o impacto da sua novidade. Deixa que a Igreja possa rever-se numa das mais belas mensagens do discurso da planície, isto é, do quotidiano impregnado desta energia divina. Deixa em aberto os canais da seiva nova que pretendem humanizar a família, a sociedade e suas organizações.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

A Igreja dá pouca atenção ao problema da violência doméstica



«A Igreja Católica tem dado pouca atenção ao problema da violência doméstica, mas deveria considerá-lo como “uma prioridade”. A opinião é expressa por Eugénio Fonseca, presidente da Cáritas Portuguesa, em declarações ao 7MARGENS, a propósito dos últimos casos de mulheres assassinadas pelos maridos ou companheiros em Portugal.» 

Eugénio Fonseca tem razão quando faz afirmações como as que li no 7MARGENS, cujo texto, na íntegra, merece ser lido e meditado. Têm sido muito frequentes as notícias sobre violência doméstica no nosso país, não só no seio das famílias, mas também entre namorados. O problema é complexo e não se resolve apenas com denúncias ou com condenações dos criminosos que andam à solta por aí. Urge mobilizar toda a gente para a defesa das vítimas, mas isso não será o suficiente. É necessário erradicar estes crimes hediondos. É imperioso que especialistas de várias vertentes definam critérios para a justiça atuar com celeridade, mas também é preciso educar, desde a infância, para a não violência, mas também para o respeito pelo outro.

Dia dos Namorados — 14 de fevereiro


Dia dos Namorados ou Dia de São Valentim celebra-se neste dia, 14 de fevereiro. Todos os namorados, que o são de verdade e em consciência, não esquecem este dia. Mas talvez nem conheçam a sua origem, o que é pena, porque a festa também se deve a quem foi sacrificado, para que o dia passasse a ser recordado. 
É claro que os namorados, na ânsia de intensificarem o seu amor, nem querem saber o que aconteceu a São Valentim que,  no dia 14 de fevereiro do ano 269, por ter desobedecido ao imperador, ao celebrar casamentos contra a lei do império, sofreu as consequência do seu gesto nobre. O imperador proibira os casamentos porque precisava de homens livres para os seus exércitos. Como Valentim desobedeceu, foi preso, torturado e condenado à morte, no dia 14 de fevereiro. Então, é justo que seja lembrado e honrado quem abençoou casamentos contra as leis de um tirano. 
Posto isto, importa sugerir aos namorados que procurem a felicidade alimentando-a no dia a dia, sendo certo que  a mais simples celebração poderá servir para acicatar o amor e promover a festa da alegria, do encontro, do compreensão mútua e da harmonia. Mas não se julgue que o Dia dos Namorados é só para os mais jovens. O Dia dos Namorados é para todos os que se amam, tenham a idade que tiverem. 
Feliz dia para todos.

Fernando Martins

terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

História da Obra da Providência registada em livro

Fernando Martins apresenta livro 
sobre instituição notável da Gafanha da Nazaré, 
no Salão de Junta de Freguesia, 
dia 1 de março, 
às 21h00.

As fundadoras
No próximo dia 1 de março, pelas 21 horas, no salão nobre da Junta de Freguesia da Gafanha da Nazaré, vai ser apresentado o livro “Obra da Providência — Subsídios para a sua história”, da autoria do professor e diácono Fernando Martins. A sessão é aberta a todas as pessoas, convidando-se especialmente os amigos desta instituição, uma das mais antigas da Gafanha da Nazaré. 
O livro surge como uma resposta à necessidade de preservar a memória da obra social notável, principalmente após a morte das fundadoras. “Mais de meio século de vida intensa em prol da comunidade, nomeadamente da família e de quem mais precisa, a Obra da Providência bem merece que a sua memória seja preservada. Não para ficar guardada numa qualquer gaveta de boas recordações, mas para servir de estímulo a todos, no sentido de nos abrirmos mais à solidariedade social e à caridade cristã”, escreve o autor na apresentação do livro. 
Preparado e concluído há vários anos, o livro surge a público já depois da morte das impulsionadoras da obra, Maria da Luz Rocha (falecida a 4 de outubro de 2016) e Rosa Bela Vieira (falecida a 15 de março de 2018), que, como escreve o professor Fernando Martins, “são duas MULHERES que se complementam. Razão e coração sempre de braço dado. A olhar para os mais carenciados de afeto, pão e trabalho”. “(…) Nelas, homenageamos os que se dão à sociedade, hoje como sempre, em tantas e tão diversas formas de serviço”, acrescenta. 
O livro, publicado pela editora diocesana Tempo Novo, divide-se em duas grandes partes mais uma adenda que inclui o elenco dos corpos gerentes, uma entrevista a D. Maria da Luz, cronologia e outras notícias. A primeira parte vai dos “primeiros passos” na década de 1950, até 1974. A segunda parte aborda o período começa com a Revolução de Abril de 1974, porque “a democracia abre portas a novos desafios”. As fundadoras cessam funções em 2005 e a segunda parte termina praticamente com a tomada de posse de uma nova direção, sob presidência de Eduardo Aníbal Arvins. 
Com muitas ilustrações (a preto e branco), temos neste livro um excelente relato histórico de uma instituição importante, que tanto bem fez (e faz) a tanta gente e que também sofreu incompreensões. Vale a pena conhecê-la através deste livro. Como refere o autor, “o que se regista neste trabalho servirá para compreendermos até que ponto o Evangelho pode ajudar a traçar caminhos diferentes e inovadores de justiça social, de caridade cristã e de solidariedade fraterna”. 

J.P.F.

NOTA: Texto publicado no jornal Timoneiro de fevereiro.

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

Dia Mundial do Doente - 11 de fevereiro

A esperança será sempre a última a morrer



O Dia Mundial do Doente, que hoje se celebra, não pode ficar esquecido. É verdade que por vezes olvidamos celebrações importantes, decerto pela vida agitada que levamos ou porque nos situamos à margem da vida, como quem se posiciona numa letargia comodista. Mas se nos lembrarmos amiúde que um dia a doença nos pode bater à porta, talvez nos convençamos da importância de olhar mais  para quem sofre. 
Já adoeci várias vezes, já estive internado em hospitais e já permaneci acamado meses e meses, recordando, com emoção, amigos, conhecidos e familiares que me visitaram, alguns quase diariamente. Sei, portanto, por experiência própria, do valor da amizade, da ternura da visita e das palavras de ânimo que me fizeram acreditar que a saúde seria possível, numa altura em que tantos morriam. E nunca perdi a esperança  e a fé em dias melhores. 
O Dia Mundial do Doente serve apenas, e já não é pouco, para cada um registar na sua agenda os nomes dos amigos doentes, numa perspetiva de programar uma visita, de fazer um telefonema ou de enviar um recado com votos de rápido restabelecimento. 
Aqui fica uma palavra amiga para os que se encontram doentes: Depois da tempestade, vem a bonança; a esperança será sempre a última a morrer. Fala quem passou por isso. 

Fernando Martins

domingo, 10 de fevereiro de 2019

Júlio Dinis: Em Aveiro há trigueiras como em parte nenhuma






NOTA: 

1. Arquivo do Distrito de Aveiro; 

2. Nas horas vagas, as tais que sobram do quotidiano da minha vida, gosto de visitar escritos antigos. Desta feita, volto à passagem de Júlio Dinis por Aveiro, para sublinhar que o escritor simpatizou com as trigueiras aveirenses. Diz ele: "em Aveiro há trigueiras como em parte nenhuma." Tem razão, sim senhor!

Frei Bento Domingues: Não nos preocupemos com os anjos

Bento Domingues

"Foi para mim um anjo ! São muitas as pessoas, todos conhecem algumas, a quem apetece dizer esta bendita oração."

1. Não escolhemos as perguntas que nos fazem. Na semana passada, uma senhora muito idosa perguntou-me aflita: os anjos existem ou não? Toda a vida rezei ao meu anjo da guarda, mas a minha neta disse-me que, agora, já nem os padres acreditam nisso. 
A erva-das-pampas até pode ser “bonita”, mas não devia estar por todo lado 
Deduzi que não era a sua crença que estava abalada, mas a dificuldade em transmiti-la à nova geração. Não vem ao caso a conversa que tivemos. O imaginário da luta entre os anjos bons a quererem salvar as nossas almas e os demónios a fazerem tudo para nos perderem era a representação religiosa da nossa infância. Lembrei-lhe que, na Eucaristia, o louvor divino é sempre associado à música dos anjos e dos santos! 
Quando a ansiedade serenou, lembrei-lhe duas histórias que me divertiram. Em 1961, à saída de Liège, à espera de uma boleia para Colónia, li, no Assimile de alemão, que um pároco pediu a um pintor que enchesse de anjos as paredes de uma capela recém-construída. Quando foi ver as pinturas ficou irritado: quando é que se viram anjos com tamancos? O pintor observou-lhe: e sem tamancos? 
Em 1962, era assistente da Juventude da Igreja de Cristo Rei (Porto) – a primeira associação católica mista de jovens, em Portugal – quando um rapaz interessado por teologia veio dizer-me que tinha descoberto as razões do mundo andar tão desorientado. Os Anjos não se reproduzem e os seres humanos são cada vez mais. Resultado: há muita gente sem anjo da guarda! 

Anselmo Borges: Encontros para a História

Papa nos Emirados Árabes Unidos 

Anselmo Borges

1."Deus, o Todo-Poderoso, não precisa de ser defendido por ninguém e não quer que o seu nome seja usado para matar e aterrorizar as pessoas".
Quando li este passo no "Documento sobre a Fraternidade Humana" a favor da paz mundial e da convivência humana, assinado no início desta semana em Abu Dhabi, pelo Papa Francisco e pelo Grande Imã de Al Azhar, Ahmed al-Tayeb, lembrei-me da mesma afirmação que há anos ouvi ao então Bispo de Nampula e que transcrevi na abertura do livro que coordenei, "D. Manuel Vieira Pinto. Cristianismo: Política e Mística": "Porque é que Você, que é Bispo, quando vem falar comigo, nunca me fala de Deus e da religião, mas do povo, da defesa dos seus direitos e da sua dignidade?", perguntou o Presidente Samora Machel a D. Manuel Vieira Pinto. "Porque um deus que precisasse da minha defesa seria um deus que não é Deus. Deus não precisa que O defendam. O Homem sim.", respondeu D. Manuel.
Este é um princípio decisivo para quem queira estar na religião/religiões com dignidade: Deus não precisa que O defendam; as pessoas sim. Porque é isso que Deus quer, o seu único interesse são as pessoas. Já Santo Ireneu o disse: "Gloria Dei homo vivens": a glória de Deus é o homem vivo, realizado, pleno, feliz. Quantas vezes a pretensa defesa de Deus e da sua glória levou à humilhação, ao espezinhamento, à brutalidade sobre outros homens, a guerras, a terrorismos... Em nome de Deus!

2. De 3 a 5 deste mês de Fevereiro, quando se celebram os 800 anos do encontro entre Francisco de Assis e o sultão Al-Malik, o Papa Francisco, recebido com as maiores honras de Estado pelo príncipe herdeiro de Abu Dhabi, esteve nos Emiratos Árabes Unidos para uma visita que também fica para a História. Dois acontecimentos fundamentais ocuparam as 48 horas da visita: promover e fortalecer o diálogo inter-religioso, especialmente com os muçulmanos, e uma Missa para os católicos, que serão uns 900.000 no país.

sábado, 9 de fevereiro de 2019

Pedro Mexia na revista E do EXPRESSO - Crucifixos nas salas de aula



NOTA: Com a devida vénia, publico a crónica de Pedro Mexia, com a qual concordo inteiramente. Aliás, isto acontece com bastante regularidade. O assunto é pertinente, como pode ser confirmado. E a teoria da escritora italiana, com ligações ao PCI, apresentada em 1988, tem perfeito cabimento em momentos de reflexão, quando se abordam questões de símbolos nas escolas. 

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

Abuso de religiosas em congregações

Papa Francisco no avião no regresso de terras do Corão 

Quando ouvi o Papa Francisco denunciar casos de abusos de religiosas em congregações católicas, “que estão a ser punidos”, nem quis acreditar. Aquando da pedofilia, levada a cabo por padres e bispos sobre crianças indefesas, qualquer pessoa, crente ou não crente, não pode deixar de sentir repugnância por gente sem escrúpulos e sem temor de Deus. Será que tais criminosos, habituados a manejar os livros sagrados e a comungar o Corpo de Cristo, acreditam mesmo em Deus? Será que ainda possuem alguma noção do mal que fizeram, à sombra das vestes que usam e dos cargos que desempenharam? Ou serão pessoas sem alma, sem princípios, sem moral e sem noção do pecado?
Como deve estar o Papa Francisco, com casos destes para resolver? E agora, notícias que nem sequer poderia admitir, como é possível haver situações  destas sobre religiosas comprometidas com Deus e com o mundo, em ambiente de oração?

Ler aqui 

"O Ilhavense" não pode morrer

“O Ilhavense” vai encerrar portas. Li esta notícia no “Correio do Vouga” e coloquei-me no lugar do meu bom amigo José Sacramento que foi o “pai” carinhoso do jornal que retratava o dia a dia de Ílhavo e região com paixão. Chegava muito para além das terras ilhavenses, onde quer que vivessem e trabalhassem gentes destas terras banhadas pela ria e pelo oceano. 
Todos sabemos que as novas tecnologias não regulam os seus valores e interesses pelo coração, porque o que importa é dar a notícia em cima da hora, ao simples toque do telemóvel e sem mais explicações. E como ainda há quem goste de saborear a leitura folheando o periódico, que alguns ainda guardam num qualquer recanto para mais tarde recordar, apetece-me pedir aos ilhavenses que não deixem morrer quem tanto deu à terra. 
Aqui deixo um abraço solidário ao meu amigo José Sacramento, na esperança de que ainda surja alguém que salve “O Ilhavense” e a sua história da morte anunciada. 

Fernando Martins 

Georgino Rocha: Deixando tudo, seguiram Jesus

Georgino Rocha
"Por Aquele que se mostrara de modo tão assombroso, estão dispostos a deixar barcos e redes, horas felizes de convívio e pescaria, de brisa e maresia. Começam a sonhar com outros mares e a afeiçoar-se a ser pescadores de homens, como o Mestre lhes anuncia"


Jesus está na margem do lago de Tiberíades. Numerosa multidão o acompanha e aperta para ouvir os seus ensinamentos. Vinha das populações vizinhas e também da Judeia onde ele havia pregado. Move-a a novidade da mensagem e o estilo de vida de Jesus, que atraía e irradiava. Move-a o sentido de confiança crescente que se irá confirmar com o episódio da pesca abundante. Move-a a ânsia profunda de ouvir a palavra de Jesus, mesmo depois de o ver afastar-se na barca de Pedro. Lucas, o autor da narração, faz um relato simbólico, que dá rosto ao agir histórico de Jesus na sua relação com os discípulos; portanto connosco. Vamos deter-nos em alguns passos. (Lc 5, 1-11).
“Jesus viu duas barcas paradas na margem do lago”. Quer dizer o seu olhar desloca-se, deixa a multidão e procura um meio de ajuda. Precisa de outro espaço. Quer libertar-se do aperto em que se encontrava, procurar distância para se fazer ouvir, até porque as águas transmitem mais facilmente os sons e as palavras, iniciar um processo de envolvimento pessoal de Simão, Tiago e João, pescadores chegados da faina malograda.
Também, hoje, quantas barcas paradas nas margens da vida após noites de labuta intensa e sem resultado. Quantos sonhos desfeitos em corações jovens que alimentavam novas ousadias! Quantas amarras à liberdade a quem sente os impulsos do amor e deseja a verdade! São milhões os que, após um desaire, ficam nas margens da vida, sem terem quem se lembre deles e lhes dê a mão, pedindo um serviço. Ex-presos, drogados, sem tecto, indocumentados e tantos outros aí estão a dar rosto a esta tremenda realidade.

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019

Obra da Providência - Subsídios para a sua história


No próximo dia 1 de março, pelas 21 horas, no salão nobre da Junta de Freguesia da Gafanha da Nazaré, vai ser apresentado o livro “Obra da Providência — Subsídios para a sua história”, da minha autoria. Convidam-se todos os amigos desta instituição, uma das mais antigas da nossa terra, a participar neste evento.

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

A Princesa Joana nasceu neste dia

6 de fevereiro

Ícone de Santa Joana

Celebra-se hoje, 6 de fevereiro, o nascimento da Princesa Joana, que veio a ser a  padroeira da Cidade e Diocese de Aveiro. O povo canonizou-a pelas suas singulares virtudes, bem emolduradas por gestos de grande humildade. Eu sei que não faltam registos da sua vida plena em prol dos desfavorecidos, que seriam inúmeros no século XV, com a laguna aveirense, de águas estagnadas, a semear doenças por estas bandas. A Princesa não fugiu da sua "pequena Lisboa", porque era corajosa e seguidora do Senhor da vida. 
Seria interessante  continuarmos a falar da nossa Padroeira, sobretudo aos mais jovens, para que a sua memória perdure no tempo, aproveitando as datas marcantes da sua estada entre nós. É o que faço hoje.
Neste dia, socorro-me do livro "Aveiro, suas gentes, terras e costumes", que mais não é do que uma seleção de textos de D. João Evangelista de Lima Vidal, organizada pelo Padre João Gonçalves Gaspar e publicada em 1967, com edição da Junta Distrital de Aveiro. Nele, D. João Evangelista, primeiro bispo da restaurada Diocese de Aveiro,  diz assim: 

"Não há dúvida de que S. Francisco de Assis teria alma para renunciar, não apenas a um lugar de mercador ou de caixeiro na casa paterna, mas a uma realeza, a uma coroa, a um ceptro, a todas as grandezas e vaidades do mundo; objectivamente, não fez um sacrifício tão grande como Santa Joana que, por amor de Deus e para poder dizer ao mundo que não, renunciou a um trono e, em vez de ser uma rainha, foi uma serva! 
Todos os escritores de Santa Joana são unânimes em dizer que a escolha de Aveiro não teve outro propósito senão recolher-se a prófuga dos Paços Reais de Lisboa ao mosteiro mais pobre que se conhecia por esse tempo na Pátria. O seu túmulo é grandioso, é certo; mas lá dentro, daquelas cinzas humilhadas pela pobreza voluntária, pela penitência, pelos sacrifícios, sai cá para fora, através de todos aqueles mármores, de todos aqueles mosaicos, de todo aquele esplendor tumular, o grito desconcertante da alma da Santa:  Não! 
O nosso mandato no mundo é fazermo-nos semelhantes a Cristo; não a Cristo com arminhos ao ombro, não a Cristo sentado em leito das voluptuosidades  isso não é Cristo  mas a Cristo pregado na cruz. E tudo o que seja uma traição a este mandato, um esquecimento desta missão, que oiçam a voz que clamam daqui, do fundo deste sepulcro, as cinzas da Santa:  Não!" 

Fernando Martins 

Notas: 

1. A Princesa Joana, filha de D. Afonso V e de D. Isabel, nasceu a 6 de fevereiro de 1452, tendo sido batizada oito dias depois. Nessa altura, foi declarada herdeira do trono. Faleceu em Aveiro, em 12 de Maio de 1490, cerca das duas horas da madrugada, e a sua morte causou grande consternação. A notícia espalhou-se tão rapidamente, diz o Calendário Histórico de Aveiro, que, momentos depois, a igreja de Jesus estava apinhada de fiéis. 

2. Em 4 de Abril de 1693, a Princesa Joana foi beatificada e em 1711, no dia 23 de Outubro, os seus restos mortais foram transladados para o túmulo de mármores polícromos, que pode ser apreciado no Museu de Aveiro.

terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

Notas do meu diário: A lareira acesa



Nestes dias de frio, o que me salva é a fogueira que me aquece e me obriga a sair da comodidade do sofá. Quando a fogueira esmorece e corre o risco de se apagar, salto apressado para acudir à salamandra que se quer viva e desafiante. E faço isto vezes sem conta. Senta e levanta, olhos no livro e no lume, corre à garagem para carregar mais uns cavacos, abre lentamente a entrada do ar para a fogueira atiçar, volta a sentar por uns minutos... e assim vou vivendo ao sabor e às ordens do fogo. 
Neste vaivém, veio à minha memória uma estória lida um dia destes no livro de Umberto Eco, “Aos Ombros de Gigantes”, que me ocupa as horas vagas, com entradas pela noite, quando predomina o silêncio cá por casa. A estória a que me refiro, que desejo contar pela lição que oferece, é assim: 
Umberto Eco diz que comprou nos anos 70, uma casa de campo com lareira, “uma bela lareira”, tinham os seus filhos dez e 12 anos, compra essa que se traduziu numa experiência relacionada com o fogo, com a lenha que arde, com a chama, sendo para eles “um fenómeno absolutamente novo”. 
O famoso escritor, filósofo e medievalista, relata que, “quando a lareira estava acesa, eles já não procuravam o televisor. A chama era mais bela e variada do que qualquer programa, contava histórias infinitas, renovava-se a cada instante, não seguia esquemas fixos, como o programa televisivo”.
Umberto Eco tinha  razão. 

Fernando Martins

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

Almeida Garrett nasceu neste dia de 1799

Efeméride: 4 de fevereiro de 1799


João Baptista da Silva Leitão de Almeida Garrett nasceu neste dia do ano 1799. foi um escritor e dramaturgo romântico, orador, par do reino, ministro e secretário de estado honorário português. Evoco-o hoje pelos seus méritos conhecidos de todos quantos se interessam pela literatura. E do muito que escreveu, transcrevo um texto que todos os ílhavos conhecem, ou deviam conhecer. 
Aqui fica a minha homenagem.

E os ílhavos saíram vencedores...

(...)
«Ora os homens do Norte estavam disputando com os homens do Sul: a questão fora interrompida com a nossa chegada à proa do barco. Mas um dos ílhavos – bela e poética figura de homem –, voltando-se para nós, disse naquele seu tom acentuado: “Pois aqui está quem há-de decidir: vejam nos senhores. Eles, por agarrar um toiro, cuidam que são mais que ninguém, que não há quem lhes chegue. E os senhores, a serem cá de Lisboa, hão-de dizer que sim. Mas nós...”
– “Nenhum de nós é de Lisboa: só este senhor que aqui vem agora.”
Era o C. da T. que chegava.
– “Este conheço eu; este é dos nossos!” bradou um homem de forcado, assim que o viu: “Isto é um fidalgo como se quer. Nunca o vi numa ferra, isso é verdade; mas aqui de Valada a Almeirim ninguém corre mais do que ele por sol e chuva, e há-de saber o que é um boi de lei, e o que é lidar com gado.”
– “Pois oiçamos lá a questão.”
–“Não é questão”, tornou o Ílhavo: “mas, se este senhor fidalgo anda por Almeirim, para Almeirim vamos nós, que era uma charneca outro dia, e hoje é um jardim, benza-o Deus! – mas não foram os campinos que o fizeram, foi a nossa gente que o sachou e plantou, e o fez o que é, e fez terra das areias da charneca.”
– “Lá isso é verdade.”
– “Não, não é! Que está forte habilidade fazer dar trigo aqui aos nateiros do Tejo, que é como quem semeia em manteiga. É uma lavoura que a faz Deus por Sua mão, regar e adubar e tudo: e o que Deus não faz, não fazem eles, que nem sabem ter mão nesses mouchões co plantio das árvores: só lá por cima é que algumas têm metido, e é bem pouco para o rio que é, e as ricas terras que lhes levam as enchentes.”
– “Mas nós, pé no barco pé na terra, tão depressa estamos a sachar o milho na charneca, como vimos por aí abaixo com a vara no peito, e o saveiro a pegar na areia por não haver água... mas sempre labutando pela vida.”
– “A força é que se fala” tornou o campino, para estabelecer a questão em terreno que lhe convinha: “A força é que se fala: um homem do campo que se deita ali à cernelha de um toiro que uma companhia inteira de varinos lhe não pegava, com perdão dos senhores, pelo rabo!...”
E reforçou o argumento com uma gargalhada triunfante, que achou eco nos interessados circunstantes que já se tinham apinhado a ouvir os debates.
Os ílhavos ficaram um tanto abatidos; sem perderem a consciência de sua superioridade, mas acanhados pela algazarra.
Parecia a esquerda de um parlamento quando vê sumir-se, no burburinho acintoso das turbas ministeriais, as melhores frases e as mais fortes razões dos seus oradores.
Mas o orador ílhavo não era homem de se dar assim por derrotado. Olhou para os seus, como quem os consultava e animava, com um gesto expressivo, e voltando-se a nós, com a direita estendida aos seus antagonistas:
– “Então agora como é de força, quero eu saber, e estes senhores que digam, qual é que tem mais força, se é um toiro ou se é o mar.”
– “Essa agora!...”
– “Queríamos saber.”
– “É o mar.”
– “Pois nós que brigamos com o mar, oito e dez dias a fio numa tormenta, de Aveiro a Lisboa, e estes que brigam uma tarde com um toiro, qual é que tem mais força?”
Os campinos ficaram cabisbaixos; o público imparcial aplaudiu por esta vez a oposição, e o Vouga triunfou do Tejo.»

Almeida Garrett


In "Viagens na minha terra"
Nota: O fidalgo "C da T" era o Conde da Taipa

Efeméride - Início da Guerra Colonial

4 de Fevereiro de 1961


Em Angola, neste dia, em 1961, começou a guerra colonial portuguesa, ao abrigo das políticas defendidas por Salazar, que proclamavam que Portugal era um país multicultural, multirracial e multicontinental, uno e indivisível. Nas escolas, desde tenra idade, todos eram doutrinados para estes princípios, de que Portugal se estendia do Minho ao Algarve, chegando a Timor e Macau, depois de passar por Angola e Moçambique, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe, Açores e Madeira. A guerra está na memória da minha geração, pelas mortes que custou, pelos traumas que provocou, pelos mutilados que deixou. Tudo isto tende a ficar esquecido, mas tal não é fácil para os que por lá passaram e para milhares de famílias que viram partir para a luta tantos dos seus filhos. Muitos por lá ficaram.

domingo, 3 de fevereiro de 2019

DO PANAMÁ PARA PORTUGAL

Anselmo Borges
1. Nesta sua presença de 5 dias nas Jornadas Mundiais da Juventude no Panamá, o Papa Francisco também visitou um centro de detenção de jovens, que é modelar, pois, com a ajuda de assistentes sociais, psicólogos e peritos de várias especialidades, prepara os jovens para a sua integração na sociedade, sendo também obrigatória a sua participação em cursos de formação profissional e de desenvolvimento humano. Francisco animou-os: “Que ninguém vos diga nunca: ‘não vais conseguir’. Deus não vê rótulos nem condenações, vê filhos.” 
Foi ali que um jovem preso contou ao Papa a sua história: que desde pequeno sempre sentira um vazio interior, a falta de um olhar carinhoso de pai; um dia, encontrou esse olhar em Deus, mas, depois, caiu e agora encontrava-se ali cumprindo uma pena; e disse-lhe, do fundo do seu contentamento, que havia de ser um grande chefe. Francisco ouviu com atenção e carinho, como só ele sabe escutar. E o jovem comentou enternecida e admirativamente: “... Que alguém como você tenha arranjado tempo para ouvir alguém como eu, um jovem privado da liberdade!... Não sabe a liberdade que sinto neste momento!” O jesuíta Diego Fares comentou: “Talvez tenha que ser um preso para valorar quem o Papa é e o que faz.” 
 Ao longo desta sua viagem, Francisco encontrou-se com políticos, bispos, padres, religiosos e religiosas, fez discursos para as centenas de milhares de jovens, vindos de 155 países, mas encontrou tempo para escutar a história deste rapaz e assim escreveu mais um capítulo da sua encíclica, que não é de palavras, mas de gestos, encíclica que dá sentido a todas as suas encíclicas e discursos. Jesus também assim procedeu. 

sábado, 2 de fevereiro de 2019

Eduardo Lourenço: "Não sou um grande pensador, o mundo é que pensa"

"Não creio que a Bíblia naufrague, 
mesmo numa civilização tão desapiedada (...) 
como a nossa."

Eduardo Lourenço
«"Não sou um grande pensador, o mundo é que pensa e eu tento imaginar o que ele me está a dizer. O mundo já não tem aquela leitura tradicional que herdámos do século XIX, em que o livro era o começo, o princípio e o fim da nossa experiência com o mundo e com nós próprios", disse Lourenço.
"O nosso livro fundamental é a Bíblia, pelo menos até agora. Não creio que a Bíblia naufrague, mesmo numa civilização tão desapiedada, tão violenta internamente, tão pouco cheia de misericórdia como é a nossa nestes tempos que correm".»

Ler mais em  Euronotícias 

Notas do Meu Diário: Desassoreamento da Ria

Laguna em maré baixa
É público que a Ria de Aveiro está assoreada há muito. É sina sua e nossa, desde que me conheço. E o Governo, como é público, vai avançar daqui a umas semanas com trabalhos de desassoreamento. 
Nas meus escritos sobre a região lagunar, tenho por costume cantar loas à beleza da nossa terra, com a Ria a ocupar um espaço especial. A Ria de Aveiro fascina-nos. É um facto. Ainda há tempos, quando falei dos seus canais, a maioria dos quais nunca visitei com olhares críticos, alguém opinou, sublinhando que estão assoreados, sendo, por isso, impossível navegar por eles. E não duvidei. 
O desassoreamento que vai ser feito implica uma despesa enorme, da ordem dos 17,5 milhões de euros, e depois dos trabalhos executados e pagos cada um vai à sua vida. E com a Ria acontece o mesmo, como desde a sua origem, há uns mil anos. Então que fazer? A meu ver,  o desassoreamento devia ser mais frequente, com as entidades competentes a saírem dos seus gabinetes para denunciarem as zonas assoreadas e atuarem de imediato e em conformidade. É lirismo da minha parte? Talvez. 
Bom fim de semana

F. M.

Notas do Meu Diário: Em Portugal, a culpa morre solteira...




Em Portugal, a culpa morre solteira imensas vezes. Os processos de corrupção e compadrios, entre outros grandes crimes, nunca mais chegam ao fim e nem é preciso citá-los. No caso da derrocada da estrada de Borba, onde morreram pessoas, está toda a gente à espera de se saber quem foram os culpados. Será que algum dia se virá a saber quem não reparou, por obrigação, que a derrocada estava a ameaçar?
Agora vem o inquérito parlamentar descobrir que a CGD emprestou milhões sem as mínimas garantias de um dia ser reembolsada pelas empresas beneficiadas. E quem alimenta tudo isto?  Tem de ser o povo português, está claro.
Ao que chegou a nossa democracia...

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

Jesus, expulso da cidade, segue o seu caminho

Georgino Rocha
"Felizes os que são coerentes 
e fazem o que creem, 
e creem o que o Evangelho ensina"

A esplanada da sinagoga de Nazaré, após a celebração em que Jesus intervém, torna-se palco de um acontecimento notável que marca o início simbólico do caminho para Jerusalém. A seguir à homilia, a assembleia reage cheia de entusiasmo e admiração, dando testemunho “a seu favor pelas palavras cheias de graça que saíam da sua boca”. Dir-se-á que é uma reacção coerente com a novidade anunciada e compreendida, com a linguagem de Jesus, o leitor mensageiro, com as expectativas dos participantes no rito do culto semanal. Dir-se-ia que Jesus seria ovacionado no final e coroada de êxito a sua primeira vinda oficial à terra natal. Mas o ser humano é instável e a sua curiosidade insaciável. Surgem as perguntas de pesquisa sobre a identidade de Jesus. E com elas a suspeita e a disputa. Vamos acompanhar o desenrolar do episódio que o Evangelho de Lucas (Lc 4, 211-30) nos deixa como “portal” do que vem a acontecer na caminhada para Jerusalém.
“Este episódio do rechaço de Jesus em Nazaré tem um caracter simbólico: em certo sentido é uma síntese de todo o evangelho, afirma o comentador do nosso texto na Homilética, 2019/1, p. 42. E prossegue dizendo que “Jesus irá experimentando um fracasso cada vez maior (até os seus próprios amigos o abandonam e um dos mais íntimos o atraiçoa).

O entusiasmo dos nazarenos constitui o início da alegria que desabrocha em quem segue Jesus nos caminhos da missão. O número vai aumentando chegando a ser uma pequena multidão. E mostra-se em gritos e aclamações públicas, em encontros de rua e festas de família, em convites e refeições, e em tantos outros modos. Seguir Jesus dá sentido à vida, revigora energias, alimenta a esperança, desinstala, cria laços de pertença, traça novos ritmos.
Mas esta adesão inicial esgota-se rapidamente se não for alimentada e robustecida pela convicção firme, fruto da razão inteligente iluminada pela graça da fé. Como é urgente dar-lhe suporte consistente? Vem a propósito a advertência de Jesus: Casa construída sobre areia está sujeita a derrocada ao primeiro vendaval. E vem a propósito trazer à memória eventos apostólicos de grande sucesso imediato que se esgotam no momento do encerramento. A intensidade da experiência vivida dilui-se e acaba por ser apenas memória saudosa e gérmen de nostalgia frustrante. Reganhar ânimo e começar de novo exige grande confiança em Deus e paciência criativa.