domingo, 30 de agosto de 2020

ÁGUEDA - Residência antiga


Em maré de arrumações, surge este Bilhete Postal de residência antiga, que dedico aos meus  amigos que ainda tenho pelo concelho de Águeda, "a linda", como é apelidada pelos que têm bom gosto.

Para começar este domingo


 Para começar este domingo... serenamente. 

sábado, 29 de agosto de 2020

CITAÇÃO: O livro



"O livro é o pacote de prazer, beleza, emoção e aventura mais intenso, duradouro e transmissível que alguma vez se inventou."

Miguel Esteves Cardoso 
no PÚBLICO  de hoje

Postais Ilustrados (I)

Praia da Barra



Trabalho do ceramista Zé Augusto para celebrar a abertura da barra que aconteceu em 3 de abril de 1808.

CITAÇÃO: Passado, Presente e Futuro

"Se no passado se vê o futuro, e no futuro se vê o passado, segue-se que no passado e no futuro se vê o presente, porque o presente é futuro do passado, e o mesmo presente é o passado do futuro."

Pe. António Vieira

Bento XVI. Uma vida. 4

Crónica de Anselmo Borges
no Diário de Notícias




1. Uma advertência. Tinha anunciado que faria três crónicas com a síntese da biografia do Papa Bento XVI, de Peter Seewald. No entanto, tratando-se de 1150 páginas, vejo-me forçado a mais duas. 

2. Como ficou dito, Ratzinger ascendeu à Universidade de Tubinga em 1966. Os dois eminentes teólogos — ele e Hans Küng — entendiam-se bem. “No fundo, coincido com o colega Ratzinger”, diz Küng nas aulas. Do mesmo modo, Ratzinger: “Concordo com Küng.” Os dois tinham aliás um público igualmente grande: 400 ouvintes. (Aqui, uma nota interessante: na Alemanha, não se pergunta: “Que professores tiveste?”, mas: “Que professores ouviste?”). 
Mas estava em marcha a tremenda revolução dos anos 60 (lembrar 1968), em várias frentes. Foi a revolução política, social, de costumes, sexual, e que atingiu, naturalmente, a Igreja. Diria mais tarde Ratzinger: Não se imaginaria que o Concílio, “em vez do esperado salto em frente, introduziria também um processo de decadência. Os Padres conciliares queriam adaptar a fé, mas apresentando-a em toda a sua força”, porém, em vez disso, surgiu a impressão de que “a reforma significava apenas deitar fora um peso morto, facilitar de tal modo que a reforma propriamente dita não consistia numa radicalização da fé, mas numa espécie de diluição da fé.” 

RETALHOS: Agustina Bessa-Luís

 Assim começa a apresentação de  uma novela

“O mais novo de todos os meus livros é o Mundo Fechado. É limpo de intenções, como as crianças. E doce de encontros, como os que as crianças têm com uma ave que caiu do ninho. Escrevi-o em Coimbra, tinha casado há pouco e a minha filha dormia à tarde no quartinho ao lado do nosso. Era o tempo que eu tinha para escrever, e via da janela o jardim calado e deserto, como é bonito ver os jardins.”

Mundo Fechado, 1948
A edição inclui uma carta de Teixeira de Pascoaes, 
datada de 5 de Janeiro de 1950

sexta-feira, 28 de agosto de 2020

Moinho para turista ver


Na serra da Boa Viagem, Figueira da Foz, apreciei, há anos, um velho moinho, de madeira, que gira ao sabor do vento, sobre rodas, também de madeira. Não consegui saber se ainda lá está, não para cumprir a sua missão, de fabricar farinha, ao gosto do freguês, ou simplesmente para turista ver. Seja como for, apreciei o velho moinho como sinal de tempos que não voltam.

Sofrer com amor, o exemplo de Pedro

Reflexão de Georgino Rocha 
para o Domingo XXII


"A cruz da vida faz parte da nossa condição humana. Querer evitá-la a todo o custo é pretender o impossível e renunciar a ser pessoa no desabrochar das suas potencialidades. Tantas árvores ficam raquíticas porque não tiveram um vento temperado que as fustigasse para lançarem raízes profundas, engrossarem o tronco e expandirem a ramagem!" 

Pedro fica perplexo com o que ouve a Jesus. Contrastava tanto com o que havia experimentado. Realmente, era frustrante. Sentia-se desiludido, ele que tinha recebido tão rasgado elogio: Feliz és tu, filho de Jonas, por teres descoberto que eu sou o Messias; ele, o porta-voz, do grupo apostólico, que recebe a promessa de ser o alicerce da construção da Igreja e de ficar com as chaves da entrada no Reino; ele, que deixa o nome de família, e aceita ser chamado de modo novo – o da missão que lhe é confiada. Mt 16, 21-27. 
Perante o contraste, o impulso do coração leva-o a agir. Constituía para ele um verdadeiro tormento a simples hipótese do sofrimento anunciado e do enfrentamento com os chefes religiosos e políticos poder conduzir à morte de cruz. Escapa-lhe o anúncio da ressurreição; agora, também não o entenderia. Espontâneo e generoso, como era, resolve aconselhar o Mestre. Toma-o à parte e contesta-o abertamente. A sós, pensava, seria mais fácil dizer-lhe tudo o que entendia ser prudente e sensato, ele que não largava a ideia de um Messias vitorioso, libertador, capaz de desarmar todos os seus inimigos e instaurar a nova ordem anunciada. À medida que fala, dá conta que o semblante de Jesus se altera. Parece que transmite irritação profunda, fúria incontida. E de facto, a resposta ouvida é tão áspera e dura que o surpreende completamente. Fica em silêncio, sabe Deus com que amargura, a “gemer” a reprimenda e a tentar ouvir as instruções que Jesus ia dando aos discípulos. E por quanto tempo estas palavras o hão-de acompanhar: Põe-te no teu sítio, não queiras desviar-me do caminho traçado, tem em conta as coisas de Deus, não sejas ocasião de escândalo, retira-te, Satanás. 

quinta-feira, 27 de agosto de 2020

Características dos gafanhões

Rocha Madail escreveu em 1966 um artigo, baseado numa descrição dos finais do século passado (séc.XIX), o seguinte, como se pode ler em "Gafanha da Nazaré - Escola e comunidade numa sociedade em mudança", de Jorge Arroteia e outros.

“são denominados gafanhões os habitantes da Gafanha. O seu typo physionomico denuncia feição árabe. Os homens são robustos e de boas formas, e as mulheres de mediana estatura, mas cheias e vigorosas. São de carácter expansivo e índole benévola. É raridade o casamento de um gafanhão, homem ou mulher, fora da colónia, que talvez por isso conserva immutavel a sua feição primitiva.”

Nota: Com tanta mistura de gentes de tantos sítios, estou em crer que Rocha Madail, se fosse vivo, ficaria altamente espantado com os actuais gafanhões e gafanhoas.

F. M. 

Frederico de Moura

A propósito de um texto que publiquei no meu blogue sobre o gafanhão e as dunas, da autoria Frederico de Moura, recebi um comentário de Senos da Fonseca em que me corrigiu, por ter dito que o referido autor era de Vagos, quando teria nascido em Ílhavo. Confirmou, no entanto, que exerceu medicina em Vagos. 
Depois de consultar um dos seus livros, “Pulso Livre”, fiquei então a saber que Frederico de Moura nasceu em 28 de Fevereiro de 1909 na freguesia da Vera Cruz, Aveiro, onde permaneceu até aos 5 anos, altura em que a família se mudou para Ílhavo, onde passou a viver. Depois, sim, é que se fixou em Vagos como médico. 
Porém, as suas ligações a Ílhavo mantiveram-se, tendo assumido as funções de diretor do Museu Marítimo e Regional de Ílhavo. 
A propósito das relações de amizade com Miguel Torga, Senos da Fonseca sublinha que ouviu, daquele multifacetado escritor: — Este Frederico, se trabalhasse, como eu, a escrita era um escritor que eu leria diariamente. De facto, a escrita de Frederico de Moura, dura, logo a seguir afeiçoada, forte e lúcida, penetra e impressiona... » 

F. M. 

Nota: Ver comentários aqui

Gente da nossa terra: Arrais Ançã

AO QUEBRAR DA ONDA



Em homenagem ao Arrais Gabriel Ançã 

ASSIM a modos como onda que tivesse quebrado, desfazendo-se numa catedral de espuma de neve de encontro ao areal doiradinho da Costa-Nova do Prado em dia de sol de brasa, acaba de dar o último alento o peito valente do Arrais Gabriel Ançã. 
Hoje à tarde, quando o meu espírito se espreguiçava dolentemente embebido numa bruma cinzenta que cobria este céu lindo da Coimbra feiticeira, os meus olhos que se transportavam ao abandono por de cima das colunas de um diário de Lisboa, foram chamados a afixar-se sobre a notícia da morte do velho herói que a terra santinha dos Ílhavos — santinha por ser de bravos que têm um coração branquinho — viu nascer ao murmúrio do pater-noster das ondas. 
Como disse, uma bruma cinzenta cobria o céu — assim a modos como na Costa-Nova do Sonho em dia de serração, quando os telhados vermelhos da Gafanha se não enxergam da banda de lá — como se o céu tivesse posto carranca dura — luto pesado — pela morte do velhinho que foi Herói. 
E a esta hora juntinhas ao areal das praias de Portugal, as ondas verdes do mar, estão por certo a lacrimejar e a soluçar como velhinhos de olhos da cor das águas dos lagos em dia de céu azul, a morte do maior rival dos seus braços de bronze. 
O Mar fará dos seus rugidos uma outra Marcha Fúnebre de Chopin, para a sua voz cantar em apoteose ao Bravo, e o Vento há-de sibilar Odes de Silêncio, Orações de Dor por alminha do Lobo-do-Mar que a estas horas Jaz de semblante sereno debaixo da mão direita de Deus Omnipotente. 
O Arrais morreu assim como se uma onda se tivesse estilhaçado de encontro a uma penedia escarpada, como se uma estátua de bronze tivesse rolado pelo flanco de uma montanha, lascando a pedra e amolgando as feições, como um soluçar a dobre de finados — não no som enfermo de sinetazinha de aldeia em dia de Fiéis Defuntos — mas em avalanche de som no sino pesado de Catedral.

Frederico de Moura



NOTA: Quando passo pela Costa Nova, demoro sempre o meu olhar sobre a homenagem prestada ao Arrais Ançã, que a juventude de hoje e demais passantes em maré de veraneio talvez desconheçam. Terão mais em que pensar. Por isso esta referência ainda em tempo de férias. 

quarta-feira, 26 de agosto de 2020

Poema de João Mulemba para este tempo

Publicado no meu blogue
em 26 de Agosto de 2010




TEMPO

Sonhos atados nos mastaréus do tempo,
matam o tempo, do tempo-homem.
O Homem-tempo, soltando velas,
cruza o Além, no Além dos tempos.
Não há cais para o Tempo.
Não há ferros para o Homem.
O homem rasgando o tempo
Faz o Tempo. Faz o Homem.
Homem?
Tempo?
Tempo do Além?
Além do Tempo?
Homem. Só.

João Mulemba

In "Antologia de Poetas Ilhavenses", organizada por Jorge Neves

TORREIRA - Ria e juventude em 1956


 Domingo, porventura, em dia de passeio. Não seria no Verão, mas à volta disso. 

A Ria de Aveiro merece ser visitada

Moliceiro no Canal Central 

Boca da Barra

Regata de moliceiros

Murtosa - Bestida

A beleza da nossa Ria é incontestável. Quem está atento à comunicação social sabe muito bem que, por variadíssimas razões, se fala da laguna, sublinhando os seus encantos e recantos que justificam programas especiais. O blogue Tempo de Viajar não ignorou aquelas belezas e delas falou hoje na Antena 1. Consultado o referido blogue, pude confirmar quanto foi dito. Aliás, como gafanhão, sei que o entrevistado tem motivos, mais do que suficientes, para recomendar a nossa região. Podem ver  o blogue aqui. 

Nota: Fotos dos meus arquivos

AVEIRO - Passeio de Moliceiro



O Portal da Via Verde recomenda a quem viaja um passeio de moliceiro pela Ria. Eu reforço o convite. 

segunda-feira, 24 de agosto de 2020

Buba Espinho - Roubei-te um beijo


Uma canção, com regularidade, faz muito bem à alma.

ANDANÇAS - Castelo de Pombal

 
Nas minhas andanças, em Agosto de 2015, passei pelo Castelo de Pombal. Andei por lá à cata do Marquês daquelas bandas. A subida ao Castelo foi complicada para as minhas pernas, que acusaram o esforço. A dada altura, encontrámos, num recanto, um bar com este espaço para recuperar energias, com decorações a condizer e paisagem acolhedora. Nem sempre os responsáveis pelos espaços turísticos têm esta visão estratégica.

Para pensar e viver

"Trabalha como se vivesses para sempre. Ama como se fosses morrer hoje."

Séneca, Filósofo

domingo, 23 de agosto de 2020

ANDANÇAS: Fortaleza de Sagres

 Igreja de Nossa Senhora da Graça


Em data que não posso precisar, mas a Lita ficou na fotografia. Foi passagem rápida, com memórias de histórias e lendas da História de Portugal. Um notório ar de abandono ou de obras inacabadas. Haverá cá por casa mais fotos, mas ainda não as descobri.

COSTA NOVA - Motivo para amar Portugal




O blogue Delito de Opinião incluiu a nossa Costa Nova na sua rubrica 20 motivos para amar Portugal. Gostei, obviamente.

ANDANÇAS: Recordações do Gerês








Um dia destes, quando menos esperava, dei um longo e saudoso salto até ao Gerês, onde passei férias e cuidei do corpo e do espírito. Do corpo, porque as suas águas medicinais limpam o fígado de excessos, e do espírito, porque as paisagens e ambiências nos libertam do stresse dos afazeres quotidianos e das preocupações profissionais e outras. Tenho a bailar na minha memória, a toma da água por conta peso e medida, as refeições controladas (vitela ao meio-dia e pescada de Vigo à noite) e sem bebidas alcoólicas, apenas água cristalina. Mas também ainda vejo aquistas com rostos pálidos a indiciarem doenças hepáticas e outras que ali estagiaram para refazer energias para a vida dura dos seus quotidianos.
Fui levado pela amizade de um amigo que por lá andou estas férias para descansar, dando-me conta de encontros que despertaram evocações de amizades que há décadas cultivámos, eu e a Lita. “Indicar a cidade das minhas origens — diz o meu amigo — bastou para que a D. Perpétua lembrasse relações para consigo e restante família”. Como o mundo é pequeno e como as sadias amizades perduram no tempo, alimentando marcas indeléveis na alma das pessoas... 
Realmente, seguindo os passos e hábitos da tia Lurdes, uma das “mães” da Lita, que recorria às águas do Gerês para escapar às cólicas hepáticas, de que padecia, também quisemos experimentar o milagre das águas medicinais, apoiadas devidamente por dietas adequadas servidas nos hotéis, pensões e casas particulares de Terras do Bouro. Alimentação cuidada, descanso tranquilizador, ares puros, paisagens deslumbrantes, regatos cantantes e purificadores marcaram-nos profundamente. 

sábado, 22 de agosto de 2020

BENTO XVI. UMA VIDA. 3

Crónica de Anselmo Borges
no Diário de Notícias


Ratzinger no Vat. II

No dia 11 de Outubro de 1962, foi a inauguração solene do Concílio Vaticano II, o maior acontecimento em número de participantes na História da Igreja e de consequências mais significativas também — o general De Gaulle considerou-o o maior acontecimento do século XX. De 133 países seguiram para Roma 2540 Padres conciliares; o seu número ascendia a 2908, mas muitos não puderam comparecer. Pela primeira vez, houve mulheres convidadas e também observadores protestantes e ortodoxos.
Nos Concílios anteriores, a finalidade era um tema concreto e para condenar heresias. Neste, tratava-se do aggiornamento (actualização e abertura) da Igreja, não para condenar, mas para ir ao encontro do mundo moderno, estabelecendo pontes. Como disse João XXIII, para quem o Concílio devia ser um “novo Pentecostes”, a Igreja “julga satisfazer melhor as necessidades de hoje mostrando a validade da sua doutrina do que renovando condenações”. Nos documentos conciliares, afirma-se que a Igreja é Povo de Deus, a hierarquia vem depois; afirma-se a colegialidade episcopal, promove-se o apostolado dos leigos; a revelação não é uma herança enregelada, mas viva e dinâmica; reformou-se a liturgia e introduziu-se o vernáculo; renovou-se a formação do clero; afirmou-se a liberdade religiosa; aprofundou-se o ecumenismo e o diálogo inter-religioso; a Igreja é um serviço a toda a Humanidade... Pergunto a mim mesmo muitas vezes o que seria hoje a Igreja sem o Concílio.

O gafanhão humanizou a duna




Frederico de Moura 
"Quem surriba chão de areia não encontra onde enterrar raízes de esperança e quem irriga duna virgem sabe que mija numa peneira! Quem lança a semente em ventre que é maninho não pode ter esperanças de fecundação. E, por isso, o Gafanhão, antes de cultivar a lomba, teve de corrigir-lhe a esterilidade servindo-se da Ria que lhe passa à ilharga, procurando nela a nata que amamentou a semente que deixou cair, amorosamente, naquele chão danado. E humanizou a duna.”

Frederico de Moura


Citado em “Gafanha da Nazaré – Escola e comunidade em mudança”


RETALHOS - Eça de Queirós


Assim começa um romance

O Ramalhete


Eça de Queirós
A casa que os Maias vieram habitar em Lisboa, no Outono de 1875, era conhecida na vizinhança da Rua de S. Francisco de Paula, e em todo o bairro das Janelas Verdes, pela Casa do Ramalhete, ou simplesmente o Ramalhete. Apesar deste fresco nome de vivenda campestre, o Ramalhete, sombrio casarão de paredes severas, com um renque de estreitas varandas de ferro no primeiro andar, e por cima uma tímida fila de janelinhas abrigadas à beira do telhado, tinha o aspecto tristonho de residência eclesiástica que competia a uma edificação do reinado da senhora D. Maria I: com uma sineta e com uma cruz no topo, assemelhar-se-ia a um colégio de Jesuítas. 

Assim inicia Eça de Queirós o seu famoso romance “Os Maias”, onde apresenta, nem sei a que propósito, uma tal viscondessa da Gafanha, mulher de má fama...

Nota: Foto de O Ramalhete publicada em "Imagens do Portugal Queirosiano" de Campos Matos, 1976

sexta-feira, 21 de agosto de 2020

GDG - Equipa sénior de futebol



Equipa sénior de futebol do Grupo Desportivo da Gafanha, época 91/92. Foto registada no campo de saibro. Dirigentes e jogadores. Os nomes podem ser recordados  pelos leitores, para ficarem como registo histórico. 

Foto publicada na revista comemorativa do 35.º aniversário do GDG.

PERGUNTA CRUCIAL, RESPOSTA SUBLIME

Reflexão de Georgino Rocha 
para o Domingo XXI do Tempo Comum

Santuário de Santo António do Valongo
Santuário de  Santo António do Valongo 


O ser humano tende a fazer perguntas que saciem a sua curiosidade e fome de saber. É sinal dos limites da natureza finita e da aspiração infinita do seu espírito. Faz perguntas desde a mais tenra idade e sobre os mais diversos assuntos, chegando normalmente a interrogar-se sobre o sentido da vida, a identidade pessoal, a convivência em sociedade, o futuro após a morte, Deus, Jesus Cristo, Igreja, família. 
Tem tendência a interrogar Deus, a pedir-lhe explicações dos seus actos, a julgá-lo no “tribunal da razão” pelas suas ausências e cumplicidades. 
A pergunta do ser humano é um eco das perguntas que Deus lhe faz ao longo da história: Adão, onde estás? Caim, que fizeste do teu irmão? Povo meu, que te fiz eu? Responde-me – suplica por meio do profeta. E vós, quem dizeis que eu sou? – indaga Jesus aos seus discípulos. Mt 16, 13-20. 
Este modo de ser manifesta a relação mais profunda e o diálogo mais salutar que, naturalmente, se estabelece entre ambos: criatura e criador, ser carenciado e salvador, ser peregrino na história e senhor do tempo e da eternidade. 
Deus dá sempre resposta à interrogação do ser humano, embora possa ser a que não espera. Importa estar atento. O ser humano nem sempre responde às perguntas feitas por Deus à consciência pessoal e social. Daí, a necessidade de reconsiderar e de reorientar a atitude assumida, desfazendo o desvio e procurando a sintonia. 

quinta-feira, 20 de agosto de 2020

Grupo Desportivo da Gafanha - O autocarro

 

A história de uma instituição faz-se de pequenas e grandes informações. As grandes andam sempre na boca das pessoas; as pequenas caem imensas vezes na penumbra do esquecimento. O GDG, o mais eclético clube do concelho de Ílhavo, com centenas de atletas, recebeu, há anos, como prenda, um autocarro. A oferta veio do sócio-gerente da então Auto Viação Aveirense, Gilberto da Fonseca Nunes, homem bom e generoso, que bem conheci.

Da revista comemorativa do 35.º aniversário do GDG

Abel Resende - Fotógrafo

Abel da Silva Resende, fotógrafo, nasceu em Lisboa, neste dia, 20 de Agosto do ano 1901, com ascendentes próximos em Eixo. Radicou-se em Aveiro em 1949 e foi pioneiro em fixar na imagem os acontecimentos públicos mais salientes na vida citadina, como repórter fotográfico. Isto mesmo se lê no Calendário Histórico de Aveiro, da responsabilidade de António Christo e João Gonçalves Gaspar. 
Evoco-o porque o conheci nas minhas atividades jornalísticas e mesmo antes, ou não tivesse ele o seu estabelecimento na Av. Lourenço Peixinho, mesmo ao lado de familiar da minha Lita. Aliás, foi ele quem fotografou a nossa cerimónia de casamento, em 1965.  
De poucas falas, durante os acontecimentos ou atos públicos, procurava sempre o melhor ângulo para os seus registos fotográficos, que depois vendia aos jornais e a quem os desejasse. 
Mesmo sem foto, que não encontrei nos meus arquivos, aqui o evoco em jeito de homenagem. Se alguém possuir fotografia, agradeço cedência para este apontamento.

O que fazemos pela próxima geração?

Mensagem publicada há 11 anos 



Recebi, há momentos, um e-mail interessante, que aqui partilho, pela sua oportunidade e graça. Se calhar, o ancião até terá alguma razão, embora saibamos que há muitos jovens que, pela sua formação, capacidade criativa, envolvimento social, cultural, espiritual, político, artístico e científico, são bastante dignos das gerações passadas e futuras.

F. M.

Um arrogante estudante universitário, a passear junto à praia, resolveu explicar a um cidadão sénior, que estava calmamente sentado nos degraus que levavam à praia, porque é que era impossível a geração mais velha compreender a sua geração.

- Você cresceu num mundo diferente, realmente quase primitivo", disse o estudante suficientemente alto para todos ouvirem.
- Os jovens de hoje cresceram com televisão, aviões a jacto, viagens espaciais, o homem a andar sobre a lua. Nós temos a energia nuclear, naves espaciais, telemóveis, computadores extremamente rápidos... e muito mais.

Após um breve silêncio, o cidadão sénior respondeu:
- Tem razão, jovem. Nós não tínhamos essas coisas quando éramos novos... por isso inventámo-las! E já agora, diga-me, seu arrogante, o que é que está você a fazer pela próxima geração?


NOTA: Publiquei esta mensagem há 11 anos, no dia 20 de Agosto.

quarta-feira, 19 de agosto de 2020

Por terras de Miguel Torga






(Ler o poema a seguir)

A UM NEGRILHO

Na terra onde nasci há um só poeta
Os meus versos são folhas dos seus ramos.
Quando chego de longe e conversamos,
É ele que me revela o mundo visitado.
Desce a noite do céu, ergue-se a madrugada,
E a luz do sol aceso ou apagado
É nos seus olhos que se vê pousada.

Esse poeta és tu, mestre da inquietação
Serena!
Tu, imortal avena
Que harmonizas o vento e adormeces o imenso
Redil de estrelas ao luar maninho.
Tu, gigante a sonhar, bosque suspenso
Onde os pássaros e o tempo fazem ninho!

Miguel Torga

Andei hoje por terras de Miguel Torga, o poeta, diarista, contista, novelista e romancista que ocupa lugar de destaque na minha biblioteca. Fui com familiares que me levaram nas asas do sonho a calcorrear montes agrestes de São Martinho de Anta, nas terras transmontanas, em busca de marcas que o escritor nos legou. Com ele nos cruzámos e aqui partilho o que revivi em pensamento.

O Pe. José Manuel já partiu para o Pai

Faleceu ontem,  18 de agosto, na Unidade de Cuidados Paliativos de Salreu, o Pe. José Manuel. Tinha 74 anos. Nascido em Beduído, Estarreja, a 30 de junho de 1946, entrou para o Seminário de Santa Joana em 1957 onde se manteve até 1967. 
De 1967 a 1968 frequentou o Seminário dos Olivais em Lisboa; de 1968 a 1969, o Instituto Superior de Estudos Eclesiásticos e, entre os anos 1975 e 1981, o Instituto de Ciências Humanas e Teológicas, no Porto. 
O Pe. José Manuel foi ordenado presbítero por D. Manuel de Almeida Trindade a 18 de julho de 1982, na igreja paroquial de Beduído – Estarreja. 
O Pe. José Manuel desempenhou ao longo da sua vida diversas tarefas eclesiais com dedicação e sentido pastoral, seguindo uma postura serena e responsável. Cultivava um estilo próprio que o levava a preparar-se, cuidadosamente, para intervir no âmbito da sua missão, enquanto sacerdote e cidadão. 
Amanhã, quinta-feira,  D. António Moiteiro celebra missa de corpo presente pelas 14h30 em Fermentelos. Pelas 17h00 terá lugar missa em Beduído, terra natal do Pe. José Manuel, onde irá depois a sepultar. 
Que Deus o acolha no seu regaço maternal.

FÉRIAS: Ver o mar sempre a mudar



"As férias são um tempo propício para exercitar o olhar: sobre uma praia ter os olhos abertos para o céu; deter-se a ver o mar que está sempre a mudar de cor e de forma; ver como uma formiga transporta uma migalha de pão; observar como é feita uma flor…"

Enzo Bianchi

Ler mais aqui 

terça-feira, 18 de agosto de 2020

RETALHOS: O pobre e o rico

"O que distingue um pobre de um rico não é a quantidade de horas que trabalha: é ter de trabalhar para viver. O rico só trabalha porque quer. Está a fazer uma vontade a si próprio — foi para ali que lhe deu."

Miguel Esteves Cardoso, 

Mulheres da ria



Fonte: Livro "AVEIRO - Imagens de um século", do espólio de coisas de Aveiro deixado por João Sarabando.  Edição de Campo de Letras, Junho de 1997.

MULHERES DA RIA: Os da beira-ria sabem, como eu sei, que as mulheres da região trabalhavam na agricultura e noutras tarefas domésticas, mas ainda na ria, quer na apanha do moliço, arrolado e no sal. Ao lado dos homens e sós. Raul Brandão, que andou por aqui, fala disso e da capacidade que elas tinham para governar a casa. Contudo, não se tem falado muito dessa realidade. Eram corajosas, determinadas e responsáveis. Pessoalmente, conheci muitas com aquelas capacidades. Quando os maridos emigravam ou se tornavam marítimos, as mulheres da região assumiam todas as funções de governo e dos trabalhos da casa.

É o tempo que temos

Praia do Farol (foto do meu arquivo)

Acordei hoje com o tempo chuvoso e algum frio a compor o ramalhete de um Agosto nada gostoso. É o tempo que temos neste Verão de confinamentos e ameaças à nossa ânsia de viver. Um amigo disse-me há dias, quando saudei, ao que julgo, as férias a que tínhamos direito na época estival, que, quanto a estações do ano, por cá, apenas temos duas: O Inverno e a da CP, em Aveiro. Realmente, é o que estamos a sentir. É claro que nós ainda temos capacidades para aproveitar uns dias de sol, de vez em quando, levando os outros dias a pensar na forma de lhes dar a volta. Cá por mim, refugiado nos meus cantos e recantos, fico na expetativa de ver o sol a brilhar, aproveitando-o ao máximo para retemperar o ânimo. Venha ele que eu cá estarei para o saudar, se Deus quiser.

AVEIRO: Rotunda do Marnoto

 

Quem sai da Gafanha da Nazaré, tendo por destino a cidade de Aveiro, não pode deixar de contemplar a rotunda dedicada ao Marnoto, figura ímpar da paisagem lagunar. Era ele quem superintendia no amanho da salina ou marinha de sal, contratando, para isso, os moços, na abertura da Feira de Março. O marnoto chegava, olhava quem andava por ali à espera de ser contratado para a safra, apreciava a eventual capacidade física dos candidatos e com um aperto de mão selavam o acordo. Outros tempos. 

segunda-feira, 17 de agosto de 2020

São Salvador: 110 anos de actuação


«Junta de Freguesia de São Salvador, em Ílhavo, lançou-se, no ano passado, num projecto de recuperação, conservação e organização do seu arquivo e de outra documentação que se encontra na sua posse, dos finais do século XIX até à actualidade. O projecto, que teve o seu início em Maio de 2019 e foi recentemente apresentado, tem como objectivo colocar ao serviço da comunidade um conjunto de fontes históricas que “de outro modo permaneciam desconhecidas ou perdidas definitivamente”. O Diário de Aveiro falou com Hugo Calão, que está à frente do projecto, e que deu conta de que há muito trabalho por fazer nesta área no distrito.

Diário de Aveiro: Como surgiu a ideia de recuperação, conservação e organização do arquivo e outra documentação da Junta de Freguesia?

Hugo Calão: A ideia surgiu da preocupação da Junta de Freguesia de Ílhavo, e do seu presidente, João Campolargo, em estabelecer um projecto de organização arquivística com o propósito de conhecer e salvaguardar o espólio documental, uma preocupação de longa data. O seu principal objectivo seria colocar ao serviço da comunidade, científica e cultural, actual e vindoura, as fontes históricas da sua actuação na freguesia que, de outro modo, ficariam desconhecidas ou possivelmente perdidas definitivamente.»

Nota: Texto e foto do Diário de Aveiro online. 

Ler  no Diário de Aveiro em papel 

Um profeta do contágio - David Quammen

Carlos Fiolhais recomenda


«Como é que Quammen previu, no seu livro de há oito anos, a actual pandemia? No seu website diz com alguma modéstia que não foi ele, mas sim os especialistas com quem falou. Tem razão. Mas o seu mérito foi ter estado com as pessoas certas nos lugares certos. Sim, a probabilidade era grande de haver uma nova pandemia causada por um vírus passado de animais para humanos, uma mensagem, bem clara no livro, que o autor resume no seu site do seguinte modo: “Sim, haverá uma Próxima Grande Pandemia. Será causada por um vírus. Esse vírus será novo para os seres humanos, saindo de um animal selvagem. Que tipo de animal? Muito possivelmente um morcego. Que tipo de vírus? Muito possivelmente, um vírus influenza ou um coronavírus. Sob que circunstâncias o vírus entraria nos seres humanos? Alguma situação de contacto próximo e desastroso entre humanos e animais selvagens - como no interior ou perto de um mercado de animais vivos na China, por exemplo.”»

Ler o texto de Carlos Fiolhais (Físico) aqui  ou aqui 

Morreu o nosso “Mascarilha”



Talvez por distração, um dos nossos gatos, o “Mascarilha”, morreu atropelado numa das ruas da Gafanha da Nazaré. Talvez por distração, porque era um gato vadio, daqueles que dificilmente dão a mão porque preferem andar de um lado para o outro, sem lei nem roque. Mas o “Mascarilha”, assim batizado pela nossa filha Aidinha, por ter os olhos rodeados de sombras, tipo máscara, talvez próprio da raça, já estava um pouco familiarizado com a Lita, que diariamente lhe dava comida sadia e água límpida. Gostava de dormir a sua soneca num recanto qualquer, dentro de casa ou arredores, brincava que se fartava e trepava as árvores com uma velocidade estonteante. Mas era um animal muito sensível, pois vomitava quando comia o que não devia. 
No fundo, apesar de vadio, o “Mascarilha” criou raízes por aqui e todos gostávamos de o ver, de lhe dirigir piadas, de o estimular a viver em sociedade, convivendo com os demais. Porém, às vezes irritava-se com algum gato de quem não simpatizava. Depois de andar por aí, regressava ao seu poiso habitual. Mas há dias não veio e a Lita bem o procurou e chamou, correu arredores e buscou em zonas menos acessíveis... e nada. E garantiu com o dom de quem conhece hábitos e manias dos gatos que acolhe:
— O “Mascarilha” desapareceu... se calhar morreu ou roubaram-no, por ser bonito e ter bom porte. 
Não acreditámos e até dissemos que o gato devia aparecer mais dia menos dia. Mas nada. 
Vai daí, a Lita foi à cata dele pela vizinhança e acabou por ficar a saber que um gatinho tinha sido atropelado não muito longe da nossa residência. 
— Seria ele?...
A vizinha já o tinha enterrado no seu quintal, convencida como estava de que era um puro vadio. 
A Lita quis identificar o gato enterrado  com os seus próprios olhos. Os vizinhos e amigos, percebendo o seu desgosto, resolveram desenterrar o gato. Era, realmente, o “Mascarilha”. Entregaram-lhe o seu cadáver para ser sepultado no “cemitério” de animais que temos no nosso quintal. A Lita ficou mais tranquila, mas muito dorida. E  já se virou para os demais gatos que vivem por aqui. Mas o “Mascarilha” não sairá da sua e nossa memória tão cedo. 

Fernando Martins