sábado, 8 de agosto de 2020

Artes no Canal – Mercado de Fusão



A iniciativa “Artes no Canal – Mercado de Fusão” regressa este mês de agosto com três edições agendadas para os dias 8, 15 e 29 assumindo-se estas duas últimas datas como “edições especiais” de verão.
A área de implantação do “Artes no Canal” foi aumentada, em formato de linha localizada ao longo do Canal Central da Ria de Aveiro, a partir do Canal do Côjo, junto ao Fórum Aveiro, passando pelo Largo do Mercado Manuel Firmino e prosseguindo até ao Cais da Fonte Nova. Comerciantes e visitantes poderão, deste modo, interagir de forma segura, entre as 09h30 e as 19h00. Haverá animação que acontecerá em Barco Moliceiro que percorrerá toda a extensão do Artes no Canal (Canal Central, Canal do Côjo e Canal Fonte Nova) entre as 10h30 e as 12h00 e das 15h00 às 16h30 com um septeto de sopro e percussão.
O “Artes no Canal – Mercado de Fusão” consiste num encontro entre feira urbana e cultura, que acontece no segundo sábado de cada mês e que anima o Centro da cidade.

FONTE: CMA

BENTO XVI. UMA VIDA. 1

Crónica de Anselmo Borges 




Encontrei uma vez em Roma Bento XVI, ainda não era Papa. A impressão com que fiquei: um homem afável e tímido. No encontro rápido, falou-me da importância decisiva da pastoral da inteligência. 
Nos últimos dois meses, foi para mim um prazer intelectual imenso poder ler a sua biografia — são 1150 páginas —, escrita por Peter Seewald: Benedikt XVI. Ein Leben (Bento XVI. Uma vida). Pude acompanhar 90 anos de história, a brutalidade esmagadora da Segunda Guerra Mundial, os filósofos e teólogos que também estudei, a reconstrução da Alemanha e da Europa, os debates teológicos que levaram ao Concílio Vaticano II, a primavera do Concílio e o inverno que se seguiu, Maio de 68, o cardeal Ratzinger como Prefeito da Congregação da Doutrina da Fé, Bento XVI como Papa e a sua renúncia, o Papa Francisco... Em três crónicas simples — previno que a obra não é fácil —, tentarei apresentar rapidamente alguns flashes desta biografia. 
Uma família modesta: o pai era polícia e a mãe cozinheira. Três filhos: Maria, nascida em 1921, Georg, em 1924, Joseph em 1927, às 4.15 de Sábado Santo. No mesmo dia, às 8.30 já estava na igreja para ser baptizado com a nova água pascal, acabada de benzer, e ao som do canto do Glória: “Cristo ressuscitou”.

sexta-feira, 7 de agosto de 2020

Hoje recordámos o passado a pensar no futuro



Hoje foi  dia de recordar  o passado a pensar no futuro, com os pés bem assentes no chão que habitamos. O passado foi e continua a ser a mola-real da caminhada a prosseguir até se atingir a meta que nunca saberemos onde está. Caminhada que começou no dia 7 de Agosto de 1965, na igreja do Bunheiro. Dia cheio de projetos, sonhos e alegrias, nunca de medos ou dúvidas. Eu e a Lita demo-nos com amor para ambos nos projetarmos no futuro através dos filhos. No ano seguinte veio o primeiro e depois mais três. A seguir, mais tarde, três netos. Todos garantem a nossa eternidade no mundo. 
Hoje, portanto, completámos 55 anos de casados com as bênçãos de Deus, que pedimos e aceitámos como crentes que somos. E durante este tempo, com imensas alegrias, paixões, trabalhos e canseiras, as nossas vidas foram pautadas pelo seguimento do bom senso e bom gosto, procurando lutar em união para vencer dificuldades, incompreensões e tristezas que só o amor venceu, enchendo a nossa existência de felicidade partilhada com os que nos cercam. 
Pelo caminho, muitos dos que amámos e nos amaram partiram para o Senhor do universo, não sem antes nos legarem valores que enformaram as nossas maneiras de ser e de estar na vida. Valores marcados pela procura da paz, da verdade, da ternura, da partilha, da justiça,  da fraternidade, da solidariedade e do amor. 
Vivemos este dia na esperança de que ainda haverá muito por fazer, se Deus quiser. Foi um dia para nós com o pensamento nos que amamos, dando-nos um ao outro, e ambos aos outros, sem limites e com otimismo. Cada um com o seu estilo e com a sua sensibilidade. O pessimismo não pode ter lugar nos nossos corações. A vida tem de prosseguir. Continuaremos a sonhar e a acreditar no futuro. Lá no fim, estará Deus de braços abertos para nos acolher no seu regaço maternal. Assim desejamos. 

Lita e Fernando

O SAL DA LÍNGUA

 Um poema de Eugénio de Andrade


O SAL DA LÍNGUA

Escuta, escuta: tenho ainda
uma coisa a dizer.
Não é importante, eu sei, não vai
salvar o mundo, não mudará
a vida de ninguém - mas quem
é hoje capaz de salvar o mundo
ou apenas mudar o sentido
da vida de alguém?
Escuta-me, não te demoro.
É coisa pouca, como a chuvinha
que vem vindo devagar.
São três, quatro palavras, pouco
mais. Palavras que te quero confiar,
para que não se extinga o seu lume,
o seu lume breve.
Palavras que muito amei,
que talvez ame ainda.
Elas são a casa, o sal da língua.

In "O Sal da Língua"

NÃO TEMAIS. SOU EU. TENDE CONFIANÇA

Reflexão de Georgino Rocha 
para o Domingo XIX do Tempo Comum 



Exortação revigorante dirigida a pessoas amedrontadas. Exortação firme e determinada, num contexto de perigo iminente. Exortação clarificadora de fantasmas possíveis e identificadora de rostos perdidos na noite. 
A cena ocorre no mar de Tiberíades. Os intervenientes principais são Jesus de Nazaré e os discípulos que se deslocam numa barca e já estão longe da terra. A ocasião surge no percurso da travessia. A circunstância é a da tempestade ameaçadora. E os gestos e as palavras que se percebem são de gritaria e de pânico. E não era para menos! Mt 14, 22-33. 
“Esta narração do Evangelho, adianta o Papa Francisco, contém um simbolismo rico e faz-nos reflectir sobre a nossa fé… A invocação de Pedro, «Senhor manda-me ir ter contigo!», e o seu grito, «salva-me, Senhor» assemelham-se ao nosso desejo de sentir a proximidade do Senhor, mas também o medo e a angústia que acompanham os momentos difíceis da nossa vida e das nossas comunidades, marcadas por fragilidades internas e dificuldades externas”. 
Ter medo é humano. Demonstra-o a reacção dos discípulos que fica como metáfora plástica de tantas outras situações em que a vida ou algum bem apreciável está em perigo. Sirva de ilustração a precariedade laboral e o risco de desemprego, a incerteza face ao futuro, as catástrofes naturais, a doença prolongada e a aproximação da morte, o abandono e a solidão, a perda de sentido para a vida, o silêncio aparente de Deus, o fracasso final da existência. Há razões sérias para fazer experiências de medo. Importa assumir o facto e saber tirar os possíveis ensinamentos. 

quinta-feira, 6 de agosto de 2020

Assim vai o mundo do futebol

Tenho de confessar que há muito resolvi pôr de lado as questões futebolísticas que geram paixões incontroladas e movimentam escandalosas fortunas. Os clubes, pelas mãos e carteiras dos seus dirigentes, passam a vida a anunciar dificuldades, mas de repente o dinheiro surge sempre misteriosamente, com bancos a suportar tudo e a perdoar, segundo se diz, sem grandes explicações. 
Vejam só quanto vem ganhar um conhecido treinador e quanto vai o clube que o contratou pôr à sua disposição para negociar jogadores que garantam o sucesso. Se duvidam deste meu desabafo, leiam aqui.

SABER APRENDER – A estar de férias

Reflexão de Miguel Oliveira Panão


Há quem vá de férias para descansar de um período de trabalho, mas já me partilharam que foram trabalhar para descansar das férias. Onde está o equilíbrio? 

O equilíbrio talvez esteja no modo de viver os períodos de férias. Quantos não começam a pintar, sem serem pintores; escrever, sem serem escritores; cozinhar, sem serem chefs; a fazer desporto, sem serem desportistas; e tudo dá trabalho, mas não cansa. 
O lazer que dá trabalho possui elementos de frescura, novidade, estranheza, na linha de um conjunto de actividades criativas e acessíveis a todas as pessoas. E a experiência pode ensinar-nos muito a não marcar tanto a linha que divide o lazer do trabalho, de tal modo que os processos de aprendizagem em âmbito de lazer possam servir para encarar o próximo período de trabalho após as férias com um novo olhar.

Ler mais 


Foto da Ecclesia 

quarta-feira, 5 de agosto de 2020

GAFANHA: região rica?

Da torre da igreja matriz da Gafanha da Nazaré  para norte

Em 1934, Rocha Madail afirma:

Ainda que muitas pessoas se contam neste distrito que viram a Gafanha árida e despida de vegetação, como a maior parte dos areais do litoral, este trabalho foi tão proveitoso que é a Gafanha talvez um dos lugares deste distrito em que haja mais ouro amoedado, sem contar que liberalmente fornece sustentação e trabalho a mais de oito mil pessoas sendo, por assim dizer, o celeiro e a horta dos concelhos de Aveiro, Ílhavo, e ainda da maior parte de Vagos.

In "Gafanha da Nazaré – Escola e comunidade numa sociedade em mudança" 

Ler um livro


Ler um livro de pensamento exigente
com um forte desejo da verdade
sem avidez em saber
sem pretensão de disputar
mas por gosto, por amor da verdade
Abrir a porta profunda
a todo o pensamento que emerge
e deixá-lo permanecer em paz
de modo que ele venha a dar o seu fruto.

terça-feira, 4 de agosto de 2020

Reservas do Museu de Ílhavo


«Tal como o fundo do mar, rico em tesouros, é nas Reservas do Museu Marítimo de Ílhavo que se guardam as peças das coleções que o constituem e que refletem a sua relação com a comunidade. O MMI destaca e exibe a sua coleção das miniaturas de embarcações num pequeno segmento de coleção visitável. Evidenciam-se os melhores modelos de barcos e navios, quer pela sua antiguidade, quer pela época ou arte de pesca que representam.
Visitar as reservas do MMI e ver estas velhas novidades é um privilégio a não perder.»

Reservas obrigatórias e prévias:
+351 234 329 990

Ler mais aqui 

Algarve - Há 10 anos




Se não posso dar um saltinho até ao Algarve, que para muitos é já ali, contento-me com apreciar registos fotográficos que conservo nos meus arquivos. Há 10 anos andei por lá e gostei particularmente de Albufeira e de praias e outras povoações vizinhas. 
Por vezes, imagino-me nas suas ruas e no museu, nunca faltando paisagens como esta. E já me dou por muito feliz. 
Boas férias para todos.

A queda do rei emérito Juan Carlos

Juan Carlos
«O rei emérito de Espanha, Juan Carlos, vai abandonar o seu país, face à “repercussão pública” causada pelas revelações mais recentes sobre negócios no estrangeiro que vieram aprofundar a crise vivida pela Casa Real. A saída do país do monarca que chefiou a transição para a democracia espanhola marca o fim de uma era.» Esta notícia, que li no PÚBLICO,  já era esperada, face às denúncias de indignidades praticadas pelo rei que havia contribuído para a instauração da democracia no país vizinho, mas o que me chocou mais foi a insensatez de um homem que não soube estar à altura da missão de mais alto magistrado da Espanha. 
Humilhado, saiu de cena, esperando-o um fim de vida sem honra nem glória. Isto acontece a todos os que se julgam acima das leis dos seus países, julgando-se autores do crime perfeito, que realmente não existe. Mais tarde ou mais cedo tudo se descobre. Foi o caso. O crime nunca compensa. 

segunda-feira, 3 de agosto de 2020

Um poema de Miguel Torga


UM POEMA

Um poema, poeta!
É o que a vida te pede.
A fome diligente
Colhe
E recolhe
Os frutos e a semente
Doutros frutos.
Junta à fecundidade
Da natureza
Os frutos da beleza...
Versos grados e doces
Na festa do pomar!
Versos, como se fosses
Mais um ramo, a vergar.

Se esta rua fosse minha: José Rito

José Rito
Informação Histórica do Topónimo
pelo Centro de Documentação de Ílhavo 
Câmara Municipal de Ílhavo 



O Dr. José Rito encontra-se representado na toponímia ilhavense, na Gafanha da Encarnação e na Gafanha da Nazaré. Na primeira, o topónimo foi criado em a 03/04/1996 (ata da CMI n.° 11/1996), após proposta da Junta e Assembleia de Freguesia da Gafanha da Encarnação e do Vereador João José Resende Bio. Na segunda, a primeira referência ao topónimo é de 1984 no Plano Geral de Urbanização das Gafanhas.
José Rito nasceu a 19 de março 1894, na Gafanha da Nazaré, filho de José Francisco Novo e Custódia de Jesus.
Licenciou-se em Medicina e especializou-se em Cirurgia na Universidade de Coimbra, a 30 de outubro de 1918, sendo o primeiro habitante da Gafanha a possuir este tipo de formação.
Casou com D. Esperança Maria de Azevedo. Deste enlace nasceram dois filhos: Maria Henriqueta (20 janeiro 1932) e Frederico Elísio (13 de maio de 19325).
Foi Delegado de Saúde de Ílhavo, tendo estabelecido o seu primeiro consultório, alugado, na Rua Arcebispo Pereira Bilhano. Em outubro de 1924, terminou a construção da sua casa na Rua José Estevão (hoje pertença do C.A.S.C.I.), tendo mudado o seu consultório para esta morada.
Mais tarde, a família mudou-se para o Solar dos Maias, na Rua de Alqueidão, propriedade que ainda hoje se mantém na família.

sábado, 1 de agosto de 2020

Costa Nova - Reflexo




Costa Nova - Reflexo - Pelouro do Turismo da C. M. de Ílhavo/Foto de João Menício

NÓS E OS OUTROS

Crónica de Anselmo Borges 


                       


Aí está um tema e um problema sempre presentes, pois o que há é sempre nós e os outros, vivendo e convivendo, enriquecendo-nos mutuamente ou destruindo-nos uns aos outros. A pergunta essencial é então: porque é que se passa tão fácil e rapidamente do encontro mutuamente constituinte e enriquecedor à suspeita, à luta e ataque destruidores?
Na relação sadia com o outro/outros, há dois pressupostos essenciais. Um diz a dignidade inviolável de toda a pessoa humana, independentemente do sexo, da cor, da etnia, da religião... Outro pressuposto é a tomada de consciência de que o outro é sempre outro, igual e diferente. O outro, sempre cultural, pois o ser humano é resultado de uma herança genética e de uma cultura em história, porque é, simultaneamente, tanto do ponto de vista pessoal como grupal e societal, um outro eu e um eu outro — outros como nós e outros que não nós —, é sentido constantemente como fascínio e ameaça.
Há uma visão dupla do outro, que tanto pode ser idealizado como diabolizado, mitificado positivamente ou negativamente. Atente-se na ligação entre hóspede e hostil. Assim, hospital vem do latim hospite, que significa hóspede, também em conexão com hotel. Como ser-no-mundo, o Homem é, logo na raiz, hóspede: somos hospedados no mundo. Mas a palavra está ligada também a hoste, donde provém hostil — também há o hostel. Não nos pedem à chegada a um hotel a identificação, pois não se sabe quem chega por bem ou por mal? E a fronteira, porta de entrada e de saída — em conexão com fronte: a nossa fronte somos nós voltados para os outros, mas ao mesmo tempo ela é limite, demarcação —, não é ao mesmo tempo o espaço de acolhimento e da independência a defender frente ao invasor?