quarta-feira, 31 de janeiro de 2007

ARRANJO URBANÍSTICO


AVENIDA JOSÉ ESTÊVÃO
VAI BENEFICIAR
DE ARRANJO URBANÍSTICO
::
Quem se habituou a circular pela Av. José Estêvão, de ponta a ponta, vai estranhar quando as obras forem feitas. Tanto quanto se sabe, vai ser criada uma zona pedonal junto à igreja matriz, conforme prevêem projectos entregues no Concurso de Ideias para o local.
A partir dos semáforos e até ao cruzamento que dá para o Centro Cultural não poderão circular veículos automóvel. Os peões, aí, serão reis.
::
Para ver melhor, clique na foto.

CUFC - ESTÓRIAS DA RIA


NB: Para ver bem, clique na imagem.

terça-feira, 30 de janeiro de 2007

UM ARTIGO DE ALEXANDRE CRUZ

Princípios
e critérios do voto
::

1. Qualquer opção consciente impli-cará um sério discernimento prévio. A qualquer eleição ou referendo terá de presidir um sentido de ideal, de princípio, sendo este a base de critérios certa para um voto em consciência consciente; sim (consciência consciente), porque poderá haver consciência inconsciente de tudo o que está em causa numa opção a assumir…
Sublinhamos, precisamente, a urgente necessidade dos “princípios” para haver “critérios” sustentados; sem estes (nem uns nem outros) a opção poderá, enganada, recair sobre os mil e um acessórios deitando ao mar o essencial. Será mesmo necessário parar para pensar, não deixando, assim, que o assunto se fique pela rama da emoção, do sensacionalismo ou numa mera óptica do que parece mais prático…
2. Talvez, reconstruindo um caminho dos acessórios até ao essencial, poderemos dizer em assuntos de fronteira que haverá uma série de critérios que não poderão nortear uma decisão consciente: não poderá ser o critério economicista do dinheiro dos impostos aplicado ou não; não o critério da ideia de progresso ser ir atrás dos outros como se pertencer à maioria – lógica da quantidade - dos que fazem isto ou aquilo fosse certificação da Verdade.
Não ao critério do moralismo seja político, filosófico ou religioso; não ao critério utilitarista de um ser humano fazer o que quer de Outro abrindo a porta quando dá jeito e fechando quando não apetece; não mesmo ao critério demográfico, pois mesmo que a população fosse muita o que é (essencialmente) bem ou mal não deixa de o ser por haver muita ou pouca população. Não o ler as soluções só a partir das consequências (no ilusório apagar do fogo) ocultando a origem, tudo o que está antes, as causas essenciais.
3. Qualquer voto pensado indicará sobre: o que queremos do futuro como padrão de referência para a sociedade? Que referenciais em termos de dignidade humana (em que todos dizem acreditar)? Os dias têm sido de debates e números; argumentos e contra-argumentos em que muitas vezes entra-se na “coisificação vazia” da aventura de dignidade mais admirável que é a nossa viagem até chegarmos à vida.
Tem sido, na generalidade, exemplar o esforço de isenção das religiões em Portugal que, assim, proporcionam que não se confundam os planos do que está em causa; tem sido, na generalidade, infeliz a cumplicidade de partidos políticos e figuras de estado em assunto que deverá ser essencialmente do pendor da sociedade civil. Tem sido oportunidade tolerante, apesar de tanto ruído, das posições SIM e NÃO se encontrarem e escutarem mutuamente nos argumentos de cada diversidade, dando assim oportunidade aos portugueses de pensarem e discernirem para votar algo que em sociedades avançadas na dignidade humana seria simplesmente invotável.
4. Mas, e se de repente todos ficássemos surdos e mudos; e se nos debates se fizesse silêncio e em vez de palavras apostássemos no critério da vanguarda científica. Sim, em silêncio humildemente acolhermos toda a lição da Verdade das profundidades maternas que acolhem o mistério incalculável da vida humana a começar, transformando-se criativamente desde o primeiro segundo até chegar aos milhões de segundos (3.153.600 em média por ano de vida) que hoje transportamos.
Em que bases assentarão os votos? Que princípios e critérios presidirão à opção? Uma ideia será certa: não poderão ser critérios práticos e utilitaristas a decidir a opção consciente; esta sabe ler e discernir entre aquilo que é acessório e o que é o essencial como opção de ideal colectivo. No “princípio”, a que hoje – mais que em qualquer outra geração - poderemos aceder pelo critério isento da ciência e deixá-la falar… estará a noção de que a própria genialidade da ciência ilumina a consciência recta.
5. A sensação de que qualquer voto que seja exercido tenha como motivação apagar o fogo prático das consequências sem haver horizontes capazes de ver o essencial será mais um sinal confirmado de défice civilizacional (sim, em muitos dos países europeus…). Que ao menos o fascínio da ciência, que hoje nos mostra como fomos e somos a partir da profundidade materna, seja luz de vanguarda humanista no zelo pela dignidade humana. Será nesta luz que se obterão pontos de equilíbrio em tudo o resto…
É que há Outro (dependente mas autónomo, como nós hoje, afinal) para além de mim, o que nos diz que todas as questões sofridas de justiça, saúde, défice de EDUCAÇÃO HUMANA para a saúde e para os valores fundamentais,… tudo, vem muito depois do essencial. Daqui a uns 20 anos os países europeus, com a sofisticação científica clarividente sempre crescente, vão olhar para trás e reconhecerem-se indignos por terem perdido tudo (se perdermos a vida perdemos tudo, toda a raiz da ética pessoal e social). E perguntam-se (se tiverem capacidade de questionamento): que herança deixámos aos vindouros?!...
6. Talvez valha a pena (não nos perdermos nas questões acessórias que sendo importantes são necessariamente relativas e) ir ao “PRINCÍPIO” de tudo. No caso de dúvida, no princípio (vendo imagens do embrião humano no ventre materno), com isenção absoluta e não se ficando no “nim” (do ser-humano-cidadão indiferente), concluiremos que a ciência ilumina a consciência (consciente). Factos são factos e se lhes damos toda a importância então dê-se primazia ao facto mais surpreendente que é a VIDA em todas as suas fases de caminhada. Uma primazia que não exclui mas inclui…

RR LAMENTA...

Renascença lamenta
ter de passar tempo de antena

A emissora católica Rádio Renascença lamentou hoje ser obrigada a passar o tempo de antena no referendo sobre o aborto, por considerar que as rádios privadas deveriam ficar de fora desta imposição legal.
"Gostaríamos que esta obrigação [legal] não pesasse sobre as rádios privadas, mas pesa e, numa rádio com a identidade da Renascença, pesa naturalmente muito, até porque a nossa posição sobre o aborto e sobre o direito à vida é bem conhecida", refere a estação numa nota lida hoje, no dia em que começa a campanha para o referendo de 11 de Fevereiro, antes do noticiário das oito da manhã.

Após a marcação do referendo sobre a despenalização da Interrupção Voluntária da Gravidez, os responsáveis da emissora católica declararam - também numa nota lida antes de um noticiário - o apoio da Renascença ao "Não".
::
Leia mais em PÚBLICO

CUFC





DIÁLOGO INTER-RELIGIOSO








Depois do Islamismo (2001), vieram o Judaísmo (2002), o Hinduísmo (2003) e o Budismo (2004). A seguir veio Bahá’i, em 2005.
Em 28 de Fevereiro, quarta-feira, o teólogo e colunista do PÚBLICO, Frei Bento Domingues, estará em Aveiro, no CUFC, pelas 21 horas, para falar de “Sociedade, Ciência, Religiões - Em Cultura da Vida e da Paz”.
A entrada é livre.

UM ARTIGO DE ANTÓNIO REGO

...todos têm o dever de aferir
a sua consciência
por valores objectivos
para além de emoções imediatistas


UM FILHO, PROPRIEDADE PRIVADA?







O aborto, como é sabido, não é primordialmente um problema religioso. É humano e ético. Mas não deixa de ter implicações singulares na consciência religiosa. Por isso se estranha que alguns olhares convertam o debate em ordem ao próximo referendo numa enviesada piedade para com as mulheres que abortam, e indiferença para com os seres vivos e humanos que são violentamente agredidos. E mais ainda se estranha a invocação da fé católica para se colocar do lado do agressor, como se isso fosse a tolerância, contra o ser indefeso no ventre materno. Como se a piedade e misericórdia apenas assistissem do lado da mãe com detrimento do futuro do filho. Também surpreende a neutralidade de alguns crentes como se se tratasse de tema entregue a profissionais de moral ou a políticos encartados. Nessa lógica, cada cidadão se liberta como pode deste fardo. Há quem prefira não se incomodar com o trajecto dum ser humano gerado, na proximidade das dez semanas, com o coração a bater em pleno e o todo essencialmente constituído. E deixá-lo abandonado a uma decisão circunstancial.
A questão não está essencialmente na condenação moral de quem aborta ou para isso directa ou indirectamente contribui. Está na consequente indiferença à gravidade deste gesto. De tal modo que pede à sociedade que dele se desinteresse, deixando cada caso entregue a opção instintiva.
Convém voltar ao problema pelo lado da parcialidade que a pergunta lançada no próximo referendo revela ou omite. Revela uma parte do problema – a penalização – e omite o outra, essencial - a agressão a um novo ser humano.
Cada pessoa tem direito a decidir em consciência. Mas todos têm o dever de aferir a sua consciência por valores objectivos para além de emoções imediatistas transformadas em propriedade privada. Um novo ser não é um objecto que a mãe pode manipular segundo a sua conveniência. É um ser humano que ganhou a sua autonomia e personalidade, com direitos – está consignado na Constituição portuguesa o direito de nascer – e o respeito que merece o seu itinerário de vida. É tão evidente, que se estranha não seja visto do ângulo da ética natural e até de alguma moral cristã. Como é possível que o óbvio nem sempre se veja com a luz meridiana que merece?

MARINA DA BARRA

Farol da Praia da Barra
::
SERÁ DESTA?
::
O presidente da Câmara Municipal de Ílhavo, Ribau Esteves, está esperançado na concretização de um projecto pelo qual se bate há anos: MARINA DA BARRA. Será desta? Diz o autarca, conforme li no “PÚBLICO”, que “agora é que vai!”, mostrando-se confiante na decisão a tomar pelo Governo. A Marina, com cerca de mil lugares para embarcações de âmbito turístico e com infra-estruturas de apoio a condizer, será uma mais-valia para o concelho de Ílhavo, em geral, e para a Gafanha da Nazaré e Praia da Barra, em especial. Obviamente, salvaguardando-se a qualidade de vida das populações. O desejo de Ribau Esteves foi manifestado em conferência de imprensa para apresentação dos projectos idealizados para as cidades de Ílhavo e Gafanha da Nazaré, ao nível da requalificação urbana de zonas centrais. No que diz respeito à Gafanha da Nazaré, a ideia, segundo diz aquele diário, passa por redesenhar o espaço público da área da Avenida José Estêvão, entre os cruzamentos do centro cultural e da Rua São Francisco Xavier. O projecto prevê a construção de um novo edifício para a Junta de Freguesia e CTT. Em Ílhavo, a nova centralidade passará pela envolvência do edifício do novo Centro Cultural.

segunda-feira, 29 de janeiro de 2007

ABORTO - 17

Adriano Moreira, José Ribeiro e Castro e Paulo Portas assinaram o texto que se segue e que merece uma reflexão cuidada.
::
NENHUMA VIDA
É DE MAIS
::
1.Humanistas, celebramos a vida como o primeiro de todos os direitos humanos. Personalistas, acreditamos numa civilização e numa cultura em que a liberdade de decidir não elimina a liberdade de existir, o direito de ser. Sabemos que existe vida humana antes do nascimento. Sabemos que cada vida é, já nesse estádio, real e sensível, singular e própria, única e irrepetível. Nunca houve pessoa assim, nunca haverá outra como essa. Cada um é cada um. Conhecemos os progressos técnicos e científicos que têm vindo a revelar cada vez mais pormenores desta realidade inegável, enriquecendo o conhecimento empírico e tornando-o acessível a todos. Defendemos esta orientação ética e política com humanidade e compreensão, sem recriminações. Para nós, o aborto é uma questão de valores humanos e de direitos fundamentais, de valores sociais por conseguinte. Um domínio em que a lei deve realizar a sua função mais nobre de defesa dos mais frágeis, dos mais fracos, dos mais vulneráveis. E também uma questão de políticas públicas que, ao mesmo tempo, previnam, a montante, o aborto clandestino e assegurem as indispensáveis informação e acção social junto das situações de risco ou de maior carência.
:: 2. Pretende legalizar-se o aborto em todas e quaisquer circunstâncias até às dez semanas, isto é, até aos dois meses e meio de gravidez. Somos contra esta proposta de liberalização total do aborto. A actual lei, fazendo uma ponderação jurídica de conflitos de interesses e valores, já despenaliza o aborto em certos casos, especialmente atendíveis, sob indicação médica, como a malformação do feto, a violação ou o risco para a saúde física ou psíquica ou da vida da mãe. Enquanto que a nova proposta em referendo sacrifica a vida ao arbítrio; e de facto deixa de considerar a vida como um valor. A diferença, agora, está em passar a considerar o aborto no quadro da saúde sexual e reprodutiva, equiparando-o a meio contraceptivo.
Diversamente do que outros dizem, de forma enganosa, não se trata de alargar as excepções da lei actual. Trata-se de acabar com todas e quaisquer excepções até às 10 semanas. Trata-se de introduzir na ordem jurídica o direito ao aborto livre até aos dois meses e meio de gestação. É uma proposta sem equilíbrio, nem moderação.
:: 3. Este referendo convoca de novo as responsabilidades do Estado, que, vinculado à protecção da vida pela Constituição, não pode demitir-se dos seus deveres de solidariedade real com as famílias, em geral, e das que passam pelo drama humano e social do aborto. A criança é, desde a concepção, como diria Hannah Arendt, o anúncio de um estrangeiro que vai chegar e que a comunidade tem o dever de acolher e integrar; e, por isso, compete ao Estado garantir o acolhimento sem validar qualquer escusa pública que induza ao desespero maternal e familiar. A resposta está em combater as causas efectivas do aborto clandestino, na protecção da maternidade e da paternidade, no planeamento familiar, na educação, na informação pública, na diminuição e na eliminação da pobreza, na intensificação e na melhoria das políticas familiares, na humanização da Justiça, no apoio determinado a instituições de acção social como os centros de apoio à vida, ou outras obras de apoio à maternidade e à infância em situações de risco ou especial carência. Neste terreno axial da Ética e do Direito, o Estado não deve emitir os sinais errados à sociedade civil, traindo os imperativos da solidariedade social, desleixando as políticas familiares e fraquejando na acção social directa nas situações de maior vulnerabilidade. E é ainda seu dever o combate contínuo à desinformação e à persistência de níveis anacrónicos de falta de esclarecimento, informando a opinião pública da impressiva realidade da vida humana antes do nascimento, na linha dos avanços da ciência, e democratizando as descobertas e o extenso conhecimento que tornam acessível a todos.
:: 4. Este referendo não é uma opção entre Direita e Esquerda, entre católicos e ateus, entre novos ou velhos, entre mulheres ou homens. Não é partidário, nem é clerical. Não interessa mais a certas categorias de portugueses do que a outras. Este referendo convoca todas as consciências, interrogando-nos e desafiando-nos no plano dos valores essenciais da pessoa humana. Revemo-nos na atitude cívica, generosa, dos movimentos que se organizaram em defesa da vida e reconhecemos a sua liderança social. Este referendo provocará um avanço de civilização, se der protecção à vida, ou um retrocesso de civilização, se banalizasse a sua eliminação. Em defesa do direito à vida, votamos não no próximo dia 11 de Fevereiro.

DEBATES

JORNALISTAS IMPARCIAIS
FAZEM FALTA
::
Sempre gostei de assistir a debates. Neles, podemos aprender muitas coisas, já que, por força de ouvirmos opiniões diversas, está ao nosso alcance tirar conclusões sobre os assuntos em questão.
Não tolero, no entanto, moderadores que aproveitam a circunstância para emitirem opinião, quando isso deve competir aos convidados que são, ou é suposto serem, especialistas nas matérias em causa.
Nas televisões e nas rádios, porém, há muito o hábito de alguns jornalistas, em nome das suas ideias, legítimas, manifestarem o que pensam sobre o tema, fugindo ao elementar dever de pôr questões, de forma imparcial.
Só para dar um exemplo, no "Prós e Contras", na RTP, Fátima Campos Ferreira, por sinal uma boa profissional, não se cansou de condenar o pai biológico de uma criança que estava ao cuidado de um casal. O caso é conhecido, porque o pai de coração, da criança, como agora se diz, está preso, por fugir, sistematicamente, ao cumprimento da lei.
Como jornalista, não tinha que dar opiniões, porque era sua obrigação, unicamente, lançar questões que ajudassem os telespectadores a tirar conclusões ou a alinharem ideias. Para Fátima Campos Ferreira, como várias vezes deu a entender, o pai biológico não passava de um traste que merecia a condenação de todos. Não pode ser assim.
Fernando Martins

MISSIONÁRIOS LEIGOS

TODOS PODEMOS
COOPERAR
COM OS MISSIONÁRIOS
::
Sempre admirei os missionários, os que se dão aos outros, longe das suas comodidades. Deixam familiares e amigos e partem para terras onde falta quase tudo. Deixam as suas profissões e gostos pessoais, para cooperarem na promoção de povos que sobrevivem privados do essencial para uma vida digna do nosso tempo. E fazem-no porque interiorizaram o sentido da missionação, em nome da fé que os anima.
Ontem, na SIC, vi uma reportagem sobre os missionários leigos: Jesuítas, da Consolata e dos Leigos para o Desenvolvimento. Foi muito agradável ver e meditar sobre estes leigos que partem, mesmo sabendo os perigos que correm.
Todos recordaram uma missionária leiga que, em Moçambique, foi assassinada por ladrões, em plena Missão Católica. Mas todos disseram que nem isso os fazia desistir da ida para aquela ex-colónia portuguesa, na certeza que tinham de que, no fim de contas, seria muito mais o que iriam receber do que aquilo que podiam dar a pessoas que viviam em extrema pobreza.
Eu penso que nem todos teremos vocação para assumir compromissos destes. Mas sei, tenho a certeza, que todos, se quisermos, podemos cooperar com estes Missionários Leigos e com os Padres imbuídos do mesmo espírito. O nosso contributo pode ser entregue nos Secretariados de Acção e Animação Missionária, que existem em todas as Dioceses.
Fernando Martins

domingo, 28 de janeiro de 2007

UM POEMA DE FLORBELA ESPANCA

Tarde no mar
A tarde é de oiro rútilo: esbraseia. O horizonte: um cacto purpurino. E a vaga esbelta que palpita e ondeia, Com uma frágil graça de menino, Pousa o manto de arminho na areia E lá vai, e lá segue o seu destino! E o sol, nas casas brancas que incendeia, Desenha mãos sangrentas de assassino! Que linda tarde aberta sobre o mar! Vai deitando do céu molhos de rosas Que Apolo se entretém a desfolhar... E, sobre mim, em gestos palpitantes, As tuas mãos morenas, milagrosas, São as asas do sol, agonizantes...
:::
Uma proposta do leitor
José Lima Simões

DEBATE NA RR

::
O MUNDO VISTO
A TRÊS DIMENSÕES
::
D. José Policarpo, Jorge Sampaio e Pinto Balsemão falaram da globalização, da Europa e do choque de culturas, num novo programa da Rádio Renascensa - O MUNDO VISTO A TRÊS DIMENSÕES. O tema, importante para a compreensão do mundo em que vivemos, foi oportuno e é um bom incentivo para uma boa reflexão neste domingo.
::
Leia um resumo em RR

ABORTO - 16

Um artigo de Rui Machete, no DN
O VOTO SOBRE O ABORTO
::
Nos bons velhos tempos dos finais do século XIX, quando a sociologia incipiente dava os seus primeiros passos e em Portugal o romantismo popular ainda não se tinha apagado, dizia-se, a propósito dos comportamentos desviantes das mulheres que abortavam ou que abandonavam os recém-nascidos, que a infeliz era vítima da sociedade. Remetia-se assim a culpa para um ente colectivo vago, a que todos pertenciam, sem que a ninguém individualmente pudesse ser imputada a responsabilidade pelo acto, ao mesmo tempo que se desculpabilizava o agente. Hoje, em que a consciência da liberdade e a autonomia individuais se afirmaram muito mais - pelo menos em termos de dever ser -, já não é credível essa remissão. Mas continua a ser verdade que a ambiência social e económica em que a pessoa se move cria condicionalismos e constrangimentos de vária ordem com impacto nas decisões individuais. Só que é possível fazer uma análise cada vez mais fina das diversas situações.
Vêm estas considerações a propósito do aborto, matéria delicada e controversa, por a opinião que sobre ela se emita concretizar concepções de vida e opções filosóficas próprias de cada um, às vezes sem plena consciência dos seus contornos exactos e das exigências da sua coerência interna.
Tudo isso tem vindo a ser evidenciado, como é sabido, a propósito do debate sobre esta infeliz ideia de voltar a fazer um referendo sobre o aborto. As questões complexas são sempre mal resolvidas através de decisões simplistas de sim ou não, a não ser que se reconduzam apenas à praxis, a decisões políticas a resolver pelo voto.
::
Leia mais no DN

UM ARTIGO DE ANSELMO BORGES, NO DN

Contingência e abortamento
Uma vez, uma aluna levantou, num "trabalho", esta pergunta: "Onde estão todos aqueles que poderiam ter sido e não são?" Talvez uma daquelas perguntas inúteis, aparentemente preguiçosas, mas que não deixam de obrigar a pensar.
Afinal, se A, em vez de ter casado com B, tivesse casado com C, não existiriam aqueles filhos que há, mas outros. O encontro de dois seres humanos em ordem à paternidade e maternidade está dependente de tantas variáveis que a possibilidade do aparecimento de um ser humano concreto (este homem ou esta mulher) é tendencialmente nula. Porque a realidade desses dois seres humanos também não estava predeterminada: aconteceu, mas podia não ter acontecido. Mesmo no acto de geração de cada ser humano, há milhões de possibilidades e geralmente só uma se concretiza: há um espermatozóide que corre mais...
É quando pensamos nestes cruzamentos que de facto aconteceram, mas que pura e simplesmente podiam não se ter dado, que tomamos consciência da nossa radical contingência. Da nossa e da da História. Porque se A não tivesse existido, também B não teria podido existir. E, sem B, não existiria C nem D nem E. Faltando E, faltariam F, H, I, J. Estenda-se esta contingência até ao começo do aparecimento dos homens e das mulheres e às possibilidades de encontros e desencontros, multiplicadas indefinidamente, e ver-se-á como se é confrontado com a estupefacção de uma História que narramos como se estivesse pré-escrita algures, mas que poderia ser completamente outra, individual, colectiva e mundialmente.
::
Leia mais em DN

TECENDO A VIDA UMAS COISITAS – 8

FIGURAS DO MEU PRESÉPIO
Caríssimo/a: Ao longo do ano vou juntando figuras que aproveito para o meu Presépio. Terminada que está a nossa visita à Escócia, vou fazer essa escolha que curiosamente nos vai oferecer casais que se cruzaram connosco. 1. Assim, será o Casal Marlene e William (Bill, para familiares e amigos) a enriquecer a nossa galeria. E perguntareis:”Mas que tem de especial ou que fizeram de tão importante?” É o casal dito normal: com as suas coisas boas e outras menos bem conseguidas; seremos tentados a notar apenas as últimas (as suas arrelias e discussões, a sua dificuldade em ver “Oh my glasses!”, a sua propensão para adular os netos (qual de nós o não faz?), o seu tipicismo escocês, enfim, tudo aquilo que os fará passar por um casal entre muitos outros sem que ninguém repare neles). Porém, não é de todos que se recebe um filho e eles tiveram a capacidade de o fazer e ainda mais a uma família estrangeira. (Claro que também receberam a troca.) Só por isso ali teriam o seu lugar. Mas eles festejaram, a 26 do corrente, 50 anos de Matrimónio, Bodas de Ouro. E agora, pergunto eu, que mais razões para justificar? O lugar reservado será no jardim da Casa Amarela; ali ficarão bem e poderão continuar a cuidar das plantas e, quando oportuno, sair e dar o seu passeio (Go for a Walk!) e regressar com novas flores. God bless you! 2. Se o celebrar as Bodas de Ouro me leva a curvar respeitosamente e reservar um lugar no meu Presépio, que voltas dar a um Casal que ultrapassou os 80 anos de casados? Escocês também e que a BBC apresentou numa entrevista realizada em sua casa. Ela falava, falava, toda ela era movimento, cor, vida! Os seus olhos aspergiam gotas de felicidade. Ele, sentado, acenava com o corpo e a cabeça. Felizes? Casados há quantos anos? E ela explicava com o verbo, com as mãos…Até que se voltou para o marido: Anda, diz-lhes o segredo da nossa felicidade! Ele falou suavemente, segredou: Oh! I always says: Yes, Darling! Yes, Darling! Ficam bem, além, onde o Céu (um pé…) toca a Terra (e aqui o outro!…) 3. Pois é, as malas já estavam preparadas e surge-me o imprevisto: novo casal a quem me obrigo a reservar um lugar – e este muito especial. Sabereis porquê. O Matthew, Pastor da Igreja Baptista, é casado com a Anne. Tem três filhas. Nem é nada de espantar. Só que, apesar de tudo o que os caracteriza (empenho, dedicação, trabalho, capacidade de acolher e de liderar, humanidade, sorriso sempre aberto e franco, …), estão confrontados com uma pesada Cruz. Ficarão bem naquele cantinho dentro da Gruta junto a S. José, a receber a LUZ vinda do postigo. (Vejam só o Menino a escangalhar-se de riso por ver pela primeira vez um Pastor Protestante no Presépio e logo na Gruta!…) Ali os contemplaremos, sempre e de imediato, e logo seremos confrontados com aquela passagem da Bíblia em que é dito a S. Pedro: Outros te cingirão os rins! Pediremos licença aos Anciãos dessa Igreja e, se nos for permitido, ajudá-los-emos a - dar graças a Deus por todos os Sacerdotes que suscita para a IGREJA DE CRISTO; - pedir ao Espírito Santo que os assista e lhes permita acompanhar S. Paulo que quando “sou fraco, então é que sou forte”. Manuel

sexta-feira, 26 de janeiro de 2007

IMAGENS DE AVEIRO

Canal Central e Mastro do Milenário ::
MASTRO DO MILENÁRIO
::
Nesta foto de António Graça, publicada na revista "Aveiro Antigo", edição da Câmara Municipal de Aveiro, com data de 1985, vê-se, ao fundo, sobre a Ponte da Dobadoura, o mastro que assinala o início das Festas do Milenário, em 1959. Aveiro, como é sabido, regista o seu baptismo em 959, antes da nacionalidade portuguesa, quando a condessa Mumadona sublinha, num seu testamento de doação, as salinas que possuía em Alavário. Em 1759, por alvará de D. José I, foi elevada à categoria de cidade. Mil anos da referência de Mumadona e 200 anos após a elevação a cidade, Aveiro recordou com diversos festejos essas efemérides, em 1959. Eu assisti à colocação do mastro de um navio no cimo da ponte da Dobadoura. Procedeu à operação o célebre Mestre Mónica, com a ajuda de alguns funcionários do seu Estaleiro. Havia muita gente a assistir à manobra.
Colocado o mastro deitado, com a parte de baixo, mais grossa, junto do buraco onde havia de ser enfiado, um camião pesado começou a puxá-lo, sob a batuta do Mestre. Mais um bocadinho, pára aí, ponham aqui umas escoras… Avança agora, com calma, Henrique (condutor do camião)… Devagar… continua… continua… E o mastro lá foi sendo erguido… Até que, de repente, se enfiou no buraco onde ficou uns tempos, para assinalar os mil anos de povoação e os 200 de cidade de Aveiro. Isto em 1959. Fernando Martins

ARTE NOVA

::
ARQUITECTURA
CONTA HISTÓRIA
::
A HERA está a promover mais um projecto de valorização do património: ARTE NOVA-Arquitectura conta História. Co-financiado pela UE, com o apoio da Câmara Municipal de Aveiro e o envolvimento das Escolas Secundárias de Aveiro, o projecto tem como objectivo a dinamização de percursos urbanos de valorização turística da património arquitectonico ARTE NOVA, típica da região de Aveiro, e uma exposição de fotografica sobre o tema.
Visite o site (www.heraonline.org) na secção "Diário de Viagem" para mais informações.

CMI CONCEDE BOLSAS DE ESTUDO

Monumento ao homem do mar
::
TAREFAS COMUNITÁRIAS
COMO CONTRAPARTIDA
::
A Câmara Municipal de Ílhavo vai entregar hoje 24 Bolsas de Estudo a outros tantos estudantes. Treze Bolsas contemplam estudantes do Ensino Superior e as restantes vão para quem estuda no Ensino Secundário. A autarquia ilhavense prossegue assim com o bom exemplo de apoiar ou estimular jovens da nosso concelho.
As Bolsas atribuídas, porém, não são dadas de ânimo leve e têm contrapartidas, que são, sem dúvida, um bom princípio. Os contemplados terão de disponibilizar 75 horas para a realização de tarefas em prol da comunidade, no âmbito dos programas Vocação e Ocupação de Tempos Livres, desenvolvidos pela autarquia ilhavense. Escusado será dizer que este princípio seguido pela Câmara de Ílhavo é essencialmente educativo. Os jovens que receberam as bolsas ficam a saber que tudo na vida tem custos e que os prémios, as bolsas e outras ofertas não podem deixar de ter contrapartidas.

UM ARTIGO DE D. ANTÓNIO MARCELINO

AMEAÇA DEMOGRÁFICA
OU INÉRCIA POLÍTICA?
Já sou do tempo em que, a torto e a direito, se proclamava que a fome no mundo tinha como causa o aumento descontrolado da natalidade e, consequentemente, da população. As teses de Maltus e do neo-maltusianismo eram um apelo mundial que se generalizou. Era preciso contrariar o aumento da população. Só assim poderíamos sobreviver e libertar-nos de uma calamidade exterminadora e sem limites. Ainda não há muito tempo (1991), um francês iluminado, Comandante Cousteau, escrevia no Courrier de l´Unesco: “É necessário que a população mundial se estabilize e, para que tal aconteça, é necessário eliminar em cada dia 350.000 pessoas”. Aqui fica para a história um apelo louco ao genocídio que, segundo vi, não escandalizou, nem teve contraproposta. Já na década de cinquenta, padre novo com muitos sonhos sociais, pude ler, para contrariar os maus augúrios dos sábios do tempo, que o problema demográfico só tinha uma solução e esta era política, pois a superfície do Brasil, bem aproveitada, era mais do que suficiente para esconjurar a fome do mundo inteiro. A verdade, porém, é que os políticos sempre estiveram mais interessados, a vários títulos, em medidas de extermínio e de controle, do que de promoção do bem a favor de todos e do respeito e apoio por medidas políticas a favor dos povos mais pobres e débeis e da sua cultura. Os perigos da demografia crescente era um bom fantasma para os objectivos dos países ricos, sempre sôfregos por maior riqueza. A Índia e muitos países de Africa foram então invadidos por “multinacionais generosas” que espalharam contraceptivos em profusão, pagos por países interessados em que se fosse operando, progressivamente, o extermínio a população sob a capa de uma protecção farisaica. Interessava-lhes pouca gente, rendida à gratidão, matérias-primas a descoberto e anulação de críticas. Estava aí a vitória dos poderosos. Mais tarde foram conhecidas, neste sentido, as orientações “sábias”, mas desumanas, de Henry Kissinger, que deixaram o mundo estupefacto, mas incapaz de responder ao gigante, sempre pronto a distribuir benesses a quem dobrasse a cerviz e seguisse o preceituado. A Europa também caiu no engodo. Em países, como Portugal, pela subserviência aos Estados Unidos da América de quem algumas instituições recebiam, via OMS, quantias consideráveis para programas de planeamento familiar, noutros pela euforia dos novos modelos e estilos de vida, contrários ao aumento da natalidade e abertos ao gozo e ao consumo sem restrições. A verdade é chegou a bater no fundo. Horrorizada, depois, pela ameaça dos turcos e dos muçulmanos de Africa, famílias com média de seis e sete filhos, e pela incapacidade de repor os estragos da quebra de natalidade, acordou e começou a arrepiar caminho. O que antes recusara, acabou por se lhe impor. Hoje vários países europeus têm políticas concretas de estímulo à natalidade. Todos lemos o que se passa na Alemanha a partir de 1 de Janeiro. Entre nós, como sempre, vamos atrasados, meio anestesiados e sem medidas políticas objectivas e estimulantes. Se vierem e forem acertadas, ainda demorarão décadas a fazer sentir os seus resultados. Entretanto, numa atitude habitual de quem faz uma gestão mais por imediatos que por objectivos, mais por emoções que por razões com fundamento, dá-se protecção ao aborto, mal embrulhado em frases publicitárias bem gastas. Assim, já ninguém duvida, o aborto acabará por se tornar, a pouco e pouco, em mais um método contraceptivo. Nada se vê, antes pelo contrário, que estimule a natalidade, entre nós pelas ruas da amargura., com índices de reposição demográfica dos mais baixos da Europa. Ficamos todos esclarecidos quando ouvimos o chefe do governo e do partido da maioria a recomendar aos seus que não perdessem tempo com os aspectos científicos do aborto, mas o gastassem preocupados em vender bem a ideia da despenalização… O problema continua a ser político. Temos de nos interrogar, porém, sobre qual o sentido de uma política demográfica que tenha em vista, com preocupações éticas, as pessoas e as causas porque lutam, o bem comum e o futuro da comunidade nacional.

SEMANA DA UNIDADE DOS CRISTÃOS

Presidente da Comissão Episcopal
para o Ecumenismo
sublinha efeito dos fluxos
migratórios
e das dinâmicas juvenis
::
PANORAMA ECUMÉNICO
ESTÁ A MUDAR EM PORTUGAL
::
D. António Marto, presidente da Comissão Episcopal para a Doutrina da Fé e o Ecumenismo (CEDFE), considera que o panorama ecuménico no nosso país está em mudança, por força dos novos fluxos migratórios e das dinâmicas juvenis. “Ao nosso país chegaram muitos ortodoxos e isso, quer a gente queira ou não queira, obriga-nos a fazer um caminho ecuménico em virtude de problemas concretos”, refere em declarações à Agência ECCLESIA. Neste processo, destaca, houve uma grande atitude de “acolhimento” para receber estes cristãos, procurando proporcionar-lhes “um ambiente e lugares de encontro”. “São coisas pequenas, mas tal como na vida, no ecumenismo são as coisas pequenas que nos impulsionam”, acrescenta. No ano em que se celebra a III Assembleia Ecuménica Europeia, D. António Marto sublinha o esforço de “sensibilização ecuménica” levada a cabo pelos grupos juvenis das várias Igrejas cristãs, em especial nas Dioceses de Braga, Lisboa e Porto. A preparação para este grande encontro, na localidade romena de Sibiu, em Setembro próximo, contou com uma dinâmica que inclui encontros nas várias comunidades locais, em cada país europeu. Portugal, por força da dinâmica jovem, contou com “iniciativas muito belas” que serviram para avivar a chama ecuménica. O ecumenismo, defende, é “como a subida de uma montanha”, na qual são necessárias paragens para respirar. A primeira responsabilidade dos cristãos, neste sentido, é a oração em comum, que permita “tomar consciência do ser irmãos e alimentar a espiritualidade ecuménica”. “A espiritualidade é como o óleo do motor: ele pode estar muito bem equipado, mas sem óleo não anda”, explica. Este responsável destaca o facto de Bento XVI ter feito a sua “prioridade das prioridades a causa ecuménica”, dando “passos significativos”. “Tem-se a impressão de que se estão a retomar, com mais ânimo, os passos do ecumenismo”, assinala. A este diálogo teológico, de topo, deve juntar-se o “ecumenismo quotidiano”, na vida dos cristãos, que passa pelas “paróquias, hospitais, contactos pessoais e colaboração entre comunidades”. Para o Bispo de Leiria-Fátima, ser presidente da CEDFE e responsável pelo directo pelo maior Santuário mariano do país não são coisas contraditórias. O diálogo teológico entre cristãos tem produzido documentos "belíssimos" a respeito de Maria, que permitem ultrapassar alguns "preconceitos" e, quanto a Fátima, o Santuário "poderá também tornar-se impulsionador do ecumenismo". "Maria não é um obstáculo para o ecumenismo desde que nós saibamos situar o seu lugar na história da salvação e na própria Igreja", conclui.
::
Fonte: Ecclesia

quinta-feira, 25 de janeiro de 2007

SEMANA DA UNIDADE DOS CRISTÃOS

Ecumenismo avança
apesar das dificuldades
::
Cardeal Walter Kasper, responsável do Vaticano pelo diálogo ecuménico, espera a “plena unidade” com as Igrejas do Oriente.
::
O diálogo entre as várias Igrejas cristãs tem conhecido desenvolvimentos positivos, apesar das divergências históricas que dificultam, muitas vezes, o desejado caminho para a unidade. A convicção é manifestada pelo homem do Papa para o diálogo ecuménico, Cardeal Walter Kasper, no início da semana de oração pela unidade dos cristãos.
Para este responsável, é possível verificar o crescimento de um “ecumenismo de vértice”, nos grandes encontros de líderes das Igrejas, e do “ecumenismo de base”, no quotidiano das várias comunidades eclesiais. Estas duas realidades estão interligadas, segundo o Cardeal Kasper, “como duas faces da mesma moeda”.
O presidente do Conselho Pontifício para a promoção da unidade dos cristãos refere à SirEuropa (www.agensir.it) que o ano de 2006 ficou marcado por vários passos em frente: foi retomado o diálogo teológico com as Igrejas Ortodoxas, o Papa visitou a Turquia, o Arcebispo Ortodoxo de Atenas veio a Roma e o Primaz da Igreja Anglicana visitou Bento XVI.
Apesar das divergências dogmáticas que permanecem com as Igrejas do Oriente sobre o ministério do Papa e das diferenças de cultura e mentalidade, o Cardeal Walter Kasper acredita que o caminho está mais fácil, classificando como “histórica” a visita do Primaz grego, Christodoulos.
Já na relação com as Igrejas da Reforma, têm crescido os desentendimentos em relação a temas como “a homossexualidade, o divórcio e a eutanásia”.
A convicção que permanece, contudo, é de que é possível “chegar à unidade perfeita” com as Igrejas do Oriente e “colaborar com grupos importantes presentes nas Igrejas protestantes”.
O próprio Bento XVI, no discurso que proferiu aos participantes na sessão plenária do Conselho Pontifício para a Promoção da Unidade dos Cristãos, a 17 de Novembro de 2006, manifestava “grande esperança pelo caminho futuro” no diálogo com as Igrejas Ortodoxas, apelando ao “respeito pelas legítimas variedades teológicas, litúrgicas e disciplinares”.
Quanto às Comunidades eclesiais do Ocidente, o Papa não foi tão optimista, assinalando que “surgiram várias importantes problemáticas, que exigem um aprofundamento e um acordo”.
“Subsiste, acima de tudo, a dificuldade de encontrar uma concepção comum sobre a relação entre o Evangelho e a Igreja e, a este propósito, sobre o mistério da Igreja e da sua unidade, assim como sobre a questão do ministério da Igreja”, assinalou.
Surgiram, por outro lado, “dificuldades no campo ético, com a consequência de que as diferentes posições assumidas pelas Confissões cristãs, sobre as correntes problemáticas, reduziram a sua incidência orientativa diante da opinião pública”.
Já quanto à adesão da Conferência Mundial Metodista, em Julho de 2006, à Declaração conjunta católico-luterana sobre a Doutrina da Justificação, de 1999, dando assim um passo significativo nas relações com a Igreja Católica, o Cardeal Kasper disse, na altura, que esta assinatura representava “um dos maiores feitos do diálogo ecuménico” e citou Bento XVI para falar deste acordo entre as três Igrejas como “uma plena e visível unidade na fé”.
::
Para ler mais, clique Correio do Vouga

ABORTO - 15

Sabia que... Não há mulheres detidas pelo crime de aborto em Portugal. Em 2005 realizaram-se 906 abortos legais em Portugal. Em 2005 houve 73 casos, e não milhares, de mulheres atendidas na sequência de abortos clandestinos. O número de abortos clandestinos está calculado em 1800 por ano. 62% dos abortos realizados em países europeus com legislação semelhante à pretendida em Portugal, são realizados por mulheres com rendimentos familiares superiores a 65.000 euros por ano. 6% dos abortos realizados em países europeus com legislação semelhante à pretendida em Portugal, são realizados por mulheres com rendimentos familiares inferiores a 7000 euros. Em todo o mundo, o aborto sem invocar qualquer razão é permitido em 22 de um total de 193 países. A pílula do dia seguinte é comercializada em Portugal desde 1999, sem necessidade de receita médica. É dispensada gratuitamente em centros de saúde desde 1 de Dezembro de 2005. A taxa de natalidade em Portugal baixou para metade nos últimos 40 anos. Em 2005, a média de filhos por casal foi de 1,5, tendo-se registado apenas 109.000 nascimentos, permanecendo abaixo do nível de renovação das gerações (2,1). Em 2006, a Alemanha aprovou um incentivo à natalidade de 25 mil euros por cada nascimento. ::

quarta-feira, 24 de janeiro de 2007

UM POEMA DE FIAMA HASSE PAIS BRANDÃO

Os grous?
As viagens separam-nos do passado. Se apenas viajássemos como grous, sem reconhecer as nações debaixo
da quilha do nosso esterno, se não trocássemos os idiomas e as unhas com os habitantes das novas geografias, seríamos nós. Porque o idioma é fechado e insondável em cada criatura, porque cada nação é o berço de uma língua e os meus poemas noutra língua não são meus. Quando viajamos no mundo
não sabemos quem fomos.
:: Fiama Hasse Pais Brandão (1938 - 2007),
falecida recentemente. in "Cenas Vivas", 200
::
Fonte: PÚBLICO On-line

VIOLÊNCIA NO ENTRETENIMENTO

Bento XVI condena
excesso de violência
na indústria
do entretenimento
::
Na sua mensagem para o próximo Dia Mundial das Comunicações Sociais, o Papa pede que os Media sejam capazes de respeitar as crianças
::
Bento XVI manifestou a sua preocupação com o aumento de programas e produtos infantis que promovem a violência e comportamentos anti-sociais junto dos mais novos. Na sua mensagem para o próximo Dia Mundial das Comunicações Sociais, o Papa pediu que os Media sejam capazes de respeitar “padrões éticos” e ajudem na educação das crianças. "Qualquer tendência a realizar programas e produtos – inclusive desenhos animados e videojogos – que, em nome do entretenimento, exaltam a violência e apresentam comportamentos anti-sociais ou a banalização da sexualidade humana constitui uma perversão, e é ainda mais repugnante quando tais programas são destinados às crianças e aos adolescentes", refere o documento, hoje publicado pela Santa Sé. O Papa deixa mesmo uma pergunta: “como é que se poderia explicar este «entretenimento» aos numerosos jovens inocentes que, efectivamente, são vítimas da violência, da exploração e do abuso?”.
::
Leia mais em ECCLESIA

IMAGENS DA GAFANHA DA NAZARÉ

NAUFRÁGIO
DO PRIMEIRO NAVEGANTE
::

Estas fotos, antigas, são um desafio que lanço a quem me lê. Gostaria que alguém me dissesse em que ano é que isto aconteceu, na Praia da Barra, com o Primeiro Navegante a naufragar, junto ao areal. Recordo-me, vagamente, do acontecimento, mas gostaria de saber mais. Claro que o mais simples seria eu pôr-me à procura, mas o interessante será, de vez em quando, pedir ajuda. Ela aqui fica. Penso que foi este naufrágio que levou o pessoal da Gafanha da Nazaré a "pescar" bacalhau na Praia da Barra, sobretudo à noite. Os rombos provocados pelas ondas do oceano fizeram com que o bacalhau se escapasse do porão para as águas. Aí, o povo logo se lembrou de que era uma pena o bacalhau voltar ao mar e lá foi pescá-lo. Era um ver se te avias... para ver quem mais pescava, sem anzóis! Fico a aguardar pela ajuda.

TECENDO A VIDA UMAS COISITAS – 7

Loch Ness
DOIS POSTAIS ILUSTRADOS
DA ESCÓCIA
Caríssimo/a: Todos os países e regiões têm os seus postais ilustrados. Qual será o da nossa região? E da nossa terra? Da Escócia há dois que todos conhecemos ou não se tratasse do whisky e do monstro de Loch Ness . 1. Não sou grande apreciador desta “deliciosa quão famosa” bebida. Contudo, há anos o Peter teve a amabilidade de nos levar a uma destilaria. Visita guiada, assim como nas caves do vinho do Porto, terminando com a prova. Já vínhamos a caminho do carro quando, a propósito da água, nos é indicado o local e a forma da extracção do famoso líquido que está na base do Whisky. “São ideias”, pensei eu… e presunção. E lembrei-me daqueles cozinheiros que, nas feiras gastronómicas, vão elucidando que os seus cozinhados lá têm a água que trouxeram da sua terra!… Há dias, com a Enciclopédia Britânica na mão li este esclarecedor parágrafo: “The whiskies produced in each country (Scotland, Canada, Ireland, U. S) are distinctive in character because of differences in method of production, type and character of the cereal grains and, most important, the quality and character of the water employed. For example, Scotch whisky is inimitable because only Scotland can be found the spring water that rises through a red granite formation and then passes through peat moss country.” (EB, 23, 570) [O sublinhado é meu.] Temos que dar razão àqueles que dizem “água da Escócia” referindo-se ao tal whisky inimitável. [Parece que ainda estou a ver um certo ar de dúvida, ainda não estais convencidos… Pois bem, um testemunho insuspeito e de uma dona de casa: - Olha para isto, que maravilha a fazer espuma!… Esta água é mesmo boa, a sopa é só uma fervura rápida e está cozida! E então se não temos cuidado as batatas desfazem-se logo!… Vê lá que quando estão com tosse vão à torneira e bebem aquela água gelada…] 2. Era rapazinho dos meus doze anos quando se me abriram as portas dos armários da biblioteca da ti Madalena Russa. Um dos livros que nos veio às mãos (às minhas e às dos seus filhos, que me aceitavam como seu amigo de brincadeiras e passatempos), foi o que falava do monstro do Loch Ness, com toda a sua fantástica história e fantasmagóricas fotografias… Não foi, pois, sem alguma emoção e curiosidade que aceitámos a viagem proporcionada às margens do célebre loch (esta é uma palavra escocesa que quer dizer lago, pois claro, e que tem a sua pronúncia própria; só ouvindo…). Podia entrar no jogo do Nessie (desculpem: esquecia-me de dizer que os Escoceses chamam ao monstro, carinhosamente, Nessie!) e, sem pôr pitada de pintura, invenção ou imaginação, descrever os momentos que passei ali como dos mais intrigantes da minha vida: nevoeiro frio cerrado, de se cortar à faca, e que foi aumentando à medida que o tempo ia passando… Nós lá íamos espreitando, mudando de margem, para descobrir sombra ou rasto do Nessie… Não víamos nada além do nosso nariz. E ficámos a pensar se não teria sido uma brincadeira ou uma birra do monstro como quem diz “vêm estes armados em espertos e querem logo ver tudo… Muito já eles sabem. Desça o véu!” Li algures duas pequenas frases com as quais quero terminar, mas sem antes confessar a minha admiração pela lição que nos dão ao conservarem estas lendas e mitos como base da sua identidade! Pois então, amigo Nessie: “Para o teu bem espero que não existas. Mas se existes, espero que ninguém te encontre.” Manuel

UM ARTIGO DE ALEXANDRE CRUZ

UM ESPÍRITO ECUMÉNICO
1. O tempo actual não perdoa! Ainda que persistam os pesos institucionais, com a sua habitual cristalização, é irreversível uma transformação renovadora capaz de criar ponte comunicativa com a modernidade, esta que por vezes de moderno tem tão pouco. Duas atitudes serão incompatíveis com um “espírito ecuménico” de abertura aos tempos: uma, o embarcar na aceleração do tempo e ir a reboque das últimas modas; outra, o rejeitar o encontro com a realidade social que se transforma e é transformadora de tantos acessórios. Essas duas atitudes (ora de sedução exclusiva do novo, ora de rejeição da realidade do mundo), que parecem continuar a fazer o seu caminho, serão sinal de que, antes de tudo e com toda a urgência, haveremos sempre mais de apurar e desenvolver os valores da Humanidade (humana, próxima, aqui!). Sem dar primazia à vida real, que é convite à dignificação humana e ao “encontro” criativo com “outros” como nós, todo o castelo das ideias poderá ser insignificante ou, pelo pior, poderá ser mesmo destruidor dos fundamentais ideais e valores. 2. A história humana mostra-nos que falar de “política” sem ter no princípio e no fim de tudo o serviço à Pessoa e ao bem comum, poder-se-ão chegar a ideologias totalitárias capazes das maiores atrocidades; de modo semelhante, a história das religiões diz-nos que falar de “Deus” sem ter na sua raiz a frescura do ideal de dignificação (divinização) sensível de cada Ser Humano, toda a construção pode perder o referencial último, definitivo de tudo, e pelo caminho a incapacidade de diálogo poderá gerar intolerâncias e fundamentalismos trágicos que a história regista. Ergue-se, cada vez mais e em tempos únicos de globalização, por um lado a premência do diálogo inter-cultural-pessoal-étnico-comunitário-filosófico-religioso, por outro a necessidade de valorizar o específico, característico, referencial único de cada um dos parceiros desse diálogo; só nesta via a unidade na diversidade (com inclusão criativa) será luz de entendimento humano e ideal de caminho comum. Em que bases assentará o diálogo? Eis a pergunta mais aprofundada no último século; o diálogo, nem de surdos nem no vazio, só terá “razão” (e por isso pernas para andar) se for ao encontro da Verdade absoluta. Esta, por outras palavras vem-nos dizer que cada ser humano tem uma dignidade divina que nenhum sistema poderá bloquear. Eu e o outro, que pensa diferente de mim, pois eu penso diferente dele. 3. De 18 a 25 de Janeiro de cada ano celebra-se desde o início do século XX a designada Semana Ecuménica, que visa reforçar o espírito de convergência para a reunificação das Igrejas Cristãs (divididas na história por razões e contextos diversos – Séc. XI, divisão ortodoxa essencialmente por questões de cultura e língua; no Séc. XVI, no centro da Europa, a divisão protestante que tem na sua raiz a reacção justificada ao ambiente de cristandade católica que se tardou a renovar, divisão esta de foro filosófico-religioso). Séculos atrás de séculos, lutas atrás de lutas, energias gastas pelo domínio do “outro” que pesasse em importância estratégica e política até nos ambientes de domínio pós-descobertas. Conjunturas complexas estas que, quando não contextualizadas no seu tempo próprio e/ou com desonestidades intelectuais, trazem até ao presente – especialmente na Europa - reacções de pendor laicista, de rejeição religiosa, de euforias científico-tecnológicas, de incapacidade de incluir num projecto de ética comum todas as realidades, também a da fundamentação filosófico-religiosa nas suas virtualidades. Um novo espírito ecuménico está aí, sempre a repropor-se, e sempre a fugir. Quanto adiante poderíamos estar! Será que pelos menores frutos (vive-se na realidade um desencanto ecuménico) temos andado com orações e(m) diálogos de surdos? Quase que poderíamos dizer (como metáfora): Deus já ouviu e concorda! Século XXI, vamos concretizar, passar de orações e boas palavras à unidade efectiva na diversidade, à única Igreja Ecuménica! E depois, a um sempre maior diálogo inter-religioso e inter-filosófico e cultural que ofereça ao mundo horizontes efectivamente comprometidos de justiça, ética, solidariedade, paz mundial! Vamos, todos para o centro, não percamos mais tempo! Deus quer a unidades em diversidade! Porquê esperar mais agarrados a pormenores acessórios deitando a perder o essencial e descolorindo a missão?! 4. Temos a noção do alcance e do limite de nossas palavras. Da palavra “ecumenismo” vem-nos a noção de “casa toda habitada”. Toda a casa hoje do mundo bem precisa de um espírito ecuménico (em cada pessoa) capaz de proporcionar pontes, encontros e laços. É possível bem mais; talvez terá chegado o “tempo”, se as cúpulas religiosas assim desejarem efectivamente as comunidades (apesar de…) estarão na generalidade preparadas. As cúpulas querem mesmo (na sua disposição de abdicar de algo – o que não significa perder a identidade)?! Toda a releitura histórica, de memória e de perdão, do tempos de João Paulo II, terão criado (?) um ambiente de predisposição gerador da capacidade de “recepção” do “outro”. Ao lermos a história das divisões ela regista momentos determinantes de intolerância em que o espírito de cegueira humana gerou razões de exclusão do “outro”. O impulso de todas as razões e da própria nova era que vivemos cria, a cada dia, novas proximidades; estas são um irreversível desafio ao fortalecimento dos diálogos e à conversão de todos para um centro fora de si mesmo. Este centro para os cristãos será Cristo (não uma das Igrejas mas com todas), para as religiões será Deus amor (não uma das religiões mas a partir de todas), para toda a humanidade será a dignidade humana (com a inclusão de “partes” de todas as filosofias de boa vontade). Só um espírito ecuménico dará, hoje, razões à esperança para a UNIDADE que é tarefa de todos, de cada dia! (Este é um argumento transversal, mas que não chega minimamente para um compromisso das cúpulas das Igrejas Cristãs). Vamos!...

terça-feira, 23 de janeiro de 2007

CENTRO DA GAFANHA DA NAZARÉ

::
PROPOSTAS INTERESSANTES
::
Segundo anunciou o presidente da Câmara Municipal de Ílhavo, Ribau Esteves, foram já abertas as oito propostas para a requalificação do centro da Gafanha da Nazaré, abrangendo a área do antigo mercado e zonas adjacentes. O autarca considera que as propostas, que responderam ao desafio de um concurso de ideias, são muito válidas e interessantes.
Agora segue-se a fase de apreciação e de escolha, esperando-se que esse melhoramento traga outro visual à cidade da Gafanha da Nazaré, num futuro não muito longínquo.

SEMANA DA UNIDADE DOS CRISTÃOS

NOITE DE ORAÇÃO
ECUMÉNICA EM AVEIRO
::
Hoje, 23 de Janeiro, pelas 21.30 horas, na IGREJA METODISTA DE AVEIRO (Rua Eng. Oudinot, nº62), Cristãos Metodistas e Católicos vão partilhar a oração e a festa, em espírito ecuménico. Esta iniciativa, que há anos se repete, vai servir, também, para cristãos de várias denominações se habituarem a cooperar, no dia-a-dia. Se houver por aí alguém a pensar que o ecumenismo se resume à "morte" das diversas Igrejas cristãs, pela simples integração de todas elas na Igreja Católica, desiluda-se. O caminho do ecumenismo, a meu ver, levará apenas, no respeito pela identidade própria de cada Igreja, à oração, ao diálogo, ao estudo, à participação em múltiplas tarefas sociais e culturais de todos, de mãos dadas e de coração aberto, como irmãos que são, porque filhos do mesmo Pai.
Claro que é bom aproveitar a "Semana de Oração Pela Unidade dos Cristãos", para ao menos se razar em conjunto. Para já, e conforme o hábito, uma vez por ano. Mas que seria interessante e muito bom que iniciativas como esta se repetissem mais vezes, durante todo o ano, lá isso seria.
F.M.

ABBÉ PIERRE NÃO MORREU

::
UM GIGANTE
DA MISERICÓRDIA
::
A comunicação social anunciou a morte e o funeral de Abbé Pierre, o padre francês que dedicou a sua vida aos sem-abrigo. Morreu aos 94 anos, depois de muitas lutas em favor dos feridos da vida. O Presidente da França, Jacques Chirac, ao referir-se ao seu compatriota falecido, disse que o seu país ficava de luto. Morreu um "gigante da misericórdia", disse o arcebispo de Bruxelas, cardeal Godfried Danneels. Também o Cardeal Roger Etchegaray, presidente emérito do Conselho Pontifício Justiça e Paz, prestou a sua homenagem ao Abbé Pierre, destacando que ele “nunca teve medo de combater”. “A morte do Abbé Pierre toca pessoalmente os franceses, mas também toda a humanidade, por uma razão simples: nunca se cansou de combater, declarando guerra à miséria e desejando que fossem servidos em primeiro lugar os mais sofredores”, disse. Como profeta do nosso tempo nunca se cansou de clamar a urgência de a humanidade inventar os meios para a conquista do seu futuro, sem marginalizados e sem perseguidos. A sua morte, para mim, será mais uma oportunidade para o reler e para continuar a cultivar o sentido de uma vida plena, pela positiva. Dei comigo, hoje de manhã, a reler passagens de dois livros seus - TESTAMENTO e OBRIGADO SENHOR - , ao jeito de quem sente ser sua obrigação homenageá-lo. O fundador da comunidade “Companheiros de Emaús”, para apoio e integração dos sem-abrigo, afinal não morreu. O seu exemplo de fé, longe das comodidades próprias dos bem instalados na vida, vai continuar nas sociedades cristãs, tão cheias de gente esquecida. Diz Abbé Pierre, para quem o quiser ouvir, em o TESTAMENTO: “O homem de hoje é colossal pela enormidade das responsabilidades que pesam sobre ele e minúsculo perante a imensidão das tarefas que em toda a parte o chamam. Mas não podemos, a pretexto de que nos é impossível fazer tudo num dia, não fazer coisa nenhuma! Conservemos no coração a impaciência de fazer. E a indignação na acção.”
:
Fernando Martins

UM ARTIGO DE ANTÓNIO REGO

ONDE ESTÁ
O INIMIGO PRINCIPAL?
::
Quem chegasse de fora e seguisse os nossos Media, pensaria que nos encontramos em estado de alerta para qualquer coisa. Cá por dentro percebemos que se vive um momento de debate sobre o aborto e se prepara um referendo. Na nossa vida democrática já vimos e ouvimos muitos discursos dramatizados nas proximidades da votação. Temos presente a imagem de políticos e partidos que se apresentaram às urnas como inquestionáveis ganhadores e, no dia seguinte às eleições, tanto vencidos como vencedores reconheceram a teatralidade dos comícios como encenação hiperbólica de quem dramatiza, tendo presente a distância e o desconto entre o discurso inflamado e a realidade. Os políticos já se conhecem no campo de luta e em seguida na partilha do croquete diplomático e de encenação civilizada. Caminhamos nessa direcção. Os argumentos de um e outro lado - sim e não ao aborto - ganham o ponto de inflamação duma normal campanha política com o empolgamento das razões dum e doutro lado a ultrapassarem o somatório técnico de argumentos para se votar no dia exacto numa ou noutra proposta. Mas desta vez não há muitos partidos para eleger. Nem muitas opções para seleccionar. Há o sim e o não ao aborto. Por muito que se diga, em argumentos científicos, técnicos, sentimentais ou morais, coloca-se em jogo abrir à sociedade a lógica de praticar o aborto como acto individual apoiado pelo colectivo, ou como atitude colectiva de recusa ao aborto no respeito pelo drama que cada casal (é disso que se trata) possa viver na escolha que faz sobre o ser que gerou. Para quem defende o aborto, o inimigo é uma pessoa em formação. A gestação, nascimento e evolução são o obstáculo que, segundo os que defendem o aborto, legitima a suspensão violenta do seu crescimento e chegada à luz na vida. Aqui está o cerne do sim ou do não. O resto - aparentes tolerâncias, compaixões, apoios e gestos liberais para quem expulsa do caminho da vida um ser humano - são aconchegos de linguagem para a via mais fácil de resolver o grave problema da vida com um gesto apressado de morte. Aqui esbarra a consciência de qualquer ser humano - ateu, amoral, de ética estreita ou larga, de humanidade escrupulosa ou permissiva. Está escrito no ser, não legislado por qualquer moral de circunstância. Não há muito por onde fugir.

domingo, 21 de janeiro de 2007

IMAGENS DA RIA

Ria de Aveiro ::
APROVEITANDO O CALORZINHO
::
Ontem, dei uma voltinha para ver a Ria, numa zona em que até parece que ela está a dormir. Com a maré a rebentar pelas costuras, as águas estavam mansas, serenas, como que a convidarem-nos a descansar também. Sinto que cada dia é sempre diferente de outro dia. Assim a Ria. Todos os dias, e dentro de cada dia, ela oferece-nos cambiantes inesquecíveis. Ora calma, como ontem à tarde, ora mais agitada, inquieta, como que irritada, tantas vezes. Não sei porquê! Talvez aborrecida com os ataques que lhe fazem ou com a indiferença com que a olham. Enfim... Ela, como cachopa bonita, gosta que a apreciem... Pois aqui proponho, neste domingo um pouco cinzento, por enquanto, como sugestão, uma visita à nossa Ria, de encantos raros...
Na foto, vê-se ao longe, embora de forma pouco nítida, a ilha de Sama, que há décadas dava abrigo à Quinta do Rebocho, onde se cultivava um pouco de tudo. Hoje está tudo abandonado, o que é pena. Com gente de imaginação, aquele espaço não poderia acolher, agora, uma estância turística? F.M.

TECENDO A VIDA UMAS COISITAS – 6

A CRUZADA DAS CRIANÇAS
Caríssimo/a: Só de pensar neste tema, me junto a Augusto Gil a dizer-chorar-rezar:
… Mas as crianças, Senhor, Porque lhes dais tanta dor, Porque padecem assim?
E os adjectivos de pessoa bem instalada na vida não se fazem esperar: incrível, horroroso; inacreditável, horrendo; inimaginável, horripilante… De facto, nunca ouvira qualquer referência e fiquei assim a olhar para as letras como se de um mar de sangue se tratasse, o qual submergia e fazia esquecer a “matança dos Inocentes” de Herodes. Abri o livro “365 Things to Know”, de Clifford Parker, da 12.a impressão, de 1981, na página 18 e li:
“Between 1100 and 1300 the Christians rulers of Europe organised several expeditions, or crusades, to Palestine with the object of recovering the Holy Places from the Saracens. In 1212 happened the strangest and most tragic crusade of them all: the Children’s Crusade. A twelve-year-old shepherd boy named Stephen went to the King of France with a letter which he said came from Christ, and asked him to start a crusade. The King would not, so Stephen announced that he would organise a crusade of children, and that the sea would miraculously dry up to allow them to walk to the Holy Land. Stephen set off and soon collected thirty thousand children. Many of them died from hunger and thirst on the march through France to the sea – a hot summer that year had brought drought to the land. When the survivors reached Marseilles, the port on the Mediterranean, they found that the sea would not dry up to let them cross. Two rascally merchants took them aboard seven ships, promising to take them to Palestine, but their real intention was to sell them into slavery. Two of the ships were wrecked in a storm. The rest reached Algeria, where the children were duly sold. Of the thirty thousand children who set off, only one ever got back to France, and that was after eighteen years of slavery. At the same time as the French Children’s Crusade got under way, another one was started in Germany by a boy called Nicolas. Twenty thousand children set off on this: only one in ten finally returned home.”
Certamente que muitos já conheceriam este facto, mas para quem como eu o ouve pela primeira vez, desenha um mundo de interrogações; à partida, a dúvida: será verdade? Enciclopédia Britânica na mão e no 6º volume, na página 786 lá está: “…the Children’s crusade of 1212…A shepherd boy named Stephen had appeared in France… In Germany a child from Cologne, named Nicolas …” Neste Domingo, apetece-me chamar para a minha beira o Espírito Santo para ter uma conversa muito séria com Ele ou, pelo menos, sussurrar:
- Divino ESPIRITO SANTO, AMOR do PAI e do FILHO, Soprai, soprai, soprai, Varrei, varrei, varrei, Arrancai o nosso coração de pedra E trocai-o por um coração de carne, Instaurai o vosso REINO, REINO de PAZ, de AMOR, De JUSTICA, PERDÃO e MISERICÓRDIA… E “as crianças, SENHOR, Porque lhes dais tanta dor, Porque padecem assim?”
Manuel

UM ARTIGO DE ANSELMO BORGES, NO DN

REFERENDO SOBRE O ABORTO
::
Numa questão tão delicada, com a vida e a morte em jogo, não se pretende que haja vencedores nem vencidos, mas um diálogo argumentado, para lá da paixão e mesmo da simples compaixão. Ficam alguns pontos para reflectir.
:
1. O aborto é objectivamente um mal moral grave. Aliás, ninguém é a favor do aborto em si, pois é sempre um drama.
2. A vida é um bem fundamental, mas não é um bem absoluto e incondicionado. Se o fosse, como justificar, por exemplo, o martírio voluntário e a morte em legítima defesa?
3. Para o aparecimento de um novo ser humano, não há "o instante" da fecundação, que é processual e demora várias horas.
A gestação é um processo contínuo até ao nascimento. Há, no entanto, alguns "marcos" que não devem ser ignorados. É precisamente o seu conhecimento que leva à distinção entre vida, vida humana e pessoa humana. O blastocisto, por exemplo, é humano, vida e vida humana, mas não um indivíduo humano e, muito menos, uma pessoa humana.
Se entre a fecundação e o início da nidação (sete dias), pode haver a possibilidade de gémeos monozigóticos (verdadeiros), é porque não temos ainda um indivíduo constituído.Antes da décima semana, não havendo ainda actividade neuronal, não é claro que o processo de constituição de um novo ser humano esteja concluído.
De qualquer modo, não se pode chamar homicídio, sem mais, à interrupção da gravidez levada a cabo nesse período.
:
Leia mais no DN

sexta-feira, 19 de janeiro de 2007

UM POEMA DE EUGÉNIO DE ANDRADE

O SAL DA LÍNGUA
:: Escuta, escuta: tenho ainda uma coisa a dizer. Não é importante, eu sei, não vai salvar o mundo, não mudará a vida de ninguém – mas quem é hoje capaz de salvar o mundo ou apenas mudar o sentido da vida de alguém? Escuta-me, não te demoro. É coisa pouca, como chuvinha que vem vindo devagar. São três, quatro palavras, pouco mais. Palavras que te quero confiar. Para que não se extinga o seu lume, o seu lume breve. Palavras que muito amei, que talvez ame ainda. Elas são a casa, o sal da língua.

In "O Sal da Língua"

::

NOTA: Aqui fica um poema de Eugénio de Andrade. Para além do mais, ele serve para evocar o seu nascimento, que aconteceu a19 de Janeiro de 1923, em Póvoa de Atalaia.

CITAÇÃO

"Não queiras saber tudo.
Deixa um espaço livre para te saberes a ti"
Vergílio Ferreira
:
Fonte: Citador

TRÊS EXPOSIÇÕES NA UA

Para ver até Fevereiro
EXPOSIÇÕES FOTOGRÁFICAS
ABREM HOJE
AO PÚBLICO NA UA
::
Esta Sexta-feira, 19 de Janeiro, abrem ao público três exposições. Uma mostra fotográfica, que assinala os vinte anos de integração na União Europeia de Portugal e Espanha, e duas exposições de dois alunos do Mestrado em Criação Artística e Contemporânea. Visite-as na Reitoria e na Livraria da UA até Fevereiro.
:
Leia mais em UA

MOINHO DO CONDE

Moinho do Conde (Pai ou filho?)
::
MOINHO DO CONDE
NA MARINHA VELHA
::
Ontem referi, no texto sobre o desastre que ocorreu na Ponte do Forte, o Moinho do Conde, que existiu na Marinha Velha, onde aproveitava os ventos que vinham da Ria e do Mar. Ali se moíam os cereais que se cultivavam na Gafanha da Nazaré, nomeadamente milho, centeio, cevada, aveia e algum trigo. O milho levava de vencida todos os outros por estas bandas.
Recordo que os lavradores iam lá entregar os cereais, pagando com farinha. Não havia sempre utilização de dinheiro, nessa época. Mesmo havendo o moinho do Conde, não faltavam moleiros que vinham, segundo recordo, dos lados de Salreu e freguesias vizinhas. O Padre Resende diz, na sua "Monografia da Gafanha", que outrora os moleiros eram de Videira (Mira), Boco e Lavandeira, e que anunciavam a sua presença aos fregueses, "percorrendo o lugar a tocar o tradicional búzio".
Seja como for, a Gafanha da Nazaré também teve, na minha meninice, o seu moinho, em terra que hoje está inundada pelo Canal de Mira, concretamente na zona do Porto de Pesca e seus acessos.
Não sei se a foto mostra o moinho mais antigo, o tal Moinho do Conde, ou um outro, de seu filho, mais integrado na povoação e não longe do primeiro. Caso para descobrir, por quem tem boa memória visual.
F.M.