quarta-feira, 31 de julho de 2019

João de Barros - ALEGRIA

Para fechar o mês de Julho



Alegria! Alegria!
Ó céu do meu país
Onde as nuvens até são quase luminosas;
Ó sol de Maio a rir nos canteiros de rosas,
Ó sol alegre, ó sol vibrante, ó sol feliz,
Para quem o Inverno é um momento apenas;
Sol de ingénuas manhãs e de tardes serenas,
Ó sol quente de Julho, ó sol das romarias
Queimando e endoidecendo as multidões sadias;
Sol candente do Algarve; ó sol doce do Minho,
Florindo amendoais, ou a espumar no vinho;
Sol das searas de oiro e dos vergéis de Outono
Palpitantes de cor como um largo poente;
Sol que, ao dormir a terra o seu fecundo sono,
Lhe dás sonhos de luz, voluptuosamente;
Sol das eiras de milho e de roupa a corar,
Sol dos verdes pinhais e das praias trigueiras,
Ó sol moreno e forte a resplender no mar,
Tisnando as carnações mais as velas ligeiras;
Ó sol moreno, ó sol alegre, ó sol feliz,
Sendo ainda clarão na hora da agonia,
– Canta a glória da luz, canta a glória do dia,
Em todo o meu país!

João de Barros
In “Vida Vitoriosa”

terça-feira, 30 de julho de 2019

Adversidade e Prosperidade


"A adversidade restitui aos homens 
todas as virtudes que a prosperidade lhes tira"

Eugéne Delacroix 

(1798 -1863)

Políticos sem selo de garantia


Cada vez que abro o PC (não tem nada de política), fico incomodado. Há sempre novas das já velhas estórias da corrupção que nos últimos anos enxameiam a comunicação social. Se calhar foi sempre assim desde tempos imemoriais, só que não havia jornalistas de investigação e corajosos com capacidade para revelar verdades que escapam à maioria dos ouvintes, telespectadores e leitores. Hoje está tudo à mão de semear. Mas será tudo assim? Não haverá políticos honestos, transparentes, incorruptíveis e muito menos corruptores? Decerto que há… Mas como descobri-los? 
Como é possível que gente em cargos públicos ou fora deles não admite que a vigarice e a corrupção só vivem enquanto não forem descobertas? Não sabem que há subalternos em gabinetes ministeriais e noutras áreas capazes de denúncias quando se veem confrontados com compadrios e negócios fraudulentos dos seus superiores?
Com tudo isto que se tem passado e é publicitado, como havemos (nós, os eleitores) de proceder nas próximas eleições? Quais serão os parâmetros que teremos de ter em conta para acreditar nos que terão ou passarão a ter as chaves da governança? O problema é complicado porque teremos realmente de escolher. Mas como, se ninguém traz na lapela do casaco qualquer selo de garantia? 

Fernando Martins 

segunda-feira, 29 de julho de 2019

Festival do Bacalhau está a chegar


O Festival do Bacalhau está mesmo a chegar. No dia 7 de Agosto, vamos ter a abertura de uma festa que se prolonga até 11 do mesmo mês. Estando garantido que o Rei vai ser o fiel amigo, com as suas múltiplas formas de se apresentar nas mesas para servir de repasto a todos os gostos, a verdade é que a animação, multifacetada, atrairá também  milhares de pessoas. Festa rija, portanto. 
Ontem passei por lá e pude confirmar que as tendas já estão a ser erguidas para instituições do concelho mostrarem à saciedade as suas habilidades, sabores e saberes, tendo por base, e sempre, o bacalhau que na nossa terra era tratado, nas secas, segunda a tradição de séculos. 
Como está garantido, os espetáculos para todas as idades e sensibilidades não faltarão.
Como a entrada é livre, estamos todos convidados. 

F.M. 

domingo, 28 de julho de 2019

Bento Domingues - Meditar em qualquer lugar



"Somos nós, que andamos distraídos e muito enganados acerca do sentido da vida, que precisamos, com insistência, de rezar pela nossa conversão"

1. Ao chegar esta altura do ano, várias pessoas, na linha destas crónicas, pediam-me sugestões de leitura para férias. Não esperava muito das minhas indicações. Quem está habituado a ler ao longo do ano não precisa de recomendações. Quem, por razões profissionais, passa o ano a fazer leituras obrigatórias julga que, nas férias, poderá recuperar outro género de obras sempre adiadas. Para quem não adquiriu a paixão dos livros, não vai ser nas férias que a vai ganhar.
Observo que, nas viagens de comboio e de metro, as mãos não estão ocupadas com livros e raramente com jornais. O metro até abandonou a experiência do jornal gratuito. Sei que esta observação é de um velho. Desconhece as múltiplas aplicações culturais da revolução tecnológica dos meios comunicação: um pequeno objecto pode ser usado para acesso à Internet, visualização de fotos, vídeos, leitura de livros, jornais, revistas e ainda com jogos para entretenimento.
Dizem-me, por isso, que os hábitos de leitura, não só não se perderam como até se intensificaram e aumentaram os “escritores”. As mãos estão sempre ocupadas a receber e a enviar mensagens. A Internet e as suas redes possibilitam contacto permanente e as últimas informações, mas também o acesso a bibliotecas inteiras.
Os jornais em papel estão a desaparecer e a serem substituídos por jornais online. Já existem padres a rezar o breviário e a celebrar a missa pelo telemóvel, mais ou menos sofisticado.

Anselmo Borges - Marta e Maria, Eco e Narciso

Aldeia de Betânia - Jerusalém 

1. É um passo extraordinário do Evangelho segundo São Lucas.
Numa aldeia a caminho de Jerusalém, Betânia, Marta, a dona da casa, convidou Jesus, e, claro, querendo receber bem, como é próprio de uma dona de casa que convida um hóspede ilustre, afadigava-se a trabalhar. Entretanto, a sua irmã, Maria, sentada aos pés de Jesus, na posição própria do discípulo que escuta um rabi, um mestre, pôs-se a ouvir a palavra d'Ele. O trabalho era tanto que Marta veio ao encontro de Jesus e, compreensivelmente, quase em termos de repreensão, atirou-lhe: "Senhor, não te importas que a minha irmã me tenha deixado sozinha a servir? Diz-lhe que venha ajudar-me." Jesus respondeu: "Marta, Marta, andas inquieta e agitada com muita coisa, quando uma só é necessária! Na verdade, Maria escolheu a melhor parte, que lhe não será tirada."

2. Ao longo dos tempos, sobre este texto sucederam-se os comentários. Que Marta representa a acção e Maria a contemplação. Mestre Eckardt, paradoxalmente, chamou a atenção para o facto de a verdadeira mística ser, afinal, Marta, no contexto do que se chamou "a mística de olhos abertos", dirigida à acção a favor dos outros. A contemplação sem acção, sem compaixão, pode não passar de pura ilusão. De qualquer modo, é essencial sublinhar o que raramente ou mesmo nunca se diz: Jesus está a afirmar que as mulheres também podem e devem ser discípulas. Não é por acaso que Maria está precisamente na posição do discípulo: aos pés de Jesus, escutando a sua palavra. Contradizendo o que estava determinado, Jesus teve discípulos e discípulas; as mulheres não podem estar confinadas ao serviço da casa.

3. Numa leitura abrangente e essencial, o que o texto propugna é uma Igreja das duas irmãs e a vida de todos, de cada um e de cada uma, tem de ser a sínteses das duas irmãs. Também na política.

Concretizando.

sábado, 27 de julho de 2019

Um desafio à imaginação de quem passa



Confesso que gosto de tudo o que possa chamar a atenção de quem passa. Aprecio monumentos, estátuas cujas legendas leio para saber do que se trata ou quem se pretende homenagear, mas também gosto de ver peças decorativas, de sabor moderno ou nem por isso. 
Perto da minha morada na Figueira da Foz, ao lado da Av. Dr. Joaquim de Carvalho, tenho visto, desde há muito, um paralelepípedo sem qualquer palavra ou frase que nos diga do que se trata. Está perto de um bloco antigo de apartamentos, num relvado a precisar de rega. Sem mais nada. 
Aparentemente, trata-se de um coluna assente numa base, sem cola ou cimento que garanta a posição, encimada por restos de uma peça metálica, talvez com anterior ligação a foco luminoso. A verdade é que a peça decorativa lá está como sinal de alguma utilidade, chamando a atenção dos transeuntes. Ou foi ali colocada ou deixada como desafio à imaginação de quem passa? Talvez seja isso.

Há dias assim...



LIBERDADE

Ai que prazer
Não cumprir um dever,
Ter um livro para ler
E não fazer!
Ler é maçada,
Estudar é nada.
Sol doira
Sem literatura
O rio corre, bem ou mal,
Sem edição original.
E a brisa, essa,
De tão naturalmente matinal,
Como o tempo não tem pressa...

Livros são papéis pintados com tinta.
Estudar é uma coisa em que está indistinta
A distinção entre nada e coisa nenhuma.

Quanto é melhor, quanto há bruma,
Esperar por D. Sebastião,
Quer venha ou não!

Grande é a poesia, a bondade e as danças...
Mas o melhor do mundo são as crianças,

Flores, música, o luar, e o sol, que peca
Só quando, em vez de criar, seca.

Mais que isto
É Jesus Cristo,
Que não sabia nada de finanças
Nem consta que tivesse biblioteca...


Fernando Pessoa

sexta-feira, 26 de julho de 2019

Barra de Aveiro - Petroleiros de partida...



A  Barra de Aveiro proporciona-nos momentos agradáveis a cada instante. A cenas de embarcações num vaivém constante de entradas e saídas convidam-nos a olhar e a confirmar quanto é fundamental um porto multifacetado (pesca costeira e longínqua, recreio, industrial e comercial) para a economia local, regional e nacional. Esta imagem, por exemplo, diz-nos muito sobre a mais-valia que representa o Porto de Aveiro nas nossas vidas.

Georgino Rocha - Jesus ensina-nos a rezar



A resposta de Jesus abre novas dimensões ao pedido que o seu discípulo lhe faz para ensinar o grupo a rezar. São dimensões familiares que manifestam o ser de Deus, na sua relação connosco, que o fazem presente nas entranhas filiais de cada humano, que o definem e tornam reconhecido como a fonte de vida comum que gera “um nós” inconfundível e original. Constituem, por isso, a verdade que nos identifica e consolida na existência e a realidade performativa que nos impele a viver, cada vez mais, de acordo com a matriz do nosso ser humano.
O pedido do discípulo surge após a oração de Jesus. Lc 11, 1-13. Que haveria de especial, neste gesto de Jesus, para ele se sentir tão desejoso e impressionado? É certo que os mestres ensinavam os discípulos a rezar, transmitindo-lhes o resumo da mensagem que pretendiam difundir. Jesus praticava a oração, com normalidade, no decorrer do dia e das festas, sozinho e em família, com o grupo de acompanhantes, em lugares silenciosos, nos espaços públicos, na sinagoga, no templo. O grupo sabia-o e podia testemunhá-lo.
A novidade está, sem dúvida, na relação filial que manifesta ao dirigir-se a Deus como Abba, Papá querido, e consequentemente em “reconfigurar” o rosto de Deus no coração humano, em condensar o seu projecto de salvação em preces e atitudes vividas por ele e transmitidas aos discípulos, seus fiéis seguidores.
O desejo expresso pelo discípulo desvenda o melhor do ser humano: ser chamado a conhecer as suas capacidades e limitações, a ultrapassar-se a si mesmo – a sua vocação é Deus, a plenitude que Jesus nos revela -, a crescer na relação solidária, fruto da irmandade comum, a cuidar e apreciar tudo o que é humano como dom recebido a transmitir.

quinta-feira, 25 de julho de 2019

Figueira da Foz à noitinha - Edifícios e Forte



O Casino Oceano foi inaugurado em 3 de Agosto de 1898, para servir de café-concerto. Trata-se de um belo edifício representativo da "belle époque". No auge da sua vida, apresentava-se ricamente mobilado e decorado. O exterior é digno de ser apreciado.
Castelo Engenheiro Silva, antigo edifício do Turismo e Casa das Conchas.  Referência do último quartel do século XIX. Voltado para o mar, foi restaurado, apresentando-se, presentemente, com a dignidade necessária, merecendo a admiração de quem passa.






O Forte de Santa Catarina começou a ser edificado nos finais do século XVI para defesa da entrada do Mondego. Durante a primeira invasão napoleónica, foi ocupado pelas tropas de Junot, mas em 27 de Julho de 1808, um exército popular, armado de foices e lanças, comandado pelo académico Bernardo Zagalo, dominou o militares franceses ali aquartelados.

Mandela - A felicidade humana


"Estou mais do que nunca influenciado pela convicção 
de que a igualdade social é a única base da felicidade humana"

Nelson Mandela (1918-2013), Nobel da Paz


NOTA: Li no PÚBLICO

quarta-feira, 24 de julho de 2019

Praia da Figueira à noitinha







Hoje, à noitinha, com a neblina a dar sinais de si, ainda foi possível registar alguns apontamentos que são marcas indeléveis de vida na Figueira da Foz. O Relógio que deu nome à praia está a perder terreno como pode ser visto. Outro valores mais altos sobressaem na paisagem. Sinais dos tempos. O mar está ali com torres de sinais ou coisa parecida. O paredão desafiou o oceano por decisão dos homens, mantendo-se tranquilo. E o porto exibiu a sua beleza com mastros e mastaréus, mais cabos que se cruzam e entrecruzam. 

terça-feira, 23 de julho de 2019

Férias - Da janela da minha sala

Da janela da minha sala

Só noite fechada é que olhei a cidade onde me instalei para uns dias de férias, não de trabalhos obrigatórios mas de rotinas. A máquina registou por mim um sinal do ambiente que anseio há tempos: Silêncio, ausência do trivial, perspetiva de abertura a novas formas de estar no meu tempo, que é bem diferente do comum dos mortais que gostam da agitação. 
Na hora da partida, peguei num livro da Agustina para uma releitura: “Os meninos de ouro”. Foi o que veio à mão. Podia ser outro, mas foi este o que mais me desafiou. Foi desafio que colhi da Biografia de Agustina Bessa-Luís, escrita por Isabel Rio Novo, que assumi. Descobrir, nas personagens dos seus livros, figuras, factos, temperamentos, paisagens e vidas que deram vida aos seus romances. 
Entretanto, outra biografa da renomada e multifacetada escritora estará na forja, da autoria do historiador Rui Ramos. Será interessante, para mim, apreciar o que cada autor gostou de nos transmitir. A primeira biografia não foi autorizada pela família; a segunda foi encomendada pela família, muito antes de surgir nas livrarias o trabalho de Isabel Rio Novo. 
Por aqui, pela Figueira da Foz, nesta época balnear, já não se respira o ambiente cosmopolita doutras eras. Por exemplo, na minha ótica, há 20 anos, eu sentia um certo ar que a diferenciava das praias do centro, as que mais conhecia, com marcas palpáveis nos palacetes que têm resistido ao sol escaldante do verão e ao frio húmido e ventoso das outras estações. Mas ainda ao abandono. Mas disso direi algumas coisas simples do que vier a encontrar quando deambular pela cidade e arredores.
Boas férias para todos.

Fernando Martins 

domingo, 21 de julho de 2019

Bento Domingues - A fé cristã num colégio católico

Colégio (rede global)

"A procura da excelência no ensino 
tem de ser o cuidado de todos, 
seja qual for a sua orientação"


1. Neste texto, não pretendo abordar as questões gerais do ensino, em Portugal. Não é da minha competência. Pediram-me para tratar do que exige a fé cristã de um Colégio Católico.
É suposto estes colégios terem alguma referência ao Secretariado Nacional da Educação Cristã. Isto não impede que as orientações de cada instituição, com as suas tradições e práticas educativas, possam ser bastante diferentes.
As escolas, segundo os habituais rankings, são classificadas, bem ou mal, pelos resultados académicos. Nunca dei conta que a Religião contasse para esse efeito. Falo de religião em sentido genérico sem, para já, apreciar as tendências dentro deste fenómeno social que, no Ocidente e nomeadamente em Portugal, é cada vez mais investigada pela Sociologia[1].
A Igreja Católica, sobretudo em alguns países do Ocidente, vê-se confrontada com a declaração: “espiritual sim, religioso não”. Uma sondagem do ano passado, na Alemanha, referente ao ensino religioso e ético, dava os seguintes resultados: 52% acredita em Deus, mas só 22% se declara religioso. “Crentes” são o dobro. O facto de haver pessoas que se definem “espirituais” e não “religiosas” ainda não é um fenómeno de massas. É uma minoria, entre os 6 e 13%, mas é uma tendência que se vai afirmando sobretudo entre os jovens.
É preciso ter em conta que, quando, no Ocidente, se fala de religião, a maior parte das pessoas pensa no Cristianismo, nas grandes Igrejas com os seus dogmas e os seus ritos. A distinção entre espiritual e religioso exprime a tentativa de preferir formas de religiosidade que não têm uma conotação eclesial. As normas respeitantes à fé, sentidas como obrigatórias, contam apenas para um número cada vez menor de pessoas. Neste contexto, a expressão mais usada é a de mercado ou mosaico das religiões, seja qual for a sua origem[2].
A Religião é considerada tão privada – cada um tem a sua ou não tem nenhuma – que, mesmo nos colégios católicos, não conta para os seus rankings. Nestes existe, no entanto, uma disciplina, com carga horária, chamada Educação Moral e Religiosa Católica.

Anselmo Borges - Decálogo para os núncios

Papa com Núncios (Foto do Vaticano)

1. A Igreja tem dentro dela, inevitavelmente, uma tensão, que a conduz a um paradoxo. Esta tensão e este paradoxo foram descritos de modo penetrante, preciso e límpido pelo sociólogo Olivier Robineau, nestes termos: “A Igreja Católica é uma junção paradoxal de dois elementos opostos por natureza: uma convicção — o descentramento segundo o amor — e um chefe supremo dirigindo uma instituição hierárquica e centralizada segundo um direito unificador, o direito canónico. De um lado, a crença no invisível Deus-Amor; do outro, um aparelho político e jurídico à procura de visibilidade. O Deus do descentramento dos corações que caminha ao lado de uma máquina dogmática centralizadora. O discurso que enaltece uma alteridade gratuita coexiste com o controlo social das almas da civilização paroquial — de que a confissão é o arquétipo — colocado sob a autoridade do Papa. Numa palavra, a antropologia católica tenta associar os extremos: a graça abundante e o cálculo estratégico. Isso dá lugar tanto a São Francisco de Assis como a Torquemada.” 

2. É com este paradoxo que o Papa Francisco tem de conviver, ao mesmo tempo que tem feito o seu melhor para dar o primado ao Evangelho, ao Deus-Amor, para que a Igreja enquanto instituição — e é inevitável um mínimo de organização institucional — não atraiçoe a Boa Nova de Jesus. Ele é cristão, no sentido mais profundo da palavra: discípulo de Jesus, e quer que todos na Igreja se tornem cristãos, a começar pela hierarquia. 
Assim, tem denunciado as doenças da Cúria, avisa os bispos e cardeais para que não sejam príncipes, anuncia para breve uma nova Constituição para a Cúria, o governo central da Igreja. Também neste contexto, convocou recentemente para o Vaticano os Núncios do mundo inteiro. As nunciaturas, embaixadas da Santa Sé junto dos governos e das Igrejas locais, são uma herança histórica discutível, mas podem ter um papel decisivamente positivo no mundo para estabelecer pontes a favor da justiça, do desenvolvimento, da paz.

sábado, 20 de julho de 2019

Aveiro - Parque Infante D. Pedro






Conheço o Parque Infante D. Pedro desde a meninice. Mas foi na adolescência que comecei a passear por lá com mais regularidade, para apreciar recantos cuidados, lago habitado por cisnes e arvoredo onde o chilreio da passarada me encantava. Toda a natureza, mesmo na sua rudeza, nos encanta e nos desafia. Nos intervalos das aulas ou nos 'feriados', era obrigatório andar por ali a passar o tempo. Já lá voltei imensas vezes, mas há dias a Lita lembrou-me, com certa  insistência: Temos de ir passear ao parque; tenho saudades. Eu prometi. Só falta agendar a visita.

sexta-feira, 19 de julho de 2019

Teresa Machado é uma referência para todos nós

Homenagem a Teresa Machado 
na cerimónia da atribuição da bandeira 'Eco-Freguesia'

Presidente da Junta entrega uma lembrança à Teresa
"O Coração Motivado e a Mente Determinada Fizeram-te Campeã. Obrigado Teresa!"

Teresa Machado,  Rosa Mota e Carlos Rocha

Rosa Mota e Teresa
Teresa com o filho e Rosa Mota 
“Insatisfeita, sempre na busca do melhor que é possível ao ser humano”, a Teresa Machado “foi um marco na nossa infância e continua hoje a ser uma referência para todos nós”, afirmou o presidente da Junta de Freguesia da Gafanha da Nazaré, Carlos Rocha, na homenagem que lhe foi prestada, no passado sábado, 13 de julho, integrada na cerimónia que assinalou a atribuição da bandeira 'Eco-Freguesia', pela Associação Bandeira Azul Europa à nossa terra. 
O autarca frisou que a reconhecia atleta reúne qualidades que a alcandoraram a níveis altíssimos nas inúmeras competições em que participou, em Portugal e no Estrangeiro, em provas nacionais, europeias e mundiais, marcadas pela simplicidade e humildade. “Nunca quis ser o que não era” e normalmente “soube ouvir o que tinham para lhe dizer”. 
A Teresa, frisa Carlos Rocha, viveu e vive com a consciência das suas capacidades físicas e anímicas: “Onde se mete é para fazer bem e ser”; e “quando os outros desistem, ela teima e vai”, mas “vai a todas”; “sempre na busca do melhor que é possível”, mostrou à saciedade “o espírito de sacrifício e de resiliência”, disse. 
Júlio Cirino, seu treinador praticamente desde os primeiros degraus da escada que Teresa Machado haveria de subir com coragem e determinação, associou-se à homenagem, em missiva que lhe dirigiu dos Açores, onde reside presentemente, traçando, com riqueza de pormenores, o percurso da atleta de que todos os gafanhões, e não só, se orgulham. 
“Nos teus anos de maior fulgor, as adversárias com quem medias forças eram preparadas pelos melhores treinadores da Europa de Leste (que utilizavam nos treinos aparelhagem altamente sofisticada) e eram apoiadas por médicos mundialmente reconhecidos, biomecânicos experientes, exímios fisioterapeutas e psicólogos de renome. E tu? Treinavas na Lota da Gafanha!”, sublinhou o seu treinador, Júlio Cirino, que, queremos frisar, muitos desses treinadores ele próprio superou ao lado da Teresa, dando-lhe dos seus conhecimentos e do apoio anímico de que ela precisava nos momentos da concentração e nas horas decisivas. 
Júlio Cirino evoca os progressos conseguidos em crescendo nos exigentes campeonatos, nacionais, europeus e mundiais, mas ainda em quatro Jogos Olímpicos (Barcelona, Atlanta, Sydney e Atenas), nas áreas do Disco e Peso, em que competiu. Garantido está que foi grande entre os mais conceituados atletas do planeta, depois de treinos e estágios em quadrantes variados. “Quem nos devia ajudar, não o fez. Por isso, quase todos os dias tínhamos de lutar contra alguém ou contra alguma coisa”, salientou. E adiantou: “A tua brilhante carreira, de 24 anos, na qual tive o privilégio de trabalhar todos os dias contigo, à chuva, sob um calor abrasador, ao frio, com as rajadas de vento que na Lota da Gafanha temos com fartura, nunca te desviaram um milímetro que fosse do rumo traçado, treinando de dia e estudando à noite.” 
Presente na cerimónia a também famosa campeã Rosa Mota, convidada de honra, tendo dados ambas os seus testemunhos relacionados com a atribuição da bandeira “Eco-Freguesia” à nossa terra, graças às campanhas e trabalhos desenvolvidos pela Junta de Freguesia nessa área, garantidamente com a envolvência em tantas instituições da Gafanha da Nazaré. 
O testemunho dos nossos ídolos são de enorme importância para a juventude, mas ainda para o povo mais maduro; todos veem neles a capacidade de entrega e a generosidade de se apaixonarem por causas, como foi o caso da Teresa Machado e da Rosa Mota. 

Fernando Martins

Georgino Rocha - Receber Jesus em sua casa

"Portas abertas para acolher quem chega e para sair
à procura dos náufragos de todas as esperanças"

Jesus continua a sua caminhada para Jerusalém e aproveita para fazer os seus ensinamentos, ora por gestos e palavras, ora por atitudes e parábolas. Acompanha-o o grupo dos discípulos. Avança por cidades e aldeias. Escolhe o ritmo da viagem. Atende a quem o procura e lhe manifesta um desejo. Toma, também, a iniciativa de ir ao encontro de quem quer. Para visitar amigos e fazer confidências. Para descansar e revigorar forças. Seja qual for a razão, Jesus faz, de cada passo, uma ocasião para dar a conhecer algum detalhe da sua mensagem.
Lucas – o evangelista médico que narra a visita de Jesus a Marta e a Maria – coloca este episódio após a parábola do bom samaritano e antes da oração do “Pai Nosso”. Lc 10, 38-42. Parece atribuir-lhe uma força emblemática: a situação marginalizada da mulher entre os judeus e a igualdade radical de todos os humanos, a urgência de caminhar para uma sociedade inclusiva que seja espelho do “nosso Pai”, da comum humanidade de todos. E define a correspondente regra de ouro: abrir a porta e saber acolher; escutar e entrar em sintonia, facilitar. Esta regra mantém um valor acrescido na cultura hegemónica de exclusão e abandono, de preconceitos e muros erguidos, que nos envolve. O Papa Francisco, por gestos e palavras não cessa de chamar a atenção para este drama da humanidade, que tem o rosto dos refugiados abandonados, dos migrantes rejeitados, de multidões esfomeadas, de cadáveres a boiar com o ritmo das onda, enquanto não são recolhidos por algum “salva-vidas” de solidariedade.

segunda-feira, 15 de julho de 2019

Teresa Machado foi homenageada pela Junta de Freguesia


A nossa Teresa Machado, a atleta gafanhoa que mais alto chegou, foi homenageada pela Junta de Freguesia da Gafanha da Nazaré, no sábado, 13 de julho. Homenagem justa, a que não pude assistir por desconhecer o ato em boa hora levado a cabo pela autarquia. Tive pena, mas voltarei ao assunto depois de recolher elementos sobre o que  realmente se passou. A admiração que tenho pela Teresa e pelo seu treinador, Júlio Cirino, obriga-me a isso. 
De qualquer forma, aqui lembro já o acontecimento, enquanto recordo uma entrevista que ela teve a gentileza de me conceder há uns 10 anos.

F.M. 

Andanças: Farol do Cabo Mondego



O Farol do Cabo Mondego está localizado no Cabo Mondego, Serra da Boa Viagem, na freguesia de Buarcos, cidade e concelho de Figueira da Foz. Trata-se de uma torre quadrangular branca, com 15 metros de altura. Foi inaugurado em 1858. O nosso Farol da Barra de Aveiro veio depois, em 1893.

Vou ali e já venho!



O pescador esqueceu-se de deixar uma nota. Podia ser assim: Vou ali e já venho!

domingo, 14 de julho de 2019

Bento Domingues - Pluralismo Religioso e Originalidade Cristã





«Esta coexistência pacífica está a ser activada para alargar e aprofundar a qualidade espiritual das religiões e as suas responsabilidades sociais ou é sinal de crescente indiferença?»


1. O panorama dos estudos sobre a religião na sociedade portuguesa continua a enriquecer-se. Segundo um Inquérito recente , o pluralismo religioso, no território português, está a concentrar-se na Área Metropolitana de Lisboa. Nasce a pergunta: este pluralismo é vivido como diálogo que vai alterando e fecundando os comportamentos de cada grupo ou limita-se a garantir que possam coexistir de forma tolerante ou até indiferente?
A liberdade religiosa está legalmente garantida em Portugal. Segundo um Relatório de 2018, não se registaram casos significativos de discriminação por razões religiosas ou abusos de liberdade religiosa que possam ser imputáveis ao Estado ou a outras entidades, nem se perspectivam, num horizonte temporal próximo, tensões sociais, económicas ou políticas que façam prever uma alteração desta situação.
Importa robustecer este clima porque, hoje, tudo é muito frágil. Mas persiste a pergunta: esta coexistência pacífica está a ser activada para alargar e aprofundar a qualidade espiritual das religiões e as suas responsabilidades sociais ou é sinal de crescente indiferença?
Não se pode confundir o diálogo inter-religioso com uma passagem de modelos na qual cada um exibe a sua imagem convencional retocada para ficar bem na fotografia. Sabemos que um confronto é amistoso e crítico quando cada grupo reconhece com verdade: em relação ao passado, nós mudamos muito e vós também.

Anselmo Borges - Confissões do Papa Francisco. 3

Valentina Alazraki entrevista o Papa Francisco

Termino a longa e bela entrevista do Papa Francisco à jornalista Valentina Alazraki, de Noticieros Televisa, México. Temas importantes de hoje: a reforma da Igreja, erros cometidos e a confissão, acusação de heresia, o diálogo com o islão, o desejo de ir à China, quanto tempo ainda de pontificado?

2. 15. Francisco e a reforma da Igreja. A jornalista: “Qual é a coisa mais bonita que julga ter feito?” “O mais bonito para mim é, foi e é sempre estar com as pessoas, que queres que te diga? Eu renasço quando vou à praça (Praça de São Pedro), quando vou a uma paróquia. Às prisões..., estar com as pessoas. Sim, sou Papa, sou bispo, fui cardeal..., isto tudo pode cair, mas, por favor, não me tirem o ser padre, cura.” 
Erros? “Erros há sempre. Confesso-me todos os 15 dias, o que significa que cometo erros.” A jornalista: “E são confissões longas ou curtas?”. Francisco: “A curiosidade feminina!, ‘the human touch’! “Como reagiu a essa de o acusarem de herege?” “Com sentido de humor, filha”. A jornalista: “Não lhe dá muita importância?” Resposta: “Não, não, rezo por eles porque estão equivocados, por vezes, pobre gente, alguns são manipulados. Vi quem eram os que assinavam... Não, a sério, sentido de humor e eu diria, ternura, ternura paternal. Quer dizer, isso não me fere minimamente. A mim o que me fere é a hipocrisia, a mentira.” 
A jornalista: “E com a sua reforma tem a sensação de que estamos...” Resposta: “A reforma não é minha. Foram os cardeais que a pediram. Isto é assim, tal qual. As pessoas têm vontade de reformar. O esquema de corte tem de desaparecer. Foram os cardeais que o pediram. Bem, a maioria, graças a Deus.” A jornalista, referindo o caso de Maciel, fundador da Legião de Cristo, observou que o Papa João Paulo II tinha “obstaculizado essas reformas...”. Resposta: “Por vezes, enganaram João Paulo II.” No caso de Maciel e dos Legionários, “Bento XVI foi corajoso. E João Paulo II também. Quanto a João Paulo II, é preciso entender certas atitudes, porque vinha de um mundo fechado, a cortina de ferro, ainda estava vigente o comunismo lá... E havia uma mentalidade defensiva. Temos que compreender bem, ninguém pode duvidar da santidade desse homem e da sua boa vontade. Foi um grande.” 

Etnográfico preserva tradições numa terra que tem muito para mostrar

Etnográfico canta e encanta no festival

Homenagem a Miguel Almeida
A Gafanha da Nazaré e o concelho de Ílhavo merecem uma visita mais demorada, porque «por aqui há muito que ver”, disse Tiago Lourenço, vereador da autarquia ilhavense, na abertura do XXXVI Festival Nacional de Folclore, que decorreu na Casa Gafanhoa, no sábado, 6 de julho, com a presença de convidados e dos grupos e ranchos que apresentaram as suas danças, cantares e trajes, à noite, no Jardim 31 de Agosto, com organização do Grupo Etnográfico (GEGN). E sugeriu que, numa próxima visita, os convidados viessem com as suas famílias para apreciar o Navio-museu Santo André, o Museu Marítimo de Ílhavo com o aquário do bacalhau, o Farol mais visitado do país, as melhores praias e o Festival do Bacalhau que vai decorrer em agosto. 
Tiago Lourenço frisou a importância do GEGN na preservação de vivências e tradições do nosso povo, “algumas das quais experimentou na casa dos seus avós”, enquanto lembrou Alfredo Ferreira da Silva, fundador do GEGN e seu presidente até recentemente, a quem a nossa terra muito deve em vários setores, sendo este o primeiro festival da nova direção. 
O presidente do Etnográfico, José Manuel Pereira, dirigiu palavras de boas-vindas aos grupos visitantes e referiu que todos “gostaríamos de ter connosco o fundador, Alfredo Ferreira da Silva”, com quem aprendemos muito.

sábado, 13 de julho de 2019

Mais aconchegado pela natureza

Igreja matriz que se vê do meu alpendre
Apesar do ventinho frescote, gosto de me instalar no alpendre voltado para o quintal. Sinto-me muito mais aconchegado pela natureza envolvente, que vai para além dos meus domínios. Olho a torre da igreja matriz que sobressai entre o casario térreo e evoco tantas vivências que moldaram o meu caráter e a forma de ver o mundo com sentido otimista. E nestas recordações, torno presente tanta gente que conheci: vizinhos, gente da lavoura que labutava nas campos ao frio ou à torreira no pino do verão, passantes que me saudavam, amigos que paravam para um dedo de conversa. 
As couves precisam de água, o batatal carece de sulfato, as (poucas) árvores esperam por uma poda a preceito — atiravam os amigos que gostavam de conversar e de dar conselhos. E com todos (e foram tantos!) me relacionei e aprendi. Fotografias deles não as possuo, mas todos moram mesmo na minha alma. 
Um amigo e vizinho disse-me um dia: — O  teu quintal, Manuel Fernando (era assim que me chamava),  está subaproveitado: faltam as laranjeiras e os limoeiros. Se for preciso, eu posso dar uma ajudinha. E assim foi. Mas disso falarei um dia destes. 

F.M.

sexta-feira, 12 de julho de 2019

Georgino Rocha - Vai e faz o mesmo

Papa em Lampedusa

Jesus vai a caminho de Jerusalém e faz do percurso uma escola itinerante que Lucas, o médico narrador, apresenta em episódios sucessivos, cheios de realismo e vida. A leitura de hoje faz-nos ver os figurantes da parábola do samaritano. O assunto é muito sério e existencial: “Mestre que devo fazer para receber a vida eterna?”, pergunta um especialista em leis religiosas. Pergunta que habita sempre o espírito humano e o impele a andar inquieto, a buscar, a querer saber.
Jesus responde com outra pergunta acessível ao interlocutor, mestre em leis. E o amor a Deus e ao próximo surge como o núcleo fundamental do dever humano. É preciso amar concretamente. Não basta um saber intelectual, escrito ou apregoado. É preciso fazer-se próximo do outro em necessidade. Sem mais. Como realça a parábola do samaritano Lc 10, 25-37.
O Papa celebrou o sexto aniversário da visita a Lampedusa, em Roma, e afirma na homilia: “penso nos «últimos» que diariamente clamam ao Senhor, pedindo para ser libertados dos males que os afligem. São os últimos enganados e abandonados a morrer no deserto; são os últimos torturados, abusados e violentados nos campos de detenção; são os últimos que desafiam as ondas dum mar impiedoso; são os últimos deixados em acampamentos de acolhimento (demasiado longo, para ser chamado de temporário). Estes são apenas alguns dos últimos que Jesus nos pede para amar e levantar ... São pessoas; não se trata apenas de questões sociais ou migratórias! «Não se trata apenas de migrantes!», no duplo sentido de que os migrantes são, antes de mais nada, pessoas humanas e que, hoje, são o símbolo de todos os descartados da sociedade globalizada”.

quinta-feira, 11 de julho de 2019

Um oportuno conselho do escritor Joel Neto


O prazer que senti ao ler “A vida no Campo”, vol. I, de Joel Neto, repeti-o agora com a leitura do vol. II. Não foi por acaso que o escritor açoriano recebeu recentemente o Grande Prémio de Literatura Biográfica. 
Hoje quero apenas sublinhar uma recomendação que ele dirigiu aos alunos de uma escola por onde passou, decerto a convite dos professores. Está no antepenúltimo texto do livro. Diz assim: 
“Não desistam de mudar o mundo. E façam planos até ao fim — façam planos até ao último dia da vossa vida e vão continuar a querer acordar vivos no dia seguinte.» 
Belo conselho para cada um de nós... como projeto para ser refletido nas férias que se avizinham ou fora delas.

quarta-feira, 10 de julho de 2019

Um dia diferente com jogos antigos




Estou por aqui com 22º, mas as notícias garantem-me que os 29º vêm a caminho. Um dia de verão em cheio para quem detesta o frio. Saí de casa e instalo-me no quintal, com relva fresquinha à vista. Os cheiros que dela emanam são refrescantes. Já caminhei para saborear a almofada verde, que o meu João Paulo terá de cortar um dia destes. Para já, o neto Dinis pode cair à vontade que não se magoa. 
A passarada emoldura o meu sossego com um chilrear constante. Não há um minuto sequer sem esta companhia inebriante que nos lava o cérebro e anima a alma. 
Levantei-me cedo para receber o verão que sabia quente para este dia. Na minha idade, o frio é um tormento que eu suporto com dificuldade. E porque urge aproveitar a vida, em plenitude, deixei a cama para respirar este dia na tranquilidade de um 10 de julho auspicioso, tanto quanto posso adivinhar. 
É na serenidade dos dias que mais recordo amigos e familiares que se instalaram noutra dimensão. Os seus sorrisos, as conversas sobre tudo e sobre nada, as suas amizades francas, os seus sonhos realizados e por realizar, mas também os que nunca encontraram vias de concretização. 
O presente, contudo, marca os meus dias com a alegria de gente feliz. Ontem houve sardinhada à noite e a tarde foi animada pela Lita, que voltou aos tempos dos jogos da era que desconhecia a Net, os vídeos, os computadores e passatempos dos heróis da juventude atual. O Loto, de tempos muito antigos, e o Vaivém, da década de 70 do século passado, voltaram à mesa e ao relvado, com a Lita a comandar. O Dinis e a Beatriz alinharam, para espanto meu. E durante umas horas, Tablete e PC ficaram de lado. Milagre? Talvez. 

Fernando Martins 

segunda-feira, 8 de julho de 2019

Frei Bento Domingues - O Papa Francisco no Iraque

O Papa Francisco foi convidado para visitar o Iraque

1. Seria ridículo discutir se o Papa Francisco deve ou não ir ao Iraque. Não basta dizer que é um desejo que ele gostaria de realizar já no próximo ano. Os desejos do Papa não costumam ser de ordem turística. O que será que o move?
O mais espantoso é que tenha sido o governo de Bagdad a convidá-lo. O Presidente iraquiano, Barham Saleh, não é católico e, no entanto, numa missiva dirigida ao Papa, declarou que tinha a honra de o convidar para visitar o Iraque, berço da civilização e local do nascimento de Abraão. A visita constituiria uma oportunidade para lembrar ao povo do Iraque e ao mundo que o Papa se deslocaria à terra que deu à humanidade as suas primeiras leis, a rega agrícola e um legado de cooperação entre os povos do mundo de tradições confessionais diversas. Se fosse apenas isto, seria uma viagem de ordem cultural, de memória religiosa e ecuménica. É uma memória extraordinária, que só a ignorância ou a barbárie jihadista podem desejar esquecer e destruir. No entanto, talvez não baste para justificar a deslocação do Papa.
Também não é suficiente dizer que o Papa vai mostrar que também há cristãos árabes. Pensar que os árabes são todos muçulmanos é uma ignorância e que os cristãos do Oriente são apenas os membros das Igrejas ortodoxas.
Como lembra Jean-Marie Mérigoux, O.P., os cristãos dos países árabes são os cristãos dos países da Bíblia: os do Iraque são da terra de Abraão; os do Egipto são do país de Moisés; os da Palestina e de Israel, a chamada “Terra Santa”, são da terra de Jesus. Foi de Antioquia, na Síria, que os apóstolos saíram para fazer discípulos de todas as nações, como diz S. Mateus.

domingo, 7 de julho de 2019

Anselmo Borges - Confissões do Papa Francisco. 2

Papa Francisco e Valentina Alazraki
Dou sequência à longa e bela entrevista do Papa Francisco à jornalista Valentina Alazraki, de Noticieros Televisa, México. Porque, se é verdade que é sempre espontâneo no contacto com os jornalistas, raramente o terá sido tanto. Cordial, tratando a jornalista por “filha”, a quem revela que é “um conservador”, mas que mudou. 

2. 7. Os de fora e os de dentro. A jornalista observa: “Há quem diga que o Papa parece gostar mais dos que estão longe do que dos seus”. Francisco: “É um piropo para mim. É um piropo, pois é o que Jesus fazia, acusavam-no disso. E Jesus diz: ‘Não são os sãos que precisam de médico, mas sim os doentes’. Eu não prefiro os de fora aos de dentro. Cuido dos de dentro, mas dou prioridade aos outros, isso sim.” É como numa família. 
Acrescentou: “Alguns jornalistas acusam-me de que sou demasiado tolerante com a corrupção na Igreja; por outro, se carrego em cima dos corruptos, dizem que ‘lhes carrego demais’. Bonito. Assim, sinto-me pastor. Obrigado.” 

2. 8. E volta aos migrantes e refugiados, observando a jornalista que há quem o acuse de “falar muito mais deste tema do que dos temas, dos valores que antes se dizia serem valores irrenunciáveis do catolicismo como a defesa da vida.” 
Francisco: “Porque é uma prioridade hoje no mundo. Todos os dias recebemos notícias de que o Mediterrâneo é cada vez mais cemitério, para dar um exemplo.” 
Mas reconhece as tremendas dificuldades do problema. “Sobre migrantes, eu digo, em primeiro lugar, que é preciso ter coração para acolher; depois, é preciso acompanhar, promover e integrar. Todo um processo. Aos governantes digo: Vejam até onde podem ir. Nem todos os países podem, sem mais. E para isso é necessário o diálogo e que se ponham de acordo. É preciso integrar isto tudo, não é fácil tratar o problema migrantes, não é fácil.” 
A mesma dificuldade quanto aos repatriados. “Não sei se viu as filmagens clandestinas que há quando os apanham outra vez. Às mulheres e aos miúdos vendem-nos, e os homens são feitos escravos, torturam-nos... Por isso, digo: cuidado também para repatriar com segurança.” 

sábado, 6 de julho de 2019

À espera da partida!


Estamos sempre à espera da partida. E quem nos dera poder sair à aventura e conhecer terras e gentes apenas sonhadas. Mas se não pudermos, fiquemos ao menos com o sonho, ao contemplar os barcos em maré de descanso na marina do Jardim Oudinot.
Bom fim de semana para todos os meus amigos, tanto os que viajam como os que se limitam a imaginar.