quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Efeméride - Nascimento de Egas Moniz

1874-XI-29

«Nasceu em Avanca, no actual concelho de Estarreja e distrito de Aveiro, o Professor Doutor António Caetano de Abreu Freire Egas Moniz, ilustre cientista, pioneiro de descobrimentos médicos, que seria galardoado em 1949 com o Prémio Nobel de Fisiologia e de Medicina (Arquivo, X, pg. 325, e XXI, pgs. 277-282) – J.»

"Calendário Histórico de Aveiro" 
de António Christo e João Gonçalves Gaspar


Quando passo por Avanca, vem-me sempre à memória a personalidade marcante em vários domínios do premiado Nobel da Medicina Egas Moniz, galardão partilhado com outro notável.
Egas Moniz nasceu neste dia e faleceu em 13 de dezembro de 1955, estando sepultado na sua terra-natal, ao lado de sua esposa. No monumento erguido para perpetuar a sua memória, em Avanca, pode ler-se uma legenda expressiva que muito aprecio: “Aqui viu luz nova luz da humanidade”, que sintetiza muitíssimo bem, em meu entender, a alta valia do seu mérito científico, mas ainda da sua envolvência multifacetada noutros domínios, desde a cultura, até à política, passando pela literatura, pela medicina e pelo colecionismo, bem patente na Casa Museu que legou à sua terra e região. Foi um notável conferencista e um apreciado orador.

terça-feira, 28 de novembro de 2017

60 milhões de euros em 2018 para proteger o litoral



Em 2020, haverá garantias de estudos e trabalhos para proteger o litoral português, diz uma reportagem no Diário de Notícias. Esperamos que até lá as dunas do litoral aveirense suportem os ataques por vezes furiosos das ondas. Ficamos a aguardar com esperanças de que  nada de mau aconteça durante os próximos tempos.

«Uma das ações em destaque no grupo das primeiras 140 até 2020 é a que fará o desassoreamento da ria de Aveiro, um projeto que está orçamentado em 23,5 milhões de euros (ver mapa), e cujos inertes - as areias retiradas do fundo da ria - serão utilizados na zona imediatamente a sul, para fazer a tal realimentação sedimentar, numa zona onde a erosão costeira é já uma realidade - 20% da linha de costa baixa e arenosa constituída pelos sistemas de praia/duna já é afetada pela erosão.»

Gaivotas na hora da sesta


Não somos só nós, os humanos, que gostamos da sesta. As gaivotas, como outros animais, também sabem aproveitar os momentos certos para a sesta retemperadora. Ao longe nem tinha a certeza do que via, mas a máquina fotográfica levou-me a descobrir a mancha branca que divisei ao longe, no prolongamento da ilhota que se vê bem da ponta da Barra. Contudo, não compreendi a razão de não terem optado pela ilhota, com terra mais seca e porventura mais própria para o descanso. Mas as gaivotas lá terão as suas razões. Por algum motivo será, mas não houve hipótese de lhes perguntar.

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Publicidade natalícia


A publicidade é uma arte. É a arte por excelência de vender ou de sugerir a compra de bens, tanto os de uso comum ou normal como os destinados a presentes em datas festivas, nomeadamente  o Natal. E há realmente publicidade de artigos para todos os gostos e idades. A publicidade não pode dispensar o nosso cuidado e análise, porque há muita publicidade enganosa, que é crime, mas que circula por aí, à vista de todos, sem merecer qualquer atenção da ASAE ou demais agentes obrigados a evitar a fraude.
Nos últimos dias, qualquer jornal ou revista é portador de autênticas edições publicitárias, com um ou outro texto alusivo à quadra que atravessamos, alguns com certa poesia e referências à ternura e ao bem e belo que o Natal nos traz cada ano. E depois lá vêm as peças de arte, vinhos, relógios, adereços, anéis e pulseiras, canetas de tinta permanente e outras, computadores, hotéis e restaurante, viagens de sonho e nem sei que mais, tudo para gente endinheirada, que a há neste recanto à beira-mar plantado.
Não sou contra os ricos que têm todo o direito de gastar o seu dinheiro como quiserem e onde quiserem, mas tenho pena dos que nesta quadra nem dinheiro têm para uma simples garrafa de espumante, um leitãozito, uma boa posta de bacalhau e uns bilharacos. Ao menos nós, os remediados, saibamos olhar para os que nada têm no dia a dia. A vida é assim...

Fernando Martins

domingo, 26 de novembro de 2017

Bento Domingues — Teologia da libertação ou libertação da teologia? (3)



1. Depois das duas crónicas anteriores, importa responder à pergunta que as motivou e que elas tentaram introduzir: qual foi o impacto da Teologia da Libertação (TdL) em Portugal?
O peruano Gustavo Gutiérrez, considerado o pai da TdL, explicou, muitas vezes, como ela nasceu e se desenvolveu. Para ele, os anos que vão de 1965 a 1968 foram os mais decisivos na experiência dos movimentos populares da América Latina (AL) e na participação dos cristãos nesses movimentos. A TdL tem aí as suas raízes. A célebre Conferência de Medellin (Colômbia, 1968) assumiu uma das tarefas que João XXIII tinha proposto ao Vaticano II: a causa dos pobres. O tema central da conferência acabou por ser reformulado nos seguintes termos: a Igreja do Vaticano II à luz da realidade latino-americana.
Na TdL existem duas intuições centrais e que foram, mesmo cronologicamente, as primeiras: o método teológico e a perspectiva do pobre. O acto primeiro é o compromisso com o processo de libertação; a teologia brota daí como acto segundo, servida pelas ciências humanas e sociais. É a reflexão crítica a partir e sobre a praxis histórica em confronto com a Palavra de Deus. Esta é acolhida na Fé que nos chega através de múltiplas e, por vezes, ambíguas mediações históricas, que importa refazer no dia-a-dia [1].
As lideranças da Igreja da AL fizeram o que deveria ter sido feito em todos os continentes. O Vat. II trabalhou na viragem do papel da Igreja no mundo contemporâneo. Pertencia às Igrejas locais confrontarem-se com a significação dessa viragem. Esta tarefa exigia a realização de mini-Vaticanos II de acordo com a diversidade de povos e culturas, tornando o concílio efectivamente ecuménico.

2. Em Portugal, como mostrou mais tarde o presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, Manuel de Almeida Trindade, o Vaticano II não foi preparado, não foi acompanhado e, por isso, ficou sem pessoas ou grupos que tivessem incorporado esta revolução. Como dizia o cardeal Cerejeira, nós já estávamos muito mais adiantados do que aquilo que era dito, discutido e decidido nessa assembleia conciliar. A tradução dos livros litúrgicos e, na celebração da Eucaristia, o padre ter abandonado a posição de costas para o povo foram ganhos evidentes.
O importante era impedir quaisquer interrogações, discussões, debates. Por outro lado, o regime de censura política era suficiente para preservar o país desse contágio. A inércia dos dirigentes da Igreja portuguesa só podia agradecer.
Não se pode esquecer que a situação do país, a nível interno e internacional, era complicada e agravou-se durante a época conciliar: três frentes de guerra [2], imigração galopante e uma juventude sem perspectivas. São temas já saturados de análises diversas e também não faltam estudos sobre as relações entre a Igreja e o Estado Novo.
O catolicismo tradicional entrou em crise um pouco por toda a parte. Não por causa do concílio, como muitas vezes se diz, mas porque, mesmo a nível do Vaticano, não houve resposta para concretizar as orientações conciliares. Algumas medidas autoritárias, entre elas as referentes à ética matrimonial, aos ministérios ordenados e às mulheres, impediram que o Vat. II realizasse a sua Primavera. O Inverno que se seguiu foi muito longo.
Portugal, além de sofrer o que outras Igrejas sofreram, não estava preparado nem tinha recursos para enfrentar a originalidade das nossas dificuldades. A Acção Católica entrou em crise irreversível e os movimentos que entretanto surgiram não era com o futuro do Vat. II que estavam preocupados.
Com o 25 de Abril, os militantes católicos, cada um com as suas preferências, interessaram-se, sobretudo, pelas dimensões sociais e políticas do país. Não houve, no interior da Igreja, espaços e meios para alimentar a Fé em novo contexto. Os chamados “Vencidos do Catolicismo” e os católicos não praticantes (do culto) passaram a ser uma designação corrente.

3. Falta a resposta à pergunta principal: qual foi o impacto da Teologia da Libertação em Portugal? Uma resposta documentada e exaustiva não cabe nas dimensões desta crónica [3]. É importante esclarecer que a situação que se vivia em Portugal, quando nasceu a TdL na América Latina, era de opressão política e eclesial, como foi referido. Aconteceu, no entanto, um pequeno milagre na teologia não académica. As congregações religiosas (depois também alguns seminários) uniram-se para criar o Instituto Superior de Estudos Teológicos (ISET), no seguimento do que já tinha sido iniciado em Fátima (Sedes Sapientae e ISTA). Teve realizações muito diferentes em diversas cidades do país, mas só trabalhei no de Lisboa. Era uma escola teológica profundamente democrática no seu funcionamento interno, num país de ditadura político-religiosa.
O seu programa foi elaborado para realizar as orientações do Vaticano II. Não era, sobretudo, para explicar os seus documentos. O objectivo era muito mais ambicioso: integrar, na reflexão teológica, não apenas as ciências humanas, mas o pulsar da vida do país em todo o seu devir e complexidade. Assumia as questões da guerra e da paz, as transformações aceleradas no mundo do trabalho e na desertificação rural. Construía uma nova teologia marcada pelos acontecimentos e pelos “sinais dos tempos”, numa tentativa de preparar alunos e professores para discernir o que é que se exigia da Igreja no nosso país em transformação.
Clodovis Boff, ao examinar o que se estava a fazer no ISET, testemunhado no seu boletim, concluiu que, sem o nome, a problemática e o método seguidos eram os praticados na América Latina com o nome de Teologia da Libertação.
O ISET de Lisboa durou de 1967 a 1975. Começou na ditadura e foi encerrado quando a liberdade chegou a Portugal. Uma campanha eclesiástica, acusando esse centro teológico de falta de ortodoxia, serviu para obrigar os seus estudantes a frequentarem a Faculdade de Teologia da Universidade Católica, ainda muito incipiente.
Lembrei esse passado, mas o que me interessa é o futuro reaberto pelo papa Francisco, sonhado e trabalhado por muitos que já não puderam ver esta nova esperança.

Frei Bento Domingues no PÚBLICO

[1] Gustavo Gutiérrez, La fuerza histórica de los pobres, CEP, Lima, 1980
[2] Cf. António Lobo Antunes, Até Que As Pedras Se Tornem Mais Leves Que A Água, D. Quixote, 2017; Isto não é uma crónica, é um vómito de indignação, in Visão (08.06.2017)
[3] Cf. Frei Bento Domingues, O.P., Alguns estilos de prática extra-universitária em Portugal. Breves notas de leitura, in Didaskalia XLVI (2016) II, pp. 91-97; Catarina Silva Nunes, Compromissos incontestados. A auto-representação dos intelectuais católicos portugueses, Paulinas, 2005; Moisés Lemos Martins, Os dominicanos e o ensino da Teologia em Portugal, in A restauração da Província Dominicana em Portugal, Tenacitas 2012, pp. 105-120; Cf. Tb. Teologia da Libertação e prática da Teologia, número especial de Igreja e Missão, n.º 127 (1985)

sábado, 25 de novembro de 2017

“No inverno da vida devemos abraçar com força o verão invencível que levamos na alma”


Aos meus muitos amigos que ontem me felicitaram de variadíssimos modos, com mensagem e palavras bonitas, que muito agradeço, quero dedicar uma reflexão simples, enquanto espero o convívio familiar que o tempo de todos e de cada um adiou para hoje.
Isabel Allende escreveu um livro que ainda não li e que tem por título “Para lá do Inverno”. Na publicidade que lhe é feita, surge uma frase que é um desafio para os mais velhos (uso exatamente a vocábulo velho sem medo nem complexos de qualquer ordem), que diz assim:


“No inverno da vida devemos abraçar com força
o verão invencível que levamos na alma


É isso mesmo. O verão invencível, com o calor humano mais forte que o do sol, com a luminosidade que nos ajuda a ver mais ao longe e com mais nitidez, com o colorido no vestir e no sorrir, com a transparência dos ambientes que consolam a alma, com a ligeireza das nossas andanças  e com o à-vontade que as praias suscitam, torna-nos, realmente,  mais livres, mais abertos aos outros, mais atentos às riquezas naturais que nos cercam e nos permitem conhecer novos mundos, quantas vezes à nossa porta.
Eu quero com esse verão, que habita o meu ser, tornar-me mais simples, mais atento ao espaço global, mais genuíno no pensar e no agir, mais compreensivo, mais ouvinte e menos falador, mais sensível ao bem e ao belo, mas ainda mais disponível para os que enfrentam injustiças gritantes, sofrendo o horror do abandono, do esquecimento e da marginalização.
Um abraço para todos.

Fernando Martins

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

A águia e a galinha — Reflexão no dia do meu aniversário

Uma águia nunca voa só

Há anos, tive o privilégio de me cruzar com Leonardo Boff, um animador da teologia da libertação e um homem de visões largas ao modo da águia que, nas alturas, pode ampliar horizontes do planeta que habitamos. Dissertou, na conferência que proferiu no Porto, sobre ecologia, planeta terra, natureza e Deus, sem ousar sequer tocar, por mais levemente que fosse, na sua situação de padre a quem a cúria romana tentou cortar as asas e a amplitude do olhar e do sonho só possível de quem deseja fugir da limitada visão do terreiro que a galinha habita.
Vem isto a propósito de eu completar hoje 79 anos  e de me abalançar a algumas cogitações próprias de quem olha para trás em busca de algo marcante que tenha moldado, de alguma forma, a minha maneira de ser e de estar no mundo. E daí, o filme da minha existência passou a correr até estacionar num livro de Leonardo Boff – A águia e a galinha - Uma metáfora da condição humana – que me fez pensar. Recomendou-me o autor e conferencista, na hora dos autógrafos: «Fernando: Dê asas à águia que se esconde em você! L. Boff»
Embora nem sempre consiga seguir esse seu conselho, que a vida é feita de imprevistos, alegrias e deceções, procuro sair, no dia a dia, da pachorrenta banalidade da existência, se não pela coragem de viajar, ao menos pela riqueza de sonhar, que aí dificilmente alguém me leva a palma. E nesse sonhar, olho para mais uma passagem do referido livro: «É a hora e a vez da águia. Despertemo-la. Ela está se agitando nas mentes e nos corações de muitos. Não só. Ela anima a história e penetra na própria realidade íntima de cada ser humano. Uma águia nunca voa só. Vive e voa sempre em pares.» E mais adiante: «Cada um hospeda dentro de si uma águia. Sente-se portador de um projeto infinito. Quer romper os limites apertados do seu arranjo existencial. Há movimentos na política, na educação e no processo de mundialização que pretendem reduzir-nos a simples galinhas, confinados aos limites do terreiro. Como vamos dar asas à águia, ganhar altura, integrar também a galinha e sermos heróis de nossa própria saga?»

Anselmo Borges - Lutero: somos mendigos

1 Teria sido possível encontrar um acordo quanto às 95 teses de Lutero, mesmo quanto às que são mais claramente de crítica ao Papa: "Pregam doutrina humana os que dizem que a alma voa do purgatório para o céu, mal o dinheiro cai na caixa." "Porque é que o Papa não esvazia o purgatório, baseado num motivo correcto: um amor santíssimo e a extrema necessidade das almas, em vez de resgatar um número incontável de almas, baseado num motivo bem insignificante: o funesto dinheiro para a construção de uma igreja?" "Porque é que o Papa, que é hoje mais rico do que o mais rico Crasso, não prefere pelo menos construir a Basílica de São Pedro com o seu próprio dinheiro, em vez de fazê-lo com o dos fiéis pobres?" Aliás, ele mandara as teses ao bispo de Mainz e só porque não recebeu resposta é que as tornou públicas. Infelizmente, o próprio papa Leão X, que aos 13 anos já era cardeal e que estava mais preocupado com o poder e o fausto do que com o Evangelho e que não percebeu que se estava numa mudança de época, pensou que tudo se resolvia com a excomunhão do frade alemão. Não foi assim, e o que é facto é que, como escreveu Viriato Soromenho Marques, "em poucos anos, o que era um protesto aparentemente localizado e sectorial contra um cristianismo ocidental romano, já com frestas mas ainda unificado, transformou-se num poderoso e plural movimento que iria cindir, violenta e definitivamente, não só o cristianismo como a política, a sociedade e a cultura do Velho Continente".

2 As indulgências foram apenas a ocasião. O que acabou por romper a unidade e pôr em marcha consequências que o próprio Lutero não desejava foi a doutrina luterana dos "sós": sola fides - só a fé: a salvação dá-se exclusivamente pela fé, sem o contributo das obras; sola gratia - só a graça, sem méritos; sola Scriptura - só a Bíblia, a única autoridade na e para a fé. Esta concepção punha fim às mediações: dos sacramentos, só o baptismo e a eucaristia eram reconhecidos; o próprio Erasmo de Roterdão, humanista e crítico mordaz da Igreja, recordou a Lutero que, segundo a Bíblia, em ordem à salvação, há a colaboração da liberdade humana; a razão não pode ser excluída da fé; as Escrituras têm de ser lidas sem invalidar a tradição...
Neste quadro, o protestantismo contribuiu de modo decisivo para a secularização/secularismo. Sem mediações, entre um Deus radicalmente transcendente, totalmente Outro, e uma humanidade radicalmente pecadora, ficava um mundo totalmente profano, sem qualquer significado divino, que já não é veículo da graça. Com o tempo, uma vez que Deus está tão distante do ser humano, pode-se chegar ao seu esquecimento e, no longo prazo, à sua negação. Assim, a Reforma também está na origem das modernas concepções radicalmente imanentes. É a ironia da história das ideias: uma vez lançadas, podem provocar consequências que de modo nenhum estavam nas intenções dos seus autores e até lhes são totalmente opostas.
Neste contexto, Lutero defendeu a doutrina dos dois Reinos, distinguindo bem a esfera temporal e a esfera espiritual, o reino da política e o reino da salvação, de tal modo que a liberdade cristã fica separada da transformação social deste mundo. Assim, dizer que a liberdade trazida por Cristo é incompatível com a servidão, como afirmavam os camponeses rebeldes em Os Doze Artigos, "significa tornar a liberdade cristã uma liberdade completamente carnal". "O Evangelho não tolera nunca a rebelião." Subordinou a Igreja à autoridade do Estado, de tal modo que o príncipe ou o senhor pode ser "o funcionário da justiça de Deus e o servidor da sua ira." A liberdade e a igualdade cristãs não são para este mundo. Assim, Lutero, que, num primeiro momento, pedira aos príncipes "Por amor de Deus, cedei um pouco face ao furor dos camponeses", pouco tempo depois, com base na "matança de Weinsberg", pôs-se completamente do lado dos príncipes e "contra os camponeses, ladrões e assassinos; nisto, molho a minha pena em sangue: apelo aos príncipes que matem os ofensivos camponeses como cães raivosos, que os apunhalem, os estrangulem e destruam como melhor puderem... Não quero opor-me às autoridades que, podendo e querendo fazê-lo, reprimam com todo o vigor e castiguem esses assassinos sem oferta prévia de alcançar um acordo equitativo, mesmo quando essas autoridades não forem tolerantes em relação ao Evangelho".
Thomas Münzer, que fora discípulo de Lutero mas se distanciara dele por causa da opressão a que estavam sujeitos os camponeses, não se contentava com a libertação interior e queria estabelecer o Reino de Deus mediante uma ordem social justa. Na batalha de Frankenhausen, em 1525, foi feito prisioneiro, torturado e decapitado. Os conflitos causaram a morte a mais de cem mil camponeses.

3 São incontáveis na história os efeitos positivos de Lutero como testemunha de Cristo e do Evangelho: a leitura e a difusão da Bíblia, a tomada de consciência pelos cristãos do sacerdócio universal e da sua radical igualdade em Cristo, a reforma da(s) Igreja(s), a afirmação da subjectividade e da liberdade, a educação, a promoção da mulher, a força da música na liturgia, os seus catecismos... Mas há ainda outra dimensão marcante nas suas contradições: depois de ter defendido uma coabitação amigável com os judeus, fez um volte-face e pediu, em 1543, a sua expulsão, o confisco dos seus bens, o incêndio das sinagogas: "Primeiro, incendeie-se as suas sinagogas e cubra-se de terra e sepulte-se o que recusar arder, a fim de que ninguém possa ver o seu mínimo traço por toda a eternidade."
 
4 Lutero morreu na sua cidade natal, Eisleben, em 1546, invocando Jesus Cristo. Numa nota escrita na véspera da morte estão estas palavras: "Wir sind Bettler, das ist wahr" (somos mendigos, é verdade).
Anselmo Borges no DN

Georgino Rocha - Cristãos na vida pública





Acontecimentos recentes dão visibilidade a uma realidade provocadora: Onde estão e quem apoia os cristãos empenhados na vida pública? Que formas associadas são acarinhadas e promovidas pela Igreja instituição e seus responsáveis primeiros, seus movimentos e paróquias? Que sensibilidade social desperta a leitura orante do Evangelho que alguns grupos vão fazendo? Perguntas que podem incomodar os que estão satisfeitos porque há ainda quem aparece, pede ritos sagrados, toma parte em devoções piedosas, tem gestos e conselhos de bem-fazer. Dá a impressão que se cultiva uma fé “descafeinada”.

O Evangelho é força de renovação. O exemplo de Jesus histórico, situado no tempo e na cultura, não deixa dúvidas. E o Cristo ressuscitado, o da glória, percorreu os caminhos da história, assumiu a limitada medida humana, redimensionou a fragilidade, abriu horizontes às sementes de esperança, fez brilhar a energia escondida no fermento de uma sociedade envelhecida a renovar. E deixa esta bela missão aos seus discípulos e pastores.

A valorização dos leigos como “categoria” à parte na Igreja constitui um empobrecimento tremendo, se antes não for valorizada a sua pertença ao Povo de Deus, a par de outros membros como os diáconos, os presbíteros e os bispos, todos chamados a ser santos no quotidiano das suas vidas. Os religiosos representam um sinal especial que visualiza esta vocação universal.

Sendo importante ver onde estão os leigos e o que fazem, é mais urgente ponderar onde estão os cristãos como discípulos missionários na Igreja “hospital de campanha” que quer ser fiel a Jesus Cristo que grita em surdina na consciência das pessoas subdesenvolvidas nas suas capacidades, adormecidas na sua dignidade, congeladas nas suas aspirações a um desenvolvimento integral, limitadas ao imediato saturante, esforçadas em gestos de precária duração, atormentadas por feridas purgantes de sonhos truncados. A humanidade e a mãe natureza fazem sentir a sua amargura, o ambiente o seu descontrole, as alterações o seu clamor ensurdecedor. Paulo na carta aos cristãos de Roma já deixava alertas sonoros, embora em forma de gemidos. (Rom 8, 22). Hoje, como facilmente se comprova, os seus efeitos são desastrosos.

A vida pública não exclui a privada, pois a pessoa é um todo em busca de harmonia crescente das suas diversidades enriquecedoras. Ela é individualidade sociável, natureza civilizada, relação convivial, tempo situado na história, eternidade configurada no limite aberto ao definitivo do futuro de Deus. Em todas estas áreas está chamada a realizar-se progressivamente.

A Igreja constitui o sacramento desta vocação da humanidade e, por vontade de Jesus Cristo, força de semente a germinar constantemente, energia de fermento a levedar a massa, sacramento a garantir que Deus quer a colaboração de todos na realização do seu projecto de salvação universal.

Situa-se neste dinamismo o Encontro Nacional de Leigos recentemente realizado, em Viseu, encontro que analisa o tema “Nada nos é indiferente entre a terra e o céu” e quer ser “um apelo sobre os fundamentos da nova esperança e a responsabilidade politica e social para a construção da justiça e da paz”. A presidente da CNAL, Alexandra Viana Lopes, em declarações à Rádio Vaticano, destaca os apelos que o Papa tem feito: “a sair das suas portas, viver plenamente no mundo, ir trabalhar para todos e com todos”, apelos “a chegar sobretudo àqueles que ainda não encontraram Deus, que vivem na maior fragilidade humana, social e cultural”.

Muito caminho já se fez; mas muito mais há para fazer. Onde estão os cristãos na vida pública? Como se organizam para a eficácia da indispensável acção concertada? Que espiritualidade os anima? Quem lhes/nos apoia na ousadia apostólica de dar razões de esperança nos ambientes em que vivemos? Perguntas que indicam um rumo auspicioso sob o olhar atraente de Jesus, Senhor do Universo.

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Filarmónica Gafanhense - Concerto de Natal



A Filarmónica Gafanhense vai brindar-nos, mais uma vez, com um concerto de Natal na igreja matriz, no próximo dia 16 de dezembro: Como já é habitual, serão apresentadas melodias a condizer com a época, ao jeito de estímulo para levarmos à prática a fraternidade universal, própria da mensagem de ternura do Menino Deus.

Homem livre e o mar


 
"Homem livre, tu sempre gostarás do mar"

Charles Baudelaire 

Georgino Rocha - A atenção aos pobres faz brilhar a glória do Senhor



Jesus manifesta grande preocupação em deixar claro aos discípulos o futuro definitivo e a sua articulação com o dia-a-dia da vida presente. Hoje recorre a uma visão profética, antecipando o que vai acontecer. Mateus, inspirando-se em relatos bíblicos solenes, apresenta os ensinamentos de Jesus de uma forma majestática: sentado em trono de glória, à maneira de juiz universal, a convocar todas as nações como um pastor ao seu rebanho, a fazer o discernimento final, a indicar a sorte de todos que será coerente com as decisões tomadas por cada um. É um momento que faz suster a respiração. É um instante que desvenda o sentido da vida e o seu desfecho definitivo, eterno. Sem possibilidades de recomeçar, de voltar atrás.

A imponência do juiz é suavizada pela proximidade e pela ternura do pastor que sem cessar cuida de cada uma, mesmo perdida em vales tenebrosos; pela solicitude que o leva a dar a vida pelo rebanho, a procurar o melhor alimento de que precisa. De facto, Jesus, Rei de Glória, pela ressurreição, é o mesmo que no poço de Jacob conversa com a samaritana e lhe pede de beber, o mesmo que colhe espigas de campo alheio para saciar a fome, o mesmo que se senta à mesa de Zaqueu, o mesmo que não tem onde repousar a cabeça por se ter doado inteiramente pelo bem dos outros. Que prodigiosa manifestação e que assombrosa catequese! A transformação operada na ressurreição confirma e eleva o sentido das acções quotidianas, da relação de convivío, do gesto de ajuda gratuita. Este é o critério decisivo. Cada um semeia no tempo o que colherá na eternidade. Não porque Deus se desinteresse de nós, mas porque respeita incondicionalmente a nossa liberdade. Que responsabilidade assumimos ao sermos livres! Sejamos dignos da confiança que Deus tem em nós e poupemos-lhe o risco de nos ver afastados para sempre do seu abraço de Pai.

O espanto dos convocados é geral. Nem sequer suspeitam do alcance do bem que fizeram aos pobres, de toda a espécie. “Quando é que Te vimos com fome e te demos de comer?” E a lista das obras de misericórdia continua, abrangendo as necessidades fundamentais do ser humano. A resposta não deixa dúvidas: “Sempre que o fizestes a um dos meus irmãos mais pequeninos, foi a Mim que o fizestes”. Ou o contrário: deixastes de fazer a eles, a Mim o deixastes de fazer. A estes é confirmada a sua opção de afastamento realizada na recusa; àqueles, é reconhecida a sua atitude de bem-fazer e selada com uma grande abraço, acompanhado do convite amoroso: “Vinde benditos de Meu Pai. Recebei em herança o Reino preparado para vós”.

O Papa Francisco, na homilia da missa do Dia Mundial dos Pobres, afirma que “nos pobres "manifesta-se a presença de Jesus, que, sendo rico, fez-se pobre”. Neles, pois, “na sua fraqueza, há uma ‘força de salvação’. E, se aos olhos do mundo eles têm pouco valor, são eles que nos abrem o caminho para o céu, são o ‘nosso passaporte para o paraíso’”. E "para nós, é um dever evangélico cuidar deles, que são a nossa verdadeira riqueza; e fazê-lo não só dando pão, mas também repartindo com eles o pão da Palavra, do qual são os destinatários mais naturais. Amar o pobre significa lutar contra todas as pobrezas, espirituais e materiais". E insistiu que "nos fará bem" lembrar-nos disso. Na verdade, concluiu: "aproximar-se de quem é mais pobre do que nós, tocará as nossas vidas”.

‘Para mim, o que conta na vida? Em que invisto? Na riqueza que passa, da qual o mundo nunca se sacia, ou na riqueza de Deus, que dá a vida eterna?’ Diante de nós está esta escolha: viver para ter na terra ou dar para ganhar o céu. Com efeito, para o céu, não vale o que se tem, mas o que se dá”, conclui o Papa a sua forte interpelação.

Jesus é um Rei surpreendente e desconcertante. Ele, o Senhor da Glória, deixa-nos o exemplo e o apelo, o valor da atenção gratuita e da relação confiante, do sentido das coisas e do seu uso funcional, da solidariedade operativa e da caridade que realiza por amor o que não se faria por preço nenhum deste mundo. Este é o nosso Rei e Senhor. Não desfiguremos o seu rosto. Avivemos os seus traços com as nossas atitudes.
 

De pequenino é que se torce o pepino


Diz o ditado, com razão, que de pequenino é que se torce o pepino. E a paciência e as artes precisam de treino. Ao lado do pai, supostamente, o menino ali está lançando o anzol com isco na esperança de apanhar uns peixinhos. Fotografei sem pretender identificar os protagonistas da cena, porque o que vi retrata claramente qualidades que eu gostaria de possuir em alto grau: Paciência, serenidade para não desesperar, capacidade de atenção e de precisão, gosto pela natureza, paixão pela ria e pelo mar.

António Aleixo — Quadras soltas



O mundo só pode ser
melhor do que até aqui,
— quando consigas fazer
mais pelos outros que por ti!

A esmola não cura a chaga;
mas quem a dá não percebe
que ela avilta, que ela esmaga
o infeliz que a recebe.

Tu que tanto prometeste
enquanto nada podias,
hoje que podes esqueceste
— tudo quanto prometias…

Não sou esperto nem bruto,
nem bem nem mal educado:
sou simplesmente o produto
do meio em que fui criado.

Gosto do preto no branco,
como costumam dizer:
antes perder por ser franco
que ganhar por não o ser.

António Aleixo
In “Este livro que vos deixo…”

Nota: Em memória da amiga Rosa Branca que há anos me enviou algumas quadras do poeta para o meu blogue. 

terça-feira, 21 de novembro de 2017

“Deus trocou o tempo para não sabermos mais do que ele”


 

Natália Faria (Texto) e Adriano Miranda (Fotografia) no Público

Miguel Almeida - Amar com obras e não com palavras


 
 

Festa de Nossa Senhora da Nazaré em 2018



Não sendo muito festeiro, não deixo de apreciar e valorizar as tradições que vêm dos nossos ancestrais. Quero sublinhar o verbo valorizar pela simples razão de que os tempos mudam, tal como mudam os gostos e as apetências das pessoas. Por isso, compreendo e aceito mudanças que possam enriquecer as tradições.
Tive pena, mesmo muita pena, quando na Gafanha da Nazaré deixou de se fazer a festa em honra de Nossas Senhora da Conceição, Padroeira de Portugal, no seu dia próprio, 8 de dezembro, ou no fim de semana mais próximo. Era a festa dos bacalhoeiros que nessa quadra já tinham regressado da faina maior.
Voltando à festa de Nossa Senhora da Nazaré, entristeceu-me a falta de mordomos que se empenhassem na organização dos festejos, nomeadamente, na componente profana, como aconteceu este ano. Contudo, no próximo ano já haverá festa, porque se organizou um grupo de homens e mulheres da nossa terra com coragem para avançar. Desejo que consigam não só levar por diante o seu projeto, mas também lhes peço que saibam estimular outros conterrâneos que aceitem seguir o seu exemplo no futuro.

domingo, 19 de novembro de 2017

Um poema de Manuel António Pina — O nome do cão




O NOME DO CÃO

O cão tinha um nome
por que o chamávamos
e por que respondia,

mas qual seria
o seu nome
só o cão obscuramente sabia.

Olhava-nos com uns olhos que havia
nos seus olhos
mas não se via o que ele via,
nem se nos via e nos reconhecia
de algum modo essencial
que nos escapava

ou se via o que de nós passava
e não o que permanecia,
o mistério que nos esclarecia.

Onde nós não alcançávamos
dentro de nós
o cão ia.

E aí adormecia
dum sono sem remorsos
e sem melancolia.

Então sonhava
o sonho sólido que existia.
E não compreendia.

Um dia chamámos pelo cão e ele não estava
onde sempre estivera:
na sua exclusiva vida.

Alguém o chamara por outro nome,
um absoluto nome,
de muito longe.

E o cão partira
ao encontro desse nome
como chegara: só.

E a mãe enterrou-o
sob a buganvília
dizendo: " É a vida..."


Manuel António Pina
primeiros poemas
todas as palavras
poesia reunida
assírio & alvim
2012

Nota: Por sugestão do caderno Economia do EXPRESSO

Eu gostava de envelhecer assim!

Uma crónica de David Marçal 
— Quanto pagaria para ter mais tempo de vida saudável? 

Bento Domingues — Teologia da libertação ou libertação da teologia? (2)



«Hoje, não posso esquecer que o Papa Francisco, o praticante e resistente da teologia da libertação e da libertação da teologia, instituiu o Dia Mundial do Pobre. Acontece neste Domingo. Se os pobres não estiverem na missa, é porque lha roubaram.»

1. Recebi, recentemente, três obras de três consagrados autores portugueses. Uma é de António Lobo Antunes, outra de Frederico Lourenço e a terceira de António Damásio. Uma pertence à criação literária, outra ao alargamento do nosso mundo bíblico e a terceira à investigação científica. Ninguém escreve como Lobo Antunes, ninguém pode ousar o que Frederico Lourenço consegue, a antropologia científica, filosófica e sapiencial de António Damásio é o guião e o mapa que nos faltavam para a fascinante viagem às raízes da vida, dos sentimentos e das culturas humanas. Mostra-nos como e porquê “os seres humanos acabam sempre por depender da maquinaria dos afectos e das suas ligações com a razão. Não há maneira de fugir a tal condição”.
Conhecer essa maquinaria ajuda a não sermos cegos a conduzir outros cegos para o desastre pessoal e colectivo. As investigações destinadas a saber quem somos, como somos, quem podemos e devemos ser, requerem a cooperação de todas as ciências e sabedorias. A cultura da cooperação é um caminho luminoso para nos irmos libertando do egoísmo, o inimigo público e privado do presente e do futuro da humanidade.
Repete-se que a ciência e a tecnologia podem ser usadas para melhorar o nosso futuro — o seu potencial continua a ser extraordinário — ou podem representar a nossa perdição. Pode-se continuar, por outro lado, a desenvolver a ideia de que o ser humano é uma paixão inútil que importa substituir por outra coisa mais limpa, mais inteligente e mais rentável. Essa coisa pós-humana já está configurada, mas continuo a não saber para quem. 
Destaquei o novo livro deste investigador português, radicado nos EUA, porque, em primeiro lugar, preciso dele — talvez não seja o único — para perceber “a estranha ordem das coisas” na evidente desordem do mundo. Ao chegar ao fim, exprime uma atitude que é essencial à libertação da teologia. Permito-me transcrever: “Em primeiro lugar, e tendo em conta as imensas novas e poderosas descobertas científicas, é fácil ceder à tentação de acreditar em certezas e interpretações prematuras que o tempo se encarregará de rejeitar impiedosamente. Estou preparado para defender a minha actual visão sobre a biologia dos sentimentos, da consciência e das raízes da mente cultural, mas não tenho ilusões sobre a durabilidade dessa visão. Em segundo lugar, embora seja possível falar com alguma confiança das características e das operações dos organismos vivos e da sua evolução, e embora seja possível situar o início do respectivo universo há cerca de 13 mil milhões de anos, não temos qualquer relato científico satisfatório quanto à origem e ao significado do Universo, ou seja, não temos uma teoria de tudo que nos diga respeito. Serve isto para recordar que os nossos esforços são modestos e hesitantes, e que devemos estar a abertos e atentos quando decidimos abordar o desconhecido.” [1]

2. Se as lideranças da Igreja, os teólogos, os padres e os catequistas tivessem estes cuidados de puro bom senso teriam evitado, às comunidades cristãs, muitos falsos problemas no campo da criação cultural, das ciências, da acção pastoral e da ética. Não tomariam atitudes e decisões que pudessem impedir uma virtuosa abertura ao futuro, ao imprevisto e imprevisível.
Nota-se isto em muitos âmbitos, mas tornou-se uma tragédia que se aprofunda e alarga, dia a dia, em relação aos “ministérios ordenados” de solteiros e casados, sobretudo à declaração de que as mulheres nunca poderão receber o sacramento da Ordem. Poder-se-ia perguntar como é que se sabe tanto acerca do futuro e tão pouco acerca do presente?
Configuraram-se as instituições funcionais da Igreja para determinados contextos sociais e culturais que não podem ter garantias de eternidade. Não tendo isso em conta, acabam por deixar a vida pastoral em becos sem saída, paralisada. Abandonaram-se os avisos de Cristo: “para vinho novo, odres novos”; “o sábado é para o ser humano e não o ser humano para o sábado.” S. Paulo não se esqueceu: foi para a liberdade que Cristo vos libertou.
É muito importante a questão e a história da teologia da libertação, mas volto a dizer que é ainda mais decisivo libertar a teologia da ideologia, da visão distorcida da fidelidade confundida com a repetição do pré-definido, do pré-sabido e do sempre rezado, assim como era no princípio agora e sempre pelos séculos dos séculos [2].
Um dos modelos medievais da prática teológica, que sempre me deliciaram, estava ligado à interrogação sistemática, isto é, às questões disputadas (quaestiones disputatae). Tomás de Aquino, além disso, estava profundamente marcado pela teologia negativa, que nada tinha de niilista. Qualquer afirmação tinha de ser acompanhada de negação. Depois de descrever a sua teoria do conhecimento teológico e de mostrar a razoabilidade da afirmação da existência de Deus, diz que seria normal que se procurasse saber como é Deus, mas não podia ir por aí, pois só podemos saber como Ele não é. Esta é uma teologia da libertação da idolatria dos nossos conceitos da divindade [3].
Era o tempo da combinação do atrevimento, na teologia, com a virtude da modéstia na sua prática. Tomás de Aquino sabia unir o que outros separavam: procurar entender para crer e crer para entender.

3. Quando me perguntam qual foi o papel da teologia da libertação em Portugal, tenho de ter em conta vários aspectos para poder responder. A teologia académica, entre 1911 e 1968, esteve em perfeito jejum, como já referi. Não é uma interpretação. É um facto. Na maioria dos casos, a teologia dos seminários era de importação, de justificação do que estava mandado crer e pensar, preparava párocos. O padre Joaquim Alves Correia era um teólogo por conta própria. Testemunhava a Largueza do Reino de Deus, que lhe saiu caro, dada a estreiteza da ideologia dominante.
Existe uma produção histórica abundante sobre a relação da Igreja com o Estado Novo e o mundo dos católicos que a questionavam. Nessa produção não se fala de teologia da libertação nem da libertação da teologia, mas existiram ambas com os limites que as circunstâncias eclesiais e políticas impunham, mas o conhecimento dos seus percursos tem de ficar para outra crónica.
Hoje, não posso esquecer que o Papa Francisco, o praticante e resistente da teologia da libertação e da libertação da teologia, instituiu o Dia Mundial do Pobre. Acontece neste Domingo. Se os pobres não estiverem na missa, é porque lha roubaram.

Frei Bento Domingues no PÚBLICO

[1] António Damásio, A Estranha Ordem das Coisas, Círculo de Leitores, 2017, pp. 331-332.
[2] Quem desejar conhecer o que era a prisão da teologia nos anos 50 do séc. passado, leia o impressionante Journal d’un théologien (1946-1956), de Yves Congar, Cerf, 2000
[3] Summa Theologiae, q. III, Prólogo

sábado, 18 de novembro de 2017

Efeméride - Desertas encalha na Costa Nova

1916 - 18 de novembro 


"Pelas 20 horas e 20 minutos produziu-se o encalhe do navio «Desertas»ao norte da Vagueira e a meia milha ao sul dos palheiros e armações da pesca da Costa Nova de Aveiro, iniciando-se a partir deste momento uma odisseia de recuperação e salvamento do navio, que durou até 20 de Março de 1920, data em que o navio saiu da barra de Aveiro (16:40) para voltar a navegar. – HJCO"

In Calendário Históricode Aveiro 
de António Christo e João Gonçalves Gaspar


Ler mais aqui