sábado, 30 de abril de 2011

Crónica de um Professor: para deliciar a vista com o movimento e colorido do cortejo nupcial


William e Kate

O “casamento” na Escola 

Mª Donzília Almeida 

Com a mediatização insistente, feita sobre o casamento do herdeiro da família real, é natural que a expectativa e a curiosidade se tenham exacerbado. O dia 29 de Abril fora anunciado com muito tempo de antecedência e todos os dias se ia levantando, um pouco, o véu, para aguçar o apetite e alimentar a curiosidade das pessoas. 
Quando cheguei à escola, nesse dia, o tema geral de todas as conversas era o casamento real. E aguentar na sala de aula, toda aquela efervescência e ansiedade para verem tão divulgado acontecimento? 
Para os manter minimamente atentos às actividades da aula, fiz-lhes a promessa que os deixaria sair uns minutos mais cedo, para poderem visualizar o evento, no ecrã de plasma, situado na sala dos alunos. 
Quando chegou a hora prometida, lá foram aqueles alunos, com o coração aos saltos, deliciar a vista com o movimento e colorido do cortejo nupcial. 
Os alunos chegavam e partiam em levas como as ondas do mar, tão próximo de nós, num movimento cíclico de vai vem.

Se admirei João Paulo II? Admirei e admiro

João Paulo II

Beatificação de João Paulo II

Anselmo Borges

Foi-me dado falar pessoalmente, no Vaticano, com o Papa João II. A impressão que me ficou foi a de um homem não propriamente afectivo, mas antes afirmativo e duro, ao contrário do cardeal Joseph Ratzinger, que me pareceu tímido e afável.
Se admirei João Paulo II? Admirei e admiro. Era um homem de convicções, corajoso, crente no Deus de Jesus; afirmou e reafirmou os Direitos Humanos; contribuiu para a queda do Muro de Berlim; escreveu uma grande encíclica sobre os direitos dos trabalhadores (Laborem exercens); perdoou àquele que quis assassiná-lo; reuniu em Assis os representantes das religiões mundiais para a oração; fez o possível para evitar a invasão do Iraque; foi um lutador incansável pelo que considerava ser a sua missão; viajou pelo mundo como mensageiro da Paz.

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Casamento de William e Kate para fazer sonhar...

William e Kate


De tão preocupados ou ocupados com a crise que envolve Portugal, os portugueses   ficaram hoje um pouco anestesiados com a pompa que envolveu o casamento do herdeiro ao Trono de Inglaterra com uma plebeia. Se o casamento durar o tempo suficiente, esta jovem simpática poderá ser a futura rainha dos ingleses. Centenas de milhares em Londres vibraram de alegria e, tanto quanto se diz, mais de dois mil milhões de pessoas puderam seguir, via TV, por todo o mundo, as cerimónias do matrimónio. Que sejam muito felizes, como eu também fui, pelo menos.
Penso que o povo precisa destas festas que alimentam sonhos, a maioria dos quais irrealizáveis. Sonhos de príncipes e princesas, sobretudo se a princesa nasceu na plebe, longe dos palácios, onde a vida, se calhar, não passa duma seca, de tão pesado ser o protocolo. E a válvula de escape, para muita gente que vive com dificuldades, aconteceu à volta de sorrisos, de fardas lustrosas, de chapéus porventura incómodos, de fraques que se usam raramente (penso eu), de coches e cavalos, de carros que nem estacionar poderiam em ruas normais, cá por estas bandas. E na Abadia, onde se celebrou a cerimónia, nada faltou: orquestra e coros a condizer, arcebispos e bispos com paramentos de gala, convidados de todo o mundo. E cá fora, muitos jovens a sonhar com um casamento assim… Mas para estes, que são tão filhos de Deus como os que hoje se casaram num ambiente de gala, não haverá nada disto. É pena, não acham?

FM

Morreu o jornalista do PÚBLICO David Lopes Ramos, de Pardilhó

David Lopes Ramos 


«David Lopes Ramos, jornalista do PÚBLICO desde a fundação do jornal e um dos mais reputados críticos gastronómicos portugueses, morreu esta noite, no Hospital Curry Cabral, após complicações decorrentes de uma cirurgia aos intestinos. Tinha 63 anos.»
(...)
«Natural de Pardilhó, concelho de Estarreja, David Lopes Ramos frequentou o curso de Direito, na Universidade de Coimbra, mas acabou por escolher o jornalismo como profissão. Começou a carreira na revista Vértice em 1971, tendo passado pela redacção do Diário de Notícias, de onde foi suspenso no decorrer do 25 de Novembro de 1975, lembra o camarada de profissão e amigo, José Luís Fernandes ao PÚBLICO. "Encontrámo-nos ali no Verão de 1975. Pertencemos a uma geração de jornalistas de extracção política, que entra nos jornais por esta altura, vinham dos mais variados partidos", lembra.»

Ver Público online

E no EXPRESSO pode ler-se:

«O jornalista David Lopes Ramos, que morreu hoje, aos 63 anos, no Hospital Curry Cabral, em Lisboa, era um dos mais respeitados críticos de gastronomia e vinhos do país - era "ouro de lei", nas palavras de José Quitério.
Nasceu a 26 de janeiro de 1948 em Pardilhó, Estarreja, terra a que manteve sempre uma tão profunda ligação que pediu que as suas cinzas fossem deitadas nas águas da Ria de Aveiro.
No final dos anos 1960, estudou na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, em tempos de agitação estudantil na qual participou ativamente.
Residiu na república estudantil Ninho dos Matulões, ao lado do grande amigo de sempre, Domingos Lopes, e de Artur Jorge, Eugénio Alves, Ribeiro Cardoso e Osvaldo Castro. Foi membro do secretariado do Conselho das Repúblicas, que patrocinava o movimento estudantil.»

Ver aqui

Caixão com os restos mortais de João Paulo II junto ao túmulo de São Pedro

João Paulo II

Corpo vai ser exposto à veneração dos fiéis 
após a celebração da beatificação, 
no domingo

«O  caixão de João Paulo II foi hoje retirado do seu túmulo e colocado junto ao de São Pedro, primeiro Papa da Igreja Católica, onde vai ficar até à manhã de domingo, anunciou o porta- voz do Vaticano.
Em conferência de imprensa, o padre Federico Lombardi referiu que os trabalhos “começaram esta manhã, por parte do pessoal da fábrica de São Pedro”, com a retirada da lápide de mármore, conservada intacta, a qual seguirá para Cracóvia, na Polónia, para ser colocada numa nova igreja, dedicada ao futuro beato.»

Octávio Carmo, enviado da Agência ECCLESIA ao Vaticano

Ver mais aqui   Ver Programa da cerimónia aqui

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Coimbra tem novo Bispo: padre Virgílio Antunes


Padre Virgílio Antunes

«O novo bispo de Coimbra, padre Virgílio Antunes, pretende dedicar especial atenção aos jovens da diocese, “cheios de sonhos de uma vida grande e bela, e que hoje encontram tantos obstáculos à sua realização”.
“Convido-vos a procurar em Cristo, o vosso companheiro de todas as horas, a alegria e a esperança que buscais. Espero encontrar-vos frequentemente e dedicar-vos parte significativa da minha ação pastoral”, sustenta o até agora reitor do Santuário de Fátima.»

Ler mais aqui

A Torreira vista por D. João Evangelista


A Torreira, lugar paradisíaco a visitar  sempre que possível, é hoje recordada no meu Galafanha. D. João Evangelista referiu-se a ela com a poesia e a verdade que lhe eram peculiares. Veja aqui

1.º de Maio Celebrado na Senhora dos Campos

Senhora dos Campos

O Município de Ílhavo comemora o dia do Trabalhador com um diversificado conjunto de iniciativas de índole cultural, desportivo e lúdico, numa organização conjunta da Câmara Municipal de Ílhavo, ADCR — Senhora dos Campos, Junta de Freguesia de São Salvador e Rancho Regional da Casa do Povo de Ílhavo.
As comemorações têm início amanhã, sexta-feira, 29 de Abril, com o jogo de Futebol entre autarcas e dirigentes associativos, pelas 17.30 horas, no Complexo Desportivo do Grupo Desportivo da Gafanha, e com o Baile, animado pelo  Grupo Musical “Ondas”, às 21.30 horas, na Senhora dos Campos.
No sábado, 30 de Abril, terá lugar o VII Festival de Karaoke da Senhora dos Campos, seguindo-se no domingo, 1.º de Maio, o VIII Torneio Quadrangular do Trabalhador – Futsal, com início às 9 horas, no Polidesportivo da Senhora. dos Campos, e o XV Festival de Folclore da Primavera 2011, pelas 16 horas.

Fonte: CMI

Dia Mundial da Segurança e Saúde no Trabalho

Trabalhadores 



«Todos os anos, no dia 28 de Abril, celebra-se o Dia Mundial da Segurança e Saúde no Trabalho. Desde 2003, a OIT celebra o Dia Mundial, realçando a prevenção de acidentes e de doenças relacionadas com o trabalho através do diálogo social e do tripartismo.»


quarta-feira, 27 de abril de 2011

Flores para o Dinis



A nossa vida está cheia de alegrias. Tantas que nem lhe damos o devido  valor. Também há tristezas, é certo, mas as alegrias, se pensarmos bem, suplantam as horas amargas. E no entanto passamos a vida com lástimas por tudo e por nada.
Hoje vivemos mais uma dessas alegrias sem medida. A chegada de mais um neto, neste dia primaveril, fez-nos esquecer crises e angústias com que somos bombardeados a toda a hora. Como se não houvesse mais nada para além disso. O Dinis já respirou o ar que nós respiramos, indiferente à vida de gente que passa a correr sem olhar para a felicidade que nasce sempre... sempre,  com ou sem sol a brilhar.
De olhos bem abertos, bem inundados pela ternura e amor  com que sua mãe Aida e seu pai Hugo o aconchegam, aqui prometemos tudo fazer para que o Dinis seja muito feliz.
Para eles,  flores do nosso jardim.

Lita e Fernando
  

Governo Civil presta homenagem a 50 instituições




O Governo Civil de Aveiro condecorou ontem 50 instituições centenárias do Distrito. Permitam-me que referencie aqui apenas as do nosso concelho e que todos nós conhecemos pelos seus serviços relevantes em prol da comunidade.
São elas:

Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Ílhavo;
Banda dos Bombeiros Voluntários de Ílhavo;
Filarmónica Gafanhense, da Gafanha da Nazaré.

A propósito desta distinção, que premeia mais de cem anos em defesa dos nossos valores, penso que devemos pensar no muito que lhes devemos. Sei que somos mais abertos a receber o muito que estas, como outras, instituições nos oferecem, mas nem sempre estamos disponíveis para as apoiar, de acordo com as nossas capacidades. E frequentemente nem muito nos pedem. Por exemplo, quantos de nós assistimos aos concertos que as bandas nos dedicam, gratuitamente?
Quanto aos Bombeiros, importa frisar a sua generosidade para com a comunidade, sobretudo em horas difíceis. Mas se eles se atrasam uns minutos (repito: uns minutos), lá estamos nós a protestar. E o que é que lhes damos?

FM


GAFANHA DA NAZARÉ: Conferências Primavera

(Clicar na imagem para ampliar)

ISCRA: A Vida é uma boa Notícia

(Clicar na imagem para ampliar)


Integrado na Semana Nacional da Vida e à sombra do lema «A Vida é uma Boa Notícia», o ISCRA tem o prazer de anunciar a realização da segunda edição do «Ciclo CinemaVida», com a apresentação de três sessões, nos dias 16, 18 e 20 de Maio.
Cada sessão iniciará com uma refeição ligeira (buffet), seguindo-se a projecção de um filme temático sucessivo de um diálogo/debate que contará com a presença de uma individualidade que ajudará a lançar um novo olhar sobre o tema em reflexão.
O Ciclo de CinemaVida, aberto a todas as pessoas que desejarem nele participar com realce especial para os jovens e os educadores, decorrerá nas instalações do ISCRA e as inscrições podem ser feitas através dos contactos indicados no cartaz a seguir, ou feitas directamente nos serviços de secretaria do ISCRA (de 3ª a sábado)

PROBLEMA: Quem chega ao poder não quer arriscar



Quando é que começamos mesmo?

Joana Gorjão Henriques

Quando estive em Lisboa da última vez, há semanas, avisaram-me que o país estava deprimido. Que isso se via na rua, nos rostos. Foi pouco depois da demissão de José Sócrates e pouco antes de se chegar ao facto de que Portugal terá que pedir emprestados cerca de 90 mil milhões de euros, um futuro que se adivinha mais negro que nunca. Vi, pois, aquilo de que me avisaram: gente a falar de Economia e a manobrar palavras com números como não me lembrava, conversas de café a começarem e acabarem no mesmo ponto, o aperto em que qualquer gesto quotidiano fora do colete de forças orçamental se transformou. E ouvi muita gente falar de uma espécie de política do medo que impera agora nas empresas, onde as chefias intermédias assustam os de baixo para obedecer aos de cima. Chamem-me cínica ou otimista, mas se estas chefias intermédias usassem a sua liderança para serem solidárias com quem precisa, algumas soluções para os problemas sociais, políticos e até mesmo económicos em Portugal poderiam estar mais perto. O problema é que quem chega ao poder não quer arriscar e isso em Portugal é ainda mais endogéneo. Sim, vi depressão mas vi também uma energia e uma vontade de mudança, com gente disposta a falar - mas que depois se cala e eu pergunto porquê? Ou essa energia é agarrada agora, pelas causas certas, ou o momentum passa e lá ficamos mais uma vez a pensar na mudança que nunca fizemos. Quando é que começamos mesmo? 

Fonte: SNPC

terça-feira, 26 de abril de 2011

Escritores fascinados pela Ria de Aveiro — 12


«Mas a ria enche-se de asas brancas, garças reais que coalham o azul, além sobre a barra, onde a névoa fumega indecisa e lenta, e do outro lado, sobre Pardelhas, Estarreja, até Ovar bolinando ao vento.
É uma verdadeira esquadra, embandeirada em festa, porque hoje é dia de São Paio, na Torreira. Cada barco traz a sua povoação, a sua aldeia, a sua canção, as suas guitarras e adufes. A ria torna-se melodiosa, e sussurra, vibrante nas suas ondas de água, finas como cabelos de mulher, que os ventos represados percutem como uma arcada de violino. Durante muito tempo embala-nos aquela música aquática, dolente e enlanguescedora. As tonalidades mudam. Já não há azul. Os longes tornaram-se brumosos, e a água oleosa, baça, não tem uma vaga, uma crispação. Dir-se-ia um lago imobilizado por um silêncio astral. Um cinzento de agonia envolve esta paisagem de além mundo, prostrada na morte, se o sol não acordar antes da tarde.

Artur Portela


Ler mais aqui

Música no Centro Cultural da Gafanha da Nazaré

Centro Cultural da Gafanha da Nazaré

Escola de Música Gafanhense

A Escola de Música Gafanhense vai celebrar o seu 29.º aniversário, com a realização de um concerto, a terá lugar no dia 30 de abril, pelas 21 horas, no Centro Cultural da Gafanha da Nazaré. O concerto terá a participação da Orquestra Juvenil da EMG e da Orquestra de Cordas do Conservatório de Música de Aveiro, Calouste Gulbenkian.

***

Filarmónica Gafanhense

A Filarmónica Gafanhense vai realizar, no próximo dia 8 de maio, pelas 16 horas, no Centro Cultural da Gafanha da Nazaré, um concerto integrado nas comemorações do Dia da Mãe, o que muito agradará, por certo, tanto a mães como a filhos. Actuará a Filarmónica com o seu Grupo Coral.

AVEIRO — Exposição: Cristianismo na cultura



«Sabia que Gaudí, nos seus projetos de arquitetura, inspirava-se na natureza, que para ele era uma prova eminente da presença de Deus? 

Sabia que o embaixador português Aristides Sousa Mendes, contrariando Salazar, salvou milhares de vidas do massacre nazi pois para ele o prioritário era servir a Deus e não aos homens? 

Sabia que Martin Scorsese evidenciou no filme “A última tentação de Cristo” o sentido do sofrimento e da redenção, temas centrais do catolicismo? 

Sabia que Marconi estava convencido que através das suas invenções conseguiria ouvir as “vozes do além”, perdidas no tempo mas nele mantidas, e entre as quais estavam as de Cristo com as palavras proferidas na cruz?» 

O Instituto Superior de Ciências Religiosas de Aveiro apresenta até outubro a exposição “Cristianismo na Cultura”, com painéis sobre a influência exercida por cristãos em domínios como a arquitetura, artes plásticas, ciências sociais e humanas, cinema, educação, física, psicologia e química. 

A mostra, com entrada livre, pode ser vista de terça-feira a sábado, das 10h00 às 12h00 e das 15h00 às 17h30, no Seminário Diocesano de Aveiro. 

Fonte: SNPC

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Recordando uma data: 25 de Abril de 1974

Salgueiro Maia no 25 de abril


Novas mentalidades valorizaram 
o espírito democrático


Fernando Martins 

Em 25 de Abril de 1974 alguns militares politicamente mais esclarecidos, os «Capitães de abril» como ficaram na história, descontentes com a guerra colonial e com algumas leis que afetavam os oficiais de carreira, conspiraram e levaram a cabo uma revolta com o objetivo de instaurar um regime democrático em Portugal. 
Vivíamos numa ditadura corporativa, voltados para África, na senda de um regime que se proclamava de «orgulhosamente sós», na defesa de um país que se afirmava multirracional, multicontinental, uno e independente. 
O analfabetismo era muito. O atraso em relação à Europa era enorme. A guerra colonial, com tudo o que ela teve de mau, gerou descontentamento geral entre o povo, sempre o mais sofredor. A incapacidade de os nossos governantes se adaptarem às correntes do pensamento então dominantes, era notória. A aceitação da autodeterminação das nações africanas era impensável. Tudo isso levou ao Golpe de Estado, seguido de uma Revolução. 
Os militares, que, eventualmente, apenas estariam interessados em acabar com a guerra e estabelecer a democracia entre nós, viram-se ultrapassados com o regresso de exilados políticos, nomeadamente, Mário Soares e Álvaro Cunhal, e com as festas do 1.º de Maio, pela primeira vez celebrado em liberdade em Portugal, com a expressão que lhe era devida. 
Partidos políticos assumem a liderança do processo, de mãos dadas com os militares ou contra eles, e Portugal foi bandeira de uma revolução sem muito sangue.

ELEIÇÕES: O cumprimento de uma verdadeira exigência


Voto de cada português «pode fazer a diferença»

«O envolvimento dos portugueses nos destinos do país «é um dever» e cada voto «pode fazer a diferença», considera o Grupo de Reflexão Sociedade e Política do Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, da Igreja Católica.
«Mais do que o voto, a participação ativa no processo eleitoral que se aproxima torna-se uma contribuição necessária e inestimável para o País», sublinha o primeiro documento daquela equipa publicado hoje, dia em que passam 37 anos sobre o 25 de abril de 1974, data que marcou a transição de Portugal para o regime democrático.
A intervenção no processo eleitoral e a participação nas eleições legislativas de 5 de junho supera «a escolha de um projeto de governação», tornando-se «o cumprimento de uma verdadeira exigência» em «tempos de mudança», assinala o texto.»

Ler mais aqui

domingo, 24 de abril de 2011

PÚBLICO: Crónica de Bento Domingues

(Clicar na imagem para ampliar)

TECENDO A VIDA UMAS COISITAS - 234

DE BICICLETA ... ADMIRANDO A PAISAGEM - 17 




A ALEGRIA DE ANDAR DE BICICLETA 

Caríssima/o:



Hoje é Dia de Alegria! De Aleluia!

Alegremo-nos, pois, e rejubilemos!

“O homem que sobe de bicicleta a montanha é senhor do seu destino. Aquele que a desce confia na sua sorte. No cimo da subida pode esperá-lo a vitória. No fim da descida pode estar a cilada da morte. Sabe-lo bem: ergues-te sobre os pedais, com os joelhos unidos, o dorso erecto, os cotovelos apertados contra o corpo, a cabeça encaixada entre os ombros e deixas-te ir. A cada instante, contudo, dás uma ou duas pedaladas, como dois golpes de esporas, para que a corrida se torne mais veloz. Confias nas duas rodas de alumínio, num frágil e subtilíssimo pneumático cheio de ar, nas duas alavancas de um travão. A tua vida está em equilíbrio sobre quatro pedaços de metal e de borracha, sobre um maquinismo que pula, que estremece, que vacila, que se desequilibra. 

Cinquenta à hora: a brisa bate-te no peito elástico, fria como uma mão que te quisesse segurar e que tu repelisses. Sessenta à hora: os olhos enchem-se -te de lágrimas. Centenas de pequenas lentes, entre as pestanas, as pálpebras e as pupilas, alteram o traçado da estrada, aumentam, reduzem, cortam, reflectem os obstáculos. O vento desvia-te o fio das lágrimas para as faces como duas rédeas de choro. Setenta à hora: já nadas vês. Cerras as pálpebras como uma fenda que o vento quer forçar. Vês a estrada apenas como se fosse uma linha de água. Tiraste os óculos por um simples receio: se ficares cego, cais. Apertas os maxilares antes que os dentes se magoem como se, de um momento para o outro, esperassem uma pancada. Os dedos apalpam o travão, experimentam-no sem o apertarem, para sentirem a sua presença e dizê-lo ao coração; todos os nervos parecem estar ali nus, na ponta dos dedos, acumulando aflições... Voas. Pareces uma andorinha quando te ergues e ondulas e te inclinas nas curvas, balançando-te sobre o precipício com as pequenas asas cortadas dos braços. Numa recta pequena, deixas-te ir; alguns segundos de segurança. No interior da curva, equilibras-te com o pé o ar. Não sabes para aonde vais. Deixas que a descida te leve. 

A tua máquina é de vidro. E também tu és frágil como uma criatura de vidro e de sangue.”

O. Vergani, Os Escritores e os Jovens

Para todos, Santa Páscoa! 

 Manuel

sábado, 23 de abril de 2011

Aveirenses ilustres: D. João Evangelista de Lima Vidal



(Clicar nas imagens para ampliar)


Fonte: "Ilustração Moderna", 2.º ano, n.º 9, 1927

UA oferece oportunidades aos seus finalistas

Dias 3 e 4 de Maio

Universidade de Aveiro

Finalistas e mercado de trabalho mais próximos no Fórum 3E

«Dia 3 de Maio, em frente à Reitoria, arranca a 11.ª edição do Fórum 3e - emprego | empresas | empreendedorismo. A UA oferece, uma vez mais, a oportunidade aos seus finalistas de, durante dois dias, contactarem de uma forma privilegiada com algumas das melhores empresas e instituições e de trocarem os seus currículos por oportunidades de emprego e estágios.»

Ler mais aqui

As pessoas continuam a pensar na morte...

Michel Foucault

O penúltimo e o último

Anselmo Borges

Nos meses de Fevereiro e Março, participei como conferencista em vários colóquios e simpósios sobre o tema da morte, do além e do luto. Em todos, as salas de conferências estavam cheias - a última intervenção foi nos H U C, e as inscrições chegaram, segundo me disseram, a 865. Afinal, embora vivamos num tempo em que a morte se tornou tabu - disso não se fala -, mas as pessoas continuam a pensar nela. Será possível não pensar? Mesmo se ela é o impensável - diz-se que o filósofo Michel Foucault, nos seus últimos dias no hospital, terá sussurrado: "le pire c'est qu'il n'y a rien à dire" (o pior é que não há nada a dizer) -, é-o enquanto o impensável que obriga a pensar.

Bento XVI lembra Fátima na televisão pública italiana

Bento XVI


O Papa  foi convidado de emissão especial para responder a perguntas sobre a dor e a alma, pedindo paz para a Costa do Marfim e o Iraque



«Bento XVI marcou hoje presença no programa «À sua imagem», da televisão pública italiana, para responder a sete questões de pessoas de todo o mundo, numa emissão especial que incluiu referências a Fátima.
A última questão foi sobre a figura de Maria, mãe de Jesus, com o Papa a admitir que um dia possa ser necessário “repetir” o ato de consagração do mundo à Virgem - deixando o exemplo do que viveu em Portugal, em maio de 2010.
“Por exemplo, em Fátima vi como as milhares de pessoas presentes entraram verdadeiramente nesta entrega, se entregaram, concretizaram em si próprias, por si próprias esta consagração”, recordou.
A primeira pergunta foi sobre o "sentido da dor" após uma tragédia como o tsunami que varreu o Japão em março.»

Ler mais aqui


sexta-feira, 22 de abril de 2011

Páscoa: Sinos a Repicar


Páscoa 

Um dia de poemas na lembrança 
(Também meus) 
Que o passado inspirou. 
A natureza inteira a florir 
No mais prosaico verso. 
Foguetes e folares, 
Sinos a repicar, 
E a carícia lasciva e paternal 
Do sol progenitor 
Da primavera. 
Ah, quem pudera 
Ser de novo 
Um dos felizes 
Desta aleluia! 
Sentir no corpo a ressurreição. 
O coração, 
Milagre do milagre da energia, 
A irradiar saúde e alegria 
Em cada pulsação. 

Miguel Torga 
In Diário XVI

Aveirenses ilustres: Jaime de Magalhães Lima

(Clicar na imagem para ampliar)

Ver mais aqui

Fonte: "Ilustração Moderna", 1.º Ano, n.º 8, 1926

BENTO XVI na RAI, às 14.10 horas



«Com uma pergunta sobre o "sentido da dor" após a tragédia que se abateu sobre o Japão em Março, será aberta a primeira entrevista que o Papa Bento XVI dará à televisão italiana por ocasião da Sexta-feira Santa.
Pela primeira vez na história, um Papa responderá em um programa da televisão pública italiana (RAI), chamado "À Sua Imagem", às perguntas de um grupo de fiéis.

ÉS MAIS QUE A LUZ


Porque a morte tem o seu tempo 

Porque a morte tem o seu tempo 
A ruína soma ruína, à cabeça 
Equilibra a existência desmoronada e inteira. 
Tu és o que edifica 
Tu constróis mil vezes. 
Porque o raio tem o seu tempo. 
És o clarão, a lâmpada, a estrela 
Somas luz à luz. 
Não és a luz, és mais que a luz 
Porque a noite tem o seu tempo. 

Daniel Faria

quinta-feira, 21 de abril de 2011

GAFANHA DA NAZARÉ: Conferências Primavera




(Clicar nas imagens para ampliar)

É URGENTE ACEITAR O APELO DE JESUS



CELEBRAR A PÁSCOA 
EM TUA  CASA

 Georgino Rocha

“Quero celebrar a Páscoa com os meus discípulos em tua casa.” É esta a mensagem que os discípulos levam a um habitante de Jerusalém, conhecido e amigo de Jesus. É mensagem clara, directa, apelativa. O Mestre tem a certeza de que o dono da casa lhe diz que sim, lhe responde afirmativamente. E os discípulos podem fazer os preparativos.
Mateus conserva o anonimato deste morador da cidade – algumas traduções designam-no por fulano, forma genérica de indicar qualquer pessoa. Parece-me ser intencional, pois o desejo de Jesus é o de celebrar a sua Páscoa, ao longo da história, com aqueles que são seus discípulos ou estão no círculo das suas relações.

João Paulo II: Freitas do Amaral destaca papel na construção da paz



«O antigo presidente da assembleia geral da ONU, Diogo Freitas do Amaral, destacou a “ação em favor da paz mundial” desenvolvida por João Paulo II, ao longo do seu pontificado (1978-2005).
“João Paulo II tudo fez, no seu pontificado, pela defesa da paz mundial”, escreve o político português, que coloca em particular realce as duas visitas que o Papa polaco realizou às Nações Unidas, “reconhecendo assim a grande importância e a função essencial da organização, numa época em que tantos a ignoram ou querem menosprezar”.»

Ler mais aqui

Efemérides da Ria de Aveiro



Canal com muros


A Ria de Aveiro é um estímulo para inúmeras investigações. Cada um de nós, à sua maneira e segundo as suas capacidades, pode dar contributos preciosos para essas investigações. Veja algumas efemérides da Ria aqui

Baptizados que querem deixar de o ser...


Baptismo e vivência 
da Páscoa

António Marcelino



Os jornais falaram, nas últimas semanas, de pedidos pessoais de alguns cristãos que se tornaram ateus e já não querem ser baptizados. Por isso, exigem que os seus nomes sejam retirados dos livros oficiais da Igreja. Aqui há anos eram emigrantes na Alemanha que, para não pagarem o imposto de religião, declaravam, por escrito, que já não eram católicos, nem sequer religiosos. Esta declaração era comunicada às dioceses de origem, causando fortes engulhos aos signatários quando, nas férias, voltavam à sua terra para baptizar os filhos ou se credenciarem, eles próprios, a actos religiosos que lhes dessem prestígio local.

Feriado Municipal de Ílhavo: entrega de condecorações




O Executivo Municipal deliberou aprovar sete Condecorações Honoríficas, a entregar no Feriado Municipal de Ílhavo 2011, das quais se dá nota sumária:

Medalha do Município em Ouro:

* Marinha Portuguesa (pela antiga, estreita e profícua relação institucional com o Município de Ílhavo, numa aposta partilhada na Valorização da Cultura, da Economia e do Conhecimento do Mar);

Medalha do Município em Vermeill:

* Rádio Terra Nova (pelos seus 25 anos de existência de trabalho ao nível da Comunicação e da promoção do Município de Ílhavo);

* Clube de Vela da Costa Nova (pelos seus 30 anos de existência de
trabalho ao nível dos desportos náuticos, com especial destaque para a Vela);

* Grupo de Jovens A Tulha (pelos seus 40 anos de existência de trabalho ao nível da Juventude e da Cultura);

Banco Alimentar Contra a Fome vai ser condecorado no 25 de Abril



O Banco Alimentar Contra a Fome vai ser condecorado pelo Presidente da República no dia 25 de Abril. Instituição vocacionada para dar de comer a quem tem fome, esta organização  tem merecido dos portugueses todo o carinho e cooperação possíveis, apresentando-se hoje como resposta eficaz em tempos de crise. Merecido, pelo muito que tem feito, este reconhecimento.
Conheça mais sobre o Banco Alimentar aqui

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Gafanha da Nazaré celebra aniversário da cidade

Manuel Serra, Ribau Esteves e Margarida Alves


Importa  aproveitar o futuro que vai chegar
 e valorizar o legado  dos nossos antepassados



Em tempos de crise, importa «combater o défice, combater as ineficiências e combater os problemas estruturais da produtividade, com mais dedicação e mais eficiência, aproveitando e desenvolvendo as nossas capacidades disponíveis, sendo cidadãos mais ativos e mais solidários». Esta foi uma mensagem marcante do presidente da Câmara Municipal de Ílhavo (CMI), Ribau Esteves, na sessão solene comemorativa do 10.º aniversário da elevação da Gafanha da Nazaré a cidade.
A efeméride foi evocada no dia 19 de abril, na seda da Junta de Freguesia, com um olhar retrospetivo sobre o que foi concretizado na última década, numa perspetiva de valorizar o estatuto de cidade, legitimamente atribuído à então vila da Gafanha da Nazaré, em 2001.
Nessa década, em que se celebrou o centenário da criação da freguesia e paróquia, o presidente da Junta, Manuel Serra, recordou o esforço e a determinação dos nossos antepassados, garantindo que «continuaremos a lutar com todas as nossas forças pelo crescimento e modernização desta cidade».
Depois de salientar como tem exortado os jovens a seguirem «o exemplo de trabalho, de dedicação e de luta dos seus pais e avós, para que jamais seja interrompida a senda de progresso e de desenvolvimento por eles iniciada há longos anos», Manuel disse que importa continuar a apostar «no futuro melhor que todos desejamos, para a nossa cidade», implementando «o setor empresarial e associativo que possuímos», sem descurar «a educação e o poder autárquico».
Depois de enaltecer o muito que tem sido feito na Gafanha da Nazaré, graças «ao relevante papel do nosso município e do seu presidente», Manuel Serra lançou um desafio a todas as forças vivas e ao povo em geral, no sentido de voltarmos ao mar, retomando «a grandeza que tivemos no século passado», com estaleiros, pesca longínqua, pesca local e marinha mercante, mas ainda com as indústrias transformadoras de produtos do oceano.

terça-feira, 19 de abril de 2011

Filarmónica Gafanhense no 10.º aniversário da elevação da Gafanha da Nazaré a cidade



Antes de partilhar com os meus leitores e amigos o que aconteceu hoje na sessão comemorativa da elevação da Gafanha da Nazaré a cidade, quero oferecer aos nossos emigrantes, e não só, um pouquinho da participação da Filarmónica Gafanhense no 10.º aniversário, que ocorreu nesta data.

Bento XVI: Papa há seis anos



«Bento XVI completa hoje seis anos de pontificado, com uma progressiva exposição mediática, por força das várias viagens e intervenções públicas que têm servido para redefinir a sua imagem inicial de Papa de transição.
O primeiro Conclave do terceiro milénio, no dia 19 de abril de 2005,elegeu Joseph Ratzinger como novo Papa, na quarta votação, duas semanas depois da morte de João Paulo II.
Os últimos doze meses do atual pontificado foram de grande atividade, com destaque para a publicação do novo volume do livro de Bento XVI sobre «Jesus de Nazaré», obra central do trabalho do teólogo e intelectual alemão, que se empenha numa luta pela credibilidade religiosa e histórica do cristianismo.
Outra obra de grande impacto foi o livro-entrevista, «Luz do Mundo», resultante de uma conversa com o jornalista alemão Peter Seewald, um registo inédito permitiu dar a conhecer Bento XVI e o seu pensamento sobre temas centrais para a Igreja e a sociedade

Ler mais aqui



NOTA: Recebido com algum ceticismo por muitos católicos e até por outros, cristãos, não cristãos e agnósticos, por verem nele uma pessoa austera e acérrima defensora da ortodoxia do Vaticano, em contraste com o seu antecessor João Paulo II, Bento XVI acabou por se impor como chefe supremo da Igreja Católica. Culto, atento ao mundo dos homens, aberto ao diálogo, com humildade para escrever à altura das pessoas, sensível aos problemas sociais emergentes, capaz de sorrir e de viver os dramas da humanidade, Bento XVI soube adaptar-se ao cargo, enquanto proporcionou às gentes de vários quadrantes que se adaptassem ao seu modo de ser e estar em Igreja.
Eu, que também fui um dos céticos, depressa compreendi que tínhamos um Papa à altura dos grandes Papas seus predecessores. E aqui lhe presto as minhas singelas homenagens.

FM

Mensagem pascal do Bispo de Aveiro


A festa da Páscoa é a nossa festa

A Páscoa desvenda (…) A vida não acaba, transforma-se; a cruz do condenado converte-se em cruz do Salvador; o futuro pertence a quem ama e não a quem apenas pensa em si; o caos cede lugar à harmonia e o medo abre caminho à esperança.



«O Senhor ressuscitou verdadeiramente e apareceu aos discípulos» 1. Esta certeza está no centro da festa mais solene do ano litúrgico e faz brotar na Igreja um hino de louvor e um cântico de acção de graças. É certeza que dá origem à fé que somos convidados a afirmar pessoalmente e a viver em comunidade. É apoio dos nossos passos firmes, alicerçados em Cristo ressuscitado, nossa esperança inabalável e segura (Heb 6, 19). É fonte inesgotável que sentido e missão à Igreja e que nós queremos assumir jubilosamente.

Gafanha da Nazaré: cidade há dez anos

Forte da Barra


A Gafanha da Nazaré completa hoje dez anos de cidade. Motivo para se recordar o que foi a gesta de um povo que domou dunas agrestes e movediças, mas também para estimular as atuais gerações no sentido de contribuírem, com o seu esforço, para dignificarem a história que herdaram dos seus e nossos antepassados. 
Penso que hoje vale a pena questionarmo-nos sobre o que a Gafanha da Nazaré nos deu, mas ainda sobre o que poderemos oferecer-lhe, com a nossa determinação e a nossa criatividade. Temos muito o hábito de reivindicar tudo e mais alguma coisa, como se o Estado e as autarquias tivessem em si, na totalidade, os nossos destinos. Sei que os tempos são outros, mas os primeiros gafanhões fizeram o que havia de ser feito, sabendo que tinham nas suas mãos calejadas pela enxada um futuro melhor para si e para os seus descendentes. 
Uma saudação amiga aqui fica para todos os gafanhões espalhados pelo mundo.

Leia mais aqui

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Ria de Aveiro vista por escritores: António Arroio

Canal Central

Ria de Aveiro: «Por vezes julgamo-nos aí transportados a uma região ideal...» Veja mais aqui

Eça de Queirós: Portugal está a atravessar a pior crise


 Eça de Queirós

«Que fazer? Que esperar? Portugal tem atravessado crises igualmente más: - mas nelas nunca nos faltaram nem homens de valor e carácter, nem dinheiro ou crédito. Hoje crédito não temos, dinheiro também não - pelo menos o Estado não tem: - e homens não os há, ou os raros que há são postos na sombra pela Política. De sorte que esta crise me parece a pior - e sem cura.»

Eça de Queirós, in 'Correspondência (1891)'

Bíblia deitou-se no divã e foi analisada por psicanalistas


Paranoia, neurose, depressão, descompensação psíquica e delírio foram alguns dos termos evocados a 7 de abril, em Lisboa, para qualificar personagens e narrativas de três textos bíblicos, durante um encontro que juntou teólogos católicos, psiquiatras e psicanalistas.
Cerca de 130 pessoas lotaram o auditório e espalharam-se pelas escadas da Casa Fernando Pessoa durante a segunda sessão do ciclo de conversas “A Bíblia, coisa curiosa”, dedicada à relação entre o conjunto de livros sagrados para os cristãos e a psiquiatria e psicanálise.

Ler mais aqui


Elevação da Gafanha da Nazaré a Cidade: amanhã, 19 de Abril

 Forte da Barra

Comemorações do 10.º Aniversário

Amanhã, dia 19 de Abril de 2011, assinala-se o 10.º Aniversário de Elevação da Gafanha da Nazaré a Cidade, com um conjunto de acções que marcam a data, honrando a década passada e o futuro que juntos queremos continuar a construir a cada dia.

O Programa das Comemorações é o seguinte:

14h30 – Visitas e Reuniões de Trabalho;
18h30 – Hastear das Bandeiras (junto à Sede da Junta de Freguesia);
18h45 – Sessão Solene Evocativa no Salão Nobre da Junta de Freguesia.

Há datas que o povo da Gafanha da Nazaré não pode deixar cair no esquecimento. A criação da freguesia e paróquia, a elevação a vila e a promoção a cidade são datas inesquecíveis para todos. Seria bom que, dentro das nossas possibilidades, nos associássemos às sessões públicas que se organizam, com o objectivo de tornarem presentes as alegrias que outrora suscitaram.


domingo, 17 de abril de 2011

A Ria de Aveiro vista por escritores: Norberto de Araújo

Torreira

Tenho estado a publicar, em Galafanha, a forma, poética, como escritores viram e veem a Ria de Aveiro. Veja aqui

PÚBLICO: Crónica de Bento Domingues

(Clicar na imagem para ampliar)

“A Bíblia, coisa curiosa”, para este domingo...


«Há alguma coisa da Bíblia que só um músico pode interpretar; há alguma coisa da Bíblia que só um mestre da vida interior, como um psicanalista, pode colher; há alguma coisa da Bíblia que só um poeta pode vislumbrar»

Ler mais aqui 

TECENDO A VIDA UMAS COISITAS - 233

DE BICICLETA ... ADMIRANDO A PAISAGEM - 16





O MOLHO DE ERVA À CABEÇA 

Caríssima/o: 

Quem andar à cata de 'coisas e loisas' sobre bicicletas está sujeito a tudo... 
Partilho um texto que pode motivar e até orientar uma conversa informal sobre a aprendizagem e a sequente utilização da bicicleta: 

“Esta desformalização da condução de bicicletas na via pública associada à ausência de uma política e de um programa de formação, contribuiu provavelmente para negligenciar este tipo de veículo e todos os cidadãos que optam por ele para se deslocar. A bicicleta é algo marginal, que pode e deve circular na estrada mas que tem regras específicas para ela (algumas estúpidas) e que a rebaixam (e ao seu utilizador) face aos outros utentes das vias, ao mesmo tempo que nada lhe é exigido nem oferecido. Porque é que é importante um miúdo fazer um curso para aprender a andar de “acelera” na estrada mas já não o é se for para andar numa bicicleta? Ambos deverão aprender a usar os seus veículos e a conduzir de uma forma segura para eles próprios e para com quem se cruza com eles…” 

Mais ligeiro mas não menos motivador: