sexta-feira, 31 de maio de 2019

Georgino Rocha - Festa da Ascensão do Senhor


SEREIS MINHAS TESTEMUNHAS


Georgino Rocha
Ao longo do tempo pascal, a Igreja apresenta-nos o Ressuscitado em várias aparições que credibilizam o que aconteceu a Jesus crucificado e fazem memória dos seus ensinamentos. Mostra-nos também a reacção dos discípulos que vão refazendo as suas convicções e atitudes. Faz a ponte, como em Lucas, com a Igreja nascente, salientando a função singular do Espírito Santo.
S. Leão Magno, papa do século V, procura o sentido destas semanas e afirma: “Irmãos caríssimos, durante todo este tempo, decorrido entre a ressurreição do Senhor e a sua ascensão, a providência de Deus esforçou-se por ensinar e insinuar, não só nos olhos mas também nos corações dos seus, que a ressurreição do Senhor Jesus era tão real como o seu nascimento, paixão e morte”.
Lucas, o autor dos relatos lidos na liturgia de hoje, localiza a Ascensão em Betânia, nos arredores de Jerusalém, após a aparição aos discípulos e a sua identificação, mostrando os sinais da sua paixão e comendo um pedaço de peixe grelhado. (Lc 24, 46-53). Narra a pedagogia de Jesus que acompanha, recorda, caminha, dialoga, exorta, dá a bênção e faz a promessa de, juntamente com Deus Pai, enviar o Espírito Santo. “Vós sois testemunhas disso”, atesta com toda a clareza. A bênção constitui o legado de toda a sua vida; a promessa garante o Espírito Santo, o Mestre que, de agora em diante, recorda o que aconteceu e descobre o seu sentido profundo, ilumina os caminhos da missão, “unge” e robustece as forças organizativas da instituição eclesial.

quinta-feira, 30 de maio de 2019

D. Pedro V – um rei profeta



“Quando as nações tiverem abandonado os seus prejuízos e visto a realidade, a Europa formará uma grande federação de povos que se compreendem e que realizam mutuamente os seus interesses” 

Pedro V (1837-1861), rei de Portugal de 1853 a 1861 

Citado pelo PÚBLICO de Domingo

A nossa gente - Eco-Embaixadora Mónica Ribau


Tinha onze anitos, em 2003. Uma miúda insegura, agarrada aos pulsos do papá e da mamã a quem o chefe Nuno disse: “Patrulha Andorinha, exploradora do Agrupamento 189 de Ílhavo”. Longe estava de saber que já nascera exploradora e andorinha para a vida toda. 
Hoje, tem vinte e sete. Estudou jornalismo e trocou as ciências dos laboratórios da Secundária, pela Rádio Universidade de Coimbra. Trabalhou como jornalista, na SIC, e argumento de séries de televisão e novelas, na SP Televisão. Fez mestrado em Gestão e Política Ambientais na Universidade Nova de Lisboa, onde trabalhou como investigadora, na área da literacia oceânica e processos de participação pública. Depois de participar na Conferência do Clima de Marraquexe, em 2017, dedica-se à Comunicação em Ciência e Alterações Climáticas. Atualmente, é bolseira de doutoramento em Alterações Climáticas e Políticas de Desenvolvimento Sustentável, na Universidade de Lisboa, onde estuda o papel das histórias na perceção da incerteza em problemas complexos. 
O facto da zona da ria de Aveiro, assim como as praias, ser um dos territórios da Europa com maior risco de sofrer com as Alterações Climáticas, ditou o seu caminho profissional e académico. No ano passado, voltou a Ílhavo no âmbito do programa ClimAdapt, onde o município é exemplo. Afinal, as andorinhas dão voltas ao mundo, mas voltam sempre ao ninho.

quarta-feira, 29 de maio de 2019

Dia Mundial da Criança: Ao Encontro da Natureza



«No âmbito das comemorações do Dia Mundial da Criança (01 de junho) os “Amigos do Oceano” convidam crianças, entre os 7 e os 12 anos, a virem ao encontro da Mãe Natureza. O dia será passado entre o Mar e a Ria. Vamos aprender algo com as ondas do mar, o sol, o vento e as gaivotas. Vamos também conhecer um pouco da Ria e ajudá-la a continuar limpa e bonita.
A atividade tem um número limitado participantes e com INSCRIÇÃO OBRIGATÓRIA. O dia (entre as 09h30 e as 16h30, almoço incluído) será composto por atividades de iniciação ao meio aquático, exploração da natureza e de sensibilização ambiental.»

Fonte: Junta de Freguesia da Gafanha da Nazaré

Ler mais aqui

terça-feira, 28 de maio de 2019

VIA VERDE sugere: Comece as férias de verão por Aveiro



Da VIA VERDE, a que estou ligado por ser prático e rápido, enviou-me a foto que aqui partilho com a seguinte nota: 

"Aveiro é a nossa sugestão para começar estas férias de verão. Saia da cidade e vá percorrer os passadiços de madeira que atravessam a famosa ria. Da natureza às tradições, há muito para ver neste passeio."

É claro que concordo... 

O sonho de revisitar Sever do Vouga esvaiu-se

Ponte de Santiago

Igreja Matriz de Sever do Vouga (séc. XVI) e Cruzeiro barroco de 1733


Cúpula do púlpito  da antiga igreja  

Paisagem

Paisagem

Paisagem

Há dias, senti uma certa frustração. Saímos de casa para revisitar Sever do Vouga e pouco pudemos apreciar. Há anos foi diferente: passei por todas as freguesias e na sede do concelho calcorreei ruas e ruelas, subi e desci rampas com facilidade, visitei aldeias que entendi como típicas e com a sua originalidade, apreciei o Vouga em cada canto, mas desta vez já não foi assim. 
Pelo caminho, quase sempre com o rio que deu apelido a Sever, respirámos a pureza do ar que a floresta renova constantemente, não vimos sinais de fogos e ao longe divisámos povoados garantidamente tranquilos. 
Na agenda organizada pelo meu instinto, sublinhámos freguesias e recantos para sentirmos o palpitar de gentes que vivem longe da agitação do nosso dia a dia. Recordei amigos doutros tempos e a revolução dos cravos que me reteve no café/bar da Pensão Avenida, à espera que alguém na RTP dissesse o que estaria a passar-se naquele momento mágico que nos restituiu a liberdade, donde brotou a democracia. 
Chegámos a Sever, a tal povoação de “se ver do Vouga”, e lá conseguimos estacionar o carro num larguinho tranquilo, perto de Igreja Matriz, que visitámos. Contemplámos a beleza do templo, onde o antigo acolheu o moderno restauro, num casamento feliz. Minutos depois, reconhecemos a minha incapacidade para continuar a caminhar. O sonho de visitar tudo e mais alguma coisa esvaiu-se. E regressar a casa foi preciso, com a Lita a conduzir sempre. 


Fernando Martins

segunda-feira, 27 de maio de 2019

Frei Bento Domingues: Haverá alternativas à economia que mata?

Bento Domingues

«É muita ousadia da parte do Papa tentar destruir o dogma de que não há alternativas viáveis à economia dominante.»

1. Os anos não perdoam. Os adversários das posições e das práticas do Papa Francisco confiaram, durante bastante tempo, nessa lei da natureza. Quando se deram conta de que este argentino resiste e não desiste das reformas que propôs, entraram em pânico: dada a sua popularidade, é possível que da eleição de um novo Papa surja alguém da mesma linha. Isso não pode acontecer! Daí, a reunião de pessoas e recursos da finança internacional para denegrirem a imagem de Bergoglio.
Para esses grupos – pouco numerosos, mas com muita visibilidade e acesso a inúmeros recursos –, é insuportável ter à frente da Igreja Católica alguém que denuncia a economia dominante como “economia que mata”. Supor que existem e podem crescer alternativas a esta economia é uma blasfémia, uma heresia económica sem perdão.
Até agora, o Papa Francisco agia de forma exemplar em relação aos que são deixados à margem e abandonados. Fazia incessantes apelos em socorro das vítimas da guerra que procuram, em condições miseráveis, acolhimento noutros países. Em todo esse esforço, é sempre o Papa a agir e a falar ou a nomear comissões de estudo para resolver problemas. Mesmo os três notáveis discursos sobre a injustiça social e económica, dirigidos aos movimentos populares [1], não fogem a esse estilo. Agora, porém, com a Carta convocatória para o Encontro “Economy of Francesco”, em Assis, de 26 a 28 de Março de 2020, parece ter começado uma era nova. É dirigida a jovens economistas, empreendedores e empreendedoras de todo o mundo, não como mestre em Doutrina Social da Igreja, mas como alguém que deseja participar no conhecimento das alternativas que existem à “economia que mata” e ampliar as suas potencialidades.
Antes de realçar a significação desta mudança, devo dar a palavra à própria Carta. No primeiro parágrafo resume o seu desejo: “Esta Carta é para vos convidar para uma iniciativa que muito desejei: um evento que me permita encontrar quem, hoje, está a formar-se, a começar a estudar e a praticar uma economia diferente que faz viver e não mata, inclui e não exclui, humaniza e não desumaniza, que cuida da criação e não a degrada. Um evento que nos ajude a estar juntos e a conhecermo-nos, que nos leve a fazer um ‘pacto’ para mudar a economia actual e dar uma alma à economia de amanhã.”

domingo, 26 de maio de 2019

Anselmo Borges: Greve das mulheres e o feminiclericalismo


1. Escrevi aqui recentemente sobre as mulheres na Igreja, perguntando: “E se as mulheres fizessem greve na Igreja?” Uma mulher de alta estatura intelectual, espiritual e social comentou: “As igrejas ficavam vazias.” 
Nem de propósito, mulheres católicas alemãs de várias dioceses acabam de boicotar durante uma semana o seu trabalho voluntário nas igrejas e fazer greve às Missas, para protestar contra o machismo e os abusos do clero. “Deploramos os casos conhecidos e desconhecidos de abuso e o seu encobrimento e ocultação por parte dos líderes da Igreja.” E exigem “o acesso das mulheres a todos os ministérios.” Facto é que, como disse Thomas Steinberg, presidente do Conselho Central de Católicos Alemães, “sem as mulheres nada acontece” e, portanto, é necessário seguir um “caminho sinodal” por parte da Igreja, operando as mudanças que se impõem. Aliás, já antes, católicas francesas tinham denunciado o machismo na Igreja, causa dos abusos contra mulheres e crianças: “na Igreja, todo o poder está nas mãos de homens solteiros, os únicos com capacidade para decidir, governar, ensinar, e que dizem ser mediadores da relação com Deus e com o sagrado.” E insistem: “Isto não pode continuar por mais tempo. Tem que mudar.” 

2. As mulheres não podem ser discriminadas na Igreja. Jesus não as discriminou. A prova está em que teve discípulos e discípulas, como testemunham muitos passos dos Evangelhos, e Maria Madalena foi determinante no cristianismo. De facto, foi ela que, depois da crucifixão, quando tudo parecia ter sido o fim, reuniu outra vez os discípulos à volta da experiência avassaladora de fé de que o Jesus crucificado está vivo em Deus, que é Amor. Voltaram a reunir-se na fé em Jesus, o Vivente, e foram anunciar que Ele é o Messias, o enviado de Deus como “o Caminho, a Verdade e a Vida.” E testemunharam-no, dando a vida por isso. De tal modo Maria Madalena foi determinante que Santo Agostinho lhe chamou “a Apóstola dos Apóstolos”. 

sexta-feira, 24 de maio de 2019

Dia Europeu dos Parques Naturais

Serra da Estrela (Foto da rede global)

O Dia Europeu dos Parques Naturais celebra-se todos os anos a 24 de maio, com o objetivo de contribuir para a preservação da fauna e da flora existentes na respetiva área. Nesse sentido é suposto programar ações que levem as pessoas a tomar consciência da importância da biodiversidade. 
Um parque natural é uma área protegida por lei, tendo em conta as paisagens e as pessoas que as habitam. 
O Dia Europeu dos Parques Naturais foi criado pela Federação EUROPARC, neste dia, em 1999.
Escusado será dizer que todos nós devemos, realmente, respeitar na íntegra os parques naturais que visitamos.

Ver mais Parques Naturais em Portugal

Georgino Rocha: Somos a morada de Deus

Georgino Rocha

«Quem está desperto para esta presença dinâmica do Espírito vive na alegria e na confiança, aprecia e valoriza a rectidão da consciência e a sabedoria do coração, é cada vez mais humano no seu ser e no seu agir.»


Jesus está na hora das grandes confidências, pois é o tempo da despedida, de dizer aos discípulos o que lhe vai no coração, e quer deixar como distintivo da sua identidade. Em diálogo franco, faz declarações que suscitam perguntas. Judas, não o Iscariotes, não entende como é que Jesus se vai manifestar, nem porque escolhe a quem o irá fazer. E formula a correspondente pergunta a que Jesus dá resposta, abrindo horizontes surpreendentes e interpelantes. Os contemplados são aqueles que acolhem o seu amor e guardam a sua palavra; a estes, Jesus dá a garantia de serem morada de Deus e de receberem o Espírito Santo. Assim, terão companhia em todas as circunstâncias da vida e nada os poderá perturbar. Assim, a saudade da despedida é compensada pela nova forma de presença. E Jesus destaca a alegria como testemunho da fé dos que compreendem o alcance destes factos.
Somos a morada de Deus que vem viver na nossa consciência, no mundo interior de todos os que são fiéis à palavra de Jesus, Seu Filho. Esta opção de Deus evidencia a direcção correcta da realização humana. É a partir de dentro, da interioridade, que se faz a humanização, se alimenta a relação, se aprende a amar, a servir, a crescer na grandeza de ser pessoa, a viver em comunidade. É a partir da consciência iluminada e esclarecida por Deus, mediante os ensinamentos de Jesus e a sabedoria das culturas humanizadas, que têm consistência as opções e os critérios condicionantes das nossas atitudes pessoais e colectivas. É a partir das atitudes que a sociedade manifesta os valores predominantes e a qualidade do sentido da convivência entre os seus membros. Que contraste coma situação actual do nosso mundo?!

quinta-feira, 23 de maio de 2019

Exercício Europeu de Proteção Civil no Porto de Aveiro



«Portugal vai realizar, de 28 de Maio a 1 de Junho, o exercício europeu de Protecção Civil CASCADE’19, o maior de sempre em território nacional. A Administração do Porto de Aveiro participa no exercício nos dias 29 e 30 de Maio, com cenário de um derrame de hidrocarbonetos na ria e um cenário de controlo de fuga de matérias perigosas envolvendo incêndio, no Terminal de Granéis Líquidos e um contentor no Terminal Norte.»

Fonte: Newsletter do Porto de Aveiro

Eleições para o Parlamento Europeu: Um direito e uma obrigação


É já no próximo domingo que teremos mais umas eleições, desta feita para o Parlamento Europeu, com diversos partidos políticos a apostarem na vitória, ou no aumento do número de deputados. Todos se propõem defender os interesses dos povos e países-membros, de acordo com as ideologias mais diversas e até contrastantes, mas não podemos nem devemos admitir que agem de má-fé. Há várias formas de pensar sobre o que é melhor para uma sociedade mais justa, mais livre e mais participada, mas também mais igualitária, quanto a direitos e obrigações, sem abismos enormes entre os que têm tudo e os que nada têm para uma vida digna. 
Votar, portanto, é uma obrigação moral e cívica. Votando, para além de participarmos na escolha de quem nos há de representar no Parlamento Europeu, ficamos com o direito de reclamar o que consideramos ser melhor para as nossas vidas. Fugindo na hora da escolha, perdemos o direito de criticar seja o que for.

Banco Alimentar com mais uma campanha - 25 e 26 de maio

Voluntários em ação

Os Bancos Alimentares contra a Fome, espalhados pelas mais diversas cidades do país, vão proceder a mais uma Campanha de Recolha de Alimentos no próximo fim de semana, 25 e 26 de maio. Trata-se de mais uma iniciativa que todos podemos apoiar, pois é sabido que o objetivo é fornecer alimentos a famílias e pessoas carenciadas. 
Sabemos que os alimentos não são fornecidos diretamente pelos Bancos Alimentares (BA), mas vão chegar a quem precisa através das instituições vocacionadas para isso, pois conhecem as realidades concretas das zonas em que estão inseridas. Contudo, as empresas produtoras e revendedoras de produtos alimentares terão outras formas de colaborar, entrando em contacto com os BA. Há também a hipótese de todos participarem com donativos, dirigidos à organização. 

Ler mais aqui

Papa Alexandre III confirma independência de Portugal

Efeméride: 23 de maio de 1179 


Neste dia, em 1179, há 840 anos, o Papa Alexandre III confirma a independência de Portugal e o título de rei a D. Afonso Henriques,  com a emissão da Bula “Manifestis Probatum". Por ela, o Papa declara o Condado Portucalense independente do Reino de Leão, ao mesmo tempo que reconhece a validade do Tratado de Zamora, assinado a 5 de outubro de 1143 pelo Rei de Leão e por D. Afonso Henriques. 

quarta-feira, 22 de maio de 2019

AVEIRO: Feira do Livro dedicada a Sophia


A Feira do Livro vai realizar-se, em Aveiro, pela 44.ª vez, sinal de que se continua a apostar na promoção da leitura e da venda de bons livros, que podem, até, ser edições muito antigas. Embora tenha por casa livros, comprados ou oferecidos, à espera de vez e de tempo, que os meus olhos precisam de ser poupados, é certo e sabido que passarei por lá. Porque é nas feiras que frequentemente encontramos obras de autores menos conhecidos ou menos lidos, por não estarem integrados nas redes de publicidade organizadas para lançarem escritores que, suposta ou garantidamente, dão mais lucros às empresas editoras.

F.M.

Um Poema de Sophia

A Paz sem Vencedor e sem Vencidos

Dai-nos Senhor a paz que vos pedimos
A paz sem vencedor e sem vencidos
Que o tempo que nos deste seja um novo
Recomeço de esperança e de justiça
Dai-nos Senhor a paz que vos pedimos

A paz sem vencedor e sem vencidos

Erguei o nosso ser à transparência
Para podermos ler melhor a vida
Para entendermos vosso mandamento
Para que venha a nós o vosso reino
Dai-nos Senhor a paz que vos pedimos

A paz sem vencedor e sem vencidos

Fazei Senhor que a paz seja de todos
Dai-nos a paz que nasce da verdade
Dai-nos a paz que nasce da justiça
Dai-nos a paz chamada liberdade
Dai-nos Senhor a paz que vos pedimos

A paz sem vencedor e sem vencidos

In "Cem poemas de SOPHIA"

Primeiros Diáconos Permanentes




Celebro hoje, 22 de maio, a minha ordenação, como Diácono Permanente,  na sé de Aveiro, em cerimónia presidida por D. António Marcelino, estando presente D. Manuel de Almeida Trindade. Foram dois bispos que me marcaram muito, cada um à sua maneira, ao longo da minha vida. Ainda hoje tenho presente as suas posturas, com suas vozes, sorrisos, aconchegos de alma, ensinamentos e exemplos, amizades e ajudas nos momentos certos. 


Aqui ficam os nomes dos primeiros diáconos permanentes da Diocese de Aveiro: 

Afonso Henriques Campos de Oliveira 
Daniel Rodrigues 
Fernando Reis Duarte de Almeida 
João Afonso do Casal 
José Joaquim Pedroso Simões 
Carlos Merendeiro da Rocha 
Luís Gonçalves Nunes Pelicano 
Manuel Fernando da Rocha Martins 
Augusto Manuel Gomes Semedo 

Deste grupo, já partiram para o seio de Deus: 

Carlos Merendeiro 
Daniel Rodrigues 
João Afonso do Casal 
Augusto Semedo 

Continuando, porém,  todos connosco pela amizade fraterna que alimentámos durante a vida terrena. 

Saúdo, de maneira especial, os que permanecem ativos nesta Igreja de que fazemos parte como servidores, dando cada um o seu melhor, segundo as suas capacidades e saberes. Mas também saúdo o nosso Bispo e todo o presbitério aveirense, bem como o povo de Deus que servimos, humana e cristãmente, sem distinção de qualquer tipo. 

22 de maio de 2019-05-22 

Fernando Martins

Nota: O Luís Pelicano não está na foto

Sobre o Diaconado Permanente em Aveiro ler mais aqui 

segunda-feira, 20 de maio de 2019

Ísis Martins vence concurso "Desenhar a Moeda"

Aluna de 12 anos 
vence concurso entre 800 participantes


«A Imprensa Nacional-Casa da Moeda (INCM) apresentou, em Aveiro, a moeda comemorativa “O Mar”, desenhada por uma jovem aveirense. O desenho da autoria de Ísis Martins, aluna de 12 anos, foi o vencedor da 2.ª edição do concurso “Desenhar a Moeda”, promovido em parceria com a Câmara Municipal de Aveiro. A aluna da Escola Básica João Afonso venceu o concurso com 800 participantes e viu agora a sua interpretação cunhada em moedas de prata»

Notas:

1. Li no Newsletter do Porto de Aveiro;
2. Ler e ouvir na RTN

Um poema de Senos da Fonseca para o Dia Europeu do Mar




Poder de novo voltar a ser... Mar...


Olho a tua grandeza
A imensidão das tuas lonjuras
E de um modo absurdo
Sinto que (ainda) existo
Num passado que foi teu.

Sinto-o no desassossego que me causas
Sinto-o na pequenez que me rodeia
E apetece-me perguntar:
Porque nos não ajudas
De novo a cumprir Portugal?

A partir para achar,
Cá dentro,
A árvore, a flor, a praia, a ave e a fonte
A encher de esperança as horas navegadas
Para assim ultrapassar o medonho.

Galgar valas, aldear encostas, subir os montes,
Em conquista de novo o sonho
A recuperar altivez,
E entre o chão encontrado e o império perdido
De novo, tão só, voltar a ser português.

A desejar querer
Poder de novo ser
Povo de um país amanhecido.

Senos da Fonseca

In MARESIAS

Para ver melhor a paisagem



Para apreciar melhor e mais longe Aveiro e arredores, foi uma opção pelo menos inédita. E puderam ver o que nós, os menos aventureiros, nunca veremos.

ÍLHAVO: Rádio Faneca a transmitir alegria


«Rádio Faneca é a designação mais popular e mais conhecida do público das antigas Cabines de Som que animaram, durante várias décadas e num período em que a televisão ainda não se tinha afirmado em Portugal, o espaço mais urbano de Ílhavo aos domingos à tarde - centrado no Jardim Henriqueta Maia. Eram emissões radiofónicas, com altifalantes pendurados nas árvores, que ofereciam momentos de confraternização e levavam os residentes e vizinhos das redondezas a sair de casa, em torno de uma emissão de música, de discos pedidos e publicidade. A comunidade apropriava-se do espaço público passeando, conversando, namorando, enquanto outros petiscavam pevides e tremoços comprados nas bancas das “vendedeiras” que animavam o Jardim.»

Ler mais aqui 

Bento Domingues - Mulheres católicas em greve



1. Quando, hoje, se discute o lugar das mulheres na Igreja católica, o que é preciso ter em conta, em primeiro lugar, é a criatividade de Jesus
As mulheres sabem que são mais de metade da Igreja católica. Dir-se-á que apenas uma minoria feminista protesta contra o silenciamento que lhes é imposto. Na Igreja, as mulheres que se caleml Não foi nenhuma mulher que o disse e quem o afirmou ainda não tinha passado inteiramente para o Novo Testamento (NT). Foi apresentado, na Universidade Católica do Porto, o livro Mulheres Diáconos. Passado - Presente - Futuro [1]. Como refere a Introdução, o livro apresenta três tópicos interligados: as mulheres diáconos tal como elas são conhecidas através de documentos históricos; o diaconado, tal como se tornou uma vocação permanente na Igreja contemporânea e aquilo que o futuro das mulheres diáconos poderia vir a ser, se a Igreja restabelecesse a sua tradição de ordenar mulheres para o diaconado. Trata-se de um esforço conjunto que pretende ajudar a Igreja a recuperar a sua tradição passada como meio de construir o seu futuro.
É sabido que o Papa João Paulo II (t 2005) nada fez para restaurar o diaconado ordenado das mulheres e o ex-PapaBento XVI seguiu-lhe o exemplo.
Só em 2016 é que o Papa Francisco começou a agir, convocando uma comissão de especialistas, seis homens e seis mulheres, para enfrentar esta questão. No final, entregaram um relatório ao Papa Francisco. O principal objectivo da comissão era estudar as mulheres diáconos na Igreja primitiva. Não está em dúvida a existência de mulheres diáconos. A questão gira em torno das suas funções.
No voo de regresso da viagem apostólica à Bulgária e à Macedónia do Norte (07.05.2019), o Papa revelou, com algum humor, que a comissão trabalhou durante quase dois anos. Eram todos diferentes, todos "rãs de lagos diferentes", todos pensavam de forma diferente, mas trabalharam juntos e chegaram a acordo até um certo ponto. Mas cada um deles tem a sua própria visão, que não concorda com a dos outros, e pararam aí como comissão. Cada um está a estudar como prosseguir. Isso é bom! Varíetas delectat.
A variedade deleita, mas não deve servir para passatempo de diletantes. As mulheres católicas, na Alemanha, já não suportavam mais conversa vazia e resolveram entrar em greve. Foi convocada para esta semana, entre sábado passado, dia 11, e o próximo, dia 18 de Maio. Deixaram lenços brancos nos bancos das Igrejas e, no exterior, nas praças e nos adros, houve celebrações, partilha, canto, mulheres vestidas de branco.
Com todas as cautelas eclesiásticas, o porta-voz da Conferência Episcopal Alemã, Mathias Kopp, em declarações a uma cadeia de TV, em Roma, ja acusou o toque. Veremos o que irão fazer...
Os bispos alemães anunciaram que vão abrir um sínodo de diálogo com alargada participação de todos e todas, sem temas tabu. Veremos, como diz o cego [2].

domingo, 19 de maio de 2019

Figueira da Foz e Manuel Fernandes Thomaz





O viajante que passa pela Figueira da Foz não pode deixar de se encontrar com um herói, Manuel Fernandes Thomaz, que está sepultado junto ao monumento que lhe foi dedicado. É o que faço quando lá vou.

Dia Mundial do Médico de Família - 19 de maio

.

Celebra-se hoje, 19 de maio, o Dia Mundial do Médico de Família, com o objetivo de promover a importância dos cuidados de saúde a cada pessoa e sua família, valorizando o papel do referido médico no bem-estar do agregado familiar.
Esta celebração foi criada em 2010 pela Academies and Academic Associations of General Practitioners/Family Physicians, que reconheceu a mais-valia que representa a existência do médico no acompanhamento da pessoa, seja ela qual for, durante 20 ou 30 anos, ou mais, desde a infância à idade adulta e na velhice. Diz-se, nas notas que li no Google, que «mais do que um médico de doenças, é um médico de prevenção», gerindo «questões médícas, psicológicas e económicas».
Não sou dos que contestam os médicos de família e o nosso Sistema Nacional de Saúde (SNS), que considero realmente muito útil, embora saiba que nada neste mundo é perfeito. Pessoalmente, posso garantir que tantos os médicos como os enfermeiros e demais funcionários do SNS que frequento me acolhem com delicadeza, competência  e simpatia.

FM

Ares da Primavera


O sol convidou-me esta manhã a saborear a luminosidade deste domingo. No quintal, olhei o colorido das flores e nelas vi a apetecida primavera há tanto esperada. De bom grado as ofereço a quem visitar o meu blogue em que navego há quase 15 anos. 
Bom domingo para todos.

Anselmo Borges — MOTU PROPRIO ANTI-ABUSOS

Anselmo Borges


1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação “abusos sexuais, de poder e de consciência”. Também diz, com razão, que a base é o “clericalismo”, julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?
Felizmente, há hoje um alerta da opinião pública e, por isso, Francisco, em vez de condenar ou atribuir outras intenções aos meios de comunicação social, agradece, pois foi o meio para que também a Igreja acordasse do seu sono sacrílego.
E, aí, Francisco tomou uma iniciativa inédita e histórica, convocando uma Cimeira para o Vaticano, de 21 a 24 de Fevereiro passado. Foi uma Cimeira com 190 participantes, entre os quais 114 Presidentes das Conferências Episcopais de todo o mundo, bispos representando as Igrejas católicas orientais, alguns membros da Cúria, representantes dos superiores e das superioras gerais de ordens e congregações religiosas, alguns peritos e leigos.
O Papa queria, em primeiro lugar, que se tomasse consciência da situação e do sofrimento incomensurável causado, que fica para a vida. E que se tomasse medidas concretas, de tal modo que se pudesse constatar um antes e um depois desta Cimeira verdadeiramente global e representativa da Igreja universal e nos seus vários níveis. Os três dias estiveram sob o lema tríplice: “responsabilidade”, “prestação de contas”, “transparência”. O Papa quer — não se trata de mero desejo — implantar “tolerância zero”.

sábado, 18 de maio de 2019

Um país de comendadores

Cabeleireiro cuida de um sem-abrigo (rede global)

Em artigo publicado no PÚBLICO de hoje, assinado por Ana Sá Lopes, Leonete Botelho e Helena Pereira, lê-se, em título, que “Em 45 anos, cinco Presidentes entregaram 9477 comendas”. É obra!
Realmente, somos um país de comendadores, num território pequeno com história grande, com cerca de uns 10 milhões de habitantes. Sem contar, claro, com outras distinções de menor importância que não dão direito ao pomposo tratamento de comendador disto e daquilo.
Eu não sei ao certo como é que é possível escolher os candidatos, a não ser por grandes e indiscutíveis feitos de extraordinário valor nacional, em prol do povo e do país. O que se sabe é que, por este andar, qualquer dia tem de se montar mais um negócio para satisfazer a voracidade generosa dos nossos presidentes, em matéria de condecorações, por isso e por aquilo. Depois, como se está a ver, a muitos são retiradas as comendas por comportamentos incompatíveis com a dignidade que as mesmas impõem.
Em conclusão, seria bom que os nossos presidentes pensassem  se vale a pena andar a premiar quem, no fundo, apenas cumpriu o seu dever cívico, cultural, ou social. Mais de 200 condecorações por ano é mesmo muita condecoração. Normalmente, ficam de fora muitos que, no dia a dia, são altamente dedicados a quem sofre, a quem vive na solidão ou no desespero do abandono. 
Abstenho-me de ilustrar  este meu modesto texto com figuras condecoradas que desonraram a ética e ofenderam a sociedade sem vergonha.

Dia Internacional dos Museus

Faina Maior (MMI)
Casa Gafanhoa

Túmulo de Santa Joana, no Museu de Aveiro

Celebra-se hoje, 18 de maio, o Dia Internacional dos Museus, não só para nos acordar para a sua existência, mas sobretudo para os poderemos visitar, já que muitos, ou todos, se apresentam com dia aberto e até com programações  festivas. Esta celebração é feita desde o dia 18 de maio de 1977, por proposta do ICOM –  Conselho Internacional de Museus.
Penso que todos ganharíamos muito se hoje fôssemos visitar pelo menos um museu. Os mais velhos, para manterem aberto o espírito às memórias do passado, quantas vezes longínquo, e os mais novos, para olharem para a vida e obra dos nossos antepassados. Há em cada canto um museu e todos são arcas de conhecimento à nossa disposição. Passe por um deles e verá como é bom apreciar a arte, os usos e costumes, os artefatos, o pensar e o viver dos que nos antecederam. Mas também dos que, nos nossos dias, criam obra que vale a pena admirar.

F.M.

sexta-feira, 17 de maio de 2019

Georgino Rocha: A glória de quem ama até ao fim


Georgino Rocha

Jesus vive intensamente a ceia de despedida que realiza com os discípulos, antes de livremente iniciar o processo que o leva à morte por crucificação. João, o discípulo amado e apóstolo narrador, descreve episódios únicos que nos podem aproximar dessa intensidade e ajudar a desvendar o “mundo íntimo” do Mestre disposto a amar até ao fim. Aconteça o que acontecer. Um destes episódios é o lava-pés, gesto familiar de quem vive para servir nas condições mais humildes e da forma mais pronta; gesto que Jesus explica dando-lhe o alcance pretendido: “Entendestes o que vos fiz? Sereis felizes se o puserdes em prática”.
Durante a ceia, Jesus comove-se profundamente, diz frases e faz gestos que lançam a inquietação nos comensais, incluindo Judas a quem chama amigo e exorta-o a fazer o que tinha planeado. Este obedecendo prontamente, toma o bocado do pão que estava a ser distribuído por Jesus e sai imediatamente. “Era noite” anota João, o evangelista, deixando em aberto a pluralidade de sentidos desta observação. A pressa e a noite deixam perceber o seu mundo interior, em que se cruzarão sentimentos opostos: As experiências felizes ocorridas na companhia de Jesus e a “pressão” do compromisso assumido perante os responsáveis “moíam e remoíam” na memória do seu coração. (Jo 13, 31-33a. 34-35)
Jesus, como havia feito após o lava-pés, dá largas ao que sente e dirige-se, antes de mais, a Deus que vê glorificado nesta hora, início de um longo processo de humilhações que culmina no Calvário. “O Evangelho mostra em estreita relação a saída de Judas do espaço comunitário e a glorificação de Jesus. O gesto da traição… é visto por Jesus no contexto da sua história com o Pai e, portanto, como sinal da sua glorificação. Mas é claro que a hora da sua glorificação não é suscitada por Judas com o seu gesto, mas pelo amor de Jesus que amou os seus até ao fim”. (Manicardi, comentário, p. 84)
Jesus liberta o coração e faz uma declaração que é louvor, garantia e mandamento. Louvor porque chegou a hora de ser glorificado, garantia de que o Pai também o será sem demora e mandamento de amor entre os discípulos. Liberta o coração e faz um belo ensinamento que nos deixa como credencial de que o seguimos fielmente.
As palavras de Jesus, uma espécie de cântico de alegria, atestam a boa consciência de Jesus que permanece sempre no amor mesmo quando tinha na mente a traição. E com a traição tudo o que se seguiria até à morte por crucificação no Calvário, morte vivida em total amor confiante.

Medalha de Ouro para aluno da Secundária da Gafanha da Nazaré




Gabriel Rouxinol ganha Medalha de Ouro nas Olimpíadas de Física, na Universidade de Coimbra, no passado dia 4 de maio. Aluno do Agrupamento de Escolas da Gafanha da Nazaré, Gabriel merece os nossos parabéns pelo prémio alcançado, parabéns que são, naturalmente, extensivos aos seus professores que, de forma extremamente dedicada, acompanharam os alunos naquela competição.
Os meus parabéns a todos.

Fonte: Jornal Timoneiro. Foto da Rádio Terra Nova

Feira do Livro em Aveiro: Homenagem a Sophia

Mercado Manuel Firmino 
24 de maio a 10 de junho
 Segunda a Sexta-feira, das 15 às 23 horas
Sábados, domingos e feriados, das 10 às 23 horas

 


Partindo do mote “Metade da minha alma é feita de maresia”, a 44.ª edição da Feira do Livro celebrará o centenário do aniversário de Sophia de Mello Breyner Andresen e o mar que tantas vezes a inspirou.
Com um programa constituído por lançamentos de livros, conversas com escritores e tertúlias, procura-se realizar um evento literário de referência na Região de Aveiro.
Prevê ainda a realização de diversas atividades na área da música, do teatro e criação de dias temáticos:

Dia do Livro Infantil
Dia do Autor da Região de Aveiro
Dia da Saúde e Bem-estar
Dia da Poesia

 Fonte: CMA

quinta-feira, 16 de maio de 2019

Faz sentido ler o que pensa Álvaro Garrido

Álvaro Garrido no Museu de Ílhavo (Foto do meu arquivo)

Na senda de grandes entrevistas a outros tantos grandes historiadores, a revista bimestral “JN HISTÓRIA” publica, no seu número 18, editado em fevereiro, uma desenvolvida entrevista a Álvaro Garrido, assessor do Museu Marítimo de Ílhavo. “O esquecimento parece predominar sobre a memória”, ao lado da foto do entrevistado, é a expressão que nos desafia a conhecer mais e melhor Álvaro Garrido, professor da Universidade de Coimbra. E ainda antes das perguntas e respostas, Pedro Olavo Simões, o entrevistador e Coordenador Editorial da revista, afirma, como mais um desafio à leitura, «que faz sentido, neste momento social e político, ler o que pensa Álvaro Garrido, não só uma referência maior da história marítima, mas um profundo conhecedor do corporativismo do Estado Novo e da economia social».
O entrevistado, que foi diretor do MMI entre 2003 e 2009, passando depois a consultor, respondeu às questões que lhe foram colocadas com clareza e saber, preenchendo 18 páginas de texto e fotos, que são razão mais do que suficiente para tomarmos conhecimento dos meandros do salazarismo, em que é especialista qualificado. «Parece-me que a sociedade portuguesa foi bem domesticada pelo Estado Novo», não porque «a longevidade do regime permitiu essa domesticação silenciosa, mas porque a herança foi muito pesada».
Álvaro Garrido diz-se «muito preocupado» com a «deriva populista a que nós assistimos na Europa e no mundo» e afirma que «é um desconserto político, para o mundo, a eleição de uma figura com Donald Trump». E sobre a pesca do bacalhau, afiança que «Havia uma dimensão dramática, cruel, do trabalho humano da frota bacalhoeira portuguesa».
Referindo-se ao seu trabalho no Museu Marítimo de Ílhavo (MMI), garante: «Enriqueceu a minha perspetiva, acrescentou conhecimento e fez-me mais e melhor historiador, na medida em que percebi processos menos abstratos, menos instituídos, que os historiadores, no campo académico, podem ter mais dificuldades em perceber.» Frisa que foi gratificante o trabalho no MMI, «muito racional e muito planeado», só possível «devido a uma visão institucional, política também, de qualificação do museu».
Reconhece, entretanto, que tem havido «um grande progresso no modo como as autarquias encaram a cultura e o património, apesar de algumas ineficiências e opções erradas». E adiantou: «No caso do município de Ílhavo (…), houve uma sensibilidade muito clara relativamente ao papel que o museu marítimo municipal podia ter no desenvolvimento local e regional e no país, enquanto instituição promotora de cultura do mar.»
Álvaro Garrido considera-se mais de Coimbra do que da sua terra natal, Beduído. Diz que gosta muito de Estarreja, onde tem familiares e amigos, e aprecia a Torreira, «um lugar onde garantidamente se apanha frio e vento, mas onde é muito agradável estar», razão por que a considera o seu «lugar de descanso».
Em jeito de síntese, Pedro Olavo Simões traça o perfil do historiador e professor na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, mas também assessor do MMI — O homem do mar com alma agrária [a sua grande paixão era a agronomia] —, sublinhando: «não é possível conhecer a história marítima contemporânea de Portugal, particularmente durante o Estado Novo, sem esbarrar sucessivamente no trabalho de Álvaro Garrido.»
Salienta, entretanto, que o rumo do mar e o setor bacalhoeiro durante o Estado Novo lhe foram sugeridos pelo grande historiador Joaquim Romero Magalhães, recentemente falecido, que «foi seu orientador da dissertação de doutoramento». Afirma que se trata de um «autor especialmente prolífico», com «vasta obra publicada em torno das suas áreas de interesse», que me dispenso de citar pela sua extensão. E já agora, permitam-me que revele um dos seus sonhos: «ver o Sporting campeão.»

Fernando Martins