domingo, 31 de maio de 2020

Alcobaça




Em domingo tranquilo, ainda em tempo de quarentena, que os conselhos aos mais velhos não abrandaram, resolvi recordar momentos agradáveis. Hoje fui de abalada à procura de sítios onde fui feliz, o que acontece quando visito marcas da nossa história pátria. Em Alcobaça, evoquei a gesta do nosso primeiro rei. Passem pelo Google. Ficam três fotos como ponto de partida. 

Primeiro Prior



O nosso primeiro prior. Um gafanhão de antes quebrar que torcer. Um homem determinado e com visão de futuro.

A loucura mundana e o dom da sabedoria

Crónica de Bento Domingues no PÚBLICO

Já estou a prever o lamento tardio se as coisas correrem mal pela insensatez pessoal ou de grupo: o desconfinamento foi muito precipitado!

1. O título desta crónica foi-me imposto por algumas reacções a vários acontecimentos locais e globais – uns mais recentes e outros mais antigos – de consequências que não são fáceis de apagar.
O mais recente, a covid-19, obrigou muita gente a tornar-se monge trapista à força e outra a descer à cova de modo clandestino, sem poder despedir-se de familiares ou amigos.
Vivemos, agora, a febre de recuperar o exercício da liberdade que o medo, as leis e as normas de alguns Estados e Religiões condicionavam. Não falta quem receie que esta febre se transforme num libertário exercício de alguma estupidez ou acentue as dificuldades dos chamados “bairros sociais”, onde as condições de habitação e de circulação, que o trabalho exige, criem novos focos de expansão da pandemia. Pelos vistos, é menos arriscada uma viagem a Marte do que o percurso de um pobre para os seus locais de trabalho diário.
O primeiro-ministro formulou, no entanto, um princípio de sabedoria prática que mantém toda a sua pertinência: “O primeiro dever, de cada uma e de cada um de nós, é cuidar do próximo. É o de evitar que, por negligência, por desconhecimento, ponhamos em risco a saúde do outro.”

A Torre de Babel e o Pentecostes

Crónica de Anselmo Borges no Diário de Notícias 

"O fruto mais excelente do Espírito é o amor unido à benignidade, à bondade, à fidelidade e à mansidão"

Celebra-se hoje, na liturgia católica, a festa do Pentecostes, o acontecimento inaugural da Igreja cristã, que irradia luz fulgurante também para os tempos que estamos a viver, tempos de penúria e de noite, penúria no sentido do verso famoso de Hölderlin: "Wozu Dichter in dürftiger Zeit?" (Para quê poetas em tempo de penúria, indigência mais funda e abrangente do que a meramente económica?).
O Pentecostes apenas alcança a sua compreensão adequada em contraposição com Babel, o acontecimento mítico tão conhecido, descrito no livro do Génesis. É um mito, mas o mito transporta consigo uma verdade fundamental, "dá que pensar", como escreveu o grande filósofo do século XX, Paul Ricoeur.
Diz a Bíblia que Javé, ao ver a maldade grande dos homens sobre a Terra, maldade que não deixava de crescer, se arrependeu de ter criado o Homem e se sentiu magoado no seu coração. Por isso, mandou o dilúvio, mas Deus renovou a sua aliança com Noé e com a criação inteira, aliança figurada ainda hoje, ainda que de forma ingénua, no arco-íris, unindo o Céu e a Terra.

sexta-feira, 29 de maio de 2020

Jardim nas nuvens


Não é o nosso mar, por estranho que pareça, com jardim a decorá-lo. É um jardim por cima das nuvens. Uma bela oferta da natureza que não deixa de nos surpreender. No Caramulo, em dia límpido. 

Homem sensato, Homem insensato

"O homem sensato adapta-se ao mundo. 
O homem insensato insiste em tentar adaptar o mundo a si. 
Sendo assim, qualquer progresso depende do homem insensato" 

Bernard Shaw (1856-1950), dramaturgo

No PÚBLICO -Escrito na Pedra 

Celebrações comunitárias estão de volta





Ler mais aqui 

Gafanha da Nazaré



Não sei quando é que este cartaz foi concebido e porquê. Só sei que o tinha guardado num disco externo, mas também sei que corresponde à verdade. Terra acolhedora, não discrimina quem chega e a todos respeita como se filhos seus fossem. Venham de onde vierem, aqui há sempre lugar para mais um. Eu sei que toda a gente  dirá o mesmo das suas terras de origem, porém, cada um torce pelo torrão que o viu nascer ou por aquele que o recebeu de braços abertos.

F. M.

NOTA: O cartaz foi elaborado no âmbito de uma ação da ADIG (Associação para a Defesa dos Interesses da Gafanha da Nazaré.

Abre o coração ao sopro do Senhor

Reflexão de Georgino Rocha
para  a Festa de Pentecostes 

"O sopro de Jesus gera em nós um coração novo, um olhar puro, uma audácia ousada, uma experiência feliz"

João coloca o envio do Espírito Santo no dia da Ressurreição, o primeiro da semana, ao anoitecer (da esperança dos discípulos). Jo 20, 19-23. Lucas prefere situá-lo na festa de Pentecostes, festa tradicional das colheitas, festa memorial que passa a celebrar a aliança de Deus com o seu povo, a partir do Sinai. Lucas, com esta opção, pretende fazer catequese e mostrar que o novo povo, a comunidade cristã, nasce com a vinda do Espírito e o anúncio de Jesus ressuscitado pelos apóstolos.
A narrativa de João “visualiza” esta vinda de forma expressiva e solene. Constitui uma cena enternecedora, cheia de significado, tendo Jesus apresentado as suas credenciais ao grupo amedrontado – apesar dos sinais de esperança ocorridos durante o dia -, fechado em si mesmo e na casa onde estava reunido, enquanto a noite descia lentamente sobre a cidade. E a reviravolta acontece, a começar pela sintonia criada e audácia assumida.
Jesus aparece e coloca-se no meio deles, deseja-lhes a paz, mostra as feridas da sua paixão, reafirma a união que mantém com Deus Pai de quem é o enviado, anuncia a missão que lhes vai confiar, sopra sobre eles e diz: “Recebei o Espírito Santo”. Que “evolução” anímica e espiritual se pode pressentir neste episódio singular: da dispersão interior à convergência em Jesus, o centro do encontro que gera vida; do medo castrador à coragem fecunda e inovadora; da inquietação perturbante à pacificação harmoniosa e confiante; da tristeza amarga pela sensação de uma ausência sofrida à experiência exultante de alegria pela novidade da presença tão desejada; do vazio existencial face ao presente e ao futuro, ao envolvimento imediato na missão condensada na “gestão” sábia do perdão como dom de Deus.

quinta-feira, 28 de maio de 2020

TOCAR OU NÃO TOCAR, A ETERNA QUESTÃO

Foto da rede global
O regresso à vida, paulatinamente mas com segurança, dá-nos que pensar. Usar máscaras está assumido com um ou outro esquecimento. Ainda hoje, fomos obrigados a voltar a casa, apenas porque faltava a máscara. Com elas no sítio certo, lá seguimos viagem para as habituais compras do dia. E logo voltámos às transgressões porque admitimos que estava tudo dentro das normas. Desinfeção à entrada. Muito bem. Mas não estaria: Era preciso pôr fruta nos sacos, escolher legumes e conservas, adoçante, pão, peixe e mais umas coisas, normalmente embaladas. E estaria tudo virgem? E não andaram por ali a mexer, tão típico do nosso povo? E não é verdade que todos aprendemos a ver com as mãos? E os carrinhos estariam isentos do coronavírus? E os cartões? E os balcões e corrimões? E os multibancos e semelhantes? E tudo e mais tudo o que está à venda? Pois é. O perigo espreita.
Estamos atados a correntes higiénicas sem precedentes. Medrosos e duvidosos. Frente a frente com ameaças. Lado a lado com a dúvida. E onde está o caminho imaculado?

F. M. 

quarta-feira, 27 de maio de 2020

O PAULO TEIXEIRA JÁ ESTÁ NO CORAÇÃO DE DEUS



Fui surpreendido, há minutos, pela notícia do falecimento do Paulo Jorge Albuquerque Teixeira, 55 anos, a quem me ligavam laços de franca amizade, pela sua extrema simpatia e por interesses comuns, no âmbito do folclore e etnografia, mas também pela sua dedicada entrega ao Movimento de Schoenstatt e ao Santuário da Gafanha da Nazaré, de que foi responsável pela comunicação. O Paulo Jorge era casado com Maria de Fátima Coelho Ferreira, a Fami para os amigos, e sempre os vi juntos, onde quer que os encontrasse. Sorridentes, denunciavam o amor que os unia e a simplicidade no trato social e na vivência espiritual que cultivavam. 
Filho de Américo Teixeira e de Alda Albuquerque, era irmão de Ana Maria e Teresa Cristina e amigo de toda a gente que se cruzasse com ele e sua esposa, deixa um vazio difícil de preencher, tanto mais que cada ser humano é único e irrepetível. O Paulo, contudo, permanecerá na memória de todos os seus inúmeros amigos como um homem bom e disponível, sensível e militante da espiritualidade Mariana. 
À família, e em especial à sua Fami, nossa querida amiga, apresento condolências enriquecidas pela garantia das minhas orações. Deus já o acolheu no seu regaço maternal.
Permitam-me que  apresente também  condolências à Família de Schoenstatt de que o Paulo fazia parte com a Fami. 

Fernando Martins

GUTERRES RECONHECIDO AO PAPA FRANCISCO



«A pandemia deve ser uma campainha de alarme. As ameaças globais exigem uma nova unidade e solidariedade.» A afirmação é do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, em entrevista aos meios de comunicação do Vaticano, na qual defende que futuras vacinas ou tratamentos para o Covid-19 não devem ser «para um país ou uma região ou uma metade do mundo», mas ficarem «disponíveis para todos, em todo o lado». O responsável considera que «as desigualdades e as diferenças na proteção social que emergiram de maneira tão dolorosa devem ser encaradas».

NOTA: Transcrevo, com a devida vénia, texto e foto do Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura pela importância do tema que merece ser partilhado e refletido. A questão da pandemia que abalou o mundo, continua a inquietar a humanidade e será, como se diz, "uma campainha de alarme", no sentido de todos criarmos "uma nova unidade" , rumo à solidariedade plena.

Ler todo o texto aqui 

PRIMEIRO BATIZADO NA GAFANHA DA NAZARÉ

Alexandrina Cordeiro - 11 de setembro de 1910

Alexandrina Cordeiro 
No livro dos assentos dos batizados realizados na Gafanha da Nazaré, obviamente depois da criação da paróquia, consta, como n.º 1, o nome de Maria, sem qualquer outra anotação no corpo da primeira página. Porém, na margem esquerda, debaixo do nome referido, tem a informação de que faleceu a 28-11-1910. Nada mais se sabe. 
O que se sabe e foi dado por adquirido é que o primeiro batizado, celebrado pelo nosso primeiro prior, Pe. João Ferreira Sardo, no dia 11 de setembro de 1910, foi Alexandrina Cordeiro. Admitimos que o nosso primeiro prior tomou posse como pároco no dia 10 de setembro de 1910, data que o Pe. João Vieira Rezende terá considerado como o da institucionalização da paróquia, criada por decreto do Bispo de Coimbra em 31 de agosto do referido ano. 
Diz assim o assento: «Na Capella da Cale da Villa, deste logar da Gafanha e freguesia de Nossa Senhora de Nazareth, do mesmo logar servindo provisoriamente de Egreja parochial da freguesia de Nossa Senhora de Nazareth, concelho d’Ilhavo, Diocese de Coimbra, baptisei [Pe. João Ferreira Sardo, pároco encomendado] solenemente um indivíduo do sexo feminino a quem dei o nome de Alexandrina…» 
Alexandrina, a primeira pessoa batizada na nova paróquia, com o assento n.º 2, nasceu em 26 de Agosto de 1910, sendo filha legítima de Domingos Ferreira e de Joana de Jesus, jornaleiros, naturais desta freguesia e nela residentes e recebidos na freguesia de Ílhavo. 
A nova batizada era neta paterna de Manuel Ferreira e de Maria d’ Oliveira e materna de Jacinto Sarabando e de Rosa de Jesus. Foram padrinhos António Cova, solteiro, jornaleiro e Maria de Jesus, casada, criada de servir, todos desta freguesia. 

F. M.

terça-feira, 26 de maio de 2020

UM SONETO DE CAMÕES PARA VARIAR


Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
Muda-se o ser, muda-se a confiança;
Todo o mundo é composto de mudança,
Tomando sempre novas qualidades.

Continuamente vemos novidades,
Diferentes em tudo da esperança;
Do mal ficam as mágoas na lembrança,
E do bem, se algum houve, as saudades.

O tempo cobre o chão de verde manto,
Que já coberto foi de neve fria,
E em mim converte em choro o doce canto.

E, afora este mudar-se cada dia,
Outra mudança faz de mor espanto:
Que não se muda já como soía.

Luís de Camões

HELENA ROSETA EVOCA RIBEIRO TELES

Ribeiro Teles (Foto da rede global)

Em artigo de opinião, no PÚBLICO, Helena Roseta evoca, com ternura, a figura consensual de Gonçalo Ribeiro Teles, que hoje completa 98 anos. O texto, intitulado “O mais novo de todos nós”, recorda o homem que foi «o grande pioneiro português das causas que mobilizam milhões de jovens de todo o mundo». 
Helena Rosita, arquiteta e política desassombrada, sublinha que Gonçalo Ribeiro Teles foi «Capaz de aliar um profundo conhecimento e amor pela natureza aos seus ideais democráticos e de justiça social», ensinando-nos a todos «a importância de respeitar os equilíbrios físicos e biológicos dos territórios». Diz ainda que «Criou as bases dos conceitos de reserva agrícola e reserva ecológica nacionais, que considerava fundamentais para a salvaguarda da nossa independência». 
Esta minha curta nota visa apenas manifestar a admiração que sempre nutri pelo arquiteto paisagista Ribeiro Teles, um político que fez parte da Aliança Democrática, ao lado de Sá Carneiro e Freitas do Amaral, deixando marcas indeléveis da sua paixão pela natureza, neste recanto que se impôs ao mundo quase há nove séculos.

F. M. 

segunda-feira, 25 de maio de 2020

SEM ARTISTAS, O MUNDO SERIA UMA SECA


Sem artistas, o mundo seria uma seca e nem sempre percebemos isso. Usufruímos do muito que eles nos dão, pelas mais diversas formas, mas raramente valorizamos os seus contributos para a beleza da vida de cada um de nós, enquanto membros de uma sociedade de culturas e de artes. 
Não direi nada de novo se afiançar que as artes estão em toda a parte: na ruas, nos edifícios e monumentos, nos livros, revistas e jornais, no cinema e no teatro, nas rádios e televisões, na pintura e na escultura, no que vestimos e calçamos, no que comemos e bebemos e em tudo o que nos envolve. 
Veio a crise, sentimos o desemprego, lamentamos os que passam fome, compreendemos que o Estado não tem mãos a medir para acudir aos mais pobres e debilitados, mas nunca pensamos, admito eu, que há artistas com carências de variadíssima ordem. E deles veio um gesto que nos deve fazer pensar. Ver aqui

A VIDA PLENA JÁ NOS ENVOLVE

Praia da Barra - Foto do meu arquivo 
Apesar de todos os condicionalismos impostos pelas circunstâncias bem conhecidas de todos, penso que podemos admitir o regresso à vida normal. Ainda se fala do Covid-19 e dos seus números nos mais diversos momentos noticiosos, os mais variados, mas o nosso gosto pela vida normal dá-nos coragem para admitir que a vida tem mesmo de continuar. Não será como dantes, mas a capacidade de adaptação às realidades concretas do ser humano é suficientemente forte e inteligente para se impor. 
Afirmo esta minha certeza pela experiência que tenho do que vivi ao longo do tempo. De preferência com máscara e com as regras sanitárias impostas e aceites em todos os meios que tenho visitado, mesmo que timidamente ainda, admito que estamos no bom caminho, afugentando os medos que o nosso consciente e inconsciente interiorizaram. Ainda bem, porque tudo se torna muito mais fácil. 
A higiene seguida ou sugerida já ocupou um lugar especial no nosso íntimo e, quando assim é, jamais haverá conflitos. Eu quero crer que a vida plena já nos envolve a todos. Ainda bem. 

Fernando Martins

PARA COMEÇAR A SEMANA


Garantidamente, o sol está de volta, segundo dizem os entendidos. Ainda bem, que dele estávamos todos desejosos. E com ele vem o gosto de caminhar na praia, descontraidamente, em conversa amena, respirando os ares enriquecidos pela maresia. 
Boa semana para todos.

domingo, 24 de maio de 2020

 DIA MUNDIAL DAS COMUNICAÇÕES SOCIAIS


Celebra-se hoje, Domingo da Ascensão, o 54.º Dia Mundial das Comunicações Sociais, que tem por tema, na Mensagem do Papa Francisco, «Para que possas contar e fixar na memória. A vida faz-se história». Na minha ótica, esta é uma boa oportunidade para todos refletirmos sobre a importância dos órgãos de comunicação nas nossas vidas. São eles que nos formam e informam, nem sempre com a oportunidade e a equidade necessárias à vida de todos, em geral, e de cada um, em particular, não dispensando, contudo, direta ou indiretamente, a nossa colaboração. 
A comunicação social (CS) é demasiado complexa e não pode deixar de o ser, ou não abrangesse o mundo inteiro, com as suas múltiplas formas de viver, de pensar e de agir. Ela reflete, logicamente, quem a concebe e a dirige, quem a faz e quem a procura, mantendo na sua base interesses económicos, sociais, políticos e religiosos, entre muitos outros, nomeadamente de pessoas de princípios sadios, de mistura com outras desonestas e de moral duvidosa. 
O leitor tem de se esforçar por descobrir onde está a verdade e a ética, onde residem os princípios sãos, as sugestões oportunas, enfim, tudo o que possa contribuir para a construção de um mundo onde valha a pena viver com dignidade, com alegria e com otimismo, recusando a mentira, as tiranias, os ódios, as vinganças e as raivas, que muita CS transporta. 
A todos, crentes e não crentes, aconselho a leitura da mensagem do Papa Francisco para este dia.

VIVER E AJUDAR A VIVER

Crónica de Bento Domingues no PÚBLICO

«É tempo de acabar com todas as guerras: as guerras contra a natureza e as que nos destroem mutuamente. Há quem diga que têm proporcionado grandes avanços científicos e tecnológicos. Parece que ninguém está interessado numa vacina contra a guerra e ela existe: mudar de vida.»

1. Gostei muito, por várias razões, da entrevista a Ben Ferencz, o único procurador vivo do célebre tribunal de Nuremberga, publicada na Revista Expresso [1]. Quando participou nesse tribunal tinha 27 anos. Atingiu, agora, os 100, cheio de vigor, de humor e de esperança. Não resisto a deixar aqui, num breve apontamento, o eco deste testemunho.
Foi confiada a Ben Ferencz, pelo referido tribunal, a tarefa de investigar os crimes dos Esquadrões da Morte dedicados a procurar e matar todo o judeu que encontrassem – homem, mulher ou criança – e fazer o mesmo aos ciganos e a todos os inimigos do Reich.
Nesta entrevista, sem negar a importância do dever da memória, confessa que não quis ficar colado a esmiuçar o horror desse passado. Voltou-se para o futuro e dedicou a sua vida a lutar para erguer leis e tribunais, para que os crimes de guerra, crimes contra a humanidade, não possam ficar impunes.
Quem começa as guerras são pessoas e os crimes são cometidos por indivíduos que devem ser responsabilizados pelas suas acções. Quando foi procurador do tribunal de Nuremberga, o genocídio ainda não estava nos códigos. Usou esse termo, mas verificou que os nazis não podiam ser julgados por esse crime, enquanto tal, por falta de lei aplicável.
Não desistiu e, em 1948, a Convenção sobre Genocídio foi adoptada pelas Nações Unidas. Comenta: “É uma vergonha que os EUA tenham demorado 40 anos para assinarem essa Convenção. Só aconteceu em 1998.” Desde 2002, existe o Tribunal Penal Internacional, mas os EUA ainda não o reconheceram!
Adianta, no entanto, que Trump devia ser julgado nesse tribunal. Este Presidente dos EUA, no seu primeiro discurso, na ONU, atreveu-se a dizer acerca da Coreia do Norte: “Se nos ameaçarem, destruir-vos-emos totalmente.”
Como se atreve a ameaçar com a destruição um país inteiro e toda a sua população? Foi precisamente isso que os alemães fizeram com os judeus. Agora, ao levantar um muro nas fronteiras com o México, separa as mães dos seus próprios bebés! Não é isto um crime contra a humanidade?

CARÍCIAS DE DEUS

Crónica de Anselmo Borges no Diário de Notícias

«Estou convencido de que o bispo de Bragança não é caso único. Mas é um excelente exemplo da Igreja em saída, que olha para o Céu, com os pés assentes na Terra, distribuindo “carícias de Deus”. Para que se concretize um mundo melhor.»

1. Hoje celebra-se, na liturgia católica, a festa da Ascensão de Jesus ao Céu. Evidentemente, quando se fala em ascensão, não se está a fazer descrições geográficas; trata-se tão-só de tentar expressar simbolicamente que Jesus entrou na plenitude da Vida que é Deus. 
Antes da despedida, prometeu aos discípulos o Espírito Santo, o Espírito de Deus, que é Amor, aquela luz e força que ilumina, vivifica, dá ânimo, consolação, confiança, coragem. E disse-lhes, segundo os Actos dos Apóstolos, de São Lucas: “Sereis minhas testemunhas em Jerusalém, por toda a Judeia e Samaria e até aos confins do mundo.” Desapareceu da sua vista e “como estavam com os olhos fixos no céu, para onde Jesus se afastava, surgiram de repente dois homens vestidos de branco, que lhes disseram: “Porque estais assim a olhar para o céu?” E observou-lhes que agora a sua missão era partir, para cumprir a missão que Jesus lhes entregara. 
Esta é a missão da Igreja. Sim, olhar para o Céu, anunciar o sentido da vida, o Sentido último da existência humana, que não caminha para o nada, mas para a plenitude da Vida em Deus. A missão da Igreja, essencial, é ser a multinacional do sentido de todos os sentidos, do Sentido último. Ao mesmo tempo, e por isso mesmo, não pode ficar parada a olhar para o Céu. Não pode abandonar o mundo, a Terra, criação de Deus. É aqui que vivemos e a missão da Igreja é continuar o projecto de Jesus, concretizá-lo, aqui, porque queremos, como é desígnio de Jesus, viver num mundo que é de todos e que deve ser para todos, na justiça, na igualdade radical, na dignidade livre e na liberdade digna, num mundo onde todos possam viver em paz e realizar a sua dignidade humana e divina. 
A missão da Igreja tem esta dupla vertente: olhar, na Terra, para o Céu. A igreja de Marco de Canavezes, de Siza Vieira, di-lo como só um artista o sabe dizer. Tem uma porta com 10 metros de altura e, quando se sai da celebração, ela abre-se e continuamos com os pés assentes na Terra, mas, diante de nós, abre-se o Céu. 

sábado, 23 de maio de 2020

D. JOÃO EVANGELISTA NOMEADO BISPO DE VILA REAL

1923-23-Maio

D. João chega a Vila Real - Foto da Ilustração Moderna
“O insigne aveirense D. João Evangelista de Lima Vidal foi nomeado pelo Papa Pio XI como primeiro bispo da nova Diocese de Vila Real de Trás-os-Montes, cuja bula foi assinada nesta data” 
(João Gonçalves Gaspar, Lima Vidal no seu Tempo, II, pg. 135) — J. 

In Calendário Histórico de Aveiro 
de António Christo e João Gonçalves Gaspar

À ESPERA DA MARÉ


Para quebrar a monotonia do dia, nada melhor do uma foto que me conduza à nossa ria. O marinheiro espera a maré para seguir viagem rumo a novos pesqueiros. Ali, as três canas de pesca não dão sinal de peixe, mas o marinheiro não desespera. A sua hora há de chegar.

sexta-feira, 22 de maio de 2020

ACOLHE A MISSÃO QUE JESUS TE CONFIA

Reflexão de Georgino Rocha 
para a Festa da Ascensão do Senhor

“Ide e ensinai”, ordena Jesus, com toda a sua autoridade, na declaração final que precede a sua Ascensão. Os discípulos vivem um “feixe” de sentimentos que vão da dúvida ao reconhecimento e à adoração. Acolhem a ordem/envio com docilidade e “temor” pois os horizontes da missão são desproporcionados às suas forças e capacidades. Ir por todo o mundo, ensinar todas as nações, fazer discípulos de todos os povos, baptizar os que acreditam, constituem expressões que configuram a amplitude da sua nova responsabilidade. E eles, seres humanos frágeis e hesitantes, limitados nas capacidades e nos conhecimentos, marcados e formatados pelos hábitos de trabalho duro e da cultura judaica, eles a sentirem a desproporção do que lhes é incumbido e a realidade das suas forças, sem contar com a adversidade de certas e surpreendentes circunstâncias. Mt 28, 16-20.
Quem se atreveria a aceitar tal mandato ou, pelo menos, não pediria algum esclarecimento? Quem não sentiria a tentação da debandada, deixando o lugar vago à espera que outros viessem fazer o que era da sua responsabilidade? Quem não hesitaria em fazer “ouvidos moucos” a tal imperativo, ainda que se retardasse o ritmo do que estava planeado? Estas e outras interrogações trespassariam qualquer coração humano que contasse apenas com os seus recursos. A probabilidade do fracasso era grande.
Mas os discípulos não dão sinais de reagir desfavoravelmente, não manifestam qualquer temor e dispõem-se a tudo. Reconforta-os, sem dúvida, a promessa/garantia de Jesus: “Eu estou sempre convosco até ao fim dos tempos” e ainda: Enviar-vos-ei o Espírito para que esteja em vós e habite convosco.

terça-feira, 19 de maio de 2020

PONTO DE VISTA: VERÃO SEM FESTAS


Está visto e revisto que o próximo verão vai ser muito monótono, sob o ponte de vista festivo: Os programas oficiais não contemplam festas. E sem elas, teremos de recorrer à imaginação de cada um e das famílias. Mesmo que as condições de saúde pública se alterem para melhor, o que será desejável mas difícil de prever, não haverá possibilidades de organizar as tradicionais festas, tanto de âmbito particular como de freguesia e concelhia como regional e nacional.
Nesse pressuposto, temos à nossa disposição e imaginação tempo para recrearmos os nossos lazeres de férias e de convívios, porque nem só de trabalho vivemos nós. Dentro do que será permitido, podemos enveredar por passeios, perto ou mais longe, viagens que nos permitam contemplar outros ambientes, pessoas e culturas, recorrendo aos nossos próprios meios para registar o que mais nos sensibilizou, porque não faltam plataformas digitais para tudo partilhar, numa troca frutuosa de gostos, os mais diversos e até acessíveis.
Por aqui darei conta do que fizer e daquilo que mais me há de marcar no próximo verão.

F. M.

CONFINAMENTO


Falhei no confinamento. No princípio, fiquei confuso sem saber que fazer. Pensei num diário, que não vingou. Tentei e atirei ensaios para a reciclagem. Para não cair na tentação, limpei o que lá estava. Olhando para trás, vislumbrei recordações carregadas em período de exceção: pessoas, gestos, visões de cidades, do mar, da ria, de jardins e caminhos... senti vontade de transgredir, notei olhares magoados, dramas, ameaças, medos. E nas conversas, sem hora marcada, planeei que haveria de fugir do nada. Viajei pelo meu interior, sozinho ou acompanhado. E na viagem lá estavam horizontes escondidos, e quis voltar onde já estive, e imaginei futuros sem horas da saída, e quis saber quando recomeçar, e percebi que estou a caminho. 

F. M.

segunda-feira, 18 de maio de 2020

A VIDA VAI CONTINUAR


Ontem, domingo, parte significativa da minha família reuniu-se para um almoço-convívio, o primeiro da nova era das nossas vidas, sob a lupa atenta de todos, não fosse o danado coronavírus atacar-nos sem dó nem piedade. Estava patente na mente e nos gestos de todos o respeito rigoroso pelas regras ditadas pelas leis em vigor e pelo bom senso de quem, desde que a crise se instalou no mundo, sem olhar a políticas, etnias e horizontes, sentiu as ameaças e as angústias de milhões de pessoas. 
Ao ar livre, no relvado e no coberto anexo, duas mesas à distância necessária, comes e bebes bem acondicionados e divididos, nada de abraços e beijos, conversas e alegrias partilhadas, máscaras prontas para entrar em ação… E assim se passou o primeiro dia das nossas vidas de família alargada, ao ar livre, dia soalheiro, sem o vento incomodativo, sem pressas, com os receios postos de lado, que deles andávamos todos fartos e ansiosos de procurar a natureza. 
Nos meus silêncios habituais, que deles por temperamento não consigo fugir, lembrei os que não puderam vir, que tudo aconteceu por acaso, por parte dos que desejavam libertar-se por umas horas da grande cidade que é o Porto e porque as saudades eram muitas. 
Tenho para mim que a vida vai continuar. As autoridades já escancararam os portões com regras à mistura a partir de hoje, segunda-feira. Ontem, fizemos em família o primeiro ensaio. Correu bem porque  quisemos que assim fosse. Assim toda a gente queira fazer o mesmo.

Fernando Martins

domingo, 17 de maio de 2020

AINDA O VOCÁBULO GAFANHA



Tem-se falado e escrito muito sobre a origem do vocábulo Gafanha, com repetições sem conta. Publico hoje, para encerrar por minha conta a abordagem da questão, a digitalização do que foi escrito na Etnografia Portuguesa, III Volume, de José Leite de Vasconcelos, edição de 1942. Esta é a teoria mais erudita e mais consistente, na minha modesta opinião.

NOTA: Digitalizei a partir do livro para traduzir mais fielmente o que então foi elaborado. 

CONVERSÃO ECOLÓGICA E DO DESEJO DISTORCIDO

Crónica de Bento Domingues no PÚBLICO

"Esta crise obrigou-nos a parar. Mas suspeito que este medonho susto ainda não conseguiu alterar, em profundidade, a mentalidade geral"

1. Chegam-me de vários lados, com propósitos diferentes, notícias e comentários sobre o comportamento lamentável de algumas correntes do alto e baixo clero unidas no afrontamento das medidas recomendadas pela OMS e que a DGS e os governos impõem para evitar o contágio da covid-19. Unidas também no declarado incitamento ao seu desrespeito, a nível nacional e internacional.
Essas movimentações ressurgem quando muita gente já se sente desesperada entre o apertado confinamento, o emprego perdido, a ronda da pobreza, a ameaça da morte e um futuro de pouca esperança. A agitação de algumas tendências do clero revela, no entanto, outra conhecida e renovada motivação: atacar a pastoral do Papa Francisco para que as linhas mais inovadoras do seu pontificado e do seu estilo morram e sejam enterradas com ele.
Procura-se fazer acreditar que Bergoglio é um instrumento das forças que desejam acabar com a prática religiosa, já muito enfraquecida, numa Europa laicizada. É preciso estar em sintonia com maçónicos, comunistas e ateus para proibir missas abertas ao público e impedir as grandes e tradicionais manifestações da fé católica. Este Papa, dizem os seus adversários, acaba sempre por fazer o jogo dos inimigos da Igreja, transformando-a numa banal associação filantrópica com igrejas de portas fechadas.
Para a grande maioria dos católicos, a relevância do exibicionismo desse clero, com mitra ou sem mitra, depende, em grande parte, do acolhimento que lhe é dado em certos meios de comunicação e não pela sua real representatividade.

JOÃO PAULO II: NO CENTENÁRIO DO NASCIMENTO

Crónica de Anselmo Borges no DN

"Foi um lutador incansável pelo que considerava a sua missão: precisamente a defesa da paz, que o levou a viajar pelo mundo todo como seu mensageiro"

1. Celebra-se amanhã, 18 de Maio, o centenário do nascimento de Karol Wojtyla, que havia de ser Papa, com o nome de João Paulo II. 
Fica aí um breve apontamento sobre essa figura marcante do século XX. Não é, de facto, possível escrever a história do século XX ignorando João Paulo II, que não foi apenas uma figura marcante, mas determinante, do século passado. Apresento alguns acontecimentos, um pouco à maneira de flashes, referentes concretamente ao seu pontificado, um dos mais longos da História: mais de 26 anos, de 18 de Outubro de 1978 a 2 de Abril de 2005.
João Paulo II foi um dos líderes mais influentes do seu tempo. Era um homem de convicções, corajoso, profundamente crente no Evangelho e no Deus de Jesus. Foi com ele e as suas viagens por mais de cem países que a Igreja católica tomou real consciência de ser uma Igreja mundial. Foi decisivo para o fim do comunismo no seu país natal, a Polónia, e para a queda do Muro de Berlim. Afirmou e reafirmou os Direitos Humanos. Escreveu notáveis encíclicas sobre ética social e concretamente sobre os direitos dos trabalhadores (Laborem exercens e Centesimus annus) e, se não me engano, foi o primeiro Papa a utilizar a palavra ecologia em todo o seu significado de defesa do meio ambiente. Perdoou àquele que o quis assassinar e visitou-o na cadeia. Reuniu em Assis os representantes das religiões mundiais para a oração, criando o que ficou conhecido como “o espírito de Assis”, no sentido da compreensão entre as várias religiões a favor da paz. Fez o possível para evitar a invasão do Iraque, um erro histórico brutal cujos efeitos ainda hoje o mundo está a pagar. Foi um lutador incansável pelo que considerava a sua missão: precisamente a defesa da paz, que o levou a viajar pelo mundo todo como seu mensageiro. Era humilde: ele que chegara a Papa, jovem e atleta, não teve vergonha em envelhecer sem ocultar ao mundo a sua decadência física.

sexta-feira, 15 de maio de 2020

DIA INTERNACIONAL DOS MUSEUS


Dia Internacional dos Museus (DIM) é celebrado anualmente a 18 de maio, tendo sido criado pelo Conselho Internacional de Museus, um organismo da UNESCO. Penso que não será necessário exaltar a função social, cultural, artística  e histórica dos museus, sobretudo se eles desenvolverem atividades consentâneas com a sua realidade e temáticas que ostentam. Está neste caso o Museu Marítimo de Ílhavo, com o seu Aquário do Bacalhau. 
Como é costume, os museus franqueiam portas durante a celebração do DIM, mas não só, para que as suas exposições, permanentes ou periódicas, possam ser apreciada e divulgadas. 
Vale a pena, pois, participar nas diversas iniciativas promovidas pelos nossos museus, sobretudo pelos da nossa região, qual deles o mais interessante pelas coleções que oferecem  à nossa curiosidade.

Ver programa do MMI

DEIXA QUE O ESPÍRITO DA VERDADE VIVA EM TI

Reflexão de Georgino Rocha para o Domingo VI da Páscoa

“Devido ao estado de pandemia provocado pela Covid-19, o município de Vagos não irá proceder à realização das festividades de Nossa Senhora de Vagos e do Divino Espírito Santo. O investimento que estaria destinado às festas “está a ser aplicado na aquisição de testes Covid-19 e de equipamentos de proteção, a serem distribuídos posteriormente pelas autoridades, nas áreas da segurança, da saúde pública e do social”,  anuncia a autarquia.

Ao longo do tempo pascal, Jesus, como bom pedagogo, prepara os discípulos para a nova etapa que vão viver. O Evangelho deste domingo narra “a conversa”, cheia de confidências, tida antes de partir para o Jardim das Oliveiras e iniciar a Paixão que o levará à morte de crucifixão por ódio dos inimigos e determinação das autoridades. Após a ceia de despedida, fala-se da despedida e da situação em que ficam os discípulos. A hora é grave. O ambiente é carregado e desolador. A sensação de abandono é completa e a tristeza incontida. A saída para o Jardim das Oliveiras está para breve. Escutam-se as últimas palavras que ficam como parte do testamento espiritual do Mestre.
“Eu pedirei ao Pai que vos mande outro Defensor para estar sempre convosco. Ele é o Espírito da verdade…que vós conheceis porque habita convosco e está em vós”. Pedido, promessa, certeza. Jesus refere-se ao Espírito Santo e garante a sua presença activa e companhia amiga que preenchem a sensação do vazio e vencem o temor da orfandade. Ele é o Consolador, o Paráclito, o Advogado. O olhar dos discípulos é reencaminhado para o futuro e o coração alertado para o novo prometido. A partida de Jesus – sua paixão, morte e ressurreição – abre caminho ao Espírito da verdade e, por ele, aos horizontes infinitos do amor de Deus, às realidades definitivas da comunhão da vida plena e feliz. - Jo 14, 15-21

quinta-feira, 14 de maio de 2020

ÍLHAVO - EVENTOS REGRESSAM EM 2021

Foto do meu arquivo

Como já era esperado e sabido, a Câmara de ílhavo suspendeu os habituais eventos marcados com antecedência para este ano. Tudo ficará adiado para o próximo ano se… houver condições para isso. Marolas (julho), Festival da Sardinha (julho), Festival do Marisco (agosto), Festival do Bacalhau (agosto), Festival Cabelos Brancos (setembro) e a Festa dos Bacalhoeiros (setembro) ficam em suspenso e só deverão regressar em 2021. A saúde está primeiro. E ninguém morre por falta dos festivais. 
Embora não seja muito dado a festivais, talvez por temperamento, gosto de ver e de sentir a alegria de toda a gente. É claro que, daqueles festivais indicados acima, só tinha por prazer, nem sei bem porquê, passar pelo Festival do Bacalhau. Mas tudo bem. Realmente, a saúde de todos está primeiro.

AS NOSSAS PAISAGENS


A nossa região está repleta de paisagens que nos obrigam a parar para mais e melhor as podermos contemplar. Cheguei e nem sabia que fotografar para mais tarde recordar. Tudo era desafio: O Farol e povoação envolvente, a entrada da barra com os seus destinos, a torre dos pilotos, o farolim mesmo ao meu lado, as gaivotas que sobrevoam as águas mansas e o silêncio tão importante para o nosso equilíbrio emocional.

quarta-feira, 13 de maio de 2020

GAIVOTAS ENSAIAM INVASÃO À GAFANHA?


Cheguei a pensar que as gaivotas, vindas do oceano, com fome ou em visita turística, estariam a ensaiar uma invasão às Gafanhas, talvez à procura de algum banquete. Não consegui contá-las, porque a velocidade dos seus acrobáticos voos não mo permitiram. Depois admiti  ensaiar  uma eventual fuga estratégica, para evitar o pior, caso reparassem em mim. Felizmente, não foi necessário e até deixaram que registasse a sua passagem, afinal simpática, pela nossa terra. As gaivotas rumaram para outras paragens à cata nem sei de quê.

terça-feira, 12 de maio de 2020

INVESTIR NOS POBRES

Criamos um futuro sustentável quando investimos nos pobres, 
e não quando insistimos no seu sofrimento 

Bill Gates (1955-), empresário e filantropo

Em "Escrito na Pedra" do PÚBLICO 

segunda-feira, 11 de maio de 2020

TANTA FOME DE PEIXE FRESCO

Boca da Barra de Aveiro

O espetáculo que presenciei não é inédito. Quando o peixe abunda no barco de pesca, o bando de gaivotas, talvez inspirado pela abundante pescaria, deixa tudo no mar alto e apressa-se para assistir à descarga do peixe fresco. Monta guarda ao barco, qual batalhão que se apresta para a caça ao peixinho saboroso. Deve ser sardinha, que estamos no tempo dela, havendo a garantia de que apetite não falta. Resta-nos saber se haverá festas aos Santos Populares, mas estou em crer que elas terão lugar no nosso litoral, desde que sejam respeitadas as normas da DGS. É que, se calhar, o Covid-19 já terá viajado para outras paragens.

CRIME HEDIONDO

Todos nos damos conta das brutalidade tão frequentes nas sociedades que habitamos e sempre nos interrogamos sobre o porquê de tanta maldade. A violência, doméstica ou outra, deve ter nascido com o Homem e não terá explicação plausível.
O crime de Atouguia da Baleia, supostamente praticado por um homem (?) sobre a sua própria filha, na presença ou com ajuda da madrasta, deixa-nos horrorizados. Friamente, o homem (?) nem se deu ao cuidado de procurar a menina (filha) que havia desaparecido, por não saber o que fazer. 
No meio deste mundo onde há tanta gente boa, sensível, capaz de amar desinteressadamente, disponível para servir, para educar e ajudar os mais carentes, de quando em vez vêm à tona vidas capazes de odiar, espancar, matar... sem dó nem piedade. Gente que repudia o amor, a paz, a liberdade, a bondade, a ternura. E assim vai o mundo. Se a justiça o condenar por reconhecer o crime que terá cometido, passará uns anos na cadeia e depois virá  a liberdade, mas a menina só permanecerá com o seu sorriso lindo na nossa memória, como mártir às mãos de um homem a quem chamava pai. 

F. M. 

LARGO DO CRUZEIRO VAI SER REQUALIFICADO


A Câmara Municipal de Ílhavo aprovou a aquisição de um prédio rústico no lugar da Chave, Freguesia da Gafanha da Nazaré, pelo valor de 61.200 euros, com o propósito de requalificar o Largo do Cruzeiro. Pretende-se, com esta aquisição, criar um espaço ajardinado e zona de estacionamento. 
Sublinha a autarquia ilhavense que esta requalificação vai devolver àquela largo a sua importância coletiva. O Largo do Cruzeiro, no lugar da Chave, foi palco, ao longo dos tempos, de uma das diversas centralidades da nossa terra.

Sobre o Cruzeiro ler mais aqui  

SANTA JOANA - CIDADE E DIOCESE EM REFLEXÃO


Celebra-se amanhã, 12 de maio, o dia da padroeira da cidade e diocese de Aveiro, desta feita sem a pompa e dignidade habituais, por força das determinações impostas pela pandemia que está a inquietar o mundo. Diocese e município remetem para a devoção de cada um a reflexão sobre a fé e obra da filha de D. Afonso V, que optou por Aveiro para viver, longe da volúpia dos Paços Reais, em oração e na entrega aos mais desprotegidos. 
Mas se é certo que a Princesa Joana já foi beatificada, é justo lembrar que o processo de canonização, retomado há anos, por iniciativa do atual Bispo de Aveiro, D. António Moiteiro, ainda não chegou ao fim. Apesar de o povo ter "canonizado" ao longo dos tempos a nossa Princesa Joana, importa, agora,  que todos nos envolvamos, pela oração e pela divulgação dos seus méritos em prol dos aveirenses, mas não só, na caminhada que conduza a uma decisão favorável do Papa. 

Ler o que escrevi aqui sobre o livro.

domingo, 10 de maio de 2020

É OU DEVIA SER?

"O objecto principal da política 
é criar a amizade entre membros da cidade"

 Aristóteles (384 a.c.-382 a.c.), filósofo grego

Em Escrito na Pedra do PÚBLICO

NOTA: É ou devia ser? Em Portugal, nos tempos que correm, numa democracia a caminho do meio século de vida, não me parece que a amizade seja uma constante entre membros dos diversos partidos... 

A MINHA DÍVIDA PARA COM D. MANUEL VIEIRA PINTO

Crónica de Bento Domingues no PÚBLICO

Com D. Manuel Vieira Pinto, as comunidades cristãs eram incentivadas a uma radical criatividade. Nascia uma nova forma de ser Igreja, na linha do Vaticano II, mas a partir da base.

1. Os Dominicanos viveram uma longa história em Moçambique. A Congregação de Santa Cruz das Índias não confinava a sua acção missionária aos continentes asiático e australiano, orientava a actividade de todos os dominicanos portugueses em terra de missão, quer se desenvolvesse na Ásia, na Oceânia ou na África.
Em Moçambique, trabalharam desde o séc. XVI até ao séc. XIX. É uma história que está, em grande parte, por fazer, quer sobre momentos de fidelidade missionária, quer dos períodos de declínio ou de decadência. Destaco, apenas, que o primeiro religioso de Moçambique foi um dominicano. Por outro lado, a Etiópia Oriental e Vária História de Cousas Notáveis do Oriente [1], de Frei João dos Santos, continua uma obra de referência obrigatória, “uma obra singular no panorama da literatura portuguesa seiscentista”.
Os Dominicanos portugueses só voltaram a formar uma comunidade em Moçambique, na Diocese de Nampula, com D. Manuel Vieira Pinto, falecido no passado dia 30 de Abril. Quando, depois da independência, foram impedidos de viver em comunidade e de continuar a importante obra social que tinham desenvolvido, regressaram a Portugal [2]. Frei João Domingos ainda estudou a viabilidade de um regresso. Concluiu que seria preferível começar tudo de novo em Angola, para onde foi, em 1982, com Frei Gil e Frei José Nunes. Os frutos mostraram, e continuam a mostrar, que ele tinha razão.
Apesar disso, o Bispo de Nampula não dispensou o contributo dos Dominicanos. Como membros do Instituto S. Tomás de Aquino (ISTA), vários dos seus professores, nomeadamente João Domingos, Luís França, Raimundo de Oliveira e eu próprio fomos chamados a colaborar na reciclagem dos missionários e na formação dos Animadores de Comunidades.

UM ASTROFÍSICO E UM FILÓSOFO FRENTE À COVID-19

Crónica de Anselmo Borges 
no Diário de Notícias


Têm outro horizonte de compreensão e, por isso, podem ajudar-nos no discernimento da presente hecatombe. Ambos muito conhecidos. Um é astrofísico, o outro é filósofo. Do alto do seu saber e da sabedoria que a idade, 88 e 98 anos, respectivamente, também dá, vale a pena ouvi-los. Foi o que fiz, pela intermediação de entrevistas que deram, a partir do seu confinamento. 

1. O astrofísico é Hubert Reeves, que conversou com Luciana Leiderfarb para o Expresso. E que disse? 
Constatou o facto: em casa, confinados, por causa de um vírus invisível. “A única coisa que não é clara para mim é se a poluição e a degradação do planeta a que estamos a assistir e a que chamamos a ‘sexta extinção’ estão ou não relacionadas com este vírus.” Embora não seja especialista na matéria, pensa que “está perto da verdade: a pandemia não foi causada directamente pela sexta extinção, mas indirectamente, facilitando as condições para o coronavírus se expandir tão depressa.” 
De qualquer modo, somos muito maus a fazer antecipações: “Ninguém sabe do futuro. É a imprevisibilidade da realidade que quero destacar. A realidade é difícil de prever, e somos muito maus a fazê-lo.” Mas temos hoje excesso de poder que nem sempre queremos ou somos capazes de controlar, e aí está o perigo: “Temos duas formas de nos autodestruirmos: através de uma guerra nuclear ou da sexta extinção. Ambas podem eliminar-nos e dependem do nosso autocontrolo.”

sábado, 9 de maio de 2020

DIA DA EUROPA


O Dia da Europa celebra-se neste dia, 9 de maio. Esta celebração também inclui a Declaração de Schuman, que deu origem à União Europeia, composta atualmente por 28 Estados-membros. Confesso que não vi grande relevo dado à efeméride, quer por parte das entidades ligadas à Europa que oficialmente nos une, quer por iniciativa de particulares. Ou então sou eu que ando distraído, neste mundo tão dividido. Nesta União Europeia, de tantos contrastes, onde países ricos convivem  mal com países pobres, penso que cada um se volta mais para as suas preocupações, não faltando, da parte de alguns poderosos, arrogâncias que magoam. E cada um que se governe... Solidariedade e políticas afins raramente têm em conta, a meu ver, as sociedades mais frágeis. É a União Europeia possível, para já.

MISSA EM TEMPO DE COVID-19


Informação da Agência Ecclesia

FIGUEIRA DA FOZ VISTA HÁ 15 ANOS

Torre e praia do Relógio
Oásis, na praia
Centro de Artes e Espetáculos
Há muito que ver, para além das praias 

Diz-se que a origem do nome Figueira da Foz está ligada a uma figueira que existia no cais da Salmanha, onde os pescadores amarravam os barcos. No entanto, Nelson Correia Borges afirma que Figueira deriva de "fagaria" (abertura, boqueirão), foz deriva de "fauces" (Embocadura). Também Mondego, o célebre rio que na Figueira da Foz desagua, vindo da Serra da Estrela, resulta do pré-romano "moud" (boca) e "aec" (rio). Assim, ao pronunciar-se Figueira da Foz do Mondego, repetimos "boca da boca da boca do rio". Isto mesmo pode ler-se no "Guia EXPRESSO das Cidades e Vilas históricas de Portugal". 
Deixemos estas curiosidades, para entrarmos noutras: os romanos deixaram por estes lados marcas da sua presença, como o atesta uma inscrição relativas ao imperador Octávio Augusto. Também se sabe que os sarracenos arrasaram a povoação em 717, muito antes da nacionalidade. Quem hoje, porém, visita a Figueira da Foz talvez nem queira saber do seu passado, que está carregado de história e de estórias, o que faz pena. 
Da pré-história e da sua história, por exemplo, podem falar-nos o Museu Santos Rocha, que não dispensa uma visita. Arqueologia e peças orientais, etnologia africana, cerâmica e vidro, escultura religiosa e outra, pintura de várias épocas, de tudo um pouco pode ser apreciado neste museu. Ao lado, com programação de qualidade, está o Centro de Artes e Espectáculos. 
Passe ainda pelo Palácio Sotto Mayor, mandado construir em 1900 e só terminado em 1920. É um edifício de cinco pisos, ao estilo parisiense, que mostra o modo de vida de gente endinheirada e de bom gosto. Há muito mais para ver, mas hoje fico-me por aqui. 
Depois temos a praia, de areal enorme e convidativo, com decoração ajardinada, ao jeito de oásis, junto à Marginal, por onde caminham, habitualmente, os visitantes. É que a Figueira atrai muita gente pelas suas famosas praias, onde no Verão há lugar para todos. 

Fernando Martins 

Nota: O que escrevi e fotografei no dia 9 de maio de 2005

sexta-feira, 8 de maio de 2020

PONTO DE VISTA: Um Mundo Diferente


Com o Covid-19, o mundo vai sofrer transformações radicais, ao nível dos relacionamentos humanos. Porque o perigo espreita a cada esquina, passamos a olhar os outros como potenciais fontes de contágios que poderão ser fatais. Estão à vista de todos as regras impostas pela pandemia: os hábitos de proximidade e de cumprimentos afetivos, como abraços e beijos, as tertúlias para trocas de impressões e a hora do café para descontrair, o estar com este ou aquele para pôr a escrita em dia, o simples passeio a um recanto turístico, o ir à bola ou a um espetáculo para gritar pelo nosso clube ou para  cultivar o espírito, o ir à missa, a uma peregrinação ou a uma cerimónia,  tudo está por ora cancelado. O outro passa a ser potencialmente um inimigo, em qualquer sítio, em qualquer rua, em qualquer sala.
No comércio e na indústria estão em curso transformações para seguir à risca: circular num só sentido, trabalhar sem contactos com colegas, ser atendidos à distância pelos empregados, usar máscaras em todo o lado, entradas proibidas a quem as não usa, lavar as mãos e desinfetar os objetos ou utensílios, não mexer nos produtos expostos, etc… 
A desconfiança instalou-se nas sociedades até aqui abertas e saudavelmente comunicativas. O medo ainda não nos deixou de vez. Apesar de tudo, creio firmemente que os homens e mulheres do nosso tempo saberão adaptar-se a este mundo diferente que o Covid-19 nos impôs. 

F. M.

SENHOR, MOSTRA-NOS O PAI!

Reflexão de Georgino Rocha 
para o Domingo V da Páscoa

«Não deixemos os idosos sozinhos, 
porque na solidão o coronavírus mata mais»

“Senhor, mostra-nos o Pai e isso nos basta”, pede Filipe a Jesus, após a ceia de despedida, na conversa subsequente em que intervêm outros apóstolos. Tomé abre também o coração, expõe o seu desnorte na compreensão do que o Mestre dizia e interroga-o directamente. Pedro mantém-se silencioso, possivelmente a “mastigar” a premonição que acabava de ouvir: “Antes que o galo cante me negarás três vezes”, ele que havia jurado fidelidade até à morte. Judas, o Iscariotes, levado pela intenção de entregar o Mestre, já havia deixado o grupo, que parece alarmado e confuso. E mais ficaria com o anúncio de Jesus de que os iria deixar a fim de lhes preparar um lugar. Jo 14, 1-12.
“A partida de Jesus, afirma Manicardi, é crise para a comunidade dos seus discípulos. E a perturbação do coração não respeita apenas à esfera emotiva e dos sentimentos, mas indica igualmente que a vontade e a capacidade de tomar decisões estão paralisadas, a inteligência e o discernimento turvos. Jesus, com as suas palavras, está a fazer da sua partida e do vazio que deixa uma ocasião de renascimento dos seus discípulos”. E o autor conclui: “Pedindo fé, instiga-os a transformar o medo da novidade e o terror do abandono em coragem de dar-se, apoiando-se no Senhor, prometendo que vai preparar um lugar para eles. Ele vive a sua partida em relação com quem fica, e mostra que não está a abandoná-los, mas a inaugurar uma nova fase, diferente, de relação com eles. A separação tem em vista um novo acolhimento (cf Jo 14, 2-3)”.