terça-feira, 31 de julho de 2018

A sombra das árvores em dias de calor

A cadeira está à minha espera

A sombra das árvores é sempre um convite a um descanso tranquilizador, por pequeno que seja, a quem passa afogueado com o calor. O mês de julho deste ano, que não foi quente, teve, no entanto, um ou outro dia que nos obrigava a parar a caminhada à sombra de uma árvore. 
Hoje, ultimo dia deste mês, apeteceu-me saborear a frescura de um pinheiro do meu jardim. E aqui me lembrei das redações de pequeno, quando os professores nos pediam os benefícios das árvores. Além dos frutos e da madeira que elas nos davam, lá aparecia sempre, inevitavelmente, a sombra apetecida em dias de calor.

segunda-feira, 30 de julho de 2018

"Sou mais um português ao serviço da Santa Sé"

Foto: Arlindo Homem, na Ecclesia

«"D. José Tolentino de Mendonça, o novo arquivista e bibliotecário da Santa Sé, foi este sábado ordenado bispo no Mosteiro dos Jerónimos.
Numa cerimónia presidida pelo cardeal-patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente destacou a sensibilidade de diálogo do novo arquivista e Bibliotecário da Santa Sé, e elogiou a “fecunda escrita” do novo bispo.
“Agradecemos ao Papa Francisco por te ter escolhido para zelar por um património único de memória criativa. Imensamente maior é o nosso mundo, com quanto tudo nos espera, com quanto atinge de bom e menos bom. A tua inteligência e sensibilidade saberão partilhar o que agora é confiado ao teu bom zelo, e que assim mesmo crescerá também”, disse o cardeal-patriarca, durante a homilia.
O novo bispo recebeu, simbolicamente, os livros dos Evangelhos, a mitra e o báculo, como sinal da sua missão de pastor.»

Nota: Muito poderia dizer ou escrever sobre a ordenação episcopal de D. José Tolentino de Mendonça, que tive o privilégio de conhecer há anos e que, desde essa altura, me habituei a ler regularmente, tanto os seus livros como as suas crónicas no EXPRESSO.  Agora, fico na esperança, quase certeza, de que a sua obra literária vai continuar. D. Tolentino já garantiu que continuará a escrever.
Entretanto, depois de um fim de semana cheio de ocupações inadiáveis, procurei escritos que refletissem  a cerimónia da ordenação, em jeito de reflexão pessoal. E optei pela prosa sentida de Helena Sacadura Cabral. 

domingo, 29 de julho de 2018

Festa em honra de Nossa Senhora do Pranto

Associação de Amigos da Nossa Senhora do Pranto, 
Cimo de Vila - Ílhavo, 
trabalha na defesa da história e da festa da padroeira! 






A Associação de Amigos da Nossa Senhora do Pranto foi fundada em Março de 2016 e é uma instituição exclusivamente constituída por particulares, com o único objectivo de manter e divulgar as tradições e a história das festividades em torno da Nossa Senhora do Pranto, cuja Capela se situa em Cimo de Vila, existindo desde o séc. XVII, segundo os historiadores. 
O actual elenco directivo foi eleito este ano, devido à demissão da anterior direcção. Desde essa altura, tem desenvolvido várias iniciativas de índole popular, como a noite de fados, que teve casa cheia, o festival da sardinha que, durante dois dias, teve a presença de muitas centenas de pessoas, e, ainda, a edição de Pagelas — "Gentes da nossa Terra" — que já vai na 13.ª publicação. 
Recentemente, foram mandados reparar, numa fábrica, em Braga, os dois sinos da capela, os quais não estavam em condições de segurança, devido à madeira e às ferragens que necessitavam de serem substituídas. Curiosamente, e após limpeza dos mesmos, estão agora visíveis as datas de 1866 da fundição de Cantanhede de Joaquim Dias Sorrilha de Campos e de 1939 da Fundição Sinos Nova Lusitânia de Ermesinde.
Outra iniciativa a decorrer é a recuperação do Arco Alegórico, peça centenária e que representa o principal ícone das gentes de Cimo de Vila e da festa de 15 de Agosto para a qual elementos da direcção e muitos residentes em Ílhavo já se encontram a trabalhar.

V Mini Maratona Museu Marítimo de Ílhavo



A V Mini Maratona Museu Marítimo de Ílhavo realiza-se no dia 11 de agosto, voltando a ligar o Museu Marítimo de Ílhavo ao Navio Museu Santo André. Inserida no programa do Festival do Bacalhau, a prova decorre à noite, num percurso de aproximadamente 10 quilómetros. Esta iniciativa cumpre objetivos sociais, revertido a sua receita a favor de uma instituição de solidariedade social do Município.

Fonte: MMI

Uma religião inteligente


"Os escritos bíblicos são testemunhos de homens e mulheres de Deus, que viveram uma experiência e a exprimem. A sua experiência vem do Espírito e, neste sentido, pode dizer-se, com razão, que a Bíblia é inspirada, mas, ao mesmo tempo, é preciso não esquecer a mediação humana, histórica, contingente. Nunca existe encontro directo de Deus, só a sós, com o homem. Efectua-se sempre através de mediações. São os seres humanos que falam de Deus. Não aceitar mediações históricas é cair, necessariamente, no fundamentalismo"

1. Para António Damásio, “não temos qualquer relato científico satisfatório quanto à origem e ao significado do Universo, ou seja, não temos uma teoria de tudo que nos diga respeito. Serve isto para recordar que os nossos esforços são modestos e hesitantes, e que devemos estar abertos e atentos quando decidimos abordar o desconhecido” [1].
Em certas formas de espiritualidade e de teologia, a modéstia não é a regra. Na orientação espiritual, não falta quem se julgue conhecedor da vontade de Deus e com capacidade de a discernir para si e para os outros. Implorar o Espírito Santo para acolher a sua luz é uma condição essencial para estarmos prontos a dar razão da nossa esperança, como recomenda S. Pedro [2]. Sem esse cuidado, seremos cegos guias de cegos. Pedir conselho é próprio de quem reconhece os seus limites. Daí a convencer-se que podemos coincidir, nas nossas opiniões, com a vontade de Deus, é presunção a mais.
Em teologia, sempre me agradou a extrema modéstia de Tomás de Aquino. Foi discípulo de Alberto Magno, assim chamado pelo seu saber enciclopédico e pela sua curiosidade insaciável. Tomás tinha uma consciência pedagógica mais apurada. Notava que os mais novos tinham dificuldade em seguir a multiplicidade de questões no campo científico, filosófico e teológico. Comentou Aristóteles e muitos livros da Bíblia, participou em muitas questões disputadas e não receava ser exposto à curiosidade dos estudantes acerca dos temas mais variados. Resolveu elaborar um imenso guião para principiantes. Acabou por ser muito apreciado pelos investigadores. Trata-se da Suma de Teologia.
Modesta era a sua própria ideia de teologia. Depois de expor o seu projecto, as suas exigências, o seu método e de estabelecer os argumentos humanos que apoiam a fé na existência de Deus, ao dizer vamos tentar saber como Deus é, suspende esse atrevimento: vamos saber como Deus não é [3]. A sua teologia é, sobretudo, uma anti-idolatria. Não atribuir a Deus e à sua vontade o que são construções nossas.

sábado, 28 de julho de 2018

BI do cristão

Anselmo Borges

«"Será com os descartados desta humanidade vulnerável que, no fim dos tempos, Deus plasmará a sua última obra de arte." "Vinde, benditos de meu Pai! Recebei em herança o Reino que vos está preparado desde a criação do mundo. Porque tive fome e destes-me de comer, tive sede e destes-me de beber, estava nu e vestistes-me, estive na prisão e fostes ter comigo. Em verdade vos digo: Sempre que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos foi a mim que o fizestes."»

O que é que verdadeiramente queremos? A realização plena de todas as dimensões do ser humano, a plenitude, a felicidade. O Papa Francisco sabe disso e escreveu a exortação Alegrai-vos e Exultai, para indicar o caminho dessa realização, na convicção de que Deus, "aquele que pede tudo, também dá tudo, e não quer entrar em nós para mutilar ou enfraquecer, mas para levar à perfeição". Sempre sob o desígnio da alegria. Francisco lembra o livro da Bíblia, Ben Sirá: "Meu filho, se tens com quê, trata-te bem. Não te prives da felicidade presente" e também São Francisco de Assis, "capaz de se comover de gratidão perante um pedaço de pão duro ou de louvar, feliz, a Deus, só pela brisa que acariciava o seu rosto". Não se trata, portanto, da "alegria consumista e individualista. Com efeito, o consumismo só atravanca o coração; pode proporcionar prazeres ocasionais e passageiros, mas não alegria". A verdadeira alegria é aquela que "se vive em comunhão, que se partilha e comunica", porque, segundo uma palavra de Jesus, "a felicidade está mais em dar do que em receber". Não será por acaso que na cultura de hoje se manifestam alguns riscos e limites, a evitar: "a ansiedade nervosa e violenta que nos dispersa e enfraquece, o negativismo e a tristeza, a acédia cómoda, consumista e egoísta, o individualismo e tantas formas de falsa espiritualidade sem encontro com Deus que reinam no mercado religioso actual". "O consumismo hedonista pode enganar-nos, porque, na obsessão de nos divertirmos, acabamos por estar excessivamente concentrados em nós mesmos, nos nossos direitos e na exacerbação de ter tempo livre para gozar a vida..., acabando por nos transformar em pobres insatisfeitos que tudo querem provar. O próprio consumo de informação superficial e as formas de comunicação rápida e virtual podem ser um factor de estonteamento que ocupa todo o nosso tempo e nos afasta da carne sofredora dos irmãos. No meio deste turbilhão actual, volta a ressoar o Evangelho para nos oferecer uma vida diferente, mais saudável e mais feliz", adoptando cada um o seu caminho e discernindo segundo os tempos e as circunstâncias, sem, por outro lado, ficar sujeito a um zapping constante. Deus é eterna novidade e não se pode cair na sedução da habituação, do "sempre foi assim": a Igreja não é "uma peça de museu nem uma propriedade de poucos".

sexta-feira, 27 de julho de 2018

VOZ SÉNIOR é uma boa notícia

"VOZ SÉNIOR"
Um jornal da Universidade Sénior 
da Gafanha da Nazaré


O jornal “VOZ SÉNIOR”, editado pela Universidade Sénior da Gafanha da Nazaré, iniciou recentemente a sua publicação. Trata-se de um periódico, “sensivelmente semestral, que se orienta "por princípios de rigor situado e de criatividade proativa», lê-se no Estatuto Editorial. Ainda se inscreve num “desígnio de qualidade para gerar atividade de públicos seniores para a causa coletiva da US-GN», pretendendo “estender-se pelas várias vias de comunicação tecnológica, aprendendo de experiências semelhantes”. 
No Editorial, o diretor, César Fernandes, pároco da Gafanha da Nazaré, sublinha que “O mundo está repleto de notícias, e, muitas vezes — no sensacionalismo que reina nas praças mediáticas — têm mais eco as más que as boas notícias”. Diz também que é importante que todos nós, enquanto cidadãos, “sejamos portadores e criadores das melhores notícias», porque “as boas notícias atraem o otimismo que dá esperança e confiança à vida de cada dia”, sendo este “o melhor futuro”. 
O nosso prior lembra que “cada texto é um retrato de experiências partilhadas de vida e sabedoria acumuladas ao longo dos anos”, respeitando o lema seguido na US — Venha Connosco Partilhar Saberes!
Li e reli alguns textos de colaboradores, alunos e docentes, que nos mostram, de forma simples e objetiva, muito do que se faz na US-GN. Além de notícias, o jornal apresenta-se com diversas fotografias ilustrativas de atividades realizadas ao longo do último ano. E a poesia não poderia faltar, ou não houvesse por ali bons poetas, que bem conheço.

Poema, página 14

Sénior- Idade

Não se sente só e triste
Quem da vida não desiste!
E após longa caminhada
Arduamente trilhada
Há uma nova dimensão
Na vida de um cidadão:
A sua apresentação!
‘Inda há sonhos e projetos
E tantas vezes os netos
Preenchem o novo espaço
Como um amistoso abraço.
E a nossa sociedade
Atenta à realidade
Criou a Universidade!
Onde há tempos pr’ó lazer
E também p’ra conviver!
A cada um o que aprouver 
Seja homem ou mulher.
Só é velho quem quiser!

Maria Donzília Almeida 

Gosto das férias e preciso delas como de pão para a boca



Gosto das férias. Quem não gosta? E preciso delas como de pão para a boca. Preciso de arejar o espírito e de refrescar a alma. E preciso de oferecer algum descanso ao corpo. Preciso de fugir do trivial e sonhar com o possível... ou impossível. Não é o sonho que comanda a vida? Vou pensar nisso. 

Faz-te conviva de Jesus. Adquire um novo olhar

Georgino Rocha

«“Do que sobrou, que nada se perca”, recomenda Jesus, após os comensais se terem saciado. A medida do alimento foi a necessidade. E a recolha é orientação de vida dada pelo Mestre. Há fome em muitas partes. O desperdício não é humano nem cristão. A ética dos bens económicos tem necessariamente implicações práticas. Também aqui o Evangelho é luz para a nossa passagem à outra margem do mar da vida. Faz-te conviva de Jesus. Alcançarás um novo olhar.»


Jesus continua a missão à beira do mar da Galileia. Vinha da outra margem, acompanhado por numerosa multidão. As atitudes que assume denotam o ânimo de cansado peregrino. Sobe ao monte, lugar de repouso e de oração. Com ele vão os discípulos. Senta-se, como bom Mestre a fazer os seus ensinamentos. Levanta o olhar e vê quem vem ao seu encontro: A multidão que persiste em ficar com ele. Parece “esquecer” o que pretendia com o refúgio procurado.
E age imediatamente. É preciso dar de comer àquela gente. O amor compassivo move-o a tomar a iniciativa. Embora saiba o que há-de fazer, quer envolver na busca de solução os discípulos. E assim nos ensina com o seu proceder. As maravilhas de Deus, de que ele é portador/realizador, passam por mãos humanas. Que alegria! Que responsabilidade! Agora, somos nós os “felizardos”.

João, o narrador, apresenta a cena ocorrida com detalhes significativos (Jo 6, 1-15). Indica o local e o tempo, narra o diálogo em busca da melhor solução, mostra a acção dos discípulos, faz-nos ver o proceder de Jesus e o comportamento da multidão que segue prontamente as suas orientações. E deixa, em relevo, a atitude do rapazinho do farnel. É nele que está a reserva do presente e a esperança do futuro: Partilha dos dons e promessa do Pão da vida, a Eucaristi; base de alimentação para os convivas acompanhantes, agora, e símbolo da refeição dos “convidados para a ceia do Senhor”, sempre, como se recorda antes da comunhão na missa. E tudo acontece em ambiente de pic-nic, diríamos em linguagem de hoje!

quarta-feira, 25 de julho de 2018

FESTIVAL DO BACALHAU - 8 a 12 de agosto

Cenário do Festival com as tendas onde pode ser degustado o melhor bacalhau do país
Navio-museu Santo André, arrastão da pesca do bacalhau 
Um aspeto do Jardim Oudinot
A 11.ª edição do FESTIVAL DO BACALHAU vai ter lugar, como desde a primeira hora, no Jardim Oudinot, Gafanha da Nazaré, entre 8 e 12 de Agosto. Trata-se de uma organização da CMI, em parceria com a Confraria Gastronómica do Bacalhau. 
Pela projeção que tem alcançado, garantida pelo êxito das ofertas gastronómicas à volta do fiel amigo, com todas as suas variedades comestíveis (boas postas, caras, línguas, samos), estamos convencidos de que, nesta edição, não hão de faltar visitantes de todos os quadrantes do nosso país e até, ouso arriscar, do estrangeiro. 
É claro que nem só de comer vive o nosso povo. Por isso, haverá animação musical, exposições, concursos e a possibilidade de visitar o navio-museu Santo André, que este ano celebra, com honra, o 70.º aniversário da sua construção.

Fogos na Grécia: perguntas sem sentido

Desolação 

A catástrofe que varreu Portugal no ano passado repetiu-se agora na Grécia. O mundo até parece que está a ferro e fogo. E tanto em Portugal como agora na Grécia multiplicaram-se os gestos de generosidade e de solidariedade fraterna. É nestas ocasiões que se veem os amigos. 
Ora, acontece que há atitudes que não compreendemos. Em Portugal, tanto quanto se sabe ou julga saber, houve quem quis aproveitar-se para conseguir apoios indevidos para a reconstrução de casas, alterando a residência. Os poderes da Justiça e do Estado estão a averiguar. Os chicos-espertos tentam tirar partido, mas desta vez foram apanhados, se a Justiça confirmar que houve, realmente, tentativa de fraude.
No caso da Grécia, ainda me chocou a forma indecorosa como alguns jornalistas se comportaram, com perguntas dirigidas a meros assistentes da tragédia e a comentadores, impróprias de quem tem a obrigação de conhecer a ética profissional. Do género: Que explicação tem para estes fogos? Como vai contribuir para ajudar este povo? Acha oportuna a solidariedade do Estado português? Francamente!

Fernando Martins

terça-feira, 24 de julho de 2018

Dia dos Avós na Biblioteca Municipal de Ílhavo



A Câmara Municipal de Ílhavo convida todos os avós e netos a participarem na comemoração do Dia dos Avós que terá lugar na Biblioteca Municipal, na quinta-feira, dia 26 de julho, pelas 14h30. Nesta comemoração, não hão de faltar atividades para serem vivenciadas por todos os que se associarem à festa. Realmente, quando avós e netos se juntam, há sempre uma festa de franco e salutar convívio.

À descoberta da natureza



Blocos para dominarem o mar

As férias são, sem dúvida, se quisermos, um convite para descobrirmos a beleza da natureza. Diz-se, por vezes com calor, que essa é uma obrigação que carregamos no espírito durante o ano de trabalho, enquanto aguardamos, ansiosos, pelo tempo de descontração. Contudo, se é verdade que a descoberta da natureza nos deve preocupar e enriquecer, também é verdade que o homem, com toda a sua arte e inteligência, nos delicia com o muito que nos oferece. Hoje e aqui mostro blocos que a sabedoria humana criou para dominar a força do mar.

segunda-feira, 23 de julho de 2018

Gaivotas em terra, tempestade no mar





Hoje acordei cedo. Penso que este madrugar, dia a dia repetido, é próprio da idade. Quanto mais velhos, menos dormimos. Dizem que os idosos não dormem… dormitam. Se calhar, é isso mesmo. 
Para ver como estava o tempo, abri uma janela, ainda o sol não tinha acordado. E vi então, na casa de vizinhos, quatro gaivotas que ali, decerto, passaram a noite. Diz um ditado que “gaivotas em terra, tempestade no mar”. Confesso que nunca averiguei esse facto. E fotografei-as. Elas olharam para mim, de soslaio, espreguiçaram-se e foram à vida delas. E eu fui à minha.

Academia de Belas Artes de Ílhavo

A mostra pode ser visitada até ao final do mês

Pedro Santos e família

André Capote e família

Alunos e convidados

Vereadora Fátima Teles com convidadas

No passado sábado, 21 de Julho, foi inaugurada, na Galeria Nuno Sacramento, em Ílhavo, a IV exposição coletiva de pintura dos alunos da Academia de Belas Artes daquela cidade. A mostra, intitulada “CORAÇÃO”, pode ser visitada até final deste mês. 
Os alunos foram desafiados a criar uma obra com a mesma dimensão e tema obrigatório. O resultado foi uma magnífica exposição com 21 telas, 80 X 80, com alunos dos 8 aos 80 anos, onde a criatividade andou à volta do referido tema.

domingo, 22 de julho de 2018

Nem nas férias há sossego

Bento Domingues

«Estamos perante a sacralização de uma grande instituição civilizacional. O ser humano não existe só para trabalhar. Precisa de tempo para viver e exprimir muitas outras dimensões da sua vida. A abertura a Deus revela a transcendência de todos os seres humanos, sujeitos de direitos e deveres continuamente ameaçados.»

1. A narrativa bíblica do mito da criação não pertence ao mundo da ciência, mas ao da poética teológica. Não se situa, por isso, em competição com nenhuma teoria da origem e do desenvolvimento do universo. Confessa que de Deus apenas pode vir o bem e a beleza. Apresenta o Criador encantado com a sua obra, ritmada pelos dias e pelas noites, cheia de tudo o que é bom. Nesse poema, o ser humano – homem e mulher – é a coroa da terra, imagem do infinito mistério do amor. Ao sétimo dia, Deus repousou para celebrar a obra admirável da vitória sobre o caos [1]. 
É uma astuciosa metáfora da legitimação religiosa do descanso semanal: “Não farás trabalho algum, tu, o teu filho e a tua filha, o teu servo e a tua serva, os teus animais, o estrangeiro que está dentro das tuas portas. Porque em seis dias o Senhor fez os céus e a terra, o mar e tudo o que há neles, mas no sétimo dia descansou” [2].
Estamos perante a sacralização de uma grande instituição civilizacional. O ser humano não existe só para trabalhar. Precisa de tempo para viver e exprimir muitas outras dimensões da sua vida. A abertura a Deus revela a transcendência de todos os seres humanos, sujeitos de direitos e deveres continuamente ameaçados.
Nada, porém, está automaticamente garantido na Casa Comum, como lembrou o Papa Francisco na Laudato Si.

sábado, 21 de julho de 2018

Cirurgião Manuel Antunes sai do SNS por limite de idade

45 mil cirurgias cardíacas e pulmonares 
e 385 transplantes de coração 


Ouço falar do cirurgião Manuel Antunes há bastantes anos. Com 45 mil cirurgias cardíacas e pulmonares e 385 transplantes de coração deve ter evitado a morte a muitos compatriotas nossos. Mas também melhorou a qualidade de vida de outros tantos. Retirou-se por limite de idade, no dia em que completou 70 anos. No jornal diário que li, só teve direito a texto, com foto, de duas colunas, no interior. 
Eu sei que as notícias são, para os órgãos de comunicação social dos nossos dias, mercadoria de venda ao público, como garrafas de vinho, detergentes que lavam mais branco, bananas da Madeira ou peixe fresco do nosso mar. Se forem produtos bons  e do agrado dos consumidores terão venda garantida.  O mesmo se passa com as notícias. Crimes, futebol, adultérios e políticos corruptos terão "venda" certa. O mérito, a capacidade de liderança, o exemplo cívico, a dedicação e a competência inovadora não "vendem" neste país multissecular. 
Um cirurgião como Manuel Antunes não teve honras de primeira página. O mesmo acontece com outros profissionais, por mais exemplares e competentes que tenham sido, a nível do interesse geral da sociedade. 
Se fosse um jogador de futebol que marcasse 45 golos (não são 45 mil) num campeonato, teria direito a texto e foto — grande plano! — na primeira página. E nas televisões não faltariam as mais profundas análises com a presença de conceituados analistas da praça nacional, daqueles que sabem tudo e mais alguma coisa. Há, realmente, uma inversão de valores inaudita no mundo em que vivemos. 

Fernando Martins

Perguntas e respostas sobre questões de religião

Anselmo Borges

Hoje, vou tentar responder a perguntas que me fizeram sobre alguns temas que têm que ver com a religião.

1. A primeira pergunta é sobre a legitimidade ou não de baptizar as crianças. Há pais católicos que não baptizam os filhos, argumentando que são eles que devem decidir quando forem grandes. Recentemente, a ex-presidente da Irlanda Mary McAleese, uma católica influente no seu país, declarou que a prática do baptismo de crianças viola os Direitos Humanos. "Não se pode impor obrigações a pessoas com apenas duas semanas e não se lhes pode dizer aos 7 ou 8 anos ou aos 18-19: 'isto é o que contraíste, o que assinaste', porque a verdade é que o não fizeram." Para ela, o actual modelo de baptismo "funcionou durante muitos séculos, porque as pessoas não entendiam que tinham o direito de dizer que não, o direito de o não fazer". Embora vivamos agora "em tempos em que temos direito à liberdade de consciência, à liberdade de culto, à liberdade de religião e à liberdade de mudar de fé", a Igreja Católica "ainda não aceitou plenamente esta posição".

sexta-feira, 20 de julho de 2018

Papa Francisco felicita Pe. Georgino Rocha


O Papa Francisco, por meio de Mons. Paolo Borgia, seu assessor, enviou felicitações ao P. Georgino pela publicação de “Rostos de Misericórdia: Estilos de vida a irradiar”. A carta afirma que o livro foi recebido como prenda de aniversário, e refere a “carinhosa dedicatória” a par de tantas “outras provas de apreço, agradecimento e adesão aos desafios e apelos do Evangelho de Jesus Cristo que ele não se cansa lembrar…”.
Também o Cardeal Pietro Parolin, dá os parabéns ao P. Georgino pela obra publicada “onde se sente vibrar de modo particular o coração do Evangelho como o vê e tem vindo a propor, incansavelmente, à Igreja e ao mundo o nosso querido Papa Francisco”… E o Secretário de Estado do Vaticano conclui dizendo: “Reconhecido, pois, pelas delicadas expressões e atenções havidas para com a minha e serviço eclesial, subscrevo-me, com fraterna estima”.

*** ***
Pe. Georgino Rocha


No próximo sábado, dia 28, às 16 horas será apresentado o livro “Rostos de Misericórdia: Estilos de vida a irradiar” no salão da Junta da freguesia de Calvão. A sessão é organizada em parceria pelo Colégio de Nossa Senhora da Apresentação e pela Junta e faz parte do programa das festas comemorativas da criação da freguesia, em Julho de 1933.
Além da apresentação da obra, a cargo de Filipe Jorge, presidente da Junta, e de Luís Oliveira e do P. Querubim, do Colégio Diocesano, há a actuação do Coral de Santa Cecília de Calvão, a que se seguirá um porto de honra.


*** ***

Felicito o Pe. Georgino Rocha pelas distinções de que foi alvo, quer do Papa Francisco quer do Cardeal Pietro Parolin, Secretário de Estado do Vaticano.

Sobre o livro "Rostos de Misericórdia: Estilos de vida a irradiar" escrevi aqui


Aprender a descansar e a servir

Georgino Rocha


Jesus acolhe os discípulos no regresso do trabalho missionário. Vêm exultantes. Querem estar uns com os outros e com o Mestre. Trazem boas notícias do que havia ocorrido. Nem era para menos! Sentiram-se com autoridade sobre as forças do mal que lhes obedeciam, sobre as doenças que eram curadas ou suavizadas. Sentiram a eficácia da mensagem que anunciavam. Agora, reconhecem que vale a pena o risco assumido e a pobreza de recursos usados. Agora reconhecem a sensatez dos conselhos dados de gerir bem o tempo face à reacção de quem os recebe. Agora reconhecem que o cansaço é o preço de tão bom desempenho apostólico. E nós, como nos sentimos após os trabalhos que Jesus nos confia e a Igreja, a paróquia ou movimento, reconhece? Com quem fazemos a partilha dessa experiência? Oxalá saibamos procurar e encontrar quem nos acolha, disponha de tempo para nos ouvir e para nos dar o eco da alegria da missão.
Jesus, enquanto ouve os relatos, presta mais atenção aos mensageiros recém-chegados. Dá conta que estão fatigados. E diz-lhes prontamente: “Vinde comigo para um lugar isolado e descansai um pouco”. Merecidas férias, diremos nós. Vamos ver de que estilo, segundo o Evangelho de Marcos 6, 30-30.

quinta-feira, 19 de julho de 2018

Um serão de poemas para homenagear Tolentino Mendonça

Arcebispo D. Tolentino Mendonça 

Alice Vieira, Carminho, Joana Carneiro, Ilda David, Luís Filipe Castro Mendes, Luís Miguel Cintra, Manuel Rosa, Nuno Júdice, Paula Moura Pinheiro, Pedro Mexia e António Marujo, entre outros, disseram versos do arcebispo madeirense na Capela do Rato

A comunidade da Capela do Rato juntou-se num serão de ‘Poesia e Oração’ para homenagear o poeta D. José Tolentino Mendonça com poemas da sua autoria, declamados por amigos, li hoje na Ecclesia.
Diz o poeta, futuro responsável pelo Arquivo Secreto do Vaticano e bibliotecário da Biblioteca Apostólica, que “O mais belo poema são as próprias pessoas, estes amigos que com tanta generosidade quiseram acompanhar-me aqui nesta noite”. E acrescentou: “Não só nestes dias mas ao longo de toda a minha vida. De facto, sinto-me muito uma obra dos outros”, acrescentou o agora arcebispo, que foi capelão da histórica Capela do Rato ao longo dos últimos nove anos. 
Sublinha a Ecclesia que “foi precisamente a obra poética de José Tolentino Mendonça que foi ouvida por uma assembleia que lotou a capela do Patriarcado de Lisboa numa noite de ‘poesia e oração’”. 
Como seu admirador e leitor assíduo, formulo votos de que o poeta Tolentino Mendonça nos possa continuar a enriquecer com os seus contributos, poéticos mas não só, em prol da cultura e da espiritualidade,  que saberá colher no ambiente que passará a habitar a partir do dia 1 de setembro.


O Mistério está todo na infância

E, por fim, Deus regressa
carregado de intimidade e de imprevisto
já olhado de cima pelos séculos
humilde medida de um oral silêncio
que pensámos destinado a perder

Eis que Deus sobe a escada íngreme
mil vezes por nós repetida
e se detém à espera sem nenhuma impaciência
com a brandura de um cordeiro doente

Qual de nós dois é a sombra do outro?
Mesmo se piedade alguma conservar os mapas
desceremos quase a seguir
desmedidos e vazios
como o tronco de uma árvore

O mistério está todo na infância:
é preciso que o homem siga
o que há de mais luminoso
à maneira da criança futura

José Tolentino Mendonça

Notas: 

1. Este poema,  dedicado ao Papa Bento XVI, seria o meu escolhido. 
2. A foto é de minha autoria. 

Porto de Aveiro - Incitar à greve dava prisão


Armazém da JARBA (Junta Autónoma da Ria e Barra de Aveiro)

Gosto de viajar pela história das instituições da nossa região, por mais simples que sejam as minhas caminhadas. E quando as instituições nos ajudam, publicando o seu passado, como faz o Porto de Aveiro, então é um regalo para a minha ânsia de conhecer o mundo que me cerca, cujas transformações acompanho há mais de meio século. 
Hoje, em Viajando pela História do Porto de Aveiro, li que incitar à grave dava prisão. Não é novidade para mim, mas é bom que as atuais gerações saibam da dureza das perseguições das ditaduras, quaisquer que elas sejam.

Manuel Mário Bola quer a sua coleção na Gafanha da Nazaré


Em entrevista à Rádio Terra Nova, Manuel Mário Bola admite que a condição que coloca para a disponibilização do seu espólio composto de peças de temática marítima é a exibição na Gafanha da Nazaré. E defende que o Forte da Barra poderia ser o  espaço para albergar a sua preciosa coleção. 
O colecionador e exímio construtor de miniaturas de diversificados tipos de embarcações estima o valor das suas peças em mais de 250 mil euros. 
Manuel Mário Bola confessa que o seu sonho é expor as suas peças “como símbolo de uma cultura marítima da Gafanha da Nazaré”.

Ler entrevista que me concedeu aqui 

14.º Aniversário da Fábrica Ciência Viva

A Fábrica Centro Ciência Viva de Aveiro 
celebra hoje, 19 de julho, o 14.º aniversário




«A Fábrica Centro Ciência Viva de Aveiro (FCCVA) celebra no dia 19 de julho o 14º aniversário com a presença de Manuel Heitor, ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. Em dia de festa e com um programa gratuito de atividades aberto a toda a comunidade, a FCCVA, que em 14 anos já recebeu mais de 500 mil visitantes, vai contar também com a presença de Paulo Jorge Ferreira, Reitor da Universidade de Aveiro (UA), e de Rosalia Vargas, presidente da Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica – Ciência Viva.
Resultado de uma parceria entre a Universidade de Aveiro (UA) e a Agência Ciência Viva e instalada na antiga Fábrica de Moagens Aveirense com o grande objetivo de divulgar a ciência e promover a cultura científica e tecnológica, a Fábrica já recebeu cerca de meio milhão de visitantes. A sua programação inclui atividades diversificadas, em diferentes formatos, permitindo vários níveis de interação com públicos de todas as idades.»

Fonte: Jornal da UA


Ler mais aqui 

Não tenho dado importância à televisão



Não tenho dado importância à televisão. Vejo apenas partes do telejornal. A televisão manieta-me, não me dando espaço para mais nada. Ouço música apenas. E tenho tempo para ler e para conversar com quem aparece. E sinto-me bem assim. Estou numa fase de terapia para ganhar tempo para outros gostos. Urge descobrir formas novas de saborear a vida. Não há tempo a perder. 
Fico espantado com as televisões que nos dão sempre mais do mesmo, com as questões das telenovelas que escravizam muita gente  e da bola, onde se discute o sexo dos anjos. É mão, não é mão, é livre, não é livre, é grande penalidade, não é grande penalidade, com comentadores especializados, capazes de ver tudo diferente de uma pessoa normal. É preciso puxar a sardinha para o seu prato. 
Pensávamos que a questão do Sporting estava regularizada, mas logo surge mais uma série de debates sobre a legitimidade de o ex-presidente concorrer. Durante quanto tempo vamos ter esta telenovela?

terça-feira, 17 de julho de 2018

Em Ílhavo acontece à sexta: Válvula Solar AGA

No Farol da Barra
Sexta-feira
20 de julho
19 horas 




«A Câmara Municipal de Ílhavo promove esta sexta-feira, dia 20 de julho, pelas 19h00, no Farol da Barra, mais um encontro de “Em Ílhavo acontece à sexta” para se debruçar sobre a Válvula Solar AGA. 
A Válvula Solar AGA é o resultado de uma importante aplicação da teoria à prática no campo da Física, que modernizou o funcionamento dos faróis em todo o mundo e é responsável pela atribuição do Nobel da Física a Gustaf Dalén em 1912. 
Neste encontro estarão à conversa o faroleiro, um físico e um dos responsáveis pelo projeto cultural 23 Milhas para desvendar os segredos escondidos de uma simples, ou talvez não, válvula solar.»

Oradores convidados: Nogueira da Silva, António F. Cunha e Hugo Pequeno

Fonte: CMI

Viajando pela História do Porto de Aveiro - 1934

CARREIRA ENTRE O PORTO DE AVEIRO E AS ILHAS




«Carta de Daniel da Silva, proprietário do Lugre Ilda, que efetua a carreira entre o Porto de Aveiro e as ilhas, enviada à Junta Autónoma da Ria e Barra de Aveiro, dando conta dos elevados custos das taxas de reboque praticados pelas empresas de rebocadores do Porto de Aveiro, em comparação com os valores praticados nos outros portos nacionais, e participando a falta de cumprimento dos serviços contratados com o Rebocador Furão - Angra do Heroísmo, em 30 de Junho de 1934 – [4] f. , 27,6 cm.

O proprietário da embarcação cuja inauguração da carreira regular foi recebida "com grande satisfação do comércio do Funchal e Açores" e das empresas de Aveiro Jerónimo Pereira Campos, Mercantil Lda e Fábrica de Fundição de Albergaria, coloca em causa a continuidade da carreira tendo em conta as elevadas taxas dos rebocadores do Porto de Aveiro comparativamente aos portos de Lisboa, Funchal, Ponta Delgada e Faial. Além disso, dá conta do incumprimento do serviço contratualizado com a Empresa do Sr. Manuel dos Santos Furão e C.ª Lda, o qual tinha sido acertado pelo valor de 600$00 e foi cobrado por 2.000$00.»

Ler mais aqui 

Golfinhos na Ria de Aveiro

Um vídeo de Humberto Rocha

As utopias geraram um déspota: Daniel Ortega

Texto de Francisco Sena Santos 

«Quatro décadas depois, Daniel Ortega, um dos líderes do movimento revolucionário sandinista que derrubou a ditadura de Somoza, é agora o ditador. Ele tinha sido eleito presidente em 1985, com mandato por cinco anos. Sofreu derrotas eleitorais em 1990, 1995 e 2001. Voltou a candidatar-se em 2005 e nunca mais deixou a presidência que exerce em regime de poder absoluto. Começou por espalhar promessas com o apoio do aliado venezuelano Hugo Chavez, no tempo do petróleo rico. A crise venezuelana fez acabar a ajuda e rebentar as costuras do regime que, em penúria, passou a cortar direitos e a reprimir os críticos. Daniel Ortega, em despótica metamorfose para tentar fortalecer a sua autoridade, fez eleger a mulher, Rosario Murillo, como vice-presidente. Usam o exército e a polícia de choque para conservar o poder, perante a contestação geral na rua. Só em maio e junho, mais de 170 mortos. Os estudantes encabeçam a revolta contra o regime, mas a repressão é brutal

Ler no Sapo24

segunda-feira, 16 de julho de 2018

Eu torci pela Croácia


Eu torci pela Croácia. Perdoem-me os franceses. É que no mundo do futebol eu coloco-me sempre ao lado dos considerados mais fracos, na esperança de que quebrem a vaidade e a arrogância dos mais poderosos. Exceção feita, está visto, quando joga Portugal.
Posicionei-me à partida na bancada da Croácia e por ali andei a sentir o palpitar dos adeptos que sabiam, à partida, ser a equipa da França mais poderosa do que a sua. Diga-se que um jogador francês lembrou que perderam o Europeu por menosprezarem a equipa lusa. E gostaria que a Croácia batesse o pé aos gauleses para ouvir a desculpa, que seria, daqui a uns anos, igual à do Europeu. 
Apesar de tudo, ganhar e perder é tudo desporto, como aprendi em pequeno e sempre assim ensinei. De qualquer modo, os meus parabéns aos Franceses e votos de que, da próxima vez, os croatas sejam mais felizes.

Rotunda da Barra: para já, não há problemas


domingo, 15 de julho de 2018

Sem mitra nem solidéu

Bento Domingues

«O verdadeiro profeta é sobretudo uma pessoa que vive a graça da lucidez humana e divina na defesa do bem comum»

1. Por vezes, confunde-se um profeta com um adivinho. O verdadeiro profeta é sobretudo uma pessoa que vive a graça da lucidez humana e divina na defesa do bem comum. Vê o que a cegueira dos interesses instalados não quer ver nem deixa ver. A denúncia da traição da aliança mística e da aliança social – duas caras da mesma moeda - é o seu tema. Como diz Miqueias, a proposta de conversão exige a instauração do direito e da justiça[1. As pessoas aduladoras dos poderosos gostam de ser chamadas profetas, mas são, apenas, os seus lacaios.Na missa de hoje, é dada a palavra ao incómodo Amós que exerceu essa missão, aproximadamente, entre 760 e 745 a.C.. Ele reconhecia a convicção comum aos seus concidadãos, a relação especial entre Iavé e o seu povo, mas tirava daí consequências diametralmente opostas: Deus não é propriedade privada de Israel. Perante Deus, todos os povos estão em pé de igualdade. O antigo Israel tinha, apenas, maiores responsabilidades morais e uma maior exposição aos castigos pelas injustiças que provocava ou consentia[2].
No tempo da actuação profética de Amós, o reino de Israel tinha atingido o máximo da sua prosperidade, mas o luxo dos ricos insultava a miséria dos oprimidos e o esplendor do culto disfarçava a ausência de uma religião verdadeira. O seu estilo era rude e simples, imagem típica de um homem do campo. Para ele, a prática do povo eleito era pior do que a dos gentios e não se calava perante essa situação.
Então, Amasias, sacerdote de Betel, disse a Amós: «Vai-te daqui, vidente. Foge para a terra de Judá. Aí ganharás o pão com as tuas profecias. Mas não continues a profetizar aqui em Betel, que é o santuário real, o templo do reino». Amós respondeu a Amasias: «Eu não era profeta, nem filho de profeta. Era pastor de gado e cultivava sicómoros. Foi o Senhor que me tirou da guarda do rebanho e me disse: Vai profetizar ao meu povo de Israel»[3].

sábado, 14 de julho de 2018

Viaduto da rotunda da Barra já aberto





«A Câmara Municipal de Ílhavo, tal como tinha sido previsto e anunciado para o dia de hoje, 13 de julho, informa que já se encontra aberta a circulação automóvel definitiva no viaduto da antiga Rotunda da Barra.
Alerta-se, no entanto, que a sinalização tem ainda caráter provisório.»

Informação da CMI

Nota: Tem gerado alguma polémica a construção de um viaduto na rotunda de acesso às praias da Barra e Costa Nova. Alega-se que a ponte não terá capacidade para suportar  o fluxo de automóveis em  tempos de verão. Eu não quero ser cético porque, à partida, costumo confiar nos técnicos que têm obrigação de estudar as situações, quando elaboram os projetos que lhes encomendam. Vamos aguardar. 

Aquele rádio é antigo?


Há tempos, perguntaram-me se o rádio que está a ocupar o espaço de alguns livros é antigo. Respondi que sim, mas a razão da sua existência em lugar de destaque só tem a ver com as recordações a que me transporta. Não sou colecionador de nada, nem jeito tenho para isso. Muito menos poderei dispor de fundos económicos que me permitam comprar peças decorativas, mobílias ou livros antigos que gostaria de ter nas minhas estantes. O que temos foi herdado de familiares. Uma ou outra coisa foi adquirida a quem tinha muito e muito atirou para o lixo para se livrar de "inutilidades", na sua perspetiva. 
Vamos ao rádio que na imagem se vê. 
Como já disse, foi comprado pelo meu pai para me fazer companhia na doença da minha juventude, na década de 50 do século passado. Nele ouvi música, notícias e entrevistas, em Onda Média. Na Onda Curta, ouvia a comunicação entre navios em pleno mar alto, mas não tão alto quanto seria de desejar. 
Ao largo, os mestres das traineiras e de outros barcos de pesca conversavam entre si, via rádio, para indicarem os pesqueiros mais abundantes. Outros lamentavam-se com a pobreza das pescarias. Dizia-se que usavam códigos e tiques para enganar os concorrentes, dando indicações preciosas, contudo, aos colegas de empresa. Também ouvia comandantes bacalhoeiros que vinham de regresso ou partiam para os mares da Terra Nova e da Gronelândia. 
Depois, o meu rádio passou à história. A Frequência Modulada destroçou a sua utilidade. E foi para o sótão das coisas inúteis. Quando o via, lá se desprendiam as recordação. 
Há anos, entrevistei o prof. António Rodrigues, ele, sim, colecionador de rádios antigos, cada um com a sua história. O colecionador autêntico é assim. Tudo catalogado e estudado, tudo procurado e adquirido com critério. E no decorrer da conversa, veio à baila o meu rádio, que ele fez questão de ver e de o preparar para funcionar. E ali está. Devo-lhe essa atenção estimulante. E o rádio deixou o sótão e regressou ao meu convívio diário. No sótão também estaria bem, agora que o elevei à categoria, embora humilde, de meu refúgio caseiro. 

Fernando Martins

sexta-feira, 13 de julho de 2018

Ílhavo celebrou o 28.º aniversário da elevação a cidade




Ílhavo celebrou o 28.º aniversário da sua elevação a cidade, que ocorreu a 13 de julho de 1990. O Hastear das Bandeiras, uma reunião de trabalho entre a Câmara Municipal de Ílhavo e a Junta de Freguesia de S. Salvador e a visita técnica à obra da construção do Centro Escolar da Gafanha de Aquém foram momentos que assinalaram as comemorações. 
Na reunião, os executivos consolidaram as ações inscritas no Contrato Interadministrativo assinado em maio, enquanto foram apontadas «algumas necessidades da Junta de Freguesia para o desempenho das suas competências». 
No encontro, foram analisadas questões relacionadas com a reabilitação do antigo quartel dos Bombeiros Voluntários, que contemplará um espaço para a preservação do património ligado à Ria e ao Mar, mas também a sede da Confraria do Bacalhau e uma loja social. Ainda se falou da requalificação do Bairro dos Pescadores e da zona envolvente ao CIEMar, entre outros projetos.
Saúdo os ílhavos  que preservaram uma identidade singular que lhes foi legada pelos seus ancestrais ao longo dos séculos.

A questão de haver ou não Deus

Anselmo Borges

1.Num tempo de a-teísmo, no sentido radical da palavra: "sem Deus", pior ainda, indiferente perante a questão de Deus, gostei muito da entrevista de Lídia Jorge ao Expresso, que a jornalista Carolina Reis titulou com uma citação: "A ideia de haver ou não Deus persegue a minha vida".

Na bela entrevista, a questão de Deus ocupa lugar absolutamente central. Ao desafio da jornalista: "A fé tem sido um tema transversal na sua vida", responde: "Há dois tipos de fé. Tenho fé no instinto de sobrevivência dos homens, no instinto de fraternidade. É a minha fé maior. E depois há outra fé, numa espécie de amparo que poderá haver para os homens. E a minha dúvida é sempre entre estes dois movimentos. Quero acreditar que não estamos sozinhos, que atrás daquelas estrelas que eu via quando era criança há uma força maior, que as criou e nos há-de receber. É a minha fé emocional. Mas se ponho o raciocínio a funcionar não chego lá. Gosto das pessoas que acreditam em Deus. Acho que estão mais amparadas na vida. Estão mais felizes porque têm um sentido." "Ainda tem esperança em acreditar?" Responde: "Tenho. E vivo isso com muita intensidade. A ideia de haver ou não haver Deus persegue a minha vida. Chego a sonhar com isso. E depois acordo e fico cheia de pena porque queria muito que existisse. Não para que a justiça seja feita no além, ou só no aquém, mas como face de beleza absoluta. A bondade é uma parte da beleza."

Lídia Jorge foi educada no catolicismo. Mas aos 16 anos afastou-se da Igreja, pois "vivia com revolta com o pensamento dogmático" e por causa da ideia de inferno, "dizia que não era possível que existisse uma instância tão injusta que condene para a eternidade pessoas que apenas vivem 50, 60, 70 anos". Aqui, lembrei-me de Óscar Lopes que também me disse que abandonou a Igreja por causa do inferno. E a argumentação de Lídia Jorge é forte. Lembro que já o filósofo David Hume argumentou contra a existência do inferno: "É inaceitável um castigo eterno para ofensas limitadas de uma criatura frágil, e, ainda por cima, esse castigo não serve para nada, uma vez que se dá quando a peça está acabada, concluída." Sim, Lídia: e como se pode conviver com o dogmatismo, que impede a liberdade de pensar? É o filósofo M. Heidegger que tem razão: "A pergunta é a piedade do pensamento."

Tudo quanto existe está unido a Deus, numa união tão estreita que, se Deus se retirasse, tudo voltava ao nada. Mas a criatura é criatura e Deus é Deus.

Jesus começa a enviar os discípulos

Georgino Rocha


Após o “fracasso” da visita a Nazaré, terra onde cresceu e aprendeu a arte de ganhar a vida e de se relacionar, Jesus empreende nova iniciativa apostólica. Quer partilhar a missão. Parece que a experiência o aconselha. Chama os discípulos e confia-lhes a sua autoridade. Define, com precisão, as regras a observar e envia-os dois a dois. Primeiro ao povo de Israel, depois a todos os povos. E a história converte-se em livro aberto da missão universal realizada localmente por homens e mulheres, conforme as tradições culturais.
Jesus com este proceder prolonga o modo de agir de Deus que sempre associa o ser humano à realização da sua obra salvadora. Ao primeiro casal, confia o dom da vida, o cuidado da criação e o desenvolvimento integral; a Noé, a Abraão, a José, a Moisés e a tantos outros que escolhe para interlocutores, dá-lhes o encargo de alimentar a esperança e de serem rosto da sua paciência e do seu acompanhamento à humanidade com quem partilha esta aventura histórica. A José e a Maria, de Nazaré, entrega-lhes o delicado serviço de acolher Jesus e de o educar, de modo que prepare a vida pública e mostre muito do que viveu em família, no silêncio, na oração e na convivência de vizinhança. À Igreja em comunidade e a cada um de nós pessoalmente, deixa a missão de celebrar a sua memória e ser missionários em todos os ambientes. É esta a fase que vivemos. Com alegria e esperança.
Jesus traça um quadro preciso da missão a realizar: ir em equipa; levar o imprescindível; anunciar o Evangelho que suscita o arrependimento; expulsar os espíritos impuros, os demónios; ungir com óleo e curar com oração e desvelo os doentes; confiar sem limites porque são enviados, a missão é de Deus Pai, é Minha, diz Jesus. E eles lá foram “por trancos e barrancos”, agiram de acordo com as regras definidas e com indícios de resultados promissores. Diz o texto: “Os Apóstolos partiram e pregaram o arrependimento, expulsaram muitos demónios, ungiram com óleo muitos doentes e curaram-nos”. O medo esterilizante de deixar comodidades é vencido e cede a vez à fecundidade sanante. Que alegria devem ter vivido com a experiência feita. A confiança “virou” a êxito reconhecido.

quinta-feira, 12 de julho de 2018

Rádio Terra Nova completa 32 anos de vida


A Rádio Terra Nova (RTN) começou como “rádio pirata” em 12 de julho de 1986, num período de condescendência legal. Este período durou até 31 de dezembro de 1988. A 26 de março de 1989, domingo de Páscoa, reiniciaram-se as emissões… Completa hoje, portanto, 32 anos de existência, o que é de louvar, conhecendo-se as dificuldades de sobrevivência dos órgãos de comunicação social. 
Porque sabemos isso, não podemos deixar de aplaudir a Terra Nova pelo aniversário, mas também pela coragem de quem a dirige e de quem nela trabalha. Ainda aplaudimos os que colaboram e a apoiam, direta ou indiretamente. Destaco, contudo, os fiéis ouvintes, que os há, em várias paragens da terra, graças às altas tecnologias da informação, capazes de ultrapassar todas as barreiras do ciberespaço. 
Saúdo Vasco Lagarto, o qualificado responsável desde a primeira hora, mas ainda Carlos Teixeira e Fernando Martins (filho), as vozes com mais anos a levarem as notícias das nossas terras e gentes até aos mais recônditos cantos do globo, mitigando as saudades dos  emigrantes e  viajantes.

O que a noite revela



A noite, quando menos se espera, tira a máscara e deixa-nos ver quase o invisível. Foi assim, há tempos, que captei esta imagem. E confesso que, durante o dia, com sol a luzir, nunca tinha dado conta deste ramo de um arbusto. Mas ele aqui fica, saltando da escuridão para o ciberespaço.

Um poema de Sophia: Fundo do Mar



No fundo do mar há brancos pavores,
Onde as plantas são animais
E os animais são flores.

Mundo silencioso que não atinge
A agitação das ondas.
Abrem-se rindo conchas redondas,
Baloiça o cavalo-marinho.
Um polvo avança
No desalinho
Dos seus mil braços,
Uma flor dança,
Sem ruído vibram os espaços.

Sobre a areia o tempo poisa
Leve como um lenço.

Mas por mais bela que seja cada coisa
Tem um monstro em si suspenso.



Sophia de Mello Breyner Andresen


quarta-feira, 11 de julho de 2018

“Marolas Ílhavo” para a juventude

Praias da Barra e Costa Nova e Jardim Oudinot 



Entre 13 e 29 de julho, vai decorrer nas praias da Barra e Costa Nova, mas também no Jardim Oudinot, o programa “Marolas Ílhavo”. Oferece inúmeras atividades, em especial à juventude, mas os mais idosos poderão assistir, recordando tempos em que também se divertiam, naturalmente ao sabor de épocas passadas. A organização é da Câmara Municipal de Ílhavo e as ofertas são variadíssimas, para todos os gostos.
Congratulo-me com estas iniciativas, na esperança da adesão em massa dos nossos jovens, tanto mais que há, como todos sabemos, outros convites, aliciantes, que induzem os jovens em erro, levando-os para maus caminhos, que me abstenho de enumerar. 
Felizmente, as autarquias, em geral, estão atentas às necessidades lúdicas, culturais, artísticas, sociais e desportivas das pessoas, o que é de louvar. E é preciso dizer que, nos últimos anos, as câmaras municipais ampliaram significativamente as suas ofertas. Em tempos passados, quase nada disto acontecia.

Smartphone compete com Deus pela tua atenção



«Podem pensar que estou a ser demasiado radical, mas talvez esteja antes a ser realista. Os nossos smartphones estão a consumir exacerbadas quantidades de atenção, e nem sequer nos damos conta disso.

Sherry Turkle é professora no MIT e escreveu um livro sobre o potencial das conversas numa era digital ( Reclaiming Conversation: The Power of Talk in a Digital Age). Nesse afirma que o simples facto de colocar o smartphone sobre a mesa quando duas pessoas estão a conversar torna essa conversa mais trivial e menos envolvente. Diz Turkle que ”o telemóvel simboliza que podemos ser interrompidos a qualquer momento”. Daí que a tendência seja para que os tópicos das conversas se tornem cada vez mais banais onde qualquer interrupção não produz consequências.

De facto, tenho notado isso e, por essa razão, há anos que tenho o smartphone em modo silêncio, e durante anos treinei também a gestão da minha reação quando esse vibra. Uma vez chegou ao ponto da outra pessoa com quem falava ficar mais distraída do que eu.»

Miguel Panão 

Ler mais aqui