“Por entre poetas”

Um livro de Domingos Freire Cardoso



Li, serenamente e com prazer, o mais recente livro de poemas (sonetos) de Domingos Freire Cardoso, ilhavense, mais concretamente, como faz questão de sublinhar, chousavelhense, desde que nasceu, já lá vão sete décadas, «dez vezes o sete, por muitos considerado um número mágico». Assim se lê em “A origem deste livro”, no qual esclarece que este conjunto de 70 sonetos se destina a assinalar o seu 70.º aniversário. Contudo, o autor acrescenta, como muito importante, que este livro é, acima de tudo, «uma pequena homenagem aos poetas glosados cujos versos serviram de inspiração» ao seu trabalho.
O “Prefácio” de Maria Eli de Queiroz, escritora, jornalista e Mestra em Literatura Brasileira pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, enriquece o trabalho do autor de “Por entre poetas”. Reconhece o talento de Domingos Cardoso «como expoente na literatura portuguesa trovadoresca contemporânea, afirmando ainda que, por isso, não constitui para si tarefa difícil prefaciar o terceiro livro do autor.
«As poesias de Domingos Cardoso surpreendem pela brilhante imaginativa», afirma a prefaciadora, acrescentando que «o sonetista demonstra a capacidade de operar a fusão literária com vários parceiros que o inspiraram a compor novas estrofes, valendo-se de um processo artístico pouco usual nos meios culturais».
Maria Eli de Queiroz recomenda aos leitores que «o poeta foi capaz de valorizar ideias de novidade, de originalidade, embora obedecendo a regras impostas pelo entrelaçar de signos poéticos já existentes».
Tal como refere, importa não tardar a nossa surpresa, deixando «que a leitura do livro fale melhor sobre a obra, fale melhor pelo autor, fale melhor pela tradição de sonetar». E citando Cecília Meirelles finaliza assim o “Prefácio”:

«Um poeta é sempre irmão do vento e da água: 
deixa seu ritmo por onde passa.»

Para além do que foi dito e transcrito, permitam-me mais algumas, poucas, considerações, porque gosto de ler Domingos Cardoso, como aprecio o seu labor em prol das artes de escrever, animando e ajudando, quantas vezes, autores e editores. E fá-lo com gosto, tanto quanto sinto e pressinto.
O seu livro, que li de fio a pavio, registando a facilidade de inspiração e domínio da escrita do verso, que nasce dele espontaneamente, merece mesmo ser meditado. Com uma nota curiosa: os seus sonetos remetem-nos para outros tantos poetas, que apetece ler ou reler. Não os cito porque são muitos. E as ilustrações, a preto e branco, são um belo e oportuno complemento dos sonetos do Domingos Cardoso.



E o talvez e o depois e o nunca mais
Vieira da Silva 
in “Marginal (Poemas breves e cantigas), 
p. 33

E o talvez e o depois e o nunca mais
Vieram adensar os meus porquês
Dessa dúvida mórbida que fez
Não zarpar nunca o meu barco do cais.

Com receios do vento e temporais
E faltando no lastro a intrepidez
Prisioneiro da própria pequenez
Nunca teve o governo de um arrais.

Ficaram por fazer as travessias
Desde as áfricas às oceanias
Da água em turbilhão ou chão de prata.

Fantasma cadavérico no porto
Ninho da rataria é um nado-morto
À espera da mortalha da sucata…

Comentários