Mensagens

destaque

Nádia Piazza — O silêncio do fogo na voz da dor...

Imagem
«Estamos tão cansados, mas não podemos estar. Os mortos não se calam e não nos deixam cansar. Gritam por Justiça! Exigem Mudança! A Associação das Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande, o grande, brutal e devastador incêndio que lavrou do dia 17 a 24 de Junho de 2017, nos concelhos de Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pêra, é um movimento cívico que partiu dos familiares e amigos das vítimas mortais desta tragédia. Uma associação cujo mote é apurar responsabilidades e ajudar a construir um futuro em que tal tragédia e crueldade não volte a acontecer! Esta é a descrição do que pretendemos ser, com a ajuda de todos e a lembrança de todos aqueles que partiram. Porque hoje somos uma comunidade traumatizada. Uma comunidade sujeita a uma tal brutalidade que não se nos apaga da memória... O cheiro a terra ardida é algo que nos envolve, que nos macilenta e que se entranhou em cada um de nós. A perda de dezenas de vidas e de forma tão trágica que roça a loucura deixou uma…

Bispo de Aveiro mobiliza diocese para ajudar vítimas dos fogos florestais

Imagem
O Bispo de Aveiro, D. António Moiteiro, acaba de publicar uma Nota Pastoral — Dar as mãos para sermos muitos —, a propósito os Fogos Florestais que assolaram também a área diocesana. Nela reconhece que as causas dos incêndios dependem «direta ou indiretamente da vontade humana», adiantando que «só pode prevenir-se ou combater-se com eficácia, se todos nós, desde o cidadão mais simples ao mais responsável, em vez de vãs lamentações, mudarmos realmente de mentalidades e de hábitos sociais».  D. Manuel Moiteiro, diz que a Igreja não pode ficar indiferente ao drama de tantos cidadãos, enquanto reafirma «a nossa comunhão e caridade cristãs para com todos os afetados». Nessa linha, propõe o levantamento das necessidades mais urgentes das nossas famílias, ao mesmo tempo que entrega à Cáritas Diocesana a coordenação de toda a ajuda a prestar às populações atingidas pelos fogos.  Os fundos a recolher são depositados na conta em nome do Fundo Diocesano de Emergência Social, da responsabilidade…

Notas do meu diário — Catástrofe Nacional

Imagem
Quis hoje retomar, a esta hora, a edição do meu blogue, mas não consegui superar a emoção que me tem afetado estes dias. A Catástrofe Nacional, com mais de 100 mortos e feridos no corpo e na alma sem conta, impediu-me de avançar. Li os jornais online e alguns comentários nas redes sociais; vi imagem chocantes e ouvi gritos de dor; protestos desesperados e gente sem voz; pessoas abandonadas e políticos em guerra; revoltas sem propostas e silêncios angustiados. Tudo isto num país pobre, desertificado, cheio de autoestradas e rotundas, com povo a sobreviver em casebres humildes e com velhos entregues à sua sorte em plenas serras e aldeias quase sem vida, ou com a vida dos que só estão bem nos sítios que amam.  Veio a chuva, o fogo está extinto e daqui a uns tempos a vida recomeça como se nada de anormal tivesse acontecido. Fico-me por aqui… hoje.
NOTA: A foto, de Adriano Miranda, no PÚBLICO, retrata o drama dos nossos compatriotas que tudo perderam. Ficaram as cinzas, um ar irrespirável…

Incêndios Florestais - Portugal está de Luto

Imagem
Portugal está de luto, decretou o Governo. Também decretou a situação de calamidade. Um ano de incêndios que devastaram o país e mataram cerca de 100 pessoas. Ainda não estão contabilizados os feridos, alguns dos quais poderão vir a falecer. Uma tragédia para um país com tão débeis recursos. Não temos palavras para retratar os dramas de milhares de compatriotas que tudo perderam. Tudo, incluindo bens construídos ao longo de anos, mais a alegria de sonhar, o gosto de projetar o futuro, o prazer de viver.  A tragédia vai marcar os nossos quotidianos por tempo sem fim. A história de Portugal, a história de concelhos, freguesias e aldeias e as histórias de famílias e pessoas atingidas pelo inferno das chamas hão de ficar dramaticamente registadas na nossa memória coletiva.  Para muitos, as culpas são sempre dos outros, mas temos de assumir que todos somos coniventes nesta situação, direta ou indiretamente, desde o poder político, nacional e autárquico, até aos nossos comportamentos a nív…

Bento Domingues — Um livro indispensável

Imagem
1. Que livro é esse que me leva a dizer que é mesmo indispensável? Se tenho de confessar que foi essa a convicção que a sua leitura me impôs, sei que o espaço desta crónica não é o mais adequado para a justificar. A verdade é esta: ajudou-me a diminuir ignorâncias que talvez não sejam só minhas; ofereceu-me o conhecimento de alguns percursos da Bioética que ajudam a vencer a ideia de que perante questões tão complexas, o mais razoável seria deixá-las no segredo dos especialistas.  O título, que enche a capa dessa obra, revela, sem ambiguidades, o seu conteúdo: Eutanásia, Suicídio Ajudado, Barrigas de Aluguer. Destina-se a possibilitar um debate de cidadãos, esclarecido e fecundo. O autor, Miguel Oliveira da Silva, é professor catedrático de Ética Médica na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. Foi, entre 2009 e 2015, o primeiro presidente eleito do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida. Integra, por eleição, o bureau da DH-Bioética do Conselho da Europa. No p…

Ares de Outono – Nozes

Imagem
Do lugar em que me encontro, voltado para o quintal, aprecio o relvado emoldurado por árvores, arbustos e flores. Os ares do outono estão bem patentes nas folhas secas que vão caindo naturalmente ou por força de qualquer ventinho. Mas hoje distingui da minha paisagem as nozes da nogueira enorme que nos refresca em dias de canícula com a sua sombra e nos sacia a fome de frutos secos, com garantias de ausência de inseticidas e outros produtos com algum grau de toxicidade.  As nossas nozes, depois de libertadas da proteção natural que as envolve, são lavadas em várias águas, mas nunca com lixiviados ou produtos afins, e postas ao sol para completarem a maturação. São, realmente, nozes biológicas.

AVEIRO — Diálogos na Cidade

Imagem

Moliceiro em agonia no canal de Mira

Imagem
Passei, olhei e registei a agonia de um moliceiro no canal de Mira. Abandonado como cadáver inútil, como se abandona cão danado em qualquer canto. Não conheço a história deste moliceiro, mas admito que, pelo seu porte, talvez tenha participado em alguma regata dos moliceiros em dia de festa, com bandeiras coloridas e gente feliz, cantando e dançando. Também não é difícil acreditar que tenha andado na apanha do moliço ou no transporte de produtos das nossas terras ribeirinhas. Mas agora, que o fim da vida já não lhe dava forças para enfrentar as marés, por mais bonançosas que fossem, para ali ficou sem dó nem piedade. A vida é assim.

Filarmónica Gafanhense celebra o 181.º aniversário

Imagem
Daqui endereçamos as nossas mais vivas felicitações à Filarmónica Gafanhense, ao mesmo tempo que lhe desejamos os maiores sucessos na arte de ensinar e de executar notáveis partituras na nossa região, alargando-se, afinal, a todo o país. 

David Dinis — O relatório de Pedrógão põe o Governo em xeque

Imagem
«Ao fim de três meses já sabemos o que aconteceu e quem é responsável. Só falta saber quando sai a ministra e alguém pede desculpa. (...) Os especialistas são claríssimos nisso: em Portugal combate-se o fogo com os pés. Ignoram-se os novos conhecimentos técnicos, despreza-se o conhecimento acumulado, afastam-se os competentes — para nomear os amigos —, não se profissionaliza os bombeiros, não se coordenam os meios, muda-se permanentemente o modo de governação do sistema.»
Ler mais no PÚBLICO 
Nota: Não vale a pena acrescentar nada, nem podemos perder tempo com mais considerações. Apenas digo que urge avançar o mais depressa possível, para não chegarmos ao próximo verão com projetos muito bonitos somente no papel. E os culpados que peçam desculpa, sem mais delongas.

Anselmo Borges — Francisco sobre: 4. o diálogo ecuménico e inter-religioso

Imagem
Ainda os diálogos do Papa Francisco e de Dominique Wolton: Politique et société. Se há palavra que atravessa o livro todo é a palavra diálogo. "Como é que a Igreja poderia contribuir hoje para a mundialização?", pergunta Wolton. E Francisco: "Pelo diálogo. Penso que sem diálogo hoje não é possível. Mas um diálogo sincero, mesmo se for preciso dizer na cara coisas desagradáveis." Foi a avó que lhe abriu as portas da "diversidade ecuménica". Criança, viu umas senhoras do Exército da Salvação e perguntou: são freiras? "Não, são protestantes, mas são pessoas boas." De facto, marcou-o, pois, por exemplo, estamos a celebrar os 500 anos da Reforma e, pela primeira vez, isso acontece com católicos e protestantes, e, depois de tudo quanto na Igreja se tinha ouvido sobre Lutero - "os protestantes iam para o inferno" -, Francisco veio dizer que ele foi "um pioneiro religioso, uma testemunha do Evangelho e um mestre da fé... A intenção de Lu…

Georgino Rocha — Vinde tomar parte! A festa está preparada

Imagem
Jesus prossegue o anúncio da novidade de que é portador: Deus é diferente do que imaginamos, o seu agir mostra claramente quem ele é. Visualiza o que quer transmitir com a parábola do rei que pretende fazer festa pelo casamento do filho. (Mt 22, 1-14). Envia os convites, prepara com requinte a ementa, espera pela resposta livre de cada um, não desiste perante a recusa nem altera o seu projecto, dirige-se a outros que aceitam prontamente, e o banquete realiza-se na alegria dos comensais que convivem em igualdade e se alimentam com as iguarias confeccionadas com primor e dignidade. A parábola é dirigida aos sumos-sacerdotes e anciãos do povo, isto é, aos responsáveis pela situação religiosa vivida e que desfigurava o rosto de Deus.
Mateus, hábil narrador, tem como “pano de fundo” os acontecimentos ocorridos em Jerusalém, pelos anos 70, aquando da destruição do Templo pelas tropas romanas. E realça a acção generosa do rei que selecciona cuidadosamente a lista dos convidados. Segundo a p…

Uma quadra de António Aleixo

Imagem
Qu’ria que o mundo soubesse
que a dor que tortura a vida
é quase sempre sentida
por quem menos a merece.

Ares de Outono — Um poema de Miguel Torga

Imagem
Outono
Outono.
(A palavra é cansada…)
Tudo a cair de sono,
Como se a vida fosse assim, parada!

Nem o verde inquieto duma folha!
O próprio sol, sem força e sem altura,
Olha
Dum céu sem luz e levedura.

Fria,
A cor sem nome duma vinha morta
Vem carregada de melancolia
Bater-me à porta.

Miguel Torga


Leiria, 11 de outubro de 1940,
em “Poesia Completa”

Georgino Rocha - A Alegria do Amor dá novo impulso à Família

Imagem
O apelo chega de Boston, Estados Unidos, onde o cardeal de Chicago, Blase Cupich, e o teólog jesuíta, James Keenan, promovem um Congresso sobre o novo impulso que a exortação do Papa Francisco “A Alegria do Amor” quer dar à Igreja e à sociedade. É mais uma iniciativa feliz que vem juntar-se a tantas outras que visam renovar as práticas pastorais em relação às famílias. E realiza-se num momento em que parece ser necessário fazer “o ponto da situação” à recepção deste documento pós-sinodal pelas dioceses e seus serviços, designadamente pelas paróquias, âmbitos eclesiais mais próximos às pessoas.
"Quando Amoris Laetitia foi divulgada, foi discutida brevemente... mas não houve um interesse geral da paróquia em ler o documento na íntegra", confessa um leigo participante no referido congresso. Confissão que, certamente, muitos outros podem subscrever. 
"É triste dizer que a maioria dos que responderam (a um inquérito lançado para auscultar a realidade) diz que houve pouco im…

Catalunha em espera para ser independente

Imagem
Se a moda pega, tenho para mim que haverá hipóteses de outras nações lutarem pela independência. Um povo com caraterísticas próprias, com um linguajar típico, com tradições que pretendem preservar, com economia sustentável, entre outros requisitos, também terá direito a seguir uma vida independente. Para já, não estou a pensar em nada de concreto, mas a hipótese mantém-se. No entanto... Imaginem que a Galiza também sonha como a Catalunha, desejando unir-se a Portugal com quem tem tantas afinidades? E o País Basco que tanta guerra fez, há anos, para se libertar da Espanha? E a nossa Madeira também não navegou por essas águas? E os Açores? E fico-me por aqui, embora me apetecesse falar de outros casos. Estou a brincar... mas quantas vezes a brincar se dizem coisas certas. Cá para nós, para longe vá o agoiro, mas se o povo quiser... Não é o povo quem mais ordena?

Georgino Rocha — João Almiro de Melo Meneses e Castro

Imagem
João Almiro de Melo Meneses e Castro (de agora em diante João Almiro) nasce no seio de uma família cristã, a 24 de Junho de 1926, em Canas de Santa Maria, Tondela. Tem vários irmãos. O pai era médico e exercia uma grande influência no filho João que pretendia seguir-lhe os passos. Mas foi dissuadido por ele, pois já havia na família “médicos suficientes”. Em Coimbra especializa-se em farmácia, exercendo a profissão de farmacêutico durante muitos anos com entusiasmo e competência. Casa catolicamente e tem sete filhos. Na relação com eles, aprende a ser pai e, levado pelo coração, alarga o amor a quem a vida não bafeja nem sorri, aos excluídos sociais, por tendências desviantes, por influências negativas ou por pressão de condições desumanas envolventes.

Ler mais aqui 

Bento Domingues — Tranquilizar ou desassossegar Fátima? (2)

Imagem
1. Um amigo, depois de ler o meu texto do domingo passado, pediu-me para deixar Fátima em paz. Depois da intoxicação mediática em torno do centenário, é saudável deixar arrefecer essas alucinações. Lembrei-lhe que ainda não se fez uma avaliação deste ano, pois ainda estão em curso preparações de novos congressos. A avaliação que já deveria ter sido feita é a da vinda do Papa Francisco a Fátima. Paulo VI foi o primeiro Papa que veio a Fátima em circunstâncias que já foram analisadas de diversos pontos de vista. João Paulo II foi à Cova da Iria mais do que uma vez. Bento XVI presidiu à peregrinação de 12 e 13 de Maio de 2010. Como Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé já tinha serenado, do ponto de vista teológico, o empirismo que dominava a discussão sobre as aparições/visões. O Papa Francisco veio como peregrino, a 12 e 13 de Maio 2017. Não trouxe uma rosa de ouro, não foi agredido nem miraculado em Fátima, não se ocupou com as narrativas sobre o inferno, o purgatório, a Rúss…

A nossa gente: Mestre Vareta

Imagem
Neste mês de outubro, em que se assinala o 16.º Aniversário da Ampliação e Remodelação do Museu Marítimo de Ílhavo, dedicamos a rubrica “A Nossa Gente” a José Rodrigues Vareta, também conhecido por “Mestre Vareta”. Nascido na Gafanha da Nazaré, a 24 de outubro de 1930, o Mestre Vareta estudou na Escola Primária da Chave, onde estudou até à 4.ª classe. Com apenas 14 anos de idade, começou a trabalhar como ajudante de Carpinteiro Naval nos antigos Estaleiros Mónica, empresa de referência na construção de navios da frota bacalhoeira nacional. Tornou-se, depois, Carpinteiro Oficial passando pelas suas mãos navios como o “Condestável”, o “Lutador” ou o “Inácio Cunha”, destacando o “Celeste Maria” e o “Ilhavense” como muito especiais. Tempos bons aqueles em que via partir os navios para a Faina Maior, a pesca do bacalhau à linha praticada por homens e navios portugueses durante os séculos XIX e XX, regressando meses mais tarde, abastecidos de bacalhau, ao Cais dos Bacalhoeiros, na Gafanha da…

Liga Portuguesa Contra o Cancro anuncia peditório anual

Imagem
Como tem sido costume, a Liga Portuguesa contra o Cancro – organização não-governamental, declarada de utilidade pública e sem fins lucrativos – vai realizar o seu tradicional peditório público, nos próximos dias 01, 02, 03, 04 e 05 31 de novembro, para prosseguir a sua ação beneficente. O seu principal objetivo é o apoio aos doentes oncológicos e às suas famílias, mas também a promoção da saúde, a prevenção do cancro e o estímulo à formação e investigação em oncologia. Trata-se de uma iniciativa que a todos deve dizer respeito, já que todos, também, direta ou indiretamente, estamos ligados a esta terrível doença, cuja cura tarda em aparecer.

Ares do Outono - folhas secas

Imagem
O outono da minha infância pouco ou nada me diz. O verão tinha deixado marcas  de calor  que perduravam no corpo e no espírito. Só o inverno nos acordava para a tristeza da vida. Mas hoje já não é assim. Com as folhas caídas e árvores despidas  vem a certeza da finitude  dos seres vivos.  Hoje pisei a relva com marcas de decadência., mas foram as folhas secas da nogueira que me convidaram registar esta mensagem. Outras se seguirão em Ares do outono

MaDonA — O Dia Mundial do Sorriso

Imagem
A cada passo, nos cruzamos com pessoas de rosto crispado, que parecem estar de mal com Deus e com o mundo. São incapazes de esboçar um sorriso, ao seu semelhante, (Será que paga imposto?) como se vissem em cada pessoa, um adversário, um inimigo. Por isso, resolvi debruçar-me sobre o tema.  O Dia Mundial do Sorriso, conhecido como WorldSmileDay foi criado em 1999, sendo celebrado, na primeira sexta-feira de outubro. Deve-se a HarveyBall, um artista de Worcester, Massachussets, sendo esta imagem do smiley, reconhecida internacionalmente. Um ícone, profusamente, usado por todos. Já que rir é a melhor terapia, a mais económica, ao alcance de todos, o sorriso abre-lhe a porta, de par em par.

Anselmo Borges — Francisco sobre: 3. a Igreja e a alegria

Imagem
Continuo com os diálogos do Papa Francisco e de Dominique Wolton: Politique et société. Quando se fala da Igreja, pensa-se logo na instituição e nos dirigentes: papa, bispos, padres... Ora, acentua Francisco, "a Igreja somos nós todos." "Há os pecados dos dirigentes da Igreja, com falta de inteligência ou que se deixam manipular. Mas a Igreja não são os bispos, os papas e os padres. A Igreja é o povo. O Vaticano II disse: "O povo de Deus, no seu conjunto, não se engana." Se quiser conhecer a Igreja, vá a uma aldeia onde se vive a vida da Igreja. Vá a um hospital onde há tantos cristãos que vêm ajudar, leigos, irmãs... Vá a África, onde se encontram tantos missionários. Não para converter - era noutros tempos que se falava de conversão -, mas para servir."
O que é que mais o toca? "Há tanta santidade. É uma palavra que quero utilizar na Igreja hoje, mas no sentido da santidade quotidiana, nas famílias... Quando falo desta santidade ordinária, que já …

Georgino Rocha — Chamados a dar bons frutos na vinha do Senhor

Imagem
Jesus encontra-se, em Jerusalém, na esplanada do Templo. Vive dias de enorme tensão. Os adversários apertam o cerco para o eliminar. Só o medo da reacção popular serve de contenção. A vinha, figura bem conhecida pelos ouvintes, constitui ponto de partida para nova mensagem, directa e provocante, aos sumos sacerdotes e aos anciãos. A narração de Mateus é sóbria, sem floreados, para evidenciar o que está em causa. E Jesus quer deixar claro o contraste entre o proceder de Deus e a atitude dos dirigentes de Israel, ali representados pelos funcionários do culto.

O rosto de Deus surge bem traçado nos gestos do dono da vinha. Ele faz tudo por ela: prepara a terra e planta-a com cuidado, ergue uma sebe de protecção, constrói um lagar para a recolha das uvas, levanta uma torre de vigia e confia-a a uns trabalhadores vinhateiros. Com esta descrição, Jesus realça a solicitude de Deus para com Israel, o povo eleito. Faz uma leitura dos factos acontecidos ao longo da história. Retoma a perspecti…

5 de Outubro — Independência de Portugal e implantação da República

Imagem
O 5 de Outubro assinala dois acontecimentos especiais e justificativos de celebração. Em 5 de outubro de 1143 foi assinado o Tratado de Zamora que estabeleceu a paz entre D. Afonso Henriques e seu primo, Afonso VII, rei de Leão e Castela. A partir daí, D. Afonso passa a assumir-se como Rei de Portugal, embora o reconhecimento do Papa tenha surgido somente em 1179.  O outro acontecimento refere-se à implantação da República, no ano de 1910, que pôs termo à Monarquia. Celebra-se como feriado apenas esta efeméride, mas seria justo evocar festivamente o célebre tratado, pois sem ele talvez fôssemos hoje uma nação integrada na Espanha, tal como aconteceu com a Catalunha. Admito isso como mera hipótese, já que o mundo ao longo dos séculos deu muitas voltas, conseguindo Portugal, afinal, impor a sua identidade e independência.  Acontece que estas datas passam, por norma, desligadas do quotidiano do nosso povo, que goza tão-só um dia de descanso, sem qualquer celebração promovida pelas entida…

Ria de Aveiro em dia de movimento

Imagem
Ontem, num momento de cavaqueira com um amigo no parque de estacionamento do ferryboat, no Forte da Barra, presenciei o movimento febril de pescadores na laguna que nos separa de São Jacinto. Parecia uma corrida de barquinhos a motor, de um lado para o outro, decerto a arrastarem linhas com anzóis com isco na ponta. A distância não deu para saber se pescaram muito ou pouco, mas pelo número de barcos concentrados bem à vista de todos, posso imaginar que estariam em zona de pesca abundante, talvez pela serenidade das águas ou por tantas razões que eu não sei distinguir. Sei, pelo que tenho ouvido dizer, que a pesca tem muito que se lhe diga, nomeadamente em horas certas das marés. Importa, apesar disso, realçar o espetáculo dos barquinhos a motor num vaivém constante a velocidades aceleradas, muito longe de quem simplesmente passeia.  Um porta-contentores e outros barcos de porte superior aos de pesca também encheram a paisagem lagunar para delícia dos que, como eu, vibram, nem sei bem…