terça-feira, 6 de dezembro de 2016

O Natal não é ornamento




"O Natal não é ornamento: é fermento
É um impulso divino que irrompe pelo interior da história
Uma expectativa de semente lançada
Um alvoroço que nos acorda
para a dicção surpreendente que Deus faz
da nossa humanidade

O Natal não é ornamento: é fermento
Dentro de nós recria, amplia, expande

O Natal não se confunde com o tráfico sonolento dos símbolos
nem se deixa aprisionar ao consumismo sonoro de ocasião
A simplicidade que nos propõe
não é o simplismo ágil das frases-feitas
Os gestos que melhor o desenham
não são os da coreografia previsível das convenções

O Natal não é ornamento: é movimento
Teremos sempre de caminhar para o encontrar!

Entre a noite e o dia
Entre a tarefa e o dom
Entre o nosso conhecimento e o nosso desejo
Entre a palavra e o silêncio que buscamos
Uma estrela nos guiará
O Natal não é ornamento"


José Tolentino Mendonça

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Natal não pode ter fim




Com a chegada de dezembro, o Zé Maria era outro. Mais alegre, mais comunicativo, mais solidário, mais delicado. Todo ele era disponibilidade para os outros, conhecidos e desconhecidos. Em casa, no trabalho, na rua, no café. E muitos estranhavam esta mudança brusca num homem humilde, sempre tão preocupado com o trabalho e com a família. Fui um deles. 
— O que é que se passa, Zé Maria? Saiu-te o Totoloto? Foste promovido na empresa? Andas tão diferente…
— Nada disso — respondeu-me, com um sorriso aberto e franco. — O Natal mexe comigo. Basta ouvir as melodias natalícias, ver os enfeites das ruas, apreciar os presépios das montras ou… simplesmente recordar-me da festa da família que a quadra nos lembra. 
O Zé Maria fazia parte do grupo sem fim dos “católicos não praticantes”. E disse-mo um dia em que conversámos, como velhos amigos da infância. Ainda lhe retorqui que isso de “católicos não praticantes” me custava aceitar. E até acrescentei que seria interessante ver um mecânico não praticante, na oficina em que ele trabalhava como especialista de motores diesel.

domingo, 4 de dezembro de 2016

Semeadores de mudança: poetas sociais (1)

Crónica de Frei Bento Domingues 



1. Falar e escrever para calar os outros era uma tradição papal que João XXIII interrompeu. O exemplo não vingou, mas o Papa Francisco tem gosto em acolher, ouvir e partilhar a palavra seja com quem for, seja onde for. Não aceita que a Doutrina Social da Igreja continue a ser apenas a voz dos Papas.
No passado dia 5 de Novembro, Bergoglio acolheu, em Roma, o 3º Encontro dos Movimentos Populares. No anterior, realizado na Bolívia, ficou claro que sem transformar as estruturas não é possível vida digna para as populações. A luta continua e entusiasma o argentino: “Vós, movimentos populares, sois semeadores de mudança, promotores de um processo para o qual convergem milhões de pequenas e grandes acções interligadas, de modo criativo, como numa poesia. Foi por isso que vos quis chamar poetas sociais”.
O ritmo dessa poesia é marcado pelos passos da caminhada rumo a uma alternativa humana face à globalização da indiferença: 1. pôr a economia ao serviço dos povos; 2. construir a paz e a justiça; 3. defender a Mãe Terra.
O discurso do papa é longo e multifacetado[1]. É uma antologia da vida dos movimentos populares na resistência à tirania. Esta alimenta-se da exploração do medo e do terror. Os cidadãos que ainda conservam alguns direitos são tentados pela falsa segurança dos muros físicos ou sociais. Muros que prendem uns e exilam outros. De um lado, cidadãos murados, apavorados; do outro, os excluídos, exilados, ainda mais aterrorizados. Será esta a vida que Deus, nosso Pai, deseja para os seus filhos?

sábado, 3 de dezembro de 2016

Presépio Simples


Presépio Simples

Acabo de reunir-me.
Sou uma gruta de silêncio e sombra.

Co’a vida, musgo suave,
pedra real e quimera,
um anjo grave
(longos dedos, voo de ave!)
faz um berço e uma espera…

Nos horizontes brumosos
resvalam os séculos vagarosos…

Cai na neve e no silêncio
a flor do Tempo.
Dobram os ramos cimeiros
árvores, céus à terra vil.
Chegam os reis e os cordeiros
(o palácio é um redil!)
e nasce Deus!

(Écloga impossível)
João Maia 

In "Anunciação e Natal na Poesia Portuguesa",
Antologia de António Salvado

O Islão e as Luzes (1)

Crónica de Anselmo Borges 

Malek Chebel 

Quando, há mais de 15 anos, Malek Chebel lançou a expressão "Islão das Luzes" não imaginava o sucesso que ela havia de encontrar. Nascido na Argélia, M. Chebel morreu no passado dia 12 de Novembro, com 63 anos. Antropólogo das religiões, psicanalista, especialista reconhecido no islão, sobre o qual escreveu obras fundamentais, ensinou em várias universidades, tendo-se tornado particularmente notado pelo seu Manifeste pour Un Islam des Lumières (Manifesto a Favor de Um Islão das Luzes).
Dada a importância da obra e no contexto dos grandes debates em curso sobre esta questão tão complexa como urgente, dedico--lhe a crónica de hoje e a do próximo sábado. Faço-o no mesmo espírito de Malek Chebel: "Na realidade, não há crítica válida a não ser que seja, por essência, autocrítica." O seu valor mede-se pelo "amor que se tem à coisa criticada". Não se trata, pois, de "agredir inutilmente os leitores de sensibilidade muçulmana, mas de fazer apelo à sua capacidade de discernimento e ao seu sentido das responsabilidades". O Manifesto tem 27 propostas para reformar o islão. Assim:

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Histórias pessoais sobre o Advento ou Natal para partilhar



Até ao Natal, tentarei publicar, diariamente, no meu blogue, ilustrações, poemas, contos, mensagens, reflexões, memórias, histórias e tudo o que for interessante e importante para os meus leitores e amigos. Nessa linha, aceitarei a colaboração de todos. Muito obrigado aos que quiserem partilhar os seus sentimentos, emoções e expressões, nesta quadra tão propícia à partilha.
Estamos quase com uma semana vivida dentro deste clima de Advento, caminhada espiritual que nos conduzirá ao Natal, e ainda nada recebi, apesar de promessas voluntárias que me foram chegando. Vamos lá, meus caros, será que ninguém tem uma memória, por mais simples que seja, que possa partilhar? Não me desiludam!
Fico a aguardar... 

Fernando Martins

Endireitai os vossos caminhos

Reflexão de Georgino Rocha


João, o precursor de Jesus, envia-nos esta mensagem a partir do deserto, local para onde se havia retirado, deixando a sua terra natal e a sociedade em que vivia. Mateus, o evangelista narrador, recorda que o profeta Isaías já lhe tinha feito referência ao dizer: “Uma voz clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas”. E aduz como razão principal a proximidade do Reino de Deus que exige um coração sábio para acolher e uma vontade forte para ser coerente; exige arrependimento sincero das acções desviantes (pecados) e aceitação corajosa de uma nova escala de valores morais (virtudes); exige uma prática religiosa e uma ordem social que, cada uma a seu nível, sejam coerentes e promotoras da dignidade humana; exige, simplesmente, que endireitemos os nossos caminhos. Mensagem de sempre, que brilha, hoje, com enorme intensidade, tal a situação que se vive. E que sentimos na “própria pele” e vemos – oxalá com viva atenção! – um pouco por todo o lado, sobretudo nos meios de comunicação social.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

1.º de Dezembro — Restauração da Independência de Portugal

Deposição de flores (foto do Observador)

«“O que celebramos e celebraremos sempre é a nossa pátria e a nossa independência”, afirmou. “Independência política, independência financeira e económica — que exige rigor crescimento emprego e justiça social e recusa sujeições escuras, subserviências, minimizações intoleráveis quando todos sabemos que as nossas e os nossos compatriotas são cá dentro e lá fora os melhores dos melhores –, independência ética que impõe o respeito da pessoa humana, dos deveres e direitos fundamentais, da isenção, da honestidade da transparecia da vida comunitária.”»



NOTA: Partilho a ideia do erro que representou o corte do feriado do 1.º de Dezembro. Há datas marcantes da nossa identidade nacional; há símbolos intocáveis. E esta data era um desses símbolos, 

Presépios de Portugal no Museu de Santa Joana

Museu de Santa Joana
O Museu de Aveiro | Museu Santa Joana apresentará, até 10 de janeiro de 2017, a exposição “Presépios de Portugal no Museu” com alguns dos Presépios Portugueses mais notáveis e que pertencem à coleção do Museu de Aveiro, na qual se incluem também presépios de artesanato contemporâneo de diferentes Regiões do País. Inclui um Roteiro no Centro Histórico em diferentes Templos: Sé de Aveiro; Nossa Senhora da Apresentação; Barrocas; Nossa Senhora das Febres; no Jardim da Imaculada, na Forca; Igreja do Carmo; Igreja de São Francisco.

Fonte: CMA

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Decálogo para o Natal



Se tens tristeza, alegra-te! O Natal é alegria.
Se tens inimigos, reconcilia-te! O Natal é paz.
Se tens amigos, busca-os! O Natal é encontro.
Se tens pobres ao teu lado, ajuda-os! O Natal é dádiva.
Se tens soberba, sepulta-a! O Natal é humildade.
Se tens pecados, converte-te! O Natal é vida nova.
Se tens trevas, acende a tua lâmpada! O Natal é luz.
Se vives na mentira, reflete! O Natal é verdade.
Se tens ódio, esquece-o! O Natal é amor.
Se tens fé, partilha-a! O Natal é Deus connosco.


Nota: Editei este texto de  autor desconhecido no Natal de 2004, .
Quem souber quem é o autor, agradeço informação.

Portugueses com 65 anos podem viver em média mais 20 anos


«Os portugueses com 65 anos podem esperar viver, em média, mais 19,31 anos, segundo dados hoje revelados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).
Já à nascença, segundo dados das Tábuas de Mortalidade 2013-2015 divulgadas em setembro, a esperança média de vida dos portugueses é de 80,41 anos.»

Li aqui 

Nota: Por essas contas, desses 20 anos de esperança de vida, eu já vivi 13. Portante, ainda por cá ficarei, se Deus quiser, mais uns anitos. E entretanto, a ciência, os cuidados médicos e as novas descobertas na área da saúde hão de dar-nos ainda mais uns anos. Deus queira, que a vida é bela. 

terça-feira, 29 de novembro de 2016

É Natal sempre...



«É Natal sempre que deixares Deus amar os outros através de ti... sim, é Natal sempre que sorrires ao teu irmão e lhe ofereceres a tua mão.»


Teresa de Calcutá

Li no Citador

Navio-Escola Sagres com o Comité Olímpico de Portugal

Navio-Escola Sagres no Porto de Aveiro
Como homem com ligações afetivas e efetivas ao mar, vibro sempre que ouço falar do Navio-Escola Sagres, um símbolo permanente das nossas ancestrais opções marítimas. A Sagres, com toda a sua imponência, que atinge o máximo quando, de velas desfraldadas, toca em todos os cantos do mundo, enchendo-nos de orgulho. Nela está a marca indelével de múltiplas gerações que viveram do mar e para o mar.
Folgo em saber que o Comité Olímpico de Portugal (COP) e o Navio-Escola Sagres assumiram a intenção de repetir a parceria do Rio 2016 na próxima edição dos Jogos Olímpicos, em 2020, na cidade de Tóquio. Nessa altura, para além dos nossos atletas, treinadores dirigentes e assessores, a Sagres será motivo para todos nos sentirmos felizes. 

Ler mais aqui

Os Canais de Aveiro na sua História

Canal da Ria (imagem da ADERAV)

«A Câmara Municipal de Aveiro, em parceria com a ADERAV - Associação para o Estudo e Defesa do Património Natural e Cultural da Região de Aveiro, promove amanhã, 30 de novembro, a décima edição das Jornadas de História Local e Património Documental. O evento terá lugar no edifício da antiga Capitania.
Com o tema “Os Canais de Aveiro na sua História” pretende-se perceber de que modo eles condicionaram o desenvolvimento da cidade e como é que esta se foi apropriando dessas linhas de água que a atravessam e são a sua “imagem de marca”. Ao mesmo tempo far-se-á o exercício de perspetivar o futuro dessa ligação umbilical.»

Fonte: CMA

Ver programa aqui

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Um Natal contínuo


«Uma boa consciência é um Natal contínuo»

Benjamim Franklin


A ideia muito simples de que o Natal é quando o homem quiser está bem patente nesta frase de Benjamim Franklin. Um Natal contínuo, sempre, é regra essencial para criarmos e alimentarmos em nós o espírito natalício, fonte de uma sã consciência e de ternura, do amor perene, da disponibilidade total, da abertura franca aos outros, em especial aos mais carentes de pão e de afeto. Preparemos, então, o Natal. Ele vai chegar oficialmente no dia 25 de dezembro, mas se quisermos ele já está, para perdurar, nos nossos corações.

Fernando Martins

domingo, 27 de novembro de 2016

Uma nova revolução cultural

Crónica de Frei Bento Domingues 



1. O Ano litúrgico terminou com a carta apostólica Misericordia et Misera [1], do Papa Francisco, que marca o encerramento do Ano Jubilar da Misericórdia, mas não da misericórdia. Aproveitou para afirmar: “Quero reiterar, com todas as minhas forças, que o aborto é um grave pecado, porque põe fim a uma vida inocente, mas, com igual força, posso e devo afirmar que não existe nenhum pecado que a misericórdia de Deus não possa alcançar e destruir, quando encontra um coração arrependido que pede para se reconciliar com o Pai. (...) Para que não exista qualquer obstáculo entre o pedido de reconciliação e o perdão de Deus, concedo a partir de agora, a todos os sacerdotes, em virtude do seu ministério, a faculdade de absolver todas as pessoas que tenham incorrido no pecado do aborto.”
É normal que os grandes meios de comunicação tenham realçado esta coroa da misericórdia. Mas Bergoglio procura integrá-la numa perspectiva mais envolvente, destacando acontecimentos, mensagens e figuras que são a própria respiração dos Evangelhos. Se ficasse por aí, continuávamos a olhar para a beleza de há dois mil anos: uma galeria da misericórdia do passado. Se ficássemos, apenas, com as expressões devocionais e sacramentais do Ano Jubilar, não saíamos dos espaços e dos ritmos do culto católico. A misericórdia não se exerce apenas, nem sobretudo nas missas, em resposta à carinhosa exortação saudai-vos na paz de Cristo!