SÓ PARA DEPOIS DO JUÍZO FINAL

Crónica de Frei Bento Domingues 

 «A humanidade não pode continuar 
a envenenar o seu próprio futuro»


1. Dizem que o Papa Francisco não é um homem apressado, mas tem muita pressa. Tentarei compreender porquê. Para já, quero manifestar a alegria que vivi na leitura da primeira Encíclica de um Bispo de Roma, dirigida a cada pessoa que habita este planeta a reconhecer, a respeitar e a cuidar. Ele é a nossa própria casa. A humanidade não pode continuar a envenenar o seu próprio futuro. É um rio de muitos afluentes. Pelo horizonte, pelo conteúdo e pelo estilo é justo chamar a este texto a Carta Magna da ecologia integral [1].
Ao contrariar a liberdade de exploração egoísta dos recursos de todos, o Papa Francisco vai ter de enfrentar novas campanhas contra o seu pontificado, campanhas movidas por aqueles que procuram reduzir tudo a negócios de miopia. Pedem-lhe que se ocupe do Céu e esqueça os pobres. Mas este argentino continuará a protestar contra os vendilhões da terra de todos apenas para benefício de alguns.

2. Hoje, porém, quero chamar a atenção para uma outra história muito breve, muito atrevida e abafada pelos “empatas profissionais” do ecumenismo oficial. 
Vejamos: a 23 de Maio, Bergoglio enviou uma mensagem-vídeo a uma jornada de diálogo organizada pela Diocese de Phoenix (EUA), em colaboração com pastores evangélicos de orientação pentecostal.
Era uma mensagem de radical indignação contra a cegueira cruel, paradoxal e chocante do movimento ecuménico. 
Eis o facto: neste momento, quem mata os cristãos, aos milhares, tanto lhe dá que sejam ortodoxos, católicos ou protestantes. Para os assassinos, são Cristãos e basta! Sabem reuni-los pelo mesmo ódio.
Pelo contrário, os Cristãos andam sempre a fazer mil distinções para adiar,sine die, a união que Jesus Cristo insistentemente lhes pede. Cedem ao “ecumenismo do ódio”, mas continuam a retardar sempre a união na diferença, mais que estudada. Como dizia Jesus de Nazaré, os filhos das trevas vêm mais do que os filhos da luz.
O melhor é ler o que Papa realmente disse, no seu estilo inconfundível: “Hoje reunidos, eu em Roma e vós aí, pediremos que o Pai envie o Espírito de Jesus, o Espírito Santo, e que nos conceda a graça, a fim de que todos sejam um só, «para que o mundo creia». Vem-me ao pensamento o desejo de dizer algo que poderá ser insensato, ou talvez uma heresia, não sei. Mas alguém «sabe» que somos um só, não obstante as diferenças. 
“Quem será esse alguém? É aquele que nos persegue, aquele que hoje persegue os cristãos, que nos unge com o martírio; ele sabe que os cristãos são discípulos de Cristo: que são um só, que são irmãos! Não lhe importa se são evangélicos, ortodoxos, luteranos, católicos, apostólicos... isso não lhe importa! São cristãos! É aquele sangue que nos une.
“Hoje, amados irmãos, vivemos o ecumenismo do sangue. Isto deve impelir-nos a fazer aquilo que já fazemos: rezar, falar entre nós, diminuir as distâncias, irmanar-nos cada vez mais.
“Estou convencido de que a unidade entre nós não será feita pelos teólogos. Os teólogos ajudam-nos, a ciência dos teólogos assistir-nos-á, mas se esperarmos que os teólogos se ponham de acordo entre si, a unidade só será alcançada no dia seguinte ao do Juízo Final.
“A unidade é feita pelo Espírito Santo; os teólogos ajudam-nos, mas assiste-nos a boa vontade de todos nós que estamos a caminho e com o coração aberto ao Espírito Santo!

3. Bergoglio não está contra o papel indispensável dos teólogos. Está contra uma casta especializada em notar, até ao último pormenor, até à última virgula, aquilo que deve impedir a união dos cristãos. É uma casta de juízes, em vez de aprendizes. Acabam por cair na cegueira que Jesus censurava:vêem o argueiro no olho do outro e não dão pela trave que há no seu próprio olhar [2]. Não entram nem deixam entrar. Bem pode o Papa rezar com Santa Catarina de Sena: Senhor, alargai-lhes a alma!
A boa prática teológica é o empenhamento da inteligência cordial na adesão a Jesus Cristo, abraço do mundo. É uma construção de pontes, não a arte de criar obstáctulos. O universo simbólico realiza-se no registo da aproximação do que está distante. O “diabo”, ao contrário do símbolo, afasta o que está próximo.
A verdade em teologia não é um adquirido. É um infindável horizonte de busca, uma contínua passagem para a outra margem e uma navegação que se faz sempre mais ao largo. 
A teologia vive bem na oração, como consciência do mistério insondável de Deus. Este não cabe em nenhuma definição. Quando a teologia se torna soberba, pensa que tem Deus na mão e transforma-se em juíza das expressões da fé das outras confissões cristãs. Não concebe a importância de procurar os pontos de convergência no caminho para uma Realidade que não é propriedade das Igrejas Ortodoxas, da Igreja Católica Romana, ou das Igrejas Protestantes.
A virtude do caminho ecuménico é a Esperança, a não confundir com a arte de adiar o que urge resolver. Será sabedoria cristã repetir apenas que o futuro a Deus pertence, que é melhor deixá-lo nas mãos de Deus e não se perguntar se Ele gostará de tanta confiança em nome da nossa irresponsabilidade e preguiça?
Essa irresponsabilidade teológica deixará a unidade dos cristãos para o dia seguinte ao do Juízo Final.

[2] Mt 7, 1-5

Comentários