terça-feira, 13 de março de 2018

FRANCISCO – PAPA HÁ CINCO ANOS

Papa Francisco dirige as primeiras palavras ao mundo

Ando desde manhã a pensar no Papa Francisco, que celebra (celebramos) hoje cinco anos de pontificado. Muito se tem escrito e dito, de viva voz, sobre a efeméride que tanto diz a crentes e mesmo a não crentes, tal a força do carisma de quem ocupa a cadeira de Pedro, usando um estilo singular. Quem vier depois dele, poderá ser também figura preponderante no contexto universal, mas jamais conseguirá, a meu ver, marcar o mundo com gestos tão fortes, tão envolventes, tão sinceros, tão determinados e tão importantes, como o tem feito o Papa Francisco, desde a primeira hora em que se apresentou, na janela do Vaticano, como o que veio do outro lado do mundo para ser bispo de Roma. 
Durante a minha vida, estive atento aos Papas da minha geração, desde Pio XII até Francisco, passando por João XXIII, Paulo VI, João Paulo I, João Paulo II e Bento XVI. Uns marcaram-me mais do que outros, como é natural, mas Francisco está, indubitavelmente, no meu coração de crente como um Papa especial, diferente e  original
No Papa Francisco, vejo a verdade da fé que se reflete em nós por meio de gestos simples, a ousadia com que enfrenta os nossos quotidianos, a liberdade de quem está comprometido com respostas para os dramas da humanidade, a capacidade de dialogar e de promover o diálogo entre povos, nações e religiões, a proposta de cuidar da casa comum e de assumir a alegria do Evangelho. Mas ainda a coragem com que denuncia as injustiças sociais, a pobreza, a fome, o desemprego, os desalojados, os imigrantes, as guerras e a intolerância. 
Que Deus o ajude a levar por diante a missão de humanizar o mundo e a própria Igreja Católica, onde não faltam os que sofrem de alzheimer espiritual e os carreiristas,  capazes de tudo para lhe dificultarem a visão profética de que os nossos tempos precisam.

Sem comentários: