domingo, 1 de julho de 2018

Diário de Notícias aposta em novos desafios



Os que me seguem neste espaço sabem que já tenho o Diário de Notícias (por extenso) na mão. Encomendei-o na véspera, não fosse o diabo tecê-las. E quando cheguei ao quiosque lá estava o jornal guardado, escondido dos olhares dos clientes. 
Folheei-o com avidez para apenas em casa o saborear com calma. E comecei, logicamente, pelo editorial (sem essa indicação, porém) do diretor Ferreira Fernandes. Bem no seu estilo, que aprecio. 
Cada parágrafo, mais ou menos, poderia servir de mote a esta minha primeira referência ao mais antigo quotidiano de Portugal Continental, agora renovado. Mas fico-me pelas notas, oportunas, neste tempo do vale tudo a nível da comunicação social, com duas ideias:   “A semana das boas notícias" e “crónicas “edificantes e de enternecer”. Infelizmente, estas opções têm dado lugar ao mal-dizer, às raivas e ódios de estimação, às notícias falsa. Só quando  o homem morde o cão ou há faca e alguidar, no sentido literal ou metafórico, é que alguns jornalistas acordam. "São estas que vendem", dizem-me. 
No meu Pela Positiva, nem sempre segui o que me propus fazer desde que abri esta minha janela para o mundo. Terei que rever esta minha posição. Obrigado pela sugestão, Ferreira Fernandes. 

Fernando Martins

Sem comentários: