domingo, 25 de fevereiro de 2018

EM HORA DE SILÊNCIOS


Tenho andado, há uns tempos para cá, a cultivar o silêncio. Direi mesmo silêncios, porque os há na minha vida. E a Quaresma é uma ocasião propícia para isso. 
De alguma euforia no falar quando encontro amigos, passei a comedido no que tenho para dizer. Sei que me vai ser difícil levar a cabo esta experiência, mas considero importante dizer aos meus amigos que o treino me ajudará. E porquê esta decisão? Simplesmente porque atingi uma idade que me sugere reflexão e a opção pelo que é fundamental, em detrimento de banalidades que nos sufocam. 
Isto não significa que me isole, que fuja do mundo, que me afaste do que gosto e de quem gosto, que me transforme num eremita ou num frade de clausura. Nada disso. Quero simplesmente aproveitar o tempo olhando para o que fiz de bom e de menos bom, de passos que dei e que devia ter evitado, de amigos que criei e depois esqueci, de decisões que tomei e que não resultaram, do que não fiz e devia ter feito, do que fiz e não devia fazer. 
Por outro lado, tenho tanto que ler e reler, tanta atenção que devo aos que me cercam, tanta natureza para apreciar, tanto bem para espalhar pela palavra e pela escrita, tanto sonho para alcançar, tanta necessidade do transcendente e tanto para bendizer o tempo que tenho vivido. É isso. Vou ficar por aqui até Deus querer. Até um dia destes...

Fernando Martins

Sem comentários: