UMA JANELA PARA O SAL

Um livro de Ana Maria Lopes|Etelvina Almeida
|Paulo Godinho – Fotografia




UMA JANELA PARA O SAL é um livro de Ana Maria Lopes|Etelvina Almeida|Paulo Godinho – fotografia que se lê com muito prazer. Pelas informações que presta, pelo que nos leva a recordar, pelo texto e pelas fotos «recolhidas nos anos 80». Mas o texto, em prosa poética de muita sensibilidade, só próprio de quem sente de modo muito especial a Ria de Aveiro, a nossa serena laguna, esse merece ser lido e relido para dele extrairmos as cores, os cheiros, os gestos, as alegrias e as dores dos que viveram a safra salgada. 
As janelas que nos mostram o sal, quais vitrais multicoloridos bem definidos, espelham o céu que se mistura com os cristais salinos, refletindo na  região aveirense uma paisagem única com montes pontiagudos feitos à custa de esforço e arte de marnotos e moços. Há anos, antes da morte do salgado, nunca nos cansávamos de contemplar os cones de sal, como riqueza para alguns à custa de canseiras sobre-humanas para muitos.
Tudo ou quase tudo se foi. Porém, se não houvesse estudiosos de vários quadrantes e apaixonados pelas nossas culturas, esse património que faz parte integrante das raízes lagunares aveirenses perder-se-ia para sempre. Mas afinal temos quem nos ofereça marcas indeléveis desse património, que pode ser lido, recordado e mantido à tona das agradáveis memórias de quem nasceu à borda-d’água e não só.
O poema, como o classifiquei no início deste modesto texto, sai enriquecido em todo o livro, desde a abertura até à Nota final e ainda ao glossário sucinto, pelo que me dispenso de retirar dele alguma frase ou expressão. É que nele se incluem, nos vinte capítulos, palavras, expressões, notas históricas e termos técnicos, tudo a condizer com a safra do sal que nos tempera a nossa identidade.
Os meus parabéns aos autores.

Como isco dirigido aos meus amigos ou para abrir o apetite a toda a gente, aqui deixo um curto poema que ilustra no livro a foto que  encima este meu escrito:



Mãos de moço-homem és, rasoila!

E é com ele que, todos os dias mergulhas na moira, e te arrastas por essas praias de sal num vaivém interminável.

São ambos matéria que se curte e entranha em duro ambiente, entre elementos de água, sol e vento — entre o sal.

Ai moço, quão belo, mas cruel é esse salgado que te rouba a inocência, que te corrói o corpo e a alma, mas que te dá o pão da vida e te faz homem — são as «chagas da vida», dizem…

Ao tempo, com o tempo, curtes a tua cútis, endureces-te e moldas-te ao sal — só assim sararão essas feridas, que agora tingem de vermelho o branco sal.

É esse sal, que escorre entre teus pés, que te tempera, te corta, te marca, te retesa essa pele de tenro menino e a enruga antes do tempo, curtindo-a de bronze salgado.

A seu tempo, moço, «homem de sal» serás!


~~~~~~~~

NOTA: Este livro vai ser lançado em Aveiro, na quinta-feira, à noite, dia 4, pelas 21 horas  e trinta, no edifício da antiga Capitania.

Comentários