quarta-feira, 25 de julho de 2018

Fogos na Grécia: perguntas sem sentido

Desolação 

A catástrofe que varreu Portugal no ano passado repetiu-se agora na Grécia. O mundo até parece que está a ferro e fogo. E tanto em Portugal como agora na Grécia multiplicaram-se os gestos de generosidade e de solidariedade fraterna. É nestas ocasiões que se veem os amigos. 
Ora, acontece que há atitudes que não compreendemos. Em Portugal, tanto quanto se sabe ou julga saber, houve quem quis aproveitar-se para conseguir apoios indevidos para a reconstrução de casas, alterando a residência. Os poderes da Justiça e do Estado estão a averiguar. Os chicos-espertos tentam tirar partido, mas desta vez foram apanhados, se a Justiça confirmar que houve, realmente, tentativa de fraude.
No caso da Grécia, ainda me chocou a forma indecorosa como alguns jornalistas se comportaram, com perguntas dirigidas a meros assistentes da tragédia e a comentadores, impróprias de quem tem a obrigação de conhecer a ética profissional. Do género: Que explicação tem para estes fogos? Como vai contribuir para ajudar este povo? Acha oportuna a solidariedade do Estado português? Francamente!

Fernando Martins

Sem comentários: