segunda-feira, 9 de julho de 2018

Domingo do Mar voltado para trabalho indigno e poluição

«Deixo uma palavra particular aos que vivem situações de trabalho indigno no mar, bem como aos que se empenham para libertar os mares da poluição»
Papa Francisco


Pescador no seu bote na pesca do bacalhau
O Papa Francisco associou-se no Vaticano à celebração do Domingo do Mar, 8 de julho, na Igreja Católica, evocando situações de «trabalho indigno» e a poluição dos oceanos. «Deixo uma palavra particular aos que vivem situações de trabalho indigno no mar, bem como aos que se empenham para libertar os mares da poluição». Francisco recordou aos milhares de peregrinos reunidos na Praça de São Pedro que a Igreja Católica celebra hoje um domingo especial, dedicado aos pescadores e aos trabalhadores do mar, sublinhando que reza por eles e pelas suas famílias, bem como pelos capelães e voluntários do Apostolado do Mar, conforme li na Ecclesia
«Ao celebrar o Domingo do Mar, somos convidados a lembrar aos cerca de 1 200 000 marinheiros de todas as nacionalidades, que professam diferentes crenças, forçados a viver durante vários meses no espaço confinado de um navio, separados de suas famílias e entes queridos, sem poderem participar dos eventos familiares mais importantes e significativos (aniversários, formatura etc.) e estar presente durante os períodos de experiência e dificuldades, como doença e morte», afirmou numa mensagem para aquele domingo o Cardeal Peter A. Turkson, Prefeito do Dicastério para o Serviço de Desenvolvimento Humano Integral. 
Na mesma mensagem, o Cardeal Peter A. Turkson frisou que «os marítimos desempenham um papel significativo na economia global, transportando 90% de todos os bens que usamos em nossas vidas diárias em todo o mundo». Disse ainda que, por esta razão, «quando oramos por essas pessoas, onde quer que estejam, também queremos expressar a nossa gratidão pelo seu trabalho, pesado e cheio de sacrifícios». 
O Apostolado do Mar, que teve a sua expressão mais significativa no clube Stella Maris, sediado na Gafanha da Nazaré, tinha por princípio celebrar o Domingo do Mar no próprio dia, havendo, durante anos, diversas iniciativas de âmbito espiritual, social e cultural dirigidas aos homens do mar e suas famílias. Contudo, com as mudanças verificadas ao longo das últimas décadas, ao nível das estruturas portuárias, com espaços operacionais em três locais diferentes, ficou limitada a ação do Stella Maris, que foi obrigado a fechar portas. Nestas circunstâncias, importa, a nosso ver, refletir sobre o assunto. 

Fernando Martins

Sem comentários: