domingo, 22 de abril de 2018

Arquitectos e memória do futuro

Frei Bento Domingues no PÚBLICO


1. A memória viva nasce da preocupação com o futuro, do desejo de viver, de uma discreta insurreição contra o niilismo. Sem o horizonte do futuro, deixaríamos morrer o passado: foi e acabou. Como já tentei mostrar, várias vezes, nestas crónicas, o ser humano nunca está feito, acabado, é uma realidade aberta, em permanente devir, nostalgia e aventura.
Gostei de ouvir o filósofo Massimo Cacciari, em diálogo com o teólogo Enzo Bianchi, sobre Repensar o humanismo [1], mostrando que é uma quimera procurar definir o “homem”, esquecendo que somos um mundo de possibilidades. Definir é limitar. Estabelecer a lista completa das suas possibilidades, mediante a tecnociência, é o desejo da morte do desejo. É, no entanto, este que a oração acende:
"Conduz-nos, Deus,/ de questão em questão,/ de fogo em fogo,/ sem satisfações que ao tempo bastem/ e a nós assombrem// que passemos da catalogação/ do que julgamos conhecer/ ao poço dos enigmas infindáveis/ onde o rosto é para sempre fundo,/ desmentido, diferido// não nos mure a estrutura em espelho/ que escamoteia a procura da verdade,/ mas que o dom da tua palavra nos visite/ como o cantar do galo,/ a lembrar o dia novo,/ o perdão e a graça." [2]
Em 2015, publiquei aqui uma crónica com o título 800 anos é muito tempo! [3], para evocar o começo das celebrações do Jubileu do VIII Centenário da Ordem dos Pregadores (Dominicanos). Entretanto, em várias cidades do país, foram realizados congressos, conferências e eventos ligados a esta vasta história com os seus altos e baixos.
No dia 14 deste mês, foi lançada, na bela igreja do Alto dos Moinhos, uma obra importante para o conhecimento do percurso dos Dominicanos, desde a sua chegada a Portugal, em 1217, até à actualidade [4].
No mesmo dia, a seguir à apresentação desse livro, foi projectado um vídeo sobre uma das realizações mais marcantes da renovação da Arte Sacra, fruto de um convite audacioso dos dominicanos, P. Couturier e P. Régamay, ao arquitecto Le Corbusier. Trata-se do famoso convento dominicano de Sainte Marie de La Tourette (Lyon, 1960).
Transitou-se, depois, para outros espaços do Convento, onde foi inaugurada uma extraordinária exposição sobre Dominicanos. Arte e Arquitectura Portuguesa. Diálogos com a Modernidade. A própria exposição é dedicada ao Convento de Cristo Rei (Porto, 1950-54), à Igreja de Nossa Senhora do Rosário (Fátima, 1962-65), à Capela da Escola Apostólica da Aldeia Nova (Ourém, 1964-67) e ao Convento de São Domingos (Lisboa – Alto dos Moinhos, 1989). A alta qualidade da exposição dessas significativas obras da renovação da Arte Sacra é, também ela, uma obra de arte, um regalo para os olhos e para a inteligência.

2. Não posso esconder as emoções que me provocaram todos esses momentos. Tinha diante dos olhos a minha própria história de aproximação e de membro apaixonado da Ordem dos Pregadores. Foi no Porto, numa casa perto do Hospital de Sto. António – antes da construção do Convento do Cristo Rei –, que fiz o exame de admissão à Escola Apostólica Dominicana (em Aldeia Nova). Aí vivi cinco anos espantosos, com jovens de todo o país. Merece o filme que vai fazer reviver esse Casarão de todas as alegrias e loucuras. Entrei para o noviciado no Convento de Fátima em 1953. Aí, comecei a estudar filosofia a partir dos seus debates contemporâneos, com uma equipa de professores de vários países. Procurava-se a fonte do rio a partir da amplidão da sua foz. A interrogação era a lei dessa escola, do Studium Sedes Sapientiae. Mais tarde, depois do Vaticano II, também fui aí professor de teologia e, com expressões alargadas pelo ISTA, nos Cursos de Verão e nos Encontros de Teologia para leigos, sobretudo em Coimbra e no Porto.
Depois de muitas andanças por vários continentes, regressei a Lisboa, ao Convento João XXIII, antes da construção do Convento de S. Domingos onde, além de muitas outras actividades, vou escrevendo estas crónicas desde há muitos anos.
Entrei numa ordem religiosa cuja longa história não é um peso. É uma demonstração de que as instituições podem ser um mundo de possibilidades criadoras ou de traições. Sempre me impressionou que S. Domingos não tenha deixado nada aos seguidores do seu projecto. Mandou-os estudar, fazer comunidade e testemunhar o Evangelho pela vida e pela palavra. Seriam eles que tinham de fazer e aprovar as orientações e as normas, segundo o modelo de democracia representativa. Criou um mundo de possibilidades, não um modelo de reprodução do mesmo.

3. Uma das realizações mais significativas da renovação da Arte Sacra, em França, foi obra do célebre pintor Henri Matisse, em Vence (1951). Segundo a tradição oral, respondeu ao apelo de uma freira que tinha sido seu modelo antes de entrar para o convento. Quando Matisse esteve doente, no hospital, essa freira era enfermeira e ocupou-se dele com tais cuidados que o pintor desejava dar-lhe um grande presente. Ela agradeceu: "temos uma capela de Notre-Dame du Rosaire, das irmãs dominicanas a que pertenço. Se a pintasse era o melhor presente que podia dar à comunidade." Ao procurar conhecer S. Domingos, teve a intuição genial de o pintar sem rosto. Cada dominicano ou dominicana, ao longo do tempo, não tinha de o reproduzir, mas de reinventar o seu desígnio no seio dos problemas e da cultura de cada época e de cada continente. Seja histórica ou não essa tradição oral, o resultado é admirável. Aquela capela é um céu aberto pela pintura terrena desse grande pintor.
Os arquitectos que realizaram a exposição no convento de S. Domingos (Alto dos Moinhos), que estará aberta nos dois próximos meses, não repetiram o passado. Abriram novas possibilidades de incarnação do projecto de S. Domingos em novas formas e não só de arquitectura. Esta inspira novas arquitecturas da vida.

Frei Bento Domingues


[1] Este Encontro realizou-se no âmbito das atividades regulares do CITER (em parceria com o Instituto Italiano de Cultura), no Ciclo Lições Italianas sobre Estudos de Religião
[2] José Augusto Mourão, O Nome e a Forma, Pedra Angular, Lisboa, 2009, p. 170
[3] "800 Anos é muito tempo!", PÚBLICO, 08.11.2015
[4] Coord. António Camões Gouveia, José Nunes, OP, Paulo F. de Oliveira Fontes, Os Dominicanos em Portugal (1216.2016), Centro de Estudos de História Religiosa (UCP), Lisboa, 2018. Cf A resta

Sem comentários: