domingo, 24 de setembro de 2017

Faleceu um grande Bispo — Dom Manuel Martins


“Nascido em Matosinhos, no norte de Portugal, D. Manuel Martins sempre manteve a fidelidade aos princípios e valores distintivos daquela região do país: o sentido de serviço aos outros, a dedicação ao trabalho e a preocupação permanente com a justiça social”, escreve Marcelo Rebelo de Sousa, num texto divulgado pela Presidência da República.

Diz assim o registo do Presidente Marcelo:

«O senhor Dom Manuel Martins, representou, para a Igreja Portuguesa, a projeção da linhagem do senhor Dom António Ferreira Gomes no mundo do trabalho, em áreas sociais particularmente complexas, sempre atento à luta pela liberdade contra a opressão e pela igualdade contra a injustiça. Em homenagem ao princípio da dignidade da pessoa.
Como já referido na mensagem por ocasião dos seus 90 anos, o seu testemunho foi particularmente impressivo à frente da Diocese de Setúbal. Mas, ao dar vida aos princípios evangélicos, em tempos de crise e de enormes desafios comunitários, não serviu apenas a Igreja Católica, serviu Portugal.
O Presidente da República evoca, com saudosa e respeitosa amizade, uma personalidade singular, que tudo fez na sua vida para contribuir para um Portugal mais livre e mais justo, e, por isso, mais democrático»

Mais uma tristeza para todos os que defendem ou defenderam, ao longo dos tempos,  os valores da justiça social, da liberdade  e da paz. Disse um dia, D. Manuel Martins que o mundo era o verdadeiro altar da Igreja (estou a citar de cor),  onde sofre imensa gente que espera gestos de fraternidade. O Senhor de todos os dons já o tem junto de Si, como prémio pela frontalidade de um Bispo perante os poderosos deste mundo.
Paz à sua alma. 

FM

1 comentário:

Anónimo disse...

Foi um privilégio ter ouvido algumas palavras deste Senhor. Foram poucas, mas souberam todas a muito! Ouvia-as como se fossem dirigidas a mim. Parecia que estava a falar comigo e a ir ao cerne das questões que se me colocavam. tenho pena de não ter tido coragem de me dirigir ao senhor e dar-lhe o meu abraço. Dou agora, porque o admiro. Continue a olhar por quem precisa. Obrigada Dom Manuel por ser quem foi e é, porque continua entre os mais santos.
Céu Saruga