O sal e a religião

Crónica de Anselmo Borges 
no DN de sábado

Anselmo Borges


A propósito dos trágicos e bárbaros 
acontecimentos em Paris 
ficam aí algumas reflexões

1. Estamos confrontados com a questão do outro. Somos, por natureza, sociais: fazemo-nos uns aos outros, a nossa identidade é sempre atravessada pela alteridade. Mas o outro enquanto diferença é ao mesmo tempo espaço de fascínio — quem não gosta de viajar para conhecer outros povos, outras culturas? — e de perigo — o outro é o desconhecido perante o qual é preciso prevenir-se.
Viveremos cada vez mais em sociedades multiculturais e multi-religiosas. Aí está a riqueza da diferença, mas, simultaneamente, o sobressalto dessa mesma diferença. Isto impõe o conhecimento mútuo, o diálogo intercultural e inter-religioso. É cada vez mais claro, como há muito repete o teólogo Hans Küng: não haverá paz entre as nações sem paz entre as religiões; não haverá paz entre as religiões sem o seu conhecimento e o diálogo entre elas; urge um consenso ético mínimo global.

2. A liberdade de expressão é um direito fundamental e uma conquista civilizacional a que se não pode renunciar. Também no domínio religioso: estou, por exemplo, convencido de que, se a liberdade de pensamento e de expressão na Igreja Católica não estivesse tão tolhida, ela, Igreja, não teria tido os problemas e até infâmias por que tem passado.
Face à crítica da religião, até com cartoons satíricos, patetas e boçais, não fico aflito. Já Kant escreveu que a religião, apesar da sua majestade, não está imune à crítica. Distingo muito bem entre o Sagrado, Deus em si mesmo, que nós nunca atingimos — os cartoonistas também não — e as nossas formas humanas de nos relacionarmos com Ele. Ora, muitas vezes, essas formas são ridículas, inumanas, supersticiosas, e os críticos obrigam-nos a ver isso e a corrigir.
Evidentemente, quem critica deve ter o sentido das suas responsabilidades quanto ao que faz e às suas consequências. Há críticas patetas e boçais: elas ficam com os seus autores.
Por outro lado, quem se sente ofendido ou injuriado, ferido nos seus direitos, tem o direito à defesa segundo a lei: protestando, organizando manifestações, recorrendo aos tribunais. Não se pode é recorrer à violência, ao terror que mata. Frente a um deus que legitimasse a violência bruta, a degola, a violação, a decapitação, só haveria uma atitude humanamente digna: ser ateu. Um deus assim seria pior do que nós, quando estamos de bem com a razão e a humanidade.

3. É sabido que também há fundamentalismo entre os cristãos, como lembrou o Papa Francisco, e também os cristãos cometeram barbaridades sem conta. De qualquer modo, aprenderam, também a partir dos ensinamentos de Jesus, que é necessário ler criticamente os textos sagrados, separar a religião e a política, criar Estados laicos, que garantam a liberdade religiosa de todos, incluindo a dos ateus, e resolver os diferendos e castigar os crimes, seguindo leis votadas em Parlamentos pluralistas e democráticos.

4. Não creio que haja guerras e violência exclusivamente religiosas. Aí, a religião servirá sobretudo para legitimar interesses outros: políticos, económicos, geoestratégicos. Penso, por exemplo, que há velhos ressentimentos do mundo muçulmano contra o Ocidente. Lá estão a colonização, as cruzadas, a questão da Palestina, a invasão do Iraque e o bombardeamento da Líbia e o caos que se seguiu, a falta de integração daqueles e daquelas que vivem nos arrabaldes das cidades europeias. Isso não justifica de modo nenhum o terror em nome de Deus, e impõe-se, por exemplo, combater, também pela força das armas, o autoproclamado Estado Islâmico, no quadro, evidentemente, do Direito Internacional. Mas dá que pensar e obriga a agir.

5. Como dá que pensar que milhares de jovens europeus sejam aliciados pelo jihadismo para combater nas fileiras do Estado Islâmico. O que é que os move? Não será também porque, face ao vazio de valores, no quadro de um consumismo pedante e do tédio gerado pelo hedonismo fácil, não encontrando sentido, procuram uma grande causa, embora louca? Perante o nada de valores de uma Europa descrente de si, decapitada pelo materialismo, buscam no califado a senda da heroicidade e da salvação?

6. Quando vou a Viseu, passo pelo monumento ao bispo D. António Alves Martins, meditando na sua afirmação sob a estátua: "A religião deve ser como o sal na comida; nem muito nem pouco; só o preciso." Por outras palavras, quanto à religião, nem de menos nem de mais. Estou convencido de que, sem religião, isto é, sem a religação ao Mistério último, a vida humana é mais pobre, acanhada, sem horizonte de transcendência e sentido último. Mas espreita sempre o perigo do fanatismo, que pode espalhar a pequenez, a humilhação e até a morte e o horror. O fanatismo, desembocando no terrorismo, é o pior inimigo da religião na sua verdade.


Por decisão pessoal, o autor do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico

Comentários