sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Tempo de luto

Quando soube do falecimento de D. António Marcelino, resolvi suspender a habitual edição do meu blogue, em jeito de luto, até ao funeral do saudoso Bispo Emérito de Aveiro. Era o mínimo que podia fazer em homenagem ao prelado aveirense a quem devo a minha ordenação diaconal, em 1988, fez há dias 25 anos. Limitei-me, pois, a publicar textos alusivos ao que a Diocese estava a viver, em relação ao bispo que Deus chamou para descansar a Seu lado, como creio, pela fé que me anima. 
Antes, contudo, de voltar à edição desde meu espaço, quero, ainda, tornar público o que há três anos escrevi sobre D. António Marcelino, como simples recordação do que então senti, que coincide com o que sinto hoje.

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

D. António Marcelino: Um bispo sempre a correr


Com a resignação de D. Manuel de Almeida Trindade, D. António Marcelino passa a Bispo Residencial de Aveiro em 20 de Janeiro de 1988. No final do ano, anuncia o Congresso dos Leigos que haveria de mexer com crentes e comunidades. Ordena os primeiros Diáconos Permanentes da Diocese de Aveiro e a Igreja aveirense inicia assim uma dinâmica mobilizadora de novos desafios, enfrentados, de certo modo, a partir do II Sínodo Diocesano, que se realizou entre 1990 e 1995.
A nossa diocese tinha agora um corredor de fundo a liderá-la. Um bispo que não pára, que quer estar em todas as frentes, que estimula alguns mais adormecidos, que dá o exemplo da frontalidade num mundo a caminhar a passos apressados para a secularização, que salta para a comunicação social onde se sente como peixe na água, que dá a cara na denúncia das injustiças, que prega um Reino de Deus na terra e para o tempo presente.
Pioneiro nos media, para uma nova evangelização, D. António Marcelino nunca foi um bispo de gabinete, privilegiando antes a acção no meio da massa, ao jeito de querer ser fermento de um mundo novo.
Cria o ISCRA (Instituto Superior de Ciências Religiosas) e lança o CUFC (Centro Universitário Fé e Cultura), porque aposta na formação permanente de todo o Povo de Deus. Participa em Sínodos de Bispos e em congressos, faz conferências e orienta retiros. E escreve sempre, semanalmente, no Correio do Vouga e noutros jornais. Dá entrevistas e atende ao telefone quem precisa de lhe falar com alguma urgência.
As visitas pastorais não cessam, os encontros de jovem não são descurados, as visitas a doentes e idosos comovem-no. O passar do milénio levou-o a todas as paróquias da diocese durante um ano. Quem esteve atento, por devoção e obrigação, como eu estive, não pode deixar de admirar este bispo que tudo queria fazer depressa, depressa, com medo de não chegar a todo o lado. E falava como vivia ou como gostava de viver: sempre a correr.

Fernando Martins

Sem comentários: