Uma manhã na Praia do Areão








Hoje acordei cedo com vontade de escrever umas coisitas. Levanta-se a Lita, logo a seguir, e diz-me de pronto que temos de ir ver o mar. «Apetece-me», diz ela. E à sua vontade tudo se altera. «Vamos então à Praia do Areão», sugeri eu. E lá fomos. A Lita esqueceu-se de tomar o pequeno almoço, coisa habitual nela. E na Praia do Areão ainda tudo estava fechado. Duas caravanas com estrangeiros a respirar o ar puro e um pouco fresquinho. Mas tivemos de sair para ela comer qualquer coisa. E comemos na Barra de Mira. Eu, só para lhe fazer companhia. 
Na despedida, metemos conversa com uma senhora que gostava ou precisava de falar. E ao saber que éramos gafanhões, começa a contar histórias das misturas de gentes daquelas bandas, Mira e Vagos, com as da Gafanha da Nazaré. Familiares e amigos abundam nesta terra de Nossa Senhora da Nazaré. E desta nossa cidade, debitou admiração e espanto pelo que tem visto no «passeio dos tristes» com o marido, que é bom falador. «Se ele cá estivesse, o senhor devia gostar de o ouvir contar as suas histórias», disse ela. Prometi que um dia voltaria. 
«Um dia destes, domingo, fomos àquele jardim… coisa linda. Não conheço igual. Canais, pontes, Forte e Farol, barcos e gente a passear. Não me cansei de olhar; e o meu marido até me repreendeu, por eu ficar tão entusiasmada», garantiu. 
A Praia do Areão estava à nossa espera. Um casal de idosos, com ar de ingleses, talvez das nossas idades, estava a chegar do mar, que se mostrava com ondulação que lhe emprestava uma certa beleza. Um casal jovem desafiou longa caminhada pelos passadiços. Um barco de mar esperava a maré. Um velho barracão mantinha-se quieto sem sinais de vida há anos. E a pureza do ambiente, própria de praia virgem, sem caixotes de habitação, desafiou a Lita a passar a barreira para ilustrar a fotografia. A paz do silêncio não tem preço. 

Fernando Martins

Comentários