Para falar, ouvir o silêncio

Crónica de Anselmo Borges 



Quando comparamos o ser humano e os outros animais, notamos que a linguagem é característica decisiva dos humanos. Já no século XVIII se deu essa compreensão, pois encontramos inclusivamente caricaturas com um missionário no meio da selva africana dizendo a um macaco: "Fala, e eu baptizo-te." Se falasse, era humano. Evidentemente, esta fala refere-se ao que é próprio do ser humano: dupla articulação da linguagem.
Pela palavra, abrimo-nos ao mundo e o mundo abre-se a nós. Falando, damos razão disto ou daquilo, argumentamos, comprometemo-nos, formamos comunidade. Sendo a razão humana linguisticizada, só podemos compreender-nos a nós próprios em corpo, com outros e na história.

O homem, pelo facto de ser "zôon lógon échon", animal que tem logos (razão e linguagem), é também "zôon politikón", animal social, político, diferentemente do animal, que é gregário, e a razão disso é a palavra, como bem viu Aristóteles, na Política: "A razão de o homem ser um ser social, mais do que qualquer abelha e qualquer outro animal gregário, é clara. Só o homem, entre os animais, possui a palavra." E continua: "A voz é uma indicação da dor e do prazer; por isso, têm-na também os outros animais. Pelo contrário, a palavra existe para manifestar o conveniente e o inconveniente, bem como o justo e o injusto. E isto é o próprio dos humanos face aos outros animais: possuir, de modo exclusivo, o sentido do bem e do mal, do justo e do injusto e das demais apreciações. A participação comunitária nestas funda a casa familiar e a cidade."

A linguagem humana não se reduz à expressão emotiva do prazer e do desprazer. É capaz de fazer juízos morais, de distinguir o bem e o mal, o justo e o injusto, partilhar e debater publicamente estas apreciações. Deste modo, a linguagem está na base da ética e funda eticamente a pólis (a cidade, no sentido da vida política).

Percebe-se assim que o ser humano é constitutivamente dialogante. Aliás, o que é, logo à partida, pensar senão falar consigo mesmo? Damos tantas vezes connosco a falar connosco - isso mesmo, a dialogar connosco no mais íntimo de nós, quando precisamos de deliberar e vamos apresentando razões a favor e razões contra uma determinada tomada de posição. Eu próprio, escrevendo o que aí fica, vou dialogando comigo.

Precisamos de falar connosco, mas, para isso, é necessário ouvir a Palavra primeira que fala no silêncio. Onde é que se acendem as nossas palavras senão nessa Palavra primeira? Ora, essa Palavra originária é o próprio Deus. Não diz a Bíblia que Deus tudo criou pela Palavra? Então, Deus fala através da criação e de todas as criaturas. Precisamos de ouvi-lo. Rezar é isso: ouvir Deus e falar com ele.
É preciso falar, dialogar em família. Quando o diálogo morre numa família, o amor vai esmorecendo e caminhando também para a morte. Mas hoje, desgraçadamente, parece que não há tempo para dialogar em família, porque o barulho das televisões toma conta de tudo. E os telemóveis e quejandos, meu Deus! Já se diz que a Última Ceia do século XXI representa Jesus com as mãos à cabeça, aflito, porque os Apóstolos estão todos entretidos a olhar e a "dedar" entusiasmados nos seus smartphones!...
Quem não ouve a Palavra que fala no Silêncio pode produzir tempestades de palavras, mas elas são ocas ou até perniciosas. Porque então a palavra já não existe para "manifestar o conveniente e o inconveniente, bem como o justo e o injusto". Ora, não é isso que frequentemente se passa nas campanhas eleitorais e nos Parlamentos? E também em muitas homilias de padres e bispos e discursos de todo o género? Como faz falta a palavra poética, criadora, revigoradora e que cura! Ah, sim, pela palavra animamos alguém, damos-lhe força, esperança, abrimos-lhe futuro. Com uma palavra podemos "matar" alguém, destruir-lhe a vida. Por exemplo, um professor que diz a um jovem: não fará nada na vida, nunca conseguirá fazer a minha "cadeira"...

Tudo fica abalado, quando os sofistas e a sofística tomam conta do espaço público e privado. Nunca mais se vai ao essencial. E tudo se agrava agora com a ameaça da banalização total das redes sociais. Para isso chama a atenção um comentário aceso e paradigmático de Umberto Eco, pouco antes de morrer: "As redes sociais concedem o direito de palavra a legiões de imbecis que antes falavam só no bar depois de um copo de vinho, sem danos para a colectividade. Eram imediatamente remetidos ao silêncio enquanto agora têm o mesmo direito de palavra de um prémio Nobel. Assistimos à invasão dos imbecis." Já Pascal, nos Pensamentos, se queixava: "... toda a desgraça dos homens provém de uma só coisa, que é não saber permanecer em repouso num quarto."

É preciso rezar com Sophia de Mello Breyner: "Deixai-me com as coisas/ Fundadas no silêncio."
PS: Perguntam-me sobre o que penso quanto à eutanásia. Já aqui me pronunciei suficientemente sobre esta questão tão dramática como complexa. Desenvolverei o tema no meu livro Desafios à Igreja e ao Mundo de Francisco no Século XXI, que será publicado no próximo mês de Abril. Para já, adianto dois pontos:

1. Não há legitimidade para votação nesta legislatura, pois os partidos não colocaram o tema e o que pensam sobre ele nos seus programas eleitorais.

2. Após sério, aprofundado, amplo, esclarecido e esclarecedor debate, sou favorável a que se proceda a um referendo. Não percebo porque é que se tem medo de referendar um tema tão grave e delicado como a eutanásia, cuja aprovação legal implicaria uma mudança de paradigma civilizacional. E há perguntas prévias, como: o que é que valem a Constituição da República Portuguesa e a deontologia médica?

Comentários