Dia Mundial do Doente

Unção dos Doentes 
na igreja matriz 
da Gafanha da Nazaré

D. António Moiteiro

Padre César

Na visita pastoral que o nosso bispo, D. António Moiteiro, programou para os dias 5 a 19 de fevereiro, não podia deixar de ser considerada a celebração do Dia Mundial do Doente, que ocorreu no sábado, dia 11. Nessa linha, fez todo o sentido ministrar o sacramento da Unção dos Doentes, na missa das 11h15 deste domingo, aos nossos idosos com ou sem doença declarada. Mas D. António não deixou de dizer que, afinal, a idade avançada é, já por si, sinal de algumas incapacidades.
No seu múnus de pastor e de educador da fé, o nosso bispo aproveitou a oportunidade para esclarecer que, antigamente [antes do Vaticano II], os idosos presentes só conheciam no grupo dos sete sacramentos, a Extrema-unção, dada quase na hora da morte ou na presunção de que o doente estaria nos momentos finais da sua vida. Hoje, porém, não é assim, sublinhou D. António, referindo que qualquer pessoa, em qualquer idade, pode receber a Unção dos Doentes, na perspetiva de que o Senhor, pela sua infinita misericórdia, venha em auxílio do padecente, lhe perdoe os pecados e o alivie dos seus sofrimentos. 
Para os moribundos, contudo, está reservado o Viático, isto é, a hóstia consagrada, o próprio corpo de Cristo. Se possível, os moribundos até poderão comungar sob as duas espécies. 
Para uma pessoa com fé, consciente e amadurecida, esta cerimónia é sempre comovente. Os idosos, doentes ou incapacitados, vivem estes momentos com serenidade, apesar de tudo, certos de que o Senhor Todo Poderoso não deixará de estar com eles e com todos, como Pai misericordioso que é. 
Uma senhora de idade avançada, mulher de fé como toda a vida a conheci, perguntou-me onde poderia sentar-se para receber a Unção dos Doentes. Lá lhe indiquei o lugar, mas ainda lhe perguntei se já tinha recebido este sacramento alguma vez. Que sim, que já o tinha recebido noutra ocasião, mas logo adiantou que o queria receber outra vez. É que, disse-me ela, nós somos muito pecadores... E eu, que bem a conheço, pensei cá para comigo: Se esta alma não for para o céu, ninguém vai para o regaço maternal de Deus. 

Fernando Martins

Comentários