Os "banha da cobra"




De vez em quando, o saco das minhas memórias, talvez por demasiado cheio, abre brechas e algumas recordações saltam cá para fora. É curioso que, pensando bem, não brotam por dá cá aquela palha, porque, sem eu me dar conta, haverá razões que me fazem reviver cenas da minha infância. 
Hoje, por exemplo, lembrei-me dos "banha da cobra" que montavam banca às portas das igrejas, aos domingos, depois da missa, mas também nas feiras e arraiais. Chegavam com uma ajudante, subiam para um palanque, mala em cima de uma mesa improvisada, e mal o povo começava a sair da missa, punham-se a apregoar os seus produtos, em especial a "banha da cobra", que curava todas as maleitas, num esfregar de olhos. 
A pomada, afiançavam, exibindo atestados dos mais eminentes cientistas de Portugal e arredores, curava mesmo tudo. Dores de cabeça e de dentes, urticária, nervos e artroses, diarreias e sarampo, reumatismo e cólicas de qualquer espécie, queda do cabelo e impingens, torcicolos e trasorelho, mau-olhado e invejas, entorses e ventre descaído, unhas encravadas e tumores... Era tão milagrosa que até nem se podia vender nas farmácias, porque dispensava todos os outros fármacos, o que se traduziria em prejuízo para o negócio dos farmacêuticos e das indústrias que lhe estavam ligadas.
A conversa do vendedor, com paleio para dar e vender, com ou sem megafone, era de tal modo convincente que o povo, antevendo a cura dos seus males, queria doses dobradas, para si e família e até para vizinhos. E como especialistas em técnicas de vendas, com a ajuda da colaboradora, começava a distribuição, clamando alto e bom som que, quem pagar duas bisnagas leva três. Três para esta senhora, seis para aquele cavalheiro, e mais para esta aqui, que anda um pouco amarela, mas que vai ficar rosadinha, com a pomada santa.
O negócio evoluiu e do megafone os “banha da cobra” saltaram para a aparelhagem sonora, que guinchava que se fartava. E chegou aos nossos dias, com honras da rádio e da televisão. Bem-falantes, bem engravatados, com história que não muda. Leve duas embalagens e pague uma. O elixir da longa vida e da eterna juventude está na conversa fiada de gente que promete mundos e fundos para a nossa desejada felicidade… É só ouvir e seguir os seus conselhos. Ou fugir deles…

Comentários