sexta-feira, 20 de outubro de 2017

MaDonA — Dia Mundial de Combate ao Bullying


"Você tem inimigos? Que bom. 
Isso significa que você luta por algo 
em algum momento da sua vida." 

Winston Churchill 

O termo em inglês "bullying" é derivado da palavra "bully" (tirano, brutal).
Corresponde à prática de atos de violência física ou psicológica, intencionais e cometidos por um ou mais agressores, contra uma determinada pessoa.
Essas vítimas ficam marcadas e podem ter sequelas para toda a vida. Em alguns casos, a ajuda psicológica é fundamental para amenizar a difícil convivência com memórias tão dolorosas.
O agressor, em geral, tem uma mente perversa e às vezes doentia. É consciente dos seus atos, mas agride como forma de se afirmar no grupo.
Se “O melhor do mundo são as crianças” como diz Fernando Pessoa, e “Não há rapazes maus” como afirmou o Pe Américo, também é verdade, que por vezes são muito cruéis no relacionamento interpares.
Conflitos entre crianças e adolescentes são comuns, numa fase de insegurança e autoafirmação. Porém, quando os desentendimentos são frequentes e partem para humilhação, aí instala-se o bullying.
Em meio escolar, as agressões são praticadas fora do alcance dos adultos. Ocorrem normalmente, na entrada ou saída do edifício, ou ainda quando os professores não estão por perto. Podem também acontecer de forma camuflada, em sala de aula, na presença do professor, com gestos, bilhetes, etc
Os agressores procuram vítimas que se destacam da maioria por alguma peculiaridade. Os alvos preferenciais são: os caloiros; os tímidos; os que se distinguem por algum traço físico particular; os bons alunos, pois despertam inveja aos menos estudiosos ou cábulas. A frustação daqueles que não conseguem impor-se pela positiva, gera agressividade que descarregam nos mais vulneráveis.
As praxes académicas que ocorrem, anualmente no início do ano letivo, são uma forma mascarada e institucionalizada de bullying. Não está longe a memória das trágicas consequências, resultantes da sua aplicação a estudantes indefesos.
As agressões físicas levam, por vezes, a família a transferir o aluno para outra escola, desenraizando-a do seu ambiente.
Esta data é um alerta internacional para o problema que muitos jovens enfrentam.
Consciencializar a população mundial para esta forma de violência, apoiar e incentivar as vítimas a denunciarem estas situações e preveni-las, são os desafios que se colocam. A luta contra o bullying não é uma tarefa de um dia, nem de um grupo de pessoas, mas sim de todos os dias e de todas as pessoas.
Família e escola são estruturas importantes na prevenção e no combate à violência praticada contra crianças e jovens. Os pais devem dialogar, diariamente, com os filhos sobre o dia-a-dia na escola e despistar qualquer sinal indicativo de bullying. Encorajar os filhos a expressarem o que sentem sobre atos de violência dos colegas.
Felizmente que nos meus quarenta anos de prática letiva, metade passada na Escola Básica 2/3 da Gafanha da Encarnação, não me dei conta desta realidade. Se a houve, passou-me ao lado. Na metade anterior, que passei no distrito do Porto, o anglicismo bullying não tinha entrado na nossa sociedade.
A mansidão da nossa ria terá influenciado, certamente, a compostura, o respeito pelo outro, das nossas crianças e adolescentes. Graças a Deus e à ação dos seus professores!

MaDonA

20.10.2017

Sem comentários: