Saber escolher para viver em plenitude

Reflexão de Georgino Rocha


Jesus recorre ao contraste para realçar a novidade de vida dos discípulos. Lembra sentenças da Lei e dos Profetas muito apreciadas pelos judeus fiéis e faz-lhes uma interpretação radical em que desvenda o seu alcance genuíno e sentido integral. Justifica a sua atitude dizendo: “Não vim anular, mas dar plenitude”. E enumera os preceitos referentes ao homicídio, ao adultério, ao divórcio, ao juramento, à não violência e ao amor aos inimigos. Visualiza assim o novo rosto de quem é luz do mundo e sal da terra, irradiando felicidade. (Mt 5, 17-37).

A lei é precisa para congregar vontades e definir regras de convivência; mas, sem amor de doação, a vida desumaniza-se e a sociedade perde vitalidade. As normas são indispensáveis para gerar a harmonia na família e noutras formas gregárias, mas sem misericórdia compassiva e tolerante, a relação humana degrada-se e o egoísmo impõe-se. Os códigos têm valor enquanto regulam interesses e articulam funções nas organizações, mas sem atenção respeitosa à pessoa e ao bem comum, o conjunto desfigura-se e perde o sentido de serviço público. De facto, as Escrituras registam mandamentos e sentenças que definem o comportamento fiel do povo eleito para viver segundo a vontade de Deus. A situação actual reforça a importância desta urgente conjugação que dá rosto humano à realidade e segurança à liberdade.


Jesus menciona situações muito apreciadas pelos escribas e fariseus e desvenda-lhes a novidade radical que propõe e recomenda. Está mandado não matar. É muito positivo, mas é preciso ir mais longe no respeito pela vida humana: ser fraterno, evitar contendas e insultos, violências e torturas, perseguições e guerras. Todo o ser humano humano está chamado à plenitude da vida.

Está mandado ser fiel no casamento, não cometer adultério. É bom e construtivo, mas Jesus quer conservar a liberdade do coração face a possíveis ameaças: olhares de sedução, desejos de posse, pensamentos de satisfação erótica. Todo o ser humano tem direito a preservar a sua intimidade, a defender a sua castidade integral, a evitar a sua devassidão.

Está mandado não jurar em falso, invocando o nome de Deus. É muito bom não envolver Deus nas contendas armadas por pessoas desavindas. É também muito bom não pôr a sua vida em risco ou outras realidades sagradas. Basta a palavra honrada, a força da coerência honesta, o selo eficaz do “sim, sim; do não, não”.

A realidade, porém, está longe deste ideal de vida saudável. Há palavras injustas que semeiam suspeitas e fazem condenações, que envenenam a convivência e avolumam a irritação e a mesquinhez. Também entre os cristãos chamados a viverem como discípulos missionários. O Papa Francisco comprova este facto e confessa com grande simplicidade: “Doí-me comprovar como em algumas comunidades cristãs, e mesmo entre pessoas consagradas, consentimos diversas formas de ódios, calunias, difamações, vinganças, ciúmes, desejos de impor as próprias ideias à custa de qualquer coisa, e até de perseguições que parecem uma implacável caça às bruxas. A quem vamos evangelizar com estes comportamentos?”. E reafirma o seu propósito de trabalhar por uma Igreja em que “todos podem admirar como vos cuidais uns aos outros, como vos dais alento mutuamente e como vos acompanhais”.

Os discípulos são convidados a prosseguir a plenitude de vida, a não ficar a meio do percurso, acomodando-se no bem alcançado ou no sonho satisfeito ou ainda no não fazer o mal a ninguém, seja de que espécie for. Jesus dá o exemplo. Ensina e aconselha o que faz. “Vistes o que vos fiz? ... Fazei-o vós também”. Por isso deixa claro o ideal mobilizador das energias humanas: Sede perfeitos e misericordiosos como o Pai do Céu. E garante a força animadora do Espírito Santo.

Ben-Sirá, o autor do Eclesiástico, afirma na leitura de hoje: “Se quiseres, guardarás os mandamentos: ser fiel depende da tua vontade”. E faz um rasgado elogio à liberdade de escolha que é reflexo da sabedoria de Deus. Saber escolher para viver em plenitude, eis o desafio constante do discípulo fiel que escuta o coração e se vê envolvido no emaranhado de tantas solicitações aliciantes de acomodação facil.

A liberdade está nas mãos de cada um/a. Não para nos deixarmos escravizar pelos impulsos da natureza ou pela banalização dos valores éticos. Nem para termos medo de tomar decisões responsáveis. Mas para a apreciarmos como a maravilha que nos faz crescer para a verdade e para a sabedoria, para a plenitude de vida a que estamos chamados

Comentários