Elogio à esperteza, apelo à honradez

Reflexão de Georgino Rocha



O dinheiro é um senhor poderoso, forte concorrente dos valores que humanizam o coração e dão sentido à convivência organizada em sociedade de iguais em dignidade. Valores compendiados por Jesus de Nazaré no projecto de Deus que está em realização. A história tem registos eloquentes que evidenciam a força do dinheiro e quanto de bom e de ruinoso se faz pela sua posse e gestão. Os discípulos são cuidadosamente advertidos desta possibilidade e convidados a ver mais longe, a manter o coração livre para servir a Deus e amar os que Deus ama.
O elogio à esperteza é feito por um proprietário rico a um seu administrador desonesto. E surge na narração de uma parábola de Jesus sobre o uso dos bens materiais. Visa despertar o entusiasmo dos discípulos para procederem de igual maneira. E aponta claramente para a urgência de, perante situações de risco e de crise, saber encontrar soluções criativas e sensatas.
Os adversários de Jesus riem-se dos seus ensinamentos sobre o dinheiro, considerado por eles como uma bênção de Deus, um sinal da sua providência, uma garantia de predestinação. Quase absolutizavam a sua posse e ostentação. Sem olharem muito à licitude dos meios para o alcançar. E assim, a gente humilde mais empobrecia, enquanto uma minoria, alavancada numa interpretação deficiente da Escritura Sagrada, enriquecia cada vez mais.

Jesus recorre a várias formas didáticas para contestar esta interpretação e restituir aos discípulos e, por eles, a todos nós a autêntica função dos bens materiais, designadamente do dinheiro. Serve-se de diálogos directos, de ditos sentenciosos, de parábolas-retrato que reproduzem situações de vida conhecidas.
O administrador desonesto é denunciado por fazer uma gestão ruinosa. Chamado a prestar contas e comprovado o desperdício/desfalque é despedido sem qualquer recurso nem indemnização. (A regulamentação do trabalho era mínima e nem sequer estes problemas se punham). De mãos vazias e pressionado pela urgência de encontrar uma saída consistente para a sua situação embaraçosa, chama os devedores do seu patrão e acerta contas com cada um. Recorre a um hábil estratagema: Prescinde da sua comissão salarial e anota apenas o que realmente pertence ao seu senhor. Não se aproveita para lesar mais o direito contratado e agravar a confiança relacional; não reivindica nem retalia. Satisfaz o acordado e salvaguarda o seu futuro imediato. Criativamente!

Os discípulos, chamados a enfrentar situações de crise, podem encontrar uma fonte de inspiração na destreza e sagacidade do administrador, na opção por cumprir o mandato recebido, no reconhecimento das limitações, na capacidade de buscar soluções viáveis, no cuidado em manter relações de confiança, na abertura à surpresa e na ponderação cuidada em dar-lhe resposta, na ousadia de correr riscos. Chamados a ser honrados em coisas de pequena e de grande importância.

A parábola mostra com clareza que “a astúcia que os corruptos têm para roubar, a deveis ter vós, meus discípulos, para que sempre fique patente a vossa honradez e a vossa generosidade”, afirma Castillo, teólogo espanhol, que prossegue: “Dizemos que cremos no Evangelho e ao mesmo tempo votamos nos corruptos… Assim afirmamos que Jesus não tem razão e atraiçoamos o Evangelho”.

O desfecho da parábola fica em aberto, sinal de que o seu ensinamento é para todas as pessoas e para todos os tempos. Também para nós, aqui e agora. Os bens materiais têm o seu valor, mas estão ao serviço de valores maiores. O administrador mostra ter compreendido esta escala. E Jesus não deixa lugar a dúvidas, é taxativo: “Não podeis servir a Deus e ao dinheiro”. Coerentemente é nossa missão servir-nos do dinheiro para vivermos dignamente, ajudar os empobrecidos a saírem da miséria injusta e alcançarem o nível de vida a que todos temos direito. Por isso, se elogia a esperteza sábia e prudente, o uso ponderado e a partilha solidária do dinheiro justo. Por isso , se faz o apelo insistente à honradez e confiança, à alegria de obedecer em liberdade.

Comentários