800 anos é muito tempo!

Crónica de Frei Bento Domingues no PÚBLICO


«Cada sociedade
 tem a sua história
 reescreve-a à medida 
que ela mesma muda»


1. Continuam a perguntar-me o que significa o acrescento, O.P., à minha assinatura, nomeadamente nestas crónicas.
Explico. Em 1953, no Convento de Nossa Senhora do Rosário, em Fátima, abrindo o tempo de Noviciado, o Prior conventual, numa celebração comovente, perguntou-me: que pedis? A misericórdia de Deus e a vossa, respondi.
Disse-me que esperava que já tivesse recebido a misericórdia de Deus, mas a da Ordem dos Pregadores (O.P), não era incondicional. Depois de um tempo de experiência, haveria uma avaliação recíproca e nela se veria se queríamos continuar juntos ou não. Entretanto, Frei Bento passava a sobrepor-se ao nome que usara até esse dia.
Não estranhei muito, pois o padroeiro da minha aldeia é S. Bento e muito perto havia a romaria de S. Bento da Porta Aberta, a mais importante do norte de Portugal. Por outro lado, o meu irmão chamava-se Domingos e ao entrar na Ordem fundada por S. Domingos, passou a chamar-se Frei Bernardo!

2. Dou agora esta explicação, porque ontem, em Fátima, no Convento que há 62 anos me acolheu, participei na abertura do Jubileu do VIII Centenário desta Ordem a que pertenço. O Papa Honório III reconheceu-a, mediante algumas Bulas de recomendação (1216 e 1217), como a Ordem dos Pregadores (O.P.).
Vale a pena atender a esta designação cuja história sempre me fascinou. Fala-se, com frequência, da Ordem de S. Domingos, da Ordem Dominicana e, para abranger todos os seus ramos, da Família Dominicana. É verdade que o seu fundador foi São Domingos de Gusmão (1170-1221). Era castelhano, viveu em França e morreu em Itália. Em muito poucos anos, rodeado de alguns companheiros, decidiu responder a uma lacuna grave na Igreja do seu tempo: a pregação do Evangelho ao povo que reclamava a reforma de uma Igreja feudal.
Existiam, é certo, várias tentativas para enfrentar a situação minada pela heresia cátara, maniqueia. As tentativas existentes não seguiam nem o caminho nem o estilo de Jesus Cristo e dos Apóstolos. Ao propor o Evangelho, atraiçoavam-no. O grande poeta, Francisco de Assis, encontrou um caminho:seguir nu o Cristo nu. Domingos de Gusmão era um teólogo e viveu os primeiros anos de pregação missionária no Sul da França com um bispo espanhol extraordinário, Diego de Acebes. Quando este regressou a Espanha, Domingos ficou sozinho até decidir fundar a Ordem dos Pregadores.
Esta designação não encontrou bom acolhimento em Roma. Por uma razão simples: a Ordem dos pregadores era a ordem episcopal. Que surgissem fundações dedicadas à pregação, era desejável. Domingos, no entanto, não aceitou uma bula papal que recomendava a sua fundação, como de irmãos que pregam (praedicantes). Ele queria uma fundação de irmãos cuja vocação e ofício era a pregação e não a de meros pregadores eventuais. Por isso, conseguiu que a bula fosse raspada e por cima de praedicantes, o Papa tenha mandado escrever Praedicatores. 
Isto pode parecer um pormenor, mas não é. Estava em jogo a própria essência desta nova e insólita ordem religiosa.

3. S. Domingos não queria palradores. Desejava pregadores, pessoas que no silêncio, na oração, no estudo se deixassem transformar pela graça da Palavra feita carne, para a salvação do mundo. Ficou cunhada para sempre a expressão sintética deste carisma: contemplar e anunciar a Realidade contemplada.
Para transformar os sonhos em realidade, o santo castelhano decidiu, com os seus companheiros, que a Ordem dos Pregadores seria uma instituição democrática. As suas Constituições e Ordenações poderiam ser sempre revistas, mas segundo regras estabelecidas para e pelos Capítulos Gerais. Para unir as leis humanas e a fidelidade à graça do Evangelho, os Capítulos reuniam-se no Pentecostes.
A democracia dominicana permite o melhor, mas cede ao pior quando atraiçoa o seu carisma e se abandona à vontade de dominar. Todas as vezes que, ao longo dos séculos, soube ver e escutar a novidade dos sinais dos tempos; sempre que a fidelidade às suas origens foi vivida nas novas fronteiras do presente, a Ordem dos Pregadores foi espantosamente criativa. Quando, pelo contrário, confundiu fidelidade com repetição e se deixou manipular pelos poderes da igreja ou da sociedade, ofendeu o seu carisma.
Para encurtar razões e exemplos, recorro a S. Tomás de Aquino, de quem Umberto Eco dizia: transformaram um incendiário num bombeiro.
“Frei Tomás (…) nas suas aulas levantava problemas novos, descobria novos métodos, empregava novas redes de provas e, ao ouvi-lo ensinar uma nova doutrina, com argumentos novos, não se podia duvidar, pela irradiação dessa nova luz e pela novidade desta inspiração, que era Deus quem lhe concedeu ensinar, desde o princípio, com plena consciência, por palavras e por escrito,novas opiniões [1]”.
Cada sociedade tem a sua história e reescreve-a à medida que ela mesma muda. O passado só está definitivamente fixo quando deixa de ter futuro, dizia R. Aron. Desde a sua origem que a Ordem faz a sua história reescrevendo-a para hoje. Não reproduzimos o passado. Inovamos [2].


[1] Cf. Guilherme de Tocco, discípulo e biógrafo de S. Tomás
[2] Cf. Fr. José Augusto Mourão. O.P., A Palavra e o Espelho, Paulinas, 2000, pp 179-186

Comentários