Faleceu António Augusto Afonso

Recebi hoje a dolorosa notícia do falecimento do meu bom amigo António Augusto Afonso. Tinha 92 anos e vivia há muito nos Estados Unidos da América. A doença que o vitimou ceifou-lhe a vida terrena em três semanas. Homem profundamente crente, ligado às Igrejas Evangélicas, morreu serenamente como, aliás, sempre viveu. 
O senhor António Afonso, como era mais conhecido, foi um cidadão exemplar e um crente evangélico convicto, amigo dos seus amigos, melhor dizendo, amigo de todos os que com ele se cruzaram na vida, independentemente das convicções religiosas, políticas, sociais ou outras de cada um. Por isso mesmo, era respeitado e venerado por toda a gente.
Foi durante muitos anos alfaiate, acumulando, durante certo tempo, a atividade de barbeiro. Mas foi como mestre alfaiate que mais se distinguiu, pelo rigor do corte e perfeição dos acabamentos, não lhe faltando clientes. Porém, um dia emigrou para os Estados Unidos, carregando as saudades da sua Gafanha de que falava continuamente com ternura, evocando pessoas e acontecimentos que o marcaram indelevelmente. 
Durante umas férias entre nós, António Augusto Afonso exibiu uma memória fresca e fiel e garantiu-me que, «para vencer a solidão, nascida com a reforma, se dedicava a recordar o passado, construindo miniaturas de madeira e de outros materiais, com as quais avivava e enriquecia a sua existência, reproduzindo, de cor, edifícios e objetos que tinham  lugar cativo na sua cabeça. Tornando-os presentes, longe da terra-mãe, podia, então, ao apreciá-los, voltar a recuar décadas e sentir-se gafanhão de coração. Mas António Afonso não se fica por aí. Como gostava de escrever, passou ao papel, numa caligrafia personalizada, certinha e bem medida, estórias vividas há muitas décadas.
Nessas memórias, que o são de facto, o nosso conterrâneo pede a todos quantos tiverem a paciência de ler a sua «gatafunhada» tolerância pelos seus erros gramaticais, dedicando-a à sua Gafanha da Nazaré, que nem sequer sabe quanto ele a amava. 
Os seus manuscritos são, ao jeito de memórias, retalhos de eras que tive o privilégio de ler e apreciar. A partilha dos seus sentimentos,  emoções  e evocações, em que retrata colegas de infância, estórias de vizinhos, brincadeiras e visitas aqui e ali, foram outras tantas lições que guardarei nas gavetas das boas recordações, para tornar presente a nossa amizade, cimentada há muito tempo, apesar das convicções religiosas de cada um.
Sei que Deus já  acolheu no seu regaço maternal o nosso bom amigo António Augusto Afonso. Esta é a minha certeza.

Fernando Martins

Comentários

A. Cravo disse…
Lembro-me muito bem dele e há uns anos, numa das suas vindas à terra mãe, cruzei-me com ele na Av. José Estevão, reconheci-o e falei-lhe. Agora recebo a notícia de que partiu desta vida!...
Os meus sentidos pêsames aos familiares, muito especialmente ao meu amigo e seu irmão, Joaquim Reis.
Anónimo disse…
Sr. Professor,
muito obrigada por esta homenagem, esta evocação sensível, tão bela, do nosso avô António, um ser humano absolutamente raro, um exemplo.
Receba um abraço muito amigo e grato da
Sara e restante família.
Fernando Martins disse…
Muito obrigado pelas palavras amigas. Eu limitei-me a sublinhar o que tanto apreciei no teu avô, um homem bom de sentimentos nobres. Os meus pêsames para toda a família. Fernando