“Filinto — O poeta amargurado” pede palco

A peça sobe ao palco 
no Centro Cultural de Ílhavo, 
dia 31 de janeiro, pelas 17 horas 



O leitor da peça de teatro “Filinto — O poeta amargurado”, de Senos da Fonseca, fica com conhecimentos de quem foi este ilhavense, caído no esquecimento, injustamente, graças ao trabalho e rigor de Senos da Fonseca. Trata-se de uma obra que poderia ser classificada como «engenharia literária ou literatura engenhosa», sendo certo que «literatura é beleza», afirmou Rita Marnoto, no sábado, 16 de janeiro, na sede da Junta de Freguesia de S. Salvador, Ílhavo, na apresentação do livro. 
Rita Marnoto, docente da Universidade de Coimbra, é uma ilhavense que sente prazer um estar em Ílhavo, «as suas raízes». «Ílhavo é o único sítio onde chego e sou identificada», mas também «onde recordo os afetos que me tornam grata». 
Referindo-se a Filinto Elísio, de seu nome Francisco Manuel do Nascimento, nascido em Lisboa, mas de raízes ilhavenses, Rita Marnoto afirma que o trabalho de Senos da Fonseca «recupera um homem pouco estudado», tal como está a acontecer com diversos escritores da nossa terra, nomeadamente, Alexandre da Conceição e Mário Sacramento, entre outros. Contudo, frisa que a obra de Filinto foi recentemente reeditada, graças, aliás, à sua intervenção pessoal, quando indicou o escritor para constar da lista de autores que mereciam a reedição.
Salienta, entretanto, que Filinto Elísio foi um grande escritor e «um tradutor muito avançado para a época, por ter visões muito alargadas», mas ainda possuía «uma grande cultura». A poesia de Filinto Elísio, «de extraordinária qualidade», brota de «um escritor limpo», sendo leitor de Horácio e Virgílio. E esclarece que a poesia latina não tinha rima, porque era escrita como música, para ouvir. 
Rita Marnoto louva Senos da Fonseca como «estudioso e investigador», afiançando que se trata mesmo de «um historiador insuperável». Realça as «biografias romanceadas» que escreveu e considera que a sua formação em engenharia «reaparece nos seus livros». «A frase não desanda enquanto tudo não estiver certo», disse. 
Segundo a apresentadora, esta obra de Senos da Fonseca «é muito mais do que uma peça de teatro, porque o leitor fica a conhecer a história de uma época, ficando ainda a saber que Filinto «não era um herege», mas um padre de vistas largas e de espírito aberto ao mundo». E acrescenta que o autor, com os seus conhecimentos da navegação costeira, usa uma «linguagem dialetal com efeito dramático», oferecendo-nos imagens da mulher ilhavense, «destemida e carinhosa», realçando a «doçura da mãe», e do homem, «determinado e trabalhador». 
«Esta peça pede palco!» Com esta exclamação, Rita Marnoto enfatiza a necessidade de mais público apreciar  Filinto, ao mesmo tempo que  divulga o acordo estabelecido com Senos da Fonseca, que classifica como a pessoa que mais sabe sobre o poeta com raízes ilhavenses: «Vim fazer a apresentação desta obra, com a condição de o engenheiro prometer escrever uma biografia de Filinto Elísio». E o engenheiro não rejeitou o desafio. 
A peça sobe ao palco, no Centro Cultural de Ílhavo, dia 31 de janeiro, pelas 17 horas. Com encenação de José Fino, será apresentada pelo Grupo de Teatro Ribalta. 

Fernando Martins

Comentários