Um conto de Valdemar Aveiro — Heróis que o tempo não apaga


“Heróis que o tempo não apaga — Um conto real de vida” é mais um trabalho de Valdemar Aveiro, em edição da Fundação Gil Eanes, com apoio da Jerónimo Martins. Trata-se de uma publicação bilingue (Português e Inglês) destinada, decerto, a leitores e estudiosos da saga dos bacalhaus, de que foram protagonistas muitos dos nossos antepassados, os tais heróis que não podem cair no saco do esquecimento porque o autor, como outros, não deixa que tal aconteça.
A edição, capa dura, papel de luxo e muito ilustrada é um regalo para os olhos e lenitivo para quem ainda transporta na alma as dores da solidão, do trabalho sem horário e sem descanso, da ausência da família, da impossibilidade ao menos de um simples contacto.
José Maria Costa, presidente da Fundação Gil Eanes, na Apresentação, diz que o autor nos descreve «a angústia destes bravos pescadores que, para além de viverem em condições desumanas, com enormes carências, experimentaram a fragilidade dos dóris, rezando para que o número de homens embarcados fosse o mesmo à chegada da campanha». 
No Prefácio, Artur Aguiar, sublinha que, «Conhecer o capitão Valdemar é perceber que existe uma pessoa com diversos talentos» em que sobressai «um dom que é o de saber falar, saber sentir e expor, escrevendo, a alma que invade o espírito de todos, desde o mais nobre ao mais plebeu». 
O capitão Valdemar Aveiro, ilhavense de raiz, mas gafanhão de coração, ou não tivesse ele brincado com crianças da Gafanha da Nazaré, que evoca com frequência e com sentimento, é um artista na arte e escrever, sobretudo quando ao correr da pena nos brinda com cenas dos seus quotidianos, mesclados, quantas vezes!, de ficção saborosa.
Contudo, refere o autor de “Heróis que o tempo não apaga — Um conto real de vida” que «Este conto não tem nada de fantasioso», afiançando que, «apesar de terem já passado sessenta e cinco anos», continua «a ver e a sentir a dureza crua que aqueles homens enfrentaram, todos os dias, na luta estóica que travavam com espírito de missão». E aproveita a ocasião para lembrar que, na sua opinião, «a “Solidão” e o “Isolamento Trágico” não são necessariamente realidades exclusivas de regiões desérticas. Elas encontram-se facilmente no meio de multidões». 
É pertinente destacar a dedicatória que antecede o conto. Diz assim:

«Este pequeno conto de vida, real e não ficcionado, é dedicado com muito respeito e admiração a todas as mulheres que pelos mais diversos motivos, passaram a vida na condição de “viúvas de homens vivos”.»

Nota: Arquivo fotográfico de diversas pessoas e entidades; seleção, edição e composição de fotografia de Rui Bela; tradução de Tim Oswald; Design de Rui Carvalho Design; 

Fernando Martins

Comentários