Alegria de viver

Crónica de Maria Donzília Almeida



“La joi de vivre est un produit de beauté!”

(A alegria de viver é um produto de beleza!)

A frase saltou-me à vista, quando peguei no saco para depositar os produtos de cosmética que adquirira ali na Body Shop. Tirei-o da carteira pois prescindi da embalagem, vendida pela loja. Está ali sempre à mão, para uma potencial necessidade, a lembrar-me uma mensagem tão preciosa. 
E, já que a beleza é um tema tão caro à mulher moderna…e ao homem da atualidade, que se preza, resolvi discorrer sobre este particular produto de cosmética, ao alcance de todas as bolsas. 
Confrange-me o aspeto crispado de tantos rostos com me cruzo no meu labor diário, que mais parecem carregar a dívida conjunta de Portugal e da Grécia! Como não tenho pretensões de endireitar o mundo, partilho apenas a minha quota parte com dez milhões de portugueses.

Um dos segredos essenciais da beleza, é a alegria de viver. O stress, cólera, tristeza, inveja, ressentimento e outros sentimentos negativos são nefastos à nossa cútis! Praticar hábitos de higiene de vida, é salutar e proporciona alegria de viver. 
Assim, de manhã, para começar o dia em beleza, ouço música, respiro fundo, relaxo e sorrio à vida enquanto bebo um copo de água com sumo de limão. 
Desfruto do espaço envolvente que me rodeia no meu dia-a-dia, um amplo jardim onde espraio a vista e pratico meditação transcendental. Apelidado, generosamente, de Jardim Botânico por alguns transeuntes, Quinta Pedagógica na apreciação dos colegas. 
"Joie de vivre" ou alegria de viver é uma expressão francesa que designa uma qualidade rara que algumas pessoas têm a sorte de possuir. Trata-se da capacidade de amar a vida em plenitude, de tal modo que isso se reflita na nossa personalidade. Infelizmente, para muitos de nós, a agitação da vida quotidiana leva-nos a reclamar e passamos a ver o pior lado das coisas; com isso, sufocamos a alegria de viver sob um amontoado de obrigações, preocupações e arrelias. Contudo, em prol da nossa sensação de bem-estar e de satisfação, é importante recuperar o amor e o entusiasmo pelas coisas simples da vida – algo que nos era fácil na infância. A alegria de viver não pode ser comprada, nem pode ser originada pela aquisição de coisas materiais. O dinheiro dá conforto, sem dúvida, é um bom contributo, mas não basta. Consiste em nos libertarmos do querer, redescobrirmos os simples prazeres da vida nas pequenas coisas. Os momentos de alegria podem ser encontrados em qualquer lugar, incluindo nas coisas mais insignificantes. Compartilhar com alguém a visão de algo especial, como um arco-íris que eu fotografo para a posteridade; desfrutar do abraço espontâneo de uma criança que me chama vovó; ver a alegria no entusiasmo do meu animal de estimação, o Scott, quando chego a casa, que é pródigo em mimos e mesuras; saborear o café fresquinho pela manhã; reclinar-me no sofá para ler um livro e tantas outras coisas simples que preenchem o nosso quotidiano.
Parafraseando o escritor australiano Andrew Mattews, a alegria de viver que consubstancia a felicidade, não deve depender de fatores externos, deve ser, pelo contrário, uma decisão pessoal, que cada um toma, embora isto não seja tão linear quanto parece.
Uma vida frenética, agitada e excessivamente programada tem pouco tempo para a alegria, pois esta não combina com o stress. Embora uma certa quantidade de ocupação seja saudável e satisfatória, sendo o tempo demasiado ocupado deixa pouco espaço para a alegria. 
Optar por passar mais tempo com as pessoas que nos façam sentir alegres, amados e apreciados; gastar menos tempo com pessoas amargas, impiedosamente competitivas ou intrometidas. Contar nossos sucessos, não importa quão pequenos sejam e tratar os fracassos como tentativas que nos ensinaram alguma coisa. 
A alegria de viver consiste em reconhecer os momentos especiais e dar-se tempo para saboreá-los quando eles ocorrem, bem como dar-se a chance para processar ou refletir sobre eles.
A vida não é perfeita e teremos que aprender a aceitar essa realidade. A maioria das pessoas está insatisfeita com os aspetos negativos das suas vidas, isso tende a dominar as suas perspetivas e minar a felicidade que, se encontraria nas coisas simples. Será útil lembrarmos que, por mais perfeitas que as aparências possam ser, todos nós, sem exceções, temos alguns pontos fracos, o nosso calcanhar de Aquiles.
Quando parecer difícil, evoquemos a citação de Einstein: há apenas duas formas de se ver vida: uma é pensar que não existem milagres e a outra é viver como se tudo fosse um milagre.
Ver a vida com humor dá uma incrível sensação de bem estar. Rir de si mesmo é uma virtude. Isso garantirá que não nos incomodemos quando as pessoas apontarem os nossos pontos fracos. Ao reconhecermos as fraquezas com humor, desarmamos qualquer crítica potencial, pois tocamos no ponto delicado primeiro e o tratamos com ligeireza.
Relembro aqui as sábias palavras do grande republicano Bernardino Machado que dizia: ”Rio-me da tristeza para a poder suportar melhor!”
Sorrir mais, pois o sorriso é uma ótima forma de comunicação que produz e leva bem estar ao recetor. Um bonito sorriso é sempre uma dádiva humana…e uma fonte de trabalho para os profissionais da higiene oral, que dele, muito bem cuidam e agradecem! 
Qualquer dia, ao trocar sorrisos com uma criança travessa ou um velho amigo, com olhos que falam de eterna sabedoria e bondade, ficar-se-á envolto por um sentimento de profunda ligação humana que vai equilibrar o mundo.
Dar graças por tudo aquilo com que a providência nos dotou, em vez de invejarmos quem supomos ter um cisco a mais que nós, pressupõe um sentimento de gratidão, gerador de bem estar, que conduz à felicidade. Esta é o tempero que irá fazer a diferença em nossas vidas e trará um brilho especial ao nosso rosto, mais que um creme de uma qualquer marca de cosmética.
O povo, na sua profunda sabedoria, usa o aforismo: “O mal e o bem à cara vem!”
Um conselho de mulher: usemos e abusemos deste produto de beleza, que tem efeitos semelhantes ao Euro-milhões- é fácil, é barato e dá milhões de benefícios!



Comentários