UM DIA DIFERENTE...…

Crónica de viagens de Maria Donzília Almeida

“A maravilha em preservar sempre viva criança interior é que podemos abandonar, sempre que necessário, o cárcere da vida adulta!” 

Valeria Nunes de Almeida e Almeida

Daqui houve nome Portugal

Porta Estandarte

Palácio Duque de Bragança

Casa Brasonada

Anjo

Centro Histórico

Varandas Floridas

O pau
Este ano, o Dia Mundial da Criança teve um sabor diferente. Sobretudo para um grupo de meninos já crescidinhos, a que eu, carinhosamente, chamo JovenSeniores. E, já que há uma segunda infância, regressámos à nossa meninice. Neste dia, por todo o lado se organizam visitas de estudo, que antigamente se chamavam passeios da escola. A componente pedagógica sempre presente. Assim, é frequente ver-se por esse país fora, bandos de “passarinhos”, de chapeuzinhos todos iguais, sob a supervisão dos educadores. Vão inculcando, empiricamente, as regras da cidadania, numa educação cívica, que deve começar no berço. Lá diz o povo “De pequenino, se torce o pepino!”
Com a irreverência própria das crianças, lá foi o grupinho aos cuidados do prof. João, com destino a Guimarães. Mas, as traquinices desta gente de vários palmos e meio, depressa se manifestaram. Têm muita vivacidade, estas “crianças”!
A 1.ª travessura aconteceu em Campanhã, onde nos esperava um minigrupo, que fora de carro, com uma placa feita de um tosco ramo de árvore, onde se lia: Bem-vinda a US da Gafanha da Nazaré. A placa, tal como usam os guias turísticos, passou de mão em mão, até que foi entregue, por unanimidade, ao menino mais traquina e espigadote. Era o porta-estandarte à altura! Desta forma, ninguém se perderia do grupo e o mestre podia seguir tranquilo, sem receio de alguma ovelha tresmalhada.
E de mochila às costas, lá seguiu o grupo para mergulhar na história, na arquitetura e na descoberta da urbe.
Guimarães, uma antiga cidade romana, foi escolhida por D. Afonso Henriques como capital do Reino de Portugal após a sua vitória, na Batalha de São Mamede em 1128.
Começámos pelo Castelo. Guardo, na memória de uma remota visita, a chave enorme com que o porteiro nos abriu a porta. Hoje, há portaria eletrónica. As “crianças” empoleiravam-se, nas escadas de granito, carcomidas pelo tempo. “Cuidado, não se debrucem nas ameias”, ouvia-se a voz do “Menino do Pau.” “Há zonas perigosas!”
No século X, a Condessa Mumadona Dias manda construir, na sua herdade de Vimaranes, um Mosteiro que sofria constantes ataques por parte dos mouros e
normandos. Houve a necessidade de construir uma fortaleza para defesa dos monges e da comunidade cristã, que vivia em redor. Surge assim o primitivo Castelo de Guimarães. No século XII, com a formação do Condado Portucalense, vêm viver para Guimarães o Conde D. Henrique e Dª Teresa que mandam realizar grandes obras de ampliação. Diz a tradição que teria sido, no castelo, que os condes fixaram residência e aí terá nascido D. Afonso Henriques. Perdida a sua função defensiva, o Castelo entra num processo de abandono e degradação progressiva até ao século XX.
Seguiu-se a visita ao Palácio Ducal, construído no século XV pelo primeiro Duque de Bragança. Acabou por cair em ruínas, tendo sido restaurado durante a ditadura de Salazar. O museu abriga belas peças de mobiliário renascentista, soberbas tapeçarias flamengas e tapetes persas. Hoje é usado como residência oficial do Presidente da República.
Percorrendo o centro histórico, entre outros monumentos, visitámos a igreja do Mosteiro de Nossa Senhora da Oliveira, fundada por D. Afonso Henriques. Foi restaurada no reinado de D. João I para comemorar a sua vitória, na Batalha de Aljubarrota, em 1385. Famosa pela torre em estilo manuelino, a igreja é também conhecida por uma curiosa lenda segundo a qual teria sido plantada, à sua frente, uma oliveira para fornecer de azeite as lâmpadas de altar.
Guimarães, “o berço da nacionalidade” é uma cidade rica em património que merece uma visita mais dilatada. Mas há “criancinhas” que se cansam com as longas caminhadas e não fosse o “Menino do pau”, alguma se teria desorientado.
Ao fim da tarde, todos regressámos de comboio, exaustos mas com mais conhecimento e cultura na sua bagagem.

22.06.2017

Comentários