FESTA DO CORPO DE DEUS: JESUS, O PÃO DA VIDA, ESTÁ CONNOSCO. ACREDITA!

Reflexão de Georgino Rocha



Jesus vive intensamente o anúncio da novidade de Deus que abre horizontes ao coração humano. É um apaixonado pelo que faz com toda a liberdade. Tem segredos que progressivamente vai revelando. Escolhe as ocasiões mais adequadas, ora aproveitando as que surgem, ora provocando-as. O texto de João, proclamado na celebração da Festa do Corpo de Deus (Jo 6, 51-58) realça bem este proceder e desvenda o seu sentido mais profundo.
Na sequência da multiplicação dos pães que sacia a fome à multidão, Jesus faz o discurso do pão da vida e auto-revela a sua identidade. O pão da vida é a sua carne. O sangue da aliança é o seu sangue. Corpo entregue e sangue derramado por nós e por todos; por um mundo novo liberto do pecado que condiciona, embora não desfaça, a realização do projecto de Deus que nos quer salvar, que desumaniza e polui a criação, mata a biodiversidade e a harmonia do universo.
Os ouvintes dão mostras da surpresa que os invade. E reagem de modos vários. Uns nem sequer esperam o fim e vão-se embora após terem sido atendidos e saciado a fome. Não dão conta do que está contido no gesto compassivo e solidário de Jesus. Outros aguardam com paciência e ouvem palavras que classificam de duras, impossíveis de serem levadas “a sério”. E progressivamente vão voltando “as costas”. Fica o pequeno grupo dos discípulos em que se destaca Pedro pela resposta pronta e sincera que dá à interpelação do Mestre: “A quem iremos, Senhor, Tu tens palavras de vida eterna”.
“Também quereis ir-vos embora”? é a pergunta de Jesus que se prolonga no tempo, chega até nós e nos convida a uma atitude semelhante à de Pedro. Ficamos porque o Senhor está connosco. O seu amor cria uma realidade genial. Antecipa para a ceia de despedida esta presença sublime, uma vez que a natureza humana tem limites e a morte por crucifixão destruirá o seu corpo mortal. “Isto é o meu corpo entregue por vós”. “Esta é a taça do meu sangue derramado por vós e por todos”, dizemos sempre que celebramos a eucaristia. Maravilha das maravilhas, sacramento maior do amor que Deus nos tem e celebração mais qualificada que a Igreja faz.
“Porque Ele está connosco”, canta um hino da Liturgia das Horas, “busquemos o seu rosto e a sua imagem; busquemo-Lo na vida, sempre oculto no íntimo do mundo, como um fogo”. E continua a mencionar outros espaços onde o Senhor Jesus está connosco, vive, fala e sente em quem padece horas de violência, dias de fraqueza e de angústia. E termina com a bela profissão de fé: “Porque Ele está connosco, tal como na manhã de Páscoa, não faltemos ao banquete do sangue derramado, comamos do seu pão, bebamos do seu cálice divino, sinal do seu amor até ao fim!”.
A fé da Igreja na Eucaristia manifesta-se, de forma celebrativa especial, na assembleia dominical. Um povo disperso durante a semana reúne-se em nome do Senhor, canta com júbilo a sua dignidade baptismal, assume a sua condição de pecador perdoado, escuta e responde à Palavra de Deus proclamada, abre-se e reza por todos os seres humanos, sobretudo os que vivem situações especiais de sofrimento ou de responsabilidade face ao bem comum e eclesial, oferece os dons da terra, da videira e do trabalho que, por acção do Espírito Santo, se vão transformar no corpo e sangue de Jesus; e comungando este dom precioso, o povo dispersa-se, parte em missão de testemunho e de intervenção no seio da sociedade e suas múltiplas organizações.
"Sois convidados, afirma o bispo de Leiria-Fátima na peregrinação das crianças ao Santuário realizada no dia de Portugal, tal como os pastorinhos, a levar a luz de Jesus ao mundo para o tornar mais belo". E D. António Marto assinala "gestos simples" como: «Oferecer um sorriso a quem anda triste», «dar uma palavra amiga a outro», «ajudar quem precisa», «fazer companhia a quem está só ou doente», «ser capaz de perdoar», «respeitar os outros» e «respeitar o ambiente». E conclui:"Tanta coisa simples e bonita como forma de levar a luz de Jesus ao mundo", a transformar as ações em formas de mostrar a presença de Jesus.
O povo cristão manifesta a sua fé na Eucaristia, que vulgarmente designa por missa, sagrada reserva, santíssimo sacramento, com uma variedade grande de formas, sobretudo a nível de devoções, de poesia e de arte, de canções e representações. Uma dessas expressões´públicas é, sem dúvida, a procissão do “Corpo de Deus”, procissão que prolonga a celebração e a traz para a rua, oferecendo o testemunho de quem acredita, espera e ama, de quem vive a convicção revigorante de que o Senhor está connosco e nos acompanha nos caminhos da vida.

NOTA: Custódia da Paróquia da Gafanha da Nazaré

Comentários