CREIO EM UM SÓ DEUS: PAI, FILHO E ESPÍRITO SANTO

Reflexão de Georgino Rocha


Festa da Santíssima Trindade

Jesus suscita progressivamente nos discípulos a fé em um só Deus: Pai, Filho e Espírito Santo. Ao longo da sua vida vai fazendo acções, dizendo palavras, provocando e aproveitando encontros que levantam “a ponta do véu” desta verdade insondável, que é a Santíssima Trindade, a festa que, hoje, celebramos. A Igreja, na sua liturgia e na vida cristã que dela decorre, mostra a importância central desta realidade sublime que sempre está presente e nos envolve. Tudo começa “Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo”. Tudo se desenrola com “A graça de Nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam convosco”. Tudo se encaminha para que a assembleia dominical fortalecida com “A bênção de Deus todo poderoso: Pai, Filho e Espírito Santo” possa ir semear a paz assente na justiça e percorrer os caminhos da vida com alegria e confiança.
O encontro de Jesus com Nicodemos, que João nos narra (Jo 3, 16-18), constitui uma rica oportunidade para fazer a iniciação à vida de Deus na história humana e em cada pessoa. É a partir do agir que se pode chegar ao ser. À semelhança do percurso do rio que leva o explorador peregrino à nascente das águas cristalinas, ao manancial que, de diversos modos, se expande e irriga tudo à sua volta e ao longe.
Nicodemos é uma pessoa influente na classe dirigente dos judeus. Intervém duas vezes em questões referentes a Jesus: quando o querem matar sem julgamento e quando é preciso descer o cadáver da cruz e fazer os preparativos para ser sepultado (Jo 7, 50; 19, 39). Sempre revela a procura da verdade para o seu espírito inquieto, bom senso nas sentenças, ousadia discreta e corajosa na relação pública com Jesus.
Os rumores que lhe chegam a respeito de um novo Rabi, estimulam a curiosidade e impelem a vontade a ir falar-lhe. Aproveita a noite e põe-se a caminho. A noite no Evangelho de João tem uma densidade especial, simbólica. E contrasta bem com a luz do dia, irradiante de verdade e beleza. O silêncio da noite favorece confidências que o bulício  do dia afugenta. E Nicodemos abre o seu coração, desvenda a sua consciência. Surge um diálogo breve, mas profundo, seguido de uma declaração didática em que Jesus faz a sua primeira auto-revelação: “De tal modo Deus amou o mundo que entregou o seu Filho Unigénito… para que o mundo seja salvo por Ele”. Esta declaração constitui o coração do diálogo e, de algum modo, do próprio Evangelho. É precedida de outras afirmações de Jesus e perguntas de Nicodemos, que manifesta estar deveras surpreendido. As suas expectativas estão longamente superadas, sobretudo pela garantia dada pelo Rabi da Galileia: “Ninguém pode entrar no Reino de Deus se não nasce da água e do Espírito”.
O relato de João segue uma linha que vai aclarando quem é Deus: O Pai ama o Filho e este corrresponde-Lhe em reciprocidade de amor. O amor recíproco origina uma nova pessoa: O Espírito Santo. Todos unidos no e pelo amor; cada um diferente pelas funções reveladas no seu agir histórico para salvar o mundo. Verdade inacessível à inteligência racional, mas muito apreciada pelo coração humano. Verdade revelada que desvenda a nossa matriz original. Verdade comunicada que humaniza as nossas relações e confirma a nossa vocação/missão comum. Verdade que Jesus transforma em credencial dos seus discípulos ao rezar ao Pai: “Que todos sejam um como nós somos um”.
A Santíssima Trindade habita na consciência de cada pessoa que, necessariamente, tem de ser educada para esta realidade admirável. Ajuda-nos o testemunho de Enzo Bianchi, prior da comunidade monástica italiana de Bose, “Desde pequeno, antes de ir dormir, a minha mãe fazia-me ajoelhar aos pés da cama e com palavras simples fazia-me orar pedindo ao Senhor a sua bênção, a saúde dos nossos queridos, o envio do Espírito Santo, e depois convidava-me a manifestar-lhe reconhecimento e louvor. Por isso fui habituado a falar com uma Presença invisível. Aliás, há realidades invisíveis nas quais acreditamos. Pense-se no vento: não tem rosto, não se vê, e no entanto é uma presença de que todos nos damos conta e na qual acreditamos. No espaço da fé, Deus é uma presença não discernível, não visível, no entanto não só podemos acreditar nele, mas podemos também falar-lhe, abandonar-nos a Ele, esperar o dom do seu Espírito”.
Presença invisível, mas sensível ao nosso espírito, que reforça a dignidade e abre novos espaços à liberdade; que nos proporciona um novo acesso a Deus e nos impele a sintonizar a consciência com Ele e com o agir de Jesus Cristo, e nos faz saborear as alegrias do Espírito Santo. “Bendito seja Deus que fez de mim o Seu templo e quis habitar neste corpo já envelhecido pelos anos”, dizia em atitude de agradecimento humilde uma idosa que se aproximava dos noventa.
Presença invisível, mas actuante no agir da pessoa humanizada, reflexo e imagem da glória de Deus. Vale a pena meditar a declaração pública do Padre Rafael Garrido, Provincial da Companhia de Jesus, em nome dos jesuítas da Venezuela, de que se destaca este parágrafo: “Nós, jesuítas, trabalhamos em conjunto com dezenas de milhares de pessoas, entusiasmados pela vida, pela vocação e pelo trabalho, "a maior glória de Deus". Jesus nos ensina que a maior glória de Deus está em que os homens e mulheres tenham dignidade para viver e que essa nova vida não pode ser construída com o ódio e com a morte. Agradecemos por seu trabalho generoso em condições difíceis e recursos financeiros precários”.
Festa da Santíssima Trindade, convite a reabilitar a nossa dignidade e a empenhar-nos para que a humanidade viva como família de Deus.

Comentários