Primeiros Diáconos Permanentes da Diocese de Aveiro

22 de maio de 1988
Da esquerda para a direita: Carlos Merendeiro, Fernando Reis,
João Casal, Afonso Henrique, D. Manuel, Augusto Semedo,
Sousa e Silva (não foi ordenado), Joaquim Simões, Fernando Martins
 e Daniel Rodrigues. Falta o Luís Pelicano.
Lita, Luís Pelicano, Afonso Henrique e Joaquim Simões

Fernando Reis e esposa Margarida
Padre Georgino,  nosso mestre de jornada
D. António Marcelino
Os primeiros diáconos permanentes da Diocese de Aveiro foram ordenados no dia 22 de maio de 1988 pelo nosso bispo, D. António Marcelino, estando presente como convidado especial D. Manuel de Almeida Trindade, Bispo Emérito de Aveiro. Completam-se hoje, precisamente, 28 anos. Desse primeiro grupo fazia parte eu próprio com a noção da responsabilidade plena da entrega ao serviço da Igreja, como Ministro Ordenado, para o serviço que o meu bispo entendesse por bem nomear-me. 
O grupo não era grande, mas percebi em todos a certeza de que se encontravam preparados para servir e não para serem servidos, máxima que continua a inspirar-nos. 
Para memória futura, permitam-me que refira os que assumiram a ordenação. São eles:

Afonso Henrique Campos de Oliveira, de Recardães
Augusto Manuel Gomes Semedo, de Águeda
Carlos Merendeiro da Rocha, da Gafanha da Nazaré
Daniel Rodrigues, da Glória
Fernando Reis Duarte de Almeida, de Óis da Ribeira
João Afonso Casal, da Glória
José Joaquim Pedroso Simões, da Gafanha da Nazaré
Luís Gonçalves Nunes Pelicano, da Palhaça
Manuel Fernando da Rocha Martins, da Gafanha da Nazaré

Destes nove, três já se encontram junto do Pai, decerto com outras tarefas ou no merecido descanso. São eles o Carlos Merendeiro da Rocha, o Daniel Rodrigues e o João Casal. O Carlos com a paixão pela catequese, o Daniel com o entusiasmo pela defesa de causas na comunicação social, em especial na área da Pastoral dos Ciganos, e o João Casal com o gosto enorme pela implantação de Grupos Cáritas nas paróquias. Foram para mim, e com certeza para muitos, exemplos de vida pelo testemunho de fé nas comunidades em que trabalharam com um dinamismo  que eu de perto bem conheci.
Aos restantes, que eu saúdo com muita amizade e a quem endosso votos de saúde, otimismo, paz, sentido de partilha e amor à Boa Nova de Jesus Cristo, na certeza de um mundo novo, quero prometer que rezarei por todos. 

Augusto Semedo 
Permitam-me uma palavra especial ao meu querido amigo Augusto Semedo, em recuperação pelo AVC que o atacou. Quero testemunhar-lhe a minha gratidão pela sua vida que ajudou a cimentar a minha fé. Em hora dolorosa para mim, deixou tudo para me acompanhar ao Hospital onde fui socorrido no momento exato de um enfarte. O Semedo foi e é um cristão de fé sem barreiras junto dos feridos da vida, integrado na Sociedade de São Vicente de Paulo e não só. Pela oração, pela exemplo, pela cultura, pela pastoral e pela ação sem alardes um muito obrigado, meu caro Semedo. 

Fernando Martins

Para saber mais sobre o Diaconado Permanente na Diocese de Aveiro clicar  aqui 

Comentários