A nossa gatinha Biju morreu

O gosto pela solidão

Morreu hoje a nossa gatinha Biju com cancro que não lhe perdoou a sua existência serena no meio de nós. Tinha 15 anos e parecia saudável. Era assistida com regularidade pelo médico veterinário, mas de repente tudo se precipitou.
Não considero um lugar-comum proclamar-se que, «quanto mais conheço os homens, mais gosto dos animais». É verdade. Os animais domesticados são companhia agradável, fieis aos donos e disponíveis para a convivência. Até dão a impressão de que se alegram com as alegrias da família, ficando tristes quando pressentem dores e tristezas de quem deles cuida.
Quando a doença se manifestou, longe estávamos de pensar que seria o fim. A Biju enfrentou outros males, mas tudo ultrapassou, dando-nos o exemplo, inconsciente decerto, de teimosia em viver.
Cá em casa morava no sótão com a filha, a Guti, com quem teve algumas quezílias temporárias que a seguir esquecia.
Quando nova, ia dar as suas voltas, mas logo regressava à janela por onde saía habitualmente. Depois corria para os seus aposentos, onde a dona, a minha Lita, tudo tinha preparado: camas adequadas à estação do ano, água fresca, alimentação própria, uma janela para apreciar o ambiente e o sossego de que tanto gostava. Tardes e noites inteiras sem se mostrar e sem se incomodar com o mundo.
Quando estranhava a ausência da dona, à noitinha, descia pela porta sempre entreaberta e miava como que a saudar ou chamar a Lita. E então, na altura em que a Lita se aprontava para subir ao sótão, a Biju corria feliz da vida à sua frente.
Morreu deixando um certo vazio em toda a família, mas legou-nos uma filha que dela herdou o gosto pela solidão, por uma vida sem pressas, sem querer incomodar seja quem for, mas desejado também que a não incomodassem.  

Comentários

  1. Compreendo e partilho dor que é a perda de um animal de estimação. Já passei por essa situação e senti-o na pele. Tenho ouvido a algumas pessoas que sentiram mais dor pela morte de um cão, que duma pessoa. Só quem tem um amor extremado aos animais é que compreende isto. Os animais, nomeadamente os cães dão-nos amor incondicional sem pedir nada em troca. Há quem diga que certos animais têm sentimentos e eu corroboro...O meu....o Boris tinha certamente. O sucessor, o Scott apesar de os demonstrar de modo vário, acho que também tem...mas confusos...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário